Estamos transcrevendo trechos do artigo: “When Huna Prayers Fail” [tradução livre: “Quando as Orações Huna Falham”], de autoria de Max Freedom Long, editado em 15 de abril de 1951, no Huna Bulletin 53, visando o nosso conhecimento e o nosso entendimento do sistema de pensamento da Psicofilosofia Huna.

O Artigo completo em inglês poderá ser acessado através do site: https://www.maxfreedomlong.com/huna-bulletins/huna-bulletin-053/.

Tradução livre Projeto OREM®

“Para Huna Research Associates

Cobrindo a abordagem experimental para o uso da Huna em HUNA e campos religiosos e psicológicos relacionados.

NÓS ESTAMOS AGORA ESPERANDO para dar tempo suficiente para que as cartas do ‘Muro de Proteção’ para os soldados cheguem até a eles através dos lentos correios no exterior. No devido tempo, nós começaremos a saber como as cartas foram recebidas. Um novo suprimento de carta de seis páginas tem sido feito e você pode ter quantas cópias quiser enviar. Essa é uma obra que promete ser um verdadeiro Serviço. Reivindique a sua parte nisso [na época do experimento; uma ideia do que a Huna pode fazer a Serviço da sociedade].

UMA BOA CARTA sobre o assunto vem de HRA H.J.S. em Detroit. ‘Eu terei o maior prazer em dar a carta do ‘Muro’, do Boletim 51, a um soldado na primeira chance que eu tiver. Eu posso ficar sabendo sobre um entre os meus amigos ou vizinhos. É muito bonito e surpreendentemente simples. Eu li com interesse a primeira parte do boletim em que você dá as suas respostas às ‘Três perguntas’ sobre o contato com os Aumakua, tempo necessário para obter respostas às orações e nossos pedidos de orientação. Eu tenho que dizer, como eu fiz antes, que de acordo com a minha experiência, a submissão absoluta na fé ao nosso Aumakua durante a prece-ação, com absoluta confiança de que a oração irá ‘acertar o alvo’, causará um forte fluxo de Mana e o contato é capaz então de ser sentido, provando assim que o contato foi feito. É preciso observar os resultados das bênçãos à medida que elas aparecem – talvez no mesmo dia ou em qualquer período de tempo posterior. Eu tenho treinado a minha Unihipili para afastar todos os pensamentos que não pertencem à minha oração [prece-ação de autolimpeza anterior]. Eu não apenas sinto a Mana me deixando, mas sinto a Mana Loa retornando para mim.

‘Quando a Mana tiver sido oferecida e liberada e aceita a partir do dia a dia do corpo, então os nossos Aumakua, a meu ver, estão sempre prontos para suprir as nossas necessidades. Eu tive um problema complicado recentemente, com limite de tempo definido e sem permissão para erros. Outros homens já haviam falhado nisso. Eu invoquei sabedoria e orientação divina na noite anterior e consegui isso. Na manhã seguinte, tudo estava em perfeitas condições. Essa é mais uma prova para mim de que não há outra maneira de superar as dificuldades senão recorrer às orações que estão sendo atendidas e às orientações que nos são dadas quando nós estamos em apuros e isso é necessário.’

SUGESTÃO PARA SONO

Para os HRAs que possam estar interessados ​​em participar de experimentos, incluindo pontos de vista da Huna [Huna angles], com sugestão para sono e que possuem ou receberão equipamentos de gravação, HRA J.R. Richards, Jr., 151 Armstrong Drive, Hampton, Virgínia, deve ser abordado. Ele se ofereceu para fazer todo o trabalho para nós de dirigir e coordenar os experimentos [uma ideia do que a Huna pode fazer a Serviço da sociedade].

Eventualmente, um relatório completo será feito para o benefício do restante de nós. Se forem recebidas cartas suficientes para mostrar interesse suficiente no projeto, ele será iniciado, talvez em 60 a 90 dias. Um trabalho preliminar terá que ser feito para decidir sobre as melhores formas de fazer os testes, os melhores tipos de sugestões e as melhores formas de dublar as gravações e utilizá-las. HRA Richards já tem experiência suficiente para ser de grande valor para nós. Aqui estão partes de sua carta para mim.

‘Desde que eu me tornei um HRA, eu ainda estou tentando assimilar todos os dados que vocês têm preparado e, aparentemente, isso levará algum tempo para colocá-lo em operação. Pouco a pouco, eu estou aprendendo a colocar o meu ‘George*’ à prova – eu estou tendo a minha cota de falhas e, da mesma forma, resultados surpreendentes o suficiente para mais do que intrigar a minha curiosidade. Eu tenho estado usando a sugestão para sono para ordenar o acúmulo de força vital e eu tenho contado mais de 1.500 oscilações do pêndulo de uma só vez. Em outras ocasiões, as minhas oscilações variaram entre 600 a 1300. (variação normal 175, conforme testado depois que ele terminou de escrever a carta e acrescentou em um pós-escrito). Eu tenho usado um gravador há mais de 13 meses e duvido seriamente que algum dia eu abandonarei o seu uso. Em vista dos comentários de Wing Anderson sobre a evidência estatística de que algumas pessoas parecem ter uma resposta atrasada de um ano ou mais, eu pareço cair nessa categoria com algumas exceções muito importantes.’

[*George era o nome adotado por Max Freedom Long para a sua Unihipili (Mente Subconsciente, eu básico)]

‘Eu fiz gravações do tipo Huna em fita para obter sonhos do passado (sem resultados definitivos). Eu obtive resultados em três noites e comecei a sonhar com o futuro. Eu sonhei com dois combates navais diferentes (com forças estrangeiras). Em um sonho para o qual ele alcançou a data de 1983 a minha esposa e eu estávamos em uma cidade cuja identidade era desconhecida e sem outros vistos. Se esses sonhos continuarem, eu pretendo manter um registro cuidadoso deles e enviarei a você mais tarde. É minha opinião pessoal que a Huna digite orações por meio de um gravador, ofereça um terreno muito fértil para experimentação e eu espero que eu possa desenvolver uma técnica infalível que produzirá resultados. Eu ainda penso que nós somos capazes de usar esse método para (1) explorar o passado em sonhos, (2) também o futuro e (3) entrar em contato com o Aumakua para obter o procedimento correto, etc.’

NOTA: Por favor, escreva para o HRA Richards, não para mim, sobre o projeto de sugestão para sono. Eu estou mais do que satisfeito por ter um HRA energético (ativo) e perspicaz que assume e executa um projeto, dirigindo-o ele mesmo, respondendo a todas as correspondências, etc.. Se nós pudéssemos iniciar outros projetos e manejá-los dessa forma, com relatórios feitos de tempos em tempos, isso possibilitaria muito mais trabalho para a nossa organização.

PROTEJA A SUA MANA

Em uma carta recente, foi feita a pergunta: ‘Por que é necessário interromper o contato com os Aumakua e terminar a oração abruptamente como nós fazemos? Eu gosto de manter o contato e comungar com os Aumakua – às vezes indo dormir assim.’ MA Major O.B. Gabriel, que é um curador [healer] experiente e que às vezes trabalha com Harry Edwards na Inglaterra, escreveu na revista RELIGIONS: ‘Mas a passagem da vitalidade humana – às vezes chamada de cura [healing] Magnética, é apenas uma, a menor de fato, das de dois tipos. A maior é a transmissão de um Poder a partir de fora da estrutura humana. A diferença é facilmente percebida na prática, pois enquanto o curador [healer] Magnético se esgota ao ponto da exaustão se continuar por muito tempo, o curador [healer] Espiritual termina melhor do que começou.’

Em nosso trabalho, nós fazemos as nossas preces quando em contato direto via cordão aka, com o Aumakua. Nós enviamos a Mana como a nossa oferenda. Essa é uma parte básica do ritual e nós temos que realizar esse ato por nós mesmos, não depender do Aumakua para fazer isso. Cada eu tem que fazer a parte que lhe é atribuída e, nesse caso, as Unihipili e as Uhane são as responsáveis.

Quando a prece-ação termina, isso foi descoberto por experiência que, por algum motivo ou outro, também é necessário convidar o retorno do fluxo de ManaMana elevada ao nível Aumakua de poder e pureza que pode curar e abençoar [Mana Loa]. O Kahuna pedia: ‘Deixe a chuva de bênçãos derramar-se.’ Nós temos que fazer o mesmo. Isso parece fazer parte do ato de abrir a porta para a ajuda dos Aumakua de maneira que nós possamos ter essa ajuda que eles estão proibidos de dar, a não ser que a presença deles seja reconhecida e a ajuda deles solicitada.

Sempre, sem exceção, nós devemos fazer esse encerramento formal da oração se uma oferenda de Mana for enviada ao Aumakua. Feito esse final, nós podemos então retomar o contato e comungar alegremente – descansar na felicidade da proximidade calorosa, carinho e amor dos Espíritos Parentais Totalmente Confiáveis.

Pode-se também visualizar a Mana subindo como uma fonte [de água] no corpo, jorrando para cima na direção do Aumakua e retornando a você como água para a tigela da fonte. Isso estabelece um circuito completo e pode-se rezar ou tratar por um longo período de tempo sem se esgotar. Eu uso esse método nos períodos de TMHG aqui no Study.

UM ESTUDO DE FALHAS NO USO DA HUNA

Chegou recentemente uma carta de um de nossos HRAs que está no trabalho quase desde que isso começou. Isso é valioso para nós porque traz para um foco claro o problema de falha após esforços para usar a Huna.

“…Eu sinto, porém, que nós estamos fora do rumo em algum lugar. Os resultados simplesmente não vêm como eles deveriam. Eu tive essa chamada oportunidade maravilhosa no outono e isso não significou nenhum dinheiro; novamente, uma no Natal e que me rendeu cerca de $200 – a viagem em si custando mais de $100. E eu tenho enviado boas inscrições para concurso após concurso, sem resultados. Os resultados espetaculares prometidos pela Astrologia foram, na verdade, bastante triviais nos resultados finais. E pelo que eu posso dizer, é o mesmo para cura [healing], etc..

Talvez isso seja essa questão de imaginar exatamente o que nós queremos. Como nós SABEMOS o que nós queremos? Repetidas vezes eu tenho sido enganado a esse respeito e o que eu pensei que queria acabou sendo triste. O Tarô – assim como as Igrejas Ortodoxas – ensinam que nós somos meramente canais para a Vontade Primordial, Deus, etc. e nada podemos fazer por nós mesmos.

Talvez isso seja apenas Mana que nós devamos dar e não um esboço ou vaso a ser preenchido. Talvez a Unidade se aproxime mais nesse aspecto, com o ‘eu‘ dela [Unidade] eu coloco a mim mesmo com amor nas mãos do Pai – aquilo que é para o meu bem maior virá para mim’. Talvez não.

Eu não sei o que está errado. Eu somente sei que isso não é, está muito longe de ser, totalmente eficaz…’

Eu tenho orado com e por esse bom amigo por um longo tempo e não há como negar que algo está errado no que diz respeito aos resultados – aqueles que nós falhamos em causar. Isso nos leva imediatamente à questão de saber se o nosso conceito da Huna está errado ou se existe a possibilidade de que ela não tenha sido devidamente utilizada.

Todos nós temos a tendência muito natural, quando as coisas que nós pedimos não são obtidas, de nos colocarmos nesse estado de espírito e dizer: ‘Bem, isso é onde eu cheguei.’ No entanto, nós reagimos da mesma forma que Jó quando, em sua iminência, a esposa dele perguntou se ele iria ou não ‘amaldiçoar a Deus e morrer?’ Ele não o faria e nem a maioria de nós fará. Nesses dias modernos, ou nós voltamos à fé de nossa infância, ou nós mudamos para algum outro sistema Psicoreligioso que nós esperamos que funcionará melhor.

Nós estamos todos incuravelmente ligados – no fundo de nossos corações – a uma fé em alguma forma útil de Poder Superior. De vez em quando, nós nos sentamos para nos perguntar se nós mesmos não deixamos passar alguma coisa em nossos esforços para usar os mecanismos básicos da Huna, embora a conclusão seja de antemão, nove em dez vezes, que a Huna esteja errada ou que nós não a entendemos.

Claro, isso tem que ser lembrado que no HRA ainda nós somos um grupo de estudo e experimental. Nós não somos capazes de reivindicar um amplo conhecimento da Huna nem a habilidade graduada em seu uso. No entanto, nós temos boas evidências de que funcionava para os Kahunas e nós sabemos que os milagres de cura [healing] ocorriam em certos santuários. Parece haver pouca dúvida de que a oração às vezes é respondida.

Vamos cada um de nós, enquanto nós lemos, considerar as nossas próprias falhas no uso da Huna como nós a conhecemos. Vamos considerar a maneira como os Kahunas faziam as coisas que nós temos tentado fazer, ou o que eles faziam com que os clientes deles fizessem para obter os resultados desejados.

Tanto quanto eu sei, os Kahunas não acreditavam que era suficiente colocar os nossos problemas nas mãos de um Deus amoroso e afirmar que Ele iria providenciar o bem supremo. Eles perguntavam se havia ou não culpa ou outras fixações a serem trazidas à luz e removidas. Eles exigiam que fossem feitas reparações pelos sofrimentos causados ​​a outros, sabendo que, a não ser que e até que as reparações fossem feitas, a Uhane [Mente Consciente] não poderia aceitar o fato de que a culpa foi cancelada e que, a não ser que a Uhane viesse a ser totalmente convencida, a Unihipili [Mente Subconsciente] retinha o sentimento de culpa e então ‘bloqueava o caminho’ da oração.

Esse é um ponto primordial. Isso não aparece em nenhum outro sistema Psicoreligioso, antigo ou moderno, tanto quanto eu sei. E isso leva a um ponto secundário muito importante, que é o fato de que a fixação de culpa ou de qualquer natureza pode frequentemente ser mantida pelas Unihipili muito tempo depois que as reparações sejam feitas ou a fixação tenha sido racionalizada. O uso de um estímulo físico, com ou sem sugestão, era utilizado aqui nessa fase para liberar o paciente desse bloqueio. Uma ‘limpeza’ era usada, um kala ou restauração da ‘luz’. Isso não era a mal entendida purificação dos pecados em geral, como praticada nas igrejas Cristãs (e como ignorada pelas seitas modernas). Isso era um trabalho definido realizado para um propósito definido e não era um ‘batismo’ que poderia durar uma vida inteira. Isso pode ter que ser repetido para outras fixações.

Nós temos que admitir que nós ainda não estamos desenvolvidos como uma Kahuna. Nós temos ainda que começar a tentar nos livrar das fixações. Poucos de nós sequer tentaram fazer um número suficiente de boas ações do tipo Escoteiro para servir como estímulos físicos para apagar os nossos últimos vestígios de convicção de culpa. Talvez nós não tenhamos feito nenhuma tentativa de reparar os sofrimentos causados ​​a outros. Se tanto a Unihipili quanto a Uhane carecem do sentimento definitivo de que a ajuda do Aumakua é merecida, essa ajuda pode ser impedida por um bloqueio do caminho para que a oração não seja entregue e atendida. Válidas ou não, essas considerações devem ser mantidas bem em mente. Nós podemos ter falhado nessa observância.

Decidir exatamente o que nós queremos é, de fato, uma grande dificuldade. Frequentemente, nós desejamos ir para o novo, mas não conseguimos nós mesmos romper com o velho. Ou, como eu descobri certa vez em minha experiência, nós podemos subconscientemente nos apegar ao velho e, assim, impedir coisas tais como a venda de um negócio ou de uma casa. ‘George’ forma apegos estranhos e obstinados a coisas, circunstâncias e pessoas. Ele tem que ser observado, as suas objeções trazidas à luz e todas as coisas explicadas de forma reveladora em termos de lógica e vantagens de sobrevivência pessoal, pois SABER o que nós queremos é tão importante quanto fazer a planta de uma casa nova. Em nossos cultos modernos, muitas vezes nós ignoramos o projeto e até mesmo não fornecemos nenhum fundamento. Deus, o carpinteiro divino, deveria saber melhor do que nós que tipo de casa nós queremos.

Mas nós continuamos interrompendo para insistir que essa ou aquela ou outra coisa TEM QUE ser construído dentro ou ao redor da casa. A madeira de Mana não é fornecida, ou é cortada e desperdiçada por repetidas demolições para um novo começo. O espanto é que qualquer tipo de casa seja concluída. Além disso, raramente nós vivemos as nossas vidas sozinhos. Os membros de uma família podem estar em desacordo quanto ao que deve ser construído ou não. Todos nós devemos perguntar a nós mesmos se a nossa unidade familiar estava de acordo ou não com o que era desejado.

Onde há propósitos contraditórios, a regra parece ser que nenhuma casa de qualquer tipo é construída.

Aquilo que nós chamamos de ‘lei natural’ ou ‘lei de causa e efeito’ é vista em ação ao nosso redor o tempo todo. À medida que nós trabalhamos em certas direções, o futuro se cristaliza e se coloca à nossa frente. Se eu empreender algo tolo ou impraticável e seguir em frente, o resultado natural é o fracasso. O fracasso faz parte do futuro do projeto desde o início. Pode muito bem ser necessário um milagre após orações intermináveis ​​para mudar esse futuro para um bom resultado bem-sucedido.

Nós aprendemos fazendo e com os nossos erros nos níveis Unihipili e Uhane. Por outro lado, se o nosso plano for bem pensado e sólido, uma única oração pode fazer a diferença entre o sucesso e o fracasso. Depois de nós falharmos, felizmente, geralmente nós podemos olhar para trás e ver que a principal falha está em um plano ruim e não em uma falha em usar a Huna corretamente depois que o plano foi colocado em ação.

Nós podemos objetar e com razão, que a Orientação tinha falhado e isso nos traz de volta à questão de saber se nós podemos colocar as nossas vidas e problemas no colo do Aumakua e sentar e esperar que nos digam exatamente que tipo de casa para construir. A Huna é sã e muito prática em seus fundamentos. Nós podemos ver isso em todas as coisas que os Kahuna empreenderam e no que eles fizeram. O Kahuna não se deitava em sua esteira pela manhã e rezava para saber o que fazer. Ele se levantava, ia pescar ou fazia o que sabia fazer por si mesmo. Somente nas coisas em que os três eus necessitam trabalhar lado a lado, ele recorria aos Aumakua.

Da mesma forma, nós temos que nos manter firmes e seguir em frente. Ganhando ou perdendo, o nosso trabalho é planejar o melhor que nós pudermos e agir com a maior sabedoria possível que nós podemos. Em retrospecto, eu sou capaz de dizer que em minha própria vida eu geralmente tenho descoberto logo após começar qualquer coisa, se eu estava indo na direção certa ou não. Essa forma negativa de Orientação, sem dúvida, nos ajuda a aprender de maneiras difíceis o suficiente para deixar uma lição duradoura em nossa posse. Entretanto, mesmo assim, eu sou capaz de olhar para trás e ver onde a Orientação mais importante da minha vida veio repetidamente por meio de algum acidente aparentemente minúsculo. Uma vez eu perdi um trem. Uma vez eu decidi dar um pequeno passeio. Uma vez eu coloquei a minha cabeça para fora da janela de um hotel para ver um carro de bombeiros passar.

Em cada caso, toda a tendência da minha vida foi mudada radicalmente como resultado. Se alguma dessas coisas não tivesse acontecido, eu não estaria escrevendo para você sobre a Huna nesse momento.

O Kahuna acreditava que os principais eventos em nossas vidas eram decididos pelo Aumakua, mas que nós temos carta branca por direito divino em todas as coisas menores – para que nós possamos aprender a remar as nossas próprias canoas.

Nós aprendemos fazendo e com os nossos erros nos níveis Unihipili e Uhane. Por outro lado, se o nosso plano for bem pensado e sólido, uma única oração pode fazer a diferença entre o sucesso e o fracasso.”

Concursos e apostas são coisas estranhas. Eu quase decidi que eles são contrários pela própria natureza deles à coisa que a humanidade parece aprender – cooperação e ajuda mútua. Os deuses ensinam as abelhas e as formigas a cooperarem entre si. Eles estabelecem um padrão para o homem, mas a competição e a lei da presa** são difíceis de desaprender à medida que nós avançamos. Concursos e apostas são constantemente perdidos pela maioria dos HRAs, apesar das orações e do trabalho cuidadoso e inteligente. A parte triste é que não conseguir vencer depois do trabalho e da oração marca Unihipili com dúvida e desconfiança.

[**A lei da presa é nunca deixar alguém encontrar você em uma situação vulnerável.]

O Kahuna acreditava que os principais eventos em nossas vidas eram decididos pelo Aumakua, mas que nós temos carta branca por direito divino em todas as coisas menores – para que nós possamos aprender a remar as nossas próprias canoas.

Uma amiga íntima me contou que rezava, quando menina, para que ela adivinhasse corretamente a quantidade de feijões no pote da loja da esquina para ganhar a maravilhosa boneca. Ela perdeu e com a perda se foi a sua fé infantilmente serena nas respostas às orações. Mais tarde ela encontrou terreno firme – se ela lavasse a louça, o centavo prometido nunca seria retido. Moedas se acumulavam e compravam bonecas. Ela tinha aprendido da maneira mais difícil, no entanto, ela TINHA aprendido.

Eu não sei como é com vocês, outros HRAs, entretanto, há muito eu tenho aprendido que a Astrologia ou a execução das cartas do Tarô não podem fornecer orientação confiável. Os meus amigos mais sábios, no que diz respeito a esses assuntos, dizem-me que ‘as estrelas inclinam, mas não obrigam’. Eu sou um principiante em Astrologia, mas quando eu penso que as estrelas são boas, tento ainda mais e, quando ruim, exerço um pouco mais de cautela – enquanto ainda tento com mais afinco. Entre os momentos, simplesmente eu faço o melhor que eu posso. Isso tem pouco a ver com os nossos estudos e testes da Huna, no entanto, isso não é um plano ruim. Ele funciona muito bem para mim. Quando eu falho, eu sou capaz de colocar a culpa dos meus erros nas estrelas ruins, o que é um grande alívio para Cigbo[1], que se cansa de aceitar toda a culpa por tudo que nós HRAs fazemos. Se eu for bem-sucedido, eu posso reivindicar todo o crédito – e isso é muito bom para os velhos egos abatidos de vez em quando.

[1] O Editor de Pesquisa da Huna Research Associates (HRA) explica (Huna Vistas NEWSLETTER #4): “Para o bem dos novos membros, eu explicarei que Cigbo’ é o ‘gatinho’ imaginário da HRA que sempre se encarregou dos selos e dinheiro para papel, envelopes e outras coisas para o Dr. Max e se mantém ocupado coçando na caixa de charutos para tudo isso. Cigbo interrompe para dizer: ‘Imaginária, A MINHA PATA DIREITA! Eu sou a Realidade! Eu terei mais a dizer em MINHA COLUNA!’

Depois de nós falharmos, felizmente, geralmente nós podemos olhar para trás e ver que a principal falha está em um plano ruim e não em uma falha em usar a Huna corretamente depois que o plano foi colocado em ação.

Nós podemos falhar e provavelmente continuaremos a falhar por muito tempo, entretanto, nós nunca podemos dizer que a Huna tem falhado até que nós tenhamos aprendido de alguma forma a usar a Huna como fazia o Kahuna.

Abra o meu livro, SSBM*** e leia novamente a história de como eu procurei a gentil mulher Kahuna em Honolulu quando eu não conseguia vender a minha loja de câmeras e eu enfrentei um desastre. Leia como ela me questionou com tanto cuidado para me ajudar a ter certeza absoluta do que eu queria que acontecesse, como ela me deu a tarefa de limpar o meu caminho, como ela perguntou ao Aumakua se eu poderia ser ajudado a realizar o meu desejo, como ela obteve a resposta afirmativa por meios psíquicos. Leia como ela construiu a imagem da nova condição recitando o pedido da oração três vezes, palavra por palavra, como ela então pediu instruções sobre o que eu deveria fazer, como as instruções foram obtidas rápida e certamente por meios psíquicos e como, quando eles foram seguidos ao pé da letra, a ajuda foi dada a oração completamente atendida.

[***Livro de Max Freedom Long: The Secret Science Behind Miracles]

Não, a Huna não tinha falhado. Eu estou convencido disso. Somos nós que falhamos. Nós falhamos em grande parte porque nós tivemos necessidades tão prementes de ajuda que não conseguimos adiar a tentativa de correr até que nós tivéssemos aprendido a rastejar – para não falar de aprender a andar.

Nós podemos falhar e provavelmente continuaremos a falhar por muito tempo, entretanto, nós nunca podemos dizer que a Huna tem falhado até que nós tenhamos aprendido de alguma forma a usar a Huna como fazia o Kahuna.

Talvez a coisa mais animadora que nós podemos dizer a nós mesmos é que frequentemente nós estamos obtendo resultados muito melhores do que nós podemos logicamente esperar, levando em consideração o nosso treinamento e as suas limitações. Mesmo na pior das hipóteses, nós não estamos pior do que antes de planejarmos corajosamente atuar como Kahuna. Mesmo no fracasso, nós continuamos a aprender e ISSO é de importância duradoura. Além disso, é possível que nós possamos ver melhor por que nós falhamos se examinarmos o que fizemos em nossas tentativas de obter ajuda – talvez em cada etapa nós não tenhamos certeza de que estávamos sendo ‘totalmente confiáveis’ para o melhor de nossa luz.

Quando eu era muito jovem, eu me sentei aos pés de um estudante mais velho de ‘ocultismo’. Um dia, eu lhe perguntei por que ele tinha falhado em ser capaz de usar os métodos que expôs e vir a ser rico. ‘Isso é porque eu não sou capaz de confiar em mais do que apenas o suficiente para sobreviver’, respondeu ele sombriamente. ‘Três vezes me foi permitido dinheiro e a cada vez eu parava pouco antes em meu trabalho oculto ou apenas seguia os movimentos. Eles querem que eu cresça – para progredir no Caminho. Eu não posso confiar em mais do que metade do que eu necessito. Isso me mantém trabalhando no meu melhor o tempo todo apenas para obter o suficiente dessa outra metade para manter o corpo e a alma juntos.’

O objetivo brilhante que está à frente de cada um de nós no futuro é vir a ser ‘totalmente confiável’. Se nós pudermos manter essa meta sempre brilhante diante de nós e perceber que nada mais importa, real e permanentemente, nós não iremos muito longe.

UMA QUESTÃO SOBRE RESPIRAÇÃO E ESPÍRITO

Uma pergunta sobre respiração e espírito chegou recentemente por carta, com a observação de que Glenn Clark, famoso por seu movimento ‘Camps Farthest Out’, defendia a respiração especial como um exercício espiritual em conexão com a oração. ‘O que a Huna diz?’ pergunta a carta.

No Cristianismo primitivo, as palavras para respiração e para espírito tinham as mesmas raízes e um significado comum. Respiração era vida e com ela se foi, o espírito deveria ter partido. A palavra ‘alma’ foi uma palavra posterior para ‘espírito’, emprestada do Inglês Médio e das línguas do Norte da Europa, ao invés do Grego ou do Latim. Ela é mais como o ‘eu’ [self] em conceito, enquanto ‘espírito’ tem mais o elemento da força vital ou Mana. A palavra Egípcia ba para ‘sombra’ é apontada nos dicionários como semelhante e anterior aos conceitos Gregos e Latinos e como colorindo a ideia Cristã do eu no homem. Na Huna, nós temos o ba em sua forma original como ka e com a vogal elidida ‘a’, perdida na tradução dos glifos do Egito, nós temos o nosso aka, ou corpo sombreado, que a Huna nos diz que não é o eu, mas apenas o corpo invisível usado pelo eu dentro e fora da vida no corpo físico. Cada um dos três eus tem o seu próprio corpo aka.

O conhecimento distorcido da Huna que foi emprestado pelos Judeus e mais tarde pelo Cristianismo permanece um emaranhado de conceitos confusos até que alguém aplique a Huna e restaure a ordem. Na tradução da Bíblia de Fenton, nós obtemos, em Gênesis, a afirmação de que Deus balançou a superfície das águas com o Seu sopro antes de criar a luz. Na Huna nós temos três significados secretos correspondentes escondidos atrás dos símbolos. A ‘água’ é Mana. A ‘respiração’ é o ‘corpo sombreado’ ou corpo aka de todas as coisas – o contorno ou molde. A ‘luz’ é a consciência no nível da percepção [consciousness] ou identidade ou alma.

Considere a ‘respiração’ com mais detalhes. Em Havaiano, a língua usada em nosso estudo da Huna, há três palavras para ‘respiração’ ou ‘respirar’.

Ea: Para entrar. Elevar ou erguer, como a água sobe (como em uma fonte – símbolo que nós usamos para acumular a sobrecarga de Mana). Espírito, sopro vital, sopro da vida, a própria vida.

Aho: A respiração ou respiração natural. Um cordão de linha. (Aha também significa cordão e é melhor usar do que dizer ‘fio aka’, embora nós tenhamos nos acostumado no HRA a esse último. É significativo encontrar a palavra aho com um duplo significado indicando uma conexão direta com o fio conector e respiração. O significado parece ser que o acúmulo de Mana ou colocá-lo em uso implica o uso da respiração de uma forma ou de outra. Escondido sob o símbolo, nós vemos a ‘entidade’ ou consciência no nível da percepção [consciousness] de alguma forma, dirigindo a criação da terra ou de alguma pequena forma-pensamento em nossas preces-ação.

Ha: Respirar, respirar com algum esforço (um ato de respiração mais forte do que o indicado na palavra hanu, que é outra palavra para respiração natural). Uma gamela para a água correr (água representando Mana, [sugerindo] a possibilidade de fazer a Mana fluir em direções definidas pelo uso de uma gamela – respirando). (Lembre-se que alma e espírito são a Unihipili e a Uhane e o Aumakua.)

Gênesis (Fenton) continua: ‘Deus então disse: ‘Deixe-Nos fazer os homens à Nossa Sombra. Então Deus criou os homens à Própria Sombra Dele, criando-os na Sombra de Deus’. Observe que a tradução cuidadosa substitui a palavra ‘imagem’. Isso nos leva diretamente de volta ao Egípcio e ainda mais de volta à Huna, de modo que nós encontramos enfatizado no relato da criação que o corpo sombreado ou aka foi usado como o molde no qual o homem foi lançado no corpo material.

O processo foi usado da mesma maneira idêntica no trabalho criativo do Kahuna e o relato da ‘Criação’ pode muito bem ser um véu para ocultar o significado secreto da Huna. Para usar os métodos de criação Huna, nós movemos as águas, ou a Mana, nós respiramos como uma parte de controlar e acumular e enviar Mana (ea a partir das raízes significa e: entrar e a: queimar. Nós, contemporâneos, dizemos que respiramos o ar e o usamos para queimar ou oxidar elementos alimentares na corrente sanguínea). O símbolo da respiração em ea e aho nos dá a ‘força vital’ e o molde do corpo sombreado ou aka. ‘Deus’ simboliza a inteligência (os eus da Huna) colocando o processo criativo em movimento e dirigindo-o, passo a passo, como nos ‘seis dias’ levados para a criação do mundo.

No relato do Novo Testamento, como nós o temos agora, Jesus retorna em plena forma materializada após a morte dele e aparece aos discípulos. Em João 20:22, nós lemos ‘E tendo dito isso, ele infundiu (derramou?) a Si mesmo neles e disse: ‘Recebei o Espírito Santo. Se você expulsar os pecados de algum, eles serão livres. Se você os subjugar, eles serão subjugados.’’ Fenton nos dá uma nota de rodapé para a palavra ‘infundido’ que ele usou em vez do familiar ‘soprado’ e nós voltamos para Gênesis 2:7 e encontramos ‘respiração’ usado em seu lugar de ‘infundido’ … formou o Homem a partir do pó da terra e RESPIROU em suas narinas a vida dos animais, mas o homem veio a ser uma alma contendo-vida.’

Os três eus da Huna têm sido o maior quebra-cabeça da doutrina Cristã. A antiga doutrina era que todos os seres, altos e baixos, do homem aos deuses, eram trinos em sua natureza. Os Egípcios tinham os deuses como Pai, Mãe e Filho. Na confusão, faltando o conhecimento Huna, é bastante aparente que os três eus do homem foram confundidos com as três unidades de um Deus trino. Os seis pedaços foram sacudidos juntos e o homem saiu com um único eu.

Para remediar a situação, foi-lhe atribuído um Anjo da Guarda ou, se fosse devidamente bom, foi-lhe acrescentado o Espírito Santo. O Espírito Santo ou Aumakua foi, no entanto, deixado pendurado entre o céu e a terra nas doutrinas. Era vagamente visto como um eu conectado com o homem, mas não da mesma forma que o único espírito ou eu estava nele. Era um espírito superior que tinha sabedoria e poder superiores e que vinha ajudar os homens sob certas condições. A sugestão das linhas de João citadas acima parece ser que as fixações de culpa, bem como outras fixações que tiveram de ser ‘subjugadas’ em vez de simplesmente ‘expulsas’ (ou removidas), podem ser mais bem tratadas por aqueles que tiveram uma introdução prática ao Espírito Santo ou Aumakua.

Isso, se for um fato, pode ser de extrema importância para a nossa exploração e experimentação Huna. Talvez toda a Psicanálise e mesmo a Dianética, falhe em eficácia total em encontrar e drenar fixações ou complexos de culpa por causa da falta de um elemento necessário do poder mental e da Mana do Aumakua. Por algum tempo, eu tenho me inclinado fortemente para a opinião de que nós necessitamos muito de algum meio para financiar e realizar uma série adequada de experimentos exatamente nessa linha. Algum trabalho foi feito pelo HRA Dr. Reinhold e HRA Sra. Reinhold, assim como outros. Os resultados preliminares clamam por um teste em larga escala em uma base maior. MFL

—–

Imagem: Foto de Patrick Schneider na Unsplash – patrick-schneider-yw1y-alKGrg-unsplash-1.jpg – 27 de maio de 2023

Referências bibliográficas da OREM1

Amazing Women In History – artigo https://amazingwomeninhistory.com/morrnah-nalamaku-simeona-hawaiian-healer/

Amy Thakurdas, PhD – artigo “Ho’oponopono: Universal Healing Method For Mankind” – Wholistic Healing Publications – September 2008 Volume 8, No. 3

André Biernath – repórter na Revista Saúde – Grupo Abril  – artigo sobre o filme “Divertida Mente”, que aborda inteligentemente a questão das memórias armazenadas;

Bert Hellinger e Gabriele Tem Hövel – livro “Constelações Familiares – O Reconhecimento das Ordens do Amor”;

Bill Russell – Artigo: “Quantum and Kala” [Quântico e Kala] – Artigo completo em inglês no site: https://www.huna.org/html/quantum.pdf

Brian Gerard Schaefer – artigo: “Universal Ho’oponopono – A new perspective of an ancient healing art”. Site http://www.thewholespectrom.com/

Bruce Lipton – livro “A Biologia da Crença “;

Carol Gates e Tina Shearon – livro “As You Wish” (tradução livre: “Como você desejar”);

Ceres Elisa da Fonseca Rosas – livro “O caminho ao Eu Superior segundo os Kahunas” – Editora FEEU;

Charles Seife – livro “Zero: A Biografia de Uma Ideia Perigosa” (versão em inglês “Zero: The Biography of a Dangerous Idea”;

Curso “Autoconhecimento na Prática online – Fundação Estudar” https://www.napratica.org.br/edicoes/autoconhecimento;

Dan Custer – livro “El Milagroso Poder Del Pensamiento” (tradução livre: “O Miraculoso [Incrível] Poder Do Pensamento”);

David V. Bush – livro “How to Put The Subconscious Mind to Work” (tradução livre: “Como Colocar a Mente Subconsciente para Trabalhar”);

Dr. Alan Strong – artigo denominado “The Conscious Mind — Just the Tip of the Iceberg” (tradução livre: “A Mente Consciente – Apenas a Ponta do Iceberg”), no site www.astrongchoice.com;

Dr. Amit Goswami – livro “O Universo Autoconsciente – como a consciência cria o mundo material”;

Dr. Benjamin P. Hardy, psicólogo organizacional, autor do livro “Willpower Doesn’t Work” (Tradução livre: “Força de Vontade Não Funciona”), em artigo no site https://medium.com/the-mission/how-to-get-past-your-emotions-blocks-and-fears-so-you-can-live-the-life-you-want-aac362e1fc85Sr;

Dr. Bruce H. Lipton – livro “A Biologia da Crença”;

Dr. Deepak Chopra – livro “Criando Prosperidade”;

Dr. Gregg Braden – livro “A Matriz Divina”;

Dr. Helder Kamei – site http://www.flowpsicologiapositiva.com/ – Instituto Flow;

Dr. Joe Dispenza – livro “Breaking the Habit of Being Yourself – How to Lose Your Mind and Create a New One” (tradução livre: “Quebrando o Hábito de Ser Você Mesmo – Como Liberar Sua Mente e Criar um Novo Eu”);

Dr. Kenneth Wapnick – transcrição de sua palestra denominada “Introdução Básica a Um Curso em Milagres”;

Dr. Maxwell Maltz – livro “The New Psycho-Cybernetics” (tradução livre: “A Nova Psico-Cibernética”);

Dr. Nelson Spritzer – livro “Pensamento & Mudança – Desmistificando a Programação Neurolinguística (PNL)”;

Dr. Richard Maurice Bucke – livro ‘Consciência Cósmica’;

Dr. Serge Kahili King – livro “Cura Kahuna” (Kahuna Healing);

Dr. Serge Kahili King – Artigo: “Body of God” [O Corpo de Deus] – Artigo completo em inglês no site: https://www.huna.org/html/bodyofgod.html

Francisco Cândido Xavier – livro “No Mundo Maior” (ditado pelo espírito Dr. André Luiz);

Francisco do Espírito Santo Neto – livro “Os Prazeres da Alma” (ditado pelo espírito Hammed);

Gerald Zaltman – Professor da Harvard Business School – livro “How Customers Think” (tradução livre: “Como Pensam os Consumidores”);

Henry Thomas Hamblin – livro “Within You Is The Power” (tradução livre: “Dentro de VOCÊ Está O Poder”);

Hermínio C. Miranda – livro “O Evangelho de Tomé”;

Igor I. Sikorsky, Jr. – Jurista – Artigo Jung & Huna – Fonte: https://www.maxfreedomlong.com/huna-bulletins/hv-newsletter-30-spring-1979/

James Redfield – livro “A Profecia Celestina”;

Jens Weskott – artigo “Bem-vindo Subconsciente – Graças ao Ho’oponopono”, site da Associação de Estudos Huna disponível no link https://www.huna.org.br/wp/?s=jens;

Jim Fallon – Artigo: “Aka Threads and Quantum Entanglement” [Cordões Aka e Emaranhamento Quântico] – Artigo completo em inglês no site: https://www.huna.org/html/akathreads.html

Joe Vitale – livro “Limite Zero”;

Joel S. Goldsmith – livro “O Despertar da Consciência Mística”;

John Assaraf – artigo ratificando que somos todos seres perfeitos de Luz está disponível no site http://in5d.com/the-world-of-quantum-physics-everything-is-energy/;

John Curtis – Webinario sobre Ho’oponopono – site Sanación y Salud http://www.sanacionysalud.com/

Joseph Murphy – livro “The Power of Your Subconscious Mind” (tradução livre: “O Poder de Sua Mente Subconsciente”);

Kalikiano Kalei – Artigo: “Quantum Physics and Hawaiian Huna…” [Física Quântica e Huna do Havaí] – Artigo completo em inglês através do site: https://www.authorsden.com/visit/viewarticle.asp?catid=14&id=45582

Kenneth E. Robinson – livro “Thinking Outside the Box” (tradução livre: “Pensar Fora da Caixa”);

Krishnamurti – artigo “Early Krishnamurti” (“Inicial Krishnamurti”) – Londres, 7-3-1931.  Site: https://www.reddit.com/r/Krishnamurti/comments/qe99e1/early_krishnamurti_7_march_1931_london/

Krishnamurti  – livro “O Sentido da Liberdade”, publicado no Brasil em 2007, no capítulo “Perguntas e Respostas”, o tema “Sobre a Crise Atual”; experienciamos, para a nossa reflexão e meditação à luz do sistema de pensamento do Ho’oponopono.

Kristin Zambucka, artista, produtora e autora do livro “Princess Kaiulani of Hawaii: The Monarchy’s Last Hope” (tradução livre: “Princesa Kaiulani do Havaí: A Última Esperança da Monarquia”);

Leonard Mlodinow – livro “Subliminar – Como o inconsciente influencia nossas vidas” – do ano de 2012;

Livro “Um Curso em Milagres” – 2ª edição – copyright 1994 da edição em língua portuguesa;

Louise L. Hay – livro “You Can Heal Your Life – (tradução livre: “Você Pode Curar Sua Vida”);

Malcolm Gradwell – livro “Blink: The Power of Thinking without Thinking” (Tradução livre: “Num piscar de olhos: O Poder de Pensar Sem Pensar”);

Manulani Aluli Meyer – artigo “Ho’oponopono – Healing through ritualized communication”, site https://peacemaking.narf.org/wp-content/uploads/2021/03/5.-Hooponopono-paper.pdf

Marianne Szegedy-Maszak – edição especial sobre Neurociência publicada na multiplataforma “US News & World Report”, destacando o ensaio “Como Sua Mente Subconsciente Realmente Molda Suas Decisões”;

Matthew B. James. Estudo Acadêmico , para um Programa de Doutorado da Walden University, Minneapolis, Minnesota, USA, 2008, doutorando em Psicologia da Saúde, denominada “Ho’oponopono: Assessing the effects of a traditional Hawaiian forgiveness technique on unforgiveness”. O estudo completo pode ser acessado no site da Walden University no link:  https://scholarworks.waldenu.edu/dissertations/622/#:~:text=The%20results%20demonstrated%20that%20those,the%20course%20of%20the%20study.

Max Freedom Long – livro “Milagres da Ciência Secreta”;

Max Freedom Long – Artigo “Teaching HUNA to the Children – How Everything was made” [Ensinando HUNA para as Crianças – Como Tudo foi feito], site https://www.maxfreedomlong.com/articles/max-freedom-long/teaching-huna-to-the-children/;

Max Freedom Long – Artigo “Huna And The God Within”. Fonte: https://www.maxfreedomlong.com/articles/huna-lessons/huna-lesson-2-huna-theory-of-prayer/;

Max Freedom Long – Artigo “The Workable Psycho-Religious System of the Polynesians” [O Sistema Psico-Religioso Praticável dos Polinésios]. Fonte: https://www.maxfreedomlong.com/articles/max-freedom-long/huna-the-workable-psycho-religious-system-of-the-polynesians/;

Max Freedom Long – Artigo “How to Become a Magician” [Como vir a ser alguém que lida com a Magia]. Site: https://www.maxfreedomlong.com/huna-bulletins/hv-newsletter-vol-1-no-9-winter-1973/;

Max Freedom Long – Artigo “The Lord’s Prayer – a Huna Definition” [tradução livre: “A Oração do Pai Nosso – uma Definição Huna”], editado em 1º de março de 1951, HUNA BULLETIN 50, site https://www.maxfreedomlong.com/huna-bulletins/huna-bulletin-050/;

Max Freedom Long – Artigo “When Huna Prayers Fail” [tradução livre: “Quando as Orações Huna Falham”] – Huna Bulletin 53. Site: https://www.maxfreedomlong.com/huna-bulletins/huna-bulletin-053/;

Napoleon Hill – livro “The Law of Success in Sixteen Lessons” (tradução livre: “A Lei do Sucesso em Dezesseis Lições”);

Osho – livro “The Golden Future” (tradução livre: “O Futuro Dourado”);

Osho – livro “From Unconsciousness to Consciousness” (tradução livre “Do Inconsciente ao Consciente”);

Osho – livro “Desvendando mistérios”;

Paul Cresswell – livro “Learn to Use Your Subconscious Mind” (tradução livre: “Aprenda a Usar a Sua Mente Subconsciente”);

Paulo Freire, educador, pedagogo, filósofo brasileiro – livro “A Psicologia da Pergunta”;

Platão – livro “O Mito da Caverna”;

Richard Wilhelm – livro “I Ching”;

Roberto Assagioli, Psicossíntese. Site http://psicossintese.org.br/index.php/o-que-e-psicossintese/

Sanaya Roman – livro “Spiritual Growth: Being Your Higher Self (versão em português: “Crescimento Espiritual: o Despertar do Seu Eu Superior”);

Sílvia Lisboa e Bruno Garattoni – artigo da Revista Superintessante, publicado em 21.05.13, sobre o lado oculto da mente e a neurociência moderna.

Site da Associação de Estudos Huna https://www.huna.org.br/ – artigos diversos.

Site www.globalmentoringgroup.com – artigos sobre PNL;

Site Wikipedia https://pt.wikipedia.org/wiki/Ho%CA%BBoponopono, a enciclopédia livre;

Thomas Lani Stucker – Kahuna Lani – Artigo “The Professional Huna Healer” – Site: https://www.maxfreedomlong.com/articles/kahuna-lani/the-professional-huna-healer/

Thomas Troward – livro “The Creative Process in the Individual” (tradução livre: “O Processo Criativo no Indivíduo”);

Thomas Troward – livro “Bible Mystery and Bible Meaning” (tradução livre: “Mistério da Bíblia e Significado da Bíblia”);

Tor Norretranders – livro “A Ilusão de Quem Usa: Reduzindo o tamanho da Consciência” (versão em inglês “The User Illusion: Cutting Consciousness Down to Size”);

Wallace D. Wattles – livro “A Ciência para Ficar Rico”;

W. D. Westervelt – Boston, G.H. Ellis Press [1915] – artigo: “Hawaiian Legends of Old Honolulu” Site: https://www.sacred-texts.com/pac/hloh/hloh00.htm.

William R. Glover – livro “HUNA the Ancient Religion of Positive Thinking” – 2005;

William Walker Atkinson – livro: “Thought Vibration – The Law of Attraction in the Thought World” (tradução livre: “Vibração do Pensamento – A Lei da Atração no Mundo do Pensamento”) – Edição Eletrônica publicada em 2015;

Zanon Melo – livro “Huna – A Cura Polinésia – Manual do Kahuna”;

Muda…
A Prece atinge o seu foco e levanta voo.
A chuva de bênçãos derrama-se sobre mim, nesse exato momento.
Eu sinto muito.
Por favor, perdoa-me.
Eu te amo.
Eu sou grato(a).
Autor

Graduação: Engenheiro Operacional Químico. Graduação: Engenheiro de Segurança do Trabalho. Pós-Graduação: Marketing PUC/RS. Pós-Graduação: Administração de Materiais, Negociações e Compras FGV/SP. Consultor de Empresas: Projeto OREM® - Organizações Baseadas na Espiritualidade (OBEs). Estudante e Pesquisador Independente sobre Espiritualidade Não-Dualista; Psicofilosofia Huna e Ho’oponopono; A Profecia Celestina; Um Curso em Milagres (UCEM); Espiritualidade no Ambiente de Trabalho (EAT); A Organização Baseada na Espiritualidade (OBE). Certificação: “The Self I-Dentity Through Ho’oponopono® - SITH® - Business Ho’oponopono” - 2022.

0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
0
Would love your thoughts, please comment.x