Artigo “Teaching HUNA to the Children – How Everything was made” [Ensinando HUNA para as Crianças – Como Tudo foi feito] – Max Freedom Long 

Tradução livre Projeto OREM®.

Artigo em inglês no site: http://www.maxfreedomlong.com/huna-bulletins/huna-vistas-bulletin-076/

Prefácio de “How Everything Was Made” – Dr. E. Otha Wingo

“Em seu septuagésimo sexto ano de vida, Max Freedom Long escreveu uma série de histórias para crianças baseadas na Huna. Ele as chamou de ‘How Everything Was Made’ (‘Como Tudo Foi Feito’). O seu dom único de sagacidade e imaginação foi colocado em jogo, enquanto ele descrevia histórias relacionadas à criação. O primeiro rascunho das histórias foi concebido como uma unidade experimental e cada leitor foi convidado a atuar como editor e revisor. As primeiras páginas foram publicadas como nº 76 da ‘Huna Vistas’ para fevereiro-março de 1967. Uma segunda parcela elevou o número de páginas para 38. As páginas 39-105 foram impressas separadamente e enviadas apenas para quem as solicitasse.

‘Eu visualizo um livro, eventualmente, talvez com ilustrações de natureza simples,’ ele afirmou. A faixa etária que ele tinha em mente era de quatro a oito anos e sugeriu que parte do material poderia ser reescrito para diferentes idades. ‘A fim de tornar as histórias mais suportáveis ​​para os mais velhos que devem lê-las ou contá-las, eu seguirei o exemplo de Alice no País das Maravilhas e tentar inserir pequenos gracejos que podem superar a capacidade de entendimento das crianças.’

Quando o equipamento e os materiais do ‘Max’s Study’ foram enviados para mim em 1973, um tesouro inesperado foi descoberto entre os papéis do ‘Vista’ – um intocado estêncil eletrônico de uma única página de ilustrações para este livro! Há três painéis no desenho, mas eles foram colocados em uma única folha e são reproduzidos a partir dessa cópia. [Esses desenhos foram adicionados à história abaixo. Editor]

COMO TUDO FOI FEITO – Parte I

Fonte: Huna Vistas Bulletin 76 – Fevereiro-Março de 1967

PASSO UM

As melhores histórias de todas são aquelas que contam como NÓS fomos feitos e também os animais, os pássaros, os insetos e até as flores. Também é divertido ouvir como coisas como nuvens e arco-íris surgiram.

No Princípio, há tantos anos, não havia mundo. Não havia animais ou pessoas, nem mesmo estrelas no céu. Mas em todos os lugares onde as estrelas e o mundo e o sol e a lua deveriam ser colocados, havia Deus.

Agora Deus é tão grande que ninguém pode imaginar alguém ou algo tão grande e, assim, ao contar a história da CRIAÇÃO (que é como as coisas foram feitas), os homens de antigamente tinham que pensar em Deus como um HOMEM muito sábio e forte e eles o chamaram de ‘O Pai’ e disseram que ele morava nos céus.

A coisa estranha sobre Deus é que ele é invisível. Isso significa que ninguém pode vê-Lo. Ele não tem corpo como o nosso, mas é feito do material que é usado para fazer PENSAMENTOS. Nós podemos chamar isso de ‘material do pensamento’ ou ‘material do eu’ porque inclusive as pessoas sabem que elas são ELAS MESMAS, sem ter que parar para pensar que têm corpos. (Você e eu e todas as criaturas recebemos uma porção de material de pensamento para que nós possamos saber que nós estamos vivos e somos Filhos de Deus.)

Se você tiver problemas para pensar em coisas que não podem ser vistas, talvez queira jogar um joguinho como Jack e Jill fizeram há muito tempo. (Você pode conhecer a história deles, mas havia uma parte dela que era secreta e não entrou nos livros. Agora você pode conhecer a parte secreta.)

Jack e Jill estavam brincando e Jill tinha o seu giz de cera e uma folha de papel em um quadro para que ela pudesse desenhar. Jack estava tentando contar a ela o Segredo. Ele usou o material de pensamento em sua cabeça para fazer um grande pensamento, então disse a Jill: ‘Eu fiz um pensamento. Veja se você pode ver ou sentir ou ouvir ou provar o que é.’

‘Não há nada que eu possa ver’, disse Jill após um minuto de tentativas. Ela sentiu no ar ao redor da cabeça de Jack e ouviu e cheirou. Mas, é claro, ela não podia sentir nada. O pensamento de Jack – assim como Deus e Seus pensamentos – era como se nada tivesse sido feito. Mas algo muito real havia sido feito. Os pensamentos são muito reais. Jill disse: ‘Eu desistirei. Eu penso que tudo isso é fingimento.’

‘Não, isso não é’, disse Jack. ‘Uma senhora simpática da biblioteca disse como entender coisas como Deus e PENSAMENTOS. É fácil e eu vou te mostrar. Primeiro você tem que fazer um pensamento, assim como eu fiz e então você tem que encontrar uma palavra que combine com ele. Foi assim que tudo foi feito para começar. A senhora nos disse que em um livro muito antigo um homem sábio havia escrito: ‘No princípio era o Verbo e o Verbo estava com Deus e o Verbo era Deus.’ Eu não acho que Deus fosse realmente o Verbo. Ele deve ter pensado um pensamento e então encontrado a palavra certa para combiná-lo antes de falar a Palavra. De qualquer forma, todos nós podemos pensar um pensamento e encontrar uma palavra para ele. A palavra que fará você ouvir o meu pensamento é AZUL. Eu pensei em azul. Pegue o seu giz de cera e marque uma pequena área azul em seu papel, então você também poderá ver o meu pensamento. Mas a mancha azul será mais difícil de sentir e dificilmente poderá ser cheirada ou provada.’

Jill fez uma mancha azul com o lápis de cor dela. Ela a estudou e então perguntou: ‘Se você pensar em Deus e disser a palavra ‘Deus’ para Ele, eu posso desenhá-Lo em uma imagem?’

‘Eu perguntei a mesma coisa à senhora da história’, disse Jack. ‘Ela disse que há muito tempo os Egípcios que construíram as pirâmides que nós vemos em nossos livros de geografia tentaram fazer uma imagem de Deus para que pudessem colocá-la em seus túmulos. Mas finalmente eles tiveram que fingir. Eles disseram que uma sombra era a coisa mais próxima que eles conseguiam pensar que era como Deus. E porque o sol fez uma sombra com a sua luz, eles disseram que o SOL deveria representar Deus em todas as suas imagens e que para o corpo invisível de Deus eles representariam uma sombra. Eles disseram que Deus havia dado aos homens corpos sombreados iguais aos dele e as sombras dos Reis eram tão reais que sempre havia um servo de pé só para ver que ninguém nunca pisava na sombra do rei e ele mesmo tentava não pisar nela, assim, quando ele andava ao sol, outro servo carregava um guarda-sol para cobri-lo para que ele não fizesse uma sombra para ser pisada.’

‘Dói se a sombra de alguém for pisada?’ perguntou Jill.

‘Eu não sei’, disse Jack pensativo. ‘Isso só pode. Mas ainda mais sagrado do que a sombra do rei era o próprio sol. Eles acreditavam que era o verdadeiro Pensamento e Palavra de Deus – mesmo que isso FOSSE Deus – o que a senhora da história disse que era um erro. Mas, por engano ou não, eles costumavam a pensar em Deus e então diziam a palavra SOL ou a palavra LUZ e foi assim que Ele recebeu esse nome. E eles chamaram o grande poder de Deus de LUZ SOLAR.’

Jill pegou a sua tesoura e o seu papel. ‘Se os pensamentos são reais, eu vou fazer de nós um rei e uma rainha. Ela cortou duas coroas de seu papel e colocou uma em sua própria cabeça e a outra na de Jack. ‘Aí está você, Sr. Rei’, ela riu. ‘Cuide para que você não pise em sua sombra real e a estrague. Mas venha, é melhor nós subirmos o morro até a fonte e pegar aquele balde de água para a Mãe.’

Eles pegaram o balde e subiram o morro. Como o sol estava na frente deles e lançava as suas sombras para trás, eles não tiveram problemas em não pisar nelas. Mas quando eles encheram o balde e começaram a descer a colina com as suas sombras na frente deles, eles tropeçaram tentando não pisar nelas e Jack caiu e quebrou a sua coroa e Jill, que também havia tropeçado, veio rolando atrás dele.

Jack estremeceu ao pegar Jill. A água da nascente é muito fria. ‘Eu não sei,’ disse Jack, ‘se o meu corpo sombreado – meu verdadeiro, não apenas a minha sombra – pode se molhar, mas o meu corpo normal com certeza pode. É melhor nós pegarmos outro balde de água e correr para casa e vestir roupas secas.’

Então, agora que você sabe o que realmente aconteceu naquela época com Jack e Jill, nós vamos voltar para a história de como tudo foi FEITO. Mas primeiro deve ser explicado que, porque Deus e seu corpo sombreado e Poder da Luz Solar são difíceis de imaginar sem as sombras ou o sol, nós faremos como um antigo povo vizinho dos Egípcios fizeram. Eles simplificaram tudo e chamaram Deus de O PAI. E, (aqui está um segredo muito especial para você) porque mesmo Deus não pode ser pai sem que haja uma mãe, nós a chamaremos, em nossas histórias, A MÃE. Ela também é grande demais para imaginar e tem um corpo sombreado que não se pode ver e é muito poderosa. Ela é muito bonita e muito gentil e ama tudo, especialmente as criaturas bebês. Tente lembrar que a nossa história não é toda verdade. A maioria das histórias é em parte FINGIDA e assim a nossa também terá que ser.

Bem, era uma vez o sábio Pai e a adorável Mãe decidiram que eles fariam um pouco de criação. Mas antes que eles pudessem fazer animais, pássaros e homens, tinha que haver um lugar para colocá-los. E assim, enquanto eles estavam nisso, eles criaram todo o espaço que poderia ser necessário. Chegou até onde se pode chegar com um pensamento e isso é muito longe, de fato. Nesse vasto espaço eles colocaram as estrelas como as fizeram e o nosso sol, a nossa lua e o nosso mundo. O nosso mundo era de boa qualidade e foi feito com o maior cuidado, pois nele seriam colocados homens e mulheres depois que esfriasse e tudo estivesse pronto. O mundo foi feito redondo como uma bola, como quase tudo o é para começar. Ele girou como um pião e circulou lentamente ao redor do sol em um círculo tão grande que levou um ano apenas para contorná-lo. Com a terra como companhia foram criados vários outros mundos ou planetas, alguns mais distantes do sol e outros mais próximos, alguns maiores que a terra e outros menores. Todos eles tinham uma lua, como nós temos, ou três ou quatro. Alguns dos planetas estavam muito perto do sol, no entanto, e ficaram muito quentes. Outros estavam muito longe e estavam muito frios. Só a nossa terra estava correta.

Assim que a terra esfriou, o Pai e a Mãe vieram examiná-la e decidir o que fazer a seguir. Estava muito seco para as plantas, então eles fizeram a CHUVA com pequenas gotas redondas de água e a chuva caiu e caiu e caiu. Há algo estranho nas gotas de chuva. Elas são redondas, como a maioria das coisas boas quando são criadas, mas se misturam e formam a água. E na água nós não podemos ver onde termina uma gota de chuva e começa a próxima. Todas elas são pressionadas nas laterais para que se encaixem para fazer a água e as costuras não podem ser vistas mesmo com uma lupa. Mas, se o ar está frio quando as gotas de chuva caem, elas congelam e então nós podemos vê-las como granizo e perceber como elas ficam em volta até se aquecerem e se transformarem em água.

Logo havia água suficiente, mas cobria todo o mundo e não deixava terra seca. Para corrigir esse problema, partes da terra foram empurradas para as montanhas e planícies e toda a água correu para os lugares baixos para formar lagos e oceanos. Como a água fazia pequenos riachos nas colinas e começava a descer em direção aos lugares baixos, os riachos estavam muito felizes – e ainda estão até hoje. Eles cantavam cantigas melodiosas enquanto batiam nas pedras ou faziam pequenas cachoeiras. E as gotas de chuva gostam tanto de fazer isso que, quando estão no oceano, sobem as escadas feitas pelos raios do sol quente e fazem nuvens nas quais navegam de volta, empurradas pelo vento, para pontos altos sobre a terra onde elas podem cair mais uma vez e se juntar para fazer riachos e cantar o caminho delas para até o mar.

O Pai disse à Mãe: ‘Eu terminei de desenhar planos para a maior parte da criação. Nós teremos que começar com as pequenas coisas e cultivá-las na água morna do oceano perto da costa.’

‘Eu estarei pronta para ajudá-lo a qualquer momento’, respondeu a Mãe. ‘Você decidiu o que usar para fazer as criaturas quando nós começarmos?’

‘Eu planejei cerca de cem tipos diferentes de coisas da terra para usar’, explicou o Pai. ‘E a maioria das coisas podem ser misturadas para fazer ainda mais tipos de materiais. Nós teremos alguns que são gases, alguns fluidos como a água e muitos que são macios ou duros ou intermediários.’ Ele estendeu a mão e mostrou vários tipos de coisas chamadas ‘elementos’. ‘Quer me ajudar a fazer corpos sombreados para algumas pequenas criaturas? Nós podemos então preenchê-las com matéria e colocar um pouco do nosso pensamento e do eu neles, bem como alguma força vital e isso deve começar as coisas.’

A Mãe estendeu uma mão adorável e pegou a mão grande e gentil do Pai. Eles se juntaram para fazer as imagens de pensamento necessárias das pequenas criaturas. Feito isso, eles fizeram corpos sombreados para vestir os corpos da imagem e dobraram os pedaços de suas próprias matérias para que as criaturas tivessem inteligência de primeiro grau e soubessem que eram elas mesmas. A cada um a Mãe prendeu um pequeno fio invisível e sombreado que ela amarrou nos cordões do avental para poder acompanhar todos e ajudá-los a saber exatamente como viver. (O fio invisível é chamado de ‘Instinto’ quando a Mãe diz às criaturas como fazer as coisas, como comer e crescer. Ela as diz através dos minúsculos fios sombreados.)

Quando a mão do Pai ficou muito cheia, a Mãe disse: ‘Vamos entrar na casa e eu encontrarei uma tigela do tamanho certo para usar. Então eles entraram em sua casa e colocaram as pequenas coisas que estavam criando para dentro de uma tigela. Mas elas estavam muito secas e, quando mexidas, não se misturavam bem.

‘Nós precisamos de água pura e agradável’, disse o Pai. Eles saíram e olharam para o céu. Uma pequena nuvem estava flutuando ali e o Pai gritou: ‘Pequena Nuvem! Nós precisamos de você. Venha aqui e veja se você pode chover um pouco nessa tigela.’

A Pequena Nuvem estava tão orgulhosa e animada por ser chamada para ajudar que quase explodiu correndo para chover. É muito difícil para as nuvens chover até que as coisas estejam certas. Mas ela se apertou e se contorceu e tentou até que começou a ficar preto o seu rosto. ‘Fácil’, advertiu a Mãe e tentou mais uma vez, o mais difícil possível, para espremer algumas gotas de chuva, mas acidentalmente soltou um relâmpago e um trovão. ‘Cuidado!’ avisou a Mãe. ‘Você quase queimou a mistura.’ A pequena nuvem irrompeu em lágrimas e, enquanto chorava, a chuva pingava e a tigela logo estava meio cheia e tudo estava bem.

O Pai observava enquanto a Mãe mexia suavemente. Logo ele disse: ‘Eu penso que isso é o suficiente e aquele pequeno toque de relâmpago pode ser exatamente o necessário para fazer a força vital funcionar’.

‘Você tem razão!’ exclamou a Mãe. ‘Veja! Pequenas bolas estão se formando e crescendo peles ao redor delas. As bolas são sempre um bom sinal.’ Eles observavam e a Mãe mexia muito gentilmente.

Logo as pequenas bolas, que pareciam gelatina, começaram a se mexer e se contorcer com vida. ‘Ouçam’, ordenou o Pai, ‘vocês, pequenas companheiras, cresçam o mais rápido que puderem e multipliquem-se para que nós possamos ter muitas criaturas unicelulares’.

A Mãe enxugou as mãos e pendurou o avental de estrelas. ‘O que você planeja fazer com eles quando houver o suficiente?’

‘Ah’, respondeu o Pai, ‘que se unam para fazer criaturas maiores com muitas células. Aposto que algumas células vão assumir o trabalho de serem olhos para a criatura e algumas de serem o estômago e algumas as bocas. Você terá que instruí-las através dos fios sombreados presos a eles nas cordas do seu avental.’

‘Eu ficarei feliz em instruí-las’, disse a Mãe. ‘Eu queria uma família há algum tempo e essas crianças serão astutas. Quando chegar a hora, eu verei que o instinto deles os ensina a cultivar dentes, orelhas e cabelos. Depois, eu verei que aprendem coisas como construir ninhos. Isso será muito divertido.’

Ao pegarem a tigela para despejar a mistura no oceano quente, ficaram surpresos ao encontrar um grupo inteiro de nuvens reunidas acima de sua casa. Elas tinham ouvido falar da maravilhosa honra concedida à Pequena Nuvem por poder ajudar na criação das coisas. Todas elas estavam apenas esperando e quase explodindo para estarem prontas para chover a qualquer momento. O ar se encheu de relâmpagos e trovões altos. Mas o Pai e a Mãe não se importavam. Eles apenas sorriram e cobriram a tigela para mostrar que já tinham chuva suficiente. Atravessaram a praia e esvaziaram a tigela aqui e ali entre as rochas da praia. Uma vez na água, as criaturinhas não perderam tempo para trabalhar. Algumas se tornaram plantas e algumas criaturas. Tudo o que elas precisavam era de tempo para mostrar o que podiam fazer.

O PRÓXIMO DIA

O dia seguinte demorou muito para chegar, pelo menos quando nós pensamos no tempo, pois os dias do Pai e da Mãe são sempre muito mais longos do que os nossos. Mas o próximo longo dia de seu tempo finalmente chegou e todas as pequenas novas criaturas unicelulares vieram ao topo da água para se mostrarem orgulhosas.

Algumas aprenderam a fazer pequenas mãos de partes de seus corpos para pegar comida. Mas, não tendo boca, eles apenas enrolavam os seus corpos em torno do pedaço de comida e o digeriam. Outras estavam ocupadas aprendendo a ser plantas e a maioria delas aprendeu a usar a luz do sol e a fumaça do ar para fazer coisas verdes para que todos soubessem que eram plantas. A fumaça estava no ar e se misturou à água, assim fazer essa ‘clorofila’ verde foi realmente muito fácil.

O Pai viu que havia muitas células vegetais e poucas células animais. Ele olhou para a fumaça no ar que vinha dos vulcões antes que a terra esfriasse e disse: ‘Mãe, a menos que nós possamos limpar o ar e nos livrar da poluição e da fumaça, nós teremos o oceano cheio de células vegetais e dificilmente sobrará espaço para os pequenos animais’.

A Mãe disse: ‘Nós não poderíamos colocar o ar na minha máquina de lavar e lavá-lo? Vamos para casa e tentar.’ Então elas foram para casa e para a lavanderia. A Mãe despejou sabão e alvejante em sua grande máquina e disse ao Pai: ‘Você puxa o ar e enfia na máquina. Eu vou ficar aqui e tentar evitar que ele se enrole quando sair do espremedor.’

O Pai saiu e disse às nuvens para se deitarem um pouco no chão, depois começou a puxar o ar. Em pouco tempo ele estava soprando sozinho e fazendo um vento bom. O vento gostou do jogo e assobiou a plenos pulmões. A Mãe ouviu outro barulho e tinha ido olhar pela janela o ar puro que saía do espremedor giratório.

‘Venha e veja’, disse ela. ‘Eu receio que nós tenhamos feito algo no ar.’ Ela apontou para pequenos redemoinhos que corriam ao longo da praia e pegavam areia e sobre o oceano havia três grandes redemoinhos fazendo bicas altas e sugando a água do oceano para fazer ‘trombas de água’. ‘Eu penso que nós poderíamos ter feito muito melhor sem isso’, disse ela ansiosamente. ‘Eu vou diminuir a velocidade da lavadora e nós levaremos mais tempo para passar o ar.’

Quando toda a lavagem foi feita, A Mãe suspirou. ‘Apesar de tudo, nós fizemos vários tornados e um ciclone. Agora nós teremos que ensinar Adão e Eva, quando os criarmos, a entrar em cavernas quando virem um tornado chegando.’

Voltando novamente para o mar, eles viram os pequenos animais puxarem os cintos com tanta força na barriga que se cortaram em dois. Eles estavam fazendo isso para obedecer ao comando de crescer e se multiplicar. E para crescer eles devoravam as pequenas células vegetais para se alimentar.

‘Isso é permitido?’ perguntou a Mãe. ‘Isso não parece muito gentil.’

‘Eu fiz o meu melhor’, disse o Pai, ‘mas era a única maneira que havia. Portanto, é uma ‘Lei’ e temo que toda a vida animal seja marcada por alguma crueldade – até mesmo as vidas de Adão e Eva e de seus filhos. Eles terão que viver em corpos de animais que você conhece e, portanto, estarão sujeitos às regras que devem ser feitas para todos os animais, grandes e pequenos. Tudo comerá algum ser vivo, seja planta ou criatura menor, mas na primeira mordida o material do ser comido sairá e voltará para ser salvo para entrar em novas plantas ou criaturas mais tarde. E – isso é muito importante – cada vez que a matéria do eu passa por uma vida, ela adquire experiência e fica mais inteligente. Quando nós fizermos Adão e Eva, a matéria do eu que nós teremos que colocar neles será tão experiente que os tornará os mais inteligentes de todos os animais.’

‘Eu espero que os seus planos não exijam que os homens sejam muito cruéis e selvagens’, disse a Mãe esperançosa.

‘Não, disse o Pai. Eu tenho o homem planejado para ser tão gentil quanto eu ouso. Mas ele terá que impedir que outros animais o comam e terá que fazer a sua parte de atos cruéis’. Ele se abaixou e agitou a água do mar com a mão. ‘Tudo isso virá um pouco mais tarde. Agora mesmo, nós devemos dar a ordem a esses pequenos companheiros para se juntarem e formarem plantas e criaturas cada vez maiores – muitos tipos diferentes’. Então ele falou em voz baixa e deu os comandos e tudo no mar começou a seguir os planos e se juntar para fazer o que eles mandavam.

Com o Pai e a Mãe ali para supervisionar (que é o chefe do trabalho), e com a Mãe, para segurar as pontas dos fios sombreados invisíveis que correm para cada planta e criatura para que ela pudesse fornecer orientação suficiente através do ‘instinto’, o mar logo encheu-se de vermes e caracóis e pequenos peixes e enguias, também pequenos caranguejos e ostras e uma infinidade de criaturas interessantes. As plantas também cresceram e uma delas fez algas, com saquinhos verdes cheios de ar para manter os topos das plantas flutuando na superfície da água.

Eles voltaram para a casa deles, tomando o caminho que vinha dos fundos e chegaram a um pequeno lago de água preta. ‘Tudo isso veio da lavagem do ar?’ perguntou a Mãe.

‘Deve ter sido’, respondeu o Pai. ‘O ar estava certamente sujo.’ Ele olhou para cima e cheirou. ‘Ainda tem muita fumaça. Mas logo as plantas se moverão do mar para a terra e começarão a crescer. Elas tirarão o carbono do ar e então as camadas mortas das plantas produzirão óleo para que os filhos de Adão possam ter gasolina para os seus automóveis e sujar o ar novamente queimando-o. Haverá também carvão para queimar e fazer fumaça. Preciso encontrar tempo para traçar planos para algum tipo de controle de poluição. Outro dia, quando eu estava verificando os meus planos olhando para a frente através do nosso Telescópio do Tempo, concentrei-me em um século em que a poluição atmosférica era tão ruim sobre as cidades que estava fazendo todos os filhos de Adão chorarem e enxugarem os olhos.

Na casa deles, a Mãe começou a almoçar enquanto o Pai pegava a sua prancheta e tentava inventar uma maneira de evitar a Fumaça. Ele cobriu muitas folhas de papel com desenhos e escreveu notas intermináveis ​​até a sua caneta-tinteiro secar. Mas então era hora do almoço e depois disso dar um bom exemplo ao universo tirando uma soneca. Quando acordaram depois de exatamente meia hora, o Pai riu e disse: ‘Eu tive um sonho engraçado. Nele eu vi o nosso lago de água preta lavada das nuvens. Ele estava coberto por eras de poeira e havia secado em uma camada de alcatrão. Havia uma placa dizendo: ‘La Brea Tar Pits’1 e um museu com os ossos de pobres animais do passado que foram pegos no alcatrão antes.”

1La Brea (do espanhol ‘o breu’, ‘o piche’) ou Rancho do Poço de Piche de La Brea (no inglês La Brea Tar Pits ou Rancho La Brea Tar Pits) é um famoso sítio de piche (breu, asfalto ou betume) localizado em Hancock Park, em pleno centro da cidade de Los Angeles, Califórnia, Estados Unidos da América. O betume asfáltico, popularmente também chamado de piche ou breu, aflorou no solo desta área há dezenas de milhares de anos, formando centenas de piscinas pegajosas, que durante este tempo prendeu em seu interior animais e plantas que ali caíram que, com isso, foram fossilizados. O resultado foi uma incrivelmente rica coleção de fósseis datados da Última Era do Gelo. Fonte Wikipedia.

A Mãe disse: ‘Vamos voltar para a praia e ver o que as plantas e as criaturas estão fazendo a essa altura. Então eles foram. E quando lá chegaram encontraram tudo numa escala maior. Os peixes eram muito maiores e havia uma lagosta com garras grandes o suficiente para beliscar quase tudo. A mãe deixou que ela beliscasse o seu dedo (pois nada pode machucá-La ou ao Pai) e ela disse: ‘Eles não são todos espertos! Mas você não planejou nenhum deles quadrado ou com lados planos? Todos esses parecem ser redondos como bolas ou redondos e um pouco chatos. E todas as suas pernas são redondas, mas puxadas para fazer pequenos tubos articulados.’

‘Redondo é o melhor caminho’, explicou o Pai. Apenas os piores construtores tornam as coisas quadradas ou com linhas planas. Através do Telescópio do Tempo eu olhei adiante algumas eras para ver como os filhos de Adão fariam com os seus prédios e lamento dizer que das pirâmides do Egito até os arranha-céus de Nova York, os lados planos e quadrados e triângulos eram usados. No entanto, eu notei algumas lindas cúpulas redondas, principalmente nos templos. As casas redondas mais bonitas que vi ficavam no frio do Norte. Os esquimós não tinham árvores para cortar e usar para sustentar os telhados de suas casas de neve, então aprenderam a construí-las redondas e essa é a maneira mais forte e mais bonita. Você vai adorar os esquimós quando os fizermos. Os seus bebês, quando vestidos com peles para brincar ao ar livre no tempo frio, são quase tão redondos quanto as suas casas.’

A Mãe apontou para uma pequena lula que tinha a cabeça e o corpo redondos ao mesmo tempo e oito pernas, nenhuma delas maior que o comprimento de uma mão. ‘Isso não é uma astúcia? E certamente ficou com formas redondas de construção. Deve ser bastante inteligente, também. Você acha que vai ser boa para alguma coisa?’

O Pai se inclinou e fez cócegas na lula com o dedo. ‘Eu me lembro do plano que desenhei para esse animal. E, se bem me lembro, tinha um dom especial. Talvez funcione para nós.’ Ele fez cócegas na pequena lula novamente, então esperou.

A Pequena Lula sabia que algo era esperado dela, mas não conseguia imaginar o quê. Ela agitou as pernas e mexeu a boca e os olhos, mas isso não parecia suficiente. Então, ficando muito envergonhada, ela decidiu se esconder e se espremeu em seus lados e disparou um grande jato preto que fez tinta da água ao seu redor e escondeu-se completamente.

‘Era isso’, riu o Pai. ‘Ela pode fazer tinta!’ Ele se abaixou e encontrou a Pequena Lula e a colocou em água limpa, depois do que ele tirou a sua grande caneta-tinteiro do bolso do colete e a encheu com a fina tinta preta. ‘Muito bem, minha menina’, disse ele, dando um tapinha na Pequena Lula, que estava tão encantada por ter sido capaz de fornecer a tinta para o Pai que mal conseguiu deixar de tentar colorir todo o oceano de preto. E assim, até hoje, as lulas continuam nos mostrando como fazer tinta. Elas mantêm a caneta-tinteiro do meu Pai cheia e é bem possível que forneçam toda a tinta para as nossas canetas esferográficas.

O TERCEIRO PASSO

O próximo longo dia teve que ser passado pelo Pai e pela Mãe terminando uma nova galáxia nos subúrbios do Universo. Os grandes centros ficaram muito lotados e mais e mais povos queriam ir e voltar em seus discos voadores para os subúrbios. Quando os sóis e planetas da nova galáxia foram todos colocados e dadas as suas voltas regulares e órbitas circulares, as poeiras foram recolhidas e colocadas na lixeira, mas quando a Mãe cuidadosamente limpou a poeira estelar restante, ela a pôs em uma envelope e a colocou na bolsa. ‘Pode ser útil’, disse ela. ‘Mas agora nós vamos ver como a Terra está indo.’

Quando eles chegaram, a Mãe foi abrir a casa e arejá-la, enquanto o Pai atravessou a praia até o mar e olhou para as águas mornas. Tudo tinha ido bem e muitas criaturas se tornaram bastante grandes. Um peixe tinha se saído especialmente bem e era o maior em um cardume de salpicos. O Pai chamou: ‘Venha aqui, Baleia!’ e ela veio o mais rápido que pôde, nadando por algum tempo debaixo d’água, depois subindo à superfície para soprar água pelo buraco do nariz no topo de sua cabeça. Uma vez que se livrou da água, sugou um grande suprimento de ar e mergulhou para outro nado.

O Pai ficou muito interessado e, quando a Mãe apareceu naquele momento, ele disse: ‘Esses peixes se saíram muito bem. Eu vejo que, de acordo com o plano número Steen-ponto-sete2, eles conseguiram aprender a gerar os seus filhotes vivos em vez de ovos. Eles também cultivaram tetas com leite para alimentar as pequenas baleias.’ Ele virou a grande baleia de lado na água para que eles pudessem ver a pequena baleia filhote almoçando.

2Uma provável referência ao livro “Finding Metaphor in Grammar and Usage – A methodological analysis of theory and research’ [tradução livre: ‘Encontrando a Metáfora na Gramática e no Uso – Uma análise metodológica da teoria e da pesquisa’], de Gerard J. Steen.

‘Muito bem, feito’, disse a Mãe. ‘Você pensa que você pode conduzi-los igualmente o suficiente para que o seu Adão possa ser um peixe e viver na água?’

‘Não’, disse o Pai com um aceno de cabeça. ‘Eu elaborei planos iniciais e escrevi algumas notas para uma sereia, mas ela parecia bastante impraticável. Eu penso que nós teremos que colocar alguns dos peixes em terra e trabalhar com eles.’

O cardume de baleias fez um grande espirrar e jorrar. A Mãe se divertiu com as brincadeiras delas. ‘Elas têm buracos em suas cabeças, ela apontou. Eu espero que quando os seus homens forem feitos, eles não os terão.’

O Pai riu. ‘Eu olhei para os homens enquanto examinava edifícios futuros e notei que alguns tinham buracos na cabeça – ou assim eu julguei pelas coisas estranhas que estavam fazendo. Eles haviam feito bombas atômicas e metade dos homens queria explodir a outra metade porque discordavam sobre o que parecia ser a necessidade de ser Vermelho ou Branco. Mas eles estavam com medo de usar as suas bombas por medo de que, ao mesmo tempo, explodissem a si mesmos. Eu estava quase envergonhado por termos feito isso.’

‘Mas até que eles explodam um ao outro’, disse a Mãe, ‘a ideia da baleia de fazer leite para bebês parece muito boa. Os pequenos Adão e Eva não terão mãe, então certamente terão que ter leite de baleias ou de outros animais. Você planejou o leite ou eu devo me preocupar com isso?’

‘Não se preocupe’, disse o Pai. ‘Eu desenhei planos para centenas de animais que darão leite. Haverá cavalos e vacas, mas uma das mais promissoras é a cabra. Quando chegar a hora, eu tenho certeza de que não haverá problemas. Além disso, eu planejei algumas plantas que podem ajudar. Havia o plano das serralhas [plantas de ervas daninhas], mas o leite não podia ser feito sem ser amargo. O leite vegetal de papoula não era bom para os bebês, embora acabasse sendo o ideal para a produção de ópio. O coqueiro era o melhor de todos, mas o leite das nozes grandes sempre permanecia aguado, não importa como eu trabalhasse nos meus planos.’

“Quando nós devemos tentar persuadir as plantas e outras coisas a saírem da água para viver em terra?’ perguntou a Mãe.

‘A qualquer momento, agora’, respondeu o Pai. ‘Os planos são todos feitos para gramas e árvores e plantas de terra e pântano. Assim que nós começamos, as criaturas que podem comê-las como alimento podem vir para a praia e quando elas chegarem, os outros que precisarem comer animais para viver podem vir. O lugar ficará lindo quando nós tivermos plantas e coisas crescendo. Até ervas daninhas. Não pude deixar de incluir algumas ervas daninhas para equilibrar algumas famílias de plantas, mas mesmo essas muitas vezes serão úteis.’

“Eu o ajudarei a fazer com que algumas das plantas saiam do mar para a terra’, disse a Mãe. E eles começaram a selecionar as que pareciam melhores para diferentes lugares.

Precisa ser explicado que o Pai e a Mãe podiam falar com todas as plantas e criaturas, não em palavras e na língua Inglesa (pois isso ainda não havia sido inventado), mas enviando imagens de fala ao longo dos pequenos fios que vinham de cada planta e criatura para fazer parte do feixe de fios invisíveis amarrados aos cordões do avental da Mãe.

Enviar pensamentos para falar de um lado para o outro nos pequenos fios é muito parecido com falar palavras de um lado para o outro por fios de telefone, porém é chamado de TELEPATIA. Tente lembrar-se desta bela palavra, pois ela é muito importante. A telepatia é usada por todos os animais porque é difícil para eles emitir sons para dizer a outros animais exatamente o que deve ser conhecido. E a telepatia era muito importante para Adão e Eva porque por muito tempo eles eram apenas animais em um corpo de animal humano e eram incapazes de falar.

O Pai e a Mãe disseram à todas as pequenas plantas e criaturas, pelo uso da telepatia, que elas deveriam fazer o possível para tentar sair para viver em terra e, enquanto faziam as suas partes, havia trabalho a ser feito para preparar as coisas para elas na terra. Um lugar foi feito na praia de areia para alguns, mas atrás da praia o solo era melhor, então o Pai rapidamente preparou um belo e grande jardim. Enquanto ele fazia isso, a Mãe encontrou um riacho que corria direto para o oceano e que seria fácil para as plantas e animais seguirem até um belo pântano que era regado com água salgada quando a maré subia. Acima da linha da maré, a água do pântano era fresca, então o lugar parecia ideal para alguns tipos de plantas e criaturas.

Na tarde do longo dia, as plantas estavam prontas para sair para a horta e o Pai e a Mãe as levaram para lá e as colocaram em fileiras organizadas.

‘Sem água eles vão murchar”, disse a Mãe e ela enviou uma chamada telepática: ‘Pequena Nuvem! Onde está você? Nós precisamos da sua ajuda novamente.’ Pequena Nuvem estava por perto não muito longe, esperando que fosse necessária. Agora chamou o seu amigo, o Vento e empurrou e puxou e em pouco tempo, a Pequena Nuvem estava lá.

‘Bom’, disse a Mãe, dando um tapinha na Pequena Nuvem e acenando em agradecimento ao Vento. ‘Eu preciso da sua ajuda, Pequena Nuvem. Você acha que eu posso confiar em você para vir várias vezes ao dia e chover suavemente no novo jardim para evitar que as plantas murchem?’

A Pequena Nuvem enviou uma chamada telepática ‘Sim’ sem fôlego e, quase explodindo de orgulho por ter sido chamada para um trabalho tão importante, começou imediatamente a se inflar e ficar levemente preta no rosto.

‘Não! Não!’ avisou a Mãe. ‘Sem relâmpagos e trovões e apenas a menor e mais suave chuva nas pequenas plantas.’ Ela se virou para o Vento e disse: ‘Você vai brincar de fazer bonés brancos nas ondas do oceano. Se você continuar correndo por aqui, vai secar o jardim mais rápido do que a Pequena Nuvem pode regar.’

O Pai tinha ido à praia trazer algumas plantas para o pântano, mas mal havia tocado a água quando a Pequena Lula veio flop, flop nadando o mais rápido que podia e se preparou para fazer tinta. A caneta-tinteiro do Pai não estava nem em parte seca, mas só porque isso dava tanto prazer à Pequena Lula poder ajudar que ele disse: ‘Ideia esplêndida’ e quando uma boa poça de tinta estivava pronta, ele encheu a sua caneta até transbordar. Ele então levou as plantas apropriadas para o pântano e as plantou. Indo até a casa para encontrar a Mãe, ele disse: ‘Eu quero pegar os meus planos de Adão e Eva e verificá-los. Eu me deparei com um problema. É a questão de como manter as crianças limpas depois de criá-las. Elas serão muito pequenas no início e bastante indefesas e como não viverão como peixes e serão lavadas o tempo todo pela água, elas precisarão de ajuda.’

A Mãe veio e eles examinaram os planos cuidadosamente. Logo ela disse: ‘Deve haver uma solução. Suponha que eu saia correndo e olhe pelo Telescópio do Tempo e veja o que eles terão feito com os bebês no século 19.’ Ela deixou o Pai para sair na varanda. Lá ela se sentou e olhou pelo Telescópio, focando cuidadosamente até que de repente ela viu o que ela queria. Era uma mãe humana com duas crianças pequenas agarradas às saias e um bebê em um carrinho. Ela estava lavando a sua roupa e estava pendurando fraldas no varal. O bebê estava usando uma fralda também. A Mãe correu de volta para dentro de casa.

‘Eu encontrei o que nós precisamos. Nós devemos encontrar uma maneira de fazer grandes quadrados de pano grosso para servir de fraldas para Adão e Eva. Deve ser macio e agradável para eles, pois eles serão muito delicados e muito pequenos. Ainda bem que eu tenho uma máquina de lavar adequada.’

O Pai coçou o queixo pensativo. ‘Tecer tecidos é uma tarefa e tanto para os nossos filhos da terra – pelo menos será agora quando nós precisarmos de fraldas. …. Agora, se Adão e Eva fossem meio peixe e pudessem viver no mar. . . .’

‘Você desistiu dessa ideia’, disse a Mãe, ‘Os nossos homens e mulheres não podem ficar sentados o tempo todo metade na água e metade fora. Mas não se preocupe. Isso é trabalho de mulher e eu vou dar um jeito. Se o pior acontecer, nós podemos costurar peles de coelho…. só tenho medo de que não se lavem bem.’

O Pai selecionou um plano de seus arquivos e o segurou. ‘Eu fiz desenhos de uma planta que pode nos dar pelo macio para tecer. Eu o chamei de ‘algodão’ – veja, longas fibras brancas em suas vagens. Retire as sementes e você terá o algodão para tecer em fraldas.’

‘Nós também vamos precisar de alfinetes, agulhas, linhas e botões’, disse a Mãe. ‘E brinquedos para as crianças.’

O Pai fez algumas anotações. ‘Sim, brinquedos, mas eles podem esperar. Eu tenho certeza de que pequenos animais farão coisas boas para brincar. Sobre agulhas, já planejei agulhas de pinheiro, mas dificilmente seriam duras o suficiente para costurar. Talvez quando aquela pequena criatura marinha que você chama de ‘planta alfineteira’ sair em terra, possa ser útil. Nós teremos muito tempo para resolver as coisas, mas é hora de nós voltarmos à nova nebulosa que nós começamos. A essa altura, pode estar se espalhando tão finamente que estará em todo o lugar. E vamos pela Via Láctea. Nós podemos ter uma ideia lá para ajudar com o problema do leite para as crianças.’

A Mãe sorriu enquanto vestia a capa de viagem. ‘Eu espero que você não esteja planejando grandes gracejos sobre o pobre pequeno Adão. Pense em colocar um milhão de estrelas na mamadeira dele para uma refeição.’

‘O que você quer dizer com ‘mamadeira’?’ perguntou o Pai enquanto partiam a mil vezes a velocidade da luz.

‘As mamadeiras serão a minha invenção’, disse a Mãe, ‘muito importantes para os bebês. Você apenas espere e verá.’

Eles riram juntos e pararam no lado mais distante do Universo, pois eram feitos de material de pensamento e os pensamentos viajam mais rápido que qualquer coisa. Apenas pense que você está lá e em apenas alguns momentos, bem, LÁ ESTÁ VOCÊ!

‘Agora olhe para aquela nebulosa’, disse a Mãe. ‘Nós poderíamos saber. Por todo o espaço! Enquanto você pega algumas caudas de cometa e as transforma em vassouras, eu vou guardar as nossas capas. Eu vou ajudá-lo a varrer a nebulosa de volta para onde nós queremos.’

O Pai fez as vassouras com caudas de cometa e eles começaram a varrer, mas os seus pensamentos estavam de volta à Terra. ‘Eu preciso planejar uma planta de vassoura para Eva’, disse o Pai.

‘Você está planejando fazer Eva realizar toda a varredura?’ perguntou a Mãe ansiosamente.

‘Apenas ao redor da casa e do quintal’, disse o Pai. ‘Quando Adão for convidado a ajudar, eu prevejo que ele vai se livrar do trabalho inventando uma máquina de varrer e mostrando à pobre Eva como usá-la.’

A VIDA NA TERRA

DEPOIS DE UMA LONGA NOITE, o Pai e a Mãe chegaram cedo e ficaram encantados ao ver como tudo havia crescido e se espalhado. Havia grama em todas as colinas e árvores cobriam os lugares onde eram mais necessárias. Os pântanos estavam tão cheios de coisas em crescimento que a água estava quase coberta de manchas.

A Pequena Nuvem se apressou. Agora ela derramou algumas gotas grandes para chamar a atenção para si mesma. Então a Mãe enviou uma mensagem telepática: ‘Ora, Pequena Nuvem! Você se saiu maravilhosamente bem! Nem uma única planta poderia estar murchado. O jardim é perfeito e você talvez seja a nuvem mais inteligente e confiável do céu.’ Ela se virou para o Pai. ‘O que nós podemos fazer para recompensar a Pequena Nuvem?’

O Pai pensou por um momento. ‘Eu tenho desenhos para uma coisa chamada ‘um arco-íris’’, disse ele. ‘Isso levará algum tempo até que os atraentes e grandes tipos que se estendem por toda a terra estejam prontos, mas eu posso fazer um pequeno e individual para ela.’

‘Ah, faça!’ exortou a Mãe. ‘Isso fará dela a nuvem mais linda de todos os tempos.’

Assim o Pai fez a imagem de pensamento correta. Então ele se virou para a Pequena Nuvem e disse: ‘Vire-se para que o sol brilhe bem embaixo de você. Isso mesmo. Agora chova um pouco.’ A Pequena Nuvem fez exatamente o que lhe foi dito e logo abaixo dela pendia em uma pequena curvatura um lindo arco-íris.

‘Encantador!’ exclamou a Mãe. ‘Mas se nós virarmos o arco-íris, isso daria um belo colar – o primeiro do mundo – para a Pequena Nuvem.’

‘Eu tenho receio disso’, disse o Pai. “Os arcos-íris são bastante frágeis.’

‘Todas as coisas bonitas não são frágeis?’ perguntou a Mãe.

‘Todas menos você’, respondeu o Pai galantemente. ‘O problema com arcos-íris é que eles fazem tigelas quando você os vira e elas se enchem de chuva. Se elas ficarem muito cheias, os seus fundos se rasgam e fazem aguaceiros, de modo que estradas e pontes são desmoronadas e não há fim os problemas.’

‘Oh, deixe-a ficar com um colar’, persuadiu a Mãe. ‘Isso levará muito tempo até que Adão esteja construindo estradas e pontes e, além disso, a Pequena Nuvem será muito cuidadosa, eu tenho certeza.’ A Pequena Nuvem assentiu e balançou para cima e para baixo animadamente, então o Pai gentilmente permitiu que ela virasse o seu pequeno arco-íris e o usasse como um colar.

Mas mudar as coisas depois de terem sido cuidadosamente planejadas é sempre perigoso. Em anos posteriores, outras nuvens também queriam colares e, quando estavam em lugares desertos, onde ninguém notaria, muitas vezes viravam os seus arcos-íris de cabeça para baixo para fazer colares … e, como você deve saber, ainda hoje, os fundos rasgam e a chuva cai em um grande borrifo, desmoronando tudo o que está no caminho. No entanto, os aguaceiros nem sempre são causados e nunca por Pequena Nuvem. Se você vir uma pequena nuvem com o seu arco-íris virado sob ela, mas não fazendo um aguaceiro, você pode ter certeza de que é a Pequena Nuvem. Ela às vezes dobra o seu arco-íris para torná-lo mais forte para que o fundo não rasgue. Ela é sempre MUITO cuidadosa.

O Pai se abaixou e trouxe um pouco de água no copo de sua mão. ‘Vê esses pequenos companheiros estranhos?’ ele perguntou. ‘Eles são diatomáceas e em cada uma há uma pequena gota de óleo. No futuro, eles terão morrido em números incontáveis, mas o seu óleo terá ido para o solo. Sim, Adão terá óleo para os seus automóveis …. e fumaça. Esse luxuriante crescimento de plantas que está tirando a fumaça do ar ficará coberto de terra e um dia dará a Adão o seu carvão.

A Mãe havia encontrado um girino e chamou a atenção do Pai para ele. Ele havia encontrado uma bela taboa [planta], mas se virou para ver o que a Mãe havia descoberto. Ela disse animadamente: ‘As pequenas criaturas dos peixes vieram para a terra, assim como as plantas. Esse pequeno redondo já tem crescido boca e cauda ​​e eu de fato acredito que está começando a crescer pernas dianteiras e traseiras!’

O Pai estudou a pequena criatura e encontrou o plano que combinava com ela. ‘Um girino,’ ele anunciou. ‘Mas esse é um sapo bebê. Com o tempo, as suas pernas crescerão e a sua cauda cairá e será um pequeno sapo. Nós vamos encontrar os seus pais. Eles devem estar por perto.

A Mãe tocou os fios invisíveis que iam do cordão do avental até todas as criaturas e encontrou o correto. Através dele ela enviou uma mensagem telepática ‘Vem cá’ e logo um belo sapo grande que estava escondido debaixo de um nenúfar subiu no bloco e ficou pronto para prestar atenção.

‘Você se saiu bem’, disse o Pai. ‘Você é um dos primeiros peixes a aparecer em terra para nós e agora nós temos uma criatura que pode viver na água ou na terra. Nós estamos muito orgulhosos de você. Você terá uma recompensa. Ligue para a sua esposa.’

O sapo mergulhou na água e voltou rapidamente com a sua esposa. O Pai estivera olhando as suas anotações.

‘Vocês são Sapos-Boi’, disse o Pai. (Ele se virou para a Mãe e disse em um sussurro: ‘Eu estava pensando em leite quando elaborei o plano para isso.’) Para os sapos, ele disse: ‘Para a sua recompensa, vou dar-lhes vozes e uma bela canção – uma só para você e os seus filhos terem e cantarem ao longo dos séculos. Agora respire fundo. Agora aperte as suas gargantas. Agora expire bem devagar e tente cantar.’ Ele fez um gesto para a Mãe e eles fizeram alguns passes mágicos no ar sobre os sapos. De repente aconteceu! De ambos os sapos vieram grandes vozes estrondosas e eles começaram a cantar a sua própria canção. Isso era: ‘Primeiro a sair! Primeiro a sair! Primeiro a sair!3’ e eles estavam infinitamente orgulhosos de serem os primeiros a sair em terra.

3Os sapos soam Croac!, Croac!, Croac! Essa é a sua própria canção. O autor faz um gracejo com a palavra em inglês First out! (som parecido com Croac, que significa em português Primeiro a sair!…).

E até hoje você pode ouvir os Sapos-Boi no pântano se gabando a noite toda. (Os sapos-boi-bebê não têm vozes grandes e belas, então eles coaxam ‘An, An, An’, que é a abreviação de ‘Anfíbio’, que significa uma criatura que pode viver dentro ou fora da água.)

Saindo do pântano, o Pai e a Mãe encontraram dois primos dos Sapos-Boi. Eles eram o Sr. e a Sra. Rã e eles estavam vivendo na terra seca, mesmo que tivessem que começar como girinos de rãs em uma lagoa, assim como os girinos de sapos.

A Mãe enviou uma mensagem telepática para eles com uma pergunta: ‘Como você veio morar aqui tão longe do pântano?’

O Sr. Rã piscou os seus grandes olhos e respondeu com tristeza: ‘Isso foi a minha culpa. Eu me perdi. Eu não consigo evitar virar e tomar o caminho errado, então nós desistimos de tentar encontrar o caminho de volta para o pântano todos os dias e apenas nós moramos aqui. Mas não é ruim. Nós podemos pegar muitas moscas e insetos. Nós administramos.’ Ele olhou para a Sra. Rã, que acenou com a cabeça e então disse: ‘Por favor, nós podemos ter uma recompensa? Nós ficamos ainda mais longe do mar do que os sapos.’

‘Claro’, disse a Mãe. ‘Você também quer uma música?’

‘Por favor’, disse o Sr. Rã.

O Pai instruiu-os a inspirar profundamente e apertar a garganta, depois fez as devidas passagens sobre eles com a ajuda da Mãe. Mas nem a Rã conseguiu emitir um som.

O Pai disse: ‘As gargantas deles ficam tão secas aqui longe da água. Suponha que nós tentemos outra coisa.’ Ele olhou ao redor e no lado úmido de um tronco fez um passe. A Mãe também fez um passe e do chão cresceu com surpreendente velocidade o melhor cogumelo que se poderia imaginar. A família de rãs ficou encantada.

‘Tudo nosso?’ perguntou o Sr. Rã.

‘Todo seu’, prometeu o Pai. ‘Você pode ficar sentado debaixo de um o dia todo e ISSO evitará você de ter uma sombra.’ Então agora, quase ninguém jamais pisou na sombra de uma rã daquele dia até hoje.

Enquanto eles caminhavam pelo trajeto em direção ao oceano, a Mãe disse. ‘Eu não posso deixar de tentar lembrar quais dos filhos de Adão eu vi através do Telescópio do Tempo que se pareciam com o Sr. Rã.’

O Pai riu. ‘Eu não esqueci. No futuro, sempre será possível ver Adãos idosos e suas esposas rechonchudas sentados à sombra de grandes guarda-sóis em Miami Beach, tentando não lançar sombras para não se queimarem e ambos parecendo rãs grandes. Não’, ele apressou-se a acrescentar, ‘que eu tenha alguma coisa contra rãs’.

Quando eles chegaram ao oceano, a Velha Mamãe Baleia os avistou e veio jorrando e borrifando até a praia. Depois deles terem trocado saudações educadas, a Baleia Narnia [Narnia é uma orca, golfinho, ou indevidamente chamada de baleia assassina] enviou uma mensagem telepática, ‘Muitos dos peixes saíram para viver em terra como animais. Eu posso te mostrar o caminho de cada tipo e qual caminho seguir para encontrá-los. Mas eu não tentei sair. Eu senti que eu precisava de ajuda.’ Ela acrescentou apressadamente: ‘Não que a família das baleias tenha falhado completamente! Alguns membros menores de nossa família fizeram isso …… mas eu …….’ Ela viu uma grande onda chegando e gritou um pouco descontroladamente: ‘Agora vou tentar!’ E ela tentou, só conseguindo se jogar na praia, onde não podia sair em terra nem voltar para a água. ‘Oh querida, ó querida’, ela gaguejou, ‘e já estou ficando com falta de ar.’

A Mãe sorriu e ergueu as mãos bem alto para pedir uma onda muito grande e saiu uma onda GRANDE muito atraente que era toda verde por dentro. Ela pegou a Mamãe Baleia com facilidade e a carregou de volta para as águas profundas.

Quando ela recuperou o fôlego, ela ofegou: ‘Nossa! Meu! Eu nunca sonhei que seria muito mais pesada fora d’água do que dentro dela. Desta vez, honestamente, EU VOU EMAGRECER.’

‘Isto é uma grande ideia’, disse o Pai. ‘E como recompensa por seu esforço, eu prometo a você que, nos próximos séculos, metade dos filhos de Adão repetirão a sua promessa, palavra por palavra.’ (E é por isso que, ainda hoje, quando alguém diz: ‘Eu vou emagrecer’, todos nós devemos bater palmas e aplaudi-los e gritar: “É UMA GRANDE IDEIA’).

Um grande peixe ingênuo estava assistindo com um grande sorriso. O Pai enviou uma mensagem telepática para ele: ‘Você tentou sair para a terra?’

‘Eu não’, respondeu o ingênuo com um sorriso. ‘Todo mundo diz que eu sou um ingênuo, mas pelo menos eu sou inteligente o suficiente para ficar como eu sou. Só um ingênuo de verdade gostaria de ser um animal, viver na terra e correr o terrível risco de se tornar um homem.’

‘Você pode ser esperto então’, disse o Pai, depois disse à Mamãe Baleia: ‘Você disse que poderia apontar o caminho que nos levaria para onde mora o membro bem-sucedido da família das baleias? Aquele que veio morar em terra?’

Mamãe Baleia inclinou-se um pouco para poder apontar com um jato d’água. ‘Aquele segundo caminho à esquerda por aquela grande árvore. E diga que a Vovó mandou você.

Eles atravessaram a praia e pegaram a trilha pela grande árvore. Isso levava de volta para o interior, até um grande animal cinza parado junto a uma piscina e bebendo água através de um longo cano que parecia estar pendurado em sua cabeça. ‘Que criatura estranha’, disse a Mãe. E enquanto ela falava, o tubo levantou e jorrou água por todas as costas da criatura. ‘Uma baleia! Eu acredito que é o que nós viemos encontrar! Você a viu jorrar?’

O Pai estava consultando o seu pacote de planos. Ele os colocou de volta em seu grande bolso com uma risada. ‘Esse é o meu ELEFANTE. Correto de acordo com os meus planos. Ele é um verdadeiro filho da Velha Mamãe Baleia, só que com pernas e saiu para a terra.

‘Mas ele jorrou, como uma baleia, embora a água viesse daquele cano e não de um buraco em sua cabeça’, disse a Mãe.

‘Eu planejei o buraco na ponta de uma tromba’, explicou o Pai. E a tromba é uma invenção muito útil. Veja o bebê elefante lá! Ele está usando a sua tromba para conseguir o seu jantar. Os elefantes também dão leite.

A Mãe tinha encontrado os fios certos e eles enviaram uma mensagem telepática com as suas saudações enquanto a Sra. Elefante folheava preguiçosamente os brotos de bambu e o Pequeno Elefante terminava a sua refeição.

‘Você acha que o leite de elefante serviria para os bebês?’ perguntou a Mãe, pois eu não parava de pensar em Adão e Eva.

‘Engorda demais, eu receio’, disse o Pai. ‘Basta ver como o Pequeno Elefante se tornou, para não falar de sua mãe.’

A Sra. Elefante tinha ouvido. ‘É uma glândula que me deixa acima do peso. Chama-se estômago e tudo o que coloco nele se transforma em comida. Mas,’ ela suspirou alto, ‘eu vou começar a emagrecer imediatamente.’

‘Uma grande ideia!’ exclamou o Pai e ele e a Mãe bateram palmas e encorajaram.

A Mãe disse: ‘Você tinha que dizer isso?’

‘Uma promessa é uma promessa’, disse o Pai ‘e você sabe o que prometi à Mamãe Baleia.’ Ele se virou para a Sra. Elefante, que havia parado de mastigar e parecia prestes a começar a chorar. ‘Não se preocupe. Nós gostamos dos nossos elefantes bonitos, redondos e roliços. Vá em frente como você é. Com o tempo, você será o animal favorito em todos os circos e as crianças o amarão mais do que qualquer outro animal e lhe darão amendoim e pipoca. Você pode levá-los para passeios nas costas.

Eles se despediram dos elefantes e partiram pelos terrenos para encontrar o próximo caminho que subia da praia para que pudessem ver que animais o tinham feito.

UM POUCO TARDE

O Pai e a Mãe chegaram a um vale desolado ao lado de um pântano. No chão eles viram os ossos de grandes criaturas. O Pai disse: ‘Só um momento, querida’ e fez uma pausa para consultar o seu pacote de planos.

‘Sim, aqui estão eles’, disse ele. “Esses são os ossos de vários membros da família Dinossauro. Eles devem ter saído em terra bem cedo. Nós estamos um pouco atrasados ​​para vê-los vivos. Os primeiros comiam samambaias, depois alguns aprenderam a comer outros e desenvolveram dentes grandes e grande apetite. Logo estes comeram todos os dinossauros brandos comedores de vegetais …. e quando todos se foram, morreram de fome. Mas eu estou feliz que eles se foram. Adão não terá que fugir deles e isso será uma ajuda.

Eles passaram por vários lagartos e algumas cobras que conseguiram sair em terra sem desenvolver pernas e estavam se saindo muito bem. Uma cobra sentou-se e sacudiu o rabo para eles.

‘O primeiro membro das bandas de percussão que estão por vir’, explicou o Pai. ‘Ela é venenosa e perigosa, mas vai ensinar Adão a cuidar de seus passos.’ O Pai apontou para a beira do pântano onde um grande jacaré estava se aquecendo ao sol, o rabo na água. ‘Essa é outra criatura que ensinará Adão a ser cuidadoso e alerta.’

A Mãe disse: ‘De minha parte, eu poderia passar sem essas feras feias. Vamos nos apressar.’

Então eles se apressaram ao longo do atalho do caminho e logo chegaram a outro grande vale com grama e árvores e trepadeiras e arbustos.

‘Pode ser aqui que o peixe-gato ou o cação vieram para a terra para viver’, disse o pai. ‘Ou o peixe-papagaio, ou o peixe-porco ou o cavalo-marinho.’ Ele riu e acrescentou: ‘Pense como os futuros biólogos se revirarão em seus túmulos quando souberem que os gatos vieram do bagre – só para mencionar um tipo de cientista que ouvirá como a Terra foi realmente criada e que a verdadeira história está sendo notificada a todos os pequenos Adãos e Evas. Mas brincadeiras à parte, a diversão é uma coisa muito importante e eu tomei muito cuidado ao planejar Adão para que ele tenha senso de humor.

Eu planejei dar a ele um osso engraçado e, para ter certeza de que isso funcionará, eu farei com que ele seja colocado na extremidade de um osso do braço chamado úmero [trocadilho para humor].’

‘Você e seus trocadilhos e velhas piadas!’ A Mãe fingiu repreender. ‘Você terá a pobre Eva gastando metade de seu tempo tentando evitar que Adão seja bobo ou ridículo.’

O Pai ficou muito sério. ‘O que eu estou realmente tentando fazer é consertar isso para que Adão possa rir de si mesmo. Se ele puder fazer isso, isso salvará a pátria para ele em mil lugares seguros’.

Ouviram-se um farfalhar de folhas ao passarem por um pequeno bosque de álamos e a Mãe apontou, gritando encantada: ‘Olhe! É a minha almofada de alfinetes do mar que saiu para a terra!’

‘Assim é’, concordou o Pai. ‘O ouriço-do-mar e agora se tornou um porco-espinho com espinhos para fazer todos os tipos e tamanhos de alfinetes e agulhas para você.’

A Mãe já estava enviando uma mensagem telepática para o Pequeno Porco-Espinho e ele veio alegremente até ela e deixou cair uma boa dúzia de espinhos a seus pés para que ela pudesse escolher. Feito isso, ele se sentou e parecia expectante.

‘Existe alguma recompensa em particular que você deseja?’ perguntou a Mãe. ‘Uma música, talvez? Ou uma voz alta?’

Porco-Espinho sacudiu as suas agulhas esperançosamente e enviou uma mensagem telepática: ‘Você pode consertar isso para que eu não tenha medo de ser comido? Há alguns animais muito ferozes por aqui.’

A Mãe virou-se para o Pai: ‘Você pode ajudar?’

O Pai assentiu e disse ao Pequeno Porco-Espinho: ‘O que você precisa é de coragem. Você ainda não foi comido, não é?’

‘Não exatamente’, admitiu o Pequeno Porco-Espinho, ‘mas quase,  muitas vezes’.

‘Nada vai te morder’, disse o Pai. ‘Eles veem que ficariam com a boca cheia de agulhas. Então, pegue esse presente de coragem que eu vou te dar e quando algum animal te incomodar, apenas levante os seus espinhos e fique parado. Você estará seguro e depois de um tempo o animal irá embora.’ Ele acenou com a mão; A Mãe acenou com a dela e de repente o Pequeno Porco-Espinho teve coragem e sempre tem desde aquele dia até hoje.

‘Eu estarei de volta quando eu precisar de mais agulhas ou alfinetes’, prometeu a Mãe e seguiram o caminho.

O Pai disse: ‘Eu espero que Adão e Eva possam aprender que a maioria das coisas que eles temem não podem machucá-los e que a maioria das coisas ruins que eles temem que aconteçam nunca acontecem’.

Eles caminharam e chegaram a um prado. A Mãe parou e estudou a grama verdejante. ‘Não deveria haver flores para animar?’ ela perguntou. ‘O filho de Adão certamente precisará de flores para levar para a amada quando estiver namorando e para dar às esposas cansadas entre tempos para tornar as suas vidas um pouco mais fáceis. Flores significam amor, você sabe.’

O Pai sorriu ternamente para ela. ‘Eu poderia fazer um buquê para presentear a você agora, minha querida. Nós precisamos dar ordens às plantas marinhas para virem à terra e fazerem plantas que floresçam. Eu tenho certeza de que a anêmona do mar seria capaz de sair rapidamente.’

A Mãe abriu a bolsa e tirou um pacotinho de pó de estrelas. ‘Esse é um truque que aprendi com os Irlandeses ao olhar pelo Telescópio do Tempo. Observe-me: ela sacudiu o frasco e a brisa espalhou a poeira das estrelas sobre o prado. ‘Os Irlandeses estavam cantando uma música sobre como o pó de estrelas era espalhado lá para fazer os trevos crescerem’, explicou ela. ‘E tenho certeza que fará com que todas as outras coisas amadas cresçam igualmente bem. Mas está ficando tarde. Vamos voltar pelo Universo e terminar algumas tarefas enquanto damos tempo para que as plantas saiam do mar e façam flores?’

‘Lembre-me de encher o meu frasco com pó de estrelas’, disse a Mãe, e eles falaram juntos as palavras mágicas e foram embora.

Imagem karson-dJJNeuQGcpc-unsplash-scaled.jpg

…continua Parte II…

Muda…

A chuva de bênçãos derrama-se sobre mim, nesse exato momento.
A Prece atinge o seu foco e levanta voo.

Eu sinto muito.
Por favor, perdoa-me.
Eu te amo.
Eu sou grato(a).

Autor

Graduação: Engenheiro Operacional Químico. Graduação: Engenheiro de Segurança do Trabalho. Pós-Graduação: Marketing PUC/RS. Pós-Graduação: Administração de Materiais, Negociações e Compras FGV/SP. Consultor de Empresas: Projeto OREM® - Organizações Baseadas na Espiritualidade (OBEs). Estudante e Pesquisador Independente sobre Espiritualidade Não-Dualista; Psicofilosofia Huna e Ho’oponopono; A Profecia Celestina; Um Curso em Milagres (UCEM); Espiritualidade no Ambiente de Trabalho (EAT); A Organização Baseada na Espiritualidade (OBE). Certificação: “The Self I-Dentity Through Ho’oponopono® - SITH® - Business Ho’oponopono” - 2022.

0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest

1 Comentário
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
1
0
Would love your thoughts, please comment.x