…continuação da Parte I…

…O Segredo do Segredo dos Kahunas (Guardiões do Segredo)…

Caso 11 – A Personalidade mais estranha de todas aparece

Notas Preliminares:

Um dos primeiros membros da Society for Psychic Research e que participou de muitas investigações, era um residente em Honolulu quando eu estive lá. Ele era o Dr. Leapsley, um homem brilhantemente educado que era tão confiável quanto sábio. Ele fazia viagens frequentes para longe de Honolulu, nessa e naquela busca. Frequentemente, ele dava palestras para um grupo de amigos para dar-lhes as descobertas de sua última investigação. Eu apresento esse caso a partir de anotações feitas em uma das palestras.

O Caso:

Dr. Leapsley (Ph.D. e biólogo), em companhia de dois médicos, foi chamado como um especialista em questões de personalidade múltipla – o caso a ser investigado e tratado é o de uma jovem de 28 anos de idade, a filha de um importante advogado da Califórnia.

Desde os quatro anos de idade, essa jovem moça tinha alternado as personalidades regularmente a cada quatro anos. Apenas duas personalidades estavam envolvidas e havia amnésia recíproca completa.

A mudança de personalidade que acontecia com tanta regularidade se fazia em um momento de sono profundo.

A personalidade secundária tinha sido um ‘bebê’ quando isso chegou em primeiro lugar, mas tinha aprendido muito rapidamente e logo igualou o crescimento mental da personalidade primária.

Ao longo dos anos, cada uma das duas personalidades continuou o seu crescimento e educação em seus tempos de domínio e cada uma foi capaz de aprender com incrível rapidez tudo o que a outra havia aprendido antes disso.

Nenhuma das duas tinha a menor lembrança das experiências da outra. Ao retornar ao corpo, nenhuma das personalidades conseguia se lembrar do que havia feito ou onde estivera enquanto estava fora. Sempre havia surpresa e perplexidade momentânea na hora de retornar a um corpo quatro anos mais velho e vestido de maneira não familiar.

A personalidade primária era quieta e estudiosa. Ela adorava costurar e era tímida e retraída. A personalidade secundária era uma moleca agressiva e descarada. Os gostos e recreações delas eram diferentes.

Uma das mudanças ocorreu numa tarde em que a mãe estava lendo para a filha de doze anos de idade. Elas estavam na sala de estar e a personalidade primária, a quem nós podemos chamar de Srta. Primeira, era então dominante. A criança ouvia silenciosa e alegremente a leitura quando de repente adormeceu. Foi a pequena Srta. Segunda que despertou no corpo um momento depois.

Quatro anos se passaram. A Srta. Segunda, agora com dezesseis anos, estava no mesmo quarto com a mãe. A mãe estava lendo outro livro, mas dessa vez não em voz alta, pois a Srta. Segunda não gostava de livros. O corpo adormeceu, por acaso, na mesma cadeira grande em que se sentara quatro anos antes e no mesmo tipo de tarde ensolarada.

De repente, os olhos se abriram e a Srta. Primeira olhou maravilhada para fora. ‘Por que você parou de ler, mãe?’ ela perguntou. Ela não sabia que quatro anos haviam se passado. Ela pensou que tinha caído no sono e que a leitura de quatro anos antes havia parado de repente. Quando lhe foi contado o que havia acontecido, ela soube, lembrando-se de experiências semelhantes, o que deveria ter acontecido. Também ela podia ver que o seu corpo era maior e que usava um vestido colorido demais para o seu gosto ameno.

Assim, a cada quatro anos as meninas trocavam de lugar no corpo. Na idade de vinte e oito anos, ou quase, cada menina viveu quatorze anos no corpo. A cada mudança, o guarda-roupa tinha que ser reformulado para se adequar à personalidade que tomava conta do corpo. As diversões eram instantaneamente alteradas, assim como a dieta, hábitos e hobbies ocupacionais.

Por fim, os pais decidiram chamar especialistas para ver se não havia alguma maneira pela qual a personalidade secundária pudesse ser forçada a deixar o corpo para a primária. Nisso, os pais ficaram muito perturbados, pois passaram a amar as duas personalidades como amariam duas filhas diferentes, como de fato a menina parecia ter vindo a ser para eles.

Os investigadores levaram a jovem e explicaram a ela que eles iriam hipnotizá-la e tentar fazer com que ambas as personalidades se fundissem em uma só, ou fazer com que a Srta. Segunda deixasse o corpo inteiramente para a Srta. Primeira, que agora tinha a posse, mas temia o aproximação da hora habitual para a mudança.

Muito avidamente ela se submeteu ao tratamento.

Sob hipnose, a coisa usual ocorreu. Ambas as personalidades apareciam sucessivamente e podiam ser questionadas.

Cada personalidade mostrava uma memória completa de seus próprios períodos de vida no corpo e cada uma dizia que sabia tudo sobre as atividades da outra – não por compartilhar essas experiências, mas por ‘ler’ o que estava na memória da outra. Não tinham certeza se permaneciam no corpo ou não, quando latentes e mostravam a habitual falta de capacidade de raciocínio.

Quando o subconsciente da Srta. Segunda foi informado de que ele deveria ir embora e deixar o corpo, a resposta foi vaga e insatisfatória. A ordem parecia ser aceita, mas os médicos estavam convencidos de que nada resultaria de tal ordem. Eles ficaram tão convencidos que também deram a sugestão hipnótica usual com o objetivo de forçar uma fusão das duas personalidades.

(Nota: como apenas o subconsciente pode ser hipnotizado e levado a agir de acordo com as sugestões dadas, a fusão deve ocorrer entre duas entidades subconscientes. Tal combinação daria à entidade consciente dominante um conjunto duplo de memórias e, assim, imitaria um par de personalidades completamente mescladas … Pareceria bastante impossível – se os Kahunas estão certos em suas postulações – que duas entidades conscientes podem se mesclar sem se tornarem instantaneamente conscientes de sua dualidade.)

Após o primeiro tratamento, foi descoberto que não havia resultado de nenhuma mistura de personalidades. Os tratamentos foram continuados diariamente até que se aproximasse a hora habitual da mudança.

Esperava-se que, com a Srta. Primeira bem ciente do fato de que eles desejavam que ela permanecesse no corpo e se misturasse consciente e inconscientemente com a Srta. Segunda, algo seria realizado. No entanto, quando ocorreu a mudança, a Srta. Primeira não foi misturada com a Srta. Segunda.

A hipnose foi aplicada novamente, depois que a recém-chegada ouviu o que estava sendo feito. Novamente as mentes subconscientes foram questionadas. A Srta. Primeira lembrou-se das instruções que lhe foram dadas para tentar se misturar com a Srta. Segunda, mas disse que parecia incapaz de fazer qualquer coisa a respeito. Quando questionada sobre onde ela estava, ela respondeu apenas: ‘Aqui’.

A sugestão foi tentada em seguida, na tentativa de expulsar a Srta. Segunda do corpo. Então uma coisa surpreendente aconteceu. O corpo tornou-se como se estivesse morto. Nenhuma resposta de qualquer um dos subconscientes pôde ser obtida. Os médicos e os pais ficaram muito alarmados. O desejo deles era se livrar da personalidade invasora, mas agora parecia que eles a expulsaram, mas não conseguiam relembrar a Srta. Primeira. Enquanto a sugestão continuava laboriosamente, algo ainda mais surpreendente aconteceu. Os lábios se abriram e uma personalidade totalmente desconhecida falou com eles com tanta sabedoria e autoridade que eles ficaram confusos.

Essa nova personalidade falava com uma voz retumbante que continha uma qualidade masculina evasiva, mas inegável. Era muito parecida com a voz gentil, mas muito firme, de algum homem idoso. O grupo sobre o corpo da menina ouviu com espanto. Imediatamente os médicos perceberam que estavam ouvindo outra personalidade falando com eles. Para aumentar a confusão, eles perceberam que essa nova personalidade não pensava como eles. Parecia não ser lógico, mas super lógico. Parecia saber definitivamente e nos mínimos detalhes o que havia acontecido antes e o que estava sendo tentado. Não fez perguntas, mas começou imediatamente a fazer uma declaração após a outra sobre as meninas e suas vidas. Cada declaração era precisa e abrangia um terreno com o qual pais e médicos estavam familiarizados. Assim que a nova personalidade resumiu a condição, ela ficou em silêncio.

Os médicos perguntaram quem poderia ser o orador. A resposta foi outra declaração e foi no sentido de que essa personalidade era aquela que tinha as duas meninas e o corpo sob os seus cuidados e tutela.

Em resposta a mais perguntas, mais fatos foram declarados – sempre sem argumentos como os que uma mente consciente poderia usar e sempre sem explicar as razões. O grupo foi informado de que as duas meninas estavam usando um corpo para viver.

Os médicos então forjaram os seus melhores argumentos. Eles contaram na íntegra como a mudança de personalidade estava arruinando a vida da menina. Ela não podia se casar e não podia viver uma vida normal. A isso a nova personalidade respondeu com declarações, cuja lógica era aparente sem argumento ou raciocínio.

Declaração após declaração, cada uma dando algum propósito definido de vida – os vários propósitos de crescimento e experiência.

Os médicos eruditos estavam desamparados. Cada declaração era tão profunda e perfeitamente razoável que eles não conseguiam encontrar nenhum argumento lógico para avançar contra ela. Eles eram como crianças diante da sabedoria milenar.

O tipo de pensamento com o qual eles foram confrontados não era humano. Os médicos teriam sido capazes de apresentar argumentos a favor das afirmações que lhes foram dadas aparentemente como verdades eternas, mas não poderiam apresentar argumentos contra elas.

Em muito pouco tempo, eles caíram em silêncio. A personalidade que se dirigia a eles os deixava indefesos.

Em desespero, um dos médicos gritou que, se a Srta. Primeira não tivesse permissão para ficar com o corpo, eles a manteriam hipnotizada indefinidamente. Para isso, a resposta foi outra declaração no sentido de que ninguém faria nada para ferir o corpo. Ainda outra declaração foi dada – uma última que encerrou a entrevista para sempre. Essa declaração foi simples e direta: ‘Se você interferir no meu trabalho, eu retirarei as meninas e deixarei o cadáver para você.’

Houve um longo silêncio. Ninguém no grupo duvidou nem por um instante que a velha e sábia personalidade cumpriria a sua ameaça. Havia uma convicção de verdade e poder sereno em cada palavra. Por fim, alguém se aventurou a fazer outra pergunta… mas não houve resposta. Mais tempo passou. Sugestão foi feita para liberar o corpo da hipnose. A Srta. Segunda abriu os olhos e sorriu. Médicos e pais desistiram. Eles foram confrontados como se pelo próprio Deus. Eles perceberam a futilidade de seus esforços.

Comentário:

Na personalidade do homem idoso, nós encontramos algo bem diferente do subconsciente ou do consciente. A diferença está em assumir os deveres atribuídos pelos Kahunas ao espírito supraconsciente ou espírito ‘parental’. Também há uma diferença decidida no modo de pensar.

O supraconsciente usa, de acordo com as minhas conclusões, uma forma de pensar mais superior que a memória [subconsciente] ou a razão [consciente], embora ele pareça capaz de lembrar e raciocinar. A única palavra em inglês para descrever esse processo de pensamento é ‘realização’ – um processo de conhecer as coisas sem passar pelo trabalho de lembrar e aplicar a lógica ao que é lembrado e ao que está sendo observado.

O espírito supraconsciente, isso será lembrado, usa uma voltagem superior de força vital. Isso é evidente que ele também possui e utiliza uma forma superior de mentação. De acordo com a sabedoria dos Kahunas, essa forma de mentação possibilita ao supraconsciente ver aquela parte do futuro que veio a ser cristalizada.

A melhor prova da teoria Kahuna dos três eus e de suas diferentes formas de mentação é encontrada na verificação de casos de personalidade múltipla com insanidade obsessiva ou esquizofrenia.

No primeiro, o paciente permanece são porque ele ou ela está obcecado ou controlado por um intruso fantasmagórico normal que tem os seus próprios eus subconsciente e consciente e que é capaz, portanto, de lembrar e usar a razão. Apenas a personalidade (eu consciente) pode mudar, ou apenas as memórias podem mudar (eu subconsciente), ou ambos podem mudar – e ainda há sanidade porque um eu consciente racional está sempre no controle do corpo, independentemente das mudanças.

No segundo caso, a loucura resulta das mudanças porque o eu consciente é deslocado e um novo não toma conta do corpo. Isso deixa o subconsciente residente no comando e, sem razão, mantém o corpo vivo, mas em estado de falta de razão, ou insanidade.

Ou, um eu subconsciente invasor pode ficar obcecado ou assumir o controle do corpo depois que os dois eus residentes forem expulsos. Casos de insanidade são comuns em que um subconsciente estranho (externo) obceca um corpo.

Nós sabemos que ele é estranho (externo) porque traz consigo um conjunto estranho (externo) de memórias e convicções, mesmo quando ilógicas. Os insanos que acreditam ser Napoleões são desse tipo, muitas vezes não são perigosos, muitas vezes são capazes de se lembrar do dia a dia, mas nunca são capazes de usar o tipo de razão característico do eu consciente.

Mais adiante nós consideraremos a obsessão em conexão com um estudo dos métodos de cura [healing] Huna [não será abordado nesse artigo, mas em próximo artigo].

No momento, o importante é entender que os Kahunas acreditavam que haviam três espíritos separados e independentes fazendo o homem e que esses eram conhecidos como SEPARADOS E INDEPENDENTES PORQUE PODERIAM SER SEPARADOS POR ACIDENTE OU INTENÇÃO.

De importância apenas um pouco menor é o conhecimento de que apenas o subconsciente pode se lembrar e que apenas o consciente pode raciocinar, enquanto o supraconsciente tem uma forma de pensamento ainda mais elevada que lhe dá conhecimento exato do passado, do presente e de parte do futuro que tem sido previamente determinado.”

Os três Eus no Novo Testamento Grego

Trechos extraídos do artigo: “The Three Selves In The Greek New Testament” (“Os Três Eus no Novo Testamento Grego”) de autoria do Dr. E. Otha Wingo, para o nosso conhecimento e entendimento do sistema de pensamento da Psicofilosofia Huna.

“Um dos meus primeiros artigos sobre Huna teve um começo interessante. Em 1972, eu já sabia sobre a Huna e o trabalho de Max Freedom Long há cerca de quatro anos e estava lendo tudo o que podia encontrar sobre isso.

Max já havia encontrado para mim um conjunto completo de edições anteriores – HRA Bulletins e Huna Vistas. Eu tinha lido as 3.000 páginas com crescente interesse e fiz um índice para o meu próprio uso. Eu também tinha lido tudo sobre os livros Huna. Não demorou muito até que tudo o que eu li fosse relacionado a Huna e as conexões e inter-relações pudessem ser vistas. Por causa das referências em todas essas publicações, fiquei muito empolgado em rastrear os significados do código Huna por meio do Novo Testamento Grego.

Certa manhã de domingo, eu estava sentado no chão no loft do coro depois de tocar órgão para o serviço matinal. Cerca de quarenta estudantes universitários entraram no coro e meu assento habitual estava ocupado. Eu geralmente tinha comigo algum material de leitura interessante, caso o sermão fosse chato. Eu também tinha um Novo Testamento Grego comigo, então voltei para a passagem que o pastor anunciou para o seu sermão. Imediatamente uma frase chamou a minha atenção. Eu concentrei os meus olhos e procurei essas palavras no texto Grego. Elas soaram muito significativas! O pastor realmente iria pregar sobre OS TRÊS EUs? Esperar demais. Ele era um erudito doutor em Teologia, mas tendia a ver apenas a interpretação tradicional e dificilmente notava qualquer coisa que dissesse o contrário. Ele leu rapidamente aquela passagem sem estar percebendo algo incomum e continuou o sermão de sempre.

Então, sentado no chão atrás do banco do órgão, eu estava em um mundo só meu. Eu comecei a fazer anotações sobre a palavra Grega e encontrei o seguinte:

‘Que todo o seu ser – espírito, alma e corpo – seja conservado irrepreensível.’ (I Tessalonicenses 5:23)

Claramente, essa é uma referência explícita no Novo Testamento de que o homem é composto de TRÊS EUs. Isso é a Filosofia Huna, pura e simples. Isso é óbvio nas traduções para o Inglês e o Grego faz com que isso seja ainda mais esclarecedor.

A palavra Grega para ‘todo o seu ser’ é holocleron, que significa ‘tendo todas as partes’. As palavras em Inglês ‘todo‘ [whole] e ‘holístico‘ [holistic] são baseadas na primeira raiz dessa palavra. Todas as partes de uma pessoa são dadas.

1. Espírito – Inglês: spirit – Grego: pneuma – Eu Superior

2. Alma – Inglês: soul – Grego: psyche – Eu Médio

3. Corpo – Inglês: body – Grego: soma – Eu Básico

O Espírito é a parte ‘espiritual’ ou divina de uma pessoa e está conectado com a respiração. A palavra ‘espírito‘ vem da palavra latina, spiritus, que significa respiração e a palavra grega, pneuma, também significa respiração ou ar (como em pneumático, pneumonia). O espírito se relaciona com o Eu Superior, que é a parte do nosso ser que está ligada à Divindade.

A Alma é identificada com a natureza psíquica, ou seja, com a mente e não com o espírito. Esse é o Eu Médio, ou raciocínio, pensamento, parte consciente da pessoa. Alma e espírito não são a mesma coisa. A Teologia muitas vezes confunde os dois e os usa sem distinção.

O Corpo é a parte física e se relaciona com o Eu Básico, que se encarrega das funções autônomas do corpo. Soma (raiz, somat-) é encontrada em palavras em Inglês como ‘somatic’ [somático] e ‘chromosome’ [cromossomo].

Algumas das outras palavras estão mal traduzidas. Irrepreensível (um advérbio em Grego) significa de uma maneira que não mereça culpa e refere-se ao verbo, não ao ‘todo o seu ser’. A frase não deve ser ‘Seja conservado irrepreensível’, mas ‘Cuide de uma maneira que não mereça culpa’. Esse é um paralelo perfeito com o princípio Huna fundamental de ‘A vida sem danos’. A palavra ‘todo’ (holokleron) acompanha todas as três partes. A tradução literal da frase é ‘Que o seu espírito, a sua alma e o seu corpo sejam mantidos intactos ou com todas as partes juntas.’

Há outra passagem que indica inequivocamente que há uma distinção entre o Espírito e a Alma, mas muitas vezes é disfarçada por traduções equivocadas.

‘Existe um corpo físico e existe um corpo espiritual.’ (I Coríntios 15:44).

Isso pode parecer tão óbvio que não é pertinente. Mas o Grego na verdade diz:

‘Existe um corpo PSÍQUICO e existe um corpo espiritual.’

As duas frases são idênticas aos substantivos da passagem anterior: psychikon e pneumatikon. Se a intenção fosse ‘físico’, a palavra teria sido physikon.

Na época, eu hesitei em sugerir que tal erro de tradução poderia ser deliberado – mas eu verifiquei incidentalmente oito traduções para o Inglês e todas elas interpretaram isso equivocadamente.

Eu encontrei o mesmo em uma verificação mais recente de cerca de trinta traduções. Todos os manuscritos antigos da passagem têm a palavra psychikon – e isso é muito diferente de physikon, mesmo que à primeira vista possam parecer bastante semelhantes na aparência. Parece claro que essa é uma afirmação referente a dois dos Eus (psique/alma e pneuma/espírito) sem mencionar o corpo físico (que todos sabem que existe e pode ser dado como certo na discussão).

Quando eu escrevi a Max Freedom Long sobre isso, ele acrescentou os seguintes comentários (carta de 12-5-1968):

Aparentemente, os tradutores se esforçaram para esconder o significado secreto do Eu Superior, mas ao selecionar pneuma para nomeá-lo, eles usaram uma palavra-código kahuna que aponta para o Eu Superior sem nomeando-o diretamente. Isto é aho para a respiração natural; paciência; UMA LINHA OU CORDÃO.

Aqui nós temos o suficiente para dizer ao iniciado que a respiração para acumular mana e enviá-la pelo cordão aka indica o fato de que o Eu Superior é aquele que está sendo mencionado.

No sabedoria popular da Índia, eles falavam disso como ‘A Alma do Fio‘, com a mesma ideia do cordão ou também conhecido como fio sombreado. Os significados Grego para espírito também estavam intimamente ligados a respiração ou ar, ou assim me lembro. A Psique é simples e direta para o eu médio e o corpo é um símbolo de código perfeito para o eu inferior que possui e usa o corpo.

Os problemas de tradução são intrincados e difíceis, particularmente em textos com significado religioso ou teológico. As duas passagens mencionadas acima apontam para o cuidado que sempre tem que ser tomado ao usar um texto traduzido para apoiar uma interpretação específica. Por mais objetivos e eruditos que os tradutores tentem ser, as suas próprias premissas básicas necessariamente interferem em sua maneira de expressar pensamentos.

As palavras psychikon e physikon não podem ser confundidas uma com a outra, apesar da semelhança geral com o olho destreinado. Tal erro não poderia ser cometido repetidamente pelos muitos especialistas diferentes que analisaram o texto com o maior cuidado.

A tradução incorreta tem que, portanto, ter sido tacitamente aceita por consenso geral, por causa de sua premissa básica de que o homem consiste apenas de alma e corpo.

Crenças tradicionais complexas tornam difícil para os membros da Igreja de hoje, arraigados com ideias sobre o homem e Deus com base em informações incompletas, entender, muito menos aceitar o conceito dos Três Eus. Descobrir o Eu Superior entre as noções antropomórficas estranhas, vagas e distorcidas sobre ‘Deus‘ apresenta um obstáculo que a maioria dos Cristãos parece incapaz de superar. O que é pior, eles também parecem não querer investigar a possibilidade.

A Bíblia tem referências suficientes para convencer o tradicionalista mais complexo, se ele as examinasse com franqueza e desejo pela Verdade. O Eu Superior tem que ser conhecido diretamente através da experiência ou “Realização”. Max Freedom Long falou sobre isso em seu primeiro relatório de suas descobertas, Recovering the Ancient Magic (1936), em uma das discussões mais claras, inspiradoras e esclarecedoras do livro.

‘Nós não temos palavra em Inglês para descrever o que é chamado de samadhi [Realização] pelos Hindus, ou o que é ainda mais precisamente indicado por ko [Consecução/Obtenção] em Havaiano…’

Sri Ramakrishna chama o estado de Realização de ‘Consciência de Deus’.  Ele explica que do estado consciente a pessoa passa para um estado supraconsciente no qual as verdades padrão da criação são contatadas pelo ego….

O processo de vir a ser conscientemente ciente dessas realidades de ideias-padrão suprafísicas é uma fusão com as ideias-padrão – a fusão com o Amor é a fusão com Deus em Sua fase mais elevada, criativa ou exteriorizada – embora tudo seja Deus que é tocado na Realização ….

Ao tentar explicar Deus, Sri Ramakrishna disse certa vez: ‘A convicção de que Deus está em todos os objetos – de que há Unidade na variedade – é chamada de Conhecimento da Unicidade. Conhecê-Lo intimamente é Realização….’

Ainda não houve nesse mundo nenhum ser criado que tenha sido capaz de expressar de boca em boca a natureza do Absoluto…

Há uma alegria indescritível na companhia do Senhor. As palavras da boca não podem descrever isso. Ele apenas conhece, quem tem sentido isso….

Deus, o Absoluto, é a única Substância a ser realizada – não descrita ou conhecida. O sinal do Verdadeiro Conhecimento ou Realização é a cessação da dúvida e, portanto, de toda discussão filosófica….

O resultado da posição anterior é que somente o Eu Superior conhece o Eu Superior….

Todos os fatos do universo – cada objeto, cada fenômeno – são submetidos a criação, preservação e destruição – sob Corpo, Mente e Alma. (Isso é muito resumido da discussão mais completa de dezoito páginas do livro).

Em termos Bíblicos, Deus é Espírito. E na descrição de ‘O Ser Íntegro’ como ESPÍRITO, ALMA E CORPO, o Espírito representa o Eu Superior ou Deus. O nome Havaiano dessa parte do homem é ‘Aumakua’, ‘o Espírito paterno totalmente confiável’.

A palavra Grega pneuma significa respiração. A palavra Hebraica, Ruach, também significa vento ou ar. É apenas ‘em espírito’ (respiração) que nós podemos verdadeiramente ‘adorar’ a Deus. É significativo que a palavra Grega que nós traduzimos por ‘adorar’, proskynein, significa ‘beijar’ ou ‘jogar um beijo para, de longe’.

A comunicação com Deus (contatar o Eu Superior) tem sido o antigo desejo do homem. Quando o Eu Superior é conhecido ou percebido, o contato é possível. A parte espiritual do homem pode receber coisas espirituais. Mana pode ser enviada ao longo do cordão aka, como um beijo de longe e o Deus nas Alturas, ou ‘Pai no Céu’, pode ser contatado.

A passagem em João 20:22, portanto, assume um novo significado:

‘Jesus soprou (sobre eles) e disse: Recebei o espírito santo (respiração)’.

Um segredo para se aproximar de Deus é dada em Hebreus 11:6, onde dois pré-requisitos são declarados: primeiro, nós temos que acreditar que Ele existe (o Eu Superior não pode ser contatado se nós não soubermos de sua existência ou nós não acreditarmos que existe um parte do Eu Superior de nós); em segundo lugar, nós temos que acreditar que Ele é galardoador dos que O buscam. É o Eu Superior que atribui galardão; o galardoador é literalmente o ‘pagador’.

Eu tenho feito uma longa lista de todas as designações de Deus na Bíblia (longa demais para listar aqui) e muitas são muito instrutivas para o nosso estudo do Eu Superior. Por exemplo: Elohim, ‘Aquele Que Exprime O Poder’ é usado 2.550 vezes; Jeová (Yahweh), ‘Aquele Que Está Sempre Presente’, é usado 6.000 vezes; Adonai, ‘O Senhor Alto E Sublime’ (Isaías 6:1), é usado 340 vezes. Existem muitos outros. É somente através do conceito do Eu Superior em cada pessoa que esses muitos nomes Hebraicos de Deus se tornam compreensíveis.

O livro de Max Freedom Long, The Huna Code in Religions, apresenta e ilustra o método de traçar a linguagem do código em escritos religiosos. Esse magnífico livro fornece exemplos detalhados de Escritos Cristãos, Yogues e Budistas.

Se esse livro fosse lido e estudado cuidadosamente, ele forneceria o procedimento e a inspiração para o futuro da Irmandade Huna.

—–

Imagem jimmy-dean-L8V802a8lz0-unsplash.jpg – 8 de abril de 2023

Referências bibliográficas da OREM1

Amazing Women In History – artigo https://amazingwomeninhistory.com/morrnah-nalamaku-simeona-hawaiian-healer/

Amy Thakurdas, PhD – artigo “Ho’oponopono: Universal Healing Method For Mankind” – Wholistic Healing Publications – September 2008 Volume 8, No. 3

André Biernath – repórter na Revista Saúde – Grupo Abril  – artigo sobre o filme “Divertida Mente”, que aborda inteligentemente a questão das memórias armazenadas;

Bert Hellinger e Gabriele Tem Hövel – livro “Constelações Familiares – O Reconhecimento das Ordens do Amor”;

Brian Gerard Schaefer – artigo: “Universal Ho’oponopono – A new perspective of an ancient healing art”. Site http://www.thewholespectrom.com/

Bruce Lipton – livro “A Biologia da Crença “;

Carol Gates e Tina Shearon – livro “As You Wish” (tradução livre: “Como você desejar”);

Ceres Elisa da Fonseca Rosas – livro “O caminho ao Eu Superior segundo os Kahunas” – Editora FEEU;

Charles Seife – livro “Zero: A Biografia de Uma Ideia Perigosa” (versão em inglês “Zero: The Biography of a Dangerous Idea”;

Curso “Autoconhecimento na Prática online – Fundação Estudar” https://www.napratica.org.br/edicoes/autoconhecimento;

Dan Custer – livro “El Milagroso Poder Del Pensamiento” (tradução livre: “O Miraculoso [Incrível] Poder Do Pensamento”);

David V. Bush – livro “How to Put The Subconscious Mind to Work” (tradução livre: “Como Colocar a Mente Subconsciente para Trabalhar”);

Dr. Alan Strong – artigo denominado “The Conscious Mind — Just the Tip of the Iceberg” (tradução livre: “A Mente Consciente – Apenas a Ponta do Iceberg”), no site www.astrongchoice.com;

Dr. Amit Goswami – livro “O Universo Autoconsciente – como a consciência cria o mundo material”;

Dr. Benjamin P. Hardy, psicólogo organizacional, autor do livro “Willpower Doesn’t Work” (Tradução livre: “Força de Vontade Não Funciona”), em artigo no site https://medium.com/the-mission/how-to-get-past-your-emotions-blocks-and-fears-so-you-can-live-the-life-you-want-aac362e1fc85Sr;

Dr. Bruce H. Lipton – livro “A Biologia da Crença”;

Dr. Deepak Chopra – livro “Criando Prosperidade”;

Dr. Gregg Braden – livro “A Matriz Divina”;

Dr. Helder Kamei – site http://www.flowpsicologiapositiva.com/ – Instituto Flow;

Dr. Joe Dispenza – livro “Breaking the Habit of Being Yourself – How to Lose Your Mind and Create a New One” (tradução livre: “Quebrando o Hábito de Ser Você Mesmo – Como Liberar Sua Mente e Criar um Novo Eu”);

Dr. Kenneth Wapnick – transcrição de sua palestra denominada “Introdução Básica a Um Curso em Milagres”;

Dr. Maxwell Maltz – livro “The New Psycho-Cybernetics” (tradução livre: “A Nova Psico-Cibernética”);

Dr. Nelson Spritzer – livro “Pensamento & Mudança – Desmistificando a Programação Neurolinguística (PNL)”;

Dr. Richard Maurice Bucke – livro ‘Consciência Cósmica’;

Dr. Serge King – livro “Cura Kahuna” (Kahuna Healing);

Francisco Cândido Xavier – livro “No Mundo Maior” (ditado pelo espírito Dr. André Luiz);

Francisco do Espírito Santo Neto – livro “Os Prazeres da Alma” (ditado pelo espírito Hammed);

Gerald Zaltman – Professor da Harvard Business School – livro “How Customers Think” (tradução livre: “Como Pensam os Consumidores”);

Henry Thomas Hamblin – livro “Within You Is The Power” (tradução livre: “Dentro de VOCÊ Está O Poder”);

Hermínio C. Miranda – livro “O Evangelho de Tomé”;

Igor I. Sikorsky, Jr. – Jurista – Artigo Jung & Huna – Fonte: https://www.maxfreedomlong.com/huna-bulletins/hv-newsletter-30-spring-1979/

James Redfield – livro “A Profecia Celestina”;

Jens Weskott – artigo “Bem-vindo Subconsciente – Graças ao Ho’oponopono”, site da Associação de Estudos Huna disponível no link https://www.huna.org.br/wp/?s=jens;

Joe Vitale – livro “Limite Zero”;

Joel S. Goldsmith – livro “O Despertar da Consciência Mística”;

John Assaraf – artigo ratificando que somos todos seres perfeitos de Luz está disponível no site http://in5d.com/the-world-of-quantum-physics-everything-is-energy/;

John Curtis – Webinario sobre Ho’oponopono – site Sanación y Salud http://www.sanacionysalud.com/

Joseph Murphy – livro “The Power of Your Subconscious Mind” (tradução livre: “O Poder de Sua Mente Subconsciente”);

Kenneth E. Robinson – livro “Thinking Outside the Box” (tradução livre: “Pensar Fora da Caixa”);

Krishnamurti – artigo “Early Krishnamurti” (“Inicial Krishnamurti”) – Londres, 7-3-1931.  Site: https://www.reddit.com/r/Krishnamurti/comments/qe99e1/early_krishnamurti_7_march_1931_london/

Krishnamurti  – livro “O Sentido da Liberdade”, publicado no Brasil em 2007, no capítulo “Perguntas e Respostas”, o tema “Sobre a Crise Atual”; experienciamos, para a nossa reflexão e meditação à luz do sistema de pensamento do Ho’oponopono.

Kristin Zambucka, artista, produtora e autora do livro “Princess Kaiulani of Hawaii: The Monarchy’s Last Hope” (tradução livre: “Princesa Kaiulani do Havaí: A Última Esperança da Monarquia”);

Leonard Mlodinow – livro “Subliminar – Como o inconsciente influencia nossas vidas” – do ano de 2012;

Livro “Um Curso em Milagres” – 2ª edição – copyright 1994 da edição em língua portuguesa;

Louise L. Hay – livro “You Can Heal Your Life – (tradução livre: “Você Pode Curar Sua Vida”);

Malcolm Gradwell – livro “Blink: The Power of Thinking without Thinking” (Tradução livre: “Num piscar de olhos: O Poder de Pensar Sem Pensar”);

Manulani Aluli Meyer – artigo “Ho’oponopono – Healing through ritualized communication”, site https://peacemaking.narf.org/wp-content/uploads/2021/03/5.-Hooponopono-paper.pdf

Marianne Szegedy-Maszak – edição especial sobre Neurociência publicada na multiplataforma “US News & World Report”, destacando o ensaio “Como Sua Mente Subconsciente Realmente Molda Suas Decisões”;

Matthew B. James. Estudo Acadêmico , para um Programa de Doutorado da Walden University, Minneapolis, Minnesota, USA, 2008, doutorando em Psicologia da Saúde, denominada “Ho’oponopono: Assessing the effects of a traditional Hawaiian forgiveness technique on unforgiveness”. O estudo completo pode ser acessado no site da Walden University no link:  https://scholarworks.waldenu.edu/dissertations/622/#:~:text=The%20results%20demonstrated%20that%20those,the%20course%20of%20the%20study.

Max Freedom Long – livro “Milagres da Ciência Secreta”;

Max Freedom Long – Artigo “Teaching HUNA to the Children – How Everything was made” [Ensinando HUNA para as Crianças – Como Tudo foi feito], site https://www.maxfreedomlong.com/articles/max-freedom-long/teaching-huna-to-the-children/;

Max Freedom Long – Artigo “Huna And The God Within”. Fonte: https://www.maxfreedomlong.com/articles/huna-lessons/huna-lesson-2-huna-theory-of-prayer/

Max Freedom Long – Artigo “The Workable Psycho-Religious System of the Polynesians” [O Sistema Psico-Religioso Praticável dos Polinésios]. Fonte: https://www.maxfreedomlong.com/articles/max-freedom-long/huna-the-workable-psycho-religious-system-of-the-polynesians/

Napoleon Hill – livro “The Law of Success in Sixteen Lessons” (tradução livre: “A Lei do Sucesso em Dezesseis Lições”);

Osho – livro “The Golden Future” (tradução livre: “O Futuro Dourado”);

Osho – livro “From Unconsciousness to Consciousness” (tradução livre “Do Inconsciente ao Consciente”);

Osho – livro “Desvendando mistérios”;

Paul Cresswell – livro “Learn to Use Your Subconscious Mind” (tradução livre: “Aprenda a Usar a Sua Mente Subconsciente”);

Paulo Freire, educador, pedagogo, filósofo brasileiro – livro “A Psicologia da Pergunta”;

Platão – livro “O Mito da Caverna”;

Richard Wilhelm – livro “I Ching”;

Roberto Assagioli, Psicossíntese. Site http://psicossintese.org.br/index.php/o-que-e-psicossintese/

Sanaya Roman – livro “Spiritual Growth: Being Your Higher Self (versão em português: “Crescimento Espiritual: o Despertar do Seu Eu Superior”);

Sílvia Lisboa e Bruno Garattoni – artigo da Revista Superintessante, publicado em 21.05.13, sobre o lado oculto da mente e a neurociência moderna.

Site da Associação de Estudos Huna https://www.huna.org.br/ – artigos diversos.

Site www.globalmentoringgroup.com – artigos sobre PNL;

Site Wikipedia https://pt.wikipedia.org/wiki/Ho%CA%BBoponopono, a enciclopédia livre;

Thomas Troward – livro “The Creative Process in the Individual” (tradução livre: “O Processo Criativo no Indivíduo”);

Thomas Troward – livro “Bible Mystery and Bible Meaning” (tradução livre: “Mistério da Bíblia e Significado da Bíblia”);

Tor Norretranders – livro “A Ilusão de Quem Usa: Reduzindo o tamanho da Consciência” (versão em inglês “The User Illusion: Cutting Consciousness Down to Size”);

Wallace D. Wattles – livro “A Ciência para Ficar Rico”;

W. D. Westervelt – Boston, G.H. Ellis Press [1915] – artigo: “Hawaiian Legends of Old Honolulu” Site: https://www.sacred-texts.com/pac/hloh/hloh00.htm.

William Walker Atkinson – livro: “Thought Vibration – The Law of Attraction in the Thought World” (tradução livre: “Vibração do Pensamento – A Lei da Atração no Mundo do Pensamento”) – Edição Eletrônica publicada em 2015;

Zanon Melo – livro “Huna – A Cura Polinésia – Manual do Kahuna”;  

Muda…
A chuva de bênçãos derrama-se sobre mim, nesse exato momento.
A Prece atinge o seu foco e levanta voo.
Eu sinto muito.
Por favor, perdoa-me.
Eu te amo.
Eu sou grato(a).
Autor

Graduação: Engenheiro Operacional Químico. Graduação: Engenheiro de Segurança do Trabalho. Pós-Graduação: Marketing PUC/RS. Pós-Graduação: Administração de Materiais, Negociações e Compras FGV/SP. Consultor de Empresas: Projeto OREM® - Organizações Baseadas na Espiritualidade (OBEs). Estudante e Pesquisador Independente sobre Espiritualidade Não-Dualista; Psicofilosofia Huna e Ho’oponopono; A Profecia Celestina; Um Curso em Milagres (UCEM); Espiritualidade no Ambiente de Trabalho (EAT); A Organização Baseada na Espiritualidade (OBE). Certificação: “The Self I-Dentity Through Ho’oponopono® - SITH® - Business Ho’oponopono” - 2022.

0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
0
Would love your thoughts, please comment.x