Extraímos trechos, em tradução livre, do livro “Ethics 101” [Ética 101], do Dr. Stephen R. Covey, autor do livro “The 7 Habits of Highly Effective People” [Os 7 Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes], para a nossa reflexão, sobre o conceito ou orientação da Regra de Ouro que deveria ser aplicada no ambiente corporativo, orientação essa já considerada e assimilada, consciente ou inconscientemente, nas Organizações Baseadas na Espiritualidade (OBEs).

No site “2016 Living Peace – International” temos a seguinte referência à Regra de Ouro [http://livingpeaceinternational.org/br/]:

“De acordo com estudos recentes, a presença da Regra de Ouro remonta já a 3000 a.C. na tradição védica indiana, <Não faças aos outros o que não queres que seja feito a ti; e deseja para os outros o que desejas e esperas para ti mesmo>. Fonte Mahabharata, Anusasana Parva 113.8.

Entre as mais antigas e conhecidas citações da Regra de Ouro encontra-se a do filósofo Confúcio, que viveu na China entre os séculos VI e V a.C.”

Dr. Stephen R. Covey começa o capítulo com a seguinte questão:

Por que esta Regra é de Ouro?

Como você se avalia no que se trata de ética?

O professor de relações industriais e clérigo nascido na Alemanha William J. H. Boetcker observou:

‘Os homens devem ser honestos consigo mesmos antes de poderem ser honestos com os outros. Um homem que não é honesto consigo mesmo apresenta um caso sem esperança.’1

Eu acredito [o autor] que todas as pessoas podem ser categorizadas usando as cinco afirmações a seguir.

1. Eu sou sempre ético.

2. Eu sou normalmente ético.

3. Eu sou de certa forma ético.

4. Eu sou raramente ético.

5. Eu nunca sou ético.

Qual se aplica melhor a você? Como você se caracterizaria? Pausa para refletir.

Então vá em frente e coloque uma marca de seleção ao lado da afirmação que melhor descreve você.

ASSUNTOS DE ÉTICA

Agora que você pensou um pouco, aqui estão algumas observações que eu quero [o autor] compartilhar com você relacionadas a como as pessoas veem a ética:

1. A maioria das pessoas se coloca na primeira ou na segunda categoria. A maioria de nós tenta ser ético na maior parte do tempo.

2. A maioria das pessoas que se coloca na segunda categoria o faz por conveniência pessoal. O conflito é inconveniente. Praticar a disciplina é inconveniente. Perder é inconveniente. Pagar um alto preço pelo sucesso é inconveniente. Algumas pessoas na categoria 2 estão lá porque não querem lidar com esses inconvenientes.

3. A maioria das pessoas pensam que ser ‘normalmente ético’ é bom – a menos que elas estejam do lado perdedor do lapso em ética da outra pessoa.

4. Uma regra pode ajudar as pessoas a passar de ‘normalmente ético’ para ‘sempre ético’ e fechar a lacuna entre as duas primeiras categorias.”

Dr. Stephen R. Covey enfatiza que foi mencionado no prefácio de seu livro que educadores, filósofos, teólogos e advogados fizeram da ética um assunto excessivamente complexo.

“A maioria das pessoas foi influenciada pela visão desses ‘especialistas’. Para ver evidências desse fato, preste atenção em sua reação ao que eu estou prestes a lhe dizer: eu acredito que você será capaz de usar uma orientação para governar toda a sua tomada de decisão ética. Ela está baseada na Regra de Ouro.

EU ACREDITO QUE VOCÊ SERÁ CAPAZ DE USAR UMA ORIENTAÇÃO PARA GOVERNAR TODA A SUA TOMADA DE DECISÃO ÉTICA. ELA ESTÁ BASEADA NA REGRA DE OURO.

Você desdenhou? Você está cético? Você está pensando em descartar a minha afirmação? Se você está, então você pode ser pego no atoleiro do pensamento moderno sobre ética. Eu gostaria de pedir que você tenha paciência comigo enquanto eu explico a tese deste livro, que é:

Fazer a pergunta ‘Como eu gostaria de ser tratado nesta situação?’ é uma orientação de integridade para qualquer situação.

Agora, deixe-me explicar por que eu acredito que a Regra de Ouro pode se tornar a sua Estrela do Norte quando se trata de navegação ética.

UMA REGRA PARA TODOS

Uma das pessoas que me orientou em liderança é o consultor de negócios Fred Smith Sr. Certo dia, no almoço, há mais de uma década, nós conversamos sobre ética e discutimos a Regra de Ouro. ‘Sabe’, disse Fred, ‘uma versão da Regra de Ouro existe em quase todas as culturas.’

Essa afirmação sempre me marcou. Na atual cultura relativista da América – onde todos querem usar padrões diferentes e onde cada situação deve exigir o seu próprio código de conduta – é promissor esperar que pessoas de todas as culturas que desejam viver eticamente possam concordar com um padrão. Dê uma olhada nos resultados de algumas pesquisas que mostram quantas variações da Regra de Ouro existem:

Cristianismo: ‘Tudo o que você quer que os homens façam a você, faça também a eles.’2

Islamismo: ‘Ninguém é [verdadeiramente] crente se não deseja para o irmão o que deseja para si mesmo.’3

Judaísmo: ‘O que é odioso para você, de fato não faça ao seu próximo. Esta é toda a Lei; todo o resto é comentário.’4

Budismo: ‘Não machuque os outros com aquilo que dói a si mesmo.’5

Hinduísmo: ‘Essa é a soma do dever; de fato não faça nada aos outros o que você não gostaria que fizessem a você.’6

Zoroastrismo: ‘O que for desagradável para si mesmo, não faça aos outros.’7

Confucionismo: ‘O que você de fato não quer que seja feito a si mesmo, de fato não faça aos outros.’8

Bahai: ‘E se os teus olhos se voltam para a justiça, escolhe para o teu próximo o que escolhes para ti.’9

Jainismo: ‘Um homem deve vagar tratando todas as criaturas como ele mesmo seria tratado.’10

Provérbio Iorubá (Nigéria): ‘Quem vai pegar uma vara pontiaguda para beliscar um passarinho deve primeiro experimentá-lo em si mesmo para sentir como dói.’11

REALMENTE HÁ APENAS DOIS PONTOS IMPORTANTES QUANDO SE TRATA DE ÉTICA. O PRIMEIRO É UM PADRÃO A SEGUIR. O SEGUNDO É A VONTADE DE SEGUI-LO.

Está claro que a Regra de Ouro atravessa fronteiras culturais e religiosas e é adotada por pessoas de quase todas as partes do mundo. É a coisa mais próxima de uma orientação universal de ética que uma pessoa pode encontrar. Há realmente apenas dois pontos importantes quando se trata de ética. O primeiro é um padrão a seguir. O segundo é a vontade de segui-lo.

Josephson Institute of Ethics [O Instituto de Ética Josephson], uma organização apartidária e sem fins lucrativos que existe para melhorar a qualidade ética da sociedade, afirma bem quando diz:

‘Ética é sobre como nós enfrentamos o desafio de fazer a coisa certa quando isso custar mais do que nós queremos pagar. Há dois aspectos na ética: o primeiro envolve a capacidade de discernir o certo do errado, o bem do mal e a propriedade da impropriedade. O segundo envolve o compromisso de fazer o que é certo, bom e adequado. A ética implica ação; não é apenas um tópico para refletir ou debater.’12

POR QUE VOCÊ E EU DEVEMOS ADOTAR A REGRA DE OURO

Eu não sou ingênuo. Eu sei que nem todos procuram uma orientação simples, prática e aplicável para viver eticamente. Algumas pessoas escolhem mentir, trapacear, roubar e fazer pior. Outras vivem para meditar e debater ideias. (Eu tive aulas com algumas dessas pessoas na pós-graduação!) Mas as pessoas que desejam encontrar um orientação boa e honesta de comportamento ético para viver podem encontrá-la na Regra de Ouro. Aqui está porque eu acredito que:

“ÉTICA É SOBRE COMO NÓS ENFRENTAMOS O DESAFIO DE FAZER A COISA CERTA QUANDO ISSO CUSTAR MAIS DO QUE NÓS QUEREMOS PAGAR.” — O INSTITUTO DE ÉTICA JOSEPHSON

1. A Regra de Ouro é aceita pela maioria das pessoas

Você já tem uma ideia de quão amplamente aceita é a Regra de Ouro. Mas se isso não for suficiente para você, também pode ser defendida a Regra de Ouro com base no bom senso. Você pode imaginar alguém dizendo: ‘Por favor, me trate pior do que eu trato você’ Não, todo mundo quer ser bem tratado. Mesmo as pessoas que buscam relacionamentos doentios ou que se envolvem em comportamento destrutivo não desejam ou buscam conscientemente maus tratos dos outros. É racional para qualquer pessoa desejar um bom tratamento dos outros. Não é pedir demais esperar que as pessoas tratem bem os outros.

É muito difícil para as pessoas justificarem exigir melhor tratamento dos outros do que eles dão. Em que elas podem se basear? Fortuna? Se for esse o caso, então a pessoa ganhando $100.000 por ano que deseja um bom tratamento de alguém ganhando $25.000 deve concordar em ser maltratada por aqueles que ganham $500.000!

E se as pessoas baseassem o tratamento no talento? (É o que algumas das divas da indústria da música costumam fazer, por exemplo.) Os mais talentosos devem receber um tratamento melhor do que os menos talentosos? Sim? Ok, então quem deve tratar melhor quem: Whitney Houston ou Yo Yo Ma? Você determina o tratamento na quantidade de talento natural ou no que as pessoas fazem com o seu talento? Como você julga algo tão subjetivo quanto o talento? E o que acontece quando uma pessoa com talento em uma área conhece alguém com talento em outra? Quem merece o melhor tratamento: Tiger Woods ou Bill Gates?

Ou as pessoas podem basear o tratamento em afiliação política ou crenças pessoais. Então os membros da outra parte tornam-se inerentemente inferiores e se alguém discordar de suas crenças, eles automaticamente merecem um tratamento pior. Mas e se você descobrir mais tarde que eles estavam realmente certos em relação a um problema em vez de você? O virar de mesas.

Você pode ver aonde isso pode ir. Não importa em quais critérios arbitrários você possa pensar – seja riqueza, talento, ideologia, nacionalidade, raça ou qualquer outra coisa – não pode ser logicamente suportado. Eventualmente, torna-se como um jogo de rei da colina. Você jogou isso quando criança? Uma pessoa sobe em uma colina de terra e tenta ficar lá enquanto todos tentam derrubá-lo. A única maneira de vencer é ser o maior valentão. E mesmo que você vença, você leva uma surra no processo.

Uma das primeiras regras nas relações humanas é buscar um terreno comum com os outros. Essa é uma boa orientação se você estiver explorando uma nova amizade, encontrando-se com um cliente, ensinando um aluno, conectando-se com crianças ou discutindo com o seu cônjuge. Comparar experiências semelhantes e descobrir crenças compartilhadas pode abrir caminho para relacionamentos bem-sucedidos. A Regra de Ouro pode ser usada para criar um terreno comum com qualquer pessoa razoável.

A REGRA DE OURO PODE SER USADA PARA CRIAR UM TERRENO COMUM COM QUALQUER PESSOA RAZOÁVEL.

2. A Regra de Ouro é fácil de entender

O ex-editor da Saturday Review of Literature [trata-se de uma revista semanal americana criada em 1924], Norman Cousins, que lecionou na UCLA, observou: As palavras ‘difícil’ e ‘suave’ são geralmente usadas por estudantes de medicina para descrever a natureza contrastante dos cursos. Cursos como bioquímica, física, farmacologia, anatomia e patologia são ungidos com a bênção de ‘difícil’, enquanto disciplinas como ética médica, filosofia, história e relacionamentos médico-paciente tendem a trabalhar sob o rótulo muito menos auspicioso de ‘suave’. . . . [Mas] uma década ou duas após a formatura, tende a haver uma inversão. O que era para ser difícil acaba sendo suave, e vice-versa. A base de conhecimento da medicina está em constante mudança. . . . Mas os assuntos suaves – especialmente aqueles que têm a ver com intangíveis – acabam sendo de valor duradouro.13

A observação de Cousins ​​lança luz sobre um problema com a ética. As pessoas muitas vezes têm dificuldade em entender o assunto porque parece complexo e intangível. Uma das coisas maravilhosas sobre a Regra de Ouro é que ela torna o intangível tangível. Você não precisa conhecer a lei. Você não precisa explorar nuances da filosofia. Você simplesmente se imagina no lugar de outra pessoa. Até uma criança pequena pode lidar com isso. Não há regras complicadas e sem brechas.

Isso não quer dizer que toda situação ética possa ser resolvida instantaneamente usando a Regra de Ouro. Às vezes, a parte mais difícil de perguntar ‘Como eu gostaria de ser tratado nessa situação?’ é identificar quem pode ser afetado pela situação e como eles podem ser afetados. Mas mesmo para questões complexas, se uma pessoa pensa um pouco sobre o assunto, quase sempre consegue entendê-lo.

3. A Regra de Ouro é uma filosofia ganha-ganha

Você já conheceu pessoas que acreditam que, para serem vencedoras, outras pessoas devem perder? Elas vêem todos como um inimigo que deve ser esmagado. Ou elas se aproveitam da dor dos outros para vencer. Essa parece ser a ideia por trás de um fundo mútuo que se tornou disponível em setembro de 2002. Ele se chama Vice Fund e é oferecido pela Mutuals.com, Inc. Os gestores do fundo o consideram um investimento em ‘empresas que obtêm uma parte de suas receitas de produtos muitas vezes considerados socialmente irresponsáveis’, principalmente em jogos de azar, tabaco, álcool e armas de defesa, indústrias que eles consideram quase ‘à prova de recessão’.14

Especialistas dizem que esse ‘investimento no vício’ não funciona e não é tão lucrativo quanto o investimento em empresas ‘socialmente responsáveis’.15 Mas fica claro até mesmo pelo nome que o apelo do fundo vem da ideia do investidor ganhar dinheiro das fraquezas de outra pessoa. Eu me pergunto como o gerente do fundo se sentiria se ele descobrisse que as pessoas estavam trabalhando duro para explorar as suas falhas pessoais para obter lucro.

Quando você vive pela Regra de Ouro, todos ganham. Se eu te tratar tão bem quanto desejo ser tratado, você ganha. Se você me tratar da mesma forma, eu ganho. Onde está o perdedor nisso?

4. A Regra de Ouro é uma bússola quando você precisa de direção

A Regra de Ouro faz mais do que apenas dar ganhos às pessoas. Também tem valor interno para quem a pratica. O comentarista de televisão Ted Koppel diz:

‘Há harmonia e paz interior em seguir uma bússola moral que aponta na mesma direção, independentemente da moda ou tendência’.

Em um mundo com muita incerteza, eu acredito que muitas pessoas estão buscando direção. A Regra de Ouro pode fornecer isso. Nunca muda, mesmo que as circunstâncias o façam. Ela fornece uma direção sólida e previsível toda vez que é usada. E o melhor de tudo, realmente funciona.

“HÁ HARMONIA E PAZ INTERIOR EM SEGUIR UMA BÚSSOLA MORAL QUE APONTA NA MESMA DIREÇÃO INDEPENDENTEMENTE DA MODA OU TENDÊNCIA.” — TED KOPPEL

O LUGAR DE OURO PARA SER

Enquanto eu falo com corporações em todo o país, eu conheço muitas pessoas interessantes e muitos líderes excelentes. Durante uma turnê do livro em 1998, eu conheci alguém que se encaixa em ambas as categorias. Jim Blanchard é o CEO da Synovus Financial Corp., uma holding de 38 bancos em cinco estados e 80% proprietária de um provedor de serviços de pagamento eletrônico (chamado TSYS). O site da empresa afirma que o seu nome é ‘uma combinação das palavras synergy e novus — synergy, que significa a interação de componentes separados de tal forma que o resultado é maior que a soma de suas partes; e novus, que significa geralmente de qualidade superior e diferente dos demais listados na mesma categoria.’ A organização possui mais de US$ 18 bilhões em ativos, emprega mais de nove mil pessoas e é um componente do índice Standard & Poor’s 500 (NYSE: SNV).16

Se você acompanha as notícias de negócios, você já deve ter ouvido falar da Synovus. Em 1998, a revista Fortune começou a publicar a sua lista das 100 Melhores Empresas para Trabalhar na América. Em 1999, Synovus ficou em primeiro lugar! A empresa está nessa lista todos os anos desde a sua criação. (A lista que saiu em janeiro de 2003 classificou Synovus em nono lugar no país.)

Como empresário, eu queria saber como criar a melhor empresa para se trabalhar nos Estados Unidos. Então eu conversei com Jim. Ele me disse que alguns anos depois de se formar na faculdade de direito em 1965, aos 29 anos, ele foi escolhido para dirigir o Columbus Bank and Trust Company. Ao longo dos anos, ele construiu e expandiu o negócio. Mas então, na década de 1990, ele percebeu que queria garantir que os princípios e valores éticos que sempre usara pessoalmente para conduzir os negócios se tornassem parte da cultura da organização em expansão. ‘Precisávamos institucionalizá-lo e precisávamos aplicá-lo e reforçá-lo’, disse ele. E isso significava fazer mudanças — grandes mudanças. Muitas políticas que se desenvolveram ao longo dos anos foram desmanteladas, como o sistema de promoção, administração de salários e processo de revisão.

Eles também iniciaram o que Jim chama de Componente de Desenvolvimento de Pessoas, cujo núcleo é um compromisso com a sua força de trabalho. Jim explicou:

‘Como líderes da Synovus, nós dissemos que não permitiríamos mais uma liderança mesquinha, manipuladora e dominante nesta empresa. E nós íamos remediar qualquer um que fosse assim – se eles estivessem dispostos a tentar. Mas se eles não pudessem ou não quisessem mudar, então nós pediríamos para eles irem para outro lugar.

Esse vai ser um lugar seguro para trabalhar. Os funcionários não serão assediados. Eles não vão ser enganados – nós chamamos isso de ‘saudar a bandeira e chutar o cachorro’, o que significa que você diz todas as coisas certas, mas depois volta para o seu escritório e bate no pessoal. Levantei-me em vários fóruns e disse: ‘Eu estou passando um cheque em branco para você sobre essa promessa e quero que você o apresente para pagamento. E se o cheque for devolvido, então você não tem motivos para acreditar em qualquer coisa que eu lhe diga novamente.”

‘SE NÓS TIVESSEMOS APENAS UMA REGRA NESSA EMPRESA, ELA SERIA A REGRA DE OURO. SE NÓS ESTAMOS CERTOS, NÃO SÃO NECESSÁRIAS OUTRAS REGRAS.’ – JIM BLANCHARD

Muito rapidamente a luz do dia brilhou sobre os maus líderes. Tivemos de 200 a 300 deles fazendo a transição nos últimos seis ou oito anos, porque eles não estariam à altura do padrão de tratar as pessoas direito, com respeito, admiração, apreço, consideração. E basicamente culminamos tudo isso dizendo que se nós tivéssemos apenas uma regra nessa empresa, ela seria a Regra de Ouro. Se nós estamos certos, não são necessárias outras regras.17

Para muitas pessoas, a Regra de Ouro soa como uma abordagem suave aos negócios.

Mas nada poderia estar mais longe da verdade. Na Synovus, a arrogância não é tolerada, mas a excelência é esperada. Jim diz: ‘Nossas políticas não são uma cobertura para preguiçosos, medianos e medíocres. Nós somos muito exigentes e competitivos, mas também nós não brincamos com as pessoas.’18

Quando perguntei a ele sobre os benefícios de uma abordagem como a Regra de Ouro para as pessoas, ele disse: ‘Os benefícios tangíveis são menor rotatividade, menos reclamações na (*)EEOC [Equal Employment Opportunity Commission – Agency], quase um desaparecimento de qualquer tipo de problema de assédio. Mas os benefícios intangíveis são que você mantém os seus melhores colegas, os seus jovens líderes emergentes querem ficar e as pessoas crescem e florescem em um ambiente onde não são reprimidas. Então você está obtendo o crescimento ideal e máximo no nível mais alto. …

E quando você tem pessoas florescendo em todos os lugares ao seu redor, é como um cone de aspiração(**) em um carro de corrida. Está atraindo outras pessoas e as pessoas aspiram alcançar e realizar como vêem os outros fazendo. Seguir a Regra de Ouro é um ganha-ganha.19

Realmente é uma vitória para todos! A Regra de Ouro é boa para os funcionários. Ela é boa para os clientes. E isso é bom para os investidores. De acordo com a Robinson-Humphrey Company, as ações da Synovus geraram o segundo maior retorno de qualquer ação negociada na Bolsa de Valores de Nova York nos últimos vinte anos!20 Esse é o tipo de retorno que todos desejam. A Regra de Ouro realmente funciona. Isso é Ética 101″.3

A Regra de Ouro começa com você

Dr. Stephen R. Covey continua em outro parágrafo do livro informando que o escritor e orador motivacional Norte-Americano Zig Ziglar havia enviado uma nota depois de ouvir uma lição que ele fez sobre a liderança dos pais fundadores de nossa nação. Aqui está o que a nota dizia:

“Eu acredito que a razão pela qual tivemos tantos líderes notáveis ​​no início da história de nosso país é o fato de que, de acordo com Thomas Jefferson Research Institute, na época em que os homens que você mencionou estavam crescendo, mais de 90% do teor educacional era de uma natureza moral, ética, religiosa. E, no entanto, na década de 1950, a porcentagem desse mesmo teor educacional era tão pequena que não podia ser medida. Eu me pergunto se essa é a razão pela qual três milhões de americanos em 1776 produziram Washington, Madison, Jefferson, Hamilton, Adams, etc., e por que no ano de 2002 não temos ninguém para igualar os homens desse calibre.1

Uma educação moral forte, como Zig identificou, capacita uma pessoa a fazer boas escolhas éticas. No entanto, como poucas pessoas hoje receberam tal base, como começar? Como você pega algo tão amplo quanto a Regra de Ouro e a torna parte de seu pensamento diário? Estou convencido de que a melhor maneira de começar é pensar sobre o que você quer.”

(*) Tradução livre: Comissão de Igualdade de Oportunidades de Emprego – Agência.

(**) O que é um cone de aspiração? “Quando caminhamos, corremos ou nos movemos em um veículo motorizado, estamos a enfrentar uma força mais ou menos intensa de ar. Quanto maior for nossa velocidade, mais resistência encontraremos no ar e, por isso, os veículos de corrida sempre procuraram maneiras de tornar essa resistência a mais baixa possível. É por isso que a aerodinâmica é tão importante no automobilismo, pois procura ir buscar milésimos de segundo, adaptando os carros para que sofram a menor resistência possível. No entanto, é importante saber que essa resistência desaparece atrás do veículo que circula. Ou seja, se assistimos a uma competição de Fórmula 1 e vemos que dois carros estão mais ou menos próximos, o primeiro enfrentará totalmente a resistência do vento, enquanto o segundo tentará chegar o mais próximo possível da traseira do carro que o  precede para evitar essa resistência. Isso é o cone de aspiração. Isso implica, na Fórmula 1, que a resistência ao ar está concentrada na frente do carro, enquanto na zona traseira essa resistência desaparece. Por isso, o veículo de trás pode aproximar-se do da frente e precisa de menos potência para circular à mesma velocidade, pois o primeiro carro está a anular o vento contrário. E essa é a razão pela qual a maioria das ultrapassagens na pista ocorre com recurso ao cone de aspiração. Fonte https://quilometrosquecontam.com/cone-aspiracao/.

Imagem pexels-pixabay-45842-scaled.jpg

Referências:

  • 1. “Honesty,” in The Forbes Book of Business Quotations, Ted Goodman, ed. (New York: Black Dog and Leventhal, 1997), 408.
  • 2. Matthew 7:12.
  • 3. The Traditions of Mohammed, quoted at www.thegoldenrule.net, 23 September 2002.
  • 4. Talmud, Shabbat 31a, quoted in “The Universality of the Golden Rule in World Religions,” www.teaching-values.com, 23 September 2002.
  • 5. Udana-Varga 5, 1, quoted in ibid.
  • 6. Mahabharata 5, 1517, quoted in ibid.
  • 7. Shast-na-shayast 13:29, quoted at www.thegoldenrule.net, 23 September 2002.
  • 8. Analects 15:23, quoted at ibid.
  • 9. Epistle to the Son of the Wolf, 30, quoted at www.fragrant.demon.co.uk/golden, 23 September 2002.
  • 10. Sutrakritanga 1.11.33, quoted at ibid.
  • 11. Ibid.
  • 12. The Josephson Insititute, “What Is Ethics Anyway?” www.josephsoninstitute.org, 24 September 2002.
  • 13. Quoted in Bob Benson, He Speaks Softly: Learning to Hear God’s Voice (Waco, Tex.: Word, 1987).
  • 14. Vice Fund Prospectus, www.vicefund.com, 21 January 2003.
  • 15. Bob Smietana, “A Penchant for ‘Sin,’” Atlanta Journal-Constitution, 7 December 2002, B2.
  • 16. “Corporate Profile,” www.synovus.com, 27 January 2003.
  • 17. Interview with the author, 10 December 2002.
  • 18. Tom Barry, “Bank Shot,” Business to Business, September 2002, 46.
  • 19. Interview with the author, 10 December 2002.
  • 20. Dave DeWitte, “Georgia’s Synovus Corp. Shows How to Be a Top Employer,” Pulse, 16 June 1999.

—–

A Espiritualidade nas Empresas trata-se de uma Filosofia cujos Princípios podem ajudar tanto as Pessoas como as Organizações.

Autor

Graduação: Engenheiro Operacional Químico. Graduação: Engenheiro de Segurança do Trabalho. Pós-Graduação: Marketing PUC/RS. Pós-Graduação: Administração de Materiais, Negociações e Compras FGV/SP. Consultor de Empresas: Projeto OREM® - Organizações Baseadas na Espiritualidade (OBEs). Estudante e Pesquisador Independente sobre Espiritualidade Não-Dualista; Psicofilosofia Huna e Ho’oponopono; A Profecia Celestina; Um Curso em Milagres (UCEM); Espiritualidade no Ambiente de Trabalho (EAT); A Organização Baseada na Espiritualidade (OBE). Certificação: “The Self I-Dentity Through Ho’oponopono® - SITH® - Business Ho’oponopono” - 2022.

0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
0
Would love your thoughts, please comment.x