Artigo “Teaching HUNA to the Children – How Everything was made” [Ensinando HUNA para as Crianças – Como Tudo foi feito] – Max Freedom Long 

Tradução livre Projeto OREM®.

…continuação da Parte II…

GOGGELY, GIGGILY, COO

À medida que se aproximava o segundo aniversário dos bebês, tanto o Pai quanto a Mãe começaram a trabalhar mais seriamente com os doze pequeninos que fervilhavam por toda parte, metendo-se em tudo e aprendendo rapidamente a se alimentar com bananas e até cereais e leite de cabra. Eles pareciam muito fofos em suas pequenas calças de treinamento e Adão e Eva 6 estavam tão bronzeados que mal se poderia distingui-los dos bebês amarelos também bronzeados que eram Adão e Eva 5.

O Pai havia enviado uma chamada, com a ajuda da Mãe, é claro, para seis papagaios e selecionou os mais velhos, sábios e bonitos que puderam encontrar. A esses eles tinham ensinado a falar em várias línguas e os tinham colocado dentro e ao redor dos cercadinhos das crianças para tentar ensiná-las a falar.

Os papagaios, você sabe, embora não sejam humanos, estão muito próximos disso, considerando o problema que os pássaros têm com a falta de mãos. Apesar de nunca terem certeza do que estão dizendo, geralmente repetem o que lhes é ensinado.

Os Papagaios tinham conseguido prender a atenção das crianças por causa de suas cores brilhantes e tinham falado fielmente as palavras certas para as crianças ouvirem. Ouviu-se apenas um pequeno guincho, pois o Pai tinha ordenado que fosse mantido baixo. Todos os papagaios ensinavam ‘Mamã e Papa’, pois essas palavras eram semelhantes em qualquer idioma. Eles também ensinavam palavras de exercícios para treinar línguas e vozes jovens, como ‘Goo, gilly, gigglie and coo’. Foi a primeira escola do mundo e os papagaios foram os primeiros professores.

Quando o segundo aniversário das crianças estava quase chegando, todos eles aprenderam ‘Goo’ muito bem, e alguns ‘Gigglie coo’ também. Todos podiam gritar para o céu, como papagaios e alguns estavam começando a tagarelar um pouco, como as suas babás.

O Pai disse: ‘Nós faremos uma festa de aniversário e colocaremos as crianças à prova. Nós os faremos dizer uma palavra real ou não dar-lhes um pedaço de seu bolo de aniversário. E para quem nos disser uma palavra ou duas, nós teremos uma recompensa especial de um gatinho para as meninas e um cachorrinho para os meninos. Os parentes do gato e do cachorro foram convidados para a festa e deve ser muito emocionante, especialmente porque todos os chimpanzés estarão aqui e todos os pássaros com os seus ingressos de temporada para os melhores lugares nas árvores. A Pequena Nuvem irá ajudar os chimpanzés a chegarem aqui em segurança.’

A Mãe disse: ‘Com tantos chegando, é melhor eu levar o Velho Pai Chimpanzé e seus meninos de volta à cozinha para adicionar mais algumas dúzias de camadas ao bolo de aniversário’. Ela enviou uma mensagem telepática enquanto vestia o avental da cozinha e o Velho Pai Chimpanzé e a sua equipe vieram como se fossem para um incêndio. Eles pegaram os seus pequenos aventais e subiram em seus banquinhos ao lado da mesa de trabalho, cada um pronto para fazer a sua parte na confecção do bolo. A Mãe disse: ‘Sim, como antes, todos vocês terão recompensas como poder lamber as colheres e tigelas quando nós colocarmos os bolos no forno’. Por cima do ombro, ela disse ao Pai: ‘Isso pode não ser muito higiênico, mas a maneira como nós lavamos os nossos pratos nesta cozinha desencorajaria o germe mais corajoso que você já criou’. Ela acrescentou: ‘Claro, eu tive que ajudar a criá-los, mas estremecia o tempo todo. Pena que eles tiveram que ser feitos para que não houvesse uma lacuna em seu ciclo de vida.’

O Pai disse: ‘É preciso um grande número de formas de vida para permitir que o ciclo evolutivo avance e os germes são muito importantes em centenas de maneiras. Mas me diga, você colocou um anel em uma parte do seu bolo onde pudesse encontrá-lo como uma recompensa muito especial para o bebê que dissesse a primeira palavra real?’

‘Eu tenho uma confissão a fazer’, respondeu a Mãe. ‘Eu não coloquei um único anel no bolo. Mas eu tenho uma dúzia no bolso do avental e vou colocá-los nos pedaços apropriados, se e quando eles forem merecidos.’

‘Você é simplesmente maravilhosa’, disse o Pai. ‘Você sempre sabe como fazer tudo exatamente certo. E os seus bolos cheiram tão bem que quase me dá água na boca.’

No dia seguinte, depois que o café da manhã terminou e todos estavam arrumados ​​e prontos, a celebração começou. Os chimpanzés da Vila dos Chimpanzés, sob os cuidados da Pequena Nuvem, chegaram na devida ordem e ocuparam os seus lugares nas árvores, vigiando para que não se sentassem nos assentos reservados nas primeiras fileiras de galhos para os pássaros.

A Pequena Nuvem mal havia tomado o seu lugar sobre a casa para protegê-la do sol, quando a delegação de gatos chegou em grande estilo, pode-se dizer – com o Sr. Leão liderando o caminho e o Velho Dentes-de-Sabre humildemente vindo em segundo lugar. O Pai mostrou-lhes os seus lugares para sentar e a Pequena Leiteira serviu leite de cabra em conchas para todos, pois eles estavam com muita fome, depois da viagem, para ser digno de confiança demasiado com os outros convidados. Os gatos domésticos, cheios de orgulho, sentaram-se na primeira fila, segurando os seis lindos gatinhos que seriam presentes para as Evas que dissessem palavras.

Ouviu-se um grande latido ao longe e logo a delegação canina chegou. Cada um dos cachorros grandes recebeu um lugar e, em seguida, os cachorros pequenos se sentaram à frente deles. Eles também estavam com fome e, para mantê-los atentos às suas maneiras na direção dos gatos, cada um recebeu todos os biscoitos para cachorros que pudesse segurar. Os seis filhotes foram colocados pelo Pai em uma cesta e receberam leite.

Os pássaros chegaram em bando, cumprimentando-se com um emaranhado de gorjeios e cantos. Eles estavam saciados de minhocas e outras coisas que mal provaram as sementes para pássaros quando a Pequena Leiteira as passou de um lado para o outro.

Não havia delegações do oceano, naturalmente, mas a Pequena Nuvem assumiu a sua posição e começou a transmitir por telepatia para eles tudo exatamente como acontecia. A Mamãe Baleia enviou cumprimentos de Feliz Aniversário para todos os doze bebês e Pequena Nuvem transmitiu os cumprimentos com um pequeno estrondo de trovão só para garantir e porque ela estava tão animada que mal conseguia se conter de qualquer maneira. Foi a primeira festa de aniversário que alguém poderia se lembrar. A uma distância adequada, todas as grandes nuvens observavam e, ao longe, os sapos podiam ser ouvidos estrondosamente: ‘Croac! Croac!’

O bolo de aniversário tinha tantas camadas que formava uma torre e o Pai teve que andar ao lado dele e estabilizá-lo do topo quando o Velho Pai Chimpanzé e sua equipe o carregaram no banquinho em que ele estava. Com o bolo equilibrado no lugar certo na varanda, chegou a hora das babás trazerem os bebês. A Mãe deu o sinal e eles saíram, cada um capaz de andar e segurando a mão de uma babá.

Ao vê-los, a pantera negra, que havia sido colocada ao lado da Sra. Leão, amarrou o rabo e se agachou para dar um salto e comer uma refeição tenra. Mas a Sra. Leão estava observando e no primeiro movimento de sua longa cauda, ​​ela estendeu a mão e deu um tapa no rosto dela até que seus dentes bateram e a sua cauda se enrolou em um nó duro. Ela instantaneamente esqueceu o seu estômago. Mas a comoção assustou as crianças. Eles nunca tinham visto tantos animais estranhos e como em uma só voz eles gritaram: “Mamã! Mamã!” e agarraram as suas babás. O Pai deu um passo à frente para mostrar que não havia nada a temer e todos gritaram: “Papa! Papa!” e depois se acalmaram.

O Pai e a Mãe sorriram um para o outro. As primeiras palavras já haviam sido ditas e agora eles sabiam que o experimento era um sucesso e que em cada cabecinha um Eu Falante estava em casa e alcançando o que devia para fazer toda a diferença entre um animal e um ser humano.

Uma grande concha de molusco recheada com glacê de chantili foi colocada para os gatos, pois eles não gostavam muito de bolo, mas todos os outros animais tinham bolo com glacê que começam a aparecer. A Mãe segurava os pratos enquanto o Pai fatiava do topo e tudo correu bem até que as crianças, que estavam estendendo as mãos e fazendo barulhos de chimpanzé, começaram a berrar porque os seus convidados estavam sendo servidos primeiro. Foi muito vergonhoso da parte delas, mas elas eram muito mimadas e ainda muito pequenas, então ninguém as culpou.

Um dos papagaios berrava tão alto que podia ser ouvido por cima do uivo e gritou: ‘O Pequeno Papagaio quer um biscoito!’ O Pai jogou-lhe um pedaço de bolo e, acreditem, as crianças viram o que tinha acontecido e novamente a uma só voz gritaram: “O Pequeno Papagaio quer um biscoito!’

‘Como elas aprendem rápido’, disse o Pai alegremente e assim que ele falou e enquanto as crianças estavam repetindo, ainda mais alto, ‘O Pequeno Papagaio quer um biscoito’, a TORRE DE BOLOS desabou!

A Mãe disse: ‘Eu meio que esperava isso, então eu coloquei um pano no chão. Nós ainda podemos servir o bolo: Ela olhou para o Pai e disse: ‘Eu suponho que quando a história do que aconteceu com o bolo for escrita por algum filho de um Adão, será tudo sobre a Queda da Torre de Babel. Pelo menos as crianças agora estão balbuciando lindamente e em várias línguas. Um está dizendo, ‘Chiggey Chock’ o tempo todo. Você acha que isso pode ser Sânscrito?’

‘Não’, disse o Pai com um sorriso erudito. Isso é Chimpanzé. Eu ainda não inventei a língua Sânscrita.

O próximo evento no programa foi a entrega dos pequenos anéis para os pequeninos e, como todos tinham falado palavras, cada um recebeu um anel. Mais e mais bolos eram passados ​​de um lado para o outro e quando a última camada de glacê havia desaparecido do pano sob o banco, era hora de irem para casa. Todos eles cantaram ‘Parabéns a você’ com latidos e miados e guinchos e gorjeios. A Pequena Nuvem ousou trovejar apenas uma nota ou duas e quando os convidados partiram para casa, eles prestaram os seus respeitos ao Pai, à Mãe e à Pequena Leiteira, durante os quais eles disseram, cada um em sua própria linguagem telepática, que nunca houve tal festa de aniversário maravilhosa.

A Pequena Nuvem estava tão ocupada transmitindo os últimos detalhes que quase se esqueceu, mas a Mãe a lembrou e ela partiu obedientemente com os Chimpanzés para vê-los em segurança pela parte perigosa do vale onde os homens-macacos viviam. E é bom poder dizer que os homens-macacos aprenderam a lição e se comportaram.

Quando o último convidado se foi, o Pai lembrou que os gatinhos e os cachorrinhos não haviam sido entregues às crianças e foram deixados para trás para serem cuidados. O Pai disse: ‘Eu posso imaginar gatinhos sendo deixados na porta, mas NÃO cachorrinhos. De qualquer forma, a culpa é nossa e mesmo assim nós não temos muita culpa, considerando a grande emoção de ouvir as primeiras palavras já ditas por seres humanos.’

A Mãe disse: ‘Nós vamos todos tirar as nossas sonecas e depois nós podemos decidir o que fazer’. Mas quando eles voltaram para a varanda para dizer que era a hora da soneca, o que eles podiam ver senão todas as crianças com um gatinho ou um cachorrinho nos braços e todas, incluindo as babás chimpanzés, exaustas dormindo profundamente.

‘Isso não é fofo!’, disse a Mãe gentilmente enquanto puxava um pouco de cobertura em torno de um dos pares de crianças e sorria para o Pai. ‘Eu queria uma família, como você sabe, mas não esperava que incluísse gatinhos, cachorrinhos e até chimpanzés, mas todos são muito queridos e atraentes.’

Eles se acomodaram em suas espreguiçadeiras, onde eles poderiam ficar de olho nas crianças para que um cachorrinho não fosse abraçado com muita força ou um gatinho arranhasse alguém que fosse muito amoroso. A Pequena Nuvem pairava no alto, tirando a sua soneca e por um tempo tudo ficou quieto e pacífico.

Então a terra começou a tremer levemente e, procurando, eles viram a Família Elefante chegando. A Sra. Elefante disse: ‘Eu espero que nós não estejamos atrapalhando a sua soneca, mas nós viemos pedir desculpas por termos esquecido que dia foi a festa de aniversário’.

‘Não se preocupe’, disse o Pai sorrindo. ‘Elefantes nunca esquecem. Qual foi o verdadeiro motivo de vocês não terem vindo?’

A Sra. Elefante abaixou a cabeça até onde o seu pescoço muito curto permitia e confessou: ‘Isso foi porque nós ficamos sabendo que os animais deveriam dar alguns de seus pequeninos para as crianças como presentes de aniversário e como o Pai e eu só temos o nosso pequenino, simplesmente nós não suportamos a ideia de desistir dele.’ Ela parecia atraente para a Mãe e ficou confortada quando a Mãe disse: ‘Não se preocupe. Apenas cães e gatos domésticos eram procurados. O seu bebê é muito lindo, mas inteiramente grande demais para ser um animal de estimação para um bebê humano. Eu lamento que nós não tenhamos mais bolo de aniversário. Você poderia comer alguns amendoins?’

‘Eu realmente não deveria’, disse a Sra. Elefante. ‘Eu planejei começar a fazer dieta hoje.’

O Pai disse baixinho: ‘Que grande ideia’.

A Mãe disse: ‘Amanhã será tempo suficiente para começar a emagrecer’. Ela foi até a cozinha e encheu o bolso do avental com amendoins, depois voltou e convidou os elefantes a se servirem. Eles fizeram isso, muito felizes e depois de comerem cerca de um alqueire [1 alqueire paulista = 24,2 m2 de área plantada com amendoim] cada um, eles desejaram um Feliz Aniversário às crianças, prestaram os seus respeitos ao Pai e à Mãe e foram para casa contentes.

O Pai disse: ‘Se você me der uma mão, antes que as crianças acordem, nós podemos dar a cada uma delas um TERCEIRO EU. Eu fiz um para cada uma com as Coisas do Eu do Terceiro Grau e nós vamos prender cada eu – cada vida em seu corpo sombreado é claro – à sua criança com um cordão forte. Então esse cordão forte pode tomar o seu lugar, pelo menos em parte, e as crianças podem ser gradativamente soltas dos fios do seu avental.’

A Mãe ajudou e em alguns minutos havia uma pequena bola redonda de luz flutuando acima de cada criança. Essa foi a coisa mais maravilhosa de se ver, mas apenas o Pai e a Mãe podem ver a Coisa do Eu ou espíritos, o que é muito ruim, mas não pode ser evitado. E ainda hoje, toda criança recebe um belo Eu da Coisa Espiritual do TERCEIRO GRAU que é sempre tão sábio e gentil e que virá sempre que for chamado para ajudar e confortar. Na verdade, muitas vezes ele é chamado de ‘O Consolador’. E assim o HOMEM foi constituído com os três Eus ou espíritos, um eu animal, um Eu Falante e um Eu Consolador. Todos os três eus têm um corpo sombreado para viver, assim como o corpo animal para os Eus de Primeiro e Segundo Grau. Essa é uma maneira muito maravilhosa de ser feita.

COMO TUDO FOI FEITO – Parte 2

O VELHO CORUJA INTRIGADO

Depois do maravilhoso Segundo Aniversário deles, quando todos os pequenos Adãos e Evas começaram a falar e, dessa forma, mostraram que os seus Eus Falantes tinham vindo morar no segundo andar em cima de suas cabecinhas, tudo correu muito bem.

Como você sabe, leva o que parece ser um tempo interminável para as crianças crescerem e dias e anos parecem intermináveis. Mas é preciso ter paciência um pouco. Muito em breve a pessoa estará crescida e então o tempo passará tão rápido que ela estará velha e pronta para morrer e voltar como um novo bebê em um novo corpo no que parecerá quase nenhum tempo. Pergunte a qualquer pessoa mais velha e eles lhe dirão como o tempo voa para eles.

Quando as crianças tiverem crescidas e esperado e crescidas e esperado tanto tempo, elas finalmente completaram cinco anos e elas tiveram uma festa de aniversário maravilhosa com bolo e convidados e tudo o que você pode imaginar, incluindo presentes de todos os tipos do Pai e da Mãe e dos pássaros e feras e até da Velha Mãe Baleia, que havia encontrado para cada uma delas uma bela pérola. Algum dia nós devemos ouvir a história da festa e das pérolas, mas agora a nossa história começa com os pequenos Adão e Eva Brancos – o par de bebês que ficaram brancos, você se lembra quando a babá chimpanzé derramou água sanitária em excesso na água do banho.

O Pai e a Mãe tinham visto que com todos os meninos e meninas chamados Adão e Eva, algo teria que ser feito para diferenciá-los, então eles receberam sobrenomes – os primeiros sobrenomes já conhecidos. Foi assim que eles foram criados. A lista começa com aqueles que foram todos descoloridos para que as suas peles fossem brancas e os olhos azuis. Os seus cabelos eram quase brancos, mas tinham um pouco de amarelo neles.

  • Adão e Eva [tom de pele] Branco. Eles eram os brancos e inadequadamente branqueados e cheios de sardas. Mas eles estavam bem, exceto que eles se queimavam pelo sol facilmente.
  • Adão e Eva [tom de pele] Amarelo, muitas vezes chamados de Celestiais ou gêmeos sublimes porque se tornariam os fundadores da China, que é chamada de O Reino Celestial. Eles tinham cabelos pretos lisos e peles levemente amareladas.
  • Adão e Eva [tom de pele] Pardo Claro eram um pouco mais escuros que os Gêmeos Celestiais. Os seus olhos eram castanhos e os seus cabelos quase pretos. Eles seriam os árabes e hebreus e egípcios em tempos vindouros.
  • Adão e Eva [tom de pele] Vermelho tinham olhos castanhos e cabelos pretos lisos. As suas peles tinham sido apenas um pouco branqueadas e eles pareciam levemente queimados de sol e vermelhos. Eles deveriam ser os Nobres Homens Vermelhos [talvez sobre o livro ‘The Noble Red Man’, autor Mark Twain, 1870?] ou os Índios Americanos.
  • Adão e Eva [tom de pele] Pardo Moreno eram apenas um pouco descoloridos e tinham olhos castanhos e cabelos pretos. Eles seriam o povo da Índia e de outras terras onde iriam viver. Eles deveriam ser os esquimós e viver nas terras de gelo e neve. Outros seriam os Polinésios.
  • Adão e Eva [tom de pele] Preto foram os únicos que permaneceram exatamente como o Pai e a Mãe os criaram – um preto muito lindo e completo. Os seus cabelos eram pretos, com cachos por toda a cabeça. Eles poderiam ficar no sol quente por horas e não se queimar. A casa deles seria a África.

Porque todos eles tinham Eus Falantes, assim como eus animais ou homens-macaco, eles podiam falar e o Pai e a Mãe os ensinaram a falar inglês para que pudessem se entender, mesmo que mais tarde fossem para outras terras e falassem outras línguas . Porque eles não tinham superado o eu-macaco neles, todos eles podiam falar por telepatia e assim podiam falar com todos os pássaros e animais quase tão bem quanto o Pai e a Mãe. Isso foi maravilhoso e deu-lhes muita diversão.

Era Sábado e, como não havia escola, Adão e Eva Branco pediram permissão à mãe para dar um passeio até o final do jardim para ver se conseguiam descobrir que novo animal ou pássaro ou outra criatura havia começado a dizer bem alto e quase a noite toda, ‘WHO, WHO, WHO’ [Uuh, Uuh, Uuh]’.

Quando eles saíram, o Pai ergueu os olhos de sua mesa e disse: ‘Olhem nas árvores e procurem uma criatura que pode estar dormindo profundamente – pois certamente não diz nada quando é dia. E preste atenção à sua babá quando ela lhe disser para não comer frutas que podem ser venenosas, nem se aproximar de cobras ou tocar em urtigas ou hera venenosa. Ela sabe de todas essas coisas e cuidará para que você fique longe de problemas se obedecer corretamente.’

O jardim era muito grande e muito bonito, como qualquer Jardim do Éden deveria ser. Eles pararam com a babá chimpanzé para comer umas bananas e tomar um gole de água do riacho. Eles levavam consigo o cachorrinho preto de Adão, e Eva levava consigo um gatinho da ninhada do primeiro filhote-gato que lhe fora dado como um presente maravilhoso em seu segundo aniversário. Lembram-se? Rover Branco, pois esse era o nome do cachorro, era um cachorro muito bom. Ele sabia muitas coisas e foi de grande ajuda para a Enfermeira Chimpanzé Branca, que estava ficando um pouco velha para uma chimpanzé e que não era tão ágil quanto antes quando se tratava de subir em árvores e fazer cambalhotas. Ela era tão sábia que, se houvesse algo que ela não soubesse, ela poderia adivinhar em três tentativas, como Adão e Eva sabiam, para a sua tristeza, quando eles faziam algo impertinente e tentavam escondê-lo. No entanto, ela não ficou velha demais para ser capaz de dar palmadas e quando eles estavam especialmente maus, ela bateu neles até que eles berrassem. Nesses momentos, ela enviava mensagens telepáticas para eles: ‘Só porque você tem esses maus espíritos animais de homens-macacos em você não é razão para que você esqueça de perguntar aos seus Eus Falantes o que é bom e depois fazê-lo. O Pai e a Mãe ensinaram vocês a esperarem enquanto conta até dez quando sente que devem agir como o macaco-malvado, então façam quatro respirações longas e lentas e ordenem ao eu-macaco que se comporte. Agora veja se vocês parem de esquecer e FAÇA isso.’

Enquanto eles atravessavam o jardim, os pássaros e os esquilos e os coelhos todos enviavam mensagens telepáticas para prestarem atenção com algo. Adão continuou perguntando se eles sabiam onde morava a criatura que ficava dizendo ‘WHO’ [‘Uuh’] a noite toda e os seus amiguinhos continuaram apontando para o outro lado do jardim, então eles continuaram. Era uma maneira e tanto de andar tendo pernas curtas e estava bastante quente depois que eles saíram da sombra da Pequena Nuvem, que estava debruçada sobre a casa grande e tirando uma soneca.

‘Eu estou com calor,’ disse Eva. ‘E nós dois teremos os nossos narizes queimados do sol.’ ‘Vamos escolher uma folha para um chapéu.’ Eles olharam ao redor e viram uma bela figueira com folhas grandes e muito delicadas. A Babá Chimpanzé Branca disse que as folhas eram seguras e os figos bons para comer, então eles pararam para comer alguns figos, depois pegaram folhas grandes para colocar na cabeça como chapéus. (E foi assim que a história veio a ser contada anos depois de como Adão e Eva usavam folhas de figueira para se vestir.) Na verdade, eles estavam muito bem vestidos com calça e camisa para o Adão e um lindo vestido para a Eva – tudo feito com os pontos mais alinhados e perfeitos feitos pela Mãe e as suas ajudantes.

Eles estavam quase no final do jardim quando viram, sentado em um galho baixo de uma árvore, um grande pássaro cinza que parecia profundamente adormecido. Quando eles pararam e olharam para cima, ele abriu um olho amarelo sonolento e os examinou, virando a cabeça de um lado para o outro. Então ele perguntou: ‘WHO’ [‘Uuh’] E eles sabiam que esse pássaro era a criatura que eles tinham ido encontrar.

‘Bom dia, Sr. Ave,’ Adão enviou uma mensagem telepática, fazendo uma pequena reverência tão boa quanto possível enquanto olhava para cima – pois curvar-se enquanto a sua cabeça está no ar é algo que tem que ser praticado por um longo tempo para se fazer bem.

‘E um Bom dia para você,’ o estranho pássaro enviou uma mensagem telepática. ‘Mas espere até eu acordar a minha esposa. Eu quero que ela veja todos vocês. Se eu não estou enganado, vocês são apenas as criaturas sobre as quais nós ouvimos histórias tão estranhas e que nós viemos encontrar e estudar. Ele olhou para a sua esposa que estava dormindo em um galho mais alto e a chamou em sua própria língua. Ela abriu os olhos apenas um pouco no início, mas quando ele apontou para os visitantes, os seus olhos se arregalaram de surpresa. ‘ELES, nos encontraram,’ enviou uma mensagem telepática o Sr. Coruja. ‘Desça e sente-se ao meu lado enquanto nós aprendemos tudo sobre eles.’ Ela estremeceu e tomou o seu lugar no galho. Ela era menor e tinha mais cinza em suas penas. Ambos tinham bicos curvos.

‘Agora,’ o Sr. Coruja enviou uma mensagem telepática. ‘Por favor responda a minha pergunta. Eu lhe pergunto QUEM [WHO, em Inglês], como você deve se lembrar. Quem é você?”

‘Eu sou o Adão,’ introduziu Adão educadamente. ‘Essa é a Eva. Essa é a Babá Chimpanzé Branca e este é o cãozinho Rover Branco. O gatinho ainda não tem nome.’

O Sr. Coruja piscou e esperou um momento. Então ele disse: ‘Essa não foi uma resposta muito boa. Quando pergunto QUEM [WHO], você não pode responder apenas com nomes. Nomes nunca fazem sentido. Nunca se pode responder totalmente sem também acrescentar informações sobre O QUE você é, onde mora, o que come, bebe, gosta e não gosta. Alguém também precisa dizer quem e o que são os pais e o que todos ao seu redor fazem e por que, se ele não faz isso, ele não o faz.’

‘Eu não entendo muito bem’, disse Eva.

‘Então eu vou ajudá-la’, disse o Sr. Coruja em sua voz telepática mais gentil. ‘Agora, para começar, você é a esposa desse outro? E se sim, você tem filhos? E, bem, isso é o suficiente para começar.’

‘Oh, sim,’ disse Eva alegremente. ‘Eu sou a esposa de Adão – ou pelo menos eu serei quando nós crescermos. Claro que ainda não temos filhos, mas nós planejamos ter pelo menos dez.’

Adão disse: ‘Se nós tivermos oito meninos, eu posso ser o nono e nós podemos ter um time de beisebol e jogar bola, como às vezes nós os vemos fazer quando o Pai nos deixa olhar pelo Telescópio do Tempo’.

‘Espere um momento’, disse o Sr. Coruja. ‘Agora sou eu quem está intrigado. Eu acho que você está falando de um jogo. Mas o que é uma base? E você sempre tem que ter nove machos para jogar isso?’

‘Uma base é apenas um lugar’, explicou Adão. Nós jogamos com os Chimpanzés Boys para preencher os times e as bases estão no primeiro, segundo e terceiro galhos de uma grande árvore perto de nossa casa. A equipe com mais chimpanzés quase sempre vence porque os Chimpanzés Boys podem escalar mais rápido que o Adâmicos.’

‘Que a QUEM?’ perguntou o Sr. Coruja? “Quem são os Adâmicos?’

‘É assim que o Pai nos chama’, explicou Adão. ‘Há seis Adãos em nossa família. Também seis Evas. Significa muito Adãos. O Pai e a Mãe nos fizeram. Eles pegaram diferentes tipos de argila e fizeram pedaços. Então eles dividiram cada pedaço em dois pedaços e fizeram um menino de um e uma menina do outro. Eva e eu pertencemos um ao outro porque nós fomos feitos da mesma massa.’

‘Que estranho’, disse o Sr. Coruja. ‘Eu estou começando a pensar que todas as histórias que eu tenho ouvido sobre vocês e esse lugar podem ter um pouco de verdade nelas. Mas me diga, os seus pais não transformaram vocês em ovos primeiro e depois chocaram vocês?’

‘Eles nem nos deram à luz’, acrescentou Eva. Eles estavam com muita pressa e demora muito para chocar um ovo. Eles apenas disseram as palavras certas e todos os doze bebês de barro ganharam vida. A nossa babá diz que todos nós começamos a chorar e foi muito emocionante. Nós éramos todos pretos quando nós fomos feitos, porém mais tarde o alvejante da lavanderia entrou em nossas conchas de banho e alguns de nós ficaram branqueados. Nós fomos os piores. Agora nós não podemos ir morar na África quando nós crescermos.’

‘A sra. Coruja tinha cochilado. Agora ela acordou com um sobressalto. ‘África?’ ela perguntou. ‘WHO, WHO!’ [‘Uuh, Uuh!’] Nunca ouvi falar de nada com esse nome.’

‘É uma terra maravilhosa do outro lado do mundo’, disse Adão. O Pai fez um mundo de barro para nós e quando nós temos aulas, ele nos mostra no globo exatamente onde cada casal Adão e Eva irão morar quando crescerem e tiverem muitos filhos para levar. O Pai colocará os leões ali e muitos outros animais. Adão Preto será um grande caçador e terá uma boa caça.’

‘Mas’, objetou a Sra. Coruja, ‘não pode ser do outro lado do mundo ou toda a sua África cairia do alto’.

‘Pai diz que não,’ introduziu Eva. ‘E ele sabe de tudo.’

‘O meu marido afirma que sabe tudo’, disse a Sra. Coruja com uma fungada de coruja. ‘Mas eu não acreditaria que a África pudesse estar do outro lado do mundo e não cair, mesmo que ele dissesse isso.’

‘Então por que’, disse Eva, ‘ele nos faz perguntas se já sabe de tudo e é muito mais esperto que o Pai?’

O Sr. Coruja disse apressadamente: ‘Ela disse isso, não eu. Eu estou sempre mantendo a mente aberta e aprendendo um pouco mais. Você vê, o conhecimento cresce um pouco a cada dia e quando eu aprender tudo o que há para ser conhecido hoje, crescerá todo um novo lote de notícias e conhecimento até amanhã.’

‘Mas’, disse Adão, ‘você não acredita no que o Pai diz sobre o mundo ser redondo?’

‘Bem, sim e não.’ disse o Sr. Coruja cuidadosamente. ‘Pode ser apenas uma questão de política com um partido alegando que o mundo é redondo e o outro partido alegando que é plano. Além disso, até onde eu observei, o mundo é totalmente plano e, nesse momento, eu não mudarei a minha política e não votarei em sua chapa. Eu sou um Conservador, se isso significa alguma coisa para você.’

Adão estava prestes a dizer algo indelicado, mas se conteve a tempo e apenas disse: ‘Uma vez, quando nós estávamos jogando beisebol, o Adão Preto estava na terceira base, que é uma posição bem alta. O Adão Pardo Moreno acertou a bola e o Adão Preto tentou deslizar para a base – e perdeu o controle e caiu e quebrou um braço. O Pai e a Mãe tiveram que fazer talas para colocar em volta do braço para que curasse.’

A Sra. Coruja abriu os olhos e perguntou sonolenta: ‘QUEM [WHO] para o jantar?’

‘Quase tudo e ninguém’, disse Eva. ‘O Pai e a Mãe nos ensinaram que tudo tem que comer a coisa logo abaixo. Quando o Pai vai caçar para matar um veado para o jantar, ele pede permissão ao veado para matá-lo e comê-lo. Ele diz que quando ele é comido por pessoas, o seu eu espiritual crescerá muito mais rápido para se tornar um homem. O Pai nos ensinou a pedir permissão antes de nós comermos uma batata ou banana ou pegar um peixe quando nós vamos pescar. E nós somos ensinados a ser tão gentis quanto nós pudermos e não machucar a criatura mais do que apenas um momento ao matá-la.’

Adão disse: ‘Nós olhamos pelo Telescópio do Tempo do Pai uma vez e vimos pessoas sentadas para comer um jantar de peru com frutas e legumes e tudo mais. E mesmo depois de muitos, muitos anos, eles não se esqueceram de pedir permissão para comer todos os seres vivos menores. Mas eles mudaram as palavras e pediram permissão quando se sentaram para comer. Eles chamavam de Benção dos Alimentos e soava muito bem. Eles se lembravam do Pai e conversavam com ele.’

Eva interrompeu: ‘Mas eles pareciam ter esquecido a Mãe. Ela tem tanto a ver com toda a Criação quanto o Pai. Foi muito ruim esquecê-la. Ela é tão adorável e tão gentil. Ela ama tudo e sempre lamenta que nós tenhamos que comer sementes de plantas, ovos, animais ou frutas’.

‘Ovos!’ exclamou o Sr. Coruja horrorizado. ‘Ninguém deve comer ovos! É perverso! Comer qualquer outra coisa está bem, mas não ovos.’

A Sra. Coruja acrescentou: ‘Especialmente não ovos de coruja. De galinha, se for preciso, mas não de coruja!’

‘Oh, por favor, não se sinta mal!’ exclamou Eva, sentindo muita pena das corujas. ‘Nós diremos a todos para não comerem ovos de coruja e tenho certeza de que eles se lembrarão’ (E quase todos se lembraram. Ainda hoje quase nunca se ouve falar de alguém malvado o suficiente para comer ovos de coruja.)

O cão Rover ouviu o sino do jantar começar a tocar na casa e começou a latir. ‘É hora do almoço e os nossos cochilos’, disse Adão. ‘Talvez nós possamos voltar a vê-los e conversar um pouco mais outro dia.’

‘Sim, Sim. Cochilos.’ disse o Sr. Coruja. ‘Muito necessário. Eu mal posso ficar acordado, agora que você mencionou cochilos. Sim, venha nos ver a qualquer momento e nós corrigiremos as ideias tolas como a da Terra ser redonda. Bom. dia.’ E ele estava dormindo profundamente.

Quando eles chegaram em casa, a Mãe os ajudou a lavar as mãos e o rosto para que não chegassem atrasados ​​à mesa e quando todos estavam sentados e o leite e os sanduíches começaram a descer pelas ruas vermelhas, Adão mal podia esperar para fazer algumas perguntas ao Pai.

‘Eu posso perguntar uma coisa?’ ele disse.

‘Você pode’, respondeu o Pai com um sorriso.

‘O Senhor Coruja disse que não podia acreditar que a Terra fosse redonda porque ele era um Conservador. Pai, o que é um Conservador?’

‘Um Conservador’, respondeu o Pai depois de trocar um olhar divertido com a Mãe, que estava sentada na ponta da longa mesa, ‘é uma pessoa ou coruja que não quer que os velhos costumes ou crenças mudem. Por eras pensou-se que a Terra era plana, então um Conservador não quer ter que mudar e aceitar uma nova ideia. À medida que você cresce, você descobrirá que os homens são piores do que as corujas. Eles simplesmente odiarão desistir de uma ideia antiga por uma nova e melhor. É muito ruim, mas os homens são assim.’

‘Mais uma coisa’, disse Adão. ‘Por que é tão pior comer ovos de coruja do que qualquer outro tipo?’

‘As corujas disseram que era?’ perguntou o Pai. ‘Bem, eu suponho que seja natural. E à medida que envelhecer, você aprenderá que é perverso fazer qualquer coisa com os seus próprios ovos, mas não com os ovos dos outros. Pode levar mais um milhão de anos para o homem superar algumas de suas maneiras incorretas de pensar.’

Eva disse: ‘O Sr. Coruja diz que sabe quase tudo.’

‘Bem,’ disse o Pai, ‘eu suponho que ele sabe quase tudo. As pessoas também serão assim. Mas o problema é que grande parte do que elas sabem está errado – como apenas saber que a Terra é plana quando o tempo todo ela é redonda. Mas agora coma o seu almoço. Nós podemos falar outra hora sobre a sua visita com as corujas.’

O Adão Preto levantou a mão para chamar atenção. ‘O resto de nós pode ir visitar as corujas amanhã? Nós nunca vimos pássaros que pudessem dizer WHO [Uuh] e saber o que a palavra significava. Os nossos papagaios podem dizer muitas palavras, mas dificilmente sabem o que significam.’

A Mãe olhou para o Pai e disse: ‘Sim, amanhã vocês podem ir visitar as corujas. Mas você deve se lembrar de ser educado, mesmo que eles se apeguem a algumas ideias que você sabe que estão erradas. Nada deixa uma criatura mais mal-humorada do que tentar dizer a ela que o que ela acredita está errado. E nenhum de vocês parece presunçoso. Os humanos são ainda piores sobre isso do que as corujas. As mulas são as piores e as corujas talvez as últimas. Em humanos como vocês, é o eu animal que não pode raciocinar, mas que, uma vez que aceita uma ideia, faz com que o seu homem se apegue a ela cegamente, irracionalmente e teimosamente. Vocês que são os Eus racionais ou Eus Falantes do homem precisam sempre tentar o seu melhor para verem que o eu animal em vocês não tenha ideias erradas sobre as coisas, especialmente sobre religião e política. Tentem sempre se lembrar disso.’

UMA SEGUNDA VISITA COM AS CORUJAS

Na manhã seguinte, todos os seis Adãos e Evas, com as suas babás chimpanzés, cachorros e gatinhos variados, partiram com Adão Branco para guiá-los a encontrar as corujas. Eles pararam para comer bananas e figos e colher folhas de figueira para chapéus, mas chegaram à árvore das corujas a tempo de uma visita agradável.

O Sr. e a Sra. Coruja já estavam acordados e sentados no galho mais baixo, prontos para a visita. A Sra. Coruja resmungou e disse: ‘Nós ouvimos todos vocês chegando a um quilômetro e meio de distância. Isso está ficando tão grande que um corpo nunca consegue dormir um dia.

Adão Branco apresentou a todos e os seus cachorros junto com as Babás Chimpanzés e os gatinhos que haviam sido nomeados, então ele perguntou: ‘Por que vocês não dormem à noite como nós fazemos?’

‘Esta é uma pergunta tola’, disse a Sra. Coruja. ‘Mesmo filhotes de corujas saberiam a resposta para isso. Nós temos que caçar a noite toda, pois é quando os ratos do campo saem de suas tocas e nós podemos pegar as nossas três refeições. Muitas vezes nós podemos pegar outras coisas para a sobremesa, mas NUNCA aqueles musaranhos desagradáveis, que têm um gosto tão ruim que nada pode comê-los.’

O Sr. Coruja estava olhando de uma criança para a outra, muito interessado. Agora ele perguntou: ‘De que cor são o seu Pai e a sua Mãe – todas as várias cores em consideração, eu suponho. Você,’ ele apontou para o Adão Branco. ‘Deixe-me ouvir a sua resposta.’

‘Por que’, respondeu Adão, muito intrigado. ‘O Pai e a Mãe são brancos, assim como eu. E eles não têm manchas.’

Adão Preto parecia perfeitamente surpreso. ‘Por que você diz isso?’ Ele demandou. ‘Eles são pretos, assim como eu. Todo mundo sabe disso!’

Adão Vermelho interrompeu. ‘Qual é o problema com vocês. Vocês estão tentando fazer uma piada com o Sr. Coruja? O Pai e a Mãe são vermelhos, assim como eu!’

‘Paz, paz!’ ordenou o Sr. Coruja quando Adão Pardo Moreno e Adão Amarelo estavam prestes a começar a gritar. ‘Eu não sou chamada de Sábia Velha Coruja à toa. Esse estranho problema de cor é algo em que me especializei. Eu sou conhecida como uma filósofa, mesmo que eu de fato diga isso,’ a Sra. Coruja fungou significativamente.

Adão Pardo Claro gritou: ‘Eles são de cor parda clara, assim como eu! Eu os vejo todos os dias e os meus olhos são tão bons quanto os de qualquer um!’

‘Quietos, por favor’, disse o Sr. Coruja. Ele os examinou da melhor maneira de coruja, então disse com um ar de vasta sabedoria: ‘Uma vez foi dito pelo Rei das Corujas, que sabia pelo menos duas vezes mais do que há para saber, que o homem faz o seu deus em sua própria imagem e aqui nós temos um exemplo perfeito da veracidade dessa maravilhosa sabedoria. Cada um de vocês, quando olha para o seu Pai e a sua Mãe, os vê feitos exatamente como ele ou ela é feito. E, porque eles criaram vocês de pedaços de barro, nós podemos ter certeza de que eles são DEUSES.’

Adão Branco disse apressadamente: ‘Eu não acredito nisso! Eu estou indo para casa nesse instante e perguntar ao Pai de que cor ele e a Mãe realmente são.’

‘Ah, por favor, não!’ implorou o Sr. Coruja, torcendo as pontas das asas em sua angústia. ‘Eu prometi ao Rei Coruja nunca dizer uma palavra desse SEGREDO maravilhoso e eu me esqueci – só desta vez. Se a notícia chegasse a ele em seu céu, ele me puniria de alguma maneira terrível. Por favor, eu imploro a todos vocês, nunca mencionem uma única palavra sobre o segredo que eu compartilhei com vocês, não enquanto vocês viverem. E nunca deixem os seus filhos mencionarem uma palavra sobre isso. Se o fizerem, esteja avisado, vocês serão punidos ainda mais severamente do que eu pelo Rei Coruja. Promessa! Promessa! Oh, prometam e jurem, eu imploro!’

‘Isso realmente não fará diferença, desde que eles realmente permaneçam pretos’, disse o Adão Preto pensativo. ‘Eles sempre ficarão pretos se eu prometer ficar quieto?’

‘Sempre e para sempre preto para você’, prometeu o Sr. Coruja. ‘Para cada um de vocês, eles SEMPRE permanecerão exatamente da cor que vocês são. E, se vocês jurarem duas vezes, eu farei algo maravilhoso por vocês. Eu cuidarei para que o Papai Noel seja sempre exatamente da mesma cor que vocês são!’

‘Isto é não tanto’, disse Adão Preto. ‘Papai Noel é naturalmente preto, como eu. Ele veio nos dar presentes no ano passado e eu me sentei em sua colo.’

‘EXATAMENTE!’ gritou o Sr. Coruja. MAS, se você prometer, eu manterei isso assim e cada um de vocês podem sempre ter o Papai Noel em sua própria cor.’

‘Mesmo quando eu for para a África para viver e caçar leões?’ perguntou Adão Preto.

‘Mesmo e principalmente e particularmente, ele será preto quando você for morar na África. Eu lhe dou a minha palavra de honra de coruja e isso nunca será quebrado.’ A Sra. Coruja resmungou novamente.

‘Bem’, disse Adão Pardo Moreno, ‘se tudo deve ficar exatamente como está e sempre foi – sem que nada tenha mudado, não vejo mal algum em fazer o Sr. Coruja se sentir feliz prometendo. O que você diz? Nós devemos todos nos alinhar e fazer a nossa promessa e jurar  duas vezes?”

‘Por que não?’ disse Adão Pardo Claro, apenas onde eu faço o sinal da cruz no meu coração?

‘Ali do seu lado esquerdo’, disse o Sr. Coruja. E você faz uma cruz sobre ele com a mão direita’.

‘Assim?,’ perguntou Adão Pardo Claro, fazendo o sinal da cruz em seu coração gentilmente.

‘Exatamente’, elogiou o Sr. Coruja. ‘Agora alinhem-se e digam depois de mim: ‘Eu prometo. Eu prometo. Eu prometo.’

Todos eles repetiram depois do Sr. Coruja: ‘Eu prometo. Eu prometo. Eu prometo.’ Pois todas as promessas e até orações são muito melhores se repetidas três vezes nas palavras exatas.

‘Façam o sinal da cruz no coração duas vezes,’ ordenou o Sr. Coruja, e quando todos fizeram isso, ele disse o mais alto que podia para enviar uma mensagem telepática: ‘Agora os seus lábios estão selados para sempre! Vocês nunca falarão ou nunca enviarão uma mensagem telepática com uma palavra do vasto e maravilhoso SEGREDO!”

(E assim aconteceu que, nunca quebrando as suas promessas, as crianças foram capazes para sempre de ver o Pai e a Mãe na cor correta, exatamente como sempre os viram. E muitos, muitos anos depois, ainda hoje, você verá, quando for visitar a Índia, que os filhos de Adão e Eva Pardo Moreno, que foram morar lá, pintam quadros e fazem estátuas do Pai e da Mãe e são sempre Pardos Morenos. Na China, eles agora esqueceram o Pai, mas adoram a Mãe como Quan Yin e ela é exatamente da cor de todos os Chineses. Na África, Deus é Preto quando os pretos o adoram. Mas na América, os Homens Vermelhos adoram o Pai e a Mãe como o Grande Espírito, colocando os dois juntos e dizendo que ninguém pode vê-los, então, eles não sabem a cor, mas se soubessem, sem dúvida seria vermelho para combinar com os filhos de Adão e Eva Vermelho.)

O Sr. Coruja parecia estar preocupado com alguma coisa. Ele ergueu uma asa e falou atrás dela com a Sra. Coruja, usando sussurros e a linguagem da coruja para que as crianças não ouvissem ou entendessem. A Sra. Coruja ouviu, então acenou com a cabeça. O Sr. Coruja voou em direção à casa e a sua esposa virou-se para as crianças e começou a fazer mais perguntas.

‘Você, garotinha amarela,’ ela disse, apontando com a ponta de uma asa. ‘Diga-me, você aprendeu a fazer um ninho adequado? Um grande o suficiente para uma criatura grande como você?’

A Eva Celestial disse: ‘Oh, SIM! Nós procuraremos grandes cavernas quando nós formos morar na China e as limparemos e as tornaremos agradáveis ​​para se viver. E mais tarde, nós construiremos casas, exatamente como aquela em que nós moramos no final do jardim.’

A Eva Vermelho, depois de levantar a mão ansiosamente, disse: ‘Ou nós podemos juntar varas e cobri-las com peles de animais ou cascas para fazer tendas que nós podemos desmontar e levar para as montanhas para a caça de verão.’

A Eva Preto disse: ‘Ou nós podemos fazer uma armação de postes e cobri-la com capim alto. É como fazer saias de grama. A Pequena Leiteira e a Mãe podem fazer coisas maravilhosas com grama alta.’

O Sr. Coruja voltou voando e se acomodou no galho. ‘Desculpe-nos por um momento’, disse ele, e mais uma vez sussurrou atrás de sua asa para a Sra. Coruja. Ele disse: ‘O Pai e a Mãe estavam sentados na varanda em frente à casa. Eu dei uma boa olhada neles. Eles eram apenas a cor que eu pensei que eles deveriam ser. Cinza assim como você e eu.’

‘Você tem certeza?’ perguntou a Sra. Coruja desconfiada. ‘Você está sempre confundindo as coisas. Parece-me que cinza não é a cor certa. Eles devem ser pretos. Darei uma olhada para que nós possamos entender o assunto.’ Com isso, ela voou para longe.

Eva Branco começou a ficar tão preocupada quanto o Sr. Coruja parecia. ‘Eu receio que algo esteja errado em casa’, disse ela ansiosamente. Acho melhor nós voltarmos.’

‘Sim’, disse o Adão Pardo Claro. ‘Digamos adeus e vamos embora.’

Eles se despediram apressadamente, depois de agradecer ao Sr. Coruja e partiram apressadamente pelo caminho. Enquanto eles iam, eles passaram pela Sra. Coruja voando de volta para a sua árvore, um olhar muito presunçoso em seu rosto.

A Sra. Coruja se acomodou ao lado do marido e resmungou alto e significativamente.

‘Pelo menos eles eram Cinza, como nós, eles não eram?’ perguntou o Sr. Coruja incerto.

‘Eu não sei o que deu em você’, repreendeu a Sra. Coruja. ‘Você deve estar ficando daltônico. Não havia criaturas na varanda que se parecessem com as crianças. O que você deve ter visto foram dois grandes pássaros pousados ​​em poleiros.’

‘Dois grandes pássaros Cinzentos?’ perguntou o Sr. Coruja esperançoso.

‘Naturalmente NÃO,’ disse a Sra. Coruja com uma fungada muito alta. ‘Um era verde e vermelho. O outro era azul e amarelo. Ambos tinham olhos amarelos. Uma deve ter sido a Mãe, porque, quando passei voando, ela chorou alto, ‘O Pequeno Papagaio quer um biscoito’.”

O Sr. Coruja se agachou e parecia muito desanimado.

‘E aí?’ insistiu a Sra. Coruja.

‘Eu não disse nada’, respondeu o Sr. Coruja humildemente. ‘Você geralmente está certa. Esqueça o assunto se quiser. Além disso, é melhor nós dormirmos um pouco ou esta noite nós passaremos fome porque não conseguimos acordar.’

A Sra. Coruja resmungou alto três vezes. Então ela disse em sua voz mais cansada: ‘Se você apenas me ouvisse mais. Mas não importa. Nós DE FATO temos que dormir.’

O Pai e a Mãe, que, é claro, ouvem tudo, veem tudo e sabem tudo, estavam ouvindo o que se passava entre as corujas e as crianças e quando a Sra. Coruja fez o Sr. Coruja se sentir tão desencorajado, a Mãe disse ao Pai: ‘Vamos descer e fazer uma visitinha às Corujas.’

‘Uma ideia muito boa’, concordou o Pai e eles saíram da casa pelo caminho.

Mas mal eles tinham começado quando eles encontraram as crianças e as suas babás e cachorros voltando para casa. A Eva Preto os alcançou primeiro e agarrou a mão do Pai enquanto olhava ansiosamente para o rosto dele. Então todos os problemas desapareceram de seus olhos e ela disse suavemente: ‘Eu sabia que eles estavam todos errados. Você é simplesmente o Pai mais lindo que já existiu.’

A Eva Branco correu para a mãe e segurou a sua saia enquanto olhava para o seu rosto. ‘Oh!’ ela gritou, quase em lágrimas: ‘Você é branca e linda! Eu simplesmente sabia disso.’

Todas as crianças olharam e olharam e ficaram tão felizes ao ver que o Pai e a Mãe eram exatamente como sempre eles foram.

O Pai disse: ‘Sim, é verdade, o que o sábio Sr. Coruja lhe contou como um segredo maravilhoso. Nós SOMOS todas as coisas para todos os homens. Mas corra agora e vista as suas roupas de banho e vá para a bela piscina que nós fizemos ao represar o riacho na semana passada. A Pequena Leiteira estará esperando lá para lhes dar a vossa primeira aula de natação. Há areia macia e agradável no fundo da piscina e é profunda o suficiente para nadar.’

As crianças, todas se sentindo seguras e felizes novamente, correram com gritos de alegria pelo caminho, enquanto o Pai e a Mãe continuaram o seu caminho e logo chegaram às Corujas.

‘Aham,’ disse o Pai enquanto eles olhavam para as corujas.

O Sr. Coruja não conseguiu dormir porque ficou muito chateado. Os seus olhos se arregalaram e depois de olhar por um momento, ele cutucou a Sra. Coruja com tanta força que ela quase caiu do galho. ‘Olhe!’ Ele gritou. ‘Agora me diga quem é daltônico! Aqui estão os pais das crianças exatamente como eu os vi e eles são o CINZA mais lindo que você já viu em qualquer coruja em sua vida.’ Ele fez uma pausa e lembrou-se de suas maneiras. ‘Como vai e desculpe-me,’ ele disse na língua da coruja, então começou a repetir-se em Telepatia.

Mas a Mãe disse. ‘Está tudo bem. Nós também falamos na língua Coruja. Você vê, nós criamos vocês e quando o Pai inventou as corujas, ele também teve que inventar uma linguagem para elas, então é natural que nós falemos na língua Coruja com facilidade.’

‘Sra. Coruja’, disse o Pai, ‘por favor, não leve isso tão a sério. Aconteceu que quando você passou voando pela casa, nós entramos por um momento para pegar uma cuia de água fria. O erro que você cometeu foi um que qualquer coruja poderia ter cometido e aqueles pássaros coloridos que você viu eram dois dos papagaios de estimação das crianças. Eles também podem falar com palavras.’

‘Eu nunca fiquei tão envergonhada em minha vida’, disse a Sra. Coruja. ‘Eu tenho vontade de esconder a minha cabeça sob a minha asa e mantê-la lá o dia inteiro. Depois disso eu terei mais cuidado quando o meu marido disser algo e eu achar que ele está errado. Isso me ensina que talvez eu seja a errada.’

‘Uma excelente lição, de fato,’ disse a Mãe. ‘Agora, deixe-me contar a VOCÊ um segredo conhecido principalmente pelas mulheres. Você descobrirá que se torna muito mais amada e mais bem cuidada se apenas mantiver o bico fechado até ter certeza absoluta de que o seu marido está enganado sobre alguma coisa. É muito mais importante ser amada pelo marido do que corrigi-lo em todos os pequenos pontos.’

‘Obrigado’, disse a Sra. Coruja humildemente.

O Sr. Coruja estava de pé alto e ereto no galho. Ele já parecia anos mais jovem. ‘E eu agradeço’, disse ele reconhecidamente. ‘Mas eu posso fazer uma pergunta muito pessoal? Está de acordo, é claro, com o meu cumprimento do dever. Eu tenho que tentar o meu melhor para ser um Sábio Velho Coruja, você sabe.’

‘Eu farei o possível para responder a você’, prometeu o Pai.

‘Então essa é a minha pergunta. Como você e a Mãe REALMENTE se parecem? De que cor você é se não as que nós vemos em você?’

O Pai riu com vontade. ‘Esta foi uma pergunta que apenas um Coruja Velho MUITO Sábio poderia ter feito. A verdade é que a Mãe e eu somos feitos de pura CONSCIÊNCIA e mana, ou força vital e de materiais corporais sombreados – nenhum dos quais pode ser visto. Você pode dizer que nós somos transparentes e que todos olhariam através de nós. Mas nós nos tornamos como espelhos, para que as nossas criaturas possam olhar para nós e ver as suas próprias cores e imagens refletidas. Dessa forma, eles podem ter fé de que realmente nós existimos e estamos aqui, amando, ajudando e cuidando deles.’

O Sr. Coruja piscou várias vezes. O que é uma boa coisa a fazer quando você não sabe o que dizer. Mas não se pode continuar piscando e não se deve fazê-lo com muita frequência, porque pode-se adquirir o hábito e ser apelidado de Velho Piscadela.

‘Eu anotarei mentalmente a sua resposta’, disse o Sr. Coruja, quando ele conseguiu recuperar a voz novamente. ‘Sim! É isso! Eu alcançarei uma cabeça cheia de anotações mentais para preservar a resposta a uma pergunta tão importante como esta.’

‘Bem dito’, elogiou o Pai. ‘Você me deixa orgulhoso de ter criado uma criatura tão boa.’

A Mãe sentiu pena da Sra. Coruja. Ela parecia tão triste e desolada. ‘Por que vocês dois não se beijam e fazem as pazes?’ ela sugeriu. ‘Vocês sabem que vocês realmente e verdadeiramente se amam muito.’

O Sr. Coruja estendeu a sua asa e deu um belo beijo na cabeça de sua esposa e ela ficou tão feliz por ser perdoada que lhe deu um monte de beijos em troca.

‘Agora’, disse o Pai, ‘nós temos de ir. Nós agradecemos. Voltem a dormir antes que o sol fique mais alto.’

As corujas fecharam os olhos obedientemente e fizeram pequenos ruídos de coruja agradecidos enquanto adormeciam e o Pai e a Mãe se viraram e se afastaram na ponta dos pés para não perturbá-los. Mas eles mal tinham dado dez passos quando o Sr. Coruja despertou e gritou: ‘WHO?, WHO?, WHO? [UUH!, UUH!, UUH!] quem é aquela grande luz que eu vejo agora ao redor de vocês?’

Eles voltaram e o Pai disse: ‘É assim que nós nos vemos. LUZ é o que algumas pessoas veem quando podem olhar além do espelho externo no qual se veem refletidas.’

‘Então’, disse o Sr. Coruja, ‘aquelas pequenas bolas de luz amarradas às crianças por um cordão e flutuando como bolas de luz acima delas precisam ser assim porque elas são os seus filhos.’

‘Isto mesmo’, disse o Pai. ‘Nós demos a cada uma delas um Eu de Terceiro Grau que é sábio e forte e que cuidará delas e as confortará quando elas precisarem de conforto.’

‘Nós podemos ter bolas de luz também?’ perguntou o Sr. Coruja esperançoso.

‘Sim, você pode quando tiver vivido o suficiente para nascer de novo como um ser humano. Apenas seja paciente e tente ser o melhor coruja possível enquanto você é uma coruja. Isso fará com que o tempo chegue muito mais rápido. Mas nós lhe daremos uma bela recompensa para deixá-lo feliz por enquanto. Nós damos a você o título oficial de Sábio Velho Coruja para os Adãos e os seus filhos. E você e seus filhos serão vistos como as mais sábias de todas as criaturas por séculos e séculos. Agora voltem a dormir.’

Dessa vez, as Corujas adormeceram inteiramente e dormiram o sono dos sábios que, como você sabe, é o melhor tipo de sono que existe e que só vem para os bons estudantes que estudam cuidadosamente as suas lições e fazem todo o trabalho de casa todos os dias.

Quando o Pai e a Mãe chegaram à nova piscina que havia sido feita represando o riacho que corria pelo Jardim, encontraram as crianças em suas roupas de banho de pé em uma longa fila na água de frente para o Velho Castor e a sua esposa, a Velha Sra. Castor. Eles ajudaram a construir a barragem e construíram uma casa na extremidade mais profunda. A Pequena Leiteira, em um maiô de grama, estava sentada na areia da beira da piscina com as boas babás chimpanzés, cada uma segurando um dos gatinhos ou segurando um cachorro para que ele não mergulhasse na piscina e perturbasse as coisas.

A Pequena Leiteira disse: ‘Os castores assumiram o trabalho de ensinar as crianças a nadar. Eu não sou muito boa nisso sem a minha cauda.’

‘Você está cansada, minha querida’, disse a Mãe gentilmente. ‘Você trabalhou tanto nos ajudando a criar as crianças até aqui. Apenas sente-se e descanse.’

Imagem pexels-bisakha-datta-6294232.jpg

…continua Parte IV…

Muda…

A chuva de bênçãos derrama-se sobre mim, nesse exato momento.
A Prece atinge o seu foco e levanta voo.

Eu sinto muito.
Por favor, perdoa-me.
Eu te amo.
Eu sou grato(a).

Autor

Graduação: Engenheiro Operacional Químico. Graduação: Engenheiro de Segurança do Trabalho. Pós-Graduação: Marketing PUC/RS. Pós-Graduação: Administração de Materiais, Negociações e Compras FGV/SP. Consultor de Empresas: Projeto OREM® - Organizações Baseadas na Espiritualidade (OBEs). Estudante e Pesquisador Independente sobre Espiritualidade Não-Dualista; Psicofilosofia Huna e Ho’oponopono; A Profecia Celestina; Um Curso em Milagres (UCEM); Espiritualidade no Ambiente de Trabalho (EAT); A Organização Baseada na Espiritualidade (OBE). Certificação: “The Self I-Dentity Through Ho’oponopono® - SITH® - Business Ho’oponopono” - 2022.

0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
0
Would love your thoughts, please comment.x