Vale enfatizar, pela importância de entendermos o sistema de pensamento dos Kahunas de todos os tempos e de todos os espaços, que a palavra “cura” em Português, quando nós a traduzimos para o Inglês, nós podemos considerar, dependendo do ambiente retratado, a palavra “cure ou curing” ou a palavra “healing”. Os respectivos verbos são: “to cure” ou “to heal”.

Para tal, nós destacamos alguns artigos e pesquisas na internet para o nosso conhecimento e entendimento dessa importante diferença entre as duas opções na língua Inglesa, diferente da língua Portuguesa que só oferece uma opção.

Todos os artigos do Projeto OREM® têm buscado destacar, ao lado da palavra “cura”, quando a frase original traduzida do Inglês faz referência à palavra “cure ou curing” ou à palavra “healing”, para um entendimento pleno do que o autor pretende compartilhar.

Isso tudo visa a nossa profunda reflexão na busca do entendimento de como os Kahunas, ao longo da história da Humanidade, realizavam os processos de cura [healing] com tanta eficácia, alcançando em muitos casos uma cura [healing] instantânea.

—–

Diferença Entre Cura [Healing] e Cura [Curing]

Artigo: “Difference Between Healing and Curing”

Michael Lerner, PhD

Site: https://www.awakin.org/v2/read/view.php?op=photo&tid=1066

cura… de dentro para fora

Assim o autor inicia o seu artigo:

“Em meus trinta anos de trabalho com pacientes com câncer, eu tenho percebido uma profunda distinção entre cura [curing] e cura [healing].

A cura [curing] é o que um médico procura oferecer a você. A cura [healing], porém, vem de dentro de nós. É o que *nós* trazemos para a mesa. A cura [healing] pode ser descrita como um processo físico, emocional, mental e espiritual de voltar para casa.

Mesmo que nós estejamos perdendo terreno fisicamente, há uma cura [healing] emocional, mental e espiritual extraordinária que pode acontecer.

Uma das ideias mais tóxicas da Nova-Era é que nós devemos ‘manter uma atitude positiva’. Que maluca, ideia maluca é essa. É muito mais saudável, muito mais curadora [healing], permitir a si mesmo sentir o que quer que esteja surgindo em você e permitir a si mesmo trabalhar com essa ansiedade, depressão, tristeza. Porque, por baixo disso, se você permitir que esses sentimentos surjam e se expressem, você poderá encontrar a maneira verdadeiramente positiva de viver em relação a esses sentimentos. Isso é uma coisa tão importante.

Depois, há as ideias que nós temos sobre nós mesmos, nossas vidas, sobre o que significa a doença. Frequentemente, as pessoas sentem que a doença delas é uma espécie de julgamento sobre elas: ‘O que eu fiz de errado?’ Eu não tenho certeza se essa é uma ideia que serve muito às pessoas. Quando eu tive o meu ataque cardíaco, eu senti como se eu tivesse renascido.

Mesmo trabalhando com pacientes com câncer por 18 anos, quando ocorreu o *meu* ataque cardíaco, ocorreu uma profunda experiência de renascimento. Minha amada esposa diz que depois daquele ataque cardíaco, eu passei os primeiros três meses apenas reorganizando as pedras em nosso jardim. O mundo inteiro parecia novo para mim. Eu estava inventando a minha vida de novo.

Portanto, existe a oportunidade que surge com o câncer, de perguntarmos a nós mesmos como nós queremos reinventar as nossas vidas. E isso pode ser uma das coisas curativas [healing] mais poderosas que nós podemos fazer.

A cura [healing] é o aspecto mais fundamental da nossa condição e é uma redescoberta contínua do que significa estar vivo. Ela se espalha pelo resto de nossa vida e nos guia. Não se trata apenas de uma ‘experiência espiritual’ de estar elevado o tempo todo. De jeito nenhum. Trata-se de viver com o estresse, as tensões e as dificuldades – e as alegrias – da vida, mas fazendo isso de uma maneira que nós nos sentimos completos.

Viver em relacionamento com as lutas da vida é o que nos torna humanos.”

—–

Resumo de Definições Extraídas de Estudos e Pesquisas na Internet

  • Curar [curing] significa ‘eliminar todas as evidências de doença’;
  • Curar [healing] significa ‘tornar-se completo’.
  • A cura [curing] é uma restauração da saúde, uma ausência de sintomas e ter um remédio para a doença.
  • Cura [curing] de sintomas.
  • A cura [healing], por outro lado, é uma restauração da integridade.
  • A cura [healing] não é apenas a remoção ou cessação dos sintomas, mas um processo integrativo que supera a partir da vitalidade e do bem-estar físico em direção à vitalidade e bem-estar mental, emocional e espiritual.

—–

Cura [Cure] Médica e Cura [Healing] Espiritual

Moji Solanke – Journal The Guardian Nigeria

Artigo: “Medical Cure And Spiritual Healing” .

Site: https://guardian.ng/features/medical-cure-and-spiritual-healing/

“Há uma diferença entre uma cura [cure] e uma cura [healing] e isso fundamenta a diferença entre medicina e espiritualidade.

Sem dúvida, o nobre objetivo da medicina é trazer socorro, alívio e cura [cure] para as inúmeras doenças que parecem assolar a humanidade; ainda, por sua própria admissão, pelo menos a maioria das faculdades de Medicina na Nigéria, atribui a cura [healing] a um poder além deles – Deus.

Muitos hospitais afixam publicamente em seus portões de entrada o slogan ‘Nós nos importamos, mas Deus cura [healing]’ e muitos pacientes Nigerianos têm encontrado um tremendo conforto nessas palavras.

Uma cura [cure] pode ser definida como uma restauração, um remédio ou uma remoção. Ela está baseada muito firmemente na evidência da materialidade, dos sintomas e do diagnóstico. Ela se baseia em órgãos, equipamentos e padrões físicos estabelecidos pela Medicina. Diz-se que uma cura [cure] é realizada, por exemplo, quando uma condição saudável é restaurada, o alívio de uma dor ou alívio de um inchaço é alcançado ou há uma remoção dos sintomas.

A cura [healing], entretanto, vai além da imagem física ou do sentido doentio apresentado. Ela é uma restauração, no entanto, da integridade e não de alívio dos sintomas. Ela tem uma radical novidade e vitalidade que faz com que o estado de doença anterior pareça um sonho, uma ilusão que realmente não tocou o homem. Aqueles que têm experienciado uma cura [healing] espiritual atestam que o seu estado de saúde não só está melhor do que antes, mas toda a experiência é transformadora.

A Medicina e a Ciência se regozijam quando é encontrada uma cura [cure] para uma doença e, recentemente, a Universidade de Dundee, na Escócia, anunciou tal avanço para possivelmente a cura [cure] para a malária.

Tais anúncios atestam o compromisso da Faculdade de Medicina em trazer uma diminuição do sofrimento de problemas de saúde e certamente os esforços devem ser aplaudidos.

No entanto, por mais louváveis ​​que sejam esses grandes avanços médicos e farmacêuticos, eles não garantem que o uso de uma droga miraculosa quer significar o fim permanente dos surtos de malária. Pode trazer um alívio mais rápido, mas apenas uma cura [cure] àquele ataque específico da doença, não a sua cura [healing] permanentemente.

Há uma declaração notável em Ciência e Saúde com as Escrituras, um livro sobre cura [healing] espiritual escrito por Mary Baker Eddy [1829-1910] e confirmada por provas práticas e incontestáveis. Eddy escreve:

‘Nós pensamos que nós estamos curados [healing] quando uma doença desaparece, embora ela possa reaparecer; mas nós nunca somos completamente curados [healed] até que o risco de estar doente seja removido.’

Por meio de seu estudo da Bíblia e particularmente das obras de Jesus Cristo, Eddy descobriu as regras para a cura [healing] espiritual. Ela submeteu essas regras à prova e muitos indivíduos continuam não apenas sendo curados [cured] de doenças, mas são completamente curados [healed]. Ela escreveu essas regras em seu livro mencionado.

Se uma possível cura [cure] pela Medicina suscita sinceras ações de gratidão e celebração, quanto pode suscitar a cura [healing] mais silenciosa, porém transformadora, que ocorre por meio da disciplina espiritual – [sim, ela exige um esforço por parte do indivíduo] – voltando-se para Deus, seguindo o exemplo do Cristo, estudo, adesão às regras de cura [healing] espiritual descobertas e fé inocente.”

“Muitos hospitais afixam publicamente em seus portões de entrada o slogan ‘Nós nos importamos, mas Deus cura [healing]’ e muitos pacientes Nigerianos têm encontrado um tremendo conforto nessas palavras.”

—–

Sobre o tema “A Cura [Healing] Kahuna”, nós estamos destacando artigos do Dr. Serge Kahili King, para o nosso conhecimento e entendimento das práticas Kahunas através da Psicofilosofia Huna.”

A Teia [Web] Aka de Cura [Healing]

Serge Kahili King

Artigo: “The Aka Web of Healing”

Site: https://www.huna.org/html/healingweb.html.

Sobre o autor:

Serge Kahili King, Psicólogo e iniciado Kahuna, é conhecido em todo o mundo por ser o primeiro a desenvolver a Huna de um ponto de vista moderno. O seu sistema, baseado em uma compreensão profunda do subconsciente, do consciente e do supraconsciente, promete ao leitor a chance de criar tanto sucesso, riqueza e felicidade quanto ele poderia desejar. A sua obra, um verdadeiro clássico da transformação pessoal, não só expõe os princípios dessa sabedoria [tradição] milenar como também oferece ao leitor instruções específicas para as pôr em prática em poucos e simples passos. Pelo seu poder evocativo, pelo seu mistério mas, sobretudo, pela sua capacidade de concretizar os nossos sonhos, a Huna promete tornar-se no maior evento editorial desde a publicação de O Segredo.” Fonte: Amazon.

Assim inicia o autor do artigo:

“Em minha vida como um curador [healer], eu tenho explorado muitas terapias e modalidades de cura [healing] e tenho observado que não importa qual sistema seja usado, algumas pessoas são curadas [healed] com isso, algumas pessoas não são curadas [healed] com isso e algumas pessoas são curadas [healed] sem isso. O que pretendo fazer aqui é expressar algumas observações feitas ao longo de várias décadas sobre o que parece estar acontecendo durante uma cura [healing]. O foco aqui será o corpo, mas os conceitos são aplicáveis à cura [healing] da mente, da circunstância e do ambiente também.

A ‘Teia [Web] Aka’ do título refere-se a um conceito Huna de uma conexão etérica entre todas as coisas. Aka é uma palavra Havaiana que pode ser traduzida como ‘essência’ e nós iremos examinar as conexões essenciais, ou ‘cordões aka’, entre diferentes formas de cura [healing].

Primeiro, vejamos o fato de que o corpo pode ser curado [healed] com a ajuda de – e às vezes apesar de – uma gama extremamente variada de métodos que eu listarei (apenas parcialmente) em quatro categorias principais:

FÍSICO

• Ervas, drogas, outros medicamentos, dieta e suplementos nutricionais;

• Cirurgia e fixação óssea, quiropraxia e massagem, respiração profunda;

• Enema e cólon, jejum, eletricidade e magnetismo.

EMOCIONAL

• Carinho e atenção, risos e brincadeiras;

• Liberação da raiva, confrontação do medo;

• Cor, aroma e música.

MENTAL

• Placebos, hipnose e auto hipnose, psicoterapia;

• Imagens guiadas, visualização e afirmação.

ESPIRITUAL/METAFÍSICO

• Pirâmides, cristais e dispositivos de orgone;

• Limpeza de aura e cirurgia psíquica;

• Toque terapêutico, homeopatia e florais;

• Acupuntura, acupressão e cinesiologia aplicada;

• Telepatia e radiônica;

• Oração, fé e pensamento positivo;

• ‘Remissão espontânea’.

Embora algumas de minhas categorizações possam parecer arbitrárias, mesmo essa lista parcial é fenomenal. Se o corpo pode ser curado [healed] por todos esses métodos diferentes – e há incontáveis ​​histórias de casos para apoiar os efeitos curativos [healing] de cada um – então, claramente, todo e qualquer método é apenas um meio pelo qual algo idêntico realiza o processo de cura [healing] verdadeira.

As teorias de substituição química do processo de cura [healing] são inadequadas quando o toque terapêutico obtém o mesmo efeito; as teorias de correção cirúrgica são inadequadas quando a oração obtém o mesmo efeito; as teorias de equilíbrio de energia são inadequadas quando a sugestão hipnótica obtém o mesmo efeito; as teorias da harmonia espiritual são inadequadas quando a nutrição obtém o mesmo efeito. Portanto, vamos procurar um cordão comum no processo em si mesmo.

Antes de nós fazermos isso, entretanto, será necessário ter definições práticas de saúde, cura [healing] e doença.

Em Inglês, a saúde é definida como uma condição de totalidade, ou ausência de defeito ou separação. É, portanto, semelhante à palavra ‘harmonia’.

‘Curar [to heal]’ significa tornar completo ou trazer de volta aquilo que foi separado (como curar uma ferida ou um relacionamento), e ‘harmonizar’ seria um bom sinônimo.

Levando em consideração o significado básico de ambas as palavras, seria bastante apropriado igualar cura [healing] com amor. Doença [sickness] (uma palavra Inglesa comum para mal-estar, raramente usada na Inglaterra nesse sentido) basicamente significa estar preocupado, angustiado ou triste; doença [illness] significa mal (é por isso que muitos acreditam que é ‘ruim’ estar doente [sick]); e doença [disease] significa simplesmente estar desconfortável.

Em Havaiano, do qual eu sou parcial, as definições são mais claras. Saúde [health] é igual a energia. Boa saúde é energia abundante (ehuehu) e má saúde é fraqueza (pake) ou falta de energia. A doença [illness] é equiparada à tensão (ma’i) e a cura [healing] é a restauração do fluxo de energia (lapa’au). A palavra para harmonia também pode ser traduzida como ‘um estado de grande energia’ (maika’i) e a palavra para amor também pode significar ‘compartilhar energia’ (aloha).

Juntando tudo isso para fins de discussão, vamos chamar a saúde [health] de ‘um estado de energia harmoniosa’ e, em seguida, a cura [healing] será ‘harmonizar e energizar’. Para doença [sickness/illness/disease] nós usaremos a palavra ‘desarmonia’ e o que causa tal condição nós chamaremos de ‘distresse’, significando estresse ou tensão excessivos.

No nível mais básico e prático, um corpo [body] é saudável na medida em que as suas células são saudáveis. Uma célula saudável é aquela que está em harmonia com o seu ambiente, tem energia abundante e está efetivamente desempenhando a função apropriada para a sua localização no tempo e no espaço. Para desempenhar essa função e manter a sua energia e a sua harmonia nós sabemos que ela necessita de um fornecimento suficiente de nutrientes e de um eficiente sistema de limpeza. Se o suprimento de nutrientes ou o sistema de limpeza for perturbado, a célula diminui em eficácia, em energia e em harmonia e reduz a sua função, desempenha uma função inadequada ou deixa de funcionar. Quando o número de células assim afetadas é suficiente para trazer a perturbação à atenção consciente por algum tipo de sintoma, então o corpo, ou pelo menos uma parte dele, é declarado doente.

Um método de cura [healing] bem-sucedido é aquele que corrige, direta ou indiretamente, um distúrbio da nutrição ou limpeza celular. Uma vez que tantos métodos amplamente diferentes podem fazer isso, será útil olhar para o fator comum que produz a perturbação: distresse.

Distresse – restrição ou tensão – é exatamente o que está acontecendo no nível da célula quando a desarmonia está em evidência. O distresse (ou estresse excessivo) restringe o fluxo de nutrientes para a célula e inibe o processo de limpeza, principalmente por meio da tensão muscular. Nesse ponto, é importante lembrar que algumas formas de músculos são usadas para o movimento do corpo e outras formas de sustentação e proteção de órgãos e nervos. Portanto, o distresse pode nem sempre estar em um nível consciente de consciência no nível da realidade [awareness]. Próxima pergunta: o que traz tal restrição?

Em vez de tentar listar os fatores físicos, emocionais, mentais, espirituais, circunstanciais e ambientais que podem contribuir para o distresse, vamos examinar também o cordão comum aqui. O estresse, seja distresse ou eustresse (estresse prazeroso), ocorre como um efeito natural da resistência à mudança no ambiente físico, emocional, mental ou circunstancial.

A resistência, como o estresse, não é uma coisa ruim em si. Ela nos permite sentir o nosso ambiente, andar pelo chão, construir músculos por meio de exercícios e crescer de várias maneiras, superando desafios e cumprindo metas que expandem os nossos talentos e capacidades de aprendizado.

Mas isso se refere a um tipo flexível de resistência ou, em outras palavras, a um equilíbrio dinâmico entre resistência e não-resistência do tipo que uma árvore usa quando cresce em torno de uma rocha que não pode romper ou empurrar para o lado.

O distresse vem da resistência rígida, do tipo que continua além do ponto de eficácia e na faixa em que a função se decompõe. A resistência rígida ocorre por causa do medo consciente ou subconsciente de tudo o que está sendo resistido. Ou seja, consciente ou subconscientemente, uma pessoa pode ter a ideia de que a coisa à qual está sendo resistida é perigosa, ou que o efeito de não resistir seria perigoso.

Normalmente, o corpo tenta se afastar do perigo, neutralizá-lo ou bloquear a consciência no nível da realidade [awareness] dele, porque o corpo automaticamente tenta restabelecer a harmonia sempre que ocorre desarmonia. Quando os recursos físicos ou comportamentais existentes no corpo são tais que esses procedimentos são ineficazes, o esforço contínuo do corpo para fugir ou livrar-se do perigo resulta em angústia. Quando isso se torna doloroso o suficiente ou desarmonioso o suficiente para atingir de forma consciente a consciência no nível da realidade [awareness], a pessoa geralmente procura outros métodos que, com sorte, serão mais eficazes.

Basicamente, há apenas duas coisas a fazer sobre o distresse: remover o que está sendo resistido ou parar de resistir (mudar a reação). Todos os métodos de cura [healing], mesmo os espontâneos do corpo, usam um desses dois métodos. A cirurgia, por exemplo, pode usar o primeiro método, removendo um objeto, como uma bala, que está sendo resistido pelo corpo, ou o segundo método, costurando partes separadas do corpo ou implantando uma nova parte.

O toque terapêutico, como outro exemplo, pode usar o primeiro método induzindo a diminuição ou desaparecimento de um tumor, ou o segundo método aumentando a força ou relaxamento do corpo. Um indivíduo comum usa o primeiro método quando apaga o fogo para evitar queimaduras, enquanto um indivíduo não comum pode usar o segundo método e alterar o seu corpo para que o fogo não produza uma queimadura.

Pela minha observação e experiência pessoal, eu estou convencido de que a saúde é um estado natural de energia harmoniosa que é encoberta ou inibida (desarmonizada) pelo distresse. Remova o estresse excessivo por ação ou reação e a saúde aparece, por si só, porque estava lá o tempo todo apenas esperando para se manifestar. Independentemente do método, a cura [healing] não ocorrerá a menos que o fluxo de energia do corpo/célula tenha sido restaurado. Remover ou alterar a resistência melhorará o fluxo de energia e produzirá ou auxiliará qualquer cura [healing].

Muitos sistemas de cura [healing] modernos são muitas vezes ineficazes porque tentam ser excessivamente exclusivos. Em outras palavras, eles tendem a tratar a doença como sendo causada apenas por condições físicas, emocionais, mentais ou espirituais e a rejeitar algumas ou todas as outras como não tendo relação com o caso. No entanto, o estresse pode vir de qualquer um desses reinos e geralmente é misturado em sintomas específicos.

Mesmo algo tão simples como um dedo quebrado pode estar relacionado a sentimentos ligados à culpa ou confusão sobre a direção da vida, ou à alienação espiritual, ou aos três ao mesmo tempo. Se o dedo for tratado apenas no nível físico, a cura [healing] será retardada pelo distresse sendo mantido por uma das outras condições.

Um curador [healer] ignora qualquer um deles em perigo para aquele que está sendo curado [healed]. Frequentemente acontece que uma melhora dramática na saúde mental ocorre através da nutrição, que os tumores são removidos com hipnose e que a liberação emocional cura [cures] a apatia espiritual. Raramente um curador [healer] é capaz de ser tudo para aquele que está sendo curado [healed], entretanto, o amor atrai o curador [healer] certo para aquele que está sendo curado [healed] certo na hora certa.

A cura [healing] é capaz somente de ocorrer porque existe algum estado harmonioso conhecido pelo corpo – ou pelo espírito do corpo – que ele ama tanto que isso se moverá espontaneamente em direção a ele sempre que isso puder.

O distresse, causado pela resistência que é causada pelo medo, que é a ausência de amor, por sua vez causa a desarmonia ou a energia e os relacionamentos interrompidos. A cura [healing], um ato de cuidado, de amor, remove o distresse e permite que o corpo retorne ao estado de energia harmoniosa que ele ama.

O cordão condutor de toda cura [healing] é – e não pode ser outro senão – o amor, puro e simples. O amor do curador [healer], reconhecido ou não, por aquele que está sendo curado [healee] e o amor daquele que está sendo curado, reconhecido ou não, pelo estado de harmonia e energia profundamente conhecido. O amor pode ser usado como método de cura [healing], no entanto, ele sempre faz parte do processo.”

Copyright Huna International 2017

—–

Cura [Healing] Energética

Serge Kahili King

Artigo: “Energy Healing”.

Site: https://www.huna.org/html/energyhealing.html.

Assim inicia o autor do artigo:

“’O na mau mo’olelo no ka ‘ike ola Hawai’i‘ – ‘Algumas tradições de cura [healing] Havaianas.’

Os antigos Havaianos tinham algumas visões muito interessantes sobre saúde e cura [healing] que são mantidas em sua língua.

Em Inglês, o verbo ‘curar’ [to heal] em sua forma antiga significa ‘restaurar a integridade’. E ‘saúde’ [health] significa ‘inteiro’ ou ‘estar em boas condições, não doente ou ferido’. Em outras palavras, se todas as coisas estiverem funcionando da maneira que a sociedade acredita que elas deveriam, você é considerado saudável.

Em Havaiano, há uma palavra, ‘ola’, que significa ‘vida, saúde, viver, curar [heal] (dar vida a/ao) corpo, mente e circunstâncias’. Além disso, ela significa não apenas sobreviver, mas prosperar, o que, por sua vez, significa viver energicamente.

Existem algumas outras palavras em Havaiano que significam ‘curar’ [to heal]. Uma é ‘aki. O que é realmente curioso sobre essa palavra é que a mesma palavra significa causar dor na cabeça ou no estômago pela crítica. O tipo de cura [healing] que essa palavra significa é ‘cicatrizar’ e isso pode ter sido visto como uma metáfora para tornar-se imune à crítica. A raiz ‘a significa ‘fogo, queimar’ e é usada figurativamente para ‘queimar de ciúme’, enquanto o sufixo ki é uma palavra básica para força ou energia e geralmente é anexado à frente ou ao final de palavras que precisam fazer com energia e um corpo ou mente ágil.

Outra palavra é lapa’au, que significa ‘curar’ [to heal] e também ‘um curador [healer]’. É a palavra mais comumente usada em referência à medicina, ervas, massagens e outros tipos de cura [healing] física, mas é importante notar que a raiz lapa significa energia e ação energética e a raiz ‘au significa ‘nadar’, uma forma de movimento.

O oposto de saúde e que necessita de cura [healing] em Inglês é descrito em duas palavras: ‘illness’, baseado na palavra ‘mal’ e ‘sickness’, essencialmente ‘sentir-se muito mal por causa de algo demais’. Um conceito completamente diferente é revelado na palavra Havaiana geral para o que chamamos de doença [sickness] ou doença [illness]: ma’i. Desde as raízes, o significado literal é ‘um estado de grande tensão’. Em outras palavras, estresse. Em Inglês, normalmente nós curamos [heal] reduzindo ou eliminando o mal ou a maldade. Na tradição Havaiana, eles curam [heal] aliviando o estresse por meio da energia ou movimento.

Agora é hora de olhar mais de perto para esse conceito.

Em primeiro lugar, vamos entender que a primeira coisa mais importante a saber sobre energia é que a energia não é uma coisa. Por exemplo, você não pode armazená-la ou salvá-la. Nós falamos em armazenar energia como se fosse um objeto que você poderia colocar em um depósito, mas isso é muito enganador. Uma mola enrolada não é energia armazenada, porque é necessária tanta energia para mantê-la enrolada quanto seria se fosse liberada. Nesse caso, é energia trabalhando contra energia para manter um estado de tensão que nós poderíamos chamar de ‘energia estática’ se nós quiséssemos.

Mesmo uma bateria não é energia armazenada. Em termos simples, uma bateria é feita de substâncias que ficam ali até que seja feita uma conexão entre elas que estimule uma reação química que mova elétrons até que uma das substâncias se esgote ou não possa mais reagir e o movimento pare. Dizer que você está carregando uma bateria com energia também é enganoso. O que realmente acontece é que você usa eletricidade para trazer as substâncias da bateria de volta a um estado semelhante ou igual àquele em que elas estavam prontas para reagir quimicamente novamente. Não há energia nela esperando para se mover como um cavalo de corrida em uma baia.

Você não pode pegar energia ou abaixá-la. Não é como um saco de bolinhas que você tem a mais do que outra pessoa. Você também não pode dar ou tirar, porque não é uma coisa. E ninguém pode drenar a sua energia, embora possam fazer coisas sobre as quais você se estressa e a tensão que isso causa pode tornar muito difícil para você acessar a sua própria energia.

Aqui, então, está a segunda coisa mais importante a saber sobre energia. Energia é movimento. Não importa se são elétrons se movendo através de fios, ou ondas se movendo através da água ou do ar, ou tremores de terra, ou sangue circulando ou pessoas correndo ou células vibrando ou núcleos atômicos girando, energia é movimento. O meio pode ser diferente e meios diferentes, como ondas de água batendo contra penhascos de pedra, podem transferir movimento e é isso que realmente significa transferir energia.

O mesmo acontece quando nós falamos de energia de cura [healing], como no toque terapêutico. É o movimento que se transfere, não qualquer tipo de substância. Uma vez que energia é movimento e movimento é o que constitui a vida, segue-se que restringir o movimento restringirá a vida e, portanto, em termos Havaianos, a saúde.

A restrição excessiva de movimento em qualquer parte do corpo é o que chamamos de estresse e o estresse excessivo produz as experiências desagradáveis ​​que chamamos de doença [illness] ou doença [sickness]. No entanto, não há perda de energia. A energia ainda está lá, trabalhando contra si mesma como na mola do relógio, esperando que o estresse seja aliviado.

Todas as formas de cura [healing] usam energia para curar [to heal]. Não importa qual seja o tratamento, ele só é eficaz quando alivia o estresse e estimula o movimento o suficiente para permitir que o corpo continue se recuperando por conta própria. A cura [healing] nunca vem de fora de nós. A ajuda para a cura [healing] é capaz de vir de fora, entretanto, não a cura [healing] em si mesma. A cura [healing] verdadeira sempre vem a partir de dentro, quer a ajuda venha de um médico, de uma dieta ou de um anjo.

A cura [healing] eficaz tem que permitir um ou mais tipos de movimento dentro do corpo. Ela pode permitir a respiração, a circulação, os impulsos nervosos, a eliminação de toxinas, a liberação de tensão, a aceleração de reparos e/ou a estimulação de um novo crescimento, além de qualquer outra coisa que eu não mencionei ou sobre o qual eu não conheço. Independentemente disso, a cura [healing] requer movimento, ou seja, energia.

Então agora nós podemos falar sobre como usar a energia para a cura [healing]. O processo é capaz de envolver o uso de um tipo de energia para mover outro tipo de energia, como a onda que faz o penhasco vibrar ou a energia química que alivia a tensão que causa dor de cabeça. Ou pode envolver um tipo de energia que move um tipo similar de energia, da mesma forma que uma pessoa abraçando outra pessoa pode ajudar ambas a se sentirem melhor.

Usar a energia física para uma respiração mais profunda, beber mais água, movimentar o corpo (isso não tem que ser chamado de exercício), relaxar os seus músculos, comer para obter energia em vez de conforto e bons cuidados médicos são todos óbvios, então eu não direi mais nada sobre eles.

Eu mencionarei algumas fontes do que é chamado de ‘energia sutil’. Essa é a energia física que não pode ser detectada pelos tipos de instrumentos usados ​​atualmente pelos cientistas. Incluídas aqui estão as energias sutis de cristais, ímãs, dispositivos de orgone, mandalas, pirâmides, luz, som e muitos outros. Se você conhece essas, não se esqueça de usá-las para a cura [healing], porque elas são baratas e bastante eficazes. Se você não as conhece, eu sugiro que você descubra, pois isso é um assunto muito extenso para esse artigo.

Outras formas de energia sutil são a energia de nossas auras e de nossas mãos. Algumas pessoas gostam de chamar isso de ‘bioenergia’, no entanto, ela é capaz de fato de fazer todas as coisas que eu mencionei antes, como cristais e assim por diante. Abraçar, cantar ou cantarolar juntos, dar as mãos e o toque terapêutico são algumas maneiras de usar essa energia para a cura [healing]. Sistemas antigos/modernos de estimulação do movimento dentro do corpo, como massagens, terapias de pontos de pressão e batidas também são muito úteis.

As emoções são uma das nossas fontes mais poderosas de energia sutil de cura [healing] e as mais subutilizadas para esse propósito. O que realmente eu estou falando aqui são os bons sentimentos que vêm a partir de fazer qualquer coisa que você goste. Quanto mais você aproveitar isso, maior será o efeito de cura [healing] em qualquer coisa que esteja acontecendo em seu corpo ou ao seu redor.

Com base em minhas experiências como professor e facilitador de cura [healing], eu poderia dizer que a maioria das pessoas provavelmente não dá valor ao prazer, aproveitando-o passivamente se ele ocorrer. Uma das coisas mais profundas que eu já aprendi foi que, com base em suas raízes, a palavra ‘desfrutar’ na verdade significa ‘dar alegria a alguma coisa’. Em outras palavras, nós somos aqueles(as) que decidimos quanto prazer existe em experienciar qualquer coisa e nós podemos intencionalmente aumentar o quanto nós desfrutamos isso com o nosso foco, a nossa intenção e a nossa vontade de expandir o nosso sentido de sentimento além de nossa zona de conforto. Nós somos capazes de gargalhar em vez de dar risadinhas, ficar maravilhados em vez de impressionados, amar em vez de gostar, divertir-nos de verdade em vez de apenas nos alegrarmos e, quando nós o fazemos, nós adicionamos grande energia à nossa cura [healing].

A energia mental parece mais insubstancial do que a energia sutil, mas os pensamentos podem ter um efeito curativo [healing] muito poderoso quando nós os usamos para mudar o nosso comportamento emocional e físico. Perdão, apreciação, intenção e imaginação podem produzir todos os efeitos de qualquer outra fonte de energia, mas a energia mental é mais eficaz quando combinada com as outras. Na verdade, todas as formas de energia usadas na cura [healing] são mais eficazes quando usadas em combinação.

Eu não tenho mencionado a energia espiritual porque significa muitas coisas para pessoas diferentes, mas se significa algo para você que não foi mencionado acima, vá em frente e use-a para o mesmo propósito.

Um bom final é esse provérbio Havaiano:

Ua ola loko i ke aloha – O amor cura [heals] por dentro.”

Copyright Huna International 2017

…..

Como Curar [To Heal] Uma Situação

Serge Kahili King

Artigo: “How To Heal A Situation”.

Site: https://www.huna.org/html/HealASituation-SKK1121.pdf.

Introdução

“Esse será um artigo inusitado, pois foi ele retirado do texto gravado de uma reunião de Discussão sobre Huna no mundo virtual do Second Life que aconteceu alguns anos atrás, quando eu costumava fazer palestras lá.

Second Life é um enorme mundo virtual onde a Aloha International está presente desde o seu início. Os membros usam ‘Avatares’ (simulações digitais de si mesmos) para interagir com o mundo e as pessoas nele. Naquela época, nós nos encontramos em uma sala de aula digital em uma ilha digital alugada pela Aloha International. As nossas conversas são por chat de texto.

Esse registro começa logo após eu ter contado uma lenda sobre o famoso Maui e a sua tentativa fracassada de reunir todas as Ilhas. O meu nome de avatar era e é ‘Escritor [Writer] Kahili’.

Escritor Kahili: ‘A história dizia que a maneira de curar [to heal] uma situação é se apegar ao seu propósito, não importa o que aconteça. No entanto, como fazer isso? Eu contarei uma pequena história moderna para ilustrar. Há alguns anos, eu participei da produção de um vídeo sobre autoestima para o Departamento de Educação do Havaí. Ele era destinado a estudantes do ensino médio. A minha parte era uma seção de um workshop que eu fiz, mas a melhor parte foi algo mais.’

De repente, Escritor Kahili perde a sua conexão com a internet. Ele retorna depois de um curto período de tempo usando o avatar de outra pessoa.

Heinani Huet: ‘Olá, Aqui é Kahili usando o avatar de Heinani. Então, vamos continuar.

Quando eu estava assistindo ao vídeo… eu vi uma jovem dançando hula com várias outras garotas. A vista era a partir da cintura para cima e todas eram muito graciosas. Entretanto, então a câmera recuou… e a garota do centro só tinha uma perna! Ela era tão graciosa quanto as outras, mesmo com esse problema. Imagine a persistência, a perseverança que ela tem que ter levado.

Então, como ela passou por toda a dor e sofrimento para aprender esse equilíbrio? A resposta é simples, no entanto o processo não é fácil. Ela fez isso por causa de seu amor pela hula. Em outras palavras, ela tem um amor por algo que era tão forte que a ajudou a superar as provações, decepções e esforços. O mesmo se aplica a qualquer coisa importante que nós queremos realizar na vida. O que nos faz continuar é o nosso amor por algo que é mais importante do que qualquer outra coisa. Caso contrário, nós nos distraímos como os irmãos Maui, ou nós perdemos o interesse, ou nós decidimos que é muito difícil. Questões ou Comentários?’

Avatar IT comenta: ‘Como os Beatles cantavam: <Tudo que você necessita é amor.>’

Avatar KA pergunta: ‘Quando nós estamos chegando ao ponto de decidir que é muito difícil, existe uma maneira de reverter isso novamente?’

Kahili como Heinani: ‘Sim, isso é quando você se concentra no porquê de estar fazendo o que está fazendo. Qual a razão ou a motivação. Isso é tão importante quanto você decidir que é.’

Avatar IT pergunta: ‘Então você necessita se lembrar de seus objetivos regularmente?’

Heinani Huet: ‘Com certeza, esteja você escalando uma montanha, aprendendo uma habilidade ou curando [healing] a si mesmo.

Avatar KA pergunta: ‘O que você faz quando simplesmente não é capaz de pensar em uma motivação?’

Heinani Huet: ‘Então você tem que encontrar alguma coisa… ou FAZER alguma coisa… muito importante. Isso não virá a partir de fora de você.’

Avatar KA comenta: ‘Talvez isso poderia ser <o que eu tenho a perder?>’

Avatar LW comenta: ‘Isso é meio negativo.’

Avatar KA responde: ‘Melhor do que nenhum. Algumas pessoas ficam tão negativas que simplesmente não conseguem ser positivas, então mesmo uma motivação negativa é um começo.’

Avatar LW diz: ‘Você também pode dizer: <O que eu tenho a ganhar!>’

Avatar MJ diz: ‘Ou <Eu me pergunto o que acontecerá?>’

Avatar BB sugere: ‘Ou <Isso será uma nova experiência>. Essa é a minha motivação para levantar todos os dias.’

Avatar MJ diz: ‘A curiosidade me faz continuar quando tudo parece ridículo.’

Avatar IT diz: ‘Eu amo os novos dias. Você nunca sabe como eles acabarão ou o que você terá aprendido ao final deles. Talvez você possa escrever o motivo pelo qual você começa algo e volta e olha para isso de vez em quando?”

Avatar BQ diz: ‘Eu gosto dessa ideia, IT.’

Heinani Huet: ‘Eu fiz isso quando eu em primeiro lugar tive a ideia para a Aloha International. Muitas vezes ocorreram em que eu pensei em deixar para lá, no entanto eu continuei lembrando a mim mesmo dos motivos para fazer isso.’

Avatar BQ diz: ‘Eu tenho realmente muita dificuldade em ser disperso porque eu tenho muitos caminhos a percorrer. E também, o meu fator motivador parece não existir porque o resultado desejado é inatingível.’

Heinani Huet: ’Inatingível é apenas uma palavra. Como você sabe, a menos que você  tente? E persista em tentar.’

Avatar BB diz: ‘Quando você se sente disperso, é quando você tem que ficar muito quieto e calmo, meditar e perguntar a si mesmo: Qual é o PRÓXIMO PASSO? Assim, você é capaz de se concentrar nisso e não ficar sobrecarregado com o quadro geral.’

Avatar IT diz: ‘A jornada de 1000 milhas começa com o primeiro passo. Divida a meta em etapas menores… e depois revise-as periodicamente e você verá até onde você tem chegado.’

Avatar BB diz: ‘Também ajuda repetir <todas as coisas são possíveis> muitas vezes ao dia.’

Avatar IT diz: ‘E talvez você necessite simplesmente reenquadrar isso. Olhar para isso sob outra luz pode torná-lo muito mais atingível.’

Avatar MD diz: ‘O medo pode restringir você.’

Heinani Huet: ‘Sim, o medo pode fazer você querer parar. E daí? O medo não pode realmente restringir você. Só porque algo é difícil, não significa que isso não possa ser feito.’

Avatar LW diz: ‘Todas as coisas são difíceis na primeira vez que nós tentamos.’

Heinani Huet: ‘E às vezes isso fica mais difícil. E daí? Quão importante é isso? Se nada é importante o suficiente para se esforçar mais, então nada é feito.’

Avatar PL diz: ‘Sim! Eu gosto dessa.’

Avatar KA diz: ‘Procure modelos de comportamento – pessoas que têm alcançado isso.’

Avatar BB diz: ‘Lembre-se, às vezes a evolução SALTA para a frente…Se você acha que é inatingível, então talvez você esteja pensando muito pouco em si mesmo.’

Heinani Huet: ‘A autoestima é um fator. Às vezes, essa é a melhor primeira coisa para trabalhar. Quanto melhor você se sentir sobre si mesmo, mais fácil será tentar alguma coisa difícil.’

Avatar MJ diz: ‘Se nós não tentássemos coisas difíceis, nós nunca aprenderíamos a andar ou falar.’

Avatar LW diz: ‘Lembre o seu ku [Mente Subconsciente, Unihipili] dos benefícios. Nós somos capazes de aprender a ver o medo como um lembrete para mudar o nosso pensamento.’

Avatar IT diz: ‘As crenças são como hábitos, você é capaz de mudá-las. Basta conseguir algumas novas.’

Heinani Huet: ‘Certo! Crenças SÃO hábitos.’

Avatar MD diz: ‘Mudar crenças pode ser um desafio.’

Heinani Huet: ‘Sim, pode. E daí?’

Manuhu Dreamscape: ‘A questão é: como eu faço isso?’

Heinani Huet: ‘Uma coisa boa a aprender é não ter receio do medo.’

Avatar IT diz: ‘Tente substituir um hábito por outro diferente. Se isso funcionar, faça-o com crenças.’

Avatar BB diz: ‘Prática é o que é preciso; visualizando repetidamente a meta como alcançável para você.’

[12:59] Avatar IT diz: ‘Olhe para uma planta, como ela é incrivelmente forte quando rompe a terra.’

Avatar MJ diz: ‘Você pode praticar em alguma coisa que pareça impossível de acreditar e ver o que isso traz.’

Heinani Huet: ‘Heinani e eu agradecemos a sua presença e participação. Kahili tem que ir agora. Aloha a todos.’”

—–

Curando [Healing] Memórias Ruins

Serge Kahili King

Artigo: “Healing Bad Memories”.

Site: https://www.huna.org/html/healmemories.html.

Assim o autor começa o artigo:

“Um filósofo Americano, Alexander Korzybski, fez uma declaração muito interessante: ‘Um mapa não é o território’, querendo dizer que um mapa é apenas um símbolo de experiência, não a própria experiência.

Ele é útil como um mapa apenas na medida em que ele representa com precisão um território existente que pode ser visitado. Também pode ser útil como ferramenta de planejamento de um projeto, ou pelo seu valor em tornar uma história fictícia mais interessante, mas o mapa não é o lugar que ele retrata.

Da mesma forma, uma memória também não é a experiência que ela representa. E uma memória só é útil na medida em que pode fornecer algum tipo de benefício sensorial, emocional, mental ou espiritual.

O que chamamos de ‘memória ruim’ é apenas um símbolo que representa alguma experiência mais ou menos desagradável. Ela não é a experiência em si. Acreditar que é o mesmo que a experiência é o que coloca as pessoas em apuros com memórias ruins.

Uma parte de nós cria memórias de experiências e as armazena onde pelo menos algumas delas podem ser lembradas. Outra forma de dizer é que alguma parte de nós registra as nossas experiências (por enquanto vamos evitar as teorias de como isso é feito).

As memórias, como registros de experiências, não são como os livros de uma biblioteca que nunca mudam ao longo dos anos. Ou seja, elas não são estáticos. As memórias são mais como filmes, vídeos e gravações de áudio que podem se deteriorar, serem aprimoradas, reproduzidas com mais ou menos volume, serem reorganizadas e editadas, adicionadas de efeitos especiais, reeditadas em novas versões e, aparentemente, até excluídas. .

As memórias, mesmo aquelas ruins, são capazes de mudar ‘por conta própria’ (o que significa que nós não sabemos como isso acontece) ao longo dos anos. As memórias ruins, em particular, podem piorar e ter efeitos cada vez ‘mais ruins’ em nossas vidas, ou podem desaparecer a ponto de nós não conseguirmos mais nos lembrar delas, não importa o quanto nós tentemos.

Isso nos leva à nossa primeira técnica possível para lidar com memórias ruins. Isso pode ser muito selvagem para muitas pessoas, mas é muito poderoso e muito eficaz.

Se uma gravação de memória pode mudar por conta própria sem a sua intenção consciente, então ela também pode ser alterada por você com sua intenção consciente. Portanto, a técnica é reeditar conscientemente a memória. Mude a história. Imagine vividamente que isso aconteceu de forma diferente. Invente alguma coisa que faça com que a memória não seja tão ruim, ou mesmo boa.

Lembre-se, você não está tentando mudar a história. Você não é capaz de fazer isso de onde você está agora. Você está apenas mudando a sua memória SOBRE isso. E quando você consegue fazer isso com sucesso, não é mais uma memória ruim.

Como eu disse, isso é uma opção. Talvez você goste da ideia e talvez ela não seja para você.

Outra abordagem é mudar a energia da memória. Por ‘energia’ eu quero dizer principalmente a energia ambiental, física e emocional que foi registrada quando o evento ocorreu. Ou que você adicionou a ela desde então.

Se você tiver uma reação ‘energética’ a uma memória ruim em particular, como calafrios, náusea, raiva ou medo (ou todos os quatro), é porque esses sentimentos fazem parte do registro da memória. Além disso, se, ao recordar a memória, você tentar reprimir os calafrios, reprimir a náusea, ficar com raiva da raiva ou com medo do medo, o que você está fazendo é adicionar mais energia à gravação da memória, tornando-a mais fácil de lembrar e tornando os efeitos mais severos cada vez que você de fato a lembra.

Veja bem, as memórias são evocadas, conscientemente ou não, de acordo com a intensidade da energia presente no momento da gravação. Em outras palavras, são as suas reações físicas e emocionais ao evento que tornam possível lembrá-la.

Quanto menor a reação, mais difícil é recuperar a memória. É por isso que, para a maioria das pessoas, o almoço de duas semanas atrás na terça-feira é praticamente um não-evento. E segue-se que quanto maior a reação no momento, mais fácil será a lembrança. E é isso que torna as memórias ruins tão ruins.

Quando eu digo ‘mudar a energia da memória’, o que realmente eu quero dizer é para mudar as suas REAÇÕES à memória. Novamente, isso não é apenas poderosamente eficaz, é muito mais aceitável para a maioria das pessoas depois de aprenderam isso.

Então aqui está a técnica: Sentado ou em pé, relembre a memória, sinta o lugar em seu corpo onde essa memória o afeta mais e, em seguida, concentre toda a sua atenção em relaxar essa parte do corpo da maneira que puder. Quando essa parte do seu corpo estiver melhor, comece de novo, lembrando, sentindo e relaxando quantas vezes for necessário até que você possa recordar a memória com calma (se ainda conseguir se lembrar dela).

É importante reconhecer que com essa técnica você não está tentando mudar a memória de forma alguma. Tudo o que você está fazendo é mudar a REAÇÃO do seu corpo à memória, que é o verdadeiro problema em primeiro lugar.

Finalmente, vamos tomar um ponto de vista completamente diferente. O passado está acabado e terminado. Você está vivendo agora, não no passado. Para todos os propósitos práticos, o passado não existe mais. Você é capaz de ignorar o presente e lamentar e gemer e encher a sua mente com lembranças ruins, mas ainda está vivendo aqui e agora e não no passado.

A técnica final para essa apresentação é encher a sua mente com consciência no nível da realidade [awareness] da beleza e bondade do presente.

Claro, há coisas ruins acontecendo por toda parte, mas se você estiver disposto a abrir a sua mente e o seu coração, você descobrirá que há muito mais coisas boas acontecendo e muito mais coisas boas para fazer.

Quando as coisas boas do mundo que estão acontecendo agora se tornam mais importantes para você do que as coisas ruins que estão acontecendo e as más lembranças de coisas ruins que já aconteceram, você está a caminho de uma boa cura [healing] da mente, corpo e espírito.”

Copyright Huna International 2012

—–

Formas de Cura [Healing]

Serge Kahili King

Artigo: “Healing Shapes”.

Site: https://www.huna.org/html/4symbols.html.

Assim o autor inicia o seu artigo:

“Alguns anos atrás, ao ler uma breve declaração de Seth no livro Seth Speaks, que dizia: ‘Eu me comunico com a sua dimensão, por exemplo, não desejando a mim mesmo a sua realidade, mas imaginando a mim mesmo lá’, eu senti uma luz acessar a minha mente. Isso deu início a toda uma série de ideias que culminaram no fato de eu ainda não ter desenvolvido uma técnica de cura [healing] instantânea baseada em imagens simples que qualquer um pudesse aplicar sem pensar muito. É claro que eu desenvolvi muitas técnicas de imaginação que são extremamente simples em comparação com muitas outras, mas não tão simples – nem tão eficazes – quanto eu gostaria que fossem. Essa linha de pensamento me levou a recordar várias tentativas que eu tinha feito para formular um conjunto de símbolos básicos sem muito sucesso ou persistência. Eu tinha feito alguns trabalhos com petróglifos, com efeitos energéticos de símbolos geométricos de complexidade variada – sendo o mais simples o círculo – e tinha feito experiências com Reiki e outros símbolos supostamente concebidos para produzir cura [healing] ou manifestação. No entanto, eu pensei que a maioria delas eram difíceis de lembrar ou visualizar e não eram mais eficazes do que simples afirmações.

De repente, um sistema simplificado veio à minha mente: o uso de apenas quatro símbolos, cada um com um significado fundamental relacionado à sua forma e cada um deles demonstrando fortes efeitos energéticos. Esses eram um Círculo, um Triângulo, um Quadrado e um X.

A simplicidade deles era indiscutível, entretanto, e quanto ao poder deles? A princípio eu me perguntei sobre isso, no entanto, então eu reconheci que eu tinha estado experienciando com essas formas por meio de minha pesquisa de energia desde o início dos anos setenta.

As primeiras experiências com bolas de cristal me levaram a descobrir que um simples círculo preto em papel branco poderia produzir os mesmos efeitos visionários. E o mesmo desenho poderia evocar efeitos energéticos em qualquer um que o olhasse por pelo menos um minuto. Além disso, eu descobri que um bambolê era altamente eficaz como um espaço de meditação energizado. Eu dei alguma consideração para adicionar uma espiral como um símbolo separado, no entanto, no final eu decidi que a espiral era apenas uma variação do círculo. O efeito geral da energia circular era promover a harmonia física e mental.

O triângulo está relacionado com a energia da pirâmide, sobre a qual eu tenho feito uma pesquisa muito extensa. Ao experimentar a simplificação, eu descobri que uma estrutura de pirâmide funcionava tão bem quanto uma pirâmide de paredes sólidas. Então eu descobri que a estrutura triangular de um lado da pirâmide funcionava tão bem quanto a pirâmide inteira para a maioria dos propósitos. O efeito geral era intensificar ou amplificar a energia.

O quadrado é encontrado em todo o mundo como um símbolo de estabilidade e força. Em minha pesquisa energética, eu descobri que os cantos são áreas de energia intensamente ativa, mas que, como um todo, essa energia se torna estável, aterrada e fortalecedora.

O X ou cruz é um símbolo extremamente antigo usado para representar as propriedades mágicas de uma encruzilhada ou limiar em culturas de todo o mundo. O próprio símbolo é representado por deuses e deusas como a Hecate Greco-Romana, Ganesha da Índia e Papa Legba ou Exu da África. As encruzilhadas são consideradas lugares de intensa energia com duas características aparentemente opostas: por um lado, são aberturas para outros mundos e, por outro, barram o caminho para esses mesmos mundos. Pesquisando o uso da forma culturalmente e experimentando-a energeticamente, parece que a forma de cruz é uma abertura ou ponto de encontro e a forma X é para obstruir ou bloquear.

Até agora eu apenas reafirmei significados e efeitos de energia que são conhecidos em muitos lugares por muitas pessoas. A extensão de seu uso no reino mental vem de outra área de minha pesquisa, o uso de formas-pensamento.

Uma forma-pensamento é um pensamento estruturado, mantido na mente ou projetado para fora no ambiente com o propósito de influenciar situações e condições. A fim de maximizar o efeito da forma-pensamento, ela pode ser associada a uma palavra-chave que ajude a focar a intenção.

Depois de ponderar cuidadosamente, eu decidi experimentar quatro símbolos, cada um acompanhado por uma única palavra de comando, assim:

Círculo – Cure! [Heal!]

Triângulo – Aumente!

Quadrado – Fortaleça!

X- Pare!

A maneira como eu tenho usado isso é pensar em algo que desejo influenciar, projetar uma forma-pensamento do símbolo sobre ele e declarar a palavra-chave. A repetição faz parte do processo.

Aqui estão apenas algumas das minhas experiências:

1. Certa manhã, eu senti uma tensão no peito e uma leve sensação de depressão. No caminho para o Talk Story eu imaginei um círculo no meu peito e disse ‘Cure a tensão!’ Então eu coloquei um triângulo dentro do círculo e disse: ‘Aumente a minha autoestima!’ Imediatamente eu comecei a sentir alívio da tensão e os sentimentos se foram quando eu cheguei ao nosso museu onde as palestras estavam sendo realizadas. No caminho, eu repeti o processo várias vezes. Depois do Talk Story eu recebi muitos elogios pela sessão e pelo meu trabalho, mas isso não era incomum, então eu não pensei muito nisso. Depois nós fomos almoçar no Aloha Beach Resort e no lobby Dickie Chang, um comentarista de vídeo muito conhecido na época, parou para se apresentar, elogiar o meu trabalho e dizer a todos que ‘Esse homem é um tesouro!’ Mais tarde, ele me parou no bufê e fez de novo. Isso era muito incomum. Além disso, durante a refeição o chef veio e conversou bastante com o nosso grupo, também inusitado.

2. Eu fiz mais experiências com o uso dos símbolos para várias dores pequenas [aches], dores intensas [pains], tensões e sentimentos e obtive resultados muito rápidos.

3. Isso também tem funcionado em muitas ocasiões para manifestações rápidas de intenções e desejos.

Por alguma razão, eu deixei todo esse projeto de lado para trabalhar em outras coisas alguns anos atrás, mas isso tem voltado à minha consciência no nível da realidade [awareness] e eu pediria a qualquer pessoa interessada que experimentasse isso e me informasse como e se funciona para eles.”

Copyright Huna International 2010

—–

Formas de Cura [Healing] Revisitado

Serge Kahili King

Artigo: “Healing Shapes Revisited”.

Site: https://www.huna.org/html/4symbols2.html.

Assim o autor inicia o seu artigo:

“Depois de escrever o artigo anterior sobre formas de cura [healing], eu comecei a receber comentários e relatos de muitas pessoas que as estavam tentando, então eu decidi fazer mais pesquisas por mim mesmo. Seguindo as minhas breves experiências abaixo, também haverá alguns relatos de outras pessoas.

1. Eu descobri que poderia aumentar a intensidade energética dos símbolos imaginando-os grandes o suficiente para caber neles. Isso me levou a imaginar um abaixo dos meus pés e outro acima da minha cabeça. E, claro, isso levava para cima, para baixo e para as laterais, quatro ou três lados. Ao fazer isso, eu de fato experimentei efeitos de energia aumentados a partir de cada um dos símbolos.

2. Em certas ocasiões, eu quis tornar o foco mais forte, então eu experimentei com adicionar símbolos aos símbolos. Por exemplo, enquanto trabalhava com o vulcão da Islândia, em primeiro lugar eu usei o círculo sozinho para acalmá-lo, mas quando a minha esposa disse que eu estava trabalhando para fazê-lo adormecer, eu acrescentei olhos fechados e um sorriso neutro ao meu círculo, como um emoticon muito simples e imediatamente eu senti que o efeito era mais forte. Pelo menos eu sei que logo depois a atividade vulcânica começou a diminuir (naturalmente isso não foi só pelo meu trabalho, entretanto, eu penso que ajudou a minha parte a ser mais efetiva). Ao adicionar símbolos adicionais apropriados, como recursos de emoticon, cifrões, raios, flores, etc., as formas de cura [healing] parecem ter um efeito mais rápido e definido.

3. Para efeitos ainda melhores, especialmente para cura [healing] à distância, eu tentei adicionar cor, brilho e efeitos especiais à própria forma e eu estou muito satisfeito com os resultados. Agora, aqui está o que alguns outros estão fazendo.

Do colaborador do artigo Jim Fallon:

1. Eu peguei um pequeno pedaço de papel e desenhei nele a forma de cura [healing] de um círculo e, nesse exemplo, eu também escrevi no centro do círculo, Cure [heal], olhos! e o pintei com uma cor dourada. Em seguida, eu amassei esse papel e o prendi no meu braço com um alfinete de segurança antes de dormir. A ideia é que conforme o corpo vira e vira durante a noite, o papel vai fazer um estalo, que o Ku [Mente Subconsciente, Unihipili] fará aqui reforçar o efeito a noite toda.

2. Durante a cura [healing] Kahi, eu imaginei um círculo entre as mãos a partir dos pontos do corpo que as mãos tocam, para auxiliar no efeito de cura [healing].

3. Melhorando medicamentos, eu ‘carreguei medicamentos’, de acordo com o método de carregar objetos fornecido em seu novo livro. Nesse caso, eu imaginei pequenos ‘X’s’ impregnando a medicação para Stop! Efeitos colaterais a partir da medicação e pequenos círculos na medicação para aumentar os efeitos de cura [healing].

4. Eu também tenho tentado isso com Dynamind e ao realizar os sete ‘toques’, visualizando, digamos, um círculo dourado em cada ponto de toque.

5. Eu acordei essa manhã e tive um problema de visão no meu olho direito. A visão estava extremamente turva e duplicada. Eu comecei a aplicar o ‘método do símbolo de cura [healing]’ e a visão restaurou em 90%.

6. Antes de ir para o trabalho, eu usei um alfinete de segurança no papel de um círculo, amassei-o e o prendi no antebraço. Dessa forma, os movimentos no trabalho faziam o papel emitir um som, o que reforçava a intenção de cura [healing] no trabalho.

7. Veja o símbolo de cura [healing] do tamanho que você desejar sobre uma área, situação ou pessoa envolvida, mova o símbolo de cura [healing] um pouco na direção que deseja ir e solte. Sinta o que é diferente. Parece que o menor movimento faz a maior mudança.

8. Quando eu faço essa técnica, eu faço com Kahi. Por exemplo, a minha mão esquerda é um ponto de um triângulo, a minha mão direita é um segundo ponto e no umbigo eu coloco a ponta do triângulo. Lá, eu tenho um triângulo na minha frente. Em seguida, coloco dentro do triângulo a imagem que eu desejo MUDAR e GIRO apenas 1 polegada para a esquerda e para a esquerda mais uma polegada. Eu sinto uma mudança IMEDIATAMENTE. Isso parece como que eu ‘entro’ em outra dimensão.

9. A minha mão direita estava me incomodando devido ao esforço repetitivo de usar o mouse do computador. Eu fiz uma caixa imaginária que continha todos os símbolos de cura [healing], depois eu coloquei a minha mão dentro dessa caixa. A dor se foi assim mesmo. Então eu pensei que você pode fazer uma caixa como essa, de qualquer tamanho e colocar nela o que você quiser, inclusive você mesmo.

De Luca, um amigo italiano:

1. Eu usei o círculo e o triângulo onde eu trabalho e passei um dia maravilhoso sem estresse.

2. Um pensamento negativo tentou se instalar em minha cabeça, entretanto com o ‘X’ eu consegui bloqueá-lo com eficácia.

Do Candidato Alakai Stadtschamanin Seijin:

1. Eu estava me perguntando como eu poderia cumprir os três papéis que eu escolhi para a minha vida, ou seja, mãe, xamã e empresária. O incentivo inicial para usar as formas veio de um resfriado muito forte que eu peguei, que me levou a perguntar ao ‘céu’ qual era a mensagem. Então eu construí um ritual para mim usando a forma de triângulo. Eu coloquei três pedras em cada ângulo, direcionei um dos ângulos para o sul, convidei Hathor[?] e sentei no meio do triângulo. Eu esperava ser carregada com mais energia e poder, mas algo completamente diferente aconteceu. Eu fui ensinada em vez de carregada :))) Aulas muito simples, mas de uma forma mais profunda, ajudando-me a sentir e imaginar com mais clareza, como direcionar a minha atenção. Ensinaram-me a ficar no meio do triângulo com a minha atenção principal (mantendo-me ‘centrada’), onde já me sentava fisicamente :))) e ‘visualizando’ os três campos a partir do centro. Em outras palavras: em minha vida diária, não pular de papel em papel, mas servi-los a partir de um estado consciente centrado. Para transformar esses três em uma ‘vida de poder’, a minha mistura especial, em vez de cumprir diferentes papéis únicos… Após o ritual, o meu resfriado desapareceu imediatamente.

2. Eu fiz o desenho de um símbolo, que me veio à cabeça durante o ritual, que utilizo agora como lembrete, sempre que começo a me sentir sobrecarregada de trabalho. Ele é projetado para mostrar como as três funções podem ser integradas em um fluxo contínuo. (NOTA: Você pode ver esse símbolo no Creative Corner[?] nessa atualização).

Da Candidata Alakai, Margrit Strauss:

1. Eu trabalhei com formas de cura [healing] durante o tratamento osteopático em momentos em que as forças de cura [healing] estão paradas e não há movimento e força para superar o padrão de ‘tensão’. Eu imaginei para o paciente dois triângulos no corpo. Um deles é conectar a área occipital do eixo até ambos os quadris. O segundo liga o topo do cóccix seguindo a forma do sacro até ambos os ombros. Nos próximos segundos, a força entra e o padrão imediatamente entra em equilíbrio. Eu fiz isso cerca de cinco ou seis vezes e funcionou muito bem, embora eu tenha esquecido de indicar as palavras-chave. Fiz algumas variações usando os dois triângulos. Quando eu coloquei um quadrado no triângulo inferior, isso deu uma energia mais sólida, menos móvel. Um círculo na parte superior do triângulo occipital-quadril deu uma energia mais suavizante.

De Angelika na Alemanha:

1. Eu comecei com o círculo e eu tenho me divertido muito porque eu decidi mudar a minha visão estressante habitual sobre a cura [healing]. Agora, eu considero o experimento como um jogo alegre mais do que um exercício sério. Isso funciona. Em primeiro lugar, eu experimentei com o círculo de cura [healing] como uma forma-pensamento, como você sugeriu. Então eu reconheci que durante o dia eu sou capaz de ver círculos em todos os lugares. Eu os fortaleço quando eu venho a estar consciente deles dizendo ‘cure-me’, internamente ou em voz alta. Então, eu tenho muitas oportunidades para relembrar o jogo. Por exemplo, semáforos como uma combinação dos círculos, as cores Huna e a seguinte redação: Vermelho – NÃO há LIMITES (para cura [healing]); Amarelo – Cure-me AGORA; Verde – com AMOR! e: Comece!

2. Projetar círculos como formas-pensamento ao redor do meu corpo ou órgãos ou em torno de pessoas ou em salas ou situações. Diversão: Ver pessoas no metrô ou ônibus com bastões compridos dando várias voltas ao mesmo tempo como no circo. Círculos em movimento são muito inspiradores.

3. Projetar círculos como formas-pensamento com cores diferentes, ouro brilhante é o meu favorito, ou preenchê-los com cores como discos.

4. Eu uso os círculos como um lembrete para a minha prática de sonho: Por exemplo, no escuro, as luzes redondas dos carros são muito boas para isso por causa do ensinamento clássico de que no sonho lúcido nós nos tornamos conscientes da luz universal da consciência no nível da percepção [consciousness].

5. Eu também combinei o círculo e a cruz e eu estou pensando em uma Mandala Huna com todos os símbolos. Eu informarei a você sobre o que resulta.

6. Resultados: Eu não sei exatamente se esses exercícios são a única razão pela qual as minhas ondas de calor diminuíram de frequência, diminuíram consideravelmente e são mais leves. Eu observarei isso um pouco mais. Mas, na verdade, eu tenho um novo meio eficaz para reduzir o estresse verdadeiro ou lidar menos seriamente com situações críticas com as pessoas e na vida cotidiana. Em resumo eu sou capaz de dizer que liberta muita criatividade, alegria e diversão.

De Carlos Capocasa na Áustria:

1. Eu apenas reproduzi alguma coisa que você fez com o círculo, o triângulo, o quadrado, a cruz. Eu usei círculos para curar [to heal] a tensão nas costas que tem me incomodado muito e um triângulo para aumentar a minha autoestima, assim como você fazia quando recebia elogios extras. Eu tenho passado por momentos difíceis no trabalho em termos de satisfação dos meus chefes com o meu desempenho, no entanto hoje uma deles apareceu para mencionar que, embora na verdade ela estivesse saindo e tivesse que ir embora, ela pensou que era um bom momento para me dizer que eu tinha melhorado muito e ela estava muito satisfeita agora com o meu estado. Nada mal! Obrigado!

Copyright Huna International 2010”

—–

Imagem ashley-batz-betmVWGYcLY-unsplash.jpg – 3 de julho de 2023

Referências bibliográficas da OREM1

Amazing Women In History – artigo https://amazingwomeninhistory.com/morrnah-nalamaku-simeona-hawaiian-healer/

Amy Thakurdas, PhD – artigo “Ho’oponopono: Universal Healing Method For Mankind” – Wholistic Healing Publications – September 2008 Volume 8, No. 3

André Biernath – repórter na Revista Saúde – Grupo Abril  – artigo sobre o filme “Divertida Mente”, que aborda inteligentemente a questão das memórias armazenadas;

Bert Hellinger e Gabriele Tem Hövel – livro “Constelações Familiares – O Reconhecimento das Ordens do Amor”;

Bill Russell – Artigo: “Quantum and Kala” [Quântico e Kala] – Artigo completo em inglês no site: https://www.huna.org/html/quantum.pdf

Brian Gerard Schaefer – artigo: “Universal Ho’oponopono – A new perspective of an ancient healing art”. Site http://www.thewholespectrom.com/

Bruce Lipton – livro “A Biologia da Crença “;

Carol Gates e Tina Shearon – livro “As You Wish” (tradução livre: “Como você desejar”);

Ceres Elisa da Fonseca Rosas – livro “O caminho ao Eu Superior segundo os Kahunas” – Editora FEEU;

Charles Seife – livro “Zero: A Biografia de Uma Ideia Perigosa” (versão em inglês “Zero: The Biography of a Dangerous Idea”;

Curso “Autoconhecimento na Prática online – Fundação Estudar” https://www.napratica.org.br/edicoes/autoconhecimento;

Dan Custer – livro “El Milagroso Poder Del Pensamiento” (tradução livre: “O Miraculoso [Incrível] Poder Do Pensamento”);

David V. Bush – livro “How to Put The Subconscious Mind to Work” (tradução livre: “Como Colocar a Mente Subconsciente para Trabalhar”);

Dr. Alan Strong – artigo denominado “The Conscious Mind — Just the Tip of the Iceberg” (tradução livre: “A Mente Consciente – Apenas a Ponta do Iceberg”), no site www.astrongchoice.com;

Dr. Amit Goswami – livro “O Universo Autoconsciente – como a consciência cria o mundo material”;

Dr. Benjamin P. Hardy, psicólogo organizacional, autor do livro “Willpower Doesn’t Work” (Tradução livre: “Força de Vontade Não Funciona”), em artigo no site https://medium.com/the-mission/how-to-get-past-your-emotions-blocks-and-fears-so-you-can-live-the-life-you-want-aac362e1fc85Sr;

Dr. Bruce H. Lipton – livro “A Biologia da Crença”;

Dr. Deepak Chopra – livro “Criando Prosperidade”;

Dr. E. Otha Wingo – Artigo “The Story of the HUNA WORK” [tradução livre: “A História do Trabalho Huna”], editado no outono de 1976, no Research Bulletin #20. Site: https://www.maxfreedomlong.com/huna-bulletins/hv-newsletter-20-fall-1976/;

Dr. Gregg Braden – livro “A Matriz Divina”;

Dr. Helder Kamei – site http://www.flowpsicologiapositiva.com/ – Instituto Flow;

Dr. Joe Dispenza – livro “Breaking the Habit of Being Yourself – How to Lose Your Mind and Create a New One” (tradução livre: “Quebrando o Hábito de Ser Você Mesmo – Como Liberar Sua Mente e Criar um Novo Eu”);

Dr. Kenneth Wapnick – transcrição de sua palestra denominada “Introdução Básica a Um Curso em Milagres”;

Dr. Maxwell Maltz – livro “The New Psycho-Cybernetics” (tradução livre: “A Nova Psico-Cibernética”);

Dr. Nelson Spritzer – livro “Pensamento & Mudança – Desmistificando a Programação Neurolinguística (PNL)”;

Dr. Richard Maurice Bucke – livro ‘Consciência Cósmica’;

Dr. Serge Kahili King – livro “Cura Kahuna” (Kahuna Healing);

Dr. Serge Kahili King – Artigo: “Body of God” [O Corpo de Deus] – Artigo completo em inglês no site: https://www.huna.org/html/bodyofgod.html;

Dr. Serge Kahili King – Artigo: “The Aka Web of Healing” [tradução livre “A Teia [Web] Aka de Cura [Healing]]. Site: https://www.huna.org/html/healingweb.html;

Dr. Serge Kahili King – Artigo: “Energy Healing” [tradução livre: Cura [Healing] Energética. Site: https://www.huna.org/html/energyhealing.html;

Dr. Serge Kahili King – Artigo: “How To Heal A Situation” [tradução livre: “Como Curar [To Heal] Uma Situação]. Site: https://www.huna.org/html/HealASituation-SKK1121.pdf;

Dr. Serge Kahili King – Artigo: “Healing Bad Memories” [tradução livre: Curando [Healing] Memórias Ruins]. Site: https://www.huna.org/html/healmemories.html;

Dr. Serge Kahili King – Artigo: “Healing Shapes” [tradução livre: “Formas de Cura [Healing]. Site: https://www.huna.org/html/4symbols.html;

Dr. Serge Kahili King – Artigo: “Healing Shapes Revisited” [tradução livre: “Formas de Cura [Healing] Revisitado. Site: https://www.huna.org/html/4symbols2.html;

Francisco Cândido Xavier – livro “No Mundo Maior” (ditado pelo espírito Dr. André Luiz);

Francisco do Espírito Santo Neto – livro “Os Prazeres da Alma” (ditado pelo espírito Hammed);

Gerald Zaltman – Professor da Harvard Business School – livro “How Customers Think” (tradução livre: “Como Pensam os Consumidores”);

Henry Thomas Hamblin – livro “Within You Is The Power” (tradução livre: “Dentro de VOCÊ Está O Poder”);

Hermínio C. Miranda – livro “O Evangelho de Tomé”;

Igor I. Sikorsky, Jr. – Jurista – Artigo Jung & Huna – Fonte: https://www.maxfreedomlong.com/huna-bulletins/hv-newsletter-30-spring-1979/

James Redfield – livro “A Profecia Celestina”;

Jens Weskott – artigo “Bem-vindo Subconsciente – Graças ao Ho’oponopono”, site da Associação de Estudos Huna disponível no link https://www.huna.org.br/wp/?s=jens;

Jim Fallon – Artigo: “Aka Threads and Quantum Entanglement” [Cordões Aka e Emaranhamento Quântico] – Artigo completo em inglês no site: https://www.huna.org/html/akathreads.html;

Joe Vitale – livro “Limite Zero”;

Joel S. Goldsmith – livro “O Despertar da Consciência Mística”;

John Assaraf – artigo ratificando que somos todos seres perfeitos de Luz está disponível no site http://in5d.com/the-world-of-quantum-physics-everything-is-energy/;

John Curtis – Webinario sobre Ho’oponopono – site Sanación y Salud http://www.sanacionysalud.com/;

Joseph Murphy – livro “The Power of Your Subconscious Mind” (tradução livre: “O Poder de Sua Mente Subconsciente”);

Kalikiano Kalei – Artigo: “Quantum Physics and Hawaiian Huna…” [Física Quântica e Huna do Havaí] – Artigo completo em inglês através do site: https://www.authorsden.com/visit/viewarticle.asp?catid=14&id=45582;

Kealani CookUniversity of Hawaiʻi – West O’ahu DSpace Submission – Artigo: “Burning the Gods: Mana, Iconoclasm, and Christianity in Oceania.” [tradução livre: “Queimando os Deuses: Mana, Iconoclastia e Cristianismo na Oceania”] Site: https://dspace.lib.hawaii.edu/server/api/core/bitstreams/addb3121-d4bb-476d-8bbe-ed2a8a1a08d7/content;

Kenneth E. Robinson – livro “Thinking Outside the Box” (tradução livre: “Pensar Fora da Caixa”);

Krishnamurti – artigo “Early Krishnamurti” (“Inicial Krishnamurti”) – Londres, 7-3-1931.  Site: https://www.reddit.com/r/Krishnamurti/comments/qe99e1/early_krishnamurti_7_march_1931_london/

Krishnamurti  – livro “O Sentido da Liberdade”, publicado no Brasil em 2007, no capítulo “Perguntas e Respostas”, o tema “Sobre a Crise Atual”; experienciamos, para a nossa reflexão e meditação à luz do sistema de pensamento do Ho’oponopono.

Kristin Zambucka, artista, produtora e autora do livro “Princess Kaiulani of Hawaii: The Monarchy’s Last Hope” (tradução livre: “Princesa Kaiulani do Havaí: A Última Esperança da Monarquia”);

Leonard Mlodinow – livro “Subliminar – Como o inconsciente influencia nossas vidas” – do ano de 2012;

Louise L. Hay – livro “You Can Heal Your Life – (tradução livre: “Você Pode Curar Sua Vida”);

Malcolm Gradwell – livro “Blink: The Power of Thinking without Thinking” (Tradução livre: “Num piscar de olhos: O Poder de Pensar Sem Pensar”);

Manulani Aluli Meyer – artigo “Ho’oponopono – Healing through ritualized communication”, site https://peacemaking.narf.org/wp-content/uploads/2021/03/5.-Hooponopono-paper.pdf

Marianne Szegedy-Maszak – edição especial sobre Neurociência publicada na multiplataforma “US News & World Report”, destacando o ensaio “Como Sua Mente Subconsciente Realmente Molda Suas Decisões”;

Matt Tomlinson e Ty P. Kāwika Tengan – Livro “New Mana: Transformations of a Classic Concept in Pacific Languages and Cultures” [Tradução livre: “Novo Mana: Transformações de um Conceito Clássico nas Línguas e Culturas do Pacífico”], em seu capítulo 11 – Mana for a New Age, publicado em 2016 pela ANU Press, The Australian National University, Canberra, Austrália.

Matthew B. James. Estudo Acadêmico , para um Programa de Doutorado da Walden University, Minneapolis, Minnesota, USA, 2008, doutorando em Psicologia da Saúde, denominada “Ho’oponopono: Assessing the effects of a traditional Hawaiian forgiveness technique on unforgiveness”. O estudo completo pode ser acessado no site da Walden University no link:  https://scholarworks.waldenu.edu/dissertations/622/#:~:text=The%20results%20demonstrated%20that%20those,the%20course%20of%20the%20study.

Max Freedom Long – livro “Milagres da Ciência Secreta”;

Max Freedom Long – Artigo “Teaching HUNA to the Children – How Everything was made” [Ensinando HUNA para as Crianças – Como Tudo foi feito], site https://www.maxfreedomlong.com/articles/max-freedom-long/teaching-huna-to-the-children/;

Max Freedom Long – Artigo “Huna And The God Within”. Fonte: https://www.maxfreedomlong.com/articles/huna-lessons/huna-lesson-2-huna-theory-of-prayer/;

Max Freedom Long – Artigo “The Workable Psycho-Religious System of the Polynesians” [O Sistema Psico-Religioso Praticável dos Polinésios]. Fonte: https://www.maxfreedomlong.com/articles/max-freedom-long/huna-the-workable-psycho-religious-system-of-the-polynesians/;

Max Freedom Long – Artigo “How to Become a Magician” [Como vir a ser alguém que lida com a Magia]. Site: https://www.maxfreedomlong.com/huna-bulletins/hv-newsletter-vol-1-no-9-winter-1973/;

Max Freedom Long – Artigo “The Lord’s Prayer – a Huna Definition” [tradução livre: “A Oração do Pai Nosso – uma Definição Huna”], editado em 1º de março de 1951, HUNA BULLETIN 50, site https://www.maxfreedomlong.com/huna-bulletins/huna-bulletin-050/;

Max Freedom Long – Artigo “When Huna Prayers Fail” [tradução livre: “Quando as Orações Huna Falham”] – Huna Bulletin 53. Site: https://www.maxfreedomlong.com/huna-bulletins/huna-bulletin-053/;

Max Freedom Long – Artigo “Three Questions” [tradução livre: “As Três Perguntas”], editado em 15 de março de 1951, no Huna Bulletin 51. Site: https://www.maxfreedomlong.com/huna-bulletins/huna-bulletin-051/;

Max Freedom Long – Artigo “Huna Angles on Psychoanalysis” [tradução livre: “Pontos de Vista Huna sobre Psicoanálise”], editado em 15 de maio de 1951, no Huna Bulletin 55. Site: https://www.maxfreedomlong.com/huna-bulletins/huna-bulletin-055/;

Max Freedom Long – Artigo “Living in Cooperation on the Earth” [tradução livre: “Vivendo em Cooperação na Terra”], editado em 1º de maio de 1951, no Huna Bulletin 54. Site: https://www.maxfreedomlong.com/huna-bulletins/huna-bulletin-054/;

Max Freedom Long – Artigo “Huna Lesson #1: Building Your Future” [tradução livre: “Lição Huna #1: Construindo o Seu Futuro”]. Site https://www.maxfreedomlong.com/articles/huna-lessons/huna-lesson-1-building-your-future/;

Michael Lerner, PhD – Artigo “Difference Between Healing and Curing” [tradução livre “Diferença Entre Cura [Healing] e Cura [Curing]. Site: https://www.awakin.org/v2/read/view.php?op=photo&tid=1066;

Moji Solanke – Journal The Guardian Nigeria – Artigo: “Medical Cure And Spiritual Healing” [tradução livre: “Cura [Cure] Médica e Cura [Healing] Espiritual”]. Site: https://guardian.ng/features/medical-cure-and-spiritual-healing/;

Napoleon Hill – livro “The Law of Success in Sixteen Lessons” (tradução livre: “A Lei do Sucesso em Dezesseis Lições”);

Osho – livro “The Golden Future” (tradução livre: “O Futuro Dourado”);

Osho – livro “From Unconsciousness to Consciousness” (tradução livre “Do Inconsciente ao Consciente”);

Osho – livro “Desvendando mistérios”;

Paul Cresswell – livro “Learn to Use Your Subconscious Mind” (tradução livre: “Aprenda a Usar a Sua Mente Subconsciente”);

Paulo Freire, educador, pedagogo, filósofo brasileiro – livro “A Psicologia da Pergunta”;

Platão – livro “O Mito da Caverna”;

Richard Wilhelm – livro “I Ching”;

Roberto Assagioli, Psicossíntese. Site http://psicossintese.org.br/index.php/o-que-e-psicossintese/

Sanaya Roman – livro “Spiritual Growth: Being Your Higher Self (versão em português: “Crescimento Espiritual: o Despertar do Seu Eu Superior”);

Sílvia Lisboa e Bruno Garattoni – artigo da Revista Superintessante, publicado em 21.05.13, sobre o lado oculto da mente e a neurociência moderna.

Site da Associação de Estudos Huna https://www.huna.org.br/ – artigos diversos.

Site www.globalmentoringgroup.com – artigos sobre PNL;

Site Wikipedia https://pt.wikipedia.org/wiki/Ho%CA%BBoponopono, a enciclopédia livre;

Thomas Lani Stucker – Kahuna Lani – Artigo “The Professional Huna Healer” – Site: https://www.maxfreedomlong.com/articles/kahuna-lani/the-professional-huna-healer/;

Thomas Lani Stucker – Kahuna Lani – Artigo “PSYCHOMETRIC ANALYSIS” [tradução livre: “ANÁLISE PSICOMÉTRICA”], editado no outono de 1982, no Huna Work International #269. Site: https://www.maxfreedomlong.com/articles/kahuna-lani/psychometric-analysis/;

Thomas Troward – livro “The Creative Process in the Individual” (tradução livre: “O Processo Criativo no Indivíduo”);

Thomas Troward – livro “Bible Mystery and Bible Meaning” (tradução livre: “Mistério da Bíblia e Significado da Bíblia”);

Tor Norretranders – livro “A Ilusão de Quem Usa: Reduzindo o tamanho da Consciência” (versão em inglês “The User Illusion: Cutting Consciousness Down to Size”);

“Um Curso em Milagres” – 2ª edição – copyright 1994 da edição em língua portuguesa;

Wallace D. Wattles – livro “A Ciência para Ficar Rico”;

W. D. Westervelt – Boston, G.H. Ellis Press [1915] – artigo: “Hawaiian Legends of Old Honolulu” Site: https://www.sacred-texts.com/pac/hloh/hloh00.htm.

William R. Glover – livro “HUNA the Ancient Religion of Positive Thinking” – 2005;

William Walker Atkinson – livro: “Thought Vibration – The Law of Attraction in the Thought World” (tradução livre: “Vibração do Pensamento – A Lei da Atração no Mundo do Pensamento”) – Edição Eletrônica publicada em 2015;

Zanon Melo – livro “Huna – A Cura Polinésia – Manual do Kahuna”;

Muda…
A Prece atinge o seu foco e levanta voo.
A chuva de bênçãos derrama-se sobre mim, nesse exato momento.
Eu sinto muito.
Por favor, perdoa-me.
Eu te amo.
Eu sou grato(a).
Autor

Graduação: Engenheiro Operacional Químico. Graduação: Engenheiro de Segurança do Trabalho. Pós-Graduação: Marketing PUC/RS. Pós-Graduação: Administração de Materiais, Negociações e Compras FGV/SP. Consultor de Empresas: Projeto OREM® - Organizações Baseadas na Espiritualidade (OBEs). Estudante e Pesquisador Independente sobre Espiritualidade Não-Dualista; Psicofilosofia Huna e Ho’oponopono; A Profecia Celestina; Um Curso em Milagres (UCEM); Espiritualidade no Ambiente de Trabalho (EAT); A Organização Baseada na Espiritualidade (OBE). Certificação: “The Self I-Dentity Through Ho’oponopono® - SITH® - Business Ho’oponopono” - 2022.

0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
0
Would love your thoughts, please comment.x