Extraímos do livro “O Sentido da Liberdade”, do autor e professor Krishnamurti, publicado no Brasil em 2007, no capítulo “Perguntas e Respostas”, o tema “Sobre a Crise Atual”, que reflete perfeitamente os tempos atuais que nós experienciamos, para a nossa reflexão e meditação à luz do sistema de pensamento do Ho’oponopono.

O objetivo desse artigo ficará mais claro principalmente para quem leu e estudou os artigos anteriores da OREM1 disponíveis no blog ou para quem está estudando, por outras fontes, o sistema de pensamento do Ho’oponopono até então, pois simplesmente ratifica a importância de nós adotarmos incessantemente o processo de resolução de problemas através do Ho’oponopono, não somente para o nosso próprio bem-estar, como também para o bem-estar de todos os demais envolvidos – a sociedade como um todo -, visando a nossa liberação dessa excepcional crise atual  e alcançarmos o nosso despertar espiritual.

Nós vamos analisar o que o professor Krishnamurti gentilmente nos compartilha para a nossa compreensão e tecer alguns comentários à luz dos princípios do Ho’oponopono que respondem às sábias e preocupantes questões aqui levantadas por esse mestre.

Pergunta feita ao professor Krishnamurti:

“O senhor afirma que não houve no passado nada parecido com a crise atual. De que maneira é essa crise excepcional?

Krishnamurti: É obvio que a crise que atinge presentemente o mundo é excepcional, não tem precedentes. Tem havido crises de vários tipos em diferentes períodos da história, crises sociais, nacionais, políticas. As crises vão e vêm; surgem recessões econômicas, depressões, que são modificadas, tendo depois continuidade sobre uma diferente forma. Isso nós sabemos; esse processo nos é familiar. Certamente que a crise atual é diferente, não é? É diferente porque nós estamos lidando, não com dinheiro nem com bens materiais, mas com ideação. A crise é excepcional porque se passa dentro do campo do idealismo.

Nós estamos em luta suportando-nos em ideias e assim nós justificamos o assassínio; por toda a parte nós estamos a justificar a morte do outro como um meio para se atingir um fim ‘correto’, o que, em si mesmo, não tem qualquer precedente.

No passado, o mal era reconhecido como mal, o homicídio como sendo apenas um homicídio, mas agora o matar alguém serve como meio para se atingir um resultado ‘nobre’. O assassínio, seja ele praticado por um indivíduo, ou por um grupo de pessoas, é aceito porque o criminoso, ou o grupo que representa, justifica-o como um meio de se conseguir um resultado que será benéfico para a humanidade. Isto é, nós sacrificamos o presente em nome do futuro – não importando os meios utilizados desde que os nossos propósitos declarados sejam os de produzirem um resultado que, nós afirmamos, será bom para os seres humanos.

Assim, pretende-se que um meio errado seja a causa de um resultado positivo e nós justificamos os meios errados através de uma ideia.

Nas várias crises que aconteceram no passado, a motivação era a exploração de materiais ou do homem pelo homem; atualmente, a motivação é a utilização de ideias, o que é mais prejudicial, muito mais perigoso, porque a exploração de ideias é extremamente devastadora e destruidora.

Nós conhecemos presentemente o poder da propaganda, que é uma das maiores calamidades, ao usar ideias como meio para transformar o homem. É isso que está acontecendo no mundo hoje em dia. O homem não é importante – os sistemas, as ideias é que se tornaram importantes.

O homem já não tem qualquer significado. Nós podemos destruir milhões de seres humanos desde que isso produza um resultado, sendo esse resultado justificado ideologicamente.

Nós possuímos uma magnífica estrutura de ideias para justificar o mal e certamente isso não tem precedente. Mal é mal; ele não pode gerar o bem. A guerra não é um meio para se chegar à paz. A guerra pode produzir benefícios secundários, como aviões mais eficientes, mas não trará paz aos homens. A guerra é intelectualmente justificada como um meio para se chegar à paz; quando o intelecto tem a primazia na existência humana, ele cria uma crise nunca antes vista.

Há também outras causas que indicam que a crise não tem paralelo no passado. Uma delas é a extraordinária importância que o homem concede aos valores nos sentidos, à propriedade, ao nome, à casta, ao país, ao emblema que se usa. Nós somos, ou Maometanos, ou Hindus, ou Cristãos, ou Comunistas. O nome e a propriedade, a casta e o país tornaram-se predominantemente importantes, o que significa que o ser humano está prisioneiro dos valores sensoriais, dos valores das coisas, sejam elas fabricadas pela mente ou pelas mãos. As coisas feitas pela mão humana ou pela mente tornaram-se tão importantes que, em nome delas, nós matamos, destruímos, assassinamos.

Nós estamos nos aproximando da beira do precipício; cada ação nos aproxima mais dele, cada ação política ou econômica nos conduz mais ao precipício, arrastando-nos para um caótico e confuso abismo.

Portanto, como a crise não tem precedentes, precisa também ela de uma ação nova. Para nós sairmos dessa crise é preciso uma ação sem tempo, uma ação que não se baseie em ideias, em sistemas, porque qualquer ação que se suporte em sistemas e ideias inevitavelmente conduzirá à frustação. Uma tal ação nos levará de volta ao abismo só que por um caminho diferente.

Como a crise é nova, essa ação também tem de ser nova, o que quer dizer que a regeneração do indivíduo tem de ser instantânea e não um processo temporal. Tem de acontecer agora, não amanhã, porque o amanhã é um processo de desintegração. Se pensar que amanhã eu vou me transformar, eu estou convidando a confusão, eu estou ainda dentro do campo da destruição.

Será possível uma mudança agora? Será possível cada um transformar-se completamente no momento presente, agora?

Eu digo que é possível.

A questão é que, como a crise tem um caráter excepcional, para nós nos confrontarmos com ela terá de haver uma revolução no campo do pensar e essa revolução não pode acontecer por intermédio de outra pessoa, de qualquer livro, de qualquer organização.

Ela terá de acontecer a partir de cada um de nós. Só então nós estaremos aptos a criar uma nova sociedade, uma nova estrutura longe do horror presente, longe dessas poderosas forças destruidoras que se estão acumulando e essa transformação será uma realidade somente quando cada um de nós, como indivíduo, começar a estar atento a si mesmo em cada pensamento, em cada ação, em cada sentir.

Analisando as preocupações e questões levantadas pelo professor Krishnamurti, fica claro perceber que Morrnah Simeona e Dr. Hew Len foram inspirados pela Inteligência Divina que está em cada um de nós a nos facilitar o acesso, o entendimento e a prática desse milenar processo de resolução de problemas praticados pelo antigo povo Huna através dos mestres Kahunas do Havaí, durante os processos de cura do corpo (físico, emocional, mental, espiritual) e do bolso.

Vale ressaltar que a colonização do Havaí sofreu forte influência de missionários Cristãos, que através do poder político, legislaram e proibiram as atividades ditas “mágicas” dos Kahunas. Os seus ensinamentos eram, até então, passados somente, de geração a geração, de forma oral, apenas para os iniciados e treinados em memorização.

O Ho’oponopono nos leva a buscar essa nova forma de pensar que o professor Krishnamurti se refere. O Ho’oponopono nos leva a repensar a nossa atual forma de pensar com todas as suas consequências destrutivas.

O Ho’oponopono é um processo de autoconhecimento e de reprogramação emocional e mental com o objetivo do restabelecimento de nosso Estado de Consciência do Amor Incondicional (Estado Vazio).

O Ho’oponopono é simples e na sua simplicidade é uma poderosa ferramenta de transformação pessoal, de revolução [amorosa] no campo do pensar como solicita o professor Krishnamurti ou de transmutação ao Vazio como nos ensinava Morrnah Simeona, idealizadora do Ho’oponopono da Identidade Própria®.

A pessoa praticante do Ho’oponopono não julga e não condena os desconfortos (pessoas, situações, circunstâncias, acontecimentos, eventos, lugares…) que ela percebe através de seu portal sensorial.

Através da observação consciente dos fatos, a pessoa praticante do Ho’oponopono assume, de imediato, 100% de responsabilidade por corrigir aquele engano, não importando a causa do mesmo, porém com a certeza de que tudo já foi providenciado pela Inteligência Divina e pela Mente Supraconsciente (Aumakua) para a devida limpeza e correção.

Podemos imaginar que mundo seria esse se todos nós assumíssemos 100% de responsabilidade…?

A pessoa praticante do Ho’oponopono sabe que não existe o “lá fora” e tudo é uma projeção do que se passa em nosso interior, como uma forma de pensamento (intelecto) e de sensação (emoções).

Então, para haver uma mudança no que nós estamos projetando no mundo, é preciso mudar o que se está pensando (pensamento dominante) e se está sentindo (emoção enferma) interiormente.

A pessoa praticante sabe que os problemas que nós experienciamos não são as causas de nossos sofrimentos e sim são os efeitos de uma única causa interior. Ele sabe que essa causa interior são as ‘nossas’ memórias repetitivas limitadoras ou pensamentos errôneos ou enfermos que se repetem em nossa Mente Subconsciente (Unihipili), mantendo-nos escravos dessa situação caótica enfaticamente apontada pelo professor Krishnamurti.

A pessoa praticante sabe que nós não somos essas memórias enfermas do passado. As memórias enfermas não estão apegadas a nós. Na verdade, nós somos seres perfeitos de luz, o estado vazio do gráfico acima.

A pessoa praticante do Ho’oponopono passa então a proteger a sua Mente Subconsciente (Unihipili), através da sua Mente Consciente (Uhane) ativa, peneirando esses pensamentos dominantes e emoções enfermas, de maneira a evitar ainda mais acúmulo de memórias repetitivas limitadoras, alimentando ainda mais o estado das coisas que nós experienciamos nessa crise atual.

A pessoa praticante sabe que ao limpar ou transmutar essas memórias repetitivas limitadoras que ainda estão armazenadas e ativadas em nossa interior, por meio do processo de resolução de problemas através do Ho’oponopono, ela permiti que as Inspirações da Inteligência Divina, devidamente equacionadas e personalizadas pela Mente Supraconsciente (Aumakua), possam orientá-la a tratar os outros da mesma maneira como ela gostaria que os outros a tratassem, pois, na verdade, ela sabe que nós somos Todos Um Só em Deus (veja o gráfico). 

Ela sabe, então, que a separatividade é uma ilusão, nós somos todos Um Só na Inteligência Divina ou Divindade que está em cada um de nós, sendo assim, a pessoa praticante do Ho’oponopono busca reprogramar a sua mente que ainda acredita na separação de Deus ou na dualidade, praticando a transmutação de memórias enfermas (foco no passado), com o objetivo de permitir a sua Unicidade com a Mente Superior ou o Estado Vazio ou o Estado de Consciência do Amor Incondicional (foco no presente).

Podemos imaginar que mundo seria esse se todos nós praticássemos a nossa Unicidade … o nosso Amor Incondicional…?

A pessoa praticante do Ho’oponopono sabe que a razão de nós estarmos aqui é unicamente para o restabelecimento de nossa Identidade Própria© – como Morrnah Simeona e Dr. Hew Len chamavam a Entidade Única que é Você – para o restabelecimento do Estado Vazio, do Estado de Consciência do Amor Incondicional (veja gráfico acima).

Sendo assim, então, essa nossa Vida é uma dádiva se nós a encararmos como uma especial oportunidade para limparmos ou transmutarmos incessantemente esse imenso estoque de memórias repetitivas limitadoras (foco no passado), que ainda estão armazenadas na Unihipili e, com o suporte ativo da Uhane (poder da Vontade) e a Sabedoria Universal do Aumakua, nós podermos alcançar o nosso despertar espiritual através do conhecimento, do entendimento e do poder do amor incondicional que as Inspirações nos proporcionam a cada processo de limpeza ou transmutação.

Podemos imaginar que mundo seria esse se todos nós acreditássemos que a Vida é na realidade uma sala de aula e não esse campo de batalha que nós estamos acostumados a experienciar…?

A pessoa praticante do Ho’oponopono sabe que nós, ao limparmos as memórias repetitivas limitadoras ativadas em nosso interior, não apenas nós sentimos que a nossa vida melhora, como também ela sabe que a vida de todos os demais envolvidos, no presente, no passado e no futuro, de todas as gerações e tudo o que existe, melhoram como uma consequência holográfica e atemporal do processo de transmutação.

Para o Ho’oponopono tudo é pensamento, portanto tudo é consciência. Então, para melhorar a situação caótica do mundo é preciso reprogramar o tipo de pensamento dominante, reprogramar o nível de consciência de cada um de nós.

Como afirma o professor Krishnamurti:

“Só então nós estaremos aptos a criar uma nova sociedade, uma nova estrutura longe do horror presente, longe dessas poderosas forças destruidoras que se estão se acumulando e essa transformação será uma realidade somente quando cada um de nós, como indivíduo, começar a estar atento a si mesmo em cada pensamento, em cada ação, em cada sentir.”

O professor Krishnamurti questiona e responde:

“Será possível uma mudança agora?

Será possível cada um transformar-se completamente no momento presente, agora?

Eu digo que é possível.”

Nós também podemos afirmar que é possível e um dos caminhos é praticar incessantemente o processo de resolução de problemas através do Ho’oponopono, essa nova forma de pensar.

Como trata-se de um simples processo de resolução de problemas, o Ho’oponopono não fere crenças de quaisquer tipos, sejam religiosas, filosóficas ou científicas, podendo, então, ser praticado por cada um de nós.

O Ho’oponopono não julga, portanto ele não diferencia e apenas ensina como praticar o verdadeiro amor, a verdadeira relação.

Imagem dawid-malecki-cmJDHgN6Xjw-unsplash.jpg 25 de junho de 2022

Referências bibliográficas da OREM1

André Biernath – repórter na Revista Saúde – Grupo Abril  – artigo sobre o filme “Divertida Mente”, que aborda inteligentemente a questão das memórias armazenadas;

Bert Hellinger e Gabriele Tem Hövel – livro “Constelações Familiares – O Reconhecimento das Ordens do Amor”;

Bruce Lipton – livro “A Biologia da Crença “;

Carol Gates e Tina Shearon – livro “As You Wish” (tradução livre: “Como você desejar”);

Ceres Elisa da Fonseca Rosas – livro “O caminho ao Eu Superior segundo os Kahunas” – Editora FEEU;

Charles Seife – livro “Zero: A Biografia de Uma Ideia Perigosa” (versão em inglês “Zero: The Biography of a Dangerous Idea”;

Curso “Autoconhecimento na Prática online – Fundação Estudar” https://www.napratica.org.br/edicoes/autoconhecimento;

Dan Custer – livro “El Milagroso Poder Del Pensamiento” (tradução livre: “O Miraculoso [Incrível] Poder Do Pensamento”);

David V. Bush – livro “How to Put The Subconscious Mind to Work” (tradução livre: “Como Colocar a Mente Subconsciente para Trabalhar”);

Dr. Alan Strong – artigo denominado “The Conscious Mind — Just the Tip of the Iceberg” (tradução livre: “A Mente Consciente – Apenas a Ponta do Iceberg”), no site www.astrongchoice.com;

Dr. Amit Goswami – livro “O Universo Autoconsciente – como a consciência cria o mundo material”;

Dr. Benjamin P. Hardy, psicólogo organizacional, autor do livro “Willpower Doesn’t Work” (Tradução livre: “Força de Vontade Não Funciona”), em artigo no site https://medium.com/the-mission/how-to-get-past-your-emotions-blocks-and-fears-so-you-can-live-the-life-you-want-aac362e1fc85Sr;

Dr. Bruce H. Lipton – livro “A Biologia da Crença”;

Dr. Deepak Chopra – livro “Criando Prosperidade”;

Dr. Gregg Braden – livro “A Matriz Divina”;

Dr. Helder Kamei – site http://www.flowpsicologiapositiva.com/ – Instituto Flow;

Dr. Joe Dispenza – livro “Breaking the Habit of Being Yourself – How to Lose Your Mind and Create a New One” (tradução livre: “Quebrando o Hábito de Ser Você Mesmo – Como Liberar Sua Mente e Criar um Novo Eu”);

Dr. Kenneth Wapnick – transcrição de sua palestra denominada “Introdução Básica a Um Curso em Milagres”;

Dr. Maxwell Maltz – livro “The New Psycho-Cybernetics” (tradução livre: “A Nova Psico-Cibernética”);

Dr. Nelson Spritzer – livro “Pensamento & Mudança – Desmistificando a Programação Neurolinguística (PNL)”;

Dr. Richard Maurice Bucke – livro ‘Consciência Cósmica’;

Dr. Serge King – livro “Cura Kahuna” (Kahuna Healing);

Francisco Cândido Xavier – livro “No Mundo Maior” (ditado pelo espírito Dr. André Luiz);

Francisco do Espírito Santo Neto – livro “Os Prazeres da Alma” (ditado pelo espírito Hammed);

Gerald Zaltman – Professor da Harvard Business School – livro “How Customers Think” (tradução livre: “Como Pensam os Consumidores”);

Henry Thomas Hamblin – livro “Within You Is The Power” (tradução livre: “Dentro de VOCÊ Está O Poder”);

Hermínio C. Miranda – livro “O Evangelho de Tomé”;

James Redfield – livro “A Profecia Celestina”;

Jens Weskott – artigo “Bem-vindo Subconsciente – Graças ao Ho’oponopono”, site da Associação de Estudos Huna disponível no link https://www.huna.org.br/wp/?s=jens;

Joe Vitale – livro “Limite Zero”;

Joel S. Goldsmith – livro “O Despertar da Consciência Mística”;

John Assaraf – artigo ratificando que somos todos seres perfeitos de Luz está disponível no site http://in5d.com/the-world-of-quantum-physics-everything-is-energy/;

John Curtis – Webinario sobre Ho’oponopono – site Sanación y Salud http://www.sanacionysalud.com/

Joseph Murphy – livro “The Power of Your Subconscious Mind” (tradução livre: “O Poder de Sua Mente Subconsciente”);

Kenneth E. Robinson – livro “Thinking Outside the Box” (tradução livre: “Pensar Fora da Caixa”);

Krishnamurti – artigo “Early Krishnamurti” (“Inicial Krishnamurti”) – Londres, 7-3-1931.  Site: https://www.reddit.com/r/Krishnamurti/comments/qe99e1/early_krishnamurti_7_march_1931_london/

Krishnamurti  – livro “O Sentido da Liberdade”, publicado no Brasil em 2007, no capítulo “Perguntas e Respostas”, o tema “Sobre a Crise Atual”; experienciamos, para a nossa reflexão e meditação à luz do sistema de pensamento do Ho’oponopono.

Kristin Zambucka, artista, produtora e autora do livro “Princess Kaiulani of Hawaii: The Monarchy’s Last Hope” (tradução livre: “Princesa Kaiulani do Havaí: A Última Esperança da Monarquia”);

Leonard Mlodinow – livro “Subliminar – Como o inconsciente influencia nossas vidas” – do ano de 2012;

Livro “Um Curso em Milagres” – 2ª edição – copyright 1994 da edição em língua portuguesa;

Louise L. Hay – livro “You Can Heal Your Life – (tradução livre: “Você Pode Curar Sua Vida”);

Malcolm Gradwell – livro “Blink: The Power of Thinking without Thinking” (Tradução livre: “Num piscar de olhos: O Poder de Pensar Sem Pensar”);

Marianne Szegedy-Maszak – edição especial sobre Neurociência publicada na multiplataforma “US News & World Report”, destacando o ensaio “Como Sua Mente Subconsciente Realmente Molda Suas Decisões”;

Max Freedom Long – livro “Milagres da Ciência Secreta”;

Napoleon Hill – livro “The Law of Success in Sixteen Lessons” (tradução livre: “A Lei do Sucesso em Dezesseis Lições”);

Osho – livro “The Golden Future” (tradução livre: “O Futuro Dourado”);

Osho – livro “From Unconsciousness to Consciousness” (tradução livre “Do Inconsciente ao Consciente”);

Osho – livro “Desvendando mistérios”;

Paul Cresswell – livro “Learn to Use Your Subconscious Mind” (tradução livre: “Aprenda a Usar a Sua Mente Subconsciente”);

Paulo Freire, educador, pedagogo, filósofo brasileiro – livro “A Psicologia da Pergunta”;

Platão – livro “O Mito da Caverna”;

Richard Wilhelm – livro “I Ching”;

Sanaya Roman – livro “Spiritual Growth: Being Your Higher Self (versão em português: “Crescimento Espiritual: o Despertar do Seu Eu Superior”);

Sílvia Lisboa e Bruno Garattoni – artigo da Revista Superintessante, publicado em 21.05.13, sobre o lado oculto da mente e a neurociência moderna.

Site da Associação de Estudos Huna https://www.huna.org.br/ – artigos diversos.

Site www.globalmentoringgroup.com – artigos sobre PNL;

Site Wikipedia https://pt.wikipedia.org/wiki/Ho%CA%BBoponopono, a enciclopédia livre;

Thomas Troward – livro “The Creative Process in the Individual” (tradução livre: “O Processo Criativo no Indivíduo”);

Thomas Troward – livro “Bible Mystery and Bible Meaning” (tradução livre: “Mistério da Bíblia e Significado da Bíblia”);

Tor Norretranders – livro “A Ilusão de Quem Usa: Reduzindo o tamanho da Consciência” (versão em inglês “The User Illusion: Cutting Consciousness Down to Size”);

Wallace D. Wattles – livro “A Ciência para Ficar Rico”;

William Walker Atkinson – livro: “Thought Vibration – The Law of Attraction in the Thought World” (tradução livre: “Vibração do Pensamento – A Lei da Atração no Mundo do Pensamento”) – Edição Eletrônica publicada em 2015;

Zanon Melo – livro “Huna – A Cura Polinésia – Manual do Kahuna”;           

Muda…

A chuva de bênçãos derrama-se sobre mim, nesse exato momento.
A Prece atinge o seu foco e levanta voo.
Eu sinto muito. Por favor, perdoa-me. Eu te amo. Eu sou grato(a).

Autor

Graduação: Engenheiro Operacional Químico. Graduação: Engenheiro de Segurança do Trabalho. Pós-Graduação: Marketing PUC/RS. Pós-Graduação: Administração de Materiais, Negociações e Compras FGV/SP. Consultor de Empresas: Projeto OREM® - Organizações Baseadas na Espiritualidade (OBEs). Estudante e Pesquisador Independente sobre Espiritualidade Não-Dualista; Psicofilosofia Huna e Ho’oponopono; A Profecia Celestina; Um Curso em Milagres (UCEM); Espiritualidade no Ambiente de Trabalho (EAT); A Organização Baseada na Espiritualidade (OBE). Certificação: “The Self I-Dentity Through Ho’oponopono® - SITH® - Business Ho’oponopono” - 2022.

0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
0
Would love your thoughts, please comment.x