Artigo “Teaching HUNA to the Children – How Everything was made” [Ensinando HUNA para as Crianças – Como Tudo foi feito] – Max Freedom Long 

Tradução livre Projeto OREM®.

…continuação da Parte VI…

OS TRÊS DESEJOS

Isso demorou o que pareceu muito tempo para as crianças superarem os sete anos de idade e chegarem ao OITAVO ANIVERSÁRIO deles. Eles receberam uma grande festa e tantos animais e pássaros e insetos vieram que quase não havia mais espaço no Jardim quando a Velha Sra. Elefante, que, como sempre estava um pouco atrasada, chegou lá. Mas ela conseguiu se espremer entre as duas girafas, dizendo a elas: ‘Vocês são pessoas tão maravilhosas! Vocês devem fazer dieta o tempo todo para se manterem tão magras e lindas.’

A Sra. Girafa disse: ‘Nós comemos apenas as folhas das árvores mais altas e eu preciso dizer que DE FATO nós mantemos muito bem os nossos números.’

‘Oh querida,’ suspirou a Sra. Elefante, ‘eu acho melhor eu tentar a sua dieta por um tempo. Eu começarei a fazer dieta e emagrecer, você sabe. Mas tem que esperar até amanhã. Hoje eu simplesmente devo pegar um pouco do bolo gigante de aniversário que eu vejo está prestes a ser cortado e distribuído.’

O Pai, que sempre via tudo, mesmo que ele não dissesse nada sobre o que via, avistou a Sra. Elefante e cortou um pedaço muito grande de bolo para ela. Foram necessários dois Chimpanzés Boys para carregá-lo em uma cesta e por causa da multidão, eles tiveram que passar pelos galhos das árvores para chegar lá. Quando chegaram até a Sra. Elefante e lhe passaram a cesta, ela não pôde deixar de chorar algumas lágrimas. ‘Eu sei que eu não deveria,’ ela disse tristemente, ‘mas no Oitavo Aniversário e tudo isso… bem.’ Ela deu uma mordida e se animou. ‘Meu, mas isso é bom e, de qualquer maneira, amanhã só folhas de árvores.’

Estava bastante quente, apesar da bela sombra das nuvens que a Pequena Nuvem fazia sobre o jardim, então ela chamou o seu amigo O Vento e disse: ‘Você me ajuda? Basta soprar uma brisa suave e agradável para refrescar os convidados.’

‘Feliz em ajudar!’ respondeu O Vento e ele abriu o seu saco de vento só um pouquinho para que abanasse todo mundo direitinho.

Bem, foi uma festa maravilhosa e as crianças ganharam tantos presentes bonitos que mal podiam contá-los. Mas no final do dia, quando todos os convidados tinham ido para casa e tudo estava arrumado novamente, Eva Preto disse à mãe enquanto ela estava sendo colocada na cama com as três novas bonecas e um novo gatinho, ‘A única coisa em que eu consigo pensar que nós perdemos foi que as Fadas e a sua Pequena Rainha não vieram.’

‘Elas de fato não gostam de multidões’, disse a Mãe. ‘Mas talvez amanhã você possa fazer uma visitinha a ela e ver se ela pode ter ou não um presente para você.’

Então, no dia seguinte, Eva Preto contou para as outras crianças e todas trabalharam duro para ficarem muito quietas e libertarem os seus pensamentos de medo, de ganância ou de qualquer tipo de feiura. Feito isso, eles foram para a floresta e fizeram um círculo para ver as fadas aparecerem. E elas apareceram, quase de uma vez, todas cantando em suas pequenas vozes, ‘Feliz Aniversário, queridos Adâmicos, Felizes Aniversários para vocês!’

Então veio a pequena Rainha das Fadas deslizando por um raio de sol com as suas lindas e finas vestes flutuando atrás dela. Ela colocou a sua coroa mais bonita e escolheu o seu cetro mais bonito. Prometia ser outro aniversário e ainda melhor. Mas todas as crianças fizeram o possível para NÃO pensar um único pensamento ganancioso do que poderiam ganhar de presente.

Quando os cumprimentos terminaram e a Pequena Rainha fez com que os duendes parassem de cantar a canção de aniversário, que, uma vez iniciada, eles pareciam nunca mais querer parar, assim como alguns meninos e meninas que odeiam parar quando estão fazendo algo divertido, mas já fizeram mais do que o suficiente, ela disse: ‘Vocês se lembram de quando cada um de vocês ganhou o meu Beijo Mágico e como, naquela época, eu prometi a cada um de vocês um DESEJO? Na verdade, eu prometi a vocês três desejos entre cada par de vocês. Isso porque vocês podem fazer um desejo ruim e precisar de um terceiro para se livrarem dele. Hoje, como os seus Presentes de Aniversário, eu lhes darei a chance de usar esses Desejos.’

‘Oh, delícia, delícia,’ as crianças choraram todas juntas e elas bateram palmas e começaram a sussurrar de um lado para o outro, cada Adão para a sua Eva, para decidir qual seria a coisa mais maravilhosa possível a se desejar.’

‘Lembrem-se’, advertiu a Pequena Rainha enquanto ajustava a pequena estrela em seu cetro para fazê-la brilhar exatamente para os Desejos, ‘Cada par de vocês deve concordar inteiramente com o que desejam quando fizerem o seu desejo. Quando até mesmo os adultos não conseguem concordar com o que querem, geralmente não conseguem nada do que eles gostam.’

Adão e Eva Branco foram os primeiros a decidir o que queriam. Adão disse, quase sem fôlego de excitação: ‘Nós poderíamos desejar viver em um tempo muito à frente que nós vimos no Telescópio do Tempo do Pai? Era uma época em que eles tinham um rei que usava um manto de púrpura e uma coroa de ouro e ele estava sentado em um grande lugar redondo com todo o seu povo para ver jogos e coisas. Eva quer ver as adoráveis ​​damas e suas belas vestes e eu quero ver os jogos para que eu possa aprender um novo e nós possamos jogar aqui em vez de beisebol – um jogo sem os Chimpanzés Boys sempre ganhando.’

A Rainha sorriu e desenhou um grande círculo no ar com o seu cetro e fez um belo buraco redondo na parede que normalmente não se vê, mas que separa a nossa parte do mundo do OUTRO LADO. ‘Venham’, ela convidou e liderou o caminho pelo buraco.

Dentro dele era um mundo completamente diferente – um estranho e maravilhoso mundo. A Rainha apontou aqui e ali com o seu cetro enquanto explicava: ‘Aqui estão os Aumakuas cuidando das formas-pensamento que você tem enviado a eles todos os dias. Eles as usam para fazer os dias vindouros e quando você envia bons pensamentos, eles podem fazer bons dias para vocês aproveitarem, mas se acontecer de vocês enviarem pensamentos ruins, vocês terão dias ruins. E aqui onde todos esses Espíritos Brilhantes estão trabalhando, é aqui que o Pai mantém a maioria de seus PADRÕES de coisas e eles os colocam na frente das linhas para se tornarem COISAS reais quando ele está pronto para eles do outro lado do MURO. Você vê aquele lindo novo tipo de flor que está prestes a ser empurrada através da parede? Não é linda? E tão perfumada! Mas venham por aqui. Eu peguei emprestado o Telescópio do Tempo do Pai e todos vocês podem se revezar avançando no tempo para saborear a vida como ela será daqui a séculos. Vocês podes escolher os seus horários, mas eu  temo que não possa ter muita certeza de onde vocês pousarão quando eu os mover no tempo e colocá-los no lugar que vocês selecionaram. Devo avisá-los que vocês podem não gostar quando chegarem lá e, se não gostarem, devem usar o vosso terceiro desejo para mudar as coisas. Vocês entendem e querem correr o risco de chegarem a aterrizar no meio de algum problema bastante ruim?

As crianças estavam todas muito sóbrias enquanto pensavam no que ela havia dito. Então a Eva Vermelho disse: ‘Se nós pudermos usar o terceiro desejo para sair de problemas, eu penso que isso seria muito divertido e seguro o suficiente.’

As outras crianças concordaram e isso foi resolvido. Mas a Rainha advertiu: ‘Tenham muito cuidado para não usarem o seu terceiro desejo em qualquer coisa, não importa o quão adorável, ou vocês podem ser pegos onde eu não posso ajudá-los’. Ela se virou para o Adão Branco, que estava bem atrás dela, e disse: ‘Você pode ser o primeiro. Olhe para o Telescópio do Tempo e veja se você pode ajustá-lo em uma hora e lugar onde eles estão tendo jogos como você deseja ver e onde as belas damas estão vestindo roupas finas para a Eva se divertir.’

O Adão olhou no Telescópio do Tempo e girou a roda até encontrar um lugar que parecia certo. A Rainha chamou um ajudante de barba branca que estava lubrificando uma grande roda de vidro através da qual se podia ver por baixo um grande mapa-múndi. A roda se moveu e disse Tick, Tock enquanto contava segundos de tempo. ‘Padre Chronos’, disse a Pequena Rainha em voz alta, pois ele era um pouco surdo, ‘este par escolheu um lugar no tempo. Você verá se você pode movê-los para lá?”

Pai Chronos, que também era chamado de Pai Tempo e que era o irmão mais velho do Tio Gabriel dos Discos Voadores e Guardião dos Céus, olhou por cima dos óculos para Adão e Eva Branco e fez sinal para que se aproximassem da roda gigante e ficassem em pé num pequeno quadrado de vidro no chão. Ele então pegou o seu lápis e fez alguns problemas de aritmética muito difíceis.

Depois de verificado e testado as suas respostas cuidadosamente, ele resmungou: ‘O Coliseu Romano, hein? Hora do jogo. Sim, eu verei se consigo identificar. Vocês querem ser o imperador e a sua rainha, sentados com alguns nobres no camarote real e assistindo aos jogos, eu suponho que vocês queiram. Bem, é difícil acertar um lugar tão pequeno no momento certo e se eu errar um pouco, vocês terão que perguntar onde estão os jogos e ir até lá a pé ou em sua carruagem, se tiver. Agora fiquem parados e eu verei o que eu posso fazer.’

Ele colocou um ponteiro longo para um determinado ponto, olhou para o relógio e então apertou um botão vermelho. A grande roda do tempo saltou de repente um pouco à frente e então parou e deslizou silenciosamente de volta para onde estava antes.

Adão e Eva Branco de repente se viram, não em trajes reais esperando para ver os jogos, mas em uma grande sala de pedra olhando através das grades para a grande arena onde os jogos eram disputados. Havia milhares de pessoas sentadas nos assentos ao redor e acima da arena e bem na frente no centro, estava o camarote real com o imperador – um homem muito obeso – e a sua esposa muito bem alimentada com os nobres e suas esposas obesas. O imperador estava vestido com um manto de púrpura real e a sua coroa era uma coroa de folhas de ouro, como os vencedores dos jogos podiam usar, porém a deles era feita de folhas de uma árvore.

Com eles na grande sala estavam a mãe e o pai de Adão e Eva e vários outros homens e mulheres com as suas famílias. Eles estavam todos vestidos com roupas estranhas e estavam muito sujos e muito magros e famintos.

‘Que tipo de jogo eles vão jogar?’ Adão perguntou a seu pai enquanto observava seis homens empurrando uma grande gaiola sobre rodas de uma grande porta na parede sob o camarote real. A jaula estava cheia de leões muito magros.

‘Não ouse chamar isso de jogo,’ sussurrou o seu pai. ‘Em breve eles abrirão esta porta e nos empurrarão para a arena. Então nós, homens, nós receberemos pequenos porretes e o árbitro gritará que o povo está prestes a ver um combate entre Cristãos e leões. Então o Imperador puxará a corda para soltar a trava e deixar a porta da jaula cair. Sairão os leões e nós oraremos e lutaremos, mas mantenham a Fé até o nosso último suspiro.’

‘O que faz um Cristão?’ perguntou Eva, começando a ficar assustada. A sua mãe respondeu.

‘Um Cristão é aquele que adora o verdadeiro Deus e o Seu Filho. Todos os outros têm que adorar o Imperador, mas nós não podemos fazer isso. NÓS somos Cristãos.’

‘Oh,’ disse Eva duvidosamente.

‘Aqueles leões,’ sussurrou Adão. ‘Eles não se parecem com os nossos leões em casa? Eu tentarei um pouco de conversa Telepática com eles e dizer-lhes para não nos comerem. Ele torceu o rosto para parecer o máximo possível com o de um leão e começou a enviar os seus cumprimentos aos leões na jaula. O maior leão parou de rugir e ergueu o ouvido para ouvir.

Logo ele respondeu: ‘Quem é você e como é que você fala a fala do leão?’

O Pai Tempo olhou para eles através dos óculos e depois para eles por cima dos óculos. ‘Quão perto eu cheguei?’ ele perguntou. ‘Eu não poderia ter colocado vocês no lugar do Imperador e a sua Rainha ou vocês não gostariam de voltar tão cedo. Vocês não demoraram mais de dez minutos.

‘Você errou o camarote do Imperador pelo comprimento de metade da arena,’ disse Adão. Foi uma boa mira, mas um pouco errada.’

Adão Pardo Claro disse: ‘Bem, você viu um jogo ou parte de um e que tipo de jogo?’

Adão Branco balançou a cabeça. O seu rosto estava um pouco pálido e as suas sardas se destacavam escuras em seu nariz. ‘Nós não vimos um jogo. Nós caímos bem no que estava prestes a ser um jogo. O nosso lado era o dos Cristãos e nós deveríamos jogar contra os leões, mas os homens-macaco na plateia ou alguém, manipularam para que os Cristãos não tivessem chance. Eu vi isso assim que nós chegamos lá e consegui que os leões se juntassem aos Cristãos para formar um time. Nós jogamos contra o Imperador e os nobres e eu capitaneei o nosso time e fiz com que o nosso lado jogasse limpo, mesmo que o outro lado jogasse sujo. A nossa equipe fez uma série de jogadas para enganar o adversário e depois uma série de jogadas através do centro [posição center no futebol americano]. Nós ganhamos.’

‘Qual foi o placar [pontuação, score]?,’ perguntou o Adão Preto. ‘Ou houve algum placar pela maneira como você jogou o jogo?’

‘Nós não tivemos tempo de calcular o placar’, respondeu Adão Branco pensativo. ’Mas se houvesse um placar, o nosso lado teria vencido pelo menos de 20 a zero.’

‘Então você poderia dizer que você acabou por comê-los’, disse Adão Preto.

Adão Branco tremeu. ‘Sim, eu acho que você poderia dizer isso. Mas os leões deixaram as esposas fugirem e isso foi legal da parte deles, considerando tudo.’

Eva Vermelho disse para a Eva Branco: ‘Você viu vestidos bonitos?’

Eva Branco balançou a sua cabeça. ‘Eu estava com muito medo de olhar para eles e estava com tanta fome que quase usei o nosso último desejo pedindo um prato de sanduíches. Mas Adão foi maravilhoso. Ele viu exatamente o que fazer e se ele tivesse apenas nossos Chimpanzés Boys para jogar em seu time, o seu lado poderia ter conquistado todos em Roma!’

Eva Pardo Moreno perguntou: ‘Quem ou o que eram aqueles Cristãos?’

‘Eu realmente jamais descobri,’ respondeu Eva Branco. ‘Na próxima vez que nós tivermos uma aula de história, eu perguntarei ao Pai. Ele sabe tudo e pode nos dizer. Mas pelo menos eles eram boas pessoas e queriam jogar limpo.’ Ela pensou um minuto, então acrescentou. ‘Eles estavam com muita fome e sujos, mas não adoravam o Imperador.’

‘O que aconteceu com o Imperador?’ perguntou Adão Amarelo, o Celestial.

Adão Branco balançou a cabeça lentamente. ‘Nós nunca saberemos bem. Mas a última vez que o vi quando nós saímos foi a sua toga roxa. Dois leões a puxavam e a despedaçavam. Ele não estava nela.’

‘Quem é o próximo?’ perguntou o Pai Tempo um pouco impaciente. ‘Eu tenho todo o tempo que existe, mas vocês não podem ter mais de vinte e quatro horas em um dia, vocês sabem.’

Adão Vermelho deu um passo à frente, puxando a sua Eva pela mão. ‘Deixe-nos tomar a nossa vez. Nós vimos uma tribo muito legal de pessoas vivendo na América do Norte em tendas de pele. Nós queremos ir morar com eles um pouco e aprender como eles caçam e fazem fogueiras e tudo mais.’

Eva Vermelho disse: ‘Eu estou com um pouco de medo, já que os outros passaram mal em Roma, mas eu suponho que eu deva ser corajosa.’

‘Eu cuidarei de você’, prometeu Adão Vermelho. ‘Apenas confie em mim e venha.’

Assim eles ficaram na placa de vidro ao lado da Roda do Tempo e o Pai Tempo colocou o ponteiro em um lugar que ele achou que poderia ser muito bom. Ele apertou o botão vermelho e o volante deu um solavanco e eles foram desligados. Quando eles descobriram que tinham chegado, eles olharam ansiosamente ao redor.

Eles estavam em uma grande tenda de pele e sobre uma pele de urso no chão estava uma garota indiana de cerca de dezesseis anos, vestida com roupas de camurça gastas e esfarrapadas. Ela estava dormindo e Eva estava abanando as moscas para longe de seu rosto magro.

‘Como as minhas mãos estão enrugadas,’ exclamou Eva Vermelho. ‘E você, Adão, eu mal o conheço. Ora, nós somos velhos e grisalhos! A Roda do Tempo deve ter saltado muito à frente. O que nós devemos fazer?’

‘Agora não chore nem se empolgue’, disse Adão Vermelho, embora estivesse um pouco assustado por se ver tão velho. ‘Eu vejo que nós devemos ter vivido aqui por um bom tempo. Eu pareço ser um médico ou curandeiro. Lá atrás de você estão os remédios que eu dou aos doentes. Eu suponho que você me ajuda e cuida da casa.

Eva Vermelho pensou por um momento, então disse: ‘Sim, isso tudo me alcança. Nós chegamos aqui há muito tempo e éramos de tribos diferentes. Você viveu como o filho do Homem da Medicina [Curandeiro] da tribo e, quando cresceu, veio para a minha tribo e me roubou para ser a sua mulher. Eu fiquei feliz por você ter feito isso e pensei que você fosse um bom curandeiro e um jovem muito sábio.’

A menina adormecida se mexeu um pouco, depois acordou e sentou-se. ‘Eu quero ir para casa’, disse ela e começou a chorar.

Adão Vermelho olhou desesperadamente para Eva Vermelho e disse: ‘Agora eu me lembro. Nós estamos tentando curar essa garota da pior doença que existe. Eu não conheço a cura para isso e nós não sabemos de que tribo ela vem ou para onde o seu povo foi. Tudo o que nós sabemos é que ela estava perdida e o chefe a enviou para nós para ser curada.’

‘Qual é o nome da doença dela?’ perguntou Eva Vermelho. ‘Alguma vez nós tivemos isso nos dias de muito tempo atrás, quando nós vivíamos no Jardim?’

‘O único nome que conheço para isso’, disse Adão Vermelho, ‘é saudade de casa. Eu não conheço nenhuma erva ou casca ou oração ou canto que a cure. Em alguns casos, nem mesmo anos de passagem do tempo irão curá-la.’

Eva Vermelho ficou perdida em pensamentos por um longo tempo, mas segurou a garota em seus braços e a deixou chorar. Finalmente Adão Vermelho falou. ‘Sim, nós estamos pensando a mesma coisa, Eva Vermelho. Passaram-se anos antes de nós pararmos com o desejo de voltar ao Jardim e mesmo assim às vezes você se lembra e chora à noite. Sim, a saudade é realmente uma doença muito difícil.’

Lágrimas vieram aos olhos de Eva Vermelho e começaram a escorrer por seu rosto enrugado. ‘Ainda me sinto muito mal quando me lembro de nossas vidas como crianças no Jardim. Eu gostaria que nós estivéssemos em casa novamente.”

Houve um súbito puxão e um clarão de luz e para a sua surpresa eles se viram parados ao lado da Roda do Tempo com todos os seus amiguinhos olhando para eles com curiosidade.

‘Vocês se foram há apenas dois minutos’, repreendeu o Pai Tempo. ‘Aconteceu alguma coisa? Eu perdi o meu lugar e coloquei vocês em um lugar ruim para que vocês tivessem que usar o seu último desejo e voltar para casa?

‘Algo estava errado’, respondeu Adão Vermelho. ‘Quando nós chegamos lá, nós estávamos velhos e enrugados.’

Eva Vermelho interveio apressadamente, ‘E nós já tínhamos morado lá por anos e anos, mesmo que fosse apenas dois minutos aqui. O cabelo de Adão Vermelho estava quase branco, pelo menos o pouco que restava dele. E eu estava toda ressecada e as minhas mãos estavam enrugadas.’

‘Deus meu’, disse o Pai Tempo. ‘Eu devo ter adicionado errado quando eu calculei a hora e o lugar. Eu receio ter esquecido de testar os meus problemas. Devo ter mais cuidado no futuro. Mas essa foi a única razão pela qual você voltou para casa tão rapidamente? Apenas a idade?’

‘Eva Vermelho olhou envergonhada para as suas mãos. ‘Não foi isso. Foi porque nós estávamos com saudades do Jardim por anos e anos e porque não há remédio para a saudade de casa.’

A Pequena Rainha sorriu e assentiu. ‘Eu sei tudo sobre isso. Eu estava com saudades da Irlanda depois que nós fomos trazidos para o Jardim. E ainda eu estou às vezes. Algum dia eu pedirei ao Pai que nos deixe ir para casa, mesmo que seja apenas para uma breve visita.’

O Pai do Tempo balançou a cabeça e a sua barba branca balançou para frente e para trás. ‘Não volte’, avisou. ‘Quando alguém está fora por até dois anos, as coisas terão mudado tanto que não será mais um lar. E isso deixará você muito triste.’

‘Mas’, interrompeu Adão Vermelho, ‘nós havíamos partido anos e anos, envelhecidos e enrugados, mas certamente nós estamos felizes por estarmos em casa. Isso nos deixa felizes em vez de tristes.’

‘No seu caso’, disse o Pai Tempo, ‘você tinha saído apenas dois minutos reais, embora parecesse quase uma vida inteira. Apenas aceite a minha palavra. Eu sei tudo sobre o tempo e o que ele faz com as pessoas e lugares. Eu digo, NUNCA VOLTE, não, nunca volte esperando que as coisas sejam como eram antes.’

‘Mas se você não superar a saudade de casa? E então?’ perguntou Eva Vermelha.

‘Você tem que dar um grande sorriso e suportar isso’, disse o Pai Tempo gentilmente. ‘O tempo, do qual eu tenho muito, cura quase tudo, mas não a saudade de casa. Ela vive no coração em vez da cabeça e os corações não são muito razoáveis. A única coisa que não muda e para a qual se pode voltar depois de anos longe, é o mar. E isso é estranho, porque o mar nunca oferece um lar. Ao olhar para os meus anos, vi homens navegando em um navio após o outro. Não são os navios que eles consideram quando estão longe do oceano e ficam com saudades de casa, é o todo, pode-se dizer, todos os oceanos do mundo. Sim, você PODE voltar para o mar.’

‘Venha’, disse a Pequena Rainha, agitando o seu cetro até que a sua estrela brilhasse. ‘Vamos todos esquecer os pensamentos tristes e vamos ser alegres! Os que restaram de vocês veem uma hora e um lugar que gostariam de visitar?’

Adão Pardo Claro e a sua Eva deram um passo à frente. Adão disse: ‘Nós vimos algumas pessoas muito felizes que tinham trenós e cães para puxá-los e havia neve e eles tinham roupas de pele para mantê-los aquecidos. Nós pensamos que seria um bom lugar seguro para tentar.’

‘Hum, Esquimós’, murmurou o Pai Tempo, puxando a barba. ‘Um salto à frente para chegar até eles e não tenho certeza de que essa seja uma boa época do ano para ir até lá. No entanto, você sempre pode voltar ao seu último desejo se não der certo.’ Ele pegou o seu lápis e trabalhou alguns problemas de aritmética e testou as suas respostas com cuidado. ‘Fiquem no quadrado de vidro’, ele ordenou, e começou a colocar o ponteiro sobre o lugar certo. ‘É o mais perto que posso chegar disso’, disse ele, e com isso apertou o botão vermelho.

Em um instante, Adão e Eva Pardo Claro encontraram-se com várias outras pessoas, grandes e pequenas, todas vestidas com peles e todas, exceto os bebês montados em capuzes de pele de suas mães, comendo gordura de baleia.

Eva Pardo Claro disse: ‘Eu nunca gostei de gordura, mas isso tem um gosto muito bom e ainda eu estou com fome, mesmo estando tão satisfeita que mal consigo andar.’

Adão Pardo Claro sorriu para ela sobre o pedaço que estava mastigando. ‘O mesmo comigo e o Pai e a Mãe não ficariam surpresos ao ver como nós estamos sujos, gordurosos e fedorentos!’ Ele olhou para o mar além da praia onde a baleia havia sido levada. Havia grandes pedaços de gelo flutuando ao redor e parecia muito frio e nada convidativo. ‘Você acha que nós podemos aprender a amar o mar e depois sentir saudades de casa por isso?’

Eva Pardo Claro olhou para o horizonte distante e os campos de gelo quebrado. ‘Eu penso que nunca poderia aprender a amar esse oceano. Parece frio e hostil.’ Ela olhou para uma mulher morena que estava vindo até eles e disse baixinho: ‘Deve ser a nossa mãe. Eu espero que nós possamos falar Esquimó.’

A mulher virou a cabeça em direção a um velho enrugado e mal-encarado, dizendo baixinho em uma língua estranha que eles ficaram surpresos ao entender: ‘Alguém que é um homem de magia está dizendo que o seu nariz está ficando frio, o que é um sinal de uma tempestade chegando. Mas os homens querem ficar um pouco mais e cortar mais gordura para levar para casa nos barcos para o nosso acampamento de inverno.

Agora, a mãe de alguém pensa que é melhor que os gêmeos fortes de alguém ajudem a carregar pedaços de gordura para que os barcos fiquem cheios.

As crianças, não confiando em si mesmas para falar a língua estranha, correram para o local onde a última gordura estava sendo serrada lentamente em pedaços com serras muito cegas feitas de bicos de peixes-espada.

Enquanto Adão Pardo Claro observava, ele sussurrou para a Eva Pardo Claro: ‘Que pobres facas! Eu penso que nós poderíamos lascar melhores pedaços com essas pedras pretas da praia. Dê-me uma mão e eu verei se elas lascarão como o Pai nos ensinou.’

Ele pegou um pequeno pedaço de osso, então selecionou um pedaço longo e fino da pedra preta e enquanto Eva Pardo Claro a segurava firme, ele colocou a ponta do osso contra a rocha e, usando uma pequena pedra redonda como martelo, bateu no osso bruscamente. A grande pedra lascou lindamente. ‘Nós teremos uma faca fina em pouco tempo, disse Adão Pardo Claro e com batidas rápidas enquanto Eva Pardo Claro segurava a pedra, os flocos caíram e uma boa borda irregular, mas afiada se formou.

O velho homem mago tribal os observava com desconfiança. Ele se aproximou e deu um grunhido questionador.

‘Os gêmeos de alguém estão fazendo uma faca de pedra muito afiada e que cortará gordura’, explicou Adão Pardo Claro educadamente. Ele levou a faca para a baleia e cortou facilmente um quadrado de gordura. Os homens pararam curiosamente para observar e Adão Pardo Claro disse: ‘Se alguém quiser ver como fazer uma faca de pedra, eu mostrarei a você. Isso é muito fácil.’ Ele gesticulou para a Eva Pardo Claro e ela escolheu outra pedra e a segurou. Ele lascou a sua borda rapidamente e de sua plateia vieram gritos de deleite.

‘Isso é uma maneira maravilhosa de fazer facas!’ gritou um dos homens. ‘Nós todos precisamos aprender!’

O velho homem mago parecia estar ficando verde de inveja. De repente, ele começou a gritar: ‘Cuidado! Cuidado! Os gêmeos de alguém foram enfeitiçados por espíritos malignos. Nós precisamos correr para casa e deixá-los aqui ou nós seremos todos tomados por espíritos malignos. Todos vocês não sabem que ninguém pode cortar pedra com um pedaço de osso a não ser com a ajuda de espíritos terríveis e malignos? Corram! Corram por suas vidas! Aos barcos! Corram!”

De repente, todos se assustaram e começaram a correr para os quatro grandes barcos de pele que estavam escondidos na praia atrás da carcaça da baleia para que as crianças não os vissem.

‘Isso não são espíritos malignos!’ gritou Adão Pardo Claro. ‘Qualquer um pode fazer facas de pedra!’

‘Não nos deixem aqui!’ implorou a Eva Pardo Claro e ela e Adão Pardo Claro tentaram entrar no barco atrás da mãe. Mas os homens os empurraram e os barcos deslizaram na água e todos remaram furiosamente para fugir da margem.

O velho homem mago sacudiu o punho para eles e gritou maldições. ‘Congelem! Morram de fome! Sejam comidos pelos grandes ursos! Morram! Morram!’

Eva Pardo Claro agarrou-se a Adão Pardo Claro e começou a chorar. ‘O que nós podemos fazer? Nós não podemos ficar aqui sem casa e nós não podemos comer gordura por muito tempo porque já está quase tudo acabado. Oh, oh, oh! Eu gostaria que nós estivéssemos em casa!’

Isso funcionou. Houve um solavanco e um clarão de luz e no momento seguinte eles estavam de pé na placa de vidro ao lado do volante entre os seus amigos. Eva Pardo Claro jogou os braços ao redor um após o outro e abraçou cada um enquanto tentava gaguejar em que perigo eles estavam e como eles estavam felizes por voltarem em segurança para o Jardim.

O Pai Tempo consultou o relógio. ‘Menos de quatorze minutos’, disse ele. ‘Então, o que fez esse par de bravos aventureiros voltarem tão rapidamente?’

Adão Pardo Claro, com a ajuda de Eva Pardo Claro quando deixou alguma coisa de fora, contou a história deles. Todos ouviram sem fôlego. ‘Eu não sei bem o que aconteceu’, disse Adão Pardo Claro quando terminou. ‘Nós estávamos apenas tentando ajudar a fazer facas de pedra como o Pai nos ensinou. Isso agradou a todos, exceto aquele velho homem mágico.’

‘Exatamente’, disse o Pai Tempo sabiamente. ‘Em cada grupo há alguém que é o chefe e se esse alguém ver alguém fazendo algo que possa cortar o seu poder, ele faz o possível para acabar com ele. No seu caso foi o mágico. Ele não podia permitir que fosse visto que alguém era mais inteligente do que ele. Então ele fez as pessoas pensarem que vocês estavam sendo usados por espíritos malignos e que ter você por perto poderia fazer com que os espíritos enfeitiçassem todos eles. Ele era muito astuto.’

‘Mas eles precisavam tanto de facas de pedra,’ disse Eva Pardo Claro.

‘Claro que eles precisavam. Muitas pessoas precisam de muitas coisas que homens inteligentes podem perceber como conseguir para elas. Mas sempre há um mago ou chefe ou patrão ou rei ou alguém que não ousa deixar outras pessoas mostrarem que são mais inteligentes. Isto não falha! Basta deixar uma pessoa muito inteligente ter uma boa ideia e eles a expulsam da cidade e colocam a multidão tagarelando em seus calcanhares. As pessoas realmente inteligentes logo aprendem a manter a boca fechada ou a encontrar uma maneira de fazer o chefão pensar que ele teve a ideia. Mas venham, o tempo está gastando e a tarde já passou pela metade. Quem mais tem coragem de tentar uma aventura no tempo futuro?’

Adão Amarelo, com a sua Eva Amarelo, os Celestiais, avançaram hesitantemente. ‘Se não for muito perigoso’, disse Adão Amarelo, ‘nós gostaríamos de ir para a terra onde me estabelecerei e o que os filhos de nossos filhos fizeram para aprender a viver de maneira adequada. Através do Telescópio do Tempo, nós vimos um rei muito sábio e esplêndido que estava ocupando a corte e fazendo com que as pessoas más façam o que é certo pelas pessoas que machucaram. Eu gostaria de ir a essa corte e talvez nós pudéssemos ser nobres da corte e usar roupas finas.’

O Pai Tempo coçou a sua careca e pensou um pouco. ‘Isto deve ter sido o Imperador Zhu Di, da Dinastia Ming’, ele decidiu e começou a calcular com o lápis. Logo ele estava pronto e apontou para o prato de vidro. ‘Eu os levarei o mais perto possível do lugar certo, mas não se esqueçam e usem o seu último desejo em algo tolo como desejar ter algo para comer. Não há como saber o que você pode encontrar, mesmo em um lugar tão civilizado quanto a China.

Quando o botão vermelho foi pressionado, a roda saltou, travou ligeiramente, saltou mais duas vezes e depois recuou um pouco. Adão Amarelo e Eva Amarelo se sentiram como se estivessem sendo jogados e rolados por milhares de calendários, mas a queda parou e eles conseguiram recuperar o fôlego.

Adão Amarelo se viu se movendo para cima e para baixo em um belo trono. O médico da corte veio correndo e, depois de uma reverência baixa, apressou-se a sentir o seu pulso e perguntou: ‘Ó Divino Altíssimo, o que aconteceu com você? Você está doente? Algum demônio fez você se mover assim para cima e para baixo em seu trono?’

Adão Amarelo fez o possível para se lembrar de quem ele era e de qualquer coisa sobre a sua vida que pudesse ajudá-lo no momento. Ele se lembrou de algo e disse: ‘Não é nada. As minhas velhas feridas de batalha às vezes me apunhalam para que eu me movimente.’

‘Então isso está no meu campo’, gritou um velho homem. ‘Isso talvez seja um presságio de guerra. Se o Altíssimo me der licença, eu correrei para os meus livros e farei um horóscopo para o momento e para o evento. Se a guerra for prevista, eu retornarei de imediato.’

Adão Amarelo assentiu e o velho saiu mancando pela grande sala onde muitas pessoas ricamente vestidas estavam sentadas diante do trono. Guardas armados estavam de pé por perto e ao seu redor se reuniram homens que Adão considerou serem os nobres de sua corte. Com prazer notou a riqueza das sedas que usava.

Um homem que ele reconheceu como o cozinheiro chefe do palácio e um grande amigo, veio por trás de seu trono e sussurrou: ‘Comida é boa para saltos, ó Melhor dos Imperadores. E está na hora de um lanche. Você gostaria de declarar um recesso nas audiências do tribunal da corte enquanto eu sirvo chá e biscoitos?’

‘Uma excelente ideia,’ concordou Adão Amarelo alegremente e ele começou a arregaçar as mangas de seda que desciam 30 centímetros abaixo de suas mãos para mostrar que ELE nunca tinha que levantar a mão para fazer qualquer tipo de trabalho. Os servos apareceram como por magia quando ele gritou: ‘Recesso!’

Todas as pessoas pareciam satisfeitas e os homens de alto escalão começaram a arregaçar as mangas. Uma bandeja foi colocada diante de Adão e nela ele viu um grande bule de chá fumegante, cinco tipos de bolinhos salpicados de sementes e um prato de raiz de gengibre cozido no caldo de cana-de-açúcar para torná-la doce. Ele pegou os seus pauzinhos [hashi] e experimentou o gengibre. Estava uma delícia. Um servo serviu-lhe uma tigela de chá, mas quando ele estava experimentando o chá e os bolos, ouviu-se um grande clamor dos aposentos da Imperatriz que estavam logo atrás do trono. A fumaça encheu o ar e os bombeiros correram de todas as direções com baldes de água e baldes de areia para combater o fogo. As mulheres gritavam e corriam.

Uma voz sussurrou sobre o seu ombro: ‘A Imperatriz começou um tumulto!’ disse a voz com urgência. ‘Os meus homens estão batendo nas mulheres com paus para acalmá-las, mas elas estão histéricas em revolta! Quais são as suas ordens?’

‘O que a Imperatriz fez?’ perguntou Adão Amarelo, mas não houve tempo para uma resposta.

Além disso, o Nobre Afronta [Nobleman Gee], de quem ele há algum tempo suspeitava de traição, havia tirado uma espada de debaixo do manto e gritava: ‘Abaixo o Imperador! Sigam-me!’

Ele correu em direção ao trono para cortar a cabeça de Adão Amarelo, mas Adão Amarelo descobriu que sabia exatamente o que fazer. Ele jogou o bule de chá quente com a pontaria de um lançador de basebol e atingiu o nobre bem no rosto, parando-o até que ele pudesse tirar rapidamente a capa e pegar uma espada que um guarda leal lhe estendeu.

Gritando o seu velho grito de guerra de ‘Ratos ou homens!’ ele balançou a sua espada e decepou a cabeça do nobre tão bem quanto você imaginar. Os seus guardas formaram fileiras atrás dele e começaram a lutar contra os revoltosos, todos gritando o velho grito de guerra. Enquanto ele avançava sobre o inimigo com a sua espada erguida, Adão Amarelo ouviu Eva Amarelo gritando de seus aposentos atrás dele e então veio um puxão, um solavanco e um clarão de luz.

De repente, ele e sua Eva Amarelo estavam de volta, de pé ao lado da roda do tempo com Eva Amarelo chorando quase histericamente e olhando para os seus pés.

‘Bem’, disse o Pai Tempo, olhando para o relógio. ‘O que aconteceu com vocês ousados ​​em cinco minutos? O dragão chinês perseguiu vocês?’

‘Nós não vimos nenhum dragão,’ disse Adão Amarelo, respirando com dificuldade para recuperar o fôlego e deixando Eva Amarelo terminar de chorar em seu ombro, ‘e eu não tenho certeza do que aconteceu. Eu estava prestes a acabar com uma revolta que Eva Amarelo começou de alguma forma e então ela deve ter-nos desejado voltar para casa.

‘Eu comecei!,’ soluçou Eva Amarelo. ‘Uma das mulheres ia me golpear com uma longa adaga enrugada. Eu mal nos tirei vivos de lá!’

‘Eu não estava indo tão mal, com a minha parte do problema’, disse Adão Amarelo.

‘Não se gabe,’ disse Eva Amarelo indignada. ‘Você tinha uma espada e apenas homens para lutar. Eu podia ver você pelas frestas da janela atrás de seu trono. Mas as minhas mulheres tinham enlouquecido. Uma delas havia virado a grande tigela onde o carvão queimava para me manter aquecida e todo o palácio estava prestes a queimar, comigo nele. Todas as mulheres ficaram histéricas e queriam me matar, mesmo quando eu estava fazendo o maior favor que você poderia imaginar!’

‘Que tipo de favor?’ perguntou Adão Amarelo desconfiado. ‘Você ordenou que as cabeças delas fossem cortadas ou algo assim?’

‘Não seja tolo,’ retrucou Eva Amarelo, enxugando os olhos no lenço que ele entregou a ela. ‘Como Imperatriz, eu dei uma ordem que deveria ter feito todas as mulheres da China felizes. Além disso, eu tinha que fazer alguma coisa e isso era tudo que eu conseguia pensar em fazer. Não sei o que há de errado com as mulheres. Agora, se fossem apenas homens.’

‘Espere,’ disse o Pai Tempo. ‘Eu não percebo a situação. Você está dizendo que desembarcou no palácio como a Imperatriz, mas que havia algo errado e que você estava em algum tipo de perigo no minuto em que você chegou?’

‘Sim, foi isso. A sua antiga roda do tempo não está funcionando direito. Isso nos fez saltar por mais de um século e não terminou o trabalho de me transformar em uma mulher Chinesa.’

‘Então que tipo de mulher você era?’, perguntou o velho ser. ‘Talvez uma de tom de pele preto.”

‘Não,’ disse Eva Amarelo impacientemente. ‘Eu era Chinesa mesmo, mas todas as outras mulheres ao meu redor tinham os pés amarrados para torná-los pequenos e todas elas tinham unhas muito longas com protetores prateados de unhas para protegê-las de quebrar. Aterrissei com as minhas unhas assim e os meus pés assim. Uma das mulheres me viu quase imediatamente e começou a gritar que um demônio havia me transformado em uma mulher cule [palavra antiga; depreciativo; pessoa comum de origem asiática]. Eu tive que fazer algo. Eu dei um tapa nela e disse para ela calar a boca, mas isso a deixou ainda pior. Todas vieram correndo me olhar. Mas eu tive uma ideia. Bati palmas pedindo atenção e disse: Silêncio, todas suas tolas! Uma Imperatriz tem que ser mandona e eu fiz o meu melhor para agir como uma Imperatriz. Então eu disse, tentando me fazer ouvir, decretei um conjunto de novos ESTILOS para as mulheres! Isso não vos deixam felizes? Ouçam! Um novo conjunto de estilos! Nós mulheres agora vamos manter o estilo cortando as nossas unhas – veja, exatamente como as minhas – e tirando as bandagens de nossos pobres pés amarrados para que nós possamos realmente ter pés novamente. E vamos parar completamente de amarrar os pés e o novo estilo será ter pés grandes e saudáveis ​​que não nos machuquem o tempo todo! Isso não é bom? Mulheres! Vocês estão liberadas! Vocês estão livres!’

A Pequena Rainha perguntou: ‘Isso não as agradou? Elas não queriam estar em grande estilo?’

Eva fungou. ‘Elas começaram a chorar e a torcer as mãos e a dizer: Mas então nós, mulheres nobres, seríamos como cules e não haveria nada para mostrar que nós éramos damas bem-nascidas ou ricas! Não! Não! É tradição sagrada! As mulheres tiveram pés amarrados e unhas compridas por todos os séculos. Os céus cairiam se nós tentássemos mudar a tradição sagrada! Retire o seu decreto!’

‘EU NÃO RETIRAREI! Eu disse. Eu não sabia mais o que dizer. E elas ficaram selvagens. Eu fiz sinal para os homens grandes que mantêm a ordem nos aposentos das mulheres e eles correram com varas de bambu para chicoteá-los, mas alguém derrubou a tigela de carvão e o tapete começou a arder. Todos os homens tiveram que parar de bater nas mulheres e correr atrás de água e areia. Do lado de fora, eu vi o Adão Amarelo lutando e eu sabia que não conseguiria alcançá-lo até lá a tempo de me ajudar. Então aquela miserável e sempre ciumenta Sra. Afronta [Gee?] tirou uma grande adaga da manga do casaco e veio na minha direção, gritando, Matem a Imperatriz! Protejam as tradições sagradas! Matem! Matem! E foi aí que eu desisti e desejei que voltássemos para casa e eu não estava um segundo cedo demais. A Sra. Afronta havia levantado o braço e ia atacar. Eu não tinha como me defender como Adão Amarelo tinha.’

‘Você fez tudo certo’, disse Adão Amarelo. ‘E eu estou orgulhoso de você – pés grandes e unhas curtas e tudo de bom.’ Ele riu e deu um abraço nela. ‘De qualquer forma, nós vimos a China.’

O Pai Tempo disse baixinho: ‘Mulheres! Estilos! Tradições! Elas nunca mudam de verdade e nunca superam o medo de serem um pouco diferentes.’ Ele pegou a sua lata de óleo. ‘Não há mais viagens hoje. Andem rápido. Há um rolamento seco em algum lugar no segundo ou terceiro séculos D.C. e pode levar um bom tempo para encontrá-lo e lubrificá-lo. Andem rápido.’

Imagem pexels-pavel-danilyuk-9143825.jpg – 31 de julho de 2022

…continua Parte VIII…

Muda…

A chuva de bênçãos derrama-se sobre mim, nesse exato momento.
A Prece atinge o seu foco e levanta voo.

Eu sinto muito.
Por favor, perdoa-me.
Eu te amo.
Eu sou grato(a).

Autor

Graduação: Engenheiro Operacional Químico. Graduação: Engenheiro de Segurança do Trabalho. Pós-Graduação: Marketing PUC/RS. Pós-Graduação: Administração de Materiais, Negociações e Compras FGV/SP. Consultor de Empresas: Projeto OREM® - Organizações Baseadas na Espiritualidade (OBEs). Estudante e Pesquisador Independente sobre Espiritualidade Não-Dualista; Psicofilosofia Huna e Ho’oponopono; A Profecia Celestina; Um Curso em Milagres (UCEM); Espiritualidade no Ambiente de Trabalho (EAT); A Organização Baseada na Espiritualidade (OBE). Certificação: “The Self I-Dentity Through Ho’oponopono® - SITH® - Business Ho’oponopono” - 2022.

0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest

1 Comentário
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
1
0
Would love your thoughts, please comment.x