Artigo “Teaching HUNA to the Children – How Everything was made” [Ensinando HUNA para as Crianças – Como Tudo foi feito] – Max Freedom Long 

Tradução livre Projeto OREM®.

…continuação da Parte VII…

MAIS SOBRE OS TRÊS DESEJOS

No dia seguinte, depois  do Pai Tempo ter lubrificado todos os rolamentos de sua Máquina do Tempo dos séculos XIV ao XVII, as crianças se reuniram novamente com a Rainha das Fadas para continuar a aventura. Adão Pardo Moreno e Adão Preto estavam muito ansiosos para terem a sua vez de avançar no tempo para ver como seria o mundo muito tempo à frente. As suas Evas não estavam tão ansiosas para fazer as viagens para o futuro. No entanto, onde os seus Adãos fossem, elas iriam. Além disso, cada criança tinha o seu próprio desejo individual para usar e assim compartilhavam o terceiro desejo entre eles, então, a menos que eles estivessem juntos quando quisessem desejar voltar para casa no Jardim, as coisas não funcionariam.

O Pai Tempo estava um pouco irritado. Ele limpou o óleo das mãos e disse à Pequena Rainha: ‘Venham, nós não vamos perder tempo. Quem será o próximo?’

Adão Preto sempre foi o mais educado e atencioso das crianças, então ele empurrou Adão Pardo Moreno e sua Eva para a frente. ‘Vocês podem tomar a próxima volta’, disse ele generosamente. ‘Nós não estamos com muita pressa de ir.’ Eva Preto acenou com a cabeça com força, pois estava assustada, mesmo que não quisesse demonstrar e estava mais do que feliz por ir por último.

‘Fiquem na base’, ordenou o Pai Tempo. ‘E não se mexam tanto. Eu não tenho certeza se a máquina está funcionando bem e vocês podem ser um pouco empurrados de um lugar para outro, mas façam o melhor que puderem. Se o pior acontecer, vocês sempre podem desejar a si mesmos voltarem para casa, vocês sabem.’ Ele olhou para o seu grande relógio e disse: ‘Onde VOCÊS pensam que gostariam de visitar?’

‘Índia’, disse Adão Pardo Moreno prontamente. Nós queremos ver os grandes templos e todas as pessoas em roupas finas montando elefantes.’

O Pai Tempo assentiu e fez as coisas com a Máquina do Tempo com muito cuidado. Então ele disse: ‘Aqui está!’ e apertou o botão vermelho.

As crianças sentiram um estranho zunido e foram sacudidas para cima e para baixo enquanto voavam para a frente quando pousaram na Índia. Eles viram um templo que estava começando a ser construído enquanto eles voavam em direção a ele, mas enquanto eles passavam e voavam, tanto tempo se passou que tudo foi concluído até o último campanário. Eles sacudiram e viram um grande rio em plena cheia, mas ao passarem por ele, o verão chegou e quase o secou. Em seguida, eles viram uma longa procissão de elefantes e de pessoas em trajes maravilhosos andando em grandes cestos que foram presos aos elefantes por cima das alegres vestes de elefante. Havia um pequeno pote e, de repente, eles estavam sentados em uma das cestas. Eles olharam para si mesmos e viram que estavam vestidos com roupas incríveis, todas bordadas em padrões em torno de joias de várias cores.

‘Nós não somos grandes demais!’ sussurrou Eva Pardo Moreno. ‘Quem você acha que nós somos?’

‘Silêncio’, disse Adão Pardo Moreno baixinho. ‘Apenas tente lembrar e isso virá até nós… eu já estou entendendo! Você é uma princesa e eu sou um príncipe e nós acabamos de nos casar e estamos a caminho de casa para o palácio de meu pai!’

Eva Pardo Moreno se lembrou o máximo que pôde e então disse: ‘Sim, é o costume do país. Ainda nós temos apenas oito anos e, embora nós já estejamos casados, em breve eu terei que voltar a morar com os meus próprios pais até ficar mais velha. Em breve nós estaremos separados! Isso não é bom! Nós temos que estar juntos para usar o nosso último desejo caso nós queiramos voltar para casa.’

De repente ocorreu um solavanco e um novo zumbido. Adão Pardo Moreno disse: ‘A máquina deslizou! Segure na minha mão! Aperte firme!’

O solavanco parou rapidamente, mas não até que tudo mudou. Eles se encontraram sentados, ainda segurando as mãos com força, à sombra de uma grande árvore. Ao redor deles havia homens e mulheres ouvindo enquanto um homem próximo ao tronco da árvore os ensinava. Uma mulher que parecia ser a mãe deles estava sentada ao lado deles, ouvindo atentamente. O homem estava dizendo: ‘Amanhã ensinarei a vocês a última das grandes Verdades, a Quarta, que lhes dirá o modo de viver para que vocês possam parar de sofrer. É a jornada do Nobre Caminho Óctuplo [nos ensinamentos do Buda, é um conjunto de oito práticas que correspondem à quarta nobre verdade do budismo; também é conhecido como o ‘caminho do meio’ porque é baseado na moderação e na harmonia, sem cair em extremos], que ensina a Visão Correta, a Aspiração Correta, a Fala Correta, a Conduta Correta, os Meios de Vida Corretos, o Esforço Correto, a Atenção Correta e a Contemplação Correta. Isso é tudo por hoje. Voltem novamente amanhã e eu continuarei o ensinamento das maravilhosas Verdades que eu aprendi enquanto estava sentado e pensando por muito tempo sob esta Árvore Bodhi [Siddhartha Gautama, o líder espiritual que fundou o budismo, teria atingido a Iluminação espiritual (Bodhi) por volta de 500 a.C. sob essa árvore].’

O homem curvou-se ligeiramente e levantou-se para ir com um pequeno grupo de seus seguidores para algum outro lugar. Todas as pessoas se curvaram e se levantaram para ir, Adão e Eva Pardo Moreno e a mãe deles com os outros.

Adão Pardo Moreno perguntou enquanto eles andavam: ‘Quem era aquele homem que estava falando com a gente tão gentilmente?’

‘Como você pode ter esquecido’, disse a sua mãe tristemente. ‘Esse é o príncipe Siddhartha. Ele desistiu de ser um príncipe para poder nos ensinar as Grandes Verdades que vieram a ele sob esta mesma Árvore Bodhi, onde nós vamos ouvi-lo todos os dias.’

‘Eu não entendo muito bem’, disse a Eva Pardo Moreno, esperando que a sua mãe explicasse os ensinamentos. Mas estava muito quente no sol e a sua mãe simplesmente balançou a cabeça e andou um pouco mais rápido.

‘Você é muito jovem para entender ainda’, disse ela. ‘Mas quando você tiver idade suficiente, você pode entender e até colocar o manto amarelo e desistir do mundo para que você possa chegar ao Nirvana. Mas andem rápido. Já é tarde e o seu pai estará em casa querendo coalhada e arroz.’

Mais uma vez, começou o já familiar solavanco e com um novo zumbido as crianças se viram voando no tempo. Quando as coisas se acalmaram mais uma vez, eles se encontraram em um lugar muito diferente. Eles se sentaram em um bloco de pedra branca em frente a um homem moreno sorridente que usava um grande turbante branco e cujos dentes eram muito brancos enquanto ria e brincava com eles. Todos estavam almoçando em uma tigela grande cheia de arroz e pedaços de manga. Foi muito bom. Com copos de bambu eles bebiam uma bebida fresca de frutas que era muito refrescante.

Ao redor deles estavam outros homens e muitas crianças que pareciam ter trazido comida para eles e que ajudavam a comê-la como refeição do meio-dia. Havia grandes quadrados de bambu com coberturas tecidas para fazer sombra e sobre molduras havia grandes placas de mármore que os homens esculpiam para fazer pequenas aberturas como rendas de pedra [pedra ágata]. Um pequeno homem careca que parecia ser muito importante, estava olhando as peças do trabalho e conversando agradavelmente com os pedreiros. Ele fez uma pausa e passou a mão sobre a laje em que o seu pai estava trabalhando. Ele sorriu e acenou com a cabeça em aprovação.

‘Você está fazendo uma peça perfeita’, disse ele ao pai. ‘Leve o tempo que precisar. Shah Jahan irá recompensá-lo bem. Ele quer apenas um acabamento perfeito na construção de seu Taj Mahal como um monumento à sua amada esposa Mumtaz Mahal.’ O pequeno homem abriu uma bolsa bordada que trazia e tirou dela uma pequena moeda de prata que entregou ao pai. ‘Aqui está um pouco mais para você’, disse ele. ‘O Xá não esquece aqueles que têm o maior cuidado.’

As crianças estavam muito orgulhosas do pai e estavam prestes a pedir permissão para olhar a moeda, quando vieram mais solavancos e zumbidos. O pai e as lajes de mármore desapareceram e, quando as coisas se acalmaram novamente, eles estavam mais uma vez em um tempo e lugar diferentes.

Havia um grande rio que desaguava no oceano e amarradas à margem do rio havia várias canoas duplas grandes com casinhas construídas em plataformas conjugadas. No penhasco acima do rio havia uma cidade, com altas torres de templo. Eles estavam observando um homem grande e moreno que conversava com um velho padre e desenhava mapas com um graveto na areia lisa. Eles não conseguiam entender o velho padre, mas conheciam a linguagem do homem que desenhou os mapas. Ele parecia intrigado e cutucava aqui e ali o seu mapa com a sua bengala. De repente, ele se virou para Adão Pardo Moreno e disse: ‘Venha aqui Kema. Eu esqueci exatamente onde nesse mapa fica a terra do Havaí que nós vamos encontrar. Você é filho de um grande Guardião do Segredo e viu o lugar com os seus olhos internos. Venha e mostre a este gentil padre exatamente onde nós planejamos ir ao final de nossa longa viagem.’

Adão Pardo Moreno não achou estranho que lhe pedissem para apontar o lugar no mapa. Ele parecia saber disso há muito tempo. Ele curvou-se educadamente para o padre e pegou a vara. Eva Pardo Moreno se curvou e ficou ao lado dele. Na língua estranha, ela disse: ‘Ali está a primeira terra que nós encontraremos. De volta ao jardim, nós chamávamos de Nova Zelândia. Não é engraçado, eu pareço que estou me lembrando de um lugar onde nós tínhamos um grande mapa na parede e nós aprendemos tudo sobre o mundo.’

‘Psiu’, disse Adão Pardo Moreno. ‘Nós falaremos sobre isso mais tarde’. Ele apontou para o mapa e disse no novo idioma. ‘Primeiro nós vamos para uma grande terra aqui. Mais tarde nós vamos para um pequeno grupo de ilhas aqui e finalmente nós navegamos para o Havaí, onde há oito ilhas. Elas estão no oceano aqui.’ Ele fez uma marca na areia.

O padre coçou o queixo pensativo e começou a falar na língua que Adão Pardo Moreno não entendia. De repente Eva Pardo Moreno o cutucou. ‘Tente uma conversa Telepática. Eu posso entender exatamente o que ele quer dizer dessa maneira. Adão Pardo Moreno tentou e descobriu que isso funcionava.

O padre estava dizendo: ‘Nós estamos muito gratos pelas muitas curas [healing] que o seu povo fez por nós e por compartilhar com os nossos padres o Conhecimento Secreto que você chama de Huna e que também nós tentaremos aprender a usar. Agora me diga, Hawaii Loa1, quando você quer que o meu povo traga os suprimentos que você pediu e quando você vai zarpar para as terras distantes que ninguém jamais viu e que eu espero que você encontre nos lugares marcados quando você chegar lá?’

1 [Hawaii Loa é o herói de uma antiga lenda Havaiana sobre o assentamento das Ilhas Havaianas.]

‘Nós somos muito gratos de nossa parte’, respondeu o líder. ‘Se você nos der os suprimentos amanhã, nós navegaremos quando as primeiras estrelas aparecerem no céu.’ Os homens curvaram-se um para o outro e o velho padre afastou-se lentamente.

Eva Pardo Moreno perguntou animadamente: ‘Nós estamos indo ver a grande ilha do Ceilão e depois Sumatra e Java?’

‘Que nomes você dá às terras estranhas?’ perguntou Hawaii Loa surpreso.

Adão temia que eles estivessem entrando em águas profundas, então ele disse apressadamente: ‘Esses são nomes que nós pensamos que elas serão chamadas daqui a muitos anos.’

O grande homem balançou a cabeça, admirado. ‘Vocês dois certamente serão ótimos Kahunas quando forem mais velhos. Mas vá agora e encontre a sua mãe e diga a ela que amanhã nos preparamos para velejar ao anoitecer.’

‘Sim, Tio’, disse Eva Pardo Moreno e com Adão Pardo Moreno eles caminharam em direção às grandes canoas, sem saber ao certo onde encontrariam a sua mãe e sem saber como ela se parecia. ‘Nós gritaremos Mãe quando nós chegarmos às grandes canoas’, disse ela. ‘Ela certamente nos conhecerá como os seus filhos.’

‘Não, em Inglês,’ objetou Adão Pardo Moreno. ‘Qual é a palavra para mãe nesta nova língua? Não é makuahini? Mas eu tenho certeza de que não é assim que chamamos a nossa mãe.’

Só então o solavanco começou suavemente. ‘Pegue a minha mão!’ gritou Adão Pardo Moreno. ‘Talvez nunca nós precisaremos saber como a chamamos!’ O golpe tornou-se forte e então o grande zumbido se seguiu, com tudo desaparecendo de vista.

A nova cena era uma estranha cena. Em uma enseada do mar azul havia muitas grandes canoas duplas e ao redor de cada uma delas um bando de pequenas canoas individuais. Longe da água estendiam-se belos prados com grupos de árvores e ao longe erguiam-se altas montanhas com neve no topo. Adão Pardo Moreno olhou para as suas mãos e viu que ele estava consertando uma rede. Ele se virou para olhar atrás dele e lá estava Eva Pardo Moreno, parte da grande rede no colo dela. Eles se olharam por um momento, então se aproximaram um pouco mais.

‘Essa deve ser a Nova Zelândia’, disse ele em voz baixa. ‘Eu pareço saber que nós chamamos de Maoris. E eu vejo que temos crescido.’

Eva riu. ‘Nós somos casados. Você consegue se lembrar disso?’

‘Claro’, disse Adão Pardo Moreno. Foi um bom casamento. E eu me lembro de outra coisa. Nós somos Kahunas e chefes de sangue nobre e em breve nós devemos navegar com parte do povo para dar um segundo passo em direção à terra que nós chamaremos de Havaí. Você e eu faremos a navegação e observaremos as estrelas juntos à noite.’

Eva Pardo Moreno franziu a testa em pensamento e não disse nada por um tempo. Por fim, ela perguntou: ‘Você consegue se lembrar por que o Hawaii Loa nos tirou do Egito? Eu penso que deve ter sido antes de nós nascermos.’

‘Tudo o que me lembro é que os velhos costumavam contar como foi previsto pelo nosso líder que, se ficássemos no Egito e naquela parte do mundo, o grande segredo Huna que é nosso trabalho mantê-lo, logo se perderia. Eu tenho certeza de que nós viemos para essa parte distante e vazia do mundo para estar onde nós estamos, os Guardiões do Segredo, podermos preservar o nosso conhecimento sagrado por todos os próximos anos.’

O chão começou a tremer e Adão Pardo Moreno estendeu a mão para pegar a mão de Eva Pardo Moreno para que não se separassem. ‘Nós não ficamos aqui por muito tempo’, ele disse enquanto observava o mar começar a desaparecer e sentir o zumbido vindo.

O zumbido foi muito longo e muito forte. Quando passou, Eva Pardo Moreno olhou para Adão Pardo Moreno enquanto eles estavam sentados na areia ao lado de um mar quente e viu que ele tinha cabelos grisalhos e que o seu rosto estava enrugado. Ela olhou do mar para a terra e viu um belo bosque de palmeiras altas com grandes cachos de nozes pendurados sob as suas copas frondosas. Aqui e ali havia casas de capim, várias agrupadas aqui e várias ali. Olhando para o mar, ela viu várias canoas grandes e pequenas voltando para casa depois de um dia de pesca. Mulheres e crianças estavam reunidas na praia para recebê-los.

Adão Pardo Moreno também olhou em volta para ver onde eles estavam, mas agora os seus olhos estavam presos por uma grande nuvem de fumaça branca que subia de uma montanha logo além das palmeiras e da aldeia.

‘A Deusa Pele2 está com raiva’, ele pensou. ‘Os seus padres são novos em seu trabalho. Talvez eles não tenham feito as coisas certas para evitar que ela ficasse com raiva de nós. Talvez a lava flua da montanha novamente e nos faça ter que correr para salvar as nossas vidas.’ Ele olhou para os homens nas canoas. Eles apontavam para a fumaça e gritavam ansiosamente para frente e para trás.

2 Vista da cratera Halemaumau no vulcão Kilauea (arquipélago Havaiano), onde a Deusa Pele viveu (mitologia).

Eva Pardo Moreno também tinha visto a fumaça e entendido o perigo. ‘Os dois sacerdotes de Pele estão vindo do templo e vão sacrificar um porco branco’, disse ela. ‘Você supõe que isso será suficiente? Não foi a última vez que a lava fluiu. Nossas casas estavam todas cobertas.’

Adam balançou a cabeça tristemente. ‘Eu temo que ainda nós tenhamos que aprender o que a Pele quer e como orar para ela por misericórdia. Os sacerdotes nem são bons em fazer orações e cânticos. Acho melhor irmos ajudá-los. Pelo menos nós somos bons Kahunas e nós podemos entoar as mais belas orações.’ Ele se levantou e ajudou Eva Pardo Moreno a ficar de pé. Juntos, eles caminharam em direção aos homens que mataram o porco e que gritavam orações descontroladamente. Ao longe, a montanha lançava grandes chuvas de lava derretida.

A adorável pequena Rainha das Fadas estava contando às crianças histórias de sua terra e povo, Histórias de Fadas, enquanto esperavam que Adão e Eva Pardo Moreno voltassem.

‘Parece-me que eles se foram há muito tempo’, disse Adão Preto. ‘Eu de fato espero que eles não tenham se perdido ou sido mortos pela máquina do tempo de alguma forma.’

‘Ou,’ disse Eva Branco, ‘encontrado um lugar tão bom que eles não gostariam de sair dele.’

A grande Máquina do Tempo começou a fazer um som gutural e todos eles se viraram para assistir. Em um momento Adão e Eva Pardo Moreno apareceram, segurando firmemente as mãos um do outro e parecendo muito aliviados por se encontrarem novamente em casa no Jardim.

‘Bem, olá!’ disse o Pai Tempo. Ele olhou para o seu grande relógio. ‘O solavanco levou vocês a muitos lugares para terem problemas em qualquer um deles? E o que aconteceu para trazê-los para casa? Um tigre expulsou vocês da Índia?’

‘Não é um tigre,’ disse Adão Pardo Moreno, ‘nós fomos perseguidos por um fluxo de lava de vulcão. Nós ficamos na frente dele e oramos a Pele, mas ela não quis ouvir. Quando nós começamos a correr, era quase tarde demais. Nós tínhamos medo de não chegar ao oceano.’

‘Eu não estava me arriscando,’ disse Eva Pardo Moreno, o seu lábio inferior tremendo. ‘A lava estava terrivelmente quente e veio muito rápida. Então eu gritei que nós desejávamos ir para casa e nós viemos.’

‘Nós nos divertimos e solavancamos por toda a Índia’, acrescentou Adão Pardo Moreno. ‘E nós deixamos a Índia e nos juntamos aos Polinésios e fomos para o Havaí.’

O Pai Tempo parou a sua grande máquina e esguichou óleo de sua lata em um buraco bem abaixo de um lado. ‘Isto parece ter sido o lugar onde o rolamento secou’, ele murmurou. ‘É difícil para uma máquina executá-lo tão rápido.’ Ele olhou para Adão e Eva Preto. ‘Vocês aventureiros ainda querem a sua vez, ou estão com medo o suficiente para querer deixar tudo em paz?’

‘Nós não estamos com medo’, disse Adão Preto com firmeza. ‘Nós tomaremos o nosso lugar.’ Ele puxou a sua Eva Preto em direção ao prato onde se tinha que ficar para viajar no tempo. ‘Eva Preto é corajosa, não é Eva?’

‘Sim,’ estremeceu Eva Preto, pois ela iria se Adão Preto quisesse que ela fosse, mas ela ainda estava com medo.

‘E para onde, ou melhor, quando? Ah, não importa. Basta dizer quando.’

‘Fazer uma limpa quase até o fim dos tempos,’ disse Adão Preto prontamente. ‘Nós queremos ver como tudo acabará e se o mundo finalmente se tornará perfeito.’

O Pai Tempo coçou a cabeça pensativo. ‘Isso pode ser acidentado até passar bem do ano 1900, mas pode ser interessante ver o que será da humanidade. Eu ouvi dizer que os homens vão ficar muito espertos e explodir a si mesmos e a Terra ficará em pedaços. Mas vá dar uma olhada se estiverem interessados. E lembrem-se de usar o vosso terceiro desejo e voltarem para nos contar tudo. Ele moveu as crianças um pouco para ficarem exatamente no prato, então empurrou a alavanca de ajuste para a frente até um único ponto de distância. ‘Sorte’, ele disse rispidamente, e apertou o botão vermelho.

Houve um forte zumbido que durou muito tempo, depois um grande solavanco quando eles diminuíram a velocidade. Seguiram-se pequenos solavancos e pequenos zumbidos e entre eles vislumbraram cidades, campos e planícies, também oceanos e rios. Em um lugar, eles ouviram um jornaleiro gritando: ‘Leiam tudo sobre isso! A China vai nos explodir se nós não ficarmos vermelhos! O presidente diz que nós usaremos uma retaliação massiva e nunca ficaremos vermelhos! Leiam tudo sobre isso!’

‘Eles falam Inglês, quase como nós fazíamos no Jardim’, disse Adão Preto.

Eva Preto disse: ‘Eles explodirão o mundo! Você ouviu isto? Vamos para casa!’

‘Nós já passamos desse ano’, disse Adão Preto enquanto diminuíam a velocidade. ‘E algo deve ter acontecido para evitar que o mundo explodisse. ‘Aqui é um lugar tranquilo e agradável.’

Eles haviam pousado em um pequeno parque agradável com árvores, grama e flores. Havia bancos, mas ninguém estava à vista. Logo além do parque havia um prédio longo e baixo através das janelas de onde eles podiam ver luzes e pessoas. A grande porta estava aberta, então eles decidiram dar uma olhada e tentar conhecer alguém.

Uma vez dentro da porta, eles puderam ver longas filas de mesas nas quais se sentavam mulheres, a maioria delas cinzentas e algumas bem velhas. Elas estavam ocupadas costurando para fazer blusas simples de tecido cinza, as mesmas blusas que eles mesmos usavam com calças compridas combinando e sandálias cinza. Ninguém olhou para cima ou parou para ver o que os dois queriam.

‘Todas elas estavam sorrindo como se estivessem felizes com alguma coisa’, disse Eva Preto. ‘E são de todas as cores, assim como nós éramos no Jardim. Você acha que nos atreveríamos a falar com aquela bela mulher preta? Ela parece muito gentil e feliz.’

‘Vamos tentar’, disse Adão Preto e eles se aproximaram e ficaram ao lado dela esperando, mas ela continuou costurando e não pareceu notá-los.

Eva Preto disse: ‘Desculpe, Senhora, mas você poderia parar o tempo suficiente para nos dizer em que cidade nós estamos?’

A mulher não respondeu nem pareceu ouvi-los, mas uma luz vermelha começou a piscar bem acima de suas cabeças e uma bela voz disse em inglês: ‘Volte para a sua casa e continue a sua costura. Você sabe que não será feliz aqui. Volte atrás. Você será feliz novamente em seu trabalho.’

As crianças olharam para cima e viram apenas uma caixinha que parecia falar e acender a luz vermelha. Como eles não se moveram, a caixa começou a emitir um zumbido que os deixou levemente tontos.

Adão Preto pegou a Eva Preto pela mão e a puxou para a porta. ‘Vamos sair daqui. Eu não gosto dessa voz ou desse zumbido. Parece-me que algo está muito errado aqui.’

Quando eles estavam do lado de fora, eles ouviram o zumbido parar e deram algumas respirações longas para clarear as suas cabeças. ‘Talvez seja melhor irmos para casa agora,’ disse Eva Preto.

De repente, bem diante deles apareceu como do nada, um homem com uma cabeça grande e olhos parecidos com discos voadores. Ele parecia ter antenas no topo de sua cabeça como as de um inseto gigante. Ele estava vestido com um terno prateado e tinha pernas muito finas. Os sapatos prateados dele viravam nas pontas quase em um círculo.

‘Bom dia,’ ele disse em uma voz profunda, mas gentil. ‘Eu vejo que vocês devem ser estranhos aqui. Vocês acabaram de chegar? E de onde vocês vieram? Onde estão os seus pais?’

‘Bom dia, Senhor,’ disse Adão Preto educadamente. ‘Sim, nós somos estranhos aqui. Nós acabamos de chegar do Jardim e do ano Oito. O nosso Pai e Mãe e irmãos e irmãs estão todos para trás no Jardim. O Velho Pai Tempo nos ajudou a chegar aqui com a sua Máquina do Tempo. Nós queríamos ver como seria o mundo antes que o tempo acabasse ou explodisse ou algo assim. Essa é a Eva Preto. Ela é bastante tímida.’

Os grandes olhos do homem pardo moreno se arregalaram e ele coçou a sua careca com uma mão longa e fina e depois com a outra. ‘Eu peço desculpas,’ disse ele por fim. ‘Eu fui pego totalmente de surpresa. Nós nunca recebemos visitas daqueles Dias da Criação. Você me dá licença por um momento? Eu preciso comunicar a vossa chegada aos amigos que me ajudam a cuidar dessa pequena unidade de costura. Isso será apenas um momento.’ Ele mexeu as suas longas antenas e de repente as crianças puderam ouvi-lo usando Telepatia, que lhes era bastante familiar e podiam entender cada palavra que ele dizia.

Ele estava relatando: ‘Eu não estou sonhando e penso que tenho a minha sanidade, mas eu acabei de encontrar duas crianças pretas de tenra idade que entraram no Edifício 4 e o alarme foi acionado. Eles certamente não foram condicionados hipnoticamente, pois se recusaram a obedecer à voz e o zumbido X2 não os fez dormir. Eles afirmam ter sido teletransportados para cá desde quase o início da Criação. Eles dizem que vieram porque queriam ver como seria o mundo perto do fim dos tempos. Você pode enviar um gravador e alguns de vocês poderiam se juntar a mim aqui? Isso pode vir a ser uma descoberta científica muito importante e todos nós podemos receber elogios em nossos registros.’

Houve uma enxurrada de empolgadas questões Telepáticas e então um homem e duas mulheres, muito parecidos com o primeiro homem, de repente se materializaram. Um deles carregava uma pequena caixa contendo uma máquina para gravar a conversa. As mulheres eram como os homens, só que menores e ambos tinham cabelos pretos curtos na cabeça ao redor das antenas. Usavam a mesma roupa, mas as pontas dos sapatos formavam um círculo completo. O novo homem ligou o gravador e ajudou a puxar outro banco para ficar de frente para aquele diante do qual eles estavam. O primeiro homem fez as apresentações, perguntando a Adão Preto o seu nome, mas lembrando-se do de Eva Preto. Ele deu o seu nome como ‘J-4237-B’. Os outros também tinham números para nomes, mas ele disse: ‘Você pode nos chamar de Número 1 – para mim – e depois 2 para o meu amigo. E 3 e 4 para as mulheres. Isso vai facilitar. Agora, pequenos visitantes, o que vocês gostariam de saber primeiro?’

‘Por gentileza’, disse Adão Preto: ‘Eu gostaria de saber por que todas aquelas mulheres que costuram são, bem, como elas são. Eles não são como ninguém que nós conhecemos.’

Eva Preto disse: ‘O que eu quero saber é sobre VOCÊ. Vocês são como nós? Vocês parecem tão diferentes.’

O Nº 1 sorriu. ‘Eu posso ver que há muitas perguntas a serem respondidas e que nós teremos que tomar as primeiras coisas primeiro. Suponha que eu comece dizendo a você que nós somos o que os seres humanos costumavam chamar de O Povo do Disco Voador. Nós viemos à Terra em discos voadores e outros veículos e nós assistíamos enquanto os humanos arruinavam lentamente o seu mundo e uns aos outros e estavam a ponto de explodir o planeta apenas para se vingarem daqueles que não concordavam com eles sobre que tipo de governo eles deveriam ter. O Povo do Disco Voador estava esperando e prontos e pouco antes dos humanos explodirem o mundo, nós assumimos o controle. Nós usamos as nossas armas superiores e dentro de uma hora nós usamos os nossos poderes hipnóticos e máquinas de zumbido para colocar todos para dormir.’

‘Isso foi uma coisa boa ou ruim de se fazer?’ perguntou Eva Preto hesitantemente.

‘Isso era tudo o que poderia ser feito’, disse o Nº 1. ‘Isso pode ser difícil para você entender, mas os humanos ficaram todos infelizes e foi muito triste. Os seus homens e mulheres mais inteligentes sabiam o que fazer, mas os políticos que comandavam os governos não os deixavam fazer isso. O mundo passou a ter tanta gente que mal se conseguia encontrar comida até mesmo para os que viviam na América. Havia guerras acontecendo aqui e ali, com aqueles que acreditavam na forma vermelha de governo lutando contra aqueles que acreditavam no modo de vida capitalista. Você vê, os humanos são estranhos dessa maneira. Eles colocam uma ideia em suas cabeças e não podem mudá-la, não importa o que aconteça.’

O segundo Homem do Disco Voador falou. ‘Nós aproveitamos essa falha humana dando a eles ideias de sugestões hipnóticas. Nós usávamos as nossas máquinas e incutíamos em suas cabeças novas ideias, para que todos logo passassem a acreditar que, para serem felizes, bastava obedecer à Voz que fazíamos sair das máquinas falantes mecânicas. Desta forma, nós paramos a luta e colocamos todos a trabalharem para fazer as coisas que eram necessárias, para cultivar alimentos para as pessoas e fazer o melhor uso possível do que restava da Terra.’

A mulher, Nº 3, explicou. ‘A Guerra Atômica quase começou antes que nós pudéssemos intervir e pará-la. Em dez minutos, as bombas explodindo teriam espalhado Estrôncio 90 radioativo e outras poeiras venenosas por toda a Terra e nos ventos do ar superior. As poeiras teriam caído e, em poucos anos, todas as pessoas, criaturas e plantas vivas teriam sido mortas. A adorável Terra que os queridos Pai e Mãe trabalharam tão maravilhosamente para criar para todos nós teria se tornado inteiramente morta e estaria morta por milhões de anos.’

Adão Preto perguntou: ‘Vocês colocaram TODAS as pessoas para dormirem e as colocaram para trabalharem como as costureiras? Não havia ninguém benévolo e pessoas generosas enfim?’

No. 4 assentiu alegremente. ‘Oh sim. Aqui e ali nós encontramos, quando nós começamos a despertá-los e classificá-los, pessoas que eram gentis e prestativas e que não queriam fazer guerras ou forçar outras pessoas a acreditarem como eles. Na Polinésia, nas ilhas do Pacífico, nós encontramos muitas pessoas pardas morenas e bonitas e aqui e ali em todo o mundo nós temos pequenos grupos agora vivendo e trabalhando felizes, exatamente como todos os humanos deveriam ter feito antes de nos fazerem intervir e tomar conta deles.’

Eva Preto perguntou ansiosamente: ‘O que aconteceu com as crianças? Todos elas foram forçadas a trabalhar como as costureiras?’

‘Nós cuidamos de todas as crianças’, disse a Nº 3, balançando a cabeça pensativamente. ‘E à medida que cresciam, nós separamos os bons dos ruins e colocamos os bons nos grupos a serem cuidados. Os maus foram zumbidos e postos a trabalhar ajudando a alimentar ou vestir o resto. Você vê, no momento em que eles quase arruinaram a Terra, havia tantas pessoas que muitas estavam quase morrendo de fome. Os ricos sempre tinham comida, mas a maioria das pessoas fora dos Estados Unidos passava fome. Quando nós assumimos, nós fizemos todos trabalharem em alguma coisa e assim ajudar todos os outros. E nós fizemos, aqueles que tinham sido zumbidos, felizes finalmente. Eles ouvem a Voz e não se lembram mais do velho ódio, ganância e medo como nos velhos tempos. Algum dia os zumbidos envelhecerão e morrerão e então as pessoas boas terão o mundo e trabalharão para torná-lo um lugar maravilhoso.’

‘Vocês ficarão aqui então, ou voltarão para o seu planeta? perguntou Adão Preto.

‘Nós finalmente iremos para casa’, disse a Nº 4, com lágrimas se acumulando em seus grandes olhos escuros. ‘Nós, o Povo do Disco Voador, vivemos muito mais do que os humanos e algum dia nós terminaremos o nosso trabalho de amor, ajudando os humanos na Terra e depois nós iremos para casa.’

‘Vocês estão com saudades de casa,’ disse Eva Preto suavemente. ‘Nós sabemos tudo sobre isso e estou começando a querer ir para casa.’

‘Vocês pode ir quando quiserem’, disse a Nº 4. ‘Mas quando vocês forem, por favor, digam ao Pai e à Mãe que todos nós enviamos o nosso amor para eles.’

Adão Preto perguntou: ‘Isto não é sobre o fim dos tempos? Nós pedimos para sermos enviados quase tão longe quanto haveria a qualquer tempo. O que acontecerá quando todo o tempo for usado? E então?’

O Nº 1 sorriu ao responder: ‘Eu tenho certeza de que o Pai criará mais tempo para todos nós se aprendermos a ser bondosos e amarmos uns aos outros – nunca machucar quem não está nos machucando. Em nosso planeta natal, nós aprendemos essa lição há muito tempo e recebemos uma nova Era após a outra. O nosso planeta é muito velho, você sabe.’

A Nº 4 tirou um pacotinho do bolso e o abriu. ‘Estão com fome?’ ela perguntou: ‘E vocês gostariam de um pouco do nosso tipo de comida para experimentar para o vosso chá?’

Eva Preto ficou parada. As pequenas pílulas na mão da amável Nº 4 eram cinza e não pareciam muito convidativas.

Adão Preto era mais corajoso. ‘Muito obrigado’, disse ele, estendendo a mão para um comprimido. ‘Eu geralmente estou com fome na hora do chá e gostaria de poder contar aos outros, quando nós chegarmos em casa, que comi um novo tipo de comida maravilhosa.’ Ele pegou dois comprimidos e os colocou na boca. ‘Eles devem ter gosto de alguma coisa?’ ele perguntou.

A Nº 4 riu. ‘Eu temo que não para você, mas para o Povo do Disco Voador eles têm um gostinho muito bom. E depois de ter comido alguns comprimidos, toda a fome se vai até a hora da próxima refeição.’ Ela estendeu um comprimido para Eva Preto, que o pegou devagar e o colocou na boca. ‘Do que é feito?’, ela perguntou.

‘De grãos,’ explicou a Nº 4. ‘A parte da vida da comida mais encorpada’.

‘Eu suponho que seja muito bom para alguém,’ disse a Eva Preto. ‘Mas a nossa comida em casa tem um gosto muito bom. Eu amo frutas e melões e nozes e pão e leite e biscoitos, você não?’

‘Ah, sim’, disse a Nº 4. ‘Nós muitas vezes fazemos uma pausa em nosso trabalho para aproveitar essas coisas, mas geralmente nós estamos tão ocupados que fazemos uma refeição com alguns comprimidos e um pouco de água.’

O Nº 1 disse: ‘Vocês vão querer ir para casa em breve e nós quase não temos ouvido nada sobre o Jardim e vocês, o Pai e a Mãe. Esta pequena máquina vai gravar tudo o que você tem a nos dizer e salvar para que todas as outras pessoas do Disco Voador possam ouvi-los mais tarde e se divertirem.’

Assim, por quase uma hora as crianças se revezaram contando o que podiam. Eles falaram dos animais e das festas de aniversário e do Gremlin e das Fadas. Finalmente estava ficando tarde e Eva Preto cutucou Adão Preto e enviou uma mensagem Telepática para ele: ‘Não é hora de irmos para casa?’

A Nº 4 entendeu a mensagem Telepática e se levantou. ‘Foi muito bom ter vocês nos visitando’, disse ela, ‘e agradecemos por nos terem contado tudo sobre as maravilhas do Jardim e sobre todas as coisas deliciosas que acontecem lá. Lembrem-se do nosso amor ao Pai e à Mãe e, agora, Adeus.’

Ela os cumprimentou com um aperto de mãos, assim como os outros e a despedida foi um pouco triste, porque eles eram tão bons amigos e tão gentis. Após as despedidas, Adão e Eva Preto deram as mãos, respiraram fundo algumas vezes e desejaram estar em casa.

O voo para casa levou apenas um instante e eles se viram de pé na placa ao lado da Máquina do Tempo mais uma vez. O Pai Tempo ainda estava espiando as rodas e tentando lubrificar os lugares secos com a sua grande lata de óleo. A Rainha das Fadas e as outras crianças, com algumas das fadas e elfos estavam brincando, mas eles vieram correndo e ouviram deliciados a história das aventuras com o Povo do Disco Voador e bem no limite do tempo.

Quando eles terminaram de contar tudo o que conseguiam se lembrar, Eva Preto disse: ‘Não é uma sorte que o Povo do Disco Voador tenha vindo e impedido o nosso povo ruim de arruinar a Terra?’

‘É muito maravilhoso que eles puderam ajudar como eles o fizeram,’ disse a pequena Rainha das Fadas, ‘Mas está ficando tarde e nós temos que voltar para o outro lado do muro. Venham comigo. Os seus pais vão começar a pensar que vocês estão perdidos.’ Ela desenhou uma porta no ar com a sua varinha mágica e ela se tornou uma porta e todos saíram, embora do lado de fora parecesse muito pouco diferente.

O Pai e a Mãe estavam tomando chá na varanda. Os Chimpanzés Boys trouxeram leite e biscoitos e logo todos estavam conversando e Adão e Eva Preto estavam se sentindo muito importantes, com todos implorando para que se lembrassem de algo mais sobre o que havia sido feito, dito ou visto.

‘Vocês todos tiveram um dia e tanto’, disse a Mãe. ‘E eu posso ver que o que vocês precisam agora é apenas uma pequena soneca. Então todos para fora! E tentem se acalmar e esquecer todas as coisas emocionantes que estão acontecendo.’

‘Eu posso dizer só mais uma coisa?’ perguntou a Eva Preto. ‘É que eu penso que esse é o melhor de todos os tempos para se viver. Eu não quero ir viver mesmo onde o pessoal do Disco Voador fez as coisas tão boas. Eu só quero viver aqui em nosso próprio pedaço de tempo e não ter uma simples coisa mudada. Eu quero ficar aqui e crescer no Jardim e depois ir com Adão Preto para viver na África e tentar torná-lo um lugar bom, muito bom para se viver. Um lugar onde todos são gentis e prestativos e onde ninguém machuca ninguém, a menos que seja para evitar que alguém o machuque ou aqueles que ele ama. E, eu não quero ter pílulas para comida. Eu quero tudo exatamente como está AGORA.’

*-*-*-*-*

Agora nós chegamos ao fim das histórias, embora os livros possam ser preenchidos com as histórias de como os diferentes Adãos e Evas cresceram e foram levados a morar em suas próprias partes do mundo e terem filhos, que também cresceram. O Pai e a Mãe e os ajudantes dos discos voadores zelaram por todos eles até que eles começassem bem e aprendessem a viver nas terras que lhes foram dadas, a domar alguns animais e aprender sobre plantas e clima e todas as coisas que eram tão importantes.

Mas há uma pequena história que deve ser contada antes de nós encerrarmos o nosso livro. É sobre a Pequena Leiteira, que, como vocês se lembram, ganhou pernas e se tornou a Leiteira que cuidava das cabras e as ordenhava.

Quando a última das crianças se foi e a casa grande no Jardim ficou silenciosa e vazia, o Pai disse à Mãe: ‘Eu tenho pensado na Pequena Leiteira e me perguntado qual seria a melhor recompensa possível para ela. Ela não é mais necessária aqui e ultimamente parece-me que ela aparenta estar muito triste enquanto cuida de suas cabras e traz um balde de leite para nós.’

A Mãe assentiu e disse: ‘Vamos encontrá-la e perguntar o que ela gostaria de recompensa. Nós poderíamos dar a ela essa casa e, bem, vamos encontrá-la.’

Eles não precisaram olhar muito longe, pois ela estava sentada ao lado do lago dos castores, com as mãos cruzadas no colo. Perto dela estava o velho bode Billy [Bode], fazendo-lhe companhia e ruminando. Ela deu um pulo e sorriu quando o Pai e a Mãe apareceram.

Todos eles se sentaram juntos e o Pai explicou que queriam dar a ela a melhor recompensa de todas. Tudo o que ela tinha que fazer era dizer o que ela mais queria em todo o mundo.

A Mãe disse: ‘Você gostaria da casa grande e do Jardim só para você? E se você desejasse, o Pai poderia criar um companheiro para você, um bom tritão. Você gostaria disto?’

A Pequena Leiteira pensou sobre isso, então balançou a cabeça. ‘Não, eu não me importaria com isso. Casas grandes exigem muita limpeza e cuidado e talvez eu não ame nem mesmo o Leiteiro mais legal que você possa criar.’

‘Talvez,’ disse o Pai, ‘você gostaria de ir morar com uma das crianças. Ou você pode visitar e passar um pouco de tempo com cada família. Todas eles amam você e todos têm filhos que vão entretê-la.’

A Pequena Leiteira pensou um pouco, depois balançou a cabeça e respondeu: ‘Eu amo todas as crianças e adoraria os filhos delas, mas eu pareço estar um pouco cansada. Tem sido um trabalho árduo cuidar de tantas cabras e obter tanto leite delas. Eu não poderia começar tudo de novo com os novos bebês.’

‘Você não tem algum sonho?’ perguntou o Pai. ‘Algum sonho com algo que gostaria de ter ou ser ou fazer? Certamente há algo com que você sonha.’

Lágrimas repentinas vieram aos olhos da Pequena Leiteira. ‘Tudo o que eu sempre sonho é o mar e ser uma sereia como eu costumava ser, com uma linda cauda e sem nada para fazer o dia todo além de nadar e sentar em uma pedra ao sol.’

‘Deus te abençoe’, exclamou a Mãe colocando os braços ao redor dela. ‘Você está com saudades de casa! Nós deveríamos ter adivinhado. Saudades de casa é a coisa que o Pai não conseguiu curar com todos os remédios finos em raízes, cascas e bagas. Todas as crianças ficam com muita saudade do Jardim e eu temo que os seus filhos ao longo dos anos terão momentos em que sentirão saudades da paz, tranquilidade e amor no Jardim, mesmo que não saibam do que estão se lembrando profundamente dentro de si. Mas nós podemos mudá-la de volta e dar-lhe a sua bela cauda e o seu amado oceano. Só que parece tão pouco a fazer. Não há algo mais – algo além de apenas levá-la de volta para casa?’

‘Oh não!’ sussurrou a Pequena Leiteira, lágrimas de felicidade começando em seus olhos. ‘Não! Tudo que eu quero é chegar em casa… em casa para o meu mar! Quando eu voltar, nunca mais vou querer outra coisa, nunca! E em quanto tempo isso pode ser?’

‘Imediatamente,’ disse a Mãe, levantando-se. ‘Não há necessidade de esperar um minuto. Vamos agora para o seu amado oceano e fazer a mudança.’

A Pequena Leiteira parou um momento para dar um tapinha no Velho Billy e dizer a ele: ‘Volte para o rebanho agora. E cuide bem de todos. Mas às vezes você pode vir ao oceano e me ver e eu lhe darei sal em uma concha do mar. Corra!’ Com isso, ela praticamente dançava pelo caminho através do jardim.

O Pai e a Mãe seguiram. Eles passaram a hora do dia com o Sr. e a Sra. Coruja, que acordaram quando passaram pela árvore e perguntaram: ‘WHO’ [‘QUEM’].

Eles passaram pela Sra. Elefante também e ela perguntou: “Vocês não acham que eu perdi alguns quilos?’

A areia estava quente e macia e o mar estava cheio de pequenas ondas com estrelinhas em seus topos. Chegaram ao lugar onde havia grandes pedras e grandes rochas e piscinas tranquilas e onde os peixinhos e os caranguejos brincavam. A Pequena Lula os viu e correu para fazer uma bela poça de tinta para o caso de o Pai precisar encher a caneta-tinteiro.

‘Aqui!’ gritou a Pequena Leiteira quando eles chegaram a uma pedra marrom fina que tinha um topo plano e um tapete verde de musgo. ‘Essa é a minha rocha! Eu costumava me sentar aqui por hora e isso não mudou nem um pouco. É como sempre o é nos meus sonhos!’

‘Então tire as sandálias e sente-se na pedra’, disse o Pai. ‘Fique quieta e nós veremos o que nós podemos fazer por você.’

A Pequena Leiteira fez o que lhe foi dito e alegremente deixou as pequenas ondas lavarem os pés empoeirados. O Pai e a Mãe respiraram fundo quatro vezes, depois tocaram as mãos enquanto o Pai dizia: ‘Cara ou coroa? [Heads or Tails?] As caudas declaro isso!’ e bem diante de seus olhos as pernas e os pés desapareceram e em seu lugar havia uma bela cauda de peixe.

‘Eu sou uma sereia de novo!’ exclamou a Pequena Sereia, os seus olhos brilhando. Ela mergulhou da rocha e nadou e mergulhou e nadou e mergulhou novamente, finalmente chegando com uma corrida na crista de uma pequena onda para se sentar em sua rocha. Em suas mãos ela carregava fios de algas marinhas verdes que ela enrolou em volta do pescoço como um colar de flores.

‘Oh, eu nunca poderei agradecer o suficiente!’ ela disse sem fôlego. ‘Eu nunca apreciei o meu oceano o suficiente até agora, depois de tanto tempo longe dele. Eu ficarei aqui enquanto viver e nem pensar em subir o pequeno riacho para ser uma criatura terrestre. Eu tenho certeza de que, para ser mais feliz, é preciso aprender que ser exatamente o que se é em seu próprio lugar é o melhor.

‘Você aprendeu uma das lições mais importantes da vida,’ disse a Mãe, ‘mas aqui, deixe-me dar-lhe um pequeno presente de despedida.’ Ela abriu a sua bolsa e tirou um lindo pequeno pente que estava brilhando em cores e o entregou para à Pequena Sereia. ‘Aqui está um pente muito especial. Tem magia nele e não importa onde você vá, ele a seguirá e quando você quiser, aparecerá bem ali na sua mão.’ A Pequena Sereia pegou o lindo pente e o abraçou. ‘Um pente era a única coisa que eu teria sentido falta! Muito obrigado! É um pente tão legal e bonito e tê-lo vindo para mim sempre que eu quiser, isso será uma alegria para sempre e tornará a minha vida perfeita.’

‘Nós viremos vê-la algumas vezes’, disse o Pai. ‘Agora nade e divirta-se e veja se consegue encontrar alguns de seus velhos amigos peixes e tartarugas. Eu penso que vejo uma baleia não muito longe e pode ser uma que você conheça.’

A Pequena Sereia passou o pente brilhante no cabelo e escorregou na água. ‘Dê meu amor a todos os Adãos e Evas quando vocês os virem!’ ela disse com apenas um toque de tristeza em sua voz. ‘E lembrem-se sempre que eu vos amo!’ Com isso ela nadou para longe e o Pai e a Mãe se viraram para voltar ao Jardim.”

Imagem https://memoriavirtual.net/2006/10/23/polinesia-2/

A Polinésia (literalmente, “Muitas Ilhas” – Poly Nesos) é uma região de forma triangular que cruza o Pacífico, desde a Nova Zelândia até à Ilha da Páscoa e a Norte, até ao Hawaii, com ilhas de origem vulcânica e pequenas ilhas de corais e atóis.

FIM

Referências bibliográficas da OREM1

André Biernath – repórter na Revista Saúde – Grupo Abril  – artigo sobre o filme “Divertida Mente”, que aborda inteligentemente a questão das memórias armazenadas;

Bert Hellinger e Gabriele Tem Hövel – livro “Constelações Familiares – O Reconhecimento das Ordens do Amor”;

Bruce Lipton – livro “A Biologia da Crença “;

Carol Gates e Tina Shearon – livro “As You Wish” (tradução livre: “Como você desejar”);

Ceres Elisa da Fonseca Rosas – livro “O caminho ao Eu Superior segundo os Kahunas” – Editora FEEU;

Charles Seife – livro “Zero: A Biografia de Uma Ideia Perigosa” (versão em inglês “Zero: The Biography of a Dangerous Idea”;

Curso “Autoconhecimento na Prática online – Fundação Estudar” https://www.napratica.org.br/edicoes/autoconhecimento;

Dan Custer – livro “El Milagroso Poder Del Pensamiento” (tradução livre: “O Miraculoso [Incrível] Poder Do Pensamento”);

David V. Bush – livro “How to Put The Subconscious Mind to Work” (tradução livre: “Como Colocar a Mente Subconsciente para Trabalhar”);

Dr. Alan Strong – artigo denominado “The Conscious Mind — Just the Tip of the Iceberg” (tradução livre: “A Mente Consciente – Apenas a Ponta do Iceberg”), no site www.astrongchoice.com;

Dr. Amit Goswami – livro “O Universo Autoconsciente – como a consciência cria o mundo material”;

Dr. Benjamin P. Hardy, psicólogo organizacional, autor do livro “Willpower Doesn’t Work” (Tradução livre: “Força de Vontade Não Funciona”), em artigo no site https://medium.com/the-mission/how-to-get-past-your-emotions-blocks-and-fears-so-you-can-live-the-life-you-want-aac362e1fc85Sr;

Dr. Bruce H. Lipton – livro “A Biologia da Crença”;

Dr. Deepak Chopra – livro “Criando Prosperidade”;

Dr. Gregg Braden – livro “A Matriz Divina”;

Dr. Helder Kamei – site http://www.flowpsicologiapositiva.com/ – Instituto Flow;

Dr. Joe Dispenza – livro “Breaking the Habit of Being Yourself – How to Lose Your Mind and Create a New One” (tradução livre: “Quebrando o Hábito de Ser Você Mesmo – Como Liberar Sua Mente e Criar um Novo Eu”);

Dr. Kenneth Wapnick – transcrição de sua palestra denominada “Introdução Básica a Um Curso em Milagres”;

Dr. Maxwell Maltz – livro “The New Psycho-Cybernetics” (tradução livre: “A Nova Psico-Cibernética”);

Dr. Nelson Spritzer – livro “Pensamento & Mudança – Desmistificando a Programação Neurolinguística (PNL)”;

Dr. Richard Maurice Bucke – livro ‘Consciência Cósmica’;

Dr. Serge King – livro “Cura Kahuna” (Kahuna Healing);

Francisco Cândido Xavier – livro “No Mundo Maior” (ditado pelo espírito Dr. André Luiz);

Francisco do Espírito Santo Neto – livro “Os Prazeres da Alma” (ditado pelo espírito Hammed);

Gerald Zaltman – Professor da Harvard Business School – livro “How Customers Think” (tradução livre: “Como Pensam os Consumidores”);

Henry Thomas Hamblin – livro “Within You Is The Power” (tradução livre: “Dentro de VOCÊ Está O Poder”);

Hermínio C. Miranda – livro “O Evangelho de Tomé”;

James Redfield – livro “A Profecia Celestina”;

Jens Weskott – artigo “Bem-vindo Subconsciente – Graças ao Ho’oponopono”, site da Associação de Estudos Huna disponível no link https://www.huna.org.br/wp/?s=jens;

Joe Vitale – livro “Limite Zero”;

Joel S. Goldsmith – livro “O Despertar da Consciência Mística”;

John Assaraf – artigo ratificando que somos todos seres perfeitos de Luz está disponível no site http://in5d.com/the-world-of-quantum-physics-everything-is-energy/;

John Curtis – Webinario sobre Ho’oponopono – site Sanación y Salud http://www.sanacionysalud.com/

Joseph Murphy – livro “The Power of Your Subconscious Mind” (tradução livre: “O Poder de Sua Mente Subconsciente”);

Kenneth E. Robinson – livro “Thinking Outside the Box” (tradução livre: “Pensar Fora da Caixa”);

Krishnamurti – artigo “Early Krishnamurti” (“Inicial Krishnamurti”) – Londres, 7-3-1931.  Site: https://www.reddit.com/r/Krishnamurti/comments/qe99e1/early_krishnamurti_7_march_1931_london/

Krishnamurti  – livro “O Sentido da Liberdade”, publicado no Brasil em 2007, no capítulo “Perguntas e Respostas”, o tema “Sobre a Crise Atual”; experienciamos, para a nossa reflexão e meditação à luz do sistema de pensamento do Ho’oponopono.

Kristin Zambucka, artista, produtora e autora do livro “Princess Kaiulani of Hawaii: The Monarchy’s Last Hope” (tradução livre: “Princesa Kaiulani do Havaí: A Última Esperança da Monarquia”);

Leonard Mlodinow – livro “Subliminar – Como o inconsciente influencia nossas vidas” – do ano de 2012;

Livro “Um Curso em Milagres” – 2ª edição – copyright 1994 da edição em língua portuguesa;

Louise L. Hay – livro “You Can Heal Your Life – (tradução livre: “Você Pode Curar Sua Vida”);

Malcolm Gradwell – livro “Blink: The Power of Thinking without Thinking” (Tradução livre: “Num piscar de olhos: O Poder de Pensar Sem Pensar”);

Marianne Szegedy-Maszak – edição especial sobre Neurociência publicada na multiplataforma “US News & World Report”, destacando o ensaio “Como Sua Mente Subconsciente Realmente Molda Suas Decisões”;

Max Freedom Long – livro “Milagres da Ciência Secreta”;

Max Freedom Long – Artigo “Teaching HUNA to the Children – How Everything was made” [Ensinando HUNA para as Crianças – Como Tudo foi feito], site https://www.maxfreedomlong.com/articles/max-freedom-long/teaching-huna-to-the-children/;

Napoleon Hill – livro “The Law of Success in Sixteen Lessons” (tradução livre: “A Lei do Sucesso em Dezesseis Lições”);

Osho – livro “The Golden Future” (tradução livre: “O Futuro Dourado”);

Osho – livro “From Unconsciousness to Consciousness” (tradução livre “Do Inconsciente ao Consciente”);

Osho – livro “Desvendando mistérios”;

Paul Cresswell – livro “Learn to Use Your Subconscious Mind” (tradução livre: “Aprenda a Usar a Sua Mente Subconsciente”);

Paulo Freire, educador, pedagogo, filósofo brasileiro – livro “A Psicologia da Pergunta”;

Platão – livro “O Mito da Caverna”;

Richard Wilhelm – livro “I Ching”;

Roberto Assagioli, Psicossíntese. Site http://psicossintese.org.br/index.php/o-que-e-psicossintese/

Sanaya Roman – livro “Spiritual Growth: Being Your Higher Self (versão em português: “Crescimento Espiritual: o Despertar do Seu Eu Superior”);

Sílvia Lisboa e Bruno Garattoni – artigo da Revista Superintessante, publicado em 21.05.13, sobre o lado oculto da mente e a neurociência moderna.

Site da Associação de Estudos Huna https://www.huna.org.br/ – artigos diversos.

Site www.globalmentoringgroup.com – artigos sobre PNL;

Site Wikipedia https://pt.wikipedia.org/wiki/Ho%CA%BBoponopono, a enciclopédia livre;

Thomas Troward – livro “The Creative Process in the Individual” (tradução livre: “O Processo Criativo no Indivíduo”);

Thomas Troward – livro “Bible Mystery and Bible Meaning” (tradução livre: “Mistério da Bíblia e Significado da Bíblia”);

Tor Norretranders – livro “A Ilusão de Quem Usa: Reduzindo o tamanho da Consciência” (versão em inglês “The User Illusion: Cutting Consciousness Down to Size”);

Wallace D. Wattles – livro “A Ciência para Ficar Rico”;

William Walker Atkinson – livro: “Thought Vibration – The Law of Attraction in the Thought World” (tradução livre: “Vibração do Pensamento – A Lei da Atração no Mundo do Pensamento”) – Edição Eletrônica publicada em 2015;

Zanon Melo – livro “Huna – A Cura Polinésia – Manual do Kahuna”;

Muda…

A chuva de bênçãos derrama-se sobre mim, nesse exato momento.
A Prece atinge o seu foco e levanta voo.

Eu sinto muito.
Por favor, perdoa-me.
Eu te amo.
Eu sou grato(a).

Autor

Graduação: Engenheiro Operacional Químico. Graduação: Engenheiro de Segurança do Trabalho. Pós-Graduação: Marketing PUC/RS. Pós-Graduação: Administração de Materiais, Negociações e Compras FGV/SP. Consultor de Empresas: Projeto OREM® - Organizações Baseadas na Espiritualidade (OBEs). Estudante e Pesquisador Independente sobre Espiritualidade Não-Dualista; Psicofilosofia Huna e Ho’oponopono; A Profecia Celestina; Um Curso em Milagres (UCEM); Espiritualidade no Ambiente de Trabalho (EAT); A Organização Baseada na Espiritualidade (OBE). Certificação: “The Self I-Dentity Through Ho’oponopono® - SITH® - Business Ho’oponopono” - 2022.

0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
0
Would love your thoughts, please comment.x