Artigo em inglês: “Hawaiian Legends of Old Honolulu” Site: https://www.sacred-texts.com/pac/hloh/hloh00.htm

Coletado e traduzido do Havaiano para o Inglês por W. D. Westervelt – Boston, G.H. Ellis Press [1915]

Tradução livre Projeto OREM®

…continuação da Parte IV…

XXI – PIKOI, O ASSASSINO DE RATOS

Há muito, muito tempo atrás, nas Ilhas Havaianas, parte dos filhos da família de um chefe podia nascer meninos e meninas de verdade, enquanto outros seriam ‘deuses’ na forma de algum dos vários tipos de animais conhecidos pelos Havaianos. Esses ‘deuses’ da família podiam aparecer como seres humanos ou como animais. Eles eram os guardiões da família, ou, talvez deva ser dito, eles vigiavam cuidadosamente algum irmão ou irmã especial, fazendo todo tipo de coisas maravilhosas, como bruxas e fadas gostam de fazer por aqueles a quem amam.

Em uma família em Kauai nasceram seis deuses femininos e apenas uma menina real e um menino real. Esses ‘deuses’ eram todos ratos e foram chamados de ‘Kikoo’, que era o nome do arco usado com uma flecha para atirar em ratos. Eles eram ‘Arco-do-céu’, ‘Arco-da-terra’, ‘Arco-da-montanha’, ‘Arco-do-oceano’, ‘Arco-da-noite’ e ‘Arco-do-dia’.

Esses deuses-irmãs-ratos pareciam estar encarregados de seu irmão e de seus esportes. Os seus encantamentos e cantos foram feitos em seus nomes. A verdadeira irmã foi nomeada ‘Ka-ui-o-Manoa’ (‘A Beleza de Manoa’). Ela era uma mulher muito bonita, que veio a Oahu para conhecer Pawaa, o chefe de Manoa Valley e se casar com ele. Ele era um aikane (amigo do peito) de Kakuhihewa, o parente de Oahu. Eles fizeram a sua casa em Kahaloa em Manoa Valley. Eles também tinham Kahoiwai na extremidade superior do Vale.

O nome do menino era Pikoi-a-ka-Alala (Pikoi, filho de Alala). Em sua época, o principal esporte parecia ser caçar ratos com arcos e flechas. Pikoi quando criança tornou-se muito habilidoso. Ele era muito claro e perspicaz e superava todos os homens de Kauai em sua habilidade de matar ratos escondidos e distantes. As lendas dizem que isso se devia em grande parte à ajuda dada por suas irmãs-rato. Nessa mesma época havia em Kauai um cachorro muito maravilhoso, Puapualenalena (Pupua, o amarelo). Aquele cachorro era muito inteligente e muito rápido.

Um dia, ele correu para a floresta profunda e viu um menino que estava atirando em ratos com sucesso. O cachorro se juntou a ele. O cachorro pegou dez ratos enquanto Pikoi atirou em dez.

Alguns dias depois, os dois amigos foram para um deserto. No concurso daquele dia, o cachorro pegou quarenta e o menino, quarenta. De novo e de novo eles tentaram, mas o menino não conseguiu vencer o cachorro, nem o cachorro conseguiu vencer o menino.

Depois de um tempo eles se tornaram conhecidos em todo Kauai. A história da habilidade de Pikoi foi relatada em Oahu e repetida até no Havaí. O seu nome era amplamente conhecido, embora poucos o tivessem visto.

Um dia, o seu pai Alala disse a Pikoi que queria ver a sua filha em Manoa Valley. Eles lançaram a canoa e navegaram pelo canal, deixando para trás o cachorro maravilhoso.

No meio do canal Pikoi gritou: ‘Olha! Há uma grande lula!’ Era a lula Kakahee, que era um deus. Pikoi pegou o seu arco e encaixou uma flecha nele, pois viu a enorme criatura escondida em um poço no fundo do coral. A lula ergueu-se da caverna e seguiu o barco, estendendo os braços compridos e tentando agarrá-los. O menino atirou no monstro, usando o arco e flecha pertencentes ao oceano. O inimigo morreu em pouco tempo. Isso foi perto do cabo de Kaena. O nome da terra naquele lugar é Kakahee. Esses monstros do oceano foram chamados Kupuas. Acreditava-se que eles eram deuses do mal, sempre esperando infligir algum dano ao homem.

Pikoi e seu pai desembarcaram e subiram para Manoa Valley. Lá eles conheceram Ka-ui-o-Manoa e choraram de grande alegria ao se abraçarem. Um banquete foi preparado e todos descansaram por um tempo.

Pikoi vagou pelo vale e saiu em direção às terras com vista para o porto de Kou (Honolulu). Na planície chamada Kula-o-kahua ele viu uma chefe com alguns de seu povo. Essa planície era o terreno comparativamente plano abaixo do Makiki Valley. Aparentemente ele estava coberto naquela época por um pequeno arbusto, ou árvore anã, chamada aweoweo. Ratos estavam escondidos sob o abrigo das folhas e galhos grossos.

Pikoi foi ao local onde as pessoas estavam reunidas. A chefe era Kahamaluihi, a esposa do rei Kakuhihewa. Com ela estava a sua famosa chefe atiradora de flechas, Ke-pana-kahu, que estava atirando contra Mainele, o famoso chefe atirador de ratos de seu marido. A rainha estava apostando com Mainele e perdeu porque ele era um atirador melhor naquele dia do que a sua amiga. Ela estava dentro de linhas tabu sob um lugar sombreado, mas Pikoi entrou e ficou ao lado dela. Ela ficou brava por um momento e perguntou por que ele estava ali. Ele deu uma resposta agradável sobre o desejo de ver o esporte.

Pikoi foi ao local onde as pessoas estavam reunidas. A chefe era Kahamaluihi, a esposa do rei Kakuhihewa. Com ela estava sua famosa chefe atiradora de flechas, Ke-pana-kahu, que estava atirando contra Mainele, o famoso chefe atirador de ratos de seu marido. A rainha estava apostando com Mainele e perdeu porque ele era um atirador melhor naquele dia do que seu amigo. Ela estava dentro de linhas tabu sob um lugar sombreado, mas Pikoi entrou e ficou ao lado dela. Ela ficou brava por um momento e perguntou por que ele estava ali. Ele deu uma resposta agradável sobre o desejo de ver o esporte.

Ela perguntou se ele poderia atirar. Ele respondeu que havia aprendido um pouco da arte, então ela lhe ofereceu o uso de arco e flecha e, ao ouvir isso, ele disse: ‘Essa flecha e esse arco não são bons para este tipo de tiro.’

Ela riu dele. ‘Você é apenas um menino; o que você pode saber sobre a caça aos ratos?’

Ele estava um pouco irritado e quebrou o arco e a flecha, dizendo: ‘Essas coisas não servem para nada’.

A chefe ficou muito zangada e gritou: ‘O que você quer dizer com quebrar as minhas coisas, sua criança enganadora?’

Enquanto isso, o pai de Pikoi sentiu falta dele e soube por sua filha que a chefe suprema estava tendo uma competição de tiro aos ratos. Ele pegou os arcos e flechas de Pikoi embrulhados em tapa e desceu com o pacote nas costas.

Pikoi pegou um arco e flecha do embrulho e persuadiu a chefe suprema a fazer uma nova aposta com Mainele. A rainha, de bom humor, colocou tesouro contra tesouro.

Mainele se preparou para atirar primeiro, concordando com Pikoi em fazer quinze o número de arremessos para a primeira tentativa.

Pikoi apontou rato após rato entre os arbustos até Mainele matar quatorze. Então o menino gritou: ‘Só há mais um tiro. Atire naquele rato cujos bigodes estão perto de uma folha daquela árvore aweoweo. O corpo está escondido, mas eu posso ver os bigodes. Atire nesse rato, ó Mainele!’

Mainele examinou cuidadosamente os arbustos, mas não conseguiu ver o menor sinal de rato. As pessoas se aproximaram e atiraram flechas entre as folhas, mas não viram nada.

Então Mainele disse: ‘Não há nenhum rato naquele lugar. Eu olhei onde você disse. Você é uma criança mentirosa quando diz que vê os bigodes de um rato.’

Pikoi insistiu que o rato estava lá. Mainele ficou irritado e disse: ‘Veja todo o tesouro que ganhei da chefe e o tesouro que nós estamos apostando agora. Você terá tudo se atirar e bater nos bigodes de qualquer rato naquela pequena árvore. Se você não acertar um rato, simplesmente reivindicarei a aposta atual.’

Então Pikoi tirou do pacote que o seu pai segurava um arco e uma flecha. Ele cuidadosamente enfiou o arco e fixou a flecha, apontando o olho da flecha para o local indicado antes.

A rainha disse: ‘Esse é um arco esplêndido’. A cuidadora dela, no entanto, observava os belos olhos do menino e a sua aparência geral.

Pikoi estava cantando baixinho para si mesmo. Esse foi o seu encantamento ou oração para os seus deuses-irmãs:

‘Lá está ele, lá está ele, Ó Pikoi!
Alala é o pai,
Koukou é a mãe.
As irmãs divinas nasceram.
Ó Arco-do-céu!
Ó Arco-da-terra!
Ó Arco-da-montanha!
Ó Arco-do-oceano!
Ó Arco-da-noite!
Ó Arco-do-dia!
Ó Maravilhosos Arcos!
Ó Silenciosos Arcos!
Silenciosos.
Há aquele rato–
Aquele rato nas folhas do aweoweo,
Pelo fruto do aweoweo,
Pelo tronco do aweoweo.
Grandes olhos tem você, ó Mainele;
Mas você não viu aquele rato.
Se você tivesse atirado, Ó Mainele,
Você teria acertado os bigodes daquele rato…
Você teria dois ratos – dois.
Outro vem – três ratos – três!

Então Mainele disse: ‘Você é uma criança mentirosa. Eu, Mainele, sou um atirador habilidoso. Eu bati o meu rato na boca ou no pé ou em qualquer parte do corpo, mas ninguém jamais perfurou os bigodes. Você está tentando enganar.’

Pikoi ergueu o arco, sentiu a flecha e disse ao pai dele: ‘Que flecha é essa?’

O seu pai respondeu: ‘Essa é a flecha Mahu, que come a flor da árvore-lehua“.

Pikoi disse: ‘Essa não serve. Me dê outra.’ Então o seu pai lhe deu Laukona (A-flecha-que-bate-a-folha-forte), mas o menino disse: ‘Essa flecha matou apenas sessenta ratos e o seu olho é liso. Dê-me mais uma.’

O seu pai lhe entregou a Huhui (Os-agrupados), uma flecha com três ou quatro entalhes afiados na ponta.

Pikoi a pegou, dizendo: ‘Essa flecha ganha o tesouro’ e foi em direção à árvore, repetindo secretamente o seu canto.

Então ele deixou a flecha girar e girar, atingindo e enredando os bigodes de três ratos.

Mainele viu esse tiro maravilhoso e entregou todos os tesouros que havia apostado. Mas Pikoi disse que não tinha realmente vencido até matar mais catorze ratos, então ele atirou novamente uma flecha muito longa entre as folhas grossas dos arbustos e a flecha estava cheia de ratos amarrados de ponta a ponta pendurados nela perto de quarenta.

As pessoas ficaram com a boca aberta em espanto silencioso e então irromperam no mais selvagem entusiasmo.

Enquanto eles estavam excitados, o menino e o seu pai foram secretamente para a sua casa em Manoa Valley e lá permaneceram com Ka-ui-o-Manoa por um longo tempo, não visitando Waikiki ou os lugares famosos da Ilha Oahu.

Kakuhihewa, o rei, ouviu falar desse estranho concurso e tentou encontrar o menino maravilhoso. Mas ele havia desaparecido completamente. A cuidadora da chefe suprema foi a única que observou cuidadosamente os seus olhos e a sua aparência geral, mas ela não tinha conhecimento de sua casa ou de como ele havia desaparecido.

Ela sugeriu que todos os homens de Oahu fossem chamados, distrito por distrito, para trazer oferendas ao rei, sendo concedidos dois meses a cada distrito, para que não houvesse um excesso de presentes e o povo empobrecesse e fosse reduzido a um estado de fome.

Cinco anos se passaram. No sexto ano, o Vale de Manoa foi chamado para trazer os seus presentes.

Pikoi tinha crescido e mudou muito em sua aparência geral. O seu cabelo era muito comprido, caindo bem abaixo de seu corpo. Ele pediu à irmã para cortar o cabelo e a convenceu a levar as facas de dente de tubarão do marido. Ela recusou a princípio, dizendo: ‘Essas facas são tabu porque pertencem ao chefe’. Por fim, ela pegou os dentes – um acima, ou fora do cabelo, e outro dentro – e tentou cortar o cabelo, mas era tão grosso e forte que as alças quebraram e ela desistiu, dizendo: ‘O seu cabelo é o cabelo de um deus.’ No entanto, naquela noite, enquanto ele dormia, os seus deuses-irmãs-ratos vieram e roeram o seu cabelo, algumas comendo em um lugar e outras em outro. Isso não ficou uniforme. Daí surgiu o antigo ditado: ‘Olhe para o cabelo dele. Ele foi cortado por ratos.’

Pawaa, o chefe, voltou para casa e encontrou a sua esposa muito perturbada. Ela lhe contou tudo o que havia feito e ele disse: ‘Quebraram as alças, não os dentes do tubarão. Se os dentes tivessem quebrado, seria ruim’.

O rosto de Pikoi tinha sido descolorido pelos deuses-irmãs, de modo que quando ele apareceu com o cabelo desgrenhado ninguém o conhecia – nem mesmo o seu pai e a sua irmã. Ele colocou algumas belas guirlandas de flores lehua e foi com o povo Manoa para Waikiki para comparecer perante o rei.

O povo estava festejando, surfando e desfrutando de todos os tipos de esportes antes de serem chamados a prestar reverência ao seu rei.

Pikoi vagou até a praia em Ulu-kou37 onde a rainha e sua comitiva estavam surfando. Enquanto ele estava perto da água, a rainha entrou em uma grande onda que a trouxe diante dele. Ele pediu o seu papa (prancha de surfe), mas ela disse que ela era tabu para qualquer um, menos para ela. Qualquer outro que pegasse aquela prancha seria morto pelos criados.

[37 Perto do atual Moana Hotel]

Então a chefe, que estava com a rainha quando Pikoi atirou nos ratos de Makiki, veio para a praia. A rainha disse: ‘Aqui está uma prancha de surfe que você pode usar.’ A chefe deu-lhe a sua prancha e não o conhecia. Ele saiu para o mar em Waikiki, onde as pessoas estavam praticando esportes. O surfe era bom apenas em um lugar e isso era tabu para a rainha. Então Pikoi permitiu que uma onda o levasse até as curvas altas; em que ela estava surfando. Ela esperou por ele, porque estava satisfeita com a sua grande beleza, embora ele tentasse se disfarçar.

Ela lhe pediu um de seus lindos colares de flores de lehua, mas ele disse que deveria recusar porque ela era tabu. ‘Não! Não!’ ela respondeu. ‘Nada é tabu para eu receber. Isso será tabu depois que eu o usar.’ Então ele deu a ela a guirlanda de flores. Essa parte do surfe é chamada Kalehua-wike (A-desfeita-lehua).

Então ele pediu para ela lançar a sua prancha na primeira onda e deixá-lo entrar na segunda. Ela não foi, mas pegou a segunda onda quando ele passou. Ele a viu e tentou atravessar de sua onda para a outra. Ela o seguiu e muito habilmente pegou aquela onda e remou até a praia com ele.

Um grande clamor veio do povo. ‘Aquele menino quebrou o tabu!’ ‘Há morte para o menino!’

O rei, Kakuhihewa, ouviu o grito e olhou para o mar. Ele viu a rainha do tabu e aquele garoto na mesma onda de surfe.

Ele chamou os seus oficiais: ‘Vão depressa e prendam aquele jovem chefe que quebrou o tabu da rainha. Ele não deve viver.’

Os oficiais correram até ele, o agarraram, o jogaram de um lado para o outro, arrancaram o seu malo, o golpearam com paus e começaram a matá-lo.

Pikoi gritou: ‘Pare! Espere até eu falar com o rei.’

Eles o levaram ao lugar onde o rei esperava. Algumas pessoas o insultaram e jogaram terra e pedras sobre ele enquanto ele passava.

O rei estava de bom humor e ouviu a explicação dele em vez de ordenar que ele fosse morto imediatamente.

Enquanto ele falava diante do rei, a rainha e as outras mulheres vieram. Uma delas olhou atentamente para ele e reconheceu algumas marcas peculiares em seu lado. Ela exclamou: ‘Lá está a criança maravilhosa que conquistou a vitória de Mainele. Ele é o habilidoso atirador de ratos.’

O rei disse à mulher: ‘Você vê que esse é um jovem de boa aparência e você está tentando salvá-lo.’

A mulher ficou irritada e insistiu que esse era realmente o atirador de ratos.

Então o rei disse: ‘Talvez nós devêssemos testá-lo contra o Mainele. Eles podem atirar aqui nessa casa.’ Essa era a casa chamada Hale-noa (Gratuito-para-toda-a-família). O rei deu a lei da disputa. ‘Cada um pode atirar como as flechas em suas mãos [os dez dedos] e mais cinco, quinze no total.’

Pikoi estava com medo dessa disputa. Mainele tinha as suas próprias armas, enquanto Pikoi não tinha nada, mas olhou em volta e viu o seu pai, Alala, que agora o conhecia. O pai tinha o pacote tapa de arcos e flechas. A mulher o reconheceu e gritou: ‘Eis o homem que tem o arco e a flecha para esse menino’.

Pikoi disse a Mainele para atirar em alguns ratos sob a porta. Ele os apontou um após o outro até que doze foram mortos.

Pikoi disse: ‘Há mais um. O seu corpo não pode ser visto, mas os seus bigodes estão na beira do degrau de pedra.’

Mainele negou que qualquer rato estivesse lá e se recusou a atirar.

O rei ordenou que Pikoi não atirasse em nenhum rato debaixo da porta, mas matasse ratos de verdade, como Mainele havia feito.

Pikoi pegou o seu arco, dobrou-o e puxou-o até que se estendesse de um lado a outro da casa. A flecha era muito longa. Ele chamou o seu oponente para apontar os ratos.

Mainele não conseguiu apontar nenhum. Nem o rei podia ver algum ao redor da casa.

Pikoi atirou uma flecha na porta e matou um rato que estava escondido embaixo.

Então Pikoi atirou em um rato velho curvado em um canto; então apontou para o mastro da cumeeira e entoou o seu canto habitual, terminando desta vez:

‘Em linha reta a flecha atinge
Batendo na boca do rato,
Do olho da flecha até o fim
Quatrocentos – quatrocentos!’

O rei disse: ‘Atire nos seus <Quatrocentos – quatrocentos>. Mainele deve pegá-los, mas se o olho de sua flecha não encontrar ratos, você morre.’

Pikoi atirou a sua flecha, que passou ao longo do poste do cume sob a palha, atingindo rato após rato até que a flecha estivesse cheia de ponta a ponta – centenas e centenas.

O chefe supremo Pawaa conheceu o seu cunhado, abraçou-o e lamentou o seu problema. Então, agarrando o seu bastão de guerra, ele saiu da casa para encontrar os homens que haviam atingido Pikoi e arrancado o seu malo. Ele os atingiu um após o outro na nuca, matando vinte homens. O rei perguntou ao amigo por que ele tinha feito isso. Pawaa respondeu: ‘Porque eles maltrataram o meu cunhado – o único irmão de minha esposa, <A Bela de Manoa>’.

O rei disse: ‘Isto está certo.’

As pessoas que insultaram Pikoi e jogaram sujeira nele começaram a fugir e tentar se esconder. Elas fugiram em direções diferentes.

Pikoi pegou o seu arco e fixou uma flecha e novamente cantou para as suas deusas-irmãs-ratos, terminando com um encantamento contra aqueles que estavam em fuga:

‘Golpear! Eis que estão os ratos – os homens!
O homem pequeno,
O grande homem,
O homem alto,
O homem baixo,
O covarde ofegante.
Voa, flecha! e golpeie!
Retorne finalmente!’

A flecha perfurou um dos homens que fugiam, saltou para o lado para atacar: outro, passou de um lado para o outro em volta daqueles que tinham pena dele, atingindo apenas aqueles que haviam falhado, procurando os homens como se tivesse olhos, finalmente voltando para o seu lugar no pacote de tapa. A flecha recebeu o nome de Ka-pua-akamai-loa (A-flecha-muito-sábia). Muitos foram punidos por essa flecha sábia.

Surpresa e confusa foi a grande assembleia de chefes e eles disseram uns aos outros: ‘Nós não temos nenhum guerreiro que possa ficar diante desse jovem muito habilidoso.’

O rei deu a Pikoi um lugar de honra entre os seus chefes, tornando-o seu grande caçador de ratos pessoal. A rainha o adotou como o seu próprio filho.

Ninguém tinha ouvido o nome de Pikoi durante todas essas experiências maravilhosas. Quando ele cantou a sua oração em que deu o seu nome, ele cantou tão suavemente que ninguém podia ouvir o que ele estava dizendo. Por isso as pessoas o chamavam de Ka-pana-kahu-ahi (O-atirador-construtor de fogo), porque a sua flecha era como fogo em sua destruição.

Pikoi voltou para Manoa Valley com Pawaa e o seu pai e a sua irmã. Lá ele morou por algum tempo em uma grande casa de grama, um presente do rei.

Kakuhihewa planejava dar-lhe a sua filha em casamento, mas a oportunidade de novas experiências no Havaí chegou a Pikoi e ele foi para aquela Ilha, onde se tornou um notável atirador de pássaros e caçador de ratos e teve a sua competição final com Mainele.

Mainele ficou muito envergonhado quando o rei ordenou que ele recolhesse não apenas os cadáveres de todas as pessoas que foram mortas por aquela flecha muito sábia, mas também os corpos dos ratos. Ele foi compelido a limpar o solo com sangue dos mortos. Ele fugiu e se escondeu em uma aldeia com pessoas de classe baixa até que surgiu a oportunidade de ir para a Ilha do Havaí para tentar um novo recorde para si mesmo com o seu arco e flecha.

XXII – KAWELO

Muitos Kawelos são nomeados nas lendas das Ilhas de Oahu e Kauai, mas apenas um foi o forte, o poderoso guerreiro que destruiu um gigantesco inimigo que usava árvores como lanças. Ele era conhecido como Kawelo-lei-makua quando mencionado nas genealogias.

O tio-avô de Kawelo, Kawelo-mahamahala, era o rei de Kauai. A terra prosperou e ficou quieta sob ele. Quando ele morreu, as pessoas o adoraram como um deus. Disseram que ele havia se tornado um tubarão divino, vigiando as costas marítimas de sua Ilha. Por fim, pensaram que se tornara um deus de pedra — uma ponta na cabeça e outra na cauda, ​​um lado vermelho e o outro preto. O seu neto, Kawelo-aikanaka, que se tornou rei de Kauai, nasceu no mesmo dia que trouxe Kawelo-lei-makua ao mundo. Eles sempre foram conhecidos como Aikanaka e Kawelo. Também nasceu nesse mesmo dia Kauahoa, que se tornou o gigante de Kauai e o inimigo pessoal de Kawelo. Na infância, os três meninos foram levados por seus avós para Wailua e criados próximos um do outro sob diferentes cuidadores.

Algumas das lendas dizem que o irmão mais velho de Kawelo, Kawelo-mai-huna, nasceu um eepa – uma criança mal formada, mas com poderes milagrosos. Ao nascer, os servos envolveram essa criança em um lençol de tapa e pensaram em enterrá-la, mas uma forte tempestade surgiu. Houve relâmpagos agudos e trovões altos. Ventos fortes varreram a casa. Então eles colocaram o pacote em uma pequena cabaça, cobriram-no com um manto de penas e o penduraram no alto da casa. Os avós vieram e profetizaram um futuro maravilhoso para essa criança. O pai começou a tirar a cabaça, mas viu apenas uma nuvem de penas vermelhas rodopiando e escondendo todo o canto superior. Os velhos, de cabeça baixa, pronunciavam encantamentos. Ouviu-se um som de gotas de chuva caindo nas folhas das árvores da floresta e um arco-íris se ergueu sobre a porta. Ouviam-se vozes de belos pássaros verdes (o Elepaio) ao redor e ratos corriam sobre a palha do telhado. Então os velhos disseram: ‘Essa criança se tornou um eepa. Ele aparecerá como homem ou pássaro ou peixe ou rato.’

Kaua‘i ‘Elepaio (Chasiempis sclateri)

Outras crianças nasceram, depois Kawelo e, por último, o seu fiel irmão mais novo, Kamalama. Os idosos que cuidavam de Kawelo eram os seus avós. Eles ensinaram os sinais, encantamentos e magia do pensamento Havaiano. Frequentemente iam para o interior, onde cresciam os seus melhores alimentos. Eles sempre preparavam grandes cabaças cheias de poi e outros alimentos, pensando em ter bastante quando voltassem; mas todas as vezes todo o alimento era comido. Eles decidiram que era melhor proporcionar esportes para Kawelo do que deixá-lo ocioso enquanto eles estivessem fora, então foram para a floresta com os seus servos e fizeram uma canoa. Depois de muitos dias, o seu trabalho estava terminado e eles voltaram para preparar a comida. Poi foi feito e todos os tipos de alimentos foram colocados nos fornos para cozinhar. Então eles ouviram um som como o de um vento forte rasgando a floresta. Eles ouviram as vozes estridentes de muitos ratos. Logo eles foram ver a canoa na floresta, mas ela sumiu. Eles voltaram para casa para pegar o poi e cozinhar a comida, mas toda ela tinha ido embora – apenas as folhas em que a comida havia sido embrulhada estavam no forno. Kawelo contou aos avós que os pequeninos com bigodes de rato carregaram o barco até o rio e depois comeram toda a comida. Um, maior que os outros, chamou-o: ‘E Kawelo, aqui está o seu brinquedo, a canoa’.

Kawelo desceu até o rio. Durante todo o dia ele remou para cima e para baixo no rio e durante todo o dia a sua força crescia a cada remada. Assim, dia após dia, remava de manhã até a noite e ninguém em toda a Ilha tinha tal fama por manusear uma canoa.

Os outros meninos foram cuidadosamente treinados em todos os jogos de habilidade, boxe, luta livre, arremesso de lança, levantamento de peso e outros exercícios atléticos. Kauahoa estava com muita inveja do brinquedo de Kawelo e pediu a seus cuidadores que fizessem algo para ele, então eles fizeram uma pipa (um pe-a) e deram para o seu filho adotivo. Aquela pipa subiu muito nos céus. Altos foram os gritos das pessoas ao verem essa coisa linda no céu. Kawelo pediu uma pipa e em poucos dias tirou uma para voar ao lado da pipa de Kauahoa. Ele soltou a corda e ela subiu cada vez mais alto e as pessoas aplaudiram ruidosamente. Kawelo chegou cada vez mais perto de Kauahoa e puxou a sua pipa para baixo lentamente e depois a soltou rapidamente. A sua pipa saltou de um lado para o outro, torceu as suas cordas em torno daquela segurada por Kauahoa e a quebrou e a pipa foi soprada para longe na floresta, em um lugar chamado Kahoo leina a pe-a (A-pipa-caindo). Kawelo disse que o vento era o culpado, então Kauahoa, embora muito zangado, não encontrou motivos para brigar. Então os avós ensinaram Kawelo a boxear, lutar e manejar a lança de guerra. Assim os meninos cresceram em estatura e em inimizade.

Depois de um tempo, o rei de Kauai morreu e Aikanaka tornou-se rei. As lendas dizem que os ratos avisaram Kawelo e ele e os seus avós fugiram para a Ilha de Oahu. O barco sobrevoou o mar como um malolo (peixe-voador), saltando sobre as ondas ao forte golpe de Kawelo. Os ratos sob o comando de seu rei foram escondidos na canoa e transportados para o novo lar. Os irmãos mais velhos e os pais de Kawelo moravam há algum tempo na praia de Waikiki perto de Ulukou38 na foz do córrego Apuakehau. Os avós levaram Kawelo e Kamalama para o interior e encontraram um belo lugar entre manchas de taro e campos cultivados para a sua casa. Conta-se que quando chegaram à praia um jovem desceu à água e levou a canoa para o interior. Kawelo ligou para ele e o adotou como um membro da família. O nome do menino era Kalaumeke (Um-tipo-de-ti-folha). O menino disse que não era tão forte quanto parecia ser, pois contava com a ajuda de muitas pequenas pessoas de bigodes-compridos; o seu verdadeiro poder estava no arremesso de lanças e na luta com clavas. Havia apenas um outro jovem que era igual a ele – um jovem de Ewa, cujo nome era Kaeleha. Kawelo mandou chamar esse homem e o acolheu em sua família. Eles moraram por algum tempo, cultivando o lugar onde agora estão as terras reais, atrás da praia de Waikiki.

[38 Local do Moana Hotel]

Um dia eles ouviram grandes gritos e palmas na praia e Kawelo desceu para ver o esporte. Os seus irmãos tinham aprendido bem todas as artes do boxe e luta livre e eram muito fortes; mas eles não foram capazes de derrubar um homem muito forte de Halemanu. Kawelo desafiou o homem forte. Os seus irmãos mais velhos o ridicularizaram, mas Kawelo perseverou. O homem forte era muito maior e mais alto que Kawelo. Ele se gabou quando Kawelo se aproximou dele. ‘Forte é a koa39 de Halemanu. O kona [vento] não pode dobrá-lo.’ Kawelo se gabou em resposta: ‘Mauna Waialeale tentará contra Mauna Kaala.’ Então o homem forte disse: ‘Quando eu gritar <balançar as mãos>, nós cairemos um contra o outro’. Com essa palavra ele avançou e atacou Kawelo, dobrando-o, mas não o derrubando. Kawelo, devolveu o golpe com tanta força que o poderoso boxeador caiu morto. Kawelo, deu o corpo ao rei de Oahu para ser levado como sacrifício aos deuses no heiau, ou templo, Lualualei em Waianae. ‘Dizem que esse era um templo muito antigo pertencente ao chefe Kakuhihewa.’

[39 Uma árvore – Acácia koa]

Os irmãos de Kawelo ficaram muito mortificados ao ver o seu irmão mais novo realizar o que eles não conseguiram fazer, então, envergonhados, eles voltaram para Kauai com os seus pais.

O rei de Oahu deu terras a Kawelo. Os seus avós construíram uma casa para ele. Era bem coberta de palha, exceto o topo. Ele era um chefe supremo tabu e os Kahunas (sacerdotes) diziam que ele deveria terminá-la com o trabalho de suas próprias mãos. Isso ele pensou que faria com as belas penas dos pássaros vermelhos e amarelos. Ele se deitou e dormiu. Quando acordou, viu o seu irmão-rato, que tinha um poder milagroso, terminando todo o telhado com as mais belas penas vermelhas e douradas. O rei de Oahu veio ver este lugar maravilhoso e o abençoou e tirou o seu tabu dele para que pertencesse totalmente a Kawelo, embora fosse mais bonito do que o do próprio rei.

Kawelo, aprendeu a hula (dança) e percorreu a Ilha participando de todas as reuniões de hula até que as pessoas o chamavam de ‘o grande chefe de hula’. Na aldeia de Kaneohe ele conheceu a mulher mais bonita daquela parte da Ilha, Kane-wahine-ike-aoha. Ele se casou com ela, desistiu da hula e voltou para casa para aprender a arte da batalha com lanças e porretes. Ninguém era mais forte ou mais habilidoso do que o pai de sua esposa. Kawelo enviou a sua esposa para o outro lado da Ilha para pedir ao pai que o ensinasse a lutar com a clava de guerra. Ela foi até o pai e o convenceu a ajudar Kawelo. Por muitos dias eles praticaram juntos, até que Kawelo se tornou poderoso no manejo tanto da lança quanto da clava.

Após isso Kawelo, aprendeu as orações e encantamentos e oferendas de que dependia a boa pesca. Então ele pegou o pescador e saiu no oceano para lutar com um grande peixe que havia aterrorizado o povo de Oahu por muitos anos. Esse era um kupua, ou peixe mágico, possuindo grandes poderes. Ao saírem de Waikiki, com um golpe do remo Kawelo enviou a canoa para Kou, com outro golpe ele passou por Waianae e então começou a pescar da costa até o mar, usando uma rede redonda e profunda. Esse método de pesca continua até os dias atuais. Um peixe é pego e um peso é amarrado a ele para que ele nade lentamente. Outros peixes vêm ver o estranho e a rede é puxada em volta deles. Muitos bons peixes foram capturados, mas os grandes peixes não vieram.

Novamente Kawelo veio caçar esse Uhumakaikai, mas o Uhu enviou ondas de tempestade ferozes contra a canoa para levá-la à terra. Kawelo segurou o barco com força com o seu remo. Logo o Uhu apareceu, tentando atingir o barco e derrubá-lo. Kawelo e o seu pescador observaram cuidadosamente cada movimento e equilibraram o barco conforme necessário. A rede de Kawelo estava na água, com a boca aberta e toda a sua extensão arrastando-se para trás do barco. O Uhu estava nadando ao redor da rede como se desprezasse cada movimento, mas Kawelo varreu a rede de lado e o peixe se viu nadando na rede. Kawelo rapidamente lançou a rede para a frente até que o Uhu estivesse totalmente fechado. Então veio uma maravilhosa batalha de peixes. As ondas varreram alto ao redor do barco. Kawelo e o pescador a cobriram de modo que a água escorresse em vez de entrar nela.

Então o Uhu nadou rapidamente para as águas azuis. O pescador implorou a Kawelo que cortasse a corda que segurava a rede. Longe eles foram – para a Ilha mais distante, Niihau. Kawelo viu uma grande batalha na rede que prendeu o Uhu. Havia muitos peixes dentro atacando o Uhu. Eram uma espécie de peixe bigodudo, mordendo como ratos, cravando os dentes na carne do grande peixe. Kawelo proferiu encantamentos e o peixe ficou cada vez mais fraco até que parou de lutar. Kawelo remou com braçadas fortes de volta a Oahu.

Enquanto isso, os irmãos e os pais, que tinham ido para Kauai, estavam em grande dificuldade sob as perseguições de Aikanaka e o seu homem forte Kauahoa. Por fim, a mãe mandou os irmãos para Oahu atrás de Kawelo. Eles vieram para Waikiki enquanto Kawelo estava fora tentando matar o Uhu. O irmão mais novo, Kamalama, os recebeu e enviou dois mensageiros para encontrar Kawelo. Ele recitou um canto familiar, no qual os nomes dos irmãos visitantes, bem como o nome dos deuses de Kawelo, foram homenageados. Ele os encarregou de lembrar os nomes dos irmãos ou teriam problemas. Eles remaram no oceano chamando Kawelo e repetindo os nomes de vez em quando.

De repente, uma onda alta de surfe pegou a sua canoa e a virou, deixando-os lutando nas águas ferozes. Logo viram Kawelo chegando com o seu grande peixe perto de sua canoa. ‘Ó Kawelo!’ eles gritaram. ‘Nós tínhamos os nomes de seus amigos de Kauai, mas o nosso problema na água nos fez esquecer.’ Então Kawelo, recitou o seu canto, dando os nomes de seus irmãos e também os dos deuses tabu. Somente os chefes a quem os deuses pertenciam podiam falar os seus nomes. Quando Kawelo pronunciou os seus nomes, os dois homens gritaram: ‘Esses são os homens e Kuka-lani-ehu é o deus deles’. Kawelo estava muito zangado com a profanação do nome do deus de sua família na boca dos homens comuns. Ele enfiou o remo fundo no mar, rasgando o recife de coral em pedaços, mas o grande peixe ficou preso no coral e Kawelo não conseguiu remar até os homens. Eles correram com o barco para a praia e escaparam. Kawelo, então, pegou uma parte do peixe capturado e ofereceu para sacrifício no templo de Waianae. O resto ele trouxe para o seu povo em Waikiki.

Ao aproximar-se da costa, ele chamou os seus lançadores de lanças para encontrá-lo na praia. Sete homens habilidosos estavam diante dele quando ele chegou. Eles arremessaram as suas lanças de uma só vez direto para ele, mas ele se moveu habilmente de um lado para o outro e jogou as pontas de seu malo (tanga) em volta deles e os pegou todos juntos. Então ele chamou os seus dois meninos adotivos para jogar. Isso eles fizeram com grande habilidade, mas ele pegou as duas lanças com uma mão. Kamalama pegou duas lanças e a esposa de Kawelo ficou de lado com um anzol e linha na mão. Quando as lanças passaram voando por ela, ela jogou o gancho e pegou cada uma.

A história do problema de Kauai logo foi contada. O rei de Oahu forneceu uma grande canoa dupla. De seu sogro, Kawelo obteve as históricas armas de batalha – clava de guerra e lança – com as quais aprendera a lutar. Alimentos em abundância foram colocados nos barcos e a família voltou para Kauai para travar guerra com Aikanaka e Kauahoa, parando no heiau Kamaile – depois chamado Kane i ka pua lena (Kane da flor amarela) – para oferecer sacrifícios. Algumas lendas dizem que esse templo estava em Makaha e que Kane-aki era o nome. Esse Kane era um dos deuses de Kawelo. Kawelo, de acordo com uma lenda, fez com que o seu povo o amarrasse em uma esteira como se estivesse morto quando se aproximavam de Wailua, a casa de Aikanaka. A praia estava coberta de gente – os guerreiros de Aikanaka. Quando a canoa dupla chegou à praia, as pessoas se prepararam para atacar. Eles esperaram, no entanto, que os recém-chegados pousassem e se preparassem para a luta. Essa era uma cortesia formal sempre exigida pela ética dos tempos antigos. Quando tudo estava pronto, Kamalama ficou ao lado do corpo aparentemente morto de Kawelo e puxou uma corda que soltou as esteiras. Kawelo levantou-se com o seu bastão de guerra e lança na mão e avançou sobre a multidão. Ele golpeou de um lado para o outro e as pessoas caíram como as folhas das árvores em um redemoinho.

Mais uma vez, novos grupos de guerreiros de Aikanaka saíram apressados. Kamalama, os sete lanceiros e os dois meninos adotivos lutaram contra esse exército e o levaram de volta para baixo de um penhasco onde Aikanaka tinha o seu quartel-general. Os sete lanceiros, conhecidos nas lendas como Naulu (as-sete-frutas-pão), ficaram com medo e se retiraram para o barco.’

Dois chefes nobres pediram a Aikanaka dois grandes corpos de homens (dois dos quatrocentos), mas Kawelo e seu punhado de ajudantes os derrotaram com grande matança. Assim, vários grupos maiores de soldados foram destruídos e Aikanaka ficou frio e com medo em seu coração.

Então Kahakaloa, o mais habilidoso no uso de clavas de guerra em todas as Ilhas, levantou-se e desceu com os duzentos guerreiros para lutar com Kawelo e a sua família. O sogro de Kawelo conhecia bem esse chefe e pensou que por ele Kawelo poderia ser morto se fosse para Kauai, mas Kawelo tinha aprendido golpes de clava não compreendidos em Kauai. Logo todos os guerreiros foram mortos e Kahakaloa ficou sozinho contra Kawelo. Quando eles se enfrentaram, Kahakaloa rapidamente atingiu Kawelo, mas Kawelo, ao cair, deu um golpe para cima em sua clava, quebrando o braço de seu inimigo. Na luta seguinte, o rápido golpe ascendente de Kawelo matou o seu inimigo.

Então Kauahoa, o homem mais forte, mais alto e mais habilidoso de Kauai, levantou-se e desceu ao encontro de Kawelo. Kauahoa pegou uma árvore-koa mágica, raiz, caule e galhos, para a sua clava com a qual lutar contra Kawelo. O seu coração estava cheio de raiva ao se lembrar dos problemas entre Kawelo e ele na infância. Ao passar pela multidão de seus mortos, ele ficou fora de si de raiva e atacou Kawelo. Kawelo colocou a sua esposa de lado com os seus poderosos anzóis e linhas para pegar os galhos da poderosa árvore e segurá-los com firmeza. Algumas das lendas dizem que ela era muito habilidosa no uso do ikoi. Esta era uma vara reta, um pouco pesada, com uma corda forte presa no meio. Foi dito que ela deveria jogar esta vara sobre os galhos, girando e torcendo a corda em volta deles, enredando-os bastante, para que ela pudesse puxar a árvore para um lado. Kawelo ordenou a seus guerreiros que observassem os pontos de luz do sol filtrando-se pelos galhos. Quando a árvore foi lançada sobre eles, eles deveriam saltar para os lugares abertos e agarrar os galhos, segurando-se o melhor que pudessem. Quando o gigante atacou com o seu estranho bastão de guerra, os amigos de Kawelo seguiram as suas instruções, enquanto ele saltava rapidamente para o lado e corria atrás de Kauahoa enquanto ele se inclinava tentando livrar a sua árvore de seus problemas. Kawelo atacou com força terrível, a sua clava de guerra cortando Kauahoa em pedaços, que caíram ao lado do árvore-koa.

Em algum lugar nas batalhas travadas por Kawelo ao longo das costas de Kauai, ele estava lutando com o seu inimigo gigante e atingiu a sua lança contra o cume da montanha em Anahola, perfurando-o por toda parte, deixando um grande buraco através do qual o céu sempre pode ser visto.

Aikanaka fugiu para a região perto de Hanapepe, onde viveu na pobreza. Kawelo dividiu os distritos de Kauai entre os seus guerreiros. Kaeleha recebeu o distrito em que Aikanaka estava abrigado. Logo esse filho adotivo de Kawelo conheceu a filha de Aikanaka e se casou com ela. Depois de um tempo, ele queria que Aikanaka governasse novamente a Ilha. Ele propôs rebelião e disse a Aikanaka que eles poderiam destruir Kawelo porque ele nunca havia aprendido a arte de lutar com pedras. Ele só entendia o uso da clava de guerra e da lança. Ordenaram às mulheres e crianças que reunissem grandes pilhas de pedras para atirar contra Kawelo.

Quando Kawelo soube dessa insurreição, ele ficou muito zangado. Ele pegou a sua clava de guerra, Kuikaa e apressou-se para Hanapepe. Ao aproximar-se, viu que as pessoas haviam barricado o seu caminho com canoas e que atrás dessas canoas havia muitas grandes pilhas de pedras sob os cuidados dos guerreiros. Ele ergueu a sua clava de guerra e saltou em direção a seus inimigos. Uma pedra de estilingue o alcançou. Então as pedras vieram como chuva forte. Ele se esquivou, mas eram tantas que, quando evitava uma, era atingido por outras. Ele estava machucado e ferido e atordoado até que ele caiu inconsciente no chão sob a chuva forte.

O povo se alegrou e, para garantir a morte, livraram-se das pedras e espancaram o corpo com porretes até que esfriasse e não pudessem detectar nenhum sinal de respiração.

Aikanaka havia construído um novo unu, ou heiau, em Mauilli {sic}, no distrito de Koloa, mas nenhum homem havia sido oferecido como sacrifício em seus altares. Ele pensou que tomaria Kawelo como o primeiro sacrifício humano. As pessoas levaram o corpo de Kawelo para o pa, ou recinto exterior, do templo, mas estava escuro quando chegaram e deitaram o corpo, cobrindo-o com folhas de bananeira, dizendo que viriam na manhã seguinte e colocariam o corpo no altar, onde deveria ficar até que se decompusesse.

Dois vigias foram nomeados, um dos quais era parente próximo de Kawelo. Ele logo descobriu que Kawelo não estava morto. Ele contou a Kawelo sobre o plano de colocá-lo no altar pela manhã. Ele cobriu Kawelo novamente, colocando a sua clava de guerra ao seu lado. De manhã, os chefes e o povo vieram ao heiau com Aikanaka e Kaeleha. Quando todos estavam reunidos, o vigia sussurrou para Kawelo. As folhas foram jogadas e Kawelo atacou a multidão e destruiu todos os que se rebelaram contra ele.

Algumas das lendas dizem que Aikanaka colocou Kawelo na plataforma de sacrifício e pela manhã começou a oferecer a oração consagrando o corpo morto aos deuses, quando Kawelo o matou diante de seu próprio altar.

Quando essa rebelião tinha sido vencida, Kawelo deu um grande distrito com boas terras ao vigia que o fizera amigo. Ele manteve o seu irmão mais novo Kamalama no distrito de Hanamaulu e entregou os seus pais aos seus cuidados.

Kawelo, como era o seu direito, governou toda a Ilha, passando de um lugar para outro, estabelecendo a paz e a prosperidade. Ele fez a sua casa em Hana, plantando e pescando para si mesmo, não sobrecarregando chefes ou pessoas, mas amado por todos. Assim, ele ganhou o nome honrado Kawelo-lei-makua (Kawelo, guirlanda-de-seus-pais).

XXIII – “CHEFE DEVORADOR-DE-HOMENS”

Chefe devorador-de-homens’, o canibal, vivia nas Ilhas Havaianas. Ele também foi um dos habitantes do reino da névoa (mistland). Lendas se reuniram ao redor dele como nuvens. Os fatos também se destacavam como árvores altas por entre as nuvens. Ele era um verdadeiro canibal, de quem os Havaianos não se orgulham.

Observação: Na mitologia nórdica, Niflheim (“mistland” ou “reino da névoa“) o mundo do frio, da névoa e da neve, situado acima da fonte Hvergelmir, no nível inferior de Yggdrasil e ao lado de Hel e Muspelheim. Fonte Wikipédia.

Está registrado que depois de certas batalhas ferozes do passado, como um método de mostrar indignidade aos chefes mortos, os seus corpos foram assados ​​​​e lançados ao mar.

Os Havaianos têm sido frequentemente chamados de canibais. Secretários da Junta Missionária sob a qual os primeiros missionários vieram para o Havaí e documentos da denominação que apoiam essa missão, proferiram a inverdade: missionário frio. ‘Era um pano de fundo muito forte contra o qual pintar a melhoria moral, mas não era preciso. Os Havaianos afirmam que nunca praticaram o canibalismo. Se algo como um banquete de carne humana foi participado, foi apenas em casos extremamente raros e obscuros. E desses apenas o ‘Chefe devorador-de-homens’ é aceito como um fato histórico. Lendas que possivelmente tiveram uma pitada de canibalismo são muito poucas.

É pouco provável que o cozimento tenha sido seguido de canibalismo, porém não há nada no registro além da sugestão.

O ato ousado de ‘comer coração’ é mencionado nos anais Havaianos. Isso ocorreu durante ou depois de uma batalha, quando dois guerreiros estavam envolvidos em uma luta corpo a corpo. O vencedor, cuja força estava quase acabando, às vezes arrancava o coração do oponente moribundo e o comia no local. Acreditava-se que a força e a coragem dos mortos entravam imediatamente nos vivos.

Que os chefes e sacerdotes Havaianos dão pouco valor à vida é bem atestado pelo grande número de sacrifícios humanos exigidos para quase todas as cerimônias civis e religiosas. Por exemplo, quando o famoso deus da guerra Kaili foi levado a um templo dedicado a ele por Kamehameha, onze vítimas humanas foram colocadas de uma só vez no altar diante dele. Quando um chefe desejava uma canoa nova, geralmente um homem era morto ao pé da árvore da qual a canoa deveria ser feita. Outro foi morto quando a canoa estava pronta e outros poderiam ser sacrificados em diferentes etapas do trabalho. Quando a casa de um chefe deveria ser erguida, às vezes uma vítima era sacrificada e enterrada em cada canto e quando a casa era concluída, outro massacre ocorria. Quando um ídolo deveria ser feito, substancialmente os mesmos sacrifícios acompanhavam a cerimônia de escolher a árvore e esculpir a imagem. Em certas ocasiões, os sacerdotes de todos os templos exigiam vítimas humanas e oficiais regularmente designados, ou caçadores de homens eram designados para providenciar o sacrifício. Nem mesmo os seus próprios parentes foram poupados na busca. As mulheres quase sempre estavam isentas desse horrível fim da vida. Quando uma batalha era travada, muitos cativos eram sacrificados tanto pelos vencedores quanto pelos vencidos.

O infanticídio era praticado livremente até o advento dos missionários. Mesmo para os velhos, muitas vezes havia pouco amor e os idosos e os enfermos eram deixados para cuidar de si mesmos, ou colocados na praia para as mãos estendidas da maré que entrava.

Um historiador nativo diz: ‘As antigas restrições de chefes e sacerdotes eram como o dente envenenado de um réptil. Se a sombra de um homem comum caísse sobre um chefe, era morte. Se ele vestisse qualquer parte das roupas de um chefe, era a morte. Se ele entrasse no pátio do chefe ou na casa do chefe, era a morte. Se ele ficasse parado com a menção do nome do rei em uma canção, era a morte. Havia muitas outras ofensas do povo que eram capitalizadas pelos chefes. O rei e os sacerdotes eram muito parecidos. O sacerdócio era opressivo para o povo. As vítimas humanas eram exigidas em muitas ocasiões. Se os tabus fossem violados, significava a morte. Era a morte ser encontrada em uma canoa em um tabu ou dia sagrado. Se uma mulher comia carne de porco, coco, banana ou certo tipo de peixe ou lagosta, era a morte .’

Isso e muito mais da crueldade humana é reconhecido em relação à vida selvagem do antigo Havaí. No entanto, desde o início do primeiro contato dos brancos com o Havaiano, não se conhece nenhum caso ou indício de canibalismo.

A ideia de comer carne humana era completamente repugnante. Alexander, em sua breve história do povo Havaiano, diz: ‘O canibalismo era visto com horror e ódio’. Isaac Davis, um dos primeiros homens brancos a se estabelecer nas Ilhas, declarou que os Havaianos nunca foram canibais desde que as Ilhas foram habitadas.

Para o Havaiano, ‘O Chefe-devorador-de-homens’ era a personificação única e horrível de um apetite insano. Ele era o gigante ‘Fe-fi-fo-fum’ do berçário Havaiano. O próprio pensamento de seu pior que brutal banquete fazia o sangue Havaiano gelar.

Uma das lendas de Ke-alii-ai Kanaka (O-chefe-que-devora-homens) conta o súbito aparecimento na Ilha de Kauai, num passado indefinido, de um chefe estrangeiro de uma terra estrangeira, com um pequeno bando de seguidores. O rei de Kauai deu-lhes as boas-vindas. Festas e jogos eram desfrutados, então veio a descoberta de que festas secretas de natureza horrível eram consumidas pelos estranhos. Eles foram expulsos da Ilha. Atravessaram o canal para Oahu. Eles sabiam que a sua reputação logo os seguiria, então eles foram para o interior até a alta cordilheira das Montanhas Waianae. Aqui eles estabeleceram a sua casa, cultivaram alimentos e capturaram vítimas humanas, até finalmente serem expulsos. Então eles lançaram os seus barcos e navegaram para Kahiki, uma terra estrangeira.

Ai-Kanaka (devorador de homens) era o nome dado a uma baía na Ilha de Molokai, agora conhecida como a ilha dos leprosos. Aqui morava o sacerdote Kawelo, que, com a ajuda do grande deus-tubarão Kauhuhu, trouxe sobre os seus inimigos uma tempestade que os arrastou para o mar, onde foram devorados pelos súditos e companheiros do deus-tubarão.

Uma lenda, ou melhor, uma genealogia, colocou um ‘Chefe devorador-de-homens’ na Ilha do Havaí, mas não são dadas indicações de banquetes antropófagos ou de viagens a outras Ilhas e o nome pode simplesmente se referir a um disposição feroz. O chefe de Oahu, Ke-alii-ai Kanaka, viveu por volta de meados do século XVIII, tanto quanto se pode estimar. Até meados do século XIX, os relatos dos feitos do ‘Chefe devorador-de-homens’ e o conhecimento preciso de seu local de residência estavam bem frescos nas mentes dos Havaianos idosos.

Ainda é um problema a ser decidido se o ‘Chefe devorador-de-homens’ era estrangeiro ou Havaiano. A dificuldade que torna o seu nascimento no estrangeiro um problema é a data aceita do encerramento de todas as relações com grupos de Ilhas distantes, como Samoa e Fiji – pelo menos trezentos anos antes do século atribuído a Ke-alii-ai Kanaka.

Parece melhor aceitar a lenda de que o chefe degenerado era um degenerado e um pária da alta família de Waialua, na costa noroeste de Oahu.

Ke-alii-ai Kanaka era um homem poderoso. Ele é descrito como um boxeador e lutador campeão. De alguma forma ele aprendeu a amar o sabor da carne humana. Quando o seu terrível apetite se tornou conhecido, ele foi expulso de sua casa. Ao passar pela aldeia, as mulheres que tinham sido as suas amigas de infância e companheiras fugiam dele. Os seus antigos amigos, os jovens guerreiros, gritavam ‘Devorador de homens! Devorador de homens!’ e o desprezavam abertamente. Com raiva amarga, ele chamou os poucos servos que o seguiriam e fugiu para as montanhas reais de Waianae. Afastado de seus parentes e amigos, ele enterrou a si mesmo e o seu apetite brutal nas florestas das montanhas.

É possível que logo depois disso ele tenha visitado a Ilha Kauai e lá se tenha passado por chefe de uma terra estrangeira. Mas ‘a sua mão estava contra todos’ e, portanto, ‘a mão de todos estava contra ele’. Finalmente, ele fez o seu lar permanente entre as Montanhas Waianae, na cordilheira que faz fronteira com Waialua.

Os seguidores dele eram apenas um punhado, pois uma única canoa os trouxe para longe de Kauai – se o seu era de fato o bando expulso das margens hospitaleiras daquela Ilha fértil.

Kokoa e Kalo eram os nomes pelos quais ele era conhecido em sua juventude mais nobre e Kokoa era o seu nome para os seus seguidores, mas ele era para sempre o ‘Chefe devorador-de- homens’ para o mundo Havaiano.

Foi um local selvagem e maravilhosamente bonito que Kokoa escolheu para a sua casa final. Era um pequeno planalto, ou platô, de duzentos a trezentos acres no topo de uma pequena montanha cercada por outros penhascos mais altos e escarpados. Estava luxuriantemente coberto de vegetação tropical e abençoado com chuvas abundantes. Os Havaianos deram o nome de Halemanu (casa-da-mão) a esse planalto. Os seus lados, inclinando-se para os vales, eram tão escarpados que eram absolutamente inacessíveis. Só se podia entrar ao longo de um cume estreito. As pandoras (trepadeiras-de-arco) pendiam as suas longas folhas e radículas aéreas ao longo das bordas. O uluhe,40 ou samambaia emaranhada, se amontoava e se emaranhava em um espesso disfarce para os caminhos secretos dos canibais pelos vales abaixo. Flores nativas margeavam os caminhos e coroavam o planalto, como se a pior natureza do homem jamais pudesse murchar o encanto das coisas belas. Uma magnífica árvore koa, ou mogno nativo, estendeu os seus galhos protetores no local escolhido por Kokoa para a sua casa de grama. As árvores Kukui forneceram as suas nozes oleosas para as suas tochas. A ohia, ou maçã nativa e a fruta-pão e a cana-de-açúcar brava deram generosamente de sua riqueza para o sustento do bando de canibais. Cultivavam facilmente o taro, o alimento nativo universal e capturavam pássaros e às vezes caçadores incautos que penetravam nos recantos da floresta em busca dos pássaros de raras penas amarelas. Era um belo covil para o qual, como uma aranha, eles arrastavam as suas vítimas.

[40 Gleichenia longissima.]

Kokoa conduziu os seus seguidores para as montanhas através de vales sinuosos e florestas densas e, às vezes, nos próprios leitos dos riachos Waianae para esse retiro isolado, situado dentro das paredes de uma das enormes crateras extintas das montanhas vulcânicas. Ao entrarem no vale abaixo do planalto, um de seus seguidores disse a outro: ‘O nosso chefe encontrou um verdadeiro esconderijo para nós. Esperemos que não seja uma armadilha. Se a nossa presença aqui for conhecida pelos povo de Waialua, eles poderiam facilmente fechar a entrada deste vale com uma guarda forte e nos empurrar contra as paredes íngremes que não podemos escalar.’ Kokoa apenas gritou: ‘Esperem, eu os protegerei’, depois os levou ao platô que ele havia escolhido.

A subida ao cume foi ao longo de um cume de lâmina de faca ladeado por lados pitorescos. Por uma longa distância só havia espaço para um homem andar. Um dos homens apressou-se descuidadamente por essa ponte, carregando uma pesada carga de mercadorias e armas. O seu pé escorregou. O seu fardo o desequilibrou. O lado inclinado do cume estava coberto de grama, que não oferecia apoio para os pés. Em um momento, o homem caído e o seu fardo foram lançados ladeira abaixo. Os amigos aterrorizados observaram o corpo voador em sua rápida descida e o viram disparar no espaço sobre a borda de um penhasco de lava e o ouviram atingir os destroços quebrados ao pé.

Dois dos homens foram imediatamente enviados de volta para contornar o penhasco e proteger os restos mortais de seu companheiro. Os outros seguiram Kokoa com passos mais cuidadosos.

Essa colina, coroada por um planalto, que seria a sua casa, era aparentemente o centro da atividade vulcânica em tempos passados. Foi o depósito dos últimos vestígios da cratera. Lava e cinzas foram empilhadas e então, quando os incêndios se extinguiram, foram revestidas com a vida vegetal da Ilha. Aqui eles encontraram uma fortaleza que não podia ser atacada ou abordada, exceto por um homem de cada vez. A partir desse lugar, as incursões podiam ser facilmente feitas na região circundante. Aqui eles trouxeram os seus cativos para as suas festas desumanas.

Depois que as casas de capim foram construídas para abrigo permanente, Kokoa (Ke-alii-ai Kanaka) fez um grande buraco. Esse era o imu, ou forno, no qual os corpos de animais e homens deveriam ser assados. Uma fogueira foi feita no fundo do buraco. Pedras foram colocadas sobre a madeira em chamas. Quando essas pedras estavam completamente aquecidas e o fogo se extinguia, os corpos eram envoltos em folhas perfumadas e picantes, colocados sobre as pedras e cobertos para que o calor não escapasse. Então a água era cuidadosamente derramada para que nuvens de vapor pudessem tornar macia a carne assando sobre as pedras aquecidas. Esse era o método Havaiano comum de preparar peixes, galinhas ou animais para os seus numerosos banquetes.41 Era a preparação regular do festival exigida pelos canibais.

[41 Luau]

Depois de algum tempo, Kokoa e os seus companheiros pegavam um enorme bloco aflorante de lava e alisavam o topo, fazendo um ipukai oco, ou prato de mesa, ou, mais literalmente, um prato de molho, sobre o qual as suas refeições medonhas eram servidas. Essa mesa de pedra foi finalmente arredondada e seus lados ornamentados por figuras grosseiramente esculpidas. A pedra tinha cinco ou seis pés de circunferência. Não muito longe dela foi construída a casa de capim do chefe e o terreno preparado para o taro que deveria ser o seu alimento diário.

Às vezes, membros do pequeno bando carregavam pássaros habilmente capturados e os trocavam por peixes e galinhas com famílias que moravam à beira-mar. Frequentemente, o bando inteiro atacava uma casa solitária e levava cada membro dela para o covil da montanha, para que, dia após dia, eles pudessem receber comida que satisfizesse o desejo desavergonhado de seus apetites grosseiros.

O bando de canibais muitas vezes encontrava forte resistência e, com os seus cativos, levava de volta os cadáveres de seus amigos. A doença e a morte ocasionalmente cruzavam o cume estreito e derrubavam alguns dos seguidores do ‘Chefe Devorador-de-homens’, até que finalmente Ke-alii-ai Kanaka ficou sozinho ao lado do ipukai.

Sozinho, ele observava os caçadores e os que vinham em busca de plantas raras, bosques ou pássaros. Ele guardava bem o seu retiro solitário no planalto. Ele fez muitos atos ousados ​​e aterrorizou as pessoas por sua fabulosa força e coragem.

Um dia ele capturou e matou uma vítima que ele carregou pela floresta até Halemanu.

Um irmão dessa vítima descobriu e o seguiu até o caminho ao longo do cume. Ele reconheceu o chefe que havia sido expulso de Waialua muito antes. Ele conhecia a reputação de boxe e luta livre que pertencia ao seu ex-líder. Voltou para a sua aldeia. Por um ano Hoahanau se entregou ao treinamento atlético. Ele procurou os homens fortes – os boxeadores e lutadores de Waialua. Ele visitou outras partes da Ilha até que não encontrou ninguém que pudesse ficar diante dele. Então, sozinho, ele procurou o esconderijo do ‘Chefe Devorador-de-Homens’. Ele cobriu o seu corpo esguio e musculoso com óleo, para que o seu inimigo não pudesse agarrar facilmente um braço ou membro. Ele alcançou a passagem estreita que levava a Halemanu.

O seu desafio foi ressoado e o ‘Chefe devorador-de-homens‘ veio ao seu encontro. O chefe começou a percorrer o caminho estreito balançando uma pesada clava de guerra e brandindo uma longa lança.

Hoahanau deu-se a conhecer e foi reconhecido pelo chefe. Então Hoahanau deu a conhecer os termos em que desejava lutar com o chefe.

‘Tome de volta a sua clava e lança e fique desarmado ao lado de seu ipukai e eu também ficarei desarmado por seu imu. Nenhuma arma estará perto de nossas mãos. Então nós lutaremos pela maestria.’

Aikanaka desprezava Hoahanau, cuja força ele conhecia bem no passado. Ele acreditava que poderia facilmente vencer o homem ousado que estava nu diante dele; portanto, zombando de Hoahanau e ameaçando devorar o seu corpo naquele mesmo ipukai, ele jogou fora as suas armas e esperou o ataque.

Enquanto os combatentes se jogavam um contra o outro, Aikanaka ficou surpreso ao encontrar o seu antagonista pronto para cada finta astuta e golpe bem cronometrado. Foi uma longa e terrível luta. O chefe já havia sido jogado no chão, mas se virou para o lado e ficou de pé antes que Hoahanau pudesse aproveitar a queda.

Espumando pela boca e rugindo e gritando como um animal enfurecido, Aikanaka virou-se por um segundo em direção a sua casa, com o pensamento de correr para pegar uma arma. Então Hoahanau saltou sobre ele, pegou-o e o fez girar sobre a borda do platô. O chefe foi arrebatado, quebrado e mutilado pelas pontas ásperas e afiadas da rocha de lava, até que o corpo sem vida se alojou nos galhos de uma alta ohia lá embaixo.

Nota: Esse foi o início e o fim do canibalismo nas Ilhas Havaianas no que diz respeito à história e à lenda definitiva. Halemanu foi visitado por Mathison e uma descrição da mesa de pedra esculpida foi publicada em 1825.

Em 1848, um pequeno grupo de homens brancos foi guiado até a cratera por um Havaiano idoso, que lhes repetiu a história do ‘Chefe devorador-de-homens’ substancialmente como é dada nesse registro. Eles encontraram Halemanu. As fundações da casa, ou pelo menos de uma parede ao redor, eram facilmente rastreadas. O ipukai e o imu estavam ambos lá. O grupo não notou nenhuma imagem esculpida na lateral da mesa de pedra. De fato, a pedra estava tão coberta por detritos em decomposição que mal se estendia 30 centímetros acima do solo.

Em 1879 e em 1890, o Sr. D. D. Baldwin, um membro do grupo que visitou Halemanu em 1848, novamente procurou o ipukai sem guia, mas o crescimento luxuriante de samambaias e grama dificultava a exploração e a mesa de pedra esculpida não foi encontrada. Em algum lugar sob os escombros de Halemanu pode esperar a busca paciente de um arqueólogo Havaiano.

O Sr. Joseph Emerson, que foi encarregado de pesquisas governamentais de grande parte das Ilhas e também é uma autoridade proeminente em assuntos Havaianos, diz que a pedra do sacrifício ainda pode ser encontrada e foi vista por seu irmão nos últimos anos. Ele difere dos outros escritores no nome dado ao local e também no que diz respeito à localidade. O nome certo deveria ser ‘Helemano’, trazendo a ideia de uma fila de seguidores de algum alto chefe. A localidade fica a alguns quilômetros a noroeste da Cordilheira Waianae em um dos vales das Montanhas Koolau. A esse lugar as chefes de sangue mais elevado costumavam vir para o nascimento de seus filhos esperados. O vale era ‘tabu’ ou ‘sagrado’. Perto desse local sagrado de nascimento de chefes foi o lar por um tempo do notório ‘Chefe devorador-de-homens’.

Imagem hennie-stander-cYPbGVr3njE-unsplash.jpg – 24 de agosto de 2022

…continua Parte VI…

Muda…

A chuva de bênçãos derrama-se sobre mim, nesse exato momento.
A Prece atinge o seu foco e levanta voo.

Eu sinto muito.
Por favor, perdoa-me.
Eu te amo.
Eu sou grato(a).

Autor

Graduação: Engenheiro Operacional Químico. Graduação: Engenheiro de Segurança do Trabalho. Pós-Graduação: Marketing PUC/RS. Pós-Graduação: Administração de Materiais, Negociações e Compras FGV/SP. Consultor de Empresas: Projeto OREM® - Organizações Baseadas na Espiritualidade (OBEs). Estudante e Pesquisador Independente sobre Espiritualidade Não-Dualista; Psicofilosofia Huna e Ho’oponopono; A Profecia Celestina; Um Curso em Milagres (UCEM); Espiritualidade no Ambiente de Trabalho (EAT); A Organização Baseada na Espiritualidade (OBE). Certificação: “The Self I-Dentity Through Ho’oponopono® - SITH® - Business Ho’oponopono” - 2022.

0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
0
Would love your thoughts, please comment.x