Artigo em inglês: “Hawaiian Legends of Old Honolulu” Site: https://www.sacred-texts.com/pac/hloh/hloh00.htm

Coletado e traduzido do Havaiano para o Inglês por W. D. Westervelt – Boston, G.H. Ellis Press [1915]

Tradução livre Projeto OREM®

…continuação da Parte V…

XXIV – LEPE-A-MOA

A GAROTA-AVE DE PALAMA

Coisas estranhas às vezes são imaginadas nas lendas Havaianas dos tempos antigos. A história de Lepe-a-moa é uma ilustração da mistura da ideia Havaiana de coisas sobrenaturais com os feitos da vida cotidiana. É uma daquelas lendas antigas transmitidas por bardos nativos através de gerações, cujas primeiras cenas estão na Ilha de Kauai, mas mudam para Oahu.

Keahua foi um dos chefes reais de Kauai. Aparentemente, ele era o chefe mais supremo da Ilha, mas foi na época em que os homens eram poucos e os chefes supremos e deuses eram muitos. Ele passou a sua infância nas terras ricas de Wailua, Kauai e de lá cruzou o canal profundo para Oahu e veio para a casa da chefe Kapalama atrás da linda filha dela chamada Kauhao, para levá-la a Kauai como a sua esposa. Mas logo após o seu retorno, um dos deuses kupua ficou zangado com ele. Um kupua era um deus com corpo duplo, às vezes aparecendo como homem e às vezes como animal. O corpo animal sempre possuiu poderes sobrenaturais.

Esse kupua foi chamado Akua-pehu-ale (deus-das-ondas-crescidas). Ele devorava ​​os seus inimigos e era muito temido e odiado até mesmo por sua própria tribo. Ele atacou Keahua, destruiu o seu povo e o levou para as florestas nas encostas das montanhas, onde, em um lugar chamado Kawai-kini (As-muitas-águas), onde abundava água fresca de nascente, o chefe reuniu os seus seguidores e construiu uma nova casa.

Um dia Kapalama, que estava morando em seu grupo de casas na parte de Honolulu que agora leva o seu nome, disse ao marido: ‘Ó Honouliuli, a nossa filha em Kauai terá um filho de poder mágico e de caráter kupua. Talvez nós devêssemos ir até lá, adotá-lo e educá-lo; há vida nos ossos(*).’

(*) Talvez alusão à bíblia em Ezequiel 37:2-10.

Eles atravessaram o canal, levando oferendas a seus deuses. Escondendo as suas canoas, eles subiram para a floresta. O filho da filha deles já havia nascido e eis que era só um ovo! O chefe dera ordem para levá-lo ao fundo do mar e jogá-lo fora como oferenda aos monstros marinhos; mas a mãe e seus adivinhos acharam que ele deveria ser guardado e trazido à vida.

Kapalama, chegando nesse momento, pegou o ovo, embrulhou-o cuidadosamente em kapas macios, despediu-se da filha e voltou para Oahu. Aqui ela fez o seu marido construir uma bela casa de palha com a melhor grama que ele pudesse colher. Os kapas colocados dentro para camas e roupas eram perfumados por flores de gengibre perfumadas, flores de hala e a delicada floração do niu (coco), enquanto festões de maile perfumado enfeitavam as suas paredes. Por muito tempo esse ovo ficou envolto em suas coberturas de kapas macios.

Um dia Kapalama disse ao marido para preparar um imu (forno) para o neto. Ele juntou pedras, cavou um buraco, pegou os seus bastões de fogo e esfregou até que veio o fogo, então ele fez fogo no buraco e colocou a lenha e colocou as pedras, aquecendo-as até ficarem bem quentes. Pegando algumas batatas-doces finas, ele as embrulhou em folhas e colocou os pacotes sobre as pedras, cobriu tudo com esteiras e derramou água suficiente para fazer vapor para cozinhar as batatas.

Quando tudo estava totalmente cozido, Kapalama foi até a casa do ovo e olhou para dentro. Lá ela viu uma galinha maravilhosamente linda nascida daquele ovo. As penas eram de todas as cores de todos os tipos de aves. Eles chamaram a criança-ave de Lepe-a-moa. Alimentaram-na com pedaços de batata-doce cozida e ela adormeceu, colocando a cabeça debaixo da asa.

Essa criança-ave tinha uma antepassada que era uma mulher-ave e que vivia no ar nas nuvens mais altas. O seu nome era Ke-ao-lewa (A-nuvem-em-movimento). Ela era uma feiticeira do céu, mas às vezes ela vinha à terra na forma de uma grande ave, ou de uma mulher, para ajudar os seus parentes de várias maneiras. Quando o ovo foi trazido de Kauai, Ke-ao-lewa disse a seus servos que preparassem uma piscina para uso da criança. Depois que essa criança-ave entrou em sua nova vida e comeu e descansou, ela foi até a beira da piscina, eriçou e colheu as suas penas e bebeu água doce, então pulou, nadando e mergulhando e chapinhando ao redor da piscina. Quando se cansou dessa brincadeira, ela saiu e voou nos galhos de uma árvore, sacudindo a água e se secando. Depois de algum tempo, ela voou para a sua casa de dormir, enrolou-se em alguns kapas finos e macios e foi dormir.

Assim, dia após dia, ela comia e tomava banho e, quando sozinha, mudava a sua forma de ave para a de uma menina muito bonita, o seu corpo brilhava com beleza como o caminho vermelho da luz do sol no mar, ou o arco-íris curvando-se no céu. .

Um dia depois de ter feito essa mudança, ela se esticou com o rosto para baixo e chamou os avós: ‘Ah, onde estão vocês dois? Talvez vocês entrem.’

Eles ouviram uma voz fraca e abafada e um deles disse: ‘Onde está aquela voz nos chamando? Isso é uma coisa estranha. Como um lugar tabu, ninguém tem permissão para vir aqui, é só para nós e nossos filhos.’ A mulher disse: ‘Vamos ouvir novamente; talvez nós possamos entender essa voz.’ Logo eles ouviram a criança chamar como antes. Kapalama disse: ‘Essa é uma voz da casa de nossa filha. Nós precisamos ir para lá.”

Ela correu para a casa, levantou a porta do tapete e olhou para dentro. Quando viu uma menina bonita e forte deitada no chão, foi tomada de surpresa, cambaleou para trás e caiu no chão como se estivesse morta. Honouliuli correu até ela, esfregou o seu corpo, derramou água em sua cabeça e a trouxe de volta à vida. Então ela disse: ‘Quando eu olhei para dentro, vi a nossa neta em um belo corpo humano usando um colar de penas verde e amarela. Era a voz dela nos chamando’.

Então Lepe-a-moa entrou em seus dois corpos e recebeu a sua dádiva de poderes mágicos. Ela era extremamente bonita como uma menina, tão bonita que a sua glória brilhou em seu corpo como fogo irradiante, enchendo a casa e passando pela névoa ao redor, brilhando naquela névoa em cores resplandecentes do arco-íris. O brilho estava ao seu redor onde quer que ela fosse.

Um dia ela disse aos avós: ‘Eu quero outro tipo de comida e vou descer ao mar para pegar peixe e musgo’. Em seu corpo de galinha ela comia a comida de batata fornecida, mas ela desejava a comida de seus amigos quando em sua forma humana. Alegremente ela desceu para a praia e viu as ondas de surfe de Palama rolando. Ela cantou ao ver esta onda branca: ‘Meu amor, a primeira onda. Eu surfo nessas ondas brancas.’

Enquanto ela descansava na crista de um grande vagalhão que varria a praia, ela viu uma lula se erguendo e lançando os seus longos braços para pegá-la. Ela riu e pegou na mão, dizendo: ‘Uma lula, a primeira, para os deuses.’ Isso ela levou para a praia e colocou em uma cesta de peixes que ela havia deixado na areia com a sua saia e colar de flores. Mais uma vez ela saiu e viu duas lulas subindo para encontrá-la. Desta vez ela cantou: ‘Aqui estão duas lulas para os avós’. Então ela viu e pegou outra flutuando na onda com ela. Isso ela pegou, exclamando: ‘Para mim, essa lula é minha.’

Os avós se alegraram ao ver a excelente comida que lhes era fornecida. De novo e de novo ela foi para o mar, pescando e coletando musgo doce do recife. Assim passaram os dias de sua infância. O seu avô deu o seu nome, Honouliuli, a um distrito terrestre a oeste de Honolulu, enquanto Kapalama deu o dela ao lugar onde moravam. Os pais da criança-ave ainda moravam em sua casa na floresta em Kauai, escondidos de seu inimigo Akua-pehu-ale.

Nota: Nas lendas Havaianas e mesmo na história, até o último governante das Ilhas, um arco-íris divinamente dado deveria ser arqueado de tempos em tempos sobre aqueles de nascimento de chefe supremo. Um filho de poder divino e humano ou milagroso na família de um chefe supremo quase invariavelmente teria o seu nascimento acompanhado por trovões, relâmpagos, tempestades e arco-íris brilhantes. Esses arcos-íris geralmente seguiam a criança aonde quer que ela fosse, repousando sobre qualquer lugar onde ela parasse. Às vezes, a glória do sangue real em uma criança seria tão grande que brilhava através da palha de uma casa como um fogo ardente, brilhando na escuridão como chamas devoradoras, ou, se a criança estivesse no mar, a glória brilhava no spray como arco-íris.

Algumas lendas afirmam que os feiticeiros podiam dizer a diferença entre as cores que irradiavam de membros de diferentes famílias reais. Se um Kahuna visse uma canoa ao longe com uma massa de cor acima dela, ele poderia dar o nome da pessoa nela e a sua linhagem. Afirma-se até que era possível discernir esses arcos-íris da realeza de Ilha em Ilha e saber onde a pessoa estava hospedada naquele momento. Lono-o-pua-kau era o deus encarregado desses sinais da presença de um chefe.

Depois de algum tempo, a mãe de Lepe-a-moa deu à luz um belo menino, que se chamava Kauilani. Ele nasceu na floresta perto das nascentes de água Kawaikini. No dia de seu nascimento, uma grande tempestade varreu a terra. A chuva caía em torrentes e varria em riachos vermelhos pelos vales, trovões rolavam, relâmpagos brilhavam, terremotos sacudiam a terra e arcos-íris arqueavam a sua terra natal. Desta vez, desde menino, ele pertencia à família do pai. Os seus avós eram Lau-ka-ie-ie e Kani-a-ula.

Eles pegaram a criança e o banharam em uma fonte maravilhosa chamada Wa-ui (Água-Forte), que tinha o poder de conferir rápido crescimento, grande força e notável beleza àqueles que nela se banhavam. A criança foi levada frequentemente a esta fonte, de modo que cresceu rapidamente e logo se tornou um homem com apenas a idade de um menino. Os dois velhos eram kupuas com poderes muito grandes. Eles podem aparecer como seres humanos ou podem assumir corpos de vento e voar como o vento de um lugar para outro. Eles não podiam dar ao menino um corpo duplo, mas podiam dar-lhe poderes sobrenaturais com o seu nome Kauilani (O-divino-atleta). Eles amarraram em torno dele o seu maravilhoso malo (tanga) Paihiku.

Quando Keahua, o pai, viu o menino, ele disse: ‘Como é que você cresceu tão rápido e se tornou um homem tão cedo? A vida está com você. Talvez agora você possa me ajudar. Um amigo briguento me procurou há muito tempo e quase me matou; é por isso que nós moramos nessa floresta montanhosa fora de seu alcance. Talvez você e meus servos possam destruir esse inimigo’, contando-lhe também o personagem e a morada de Akua-pehu-ale.

Kauilani disse a seu pai: ‘Se você adotar o meu plano, talvez nós possamos matar esse Akua-pehu-ale.’ O pai concordou e perguntou quais medidas deveriam ser tomadas. Ele foi então instruído a enviar os seus servos para a montanha para cortar árvores-ahakea42 e moldá-las em tábuas, depois levar alguns dos gravetos até o pé do precipício perto de sua casa e colocá-los no chão e levar os outros para o mar e ali colocá-los como estacas juntas.

[42 Bobea Elatior também Hookeri.]

Aquela noite ficou muito escura pela feitiçaria do jovem chefe. Todas as pessoas dormiam profundamente. À meia-noite, Kauilani saiu para a escuridão e chamou os seus deuses:

‘Ó montanha! Ó mar! Ó Sul! Ó Norte! Ó todos os deuses! Vinde em nosso auxílio! No interior, ao pé do pali, está o ahakea; junto ao mar fica o ahakea, ali junto à praia de Hina. Multiplique-os com o wauke ao pé do pali de Halelea e na costa de Wailua. As bananas estão prontas para nós essa noite. A fruta-pão e a cana-de-açúcar são nossas, ó deuses!’

Repetindo esse encantamento, ele entrou em sua casa e dormiu. Pela manhã, o alto chefe, Keahua, saiu e olhou, e eis! os gravetos plantados abaixo do precipício criaram raízes e lançaram galhos e se entrelaçaram até formar um matagal quase impenetrável. Havia também muitos grupos de árvores wauke que surgiram à noite. Ele ligou para a sua esposa, dizendo: ‘Enquanto nós dormíamos, essa coisa maravilhosa aconteceu’.

Kauilani saiu e pediu a seu pai que chamasse todas as pessoas e as mandassem sair e cortar a casca das árvores wauke, transformá-la em kapa e espalhá-la para secar. Isso foi feito rapidamente e duas grandes casas também foram construídas e concluídas no mesmo dia. Um tabu de silêncio foi reivindicado para a noite enquanto ele novamente pedia aos deuses.

Logo uma escuridão profunda caiu sobre a terra e todas as pessoas adormeceram, pois estavam muito cansadas. Kauilani apenas permaneceu acordado em seus encantamentos, ouvindo o rápido trabalho dos deuses em cortar árvores, esculpir imagens e encher as casas com elas.

Acordando no dia seguinte, o cacique e seu povo foram até as casas e viram que estavam transbordando de imagens, cobrindo as plataformas e cercas ao redor das casas.

Kauilani disse a seu pai: ‘Deixe os homens subirem a uma colina alta no interior e queimarem a madeira seca e os arbustos para atrair a atenção de seu inimigo enquanto nós preparamos a nossa batalha’.

Akua-pehu-ale estava se divertindo no mar quando viu a fumaça subindo das colinas e se misturando com as nuvens. Ele disse: ‘Isso é algo diferente de uma nuvem e deve ser fumaça de um fogo feito por algum homem. Que homem escapou dos meus olhos? Eu irei e o verei e quando eu o encontrar, ele será devorado por mim.’ Então ele veio para a praia e o seu corpo mágico voou para as terras abaixo de Kawaikini.

Todas as pessoas foram escondidas por Kauilani, que ficou sozinho para enfrentar o monstro marinho. Ele estava na porta de uma das duas grandes casas, com uma imagem de cada lado, para a qual ele havia feito olhos parecidos com os de um homem.

O deus apareceu e, fixando os olhos no jovem chefe, disse: ‘Por que você está se escondendo aqui? Você escapou no passado, mas agora você se tornará a minha comida’. Ele abriu bem a boca, um maxilar subindo como um precipício, o outro apoiado no chão, a sua língua de duas pontas brincando rapidamente e saltando para engolir o chefe e as imagens ao seu lado.

Kauilani disse severamente: ‘Retorne ao seu lugar hoje e você verá os meus passos em direção ao seu lugar amanhã para a batalha.’

O deus hesitou e então disse: ‘Doce é a gordura desse lugar. Os seus ossos são macios, a sua pele está brilhando. A glória de seu corpo nesse dia cessará’.

O chefe, sem fazer nenhum movimento, respondeu: ‘Espere um pouco; talvez isso signifique trabalho para nós dois. Esse é o meu lugar. Se eu bater em você, você pode ser meu alimento e os pedaços de seu corpo e de suas terras e propriedades podem cair sobre mim como gotas de chuva. Talvez seja melhor que você morra, pois você é muito velho, as suas pálpebras pendem e a sua pele está seca como a de um deus unihipili [um deus de pele e ossos]. Esse não é o dia para a nossa luta. Amanhã nós podemos ter a nossa competição. Volte para a sua praia do mar; amanhã eu descerei.’

O deus pensou por um momento e, sabendo que a palavra de um chefe estava prometida para uma batalha, decidiu que ele retornaria a um lugar melhor para uma vitória, então se virou e voltou para a praia.

O jovem chefe imediatamente chamou o seu pai e o povo e disse: ‘Amanhã eu descerei para lutar com nosso inimigo. Talvez ele me mate; se assim for, gloriosa será a minha morte para vocês; mas eu peço que ordene ao povo que se alimentem até ficarem satisfeitos, para que eles não estejam exaustos na batalha de amanhã; então deixe-os dormir.’

Ele expôs o seu plano de batalha e defesa. A sua mãe e os avós que cuidaram dele, com várias pessoas, deveriam lutar protegidos pelo crescimento de árvores ao pé do pali e deveriam virar o deus e o seu povo de frente para as casas cheias com deuses de madeira feitos pelos aumakuas (os deuses-fantasmas).

Enquanto todos dormiam, Kauilani saiu para a escuridão e orou aos milhares da multidão de deuses para trabalhar e estabelecer o seu poder desde o amanhecer até a noite.

Pela manhã ele cingiu o seu malo de poder mágico e se preparou para descer. O seu pai veio até ele com uma lança polida, com a ponta afiada e a colocou entre eles, dizendo: ‘Essa lança é um ancestral seu. Ela tem um poder milagroso e pode lhe dizer o que fazer. O seu nome é Koa-wi Koa-wa. Agora pertence a você para cuidar de você e lutar por você.’ O jovem chefe, agradecido, pegou a lança e disse ao pai: ‘A sua parte é ser vigia na batalha de hoje. Se a fumaça do conflito subir ao céu e depois varrer o mar e finalmente chegar à sua frente, você pode saber que eu estou morto; mas se a fumaça subir ao pé do precipício e passar para as grandes casas, você pode saber que o inimigo está morto’.

Então Kauilani pegou a sua lança e desceu para o campo aberto perto da costa, falando com ela e com os deuses. Quando ele chegou à praia, ele viu o deus se erguendo como um poderoso dragão, rugindo e fazendo um barulho como um trovão reverberante. Quando ele avançou sobre o chefe, ouviu-se o som de grandes ondas batendo na praia. A areia e o solo do campo de batalha foram lançados em grandes nuvens. O deus lutou em seu corpo animal, que era o de um grande e inchado monstro marinho.

Kauilani girou a sua lança afiada com um movimento rápido de asa de pássaro, cantando enquanto isso: ‘Ó Koa-wi Koa-wa, ataque! Ataque pela vida de nós dois! Ataque!’ O poder de seu cinto mágico fortaleceu os seus braços e a lança estava pronta para agir em harmonia com cada pensamento de seu chefe. Atingiu a boca aberta daquele deus e a virou em direção ao precipício e às árvores grossas. Para trás ele foi forçado pelos golpes rápidos da lança. Quando uma corrida foi feita, o chefe saltou em direção ao pali e assim o deus foi expulso e atraído para longe de seu ambiente familiar. Ele ficou enredado nos matagais e foi perseguido pelos ataques dos amigos de Kauilani.

Por fim, o seu rosto voltou-se para as casas cheias de deuses. O poder que todos os deuses fantasmas haviam colocado nas imagens de madeira estava agora descendo sobre Akua-pehu-ale e ele começou a enfraquecer rapidamente. Ele sentiu a perda de força e virou-se para fazer uma corrida desesperada sobre o jovem chefe.

Kauilani deferiu-lhe um forte golpe e a lança saltou repetidamente sobre ele, até que ele rolou em um riacho da montanha em um lugar chamado Kapaa, de onde ele rastejou quase se afogando. Então ele foi levado até as casas de imagem, onde ocorreu uma batalha feroz, na qual as imagens de madeira participaram, muitas delas sendo despedaçadas pelos dentes de Akua-pehu-ale.

Algumas lendas dizem que a ancestral de Kauilani, Ke-ao-lewa, que cuidou de sua irmã, a criança-ave, Lepe-a-moa, veio de sua casa nas nuvens para ajudar na derrota de Akua-pehu-ale.

Todas as forças unidas levaram o seu inimigo a uma grande e misteriosa nuvem de mana, ou poder milagroso, e ele caiu morto sob um golpe final da lança cortante Koa-wi Koa-wa. Então Kauilani e os seus guerreiros rolaram o corpo morto em uma das grandes casas. Lá ele ofereceu um canto de adoração e de sacrifício, consagrando-o como uma oferenda a todos os deuses que o ajudaram em sua batalha.

Terminada essa cerimônia, ele incendiou as casas e queimou o corpo de Akua-pehu-ale e todas as imagens de madeira que restaram após o conflito, cuja fumaça subiu e varreu o pé do precipício.

O pai viu isso e disse a seu povo que o jovem chefe havia matado o seu inimigo, então, com grande alegria, eles prepararam um banquete para o chefe vitorioso e os seus ajudantes.

Kauilani foi com os seus pais e avós até a praia e tomou posse de toda aquela parte da Ilha ao redor de Wailua, compreendendo grandes tanques de peixes e terras de taro e batata-doce, mantidas pelos servos do deus vencido. Esses ele colocou sob a responsabilidade dos próprios chefes fiéis de seu pai e fez o seu pai mais uma vez rei sobre as terras de onde ele havia sido expulso.

KAUILANI ENCONTRA A SUA IRMÃ LEPE-A-MOA

Por algum tempo após a famosa batalha com o deus do mal, Kauilani ajudou os seus pais a estabelecer um governo firme e pacífico, após o qual ficou inquieto e queria novas experiências.

Um dia ele perguntou à mãe se ele era o único filho que ela tinha. Ela lhe contou a história de sua irmã, que nasceu de um ovo e se tornou uma jovem muito bonita. Eles nunca a tinham visto, porque ela havia sido levada para Oahu por seus avós e ali criada.

Kauilani disse: ‘Eu irei até Oahu para encontrá-la”.

A sua mãe disse: ‘Sim, isso mesmo. Eu falarei a você sobre o meu povo e as suas terras’. Então ela lhe contou sobre os seus ancestrais, os seus avós e as suas ricas terras ao redor do córrego Nuuanu e as suas planícies limítrofes; também das paradas, como ele deveria atravessar a Ilha até Kapalama, sua avó, onde ele encontraria a irmã dele sob um arco-íris com certos tons fortes de cor.

Os pais prepararam um manto de penas vermelhas para ele usar com o seu belo malo mágico. Esses ele colocou, e, tomando a sua lança ancestral, desceu ao mar. Colocando a sua lança na água, ele pousou sobre ela, quando ela se lançou como um grande peixe na água; saltando de onda em onda, varreu o mar como um malolo (peixe-voador) e ele desembarcou na praia de Oahu entre as dunas de Waianae.

Pegando a sua lança, ele foi em direção ao lado do nascer do sol da Ilha, chamando-a enquanto seguia para dirigir o seu caminho para Kapalama. Então ele jogou a lança como se fosse um dardo no jogo de pahee, mas em vez de deslizar e pular pelo chão, ela saltou no ar e, como um pássaro flutuando em suas asas, foi adiante do jovem chefe.

Depois ela voou rápido e muito à frente dele para um lugar onde duas mulheres estavam trabalhando e caiu a seus pés. Elas viram a bela lança, maravilhosamente polida e a pegaram e rapidamente encontraram um esconderijo onde a esconderam. Cobrindo o sulco profundo que havia feito no chão onde caiu e olhando em volta sem ver ninguém, elas retomaram ao trabalho delas.

Logo Kauilani chegou ao local onde elas estavam e, cumprimentando-as, perguntou agradavelmente: ‘Quando você viu o meu companheiro de viagem que passou por aqui?’ Elas estavam um pouco confusas, mas disseram que elas não tinham visto ninguém.

Então ele perguntou claramente se uma lança havia passado por elas e novamente elas negaram qualquer conhecimento de qualquer coisa que se aproximasse. Kauilani disse: ‘Vocês não esconderam o meu amigo, a minha lança?’

Elas responderam: ‘Não. Nós não tivemos nada a ver com nenhuma lança.’

O chefe chamou baixinho: ‘E Koa-wi! E Koa-wa! E!’ A lança respondeu com uma voz pequena e afiada: ‘E-o-e-o!’ e saltou de seu esconderijo, derrubando as mulheres no riacho perto do qual estavam trabalhando.

Pegando a lança, ele desceu à beira-mar, repreendendo-a no caminho por zombar dele e ameaçou destruí-la se mais alguma coisa desse errado. A lança disse: ‘Você não deve ferir a mim, o seu antepassado, ou toda a sua visita resultará em fracasso. Mas se você me deitar na praia eu o levarei ao lugar onde você pode encontrar a sua irmã.’

O chefe disse: Como eu saberei que você não está me enganando?

A lança respondeu: ‘Sente-se em mim e em pouco tempo nós estaremos em um lugar onde você poderá vê-la.’ Em seguida, carregou o chefe queixoso para a praia de Kou. Lá ela [a lança] estava no chão e disse: ‘Você vê uma árvore, uma árvore wiliwili43, parada sozinha perto do mar e olhando para as águas? Vá até aquela árvore e suba nela e olhe ao longo da praia até que você veja um arco-íris erguendo-se sobre as ondas. Sob esse arco-íris você verá uma garota pescando lulas e mariscos e coletando musgo do mar. Ela está fazendo isso para os seus avós. Ela é a sua irmã.’

[43 Erythrina Monosperma.]

O chefe disse: ‘Eu irei e verei, mas se não houver ninguém lá, eu punirei você por me enganar e eu quebro você em pedacinhos’.

Ele foi até a árvore, subiu nos galhos mais altos e olhou ao longo da praia como a lança havia dirigido. Ele viu uma coisa muito estranha sobre a água: névoa vermelha e nuvens de chuva sangrentas movendo-se para frente e para trás sobre as ondas azul-escuras, estendendo-se até o horizonte e cobrindo também o local onde ele estava para ver a garota. Ele gritou para a lança que não podia ver nenhum arco-íris ou qualquer garota.

A lança respondeu: ‘Tudo está mudando rapidamente na face do mar. Olhe novamente.’

Ele observou a neblina e a chuva rodopiantes e, enquanto se movia lentamente, ele viu uma imensa ave com muitas penas vermelhas no corpo e nas asas. Quando voou do mar, escondeu a luz do sol e lançou uma sombra escura sobre toda aquela praia.

Ele chamou a lança: ‘O que é essa grande ave voando sobre o oceano?’

A lança respondeu: ‘Essa é uma de suas ancestrais, uma kupua. Ela tem um corpo duplo, às vezes aparecendo como uma ave e às vezes na forma humana. O seu nome é Ka-iwa-ka-la-meha. Ela tem moradas em todas as Ilhas e mesmo em Kahiki. Ela veio para a sua irmã, Lepe-a-moa, pelos mares dos deuses Kane e Kanaloa.’

Kauilani observou a grande ave enquanto ela se elevava do mar e voava em círculos poderosos ao redor dos céus, subindo cada vez mais alto até se perder no céu.

Logo a atmosfera começou a clarear e ele viu o arco-íris e a garota ao longe. Ele desceu e disse à lança que todas as suas palavras eram verdadeiras. A lança novamente pediu ao jovem chefe que se sentasse nela. Ele o fez e foi levado rapidamente para o grupo de casas onde Kapalama morava com o marido e a neta.

Naquele mesmo dia, depois que Lepe-a-moa pegou a sua cesta e foi para a praia, Kapalama olhou ao longo da estrada em direção ao pôr-do-sol e viu uma pequena nuvem correndo pelo caminho. Observando atentamente, ela viu um arco-íris na nuvem e chamou o seu marido: ‘Ó Honouliuli, isso é uma coisa muito estranha, mas pelo arco-íris na nuvem eu sei que o nosso neto de Kauai está vindo para esse lugar. Você precisa rapidamente acender o forno e preparar comida para esse nosso jovem neto.’

Ele preparou o forno e logo tinha frango, peixe e batatas-doces cozinhando para o visitante.

Então Kauilani veio para os seus avós e todos eles se lamentaram um ao outro, de acordo com o antigo costume dos Havaianos. Terminada a saudação, ele entrou na casa reservada aos homens para comer, na qual as mulheres não podiam entrar e ali comeu a sua comida. Depois disso, ele saiu e deitou-se em uma esteira e conversou com a sua avó.

Ela o elogiou pela grande vitória conquistada com a sua lança contra o inimigo de seu pai e então perguntou por que ele tinha vindo para Oahu.

Ele disse: ‘Eu estou aqui para ver a minha irmã em sua natureza dupla’.

Ela respondeu: ‘Isso mesmo. Eu o levarei para a casa dela. Lá você deve fazer um lugar oco e se esconder debaixo das esteiras e não deixá-la ver ou ouvir você, para que você não morra. Mas quando ela adormecer você deve pegá-la e segure-a firme até que ela o aceite como o seu irmão. Eu proferirei os meus cânticos e orações pelo seu sucesso.’ Então ele se escondeu na casa da garota e ficou muito quieto.

Enquanto isso Lepe-a-moa, que estava pescando, pegou a sua cesta e foi em direção a sua casa. Ela viu um arco-íris repousando sobre as suas casas e pensou que algum chefe estranho tinha vindo. Ela se alegrou e decidiu que o chefe deveria jogar o seu jogo favorito konane, um jogo parecido com damas. Quando chegou às casas, perguntou à avó pelo chefe estranho, dizendo ter visto os passos de algum homem, talvez agora escondido pela avó.

Kapalama negou que alguém tivesse vindo. Então a menina entrou em sua casa, deixou de lado o seu corpo humano e assumiu o de muitos tipos de aves. Kapalama partiu batatas-doces cozidas e deu os pedaços a este corpo de ave. Tendo comido tudo o que desejou, Lepe-a-moa entrou em sua casa, deitou-se em suas esteiras e adormeceu.

Quando o sono profundo a atingiu, o jovem chefe saltou sobre ela, pegou-a nos braços e segurou-a com força. Dando um pulo, ela correu para fora da casa, carregando-o com ela. Ela voou para o céu, mas ele ainda se agarrou a ela. O poder mágico daquela lança o ajudou a se segurar e fez a ave voar devagar.

Ao ouvir a sua avó cantando sobre ela e o seu irmão, o jovem chefe de Kauai, a sua raiva se modificou e ela perguntou ao estranho: ‘Quem é você e de onde você veio?’ Ele disse: ‘Eu sou de Kauai e eu sou Kauilani, o seu irmão mais novo’.

Então ela começou a amá-lo e voou de volta para os seus avós, que os receberam com grande alegria.

Por muitos dias, os jovens e os seus avós viveram felizes juntos. Nos últimos anos, o jovem chefe e a sua irmã salvaram o rei Kakuhihewa de maneira notável. Como resultado, o rei deu a sua filha favorita a Kauilani como esposa e Lepe-a-moa cuidou de seus filhos.

A BATALHA DOS KUPUAS

Essa parte da lenda de Lepe-a-moa pertence a Waikiki e a Palama.44 É também uma das antigas histórias longas transmitidas de geração em geração entre os Havaianos. Veio dos dias de Kakuhihewa, que era o Rei Arthur das tradições de Oahu e cujos chefes eram ‘os Cavaleiros da Távola Redonda’ em homenagem aos quais a maioria das localidades notáveis ​​de Oahu foram nomeadas. No entanto, isso remonta ao passado nebuloso de apenas cerca de quatrocentos anos.

[44 Um distrito em Chinatown, Honolulu]

Um menino e uma menina nasceram na Ilha de Kauai, ambos possuindo poderes milagrosos. A menina, Lepe-a-moa, foi levada logo que nasceu para Palama e ali criada pelos avós. O menino, Kauilani, foi criado por seus pais em Kauai e lá fez muitas coisas maravilhosas, depois das quais veio a Oahu para visitar a sua irmã.

Ao nascer, Lepe-a-moa era apenas um ovo, que, sob os cuidados dos avós, se transformou em uma linda donzela que podia assumir à vontade uma infinidade de formas de aves. Assim, ela era o que as lendas antigas chamavam de kupua, ou uma pessoa com poderes humanos e animais.

O jovem chefe desejava visitar a corte de Kakuhihewa, que residia em Waikiki.45 A avó, Kapalama, enviou mensageiros a Ke-ao-lewa, o governante das aves do céu, para novas roupas adequadas para o jovem chefe, e eles voltaram com uma magnífica faixa de penas e um glorioso manto de penas vermelhas, brilhando como as flores da árvore lehua e franjadas com penas amarelas que eram como nuvens douradas à luz do sol poente.

[45 Perto do Moana Hotel e Outrigger, Club House]

Ele amarrou a faixa sobre os ombros e ao redor do corpo como um cinto, ou malo, jogou o manto dos céus ao seu redor, pegou a sua lança mágica, Koa-wi Koa-wa, que tinha o poder da fala humana e viajou para Waikiki.

Nesse momento Kakuhihewa estava entretendo a sua irmã e o seu marido, Maui-nui, que era rei da Ilha de Maui. De acordo com o costume, os dias eram dedicados a esportes e jogos de azar.

Maui-nui tinha um kupua, um galo, que era um dos ancestrais da família de Kauilani, mas era muito cruel e destrutivo. Ele poderia assumir uma forma de ave diferente para cada poder mágico que possuía. Isso, com os seus milagrosos poderes humanos, o tornou superior a todos os galos que já haviam sido os seus antagonistas na briga de galos. Era costume desse rei levar este kupua em seu corpo de galo, com algumas outras galinhas e visitar outros chefes, travando muitas batalhas e conquistando grandes quantidades de bens, como as melhores canoas, as melhores esteiras e kapas e a maioria dos mantos de penas reais, bem como as terras dos chefes que não haviam sido submetidos a ele. Às vezes, quando todas as propriedades disponíveis tinham sido conquistadas, ele persuadia um chefe a ‘apostar os seus ossos’. Isso significava que o chefe atingido pela pobreza, como último recurso, apostaria o seu corpo contra algumas das propriedades perdidas. Se derrotado, a sua vida poderia ser tirada e o seu corpo enviado para o heiau (templo) mais notável de seu oponente e colocado em um altar como sacrifício humano, ou o corpo seria queimado ou cozido em um forno de fogo e jogado ao mar .

Kakuhihewa e Maui-nui passaram muitos dias nesse esporte. Quando o rei de Maui temia que o jogo pudesse ser abandonado, ele deixava algumas das galinhas comuns lutarem ou selecionava as mais fracas de seu rebanho. Então, uma grande quantidade de propriedade poderia ser devolvida aos proprietários originais, mas ele teve o cuidado de levar os seus oponentes até que o seu orgulho ou vergonha os obrigasse a apostar os seus últimos recursos.

Assim, as apostas continuaram de tempos em tempos até que o rei de Maui provocou Kakuhihewa a apostar o seu reino de Oahu em uma tentativa quase sem esperança de recuperar tudo o que havia sido perdido antes.

O rei de Oahu percebeu que o seu cunhado estava usando uma ave de poder mágico, mas as suas apostas haviam sido feitas e a palavra dada e ele não sabia de nenhuma maneira pela qual pudesse obter magia suficiente para superar o seu antagonista. Ele tinha ouvido falar de Kauilani, um jovem chefe maravilhosamente poderoso em Kauai, que havia conquistado um deus dos mares e restaurado um reino para o seu pai. Ele havia enviado mensageiros a Kauai para pedir a esse jovem chefe que viesse em seu auxílio, prometendo como recompensa a mão de sua filha favorita e mais bela em casamento; mas os dias passaram e nenhuma palavra veio de Kauai. Enquanto isso Kauilani veio antes de Kakuhihewa e foi anunciado como um jovem chefe de Kapalama. Ninguém pensou em qualquer ligação com o notável guerreiro de Kauai.

O rei ficou muito satisfeito com o jovem chefe e, finalmente, perguntou-lhe se ele tinha visto as suas galinhas e se gostaria de ir ao local onde elas eram mantidas.

Kauilani viu as galinhas e mandou buscar água, que os guardiões trouxeram para ele. Tomando-a, ele borrifou os olhos dos galos. Nenhum deles tinha força suficiente para não fechar os olhos quando a água atingia as suas cabeças. Então ele disse ao tratador: ‘Essas aves não serão de nenhuma utilidade para o nosso chefe.’

Então ele foi ver o galo tabu do rei, aquele reservado pelo rei para qualquer último e desesperado conflito. Isso ele também tentou e achou em falta.

Os tratadores então mandaram dizer ao rei que um jovem estranho com grande sabedoria estava olhando para as galinhas e o rei saiu e perguntou a Kauilani sobre os testes.

O jovem chefe aspergiu água como antes e então ele disse ao rei: ‘Talvez o seu galo tenha força e talvez não tenha poder’.

O rei disse: ‘Ah! Nós vemos que esse galo tabu não tem força para esse conflito. Ele fecha os olhos. O seu inimigo é muito forte e muito rápido. Nós seremos derrotados e pertenceremos ao rei de Maui.’

Então Kauilani disse: ‘Talvez eu possa encontrar um ave de grandes poderes que possa nos salvar.’

O rei disse: ‘Se você derrotar Ke-au-hele-moa, o galo mágico do rei de Maui, você se tornará o meu filho. A minha filha será a sua esposa.’

Kauilani pediu ao rei que fechasse o local onde as galinhas eram mantidas, para que nenhum espião pudesse observá-las. Ele disse ao rei que tinha um kupua galinha ainda em ovo, que mataria a grande ave do rei de Maui, mas que antes da hora da festa em que ocorria a briga de galos a sua galinha seria chocada e teria poder para salvar o rei e o seu reino. O rei ficou encantado e levou o jovem e bonito chefe imediatamente para a sua casa e mandou chamar a sua filha.

Ele disse a ela: ‘Eu a libertei do tabu que eu coloquei sobre você como a esposa prometida do chefe de Kauai. É melhor que você tome esse jovem chefe como o seu marido.’

Então eles se casaram e viveram juntos alguns dias. Então o jovem chefe disse ao rei que ele deveria ir imediatamente buscar o ovo de galinha. Ele disse à sua esposa que não ficasse com ciúmes de qualquer coisa que ela pudesse ouvir entre o povo e que não ficasse zangada de forma alguma no momento de seu retorno, ou ele não continuaria a tê-la como esposa.

Ele voltou para a sua irmã, Lepe-a-moa. Ela o viu e saltou para encontrá-lo, gritando: ‘Venha! Venha! Venha! Eu esperei e esperei por você.’

Ele contou a ela tudo sobre a sua visita e a grande necessidade do rei, dizendo: ‘Eu voltei apenas para esse dia e para a sua ajuda.’

Depois eles foram para a piscina e estavam nadando, mergulhando e banhando-se quando eles ouviram a doce voz do travesso pássaro elepaio sobre eles, ao redor deles e por fim da beira da piscina, gritando: ‘Ono ka ia! Ono ka ia!’ (‘O peixe é doce! O peixe é doce!’) Esse pássaro também era Lea, a deusa dos cortadores de canoa.

Kauilani chamou por ela: ‘Por que você não pega peixes jovens no oceano? Esse é o único lugar para peixe doce?’

Então o elepaio contou ao irmão e à irmã sobre o grande galo do rei de Maui, o seu poder milagroso e o seu nome, ‘Ke-au-hele-moa’ e então disse:

‘Vocês dois vão para o local da luta. Cuide bem de sua irmã. Coloque-a em uma guirlanda de colar de flores em volta do pescoço. Você notará a aparência daquele galo do rei de Maui: muito alto; penas preta, branca e vermelha; apenas uma pena de cauda. Se ele vir a sua neta antes da luta, ela não escapará, mas se você a mantiver escondida até que ela saia para a batalha, ele será destruído.’

Quando o irmão e a irmã voltaram, contaram aos avós sobre o problema de Kakuhihewa e o poder do galo do rei de Maui de assumir vários corpos. Kauilani disse-lhes que o rei de Maui estava tão certo de vencer que havia recolhido uma grande pilha de lenha para aquecer um forno para cozinhar o corpo de Kakuhihewa.

A avó disse: ‘Aquela grande ave é da nossa família e tem um poder muito grande, mas Lepe-a-moa tem um poder muito maior se vocês dois trabalharem juntos. Ele não deve vê-la até que ela saia para lutar com ele.’

Lepe-a-moa disse ao irmão: ‘Isso é nocivo. Você vem como se me amasse, mas tomou a filha do rei para a sua esposa. Se eu for com você e a sua esposa estiver zangada comigo, ela será posta de lado e eu serei a sua esposa’.

Kauilani disse: ‘Isto está correto.’

Lepe-a-moa ficou muito bonita com um manto de penas manchadas e brilhantes. O seu pa-u, ou saia, era como fogo, flamejante e cintilante. Kauilani disse que ela deveria ir primeiro, como a mais velha da família. Assim eles passaram em seus esplêndidos vestidos de penas para Kou (Honolulu) e para Pawaa, as pessoas gritando e elogiando a bela garota.

Ao chegarem a Waikiki, o barulho das pessoas podia ser ouvido muito, muito longe: ‘Ó menina bonita que vem com o marido de nossa chefe! Ó menina bonita!’

A filha do rei ouviu o grito e ficou muito zangada. Ela ordenou que as pessoas levassem Kauilani e Lepe-a-moa embora.

Mas os servos sabiam o motivo pelo qual o jovem chefe se tornara marido da filha do rei e diziam entre si: ‘Nós queremos viver. Nós não precisamos expulsá-los’.

Lepe-a-moa disse ao irmão dela: ‘Eu lhe disse que ela ficaria zangada comigo’.

‘Sim’, disse o irmão, ‘isto é verdade e você será a minha esposa.’

Eles se afastaram das casas reais. A menina deixou de lado o seu corpo de menina e se colocou em seu corpo de ave em uma de suas menores formas e foi escondida em um ovo. O irmão embrulhou esse ovo num canto da sua capa, colocou-o à volta do pescoço e foi até ao local onde as galinhas eram guardadas e tomou para si uma das casinhas dos tratadores.

Naquela noite, quando uma grande cabaça de comida foi trazida para as galinhas e colocada de lado, ele a pegou secretamente, deu toda a comida para a sua irmã e virou a cabaça como se tivesse sido virada e o alimento comido pelos cães. Os zeladores ficaram muito preocupados porque não tinham mais comida naquela noite para as galinhas. Eles sabiam que as galinhas não teriam forças para lutar.

Quando Kakuhihewa soube que a sua filha havia expulsado o marido, ele ficou muito perturbado e temeu que ele e seu povo fossem destruídos, então enviou mensageiros para procurar em todos os lugares e, se possível, encontrar o jovem chefe, mas todos falharam.

Por fim, um dos guardiões das galinhas disse: ‘O seu filho está dormindo em uma de nossas casas’.

Kakuhihewa enviou Kou, um dos mais altos oficiais de seu governo, para ir atrás de Kauilani. Esse Kou foi o chefe de quem Kou, o antigo Honolulu, foi nomeado. Kou encontrou o jovem chefe dormindo e o despertou, dizendo-lhe que o rei sentia muito pela ira de sua filha e pedia para ele voltar à casa do rei e no dia seguinte ver o dia da morte.

Kauilani disse a Kou para voltar e dizer ao rei para preparar tudo para o dia da batalha e pendurar um grande lençol kapa entre dois postes. Ele apontou dois galos que deveriam ser capturados primeiro. O rei deveria enviá-los um por um para lutar. Quando eles foram mortos, o rei deveria pedir um tempo de descanso. ‘Depois disso será a hora da minha batalha.’ Assim ele ensinou Kou, que voltou e contou ao rei.

Na manhã seguinte, o rei de Maui enviou o seu mensageiro ao rei de Oahu, perguntando se tudo estava pronto para a batalha daquele dia.

O rei de Oahu respondeu: “Sim, nós iremos para o local da morte. Se eles vencerem, nós morreremos; mas se nós vencermos, não haverá morte. Eu não sei como matar um homem dessa maneira’.

Então todos eles foram para o campo de batalha. Assim que todos os chefes e o povo estavam reunidos, Maui-nui, rei de Maui, deu um pulo e começou a se gabar, propondo a batalha e declarando as condições: ‘Morte para os derrotados’. Kakuhihewa respondeu calmamente: ‘Se eu vencer, eu não matarei você. Você já se preparou para a nossa morte.’

A esposa do rei de Maui preferiu que fossem aplicados a ambos os lados os termos do governante Oahuan, mas o seu marido novamente desafiou a sua condição: ‘Morte aos derrotados’.

Então Kakuhihewa, declarou a sua condição: ‘Nós vamos tentar um galo, e depois outro. Se os meus dois galos forem mortos, nós  descansaremos até que seja dado tempo para pegar outra ave para mim.’

Isso foi acordado sem qualquer oposição.

As galinhas foram libertadas rapidamente. Os galos saltaram uns contra os outros e um caiu morto. Então a segunda batalha foi travada e o segundo galo morto.

Enquanto eles estavam descansando, Kauilani entrou atrás daquele grande lençol kapa que ele havia pedido. O ovo estava embrulhado em seu manto, que foi jogado em volta do pescoço. Ele tirou o ovo e pronunciou um encantamento:

‘A galinha sai melhor no calor.
Nós ambos nascemos à meia-noite.
A poeira sobe e é soprada como névoa em uma onda.
Colha as flores do ohia – colha as flores.
Voe! Voe! Voe!
Saltando na poeira de Kaumaea.’

O ovo começou a mudar até se tornar uma galinha adulta.

Kauilani disse a sua irmã-ave para sair diante do povo assim: ‘Vá ao redor do local de combate. Vá até os pés de Maui-nui e olhe para ele; então vá para o meio e fique lá olhando para o rosto de seu antepassado. Ele então a conhecerá, talvez, e colocará muitos tipos de corpos de aves. Se ele colocar vermelho, você deve se tornar branco. Você tem mais corpos de aves do que ele. Você vencerá. Então, se ele mudar de corpo novamente eu lhe direi o que fazer até que ele se canse; então você coloca o seu corpo manchado e o mata’.

A ave então o deixou e saiu diante do povo. Eles fizeram um grande barulho, rindo e gritando: ‘Uma galinha! Uma galinha! Para lutar contra o grande galo!’

Mas ela estava muito bonita em seu brilhante casaco de penas enquanto esperava pela batalha. Então o galo entrou e Kauilani viu que ele não reconhecia a sua neta. Lepe-a-moa cacarejou e mexeu a cabeça e as asas como uma galinha chamando os seus pintinhos. Ke-au-hele-moa estava com raiva. As suas penas subiram quando ele se aproximou e ele mudou a sua cor para vermelho. A antagonista dele tornou-se branco.

Então ele a atacou, saltou sobre ela e tentou derrubá-la com as suas asas, mas não conseguiu tocá-la, enquanto ela voou levemente sobre a sua cabeça, atingindo o seu rosto e espancando-o com garras e asas.

Então ele se tornou moa-nene (uma forma de ganso), mas Kauilani proferiu uma oração e a sua irmã se tornou uma ave-aloe veloz, uma pequena galinha do pântano. A batalha novamente foi travada, girando, golpeando, pulando e voando, mas a menina-ave não se machucou nem um pouco, enquanto o rosto do galo sangrava e os seus olhos sofriam com os golpes terríveis e rápidos de Lepe-a-moa. Ela o rasgou em pedaços, até que a batalha estava em uma espessa nuvem de penas voadoras.

As pessoas pensaram que ele estava morto, mas o seu poder mágico ainda estava nos fragmentos de seu corpo, rasgado e jogado para cima, flutuando entre as nuvens. Ele descansou em algumas nuvens de neblina acima e vestiu um corpo da cor das flores amarelas da árvore-hau.

Antes disso o dia estava calmo, mas agora, com o retorno daquele galo, o frio da neve e do gelo desceu em uma névoa fria como as névoas de neve no topo das montanhas. O galo enviou essa chuva fina e gelada em um riacho como um rio fluindo sobre Kakuhihewa e o seu povo.

Então Kauilani chamou a sua irmã: ‘Eis que Ke-au-hele-moa chega às suas últimas forças. Ele segue a nuvem de gelo. Você pode dar um jeito de escapar?’ Esse chamado foi em uma voz espiritual e nenhuma das pessoas ouviu.

Lepe-a-moa pediu ajuda a Ke-ao-lewa (A nuvem da manhã) e uma nuvem desceu como escudo, desligando a névoa fria e deixando-a passar sobre o mar. Então Kakuhihewa e seu povo foram deixados em paz.

Lepe-a-moa voou para um alto coqueiro e viu o seu inimigo na forma de um manu-alala (grande pássaro preto) vindo por trás da névoa para o campo de batalha. Ela voou para baixo e colocou a cor do pua-niu (a cor creme de uma flor de coqueiro) e novamente voou como um redemoinho em torno de seu inimigo. Então o pássaro-antepassado levou o seu último corpo, o de um moa-a-uha.

Kauilani chamou a sua irmã para dar a volta na frente de todas as pessoas, colocando o seu corpo manchado e depois retornar, olhando nitidamente para a asa direita de seu inimigo para encontrar um lugar para quebrá-la, depois voar contra o olho direito e pegá-lo e depois disso voar sobre a cabeça do rei de Maui, então saltar para a última batalha, quebrar a asa esquerda, arrancar o olho esquerdo e rasgar o corpo em pedaços. ‘Então ele morrerá. Ele não pode fazer um novo corpo para si mesmo.’

Lepe-a-moa voou sobre o pássaro preto, que tentou atingi-la com as suas asas fortes, mas quando a asa direita se abriu, mostrando os seus pontos fracos, ela voou rapidamente e quebrou aquela asa para que não pudesse ser usada. Então ela pulou contra a cabeça e pegou o olho direito, destruindo-o. O pássaro preto tentou girar e girar para atingir a galinha malhada, mas Lepe-a-moa sacudiu as suas asas sobre o seu inimigo e voou ao redor do local de batalha até estar na frente do rei Maui. Antes que ele pudesse pensar ou fazer um movimento de autoproteção, ela se lançou no cabelo dele e rasgou-o com as suas garras e voou de volta contra o seu inimigo. Isso profanou e desonrou Maui-nui.

Desta vez ela girou pelo lado esquerdo. Ele a atacou. Quando a sua asa se abriu, ela voou e a quebrou, de modo que caiu inútil ao seu lado. Então ela atingiu o seu olho e ele ficou totalmente cego. Ela correu contra ele e ele caiu. Ela arranhou e pegou e rasgou o seu corpo até que estava em pequenos pedaços e a sua vida foi destruída.

O povo gritou em alta voz: ‘Auwe! Auwe! [Ai! Ai!] O galo do rei de Maui está morto! Ke-au-hele-moa está morto! O rei de Maui está para morrer!’

O nome desse galo, é dito, foi dado a um lugar no alto do Vale de Palolo, perto de Honolulu.

Quando o povo gritou, Kauilani levantou-se com o seu esplêndido manto e faixa e gritou: ‘Sim! Sim! Morto para mim – morto para Kauilani, filho de Keahua e Kauhao!’

A sua irmã voou até ele e ele a pegou e desapareceram na multidão confusa e em movimento de pessoas excitadas. Assim eles voltaram para Kapalama.

Naquela época, Kakuhihewa soube quem era o jovem e ficou feliz por ele não tê-lo tratado de maneira incivilizada e, assim, perder a sua maravilhosa ajuda. Ele estava muito, muito grato por sua vitória sobre o rei de Maui.

Ele ordenou que os seus servos encontrassem Kauilani, mas eles não conseguiram. Ele estava totalmente desaparecido.

Wailuku, a esposa de Maui-nui, perguntou a Kakuhihewa o que ele pretendia fazer com eles.

Ele respondeu: ‘Eu não vou matar. Eu sou pela vida. Eu não sei fazer de alguém um homem. Eu não quero a morte. Se você tivesse vencido, você deveria ter o seu desejo. Agora eu terei a vida como o meu desejo.’

Maui-nui voltou para a sua Ilha, mas a sua esposa permaneceu com o irmão.

O rei ordenou que o seu povo procurasse Kauilani em todos os lugares. Eles foram para Kauai, mas ele não voltou para os seus pais. Eles visitaram Maui e o Havaí, mas não encontraram vestígios. Durante vários meses a busca foi prosseguida. Até as montanhas, colinas, vales, florestas, selvas e cavernas foram examinadas com o maior cuidado possível. Pouco a pouco, dois chefes, Kou e Waikiki, viram os sinais de um chefe supremo sobre o grupo de casas de Kapalama e subiram para fazer perguntas. Eles viram Kauilani e lhe disseram que o rei queria que ele voltasse.

Lepe-a-moa disse: ‘Você precisa se revelar e você precisa voltar para aquela esposa. Chegou a hora dela.’

Kauilani enviou os chefes, Kou e Waikiki, de volta ao rei com a mensagem de que ele seguiria no dia seguinte.

De manhã, ele encontrou o rei, que disse: ‘Esse ano estive perto da morte e de você veio a vida e você esteve desaparecido, para a minha tristeza. Agora o filho de minha filha está perto do nascimento, talvez você possa dar vida a seu filho.’

Kauilani foi para a casa de sua esposa. Os zeladores se recusaram a deixá-lo dar qualquer ajuda até que tivessem tentado todas as suas artes e falhado.

Então Kauilani despediu todas as pessoas e ficou sozinho ao lado de sua esposa, pronunciando o seu canto ou encantamento de vida para o doente:

‘Ó Aumakuas! Deuses fantasmas!
Venham do norte, do sul, do leste, do oeste.
Masculino e feminino e crianças,
Venham por esse grito de aflição.
Ó todos aqueles que têm poder nos céus!
Venham nessa hora da morte.
Ó toda a família de Kapalama!
Venham e deem vida.
Eu sou Kaiulani,
O filho forte de Keahua e Kauhao.
Vida para a mãe e para essa criança.’

Enquanto ele cantava essa oração, a criança nasceu. Lepe-a-moa viu que o seu irmão estava muito ocupado diante dos deuses, então ela secretamente pegou a criança e correu para Kapalama.

Naquele dia, houve fortes tempestades, trovões retumbantes e relâmpagos, enquanto a terra tremia no estertor de um terremoto. Esses eram os sinais que geralmente acompanhavam o nascimento de algum grande chefe ou alguma grande chefe.

Kakuhihewa ficou preocupado ao saber que a criança havia desaparecido, mas ficou satisfeito quando soube que ela estava com Kapalama e Lepe-a-moa.

O bebê era uma menina e muito bonita, então Lepe-a-moa adotou-a como sua e deu-lhe o nome de Kamamo.

Kauilani viveu com a sua esposa, fazendo a sua casa pelo resto de sua vida na corte de seu sogro, Kakuhihewa.

Imagem pexels-cottonbro-4911792.jpg – 25 de agosto de 2022

…continua Parte VII…

Muda…

A chuva de bênçãos derrama-se sobre mim, nesse exato momento.
A Prece atinge o seu foco e levanta voo.

Eu sinto muito.
Por favor, perdoa-me.
Eu te amo.
Eu sou grato(a).

Autor

Graduação: Engenheiro Operacional Químico. Graduação: Engenheiro de Segurança do Trabalho. Pós-Graduação: Marketing PUC/RS. Pós-Graduação: Administração de Materiais, Negociações e Compras FGV/SP. Consultor de Empresas: Projeto OREM® - Organizações Baseadas na Espiritualidade (OBEs). Estudante e Pesquisador Independente sobre Espiritualidade Não-Dualista; Psicofilosofia Huna e Ho’oponopono; A Profecia Celestina; Um Curso em Milagres (UCEM); Espiritualidade no Ambiente de Trabalho (EAT); A Organização Baseada na Espiritualidade (OBE). Certificação: “The Self I-Dentity Through Ho’oponopono® - SITH® - Business Ho’oponopono” - 2022.

0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
0
Would love your thoughts, please comment.x