Artigo em inglês: “Hawaiian Legends of Old Honolulu” Site: https://www.sacred-texts.com/pac/hloh/hloh00.htm

Coletado e traduzido do Havaiano para o Inglês por W. D. Westervelt – Boston, G.H. Ellis Press [1915]

Tradução livre Projeto OREM®

…continuação da Parte VI…

XXV – LENDAS DE KAMAPUAA

LENDAS DO PORCO-DEUS

Algumas das lendas mais exclusivas das nações se concentraram em monstros imaginários. Centauros, meio homem e meio cavalo, lotavam os sonhos de Roma. Os Havaianos não sabiam nada sobre nenhum animal, exceto os peixes dos mares, os pássaros das florestas e as galinhas, os cães e os porcos ao redor de suas casas. Do tubarão devorador a imaginação Havaiana concebeu a ideia do homem-tubarão que se entregava a tendências canibais. Da devastação dos porcos construíram as experiências de um chefe rude e vicioso a quem chamavam Kamapuaa, que foi a figura principal de muitas façanhas brutais pelas Ilhas. Às vezes ele tinha o corpo de um porco com cabeça e membros humanos, às vezes a cabeça de um porco descansava em uma forma humana e às vezes ele assumia a forma de um porco – rapidamente reassumindo a forma de um homem. As lendas de Kalakaua dizem que ele era um homem peludo e cultivava o cabelo duro cortando-o curto para que chamasse a atenção como cerdas e que ele tinha o seu corpo tatuado para que tivesse a aparência de um porco. No lugar do manto de penas comum usado pelos chefes, ele usava uma pele de porco com cerdas do lado de fora e um cinto de pele de porco na cintura.

As lendas dizem que ele nasceu em Kaluanui, uma parte do distrito de Hauula ou Koolau costa da Ilha Oahu. O seu pai renomado era Olopana, o chefe supremo daquela parte da Ilha e a sua mãe era Hina, filha de um chefe vindo de uma terra estrangeira. Outras lendas dizem que o seu pai era Kahikiula (O Taiti Vermelho), irmão de Olopana. Esses irmãos tinham vindo de terras estrangeiras para Oahu algum tempo antes. Fornander sempre fala de Olopana como tio de Kamapuaa, embora tenha tomado Hina como esposa.

A costa de Koolauloa, em Oahu, é um cinturão luxuriante de folhagem sempre viva, com cerca de um quilômetro e meio de largura, entre um oceano de muitas cores e precipícios escuros de paredes montanhosas que se elevam alguns milhares de pés entre as nuvens.

Desses precipícios que marcam o lado da terra de uma poderosa cratera extinta veem muitos riachos de montanha saltando em cascatas de spray para os vales verdes tranquilos que rapidamente se alargam na costa litorânea de recifes de coral. De qualquer lugar à beira-mar, o contorno de vários belos vales pode ser facilmente traçado.

Certa manhã, enquanto a luz do sol de maio olhava para os recessos e fendas ocultas desses vales, trazendo um nítido relevo de sombra e luz às saliências aflorantes, um pequeno bando de Havaianos e os seus amigos brancos jaziam à sombra de uma grande árvore kamani46 e falavam sobre as lendas que foram contadas sobre as rochas escarpadas de cada vale e as piscinas tranquilas de cada riacho. Onde estava o pequeno grupo era um dos locais de esportes de Kamapuaa, o ‘menino porco tratado nas lendas como um semideus’.

[46 Calophyllum Inophyllum, popularmente conhecida como puna, nudá, ou undeira]

Não muito longe, um dos riachos da montanha se alargava em um lago tranquilo sombreado por arbustos com franjas profundas de grama ao redor de suas margens. Aqui o lendário homem-porco com poderes maravilhosos tomava banho de vez em quando. Um desfiladeiro estreito e profundamente sombreado pelo sol da manhã era o lugar que Kamapuaa milagrosamente construiu uma ponte para os seus seguidores quando um inimigo os perseguia de perto. Várias grandes pedras nas bordas dos vales foram apontadas como monumentos de várias aventuras. Um pequeno vale primorosamente formado corria fundo na montanha quase na frente dos contadores de lendas. Longe, na extremidade superior, onde a folhagem verde-escura se misturava com sombras ainda mais escuras, os lados do vale se estreitavam até ficarem apenas de vinte a vinte metros de distância e precipícios inescaláveis ​​dobravam-se uns contra os outros, deixando apenas uma estreita faixa de céu acima. .

À direita desse Vale há um desfiladeiro de galhos onde tempestades ferozes lançaram torrentes de água e névoa. A extremidade superior foi escavada e polida na forma de uma canoa finamente arredondada de imensas proporções. Foi a partir disso que o Vale recebeu o nome de Ka-liu-waa, possivelmente tendo o significado de ‘a canoa furada’. Algumas das lendas dizem que essa era a canoa de Kamapuaa encostada no precipício e sempre vazando as águas que nela caíam. Deitada para o oeste havia uma extensão de terra muito fértil e aberta, Kaluanui, onde Kamapuaa teria nascido de Hina. Após o seu nascimento, ele foi jogado fora por Kahiki-houna-kele, um irmão mais velho e deixado para morrer.

Depois de algum tempo, Hina, a mãe, foi tomar banho em um riacho de água límpida e doce perto de sua casa. Depois de tomar banho, ela foi até o lugar onde havia deixado a sua pa-u, ou saia de tapa, e encontrou um belo porquinho deitado sobre ela. Ela pegou e percebeu que era um bebê. Ela ficou muito assustada e deu a criança-porco a outro filho, Kekelaiaika, para que ele cuidasse dela, mas o irmão mais velho roubou a criança-porco e a levou para uma caverna na qual a mãe de Hina morava. O nome dela era Kamaunuaniho. A avó conheceu imediatamente o menino-porco como o seu neto dotado de poderes maravilhosos e, como os deuses lhe deram a forma de porco, ele deveria ser chamado de kama (criança), puaa (porco). Então ela deu ao irmão mais velho colchas kapa para colocar Kamapuaa. Essas foram feitas em camadas, seis folhas de tecido kapa formavam a colcha de baixo para uma cama e seis folhas a colcha de cima para uma capa.

Nessas, Kamapuaa dormia enquanto o seu irmão preparava taro47 e fruta-pão para a sua comida. Assim, o maravilhoso porco comia e dormia geralmente na forma de um porco até que o tamanho e a força lhe chegassem. Então ele se tornou travesso e começou a cometer depredações à noite. Ele arrancava o taro nos campos de seus vizinhos e especialmente no campo do chefe supremo Olopana. Então ele levava o taro para casa, arrancava samambaias e grama até ter uma boa terra e depois plantava o taro roubado. Assim, a sua avó e os seus serviçais recebiam taro em crescimento, cuja origem eles não entendiam.

[47 Calocasia antiquorum; inhame]

O seu irmão mais velho preparou um forno para cozinhar galinhas. Kamapuaa desenraizou o forno e roubou as galinhas. Esse irmão Kahiki-houna-kele pegou o menino-porco e administrou uma surra, aconselhando-o a sair de casa se quisesse roubar e, principalmente, tirar o que quisesse de Olopana. Adotando esse conselho, Kamapuaa estendeu as suas incursões à casa do chefe supremo. Aqui ele encontrou muitas galinhas. Kamapuaa rapidamente matou algumas, as pegou em sua boca e jogou muitas outras nas costas e correu para casa. A manhã chegou antes que ele tivesse ido longe e as pessoas ao longo do caminho viram a imagem estranha e o perseguiram. Com o uso de feitiços ensinados por sua avó-feiticeira, ele se fez correr cada vez mais rápido até superar o seu perseguidor. Então ele carregou a sua carga para a caverna de sua avó e deu as galinhas para a família para um grande luau (festa).

Outra vez ele roubou o galo sagrado pertencente a Olopana, assim como muitas outras aves. O chefe enviou um grande número de guerreiros atrás dele. Eles perseguiram o homem que tinha sido visto carregando as galinhas. Ele fugiu pela caverna de sua avó e jogou as galinhas dentro, depois fugiu de volta pela encosta, revelando-se aos seus perseguidores. Eles o observaram, mas ele desapareceu. Ele caiu ao lado de uma grande pedra. Nisso ele se sentou e observou as pessoas enquanto corriam pelo vale chamando umas pelas outras. A grama alta estava ao redor da pedra, de modo que por muito tempo ele ficou escondido. Por essa razão, essa pedra ainda tem o nome Pohaku-pee-o-Kamapuaa (pedra de esconderijo de Kamapuaa). Depois de um tempo, um homem que havia escalado o cume oposto gritou: ‘E, E, lá está ele sentado na grande pedra!’ Esse homem foi transformado em pedra pela magia de Kamapuaa. Os perseguidores subiram apressados ​​a encosta e cercaram a pedra, mas não havia nenhum homem lá. Havia um belo porco preto, que eles reconheceram como o maravilhoso pertencente a Kamaunuaniho. Então eles decidiram que esse era o ladrão e o pegaram e levaram para baixo na conta para dar ao sumo chefe Olopana. Depois de levá-lo para o vale, eles tentaram levá-lo, mas ele não quis ir. Então eles mandaram para a floresta buscar mastros de ohia e fizeram uma grande liteira. Foram necessários muitos homens para carregar esse enorme porco, que se fez muito pesado.

De repente Kamapuaa ouviu a sua avó gritar: ‘Rompem as cordas! Quebrem os postes! Quebrem os homens fortes! Fujam!’ Fazendo uma volta repentina sobre a liteira, partiu-a em pedaços e caiu com ela no chão. Então ele rompeu as cordas que o prendiam e atacou o bando de homens que ele havia permitido capturá-lo. Algumas lendas dizem que ele: matou e devorou muitos deles. Outros dizem que ele matou e rasgou as pessoas.

A vida selvagem vivida por Kamapuaa induziu um grande bando de homens rudes e sem lei a deixar o serviço dos vários chefes supremos e seguir Kamapuaa em suas expedições de saqueadores. Eles se tornaram o terror de toda a região de Koolau.

Olopana decidiu destruí-los e enviou um exército de quatrocentos guerreiros para arrancar de lá Kamapuaa e os seus ladrões. Foi necessário que eles corressem para os seus esconderijos, mas eles foram perseguidos pelas colinas até que um profundo desfiladeiro os enfrentasse. Nenhuma maneira de escapar parecia possível, mas Kamapuaa, caindo no chão, tornou-se um longo porco – esticando-se, ele aumentou o seu comprimento até poder alcançar de um lado a outro da profunda ravina – assim ele formou uma ponte sobre a qual o seus seguidores escaparam.

Kamapuaa, no entanto, não foi capaz de se tornar pequeno com rapidez suficiente para escapar de seus inimigos. Ele tentou se esconder em um buraco e puxar galhos e folhas mortas sobre si mesmo; mas eles logo o encontraram, o cercaram com segurança e o amarraram a uma grande pedra que com ‘a pedra do esconderijo’ e ‘o vigia’ são monumentos das lendas até hoje.

O povo conseguiu levar o homem-porco à casa de Olopana, onde o prenderam, mantendo-o para um grande banquete, que esperavam ter em poucos dias, mas Kamapuaa, como Sansão, quebrou todas as suas amarras, destruiu muitos dos seus captores – destruiu voluntariamente coqueiros e canteiros de taro e depois voltou para a sua casa.

Ele sabia que Olopana usaria todos os esforços para alcançar a sua destruição. Então ele reuniu os seus seguidores e os conduziu pelo vale Kaliuwaa, parando para colocar a sua avó no caminho. Quando chegou ao fim do vale e aos penhascos íngremes que o seu povo não poderia escalar, ele pegou a sua avó no pescoço e se recostou no grande precipício. Esticando-se cada vez mais e esfregando-se nas rochas negras, por fim ele ergueu a sua avó até o topo dos penhascos para que ela pudesse pisar nas terras altas que desciam até o lado de Pearl Harbor da Ilha. Então os servos e seguidores subiram pelas laterais do grande porco agarrando-se às suas cerdas e escaparam. A cavidade usada nas rochas parecia uma canoa escavada e recebeu o nome de Ka-waa-o-Kamapuaa (A canoa de Kamapuaa). Kamapuaa então represou a água do belo riacho jogando o seu corpo sobre ele e esperou a chegada de Olopana e os seus guerreiros.

Uma força imensa havia sido enviada para destruí-lo. Além dos guerreiros que vieram por terra, uma grande frota de canoas foi enviada ao longo da costa para capturar quaisquer barcos em que Kamapuaa e o seu povo pudessem tentar escapar.

As canoas se reuniram em torno da foz do córrego que fluía do Vale Kaliuwaa. Os guerreiros começaram a marchar ao longo do riacho em direção ao desfiladeiro profundo. De repente, Kamapuaa rompeu a represa saltando para longe das águas e uma grande inundação afogou os guerreiros e arremessou as canoas umas contra as outras, destruindo muitas e levando o resto para o mar. Uhakohi é dito ser o lugar onde essa inundação ocorreu.

Então Kamapuaa permitiu que o povo o capturasse. Eles subiram o vale depois que as águas baixaram e não encontraram nada de Kamapuaa ou seu povo, exceto um pequeno porco preto. Eles vasculharam o vale minuciosamente. Encontraram a canoa, transformada em pedra, encostada no precipício no final do desfiladeiro. Disseram entre si: ‘Kamapuaa escapou com todo o seu povo e acabaram os nossos problemas’.

Eles pegaram o porco e o amarraram para levar para Olopana. À medida que viajavam ao longo da praia, o fardo tornou-se incrivelmente pesado, até que, por fim, foi necessária uma imensa liteira que repousava sobre os ombros de muitos homens. Dizia-se que ele às vezes se jogava para o lado, derrubando-a e matando alguns dos homens que a carregavam. Então, novamente ele rolou para o outro lado, trazendo uma destruição semelhante. Assim, ele trouxe problemas e morte e uma longa e cansativa jornada para os seus captores, que logo descobriram que o seu prisioneiro era o homem-porco Kamapuaa. Eles o trouxeram ao seu rei Olopana e o colocaram no recinto do templo onde os sacrifícios aos deuses eram confinados. Este heiau ficava em Kaneohe e era conhecido como o heiau de Kawaewae. Estava sob os cuidados de um sacerdote conhecido como Lonoaohi.

Muito, muito antes dessa captura, Olopana tinha descoberto Kamapuaa e não o reconhecera como o seu filho. A destruição de seus coqueiros e canteiros de taro foi a causa da primeira ruptura violenta entre os dois. Kamapuaa havia quebrado as paredes do grande tanque de peixes de Olopana e libertado os peixes e depois de três vezes atacar as aves ao redor das casas de capim apreendeu, matou e comeu o galo sagrado que Olopana considerava o seu fetiche doméstico.

Quando Olopana soube que Kamapuaa havia sido capturado e estava amarrado no recinto do templo, foram enviadas ordens para que muito cuidado fosse tomado para que ele não escapasse e mais tarde ele deveria ser colocado no altar de sacrifício diante dos grandes deuses.

Hina, dizia-se, não suportava a ideia de que aquele filho dela, brutal e injurioso como era, sofresse como um sacrifício. Ela era uma chefe muito suprema e, como os Hinas em toda a Polinésia, foi creditada com poderes divinos. Ela teve grande influência com o sumo sacerdote Lonoaohi e o convenceu a dar a Kamapuaa uma oportunidade de escapar. Isso foi feito matando um porco preto e manchando o corpo de Kamapuaa com o sangue. Assim tendo a aparência de morte, ele foi colocado desamarrado sobre o altar. Era certo que, a menos que fosse detectado, ele poderia facilmente escalar a parede do templo e escapar.

Olopana, o rei, veio oferecer os cânticos e orações que pertenciam a tal sacrifício. Ele, assim como o sumo sacerdote, tinha deveres no templo e o privilégio de servir em sacrifícios de grande importância. Como era o seu costume, ele veio do altar repetindo cânticos e orações enquanto Kamapuaa jazia diante das imagens dos deuses. Enquanto ele estava realizando os ritos de sacrifício, Kamapuaa ficou com raiva, saltou do altar, mudou-se para a sua própria forma, pegou as adagas de osso usadas para desmembrar os sacrifícios e atacou Olopana, golpeando-o repetidamente, até que ele caiu no chão do templo morto. Os sacerdotes horrorizados foram impotentes para impedir o ato, nem pensaram em derrubar Kamapuaa imediatamente. Na confusão, ele saiu correndo do templo, fugiu ao longo da costa para os seus vales conhecidos, escalou os precipícios e reencontrou a sua avó e os seus seguidores.

Liderando o seu bando de ladrões rudes pelas florestas de sândalo48 da região de Wahiawa, ele atravessou as planícies até as Montanhas Waianae. Aqui eles se estabeleceram por um tempo, vivendo em cavernas. Outros espíritos sem lei se juntaram a eles e eles passaram pelo lado Ewa da Ilha, devastando a terra como uma manada de porcos. Uma parte da Ilha eles conquistaram, tornando os habitantes os seus servos.

[48  Iliahi ou Santalum]

Aqui em um contraforte das Montanhas Waianae eles construíram uma residência para Kama-unu-aniho e a estabeleceram como a sua sacerdotisa, ou kahuna. Eles cobravam dos fazendeiros vizinhos qualquer taro, batata-doce49 e banana que eles precisassem. Eles obrigaram os pescadores a trazerem tributos do mar. Eles cercaram as suas casas com porcos e galinhas e, por mera devassidão, aterrorizaram aquela parte de Oahu.

[49 Ipomea Batatas]

KAMAPUAA EM OAHU E KAUAI

Fornander diz que Kamapuaa às vezes era chamado de ‘o de oito olhos’ e também era dotado de oito pés. Ele diz: ‘Essa especialidade de quatro faces ou cabeças e de membros correspondentes é peculiar a algumas das principais divindades hindus’. A designação honorária de deuses e até mesmo chefes supremos na mitologia Havaiana era frequentemente maka-walu (oito olhos), para expressar a sua grande dotação de poderes divinos. Fornander observa a ‘coincidência como tendo em conta a derivação de mitos e lendas Polinésias. As histórias Kamapuaa, no entanto, parecem não ter contrapartida em qualquer mitologia além das fronteiras das Ilhas Havaianas’.

Enquanto ele vivia na costa de Koolau, ele era simplesmente um monstro devastador e brutal, com certos poderes pertencentes a um semideus, que ele usava da maneira mais maliciosa possível. Depois de ser expulso para o lado das montanhas de Honolulu, por um tempo ele liderou o seu bando de ladrões em suas várias expedições, mas depois de um tempo os seus poderes milagrosos aumentaram e ele saiu aterrorizando a Ilha de uma ponta a outra. Ele tinha o poder de se transformar em qualquer peixe. Como um tubarão e um porco, ele foi representado às vezes devorando aqueles que conquistava em batalha. Ele devastou os campos e as reservas de frangos dos diferentes chefes, mas é dito que ele nunca roubou ou comeu porcos ou peixes.

Ele vagou ao longo das terras baixas desde os canteiros de taro de Ewa até os coqueirais de Waikiki, desenraizando e destruindo a comida do povo.

Em Kamoiliili ele viu duas belas mulheres vindo do riacho que flui do Vale do Manoa. Ele as chamou, mas quando elas viram o seu corpo tatuado e as roupas ásperas feitas de pele de porco, elas o reconheceram e fugiram. Ele as perseguiu, mas elas eram consideradas como deusas, tendo vindo de famílias divinas estrangeiras, bem como Kamapuaa. Elas possuíam poderes milagrosos e desapareceram quando ele estava pronto para colocar as mãos sobre elas. Elas afundaram na terra. Kamapuaa assumiu a forma de um grande porco e começou a arrancar as pedras e o solo e abrir caminho através da espessa camada de coral petrificado através da qual elas haviam desaparecido. Ele primeiro seguiu a descida da mulher que estava mais próxima dele. Ele desceu por terra e pedra atrás dela, mas de repente uma grande torrente de água irrompeu através do coral quase o afogando. A deusa havia parado a sua perseguição transformando um riacho subterrâneo na entrada que ele havia feito.50

[50 Perto da Igreja Kamoiliili]

Após essa fuga por pouco, Kamapuaa correu em direção ao Vale do Manoa para o local onde ele tinha visto a outra bela mulher desaparecer. Aqui também ele enraizou profundamente na terra e no coral e aqui novamente uma nova fonte de água viva foi descoberta. Ele nada pôde fazer contra o dilúvio, que ameaçou a sua vida. As deusas escaparam e os dois poços abasteceram o povo de Kamoiliili por muitas gerações, levando o nome de ‘Os poços ou fontes de Kamapuaa’.

O chefe de Waikiki tinha uma bela área51 bem suprida de bananas, cocos e taro. Noite após noite, um grande pântano preto invadiu Waikiki destruindo todas as frutas maduras e até mesmo indo até as portas das casas de grama procurando as cabaças cheias de poi esperando a fermentação. Essas cabaças foram jogadas ao chão, profanando o seu conteúdo e quebrando-as e inutilizando-as para uso posterior. Uma multidão de guerreiros correu para matar esse monstro devastador. Eles o golpearam com clavas e arremessaram as suas lanças contra os seus lados eriçados. As cerdas duras amorteceram a força dos golpes das clavas e desviaram as pontas das lanças para que ele recebesse apenas poucos ferimentos. Enquanto isso, as suas presas ferozes estavam destruindo os guerreiros e as suas mandíbulas cruéis estavam rasgando a carne deles e quebrando os seus ossos. Em pouco tempo, os poucos que conseguiram escapar fugiram dele. Os chefes reuniram os seus guerreiros repetidamente e depois de muitas batalhas levaram Kamapuaa de caverna em caverna e de distrito em distrito. Finalmente ele saltou no mar, mudou-se para a forma de um peixe e atravessou o canal para Kauai.

[51 Perto da residencia Cleghorn]

Ele nadou para oeste ao longo da costa, escolhendo um local conveniente para desembarcar e quando a noite chegou, mandando as pessoas dormirem, ele desembarcou. Ele havia marcado a localização de canteiros de taro e cana-de-açúcar e poderia encontrá-los facilmente à noite. Transformando-se em um porco preto, ele devorou ​​e pisoteou a cana-de-açúcar, desenraizou o taro e as cabaças, comendo o poi e quebrando as tigelas de madeira. Então ele fugiu para um pedaço de terra áspero que ele havia escolhido como o seu esconderijo.

As pessoas ficaram surpresas com a devastação quando voltaram de suas casas na manhã seguinte. Somente deuses que estavam com raiva poderiam ter causado tal destruição tão inesperadamente, então eles enviaram sacrifícios aos heiaus, para que os deuses de suas casas pudessem protegê-los. Mas, na noite seguinte, outros campos ficaram desolados, como se uma manada de suínos tivesse trabalhado desenfreadamente durante toda a noite. Depois de algum tempo, sentinelas foram colocadas ao redor dos campos e o poderoso porco foi visto. O povo foi chamado. Eles cercaram Kamapuaa, pegaram-no e amarraram-no com cordas mais fortes de fibra de olona52 e o puxaram para um lado, para que no novo dia, tão cedo amanhecesse, pudessem construir o seu forno e assá-lo para um grande banquete.

[52 Touchardia latifolia.]

Quando eles pensaram que tudo estava terminado, o porco de repente rompeu as suas amarras, tornou-se invisível e saltou sobre eles, rasgou-os e os matou como havia feito em Oahu, depois fugiu na escuridão.

Novamente alguns vigias o encontraram deitado ao pé de um precipício íngreme, dormindo durante o dia. Na beira do precipício havia grandes pedregulhos, que rolaram sobre ele, mas é dito que ele permitiu que as pedras também o atingissem e caíssem em pedaços enquanto ele sofria alguns poucos ferimentos.

Então ele assumiu a forma de um homem e fez a sua casa por uma saliência de rocha chamada Kipukai. Aqui havia uma nascente de água muito doce, que se estendia na forma de uma piscina plácida de profundezas claras, refletindo maravilhosamente quaisquer sombras que caíssem sobre a sua superfície. A essa nascente duas belas irmãs costumavam vir com as suas cabaças de água. Enquanto elas se inclinavam sobre a água, Kamapuaa se aproximou e lançou a sombra como um homem diante delas nas águas claras. Ambas queriam o homem como o seu marido que pudesse lançar tal sombra. Ele se revelou a elas e tomou ambas para serem as suas esposas. Elas moravam com ele em Kipukai e faziam boas esteiras de dormir para ele, cultivavam alimentos e preparavam para ele comer. Elas bateram kapa para que ele pudesse estar bem vestido.

Naquela época, havia facções na Ilha de Kauai guerreando entre si. Feroz batalhas corpo a corpo foram travadas e ricos despojos foram levados.

Com a chegada de Kamapuaa a Kauai, uma nova e estranha aparição causava terror nos corações dos guerreiros sempre que uma batalha ocorria. Enquanto o conflito estava acontecendo e os golpes eram dados livremente tanto por clava quanto por lança, de repente uma enorme clava de guerra era vista assobiando pelo ar, derrubando os chefes de ambas as partes. Golpes poderosos foram dados por essa clava misterioso. Nenhuma mão podia ser vista segurando-a, nenhum braço forte balançando-a e nenhum chefe perto dela, exceto aqueles atingidos por ela. Guerreiros mortos e moribundos cobriam o chão em seu caminho. Às vezes, quando Kamapuaa era pego em sua expedição de saqueadores, ele escapava das cordas que o amarravam, se transformava em homem, pegava uma clava, ficava invisível e destruía os seus captores. Ele tirou dos caídos as suas ricas capas de guerra de penas, carregando-as para a sua morada e as escondendo sob as suas esteiras.

O povo de Kauai estava aterrorizado com o ser incrível e poderoso que habitava no meio deles. Eles acreditavam na capacidade dos kahunas, ou sacerdotes, de operar todo tipo de mal de maneiras estranhas e, portanto, tinham certeza de que algum sacerdote estava trabalhando com espíritos malignos para conseguir a sua destruição. Eles buscaram o mais forte e mais sagrado de seus próprios kahunas, mas foram incapazes de vencer o mal. Enquanto isso Kamapuaa, cansado das duas esposas, começou a tornar a vida delas miserável, tentando irritá-las, para que ele pudesse ter uma boa desculpa para matá-las. Elas sabiam um pouco de seus poderes maravilhosos como um semideus e o observavam quando ele trazia trouxas para a sua casa e as guardava. A casa do cacique então, como em anos posteriores, estava separada das casas das mulheres e era tabu para elas, mas elas esperaram até vê-lo ir para longe. Então elas revistaram a sua casa e encontraram as capas de guerra de seus amigos debaixo de suas esteiras. Elas se apressaram e contaram a seus amigos, que conspiraram para se vingar de seu inimigo.

As mulheres decidiram tentar afastar o semideus, então destruíram a fonte de água de onde diariamente traziam água para a sua necessidade. Elas também esconderam cuidadosamente todas as evidências de outras fontes. Kamapuaa voltou de suas aventuras e ficou zangado quando não encontrou água esperando por ele. Chamou as mulheres, mas elas se esconderam. Ele estava com muita sede. Ele correu para o lugar da fonte, mas não conseguiu encontrá-la. Ele procurou água aqui e ali, mas as irmãs teceram feitiços poderosos sobre todos os poços de água e ele não podia vê-los. Em sua raiva, ele correu como um homem cego e louco. Então as irmãs apareceram e o ridicularizaram. Elas o insultaram com o seu fracasso em superar as suas artimanhas. Elas riram de seu sofrimento. Então, em sua grande ira, ele saltou sobre elas, pegou-as e jogou-as no precipício. Quando elas caíram no chão, ele pronunciou os seus poderosos encantamentos e as transformou em duas pedras, que por muitas gerações foram guardiãs daquele precipício. Então ele assumiu a forma de um porco e se enraizou profundamente no solo rochoso. Logo descobriu uma fonte de água da qual bebeu profundamente, mas que depois tornou amarga e deixou como fonte mineral até os dias atuais.

O povo de Kauai agora conhecia o segredo da maravilhosa clava de guerra balançando. Eles sabiam que uma mão a segurava e um homem invisível caminhava ao lado dela, então lutavam contra um poder que não podiam ver. Eles sentiram as suas clavas atingirem algum corpo sólido mesmo quando atingiram o ar. A coragem voltou para eles, e em Hanalei o povo o encurralou e, carregando pedras, tentou cercá-lo, mas ele derrubou os muros, abriu caminho entre as pessoas e fugiu. O chefe supremo de Hanalei jogou a sua lança mágica nele quando ele passou correndo, mas errou. A lança atingiu o lado da montanha perto do cume e atravessou, deixando um grande buraco através do qual o céu do outro lado da montanha ainda pode ser visto. Kamapuaa decidiu que estava cansado de Kauai, então correu para a praia, pulou na água e, tornando-se um peixe, nadou para o Havaí.

PELE E KAMAPUAA

As três grandes montanhas do Havaí foram construídas muitos séculos antes de Pele encontrar um lar permanente no poço do Kilauea. O próprio Kilauea aparece mais como um abrigo para o qual ela fugiu do que como uma casa de sua própria construção. As águas do mar extinguiram os fogos por ela construídos em níveis mais baixos, forçando-a a subir cada vez mais alto em direção às montanhas até que ela se refugiou no turbilhão de fogo eterno conhecido por séculos entre os Havaianos como Ka lua o Pele (O poço de Pele), — o centro de ebulição do poço de fogo ativo. Algumas lendas dizem que Kamapuaa levou Pele de um lugar para outro derramando água.

As lendas de Kalakaua provavelmente dão a ideia correta dos crescimentos da adoração de Pele como a deusa dos fogos vulcânicos quando dizem que a família Pele de chefes supremos corajosos e aventureiros com os seus seguidores se estabeleceram sob as sombras das nuvens de fumaça do Kilauea e foram finalmente destruídos por alguma erupção avassaladora. E, no entanto, a destruição foi tão espetacular, ou pelo menos tão misteriosa, que se enraizou firmemente a ideia de que Pele e os seus irmãos e irmãs, em vez de deixar de existir, entraram no vulcão para morar lá como espíritos vivos tendo os fogos do submundo como a sua herança contínua. Dessa casa de fogo, Pele e as suas irmãs puderam sair assumindo as formas em que foram vistas como seres humanos. Esse poder tem sido a causa de muitas lendas sobre Pele e as suas aventuras com vários chefes que ela finalmente dominou com inundações ferventes de lava lançadas de seu coração raivoso. Dessa forma, ela apareceu em diferentes partes da Ilha do Havaí, aparentemente, não tendo mais medo do perigo para a sua casa dos mares que se aproximavam.

A última grande batalha entre o mar e o fogo foi ligada a Pele como deusa do fogo e Kamapuaa, o semideus, parte porco e parte homem. É uma lenda curiosa em que elementos humanos e divinos se misturam como as cenas cambiantes de um sonho. Isso naturalmente segue a afirmação em algumas das lendas de que Ku, um dos deuses mais elevados entre os Polinésios, bem como entre os Havaianos, era um ancestral de Kamapuaa, protegendo-o e dando-lhe os traços de um semideus. Kamapuaa passou por muitas aventuras nas Ilhas de Oahu e Kauai e viveu por um tempo em Maui. Ele havia, de acordo com algumas das lendas, desenvolvido os seus poderes misteriosos para que pudesse se tornar um peixe sempre que quisesse, então às vezes ele era representado saltando no mar, mergulhando em grandes profundidades e nadando até sentir a aproximação de terra subindo, então ele vinha à superfície, chamava o nome da Ilha e desembarcava para visitar os habitantes ou mergulhava novamente e passava para outra Ilha. Assim, ele é representado como passando para o Havaí após as suas aventuras nas Ilhas de Kauai e Oahu.

No Havaí, ele entrou nos esportes dos chefes, jogos de azar, boxe, surfe, rolando a pedra redonda ulu maika e montando o holua (trenó). Aqui ele aprendeu sobre a maravilhosa princesa das Ilhas dos mares do sul que tinha feito o seu lar nas fontes de fogo.

Algumas das lendas dizem que ele retornou a Oahu, reuniu uma companhia de adeptos e depois visitou a família Pele como um chefe de alto escalão, ganhando-a como a sua noiva e morando com ela algum tempo, separando e dividindo a Ilha do Havaí entre eles, Pele tomando a parte sul da Ilha como cenário para as suas terríveis erupções e Kamapuaa governando o norte, regando a terra com chuvas suaves ou com neve derretida, ou às vezes com tempestades ferozes, até que por muitos séculos os campos férteis recompensaram a labuta do homem.

As melhores lendas levam Kamapuaa sozinho para a disputa com a deusa do fogo, vencendo-a por um tempo e depois entrando em uma luta na qual ambas as vidas estavam em jogo.

Conta-se que certa manhã, quando os cumes das montanhas estavam pintados pela luz do sol do mar e as sombras do vale se esgueiravam sob as folhas das árvores das florestas, Pele e as suas irmãs desceram em direção às colinas de Puna. Essas irmãs eram conhecidas como as Hiiakas, definidas por Ellis, que dá o primeiro relato delas, como ‘As detentoras das nuvens’. Cada uma tinha um título descritivo, assim Hiiaka-noho-lani era ‘A porta-nuvens que mora no céu’, Hiiaka-i-ka-poli-o-Pele era ‘A porta-nuvens no seio de Pele’. Havia pelo menos seis Hiiakas e algumas lendas dão muito mais.

Naquela manhã elas ouviram o som de um tambor ao longe. Era o tum-tum-tum de uma hula. Cheias de curiosidade, elas se viraram para ver que estranhos haviam invadido o seu território. Uma das irmãs, olhando para a planície para uma colina não muito distante, gritou: ‘Que homem bonito!’ e pediu a suas irmãs que marcassem o estranho atlético e bem formado que dançava gloriosamente delineado no esplendor da luz da manhã.

Pele olhou com desdém e disse que não via nada além de um grande homem-porco, que ela rapidamente expulsaria de seus domínios. Começou então a habitual guerra de palavras com que chefes rivais se atacavam. Pele zombou de Kamapuaa, chamando-o de porco e atribuindo-lhe as características dos suínos. Kamapuaa ficou zangado e chamou Pele de ‘a mulher com olhos vermelhos ardentes e um coração raivoso impróprio para ser chamada de chefe’. Então Pele em sua ira pisou no chão até que terremotos sacudiram a terra ao redor de Kamapuaa e uma corrente fervente de lava rolou das montanhas acima. O estranho, jogando ao seu redor a melhor tapa, ficou imóvel até que a torrente de fogo começou a subir a colina em que ele estava. Então, levantando as mãos e proferindo os mais fortes encantamentos, ele pediu que chuvas fortes caíssem. Logo a lava ficou impotente na presença do estranho. Então Pele tentou os seus poderes mágicos para ver se ela poderia subjugar aquele estranho, mas as invocações dele pareciam ser mais fortes do que as que saíam de seus lábios e ela desistiu de tentar destruí-lo. Pele sempre foi uma deusa cruel e vingativa, varrendo aqueles contra quem a sua ira poderia ser acesa, mesmo que fossem amigos íntimos de sua casa.

As irmãs finalmente a convenceram a enviar uma mensagem para a colina convidando o estranho, que evidentemente era um chefe supremo, para visitá-las. Quando o mensageiro começou a trazer o jovem para as irmãs, ele entrou nas sombras e o mensageiro não encontrou nada além de um pequeno porco fuçando entre as samambaias. Isso aconteceu dia após dia até que Pele decidiu conhecer esse chefe estranho que sempre conseguia se esconder completamente, não importava o quão cuidadosamente os mensageiros podiam pesquisar. Por fim, o canto da hula e a dança das irmãs no suave pahoehoe53 de um grande leito de lava extinto levaram o jovem a se aproximar. Pele se revelou em sua beleza rara e tentadora, chamando com voz doce para que o estranho viesse descansar ao seu lado enquanto as suas irmãs dançavam. Logo Pele foi dominada pela força vencedora desse grande chefe e ela decidiu se casar com ele. Assim, eles viveram juntos em grande felicidade por um tempo, às vezes fazendo a sua casa em uma parte de Puna e às vezes em outra. Os lugares onde moravam são apontados até hoje pelos nativos que conhecem as tradições de Puna.

[53 Pahoehoe, lava suave. A-a, lava bruta.]

Mas Kamapuaa tinha muitos dos hábitos e instintos de um porco para agradar a Pele, além de que ela ficava zangada demais para se adequar ao arrogante Kamapuaa. Pele nunca foi paciente nem mesmo com as suas irmãs, então com Kamapuaa ela explodia em fúria ardente, enquanto insultos e palavras amargas eram lançadas livremente de um lado para o outro. Então Pele pisou no chão, a terra tremeu, rachaduras se abriram na superfície e às vezes nuvens de fumaça e vapor se ergueram ao redor de Kamapuaa. Ele não estava apavorado e combinou os seus poderes divinos contra os dela. Era semideus contra semideusa. Era a deusa do fogo do Havaí contra o deus-porco de Oahu. A vida doméstica de Pele foi abandonada. A amargura da luta varreu as areias negras da praia. Quando a terra parecia prestes a abrir as suas portas e derramar poderosas torrentes de lava corrente na defesa de Pele, Kamapuaa pediu que as águas do oceano subissem. Então a inundação encontrou o fogo e o extinguiu. Pele foi levada para o interior. O seu ex-amante, correndo atrás dela e lutando para vencê-la, seguiu-a para cima até que finalmente, em meio a nuvens de gases venenosos, ela voltou para o seu lar espiritual no poço do Kilauea.

Então Kamapuaa como um deus do mar juntou as águas em grandes massas e as atirou na fogueira. Explosões violentas seguiram a irrupção das águas. Os lados da grande cratera foram despedaçados por terremotos violentos. Massas de fogo expandiram a água em vapor e Pele reuniu as forças do submundo para ajudar a expulsar Kamapuaa. As lavas subiram em muitos lagos e fontes. Rapidamente a superfície foi esfriada e as fontes checadas, mas com a mesma rapidez foram feitas novas aberturas e novos jatos de fogo lançados contra o semideus de Oahu. Foi uma poderosa batalha dos elementos. As lendas dizem que o homem-porco, Kamapuaa, derramou água na cratera até que os seus fogos foram levados de volta às suas profundezas e Pele quase se afogou pelas inundações. As nuvens do céu deixaram cair a sua carga de chuva. Todas as águas do mar que Kamapuaa conseguiu coletar foram despejadas na cratera. Fornander dá uma parte da oração de Kamapuaa contra Pele. O seu apelo foi diretamente aos deuses da água para obter assistência. Ele pediu por

. . . ‘As grandes nuvens de tempestade do céu’,

enquanto Pele orava por

‘Os deuses brilhantes do submundo,
Os deuses agrupados para Pele.’

Era dever da família de Pele incitar a ação vulcânica, criar explosões, lançar lava no ar, fazer terremotos, soprar nuvens de chamas e fumaça e vapores sulfurosos contra todos os inimigos de Pele. No conflito contra Kamapuaa precipitaram-se os deuses de Po, o submundo, armados com lanças de fogo fulgurante e arremessando estilingues de pedras de lava. As tempestades de gases estourando e lavas caindo foram mais do que Kamapuaa poderia suportar. Ofegante e dominado pelo calor, ele se viu empurrado para trás. As lendas dizem que Pele e as suas irmãs beberam as águas, de modo que depois de um tempo não houve controle contra a lava revolta. A cova foi enchida e as correntes de fogo desceram sobre Kamapuaa. Ele transformou o seu corpo em uma espécie de grama agora conhecida como Ku-kae-puaa e tentou parar o fluxo da lava. Aparentemente, a grama representava as cerdas que cobriam o seu corpo quando ele se transformava em porco. Kamapuaa às vezes era chamado de Sansão das tradições Havaianas e é possível que uma ideia bíblica tenha se infiltrado nas versões modernas da história. Dalila cortou o cabelo de Sansão e ele ficou fraco. As tradições Havaianas dizem que, se as cerdas de Kamapuaa pudessem ser queimadas, ele perderia o seu poder de lidar com as forças de fogo de Pele. Quando a grama estava no caminho do fogo, a lava foi desviada por um tempo, mas Pele, inspirada pelo início da vitória, chamou novamente os deuses do submundo por fortes reforços.

Dos poços do Kilauea vieram vastas massas de lava empilhando-se contra o campo de grama em seu caminho e logo a grama começou a queimar; então Kamapuaa assumiu novamente a forma de um homem, os cabelos ou cerdas em seu corpo foram chamuscados e naquele experto de muitos vagabundos começou a causar agonia. Ele desceu correndo para o mar, mas a lava se espalhou pelos dois lados, interrompendo a retirada ao longo da praia. Pele o seguiu logo atrás, tentando ultrapassá-lo antes que pudesse chegar à água. As correntes laterais haviam chegado ao mar e a água foi rapidamente aquecida em ondas agitadas e ferventes. Pele jogou grandes massas de lava em Kamapuaa, atingindo e agitando o mar no qual ele saltou no meio da massa aquecida e rodopiante. Kamapuaa desistiu da batalha e, completamente derrotado, transformou-se em peixe. A esse peixe ele deu a dura pele de porco que assumiu quando perambulava pelas Ilhas como o homem-porco. Era grossa o suficiente para suportar as ondas ferventes pelas quais ele nadou até o mar profundo. Os Havaianos dizem que esse peixe sempre foi capaz de fazer um barulho como o grunhido de um porquinho. A este peixe foi dado o nome de ‘humu-humu-nuku-nuku-a-puaa’.

Foi dito que Kamapuaa fugiu para terras estrangeiras, onde se casou com uma chefe suprema e viveu com sua família por muitos anos. Por fim, a saudade de sua pátria se apoderou dele irresistivelmente e ele voltou aparecendo como um humu-humu em seu lugar divino entre os peixes Havaianos, mas nunca mais assumindo a forma de homem.

Desde esse conflito com Kamapuaa, Pele jamais temeu os poderes do mar. Repetidamente ela enviava os seus fluxos de lava sobre o território ao redor de sua fogueira no vulcão Kilauea e varria a costa, até mesmo despejando as suas lavas no fundo do mar, mas o oceano nunca retaliou entrando em outro conflito para destruir Pele e os seus servos. Kamapuaa foi o último que despejou o mar no poço profundo. Os amigos de Lohiau, um príncipe da Ilha de Kauai, travaram guerra com Pele, despedaçando uma parte da cratera em que ela morava; mas foi um conflito de forças terrestres e em sua totalidade é uma das histórias muito interessantes transmitidas pela tradição Havaiana.

Kamapuaa figurava até os últimos dias da adoração de Pele nos sacrifícios oferecidos à deusa do fogo. O sacrifício mais aceitável para Pele deveria ser puaa (um porco). Se um porco não pudesse ser garantido quando uma oferenda fosse necessária, o sacerdote pegava o peixe humu-humu-nuku-nuku-a-puaa e o jogava no poço de fogo. Se o porco e o peixe falhassem, o sacerdote oferecia qualquer uma das coisas em que, diziam as suas tradições, Kamapuaa poderia se transformar.

Nota: Para mais histórias de Pele veja as ‘Lendas dos Vulcões’ do autor.”

Imagem lucas-van-oort-4GKEBsj7BFE-unsplash.jpg – 26 de agosto de 2022

Referências bibliográficas da OREM1

André Biernath – repórter na Revista Saúde – Grupo Abril  – artigo sobre o filme “Divertida Mente”, que aborda inteligentemente a questão das memórias armazenadas;

Bert Hellinger e Gabriele Tem Hövel – livro “Constelações Familiares – O Reconhecimento das Ordens do Amor”;

Bruce Lipton – livro “A Biologia da Crença “;

Carol Gates e Tina Shearon – livro “As You Wish” (tradução livre: “Como você desejar”);

Ceres Elisa da Fonseca Rosas – livro “O caminho ao Eu Superior segundo os Kahunas” – Editora FEEU;

Charles Seife – livro “Zero: A Biografia de Uma Ideia Perigosa” (versão em inglês “Zero: The Biography of a Dangerous Idea”;

Curso “Autoconhecimento na Prática online – Fundação Estudar” https://www.napratica.org.br/edicoes/autoconhecimento;

Dan Custer – livro “El Milagroso Poder Del Pensamiento” (tradução livre: “O Miraculoso [Incrível] Poder Do Pensamento”);

David V. Bush – livro “How to Put The Subconscious Mind to Work” (tradução livre: “Como Colocar a Mente Subconsciente para Trabalhar”);

Dr. Alan Strong – artigo denominado “The Conscious Mind — Just the Tip of the Iceberg” (tradução livre: “A Mente Consciente – Apenas a Ponta do Iceberg”), no site www.astrongchoice.com;

Dr. Amit Goswami – livro “O Universo Autoconsciente – como a consciência cria o mundo material”;

Dr. Benjamin P. Hardy, psicólogo organizacional, autor do livro “Willpower Doesn’t Work” (Tradução livre: “Força de Vontade Não Funciona”), em artigo no site https://medium.com/the-mission/how-to-get-past-your-emotions-blocks-and-fears-so-you-can-live-the-life-you-want-aac362e1fc85Sr;

Dr. Bruce H. Lipton – livro “A Biologia da Crença”;

Dr. Deepak Chopra – livro “Criando Prosperidade”;

Dr. Gregg Braden – livro “A Matriz Divina”;

Dr. Helder Kamei – site http://www.flowpsicologiapositiva.com/ – Instituto Flow;

Dr. Joe Dispenza – livro “Breaking the Habit of Being Yourself – How to Lose Your Mind and Create a New One” (tradução livre: “Quebrando o Hábito de Ser Você Mesmo – Como Liberar Sua Mente e Criar um Novo Eu”);

Dr. Kenneth Wapnick – transcrição de sua palestra denominada “Introdução Básica a Um Curso em Milagres”;

Dr. Maxwell Maltz – livro “The New Psycho-Cybernetics” (tradução livre: “A Nova Psico-Cibernética”);

Dr. Nelson Spritzer – livro “Pensamento & Mudança – Desmistificando a Programação Neurolinguística (PNL)”;

Dr. Richard Maurice Bucke – livro ‘Consciência Cósmica’;

Dr. Serge King – livro “Cura Kahuna” (Kahuna Healing);

Francisco Cândido Xavier – livro “No Mundo Maior” (ditado pelo espírito Dr. André Luiz);

Francisco do Espírito Santo Neto – livro “Os Prazeres da Alma” (ditado pelo espírito Hammed);

Gerald Zaltman – Professor da Harvard Business School – livro “How Customers Think” (tradução livre: “Como Pensam os Consumidores”);

Henry Thomas Hamblin – livro “Within You Is The Power” (tradução livre: “Dentro de VOCÊ Está O Poder”);

Hermínio C. Miranda – livro “O Evangelho de Tomé”;

Igor I. Sikorsky, Jr. – Jurista – Artigo Jung & Huna – Fonte: https://www.maxfreedomlong.com/huna-bulletins/hv-newsletter-30-spring-1979/

James Redfield – livro “A Profecia Celestina”;

Jens Weskott – artigo “Bem-vindo Subconsciente – Graças ao Ho’oponopono”, site da Associação de Estudos Huna disponível no link https://www.huna.org.br/wp/?s=jens;

Joe Vitale – livro “Limite Zero”;

Joel S. Goldsmith – livro “O Despertar da Consciência Mística”;

John Assaraf – artigo ratificando que somos todos seres perfeitos de Luz está disponível no site http://in5d.com/the-world-of-quantum-physics-everything-is-energy/;

John Curtis – Webinario sobre Ho’oponopono – site Sanación y Salud http://www.sanacionysalud.com/

Joseph Murphy – livro “The Power of Your Subconscious Mind” (tradução livre: “O Poder de Sua Mente Subconsciente”);

Kenneth E. Robinson – livro “Thinking Outside the Box” (tradução livre: “Pensar Fora da Caixa”);

Krishnamurti – artigo “Early Krishnamurti” (“Inicial Krishnamurti”) – Londres, 7-3-1931.  Site: https://www.reddit.com/r/Krishnamurti/comments/qe99e1/early_krishnamurti_7_march_1931_london/

Krishnamurti  – livro “O Sentido da Liberdade”, publicado no Brasil em 2007, no capítulo “Perguntas e Respostas”, o tema “Sobre a Crise Atual”; experienciamos, para a nossa reflexão e meditação à luz do sistema de pensamento do Ho’oponopono.

Kristin Zambucka, artista, produtora e autora do livro “Princess Kaiulani of Hawaii: The Monarchy’s Last Hope” (tradução livre: “Princesa Kaiulani do Havaí: A Última Esperança da Monarquia”);

Leonard Mlodinow – livro “Subliminar – Como o inconsciente influencia nossas vidas” – do ano de 2012;

Livro “Um Curso em Milagres” – 2ª edição – copyright 1994 da edição em língua portuguesa;

Louise L. Hay – livro “You Can Heal Your Life – (tradução livre: “Você Pode Curar Sua Vida”);

Malcolm Gradwell – livro “Blink: The Power of Thinking without Thinking” (Tradução livre: “Num piscar de olhos: O Poder de Pensar Sem Pensar”);

Marianne Szegedy-Maszak – edição especial sobre Neurociência publicada na multiplataforma “US News & World Report”, destacando o ensaio “Como Sua Mente Subconsciente Realmente Molda Suas Decisões”;

Max Freedom Long – livro “Milagres da Ciência Secreta”;

Max Freedom Long – Artigo “Teaching HUNA to the Children – How Everything was made” [Ensinando HUNA para as Crianças – Como Tudo foi feito], site https://www.maxfreedomlong.com/articles/max-freedom-long/teaching-huna-to-the-children/;

Max Freedom Long – Artigo “Huna And The God Within”. Fonte: https://www.maxfreedomlong.com/articles/huna-lessons/huna-lesson-2-huna-theory-of-prayer/

Max Freedom Long – Artigo “The Workable Psycho-Religious System of the Polynesians” [O Sistema Psico-Religioso Praticável dos Polinésios]. Fonte: https://www.maxfreedomlong.com/articles/max-freedom-long/huna-the-workable-psycho-religious-system-of-the-polynesians/

Napoleon Hill – livro “The Law of Success in Sixteen Lessons” (tradução livre: “A Lei do Sucesso em Dezesseis Lições”);

Osho – livro “The Golden Future” (tradução livre: “O Futuro Dourado”);

Osho – livro “From Unconsciousness to Consciousness” (tradução livre “Do Inconsciente ao Consciente”);

Osho – livro “Desvendando mistérios”;

Paul Cresswell – livro “Learn to Use Your Subconscious Mind” (tradução livre: “Aprenda a Usar a Sua Mente Subconsciente”);

Paulo Freire, educador, pedagogo, filósofo brasileiro – livro “A Psicologia da Pergunta”;

Platão – livro “O Mito da Caverna”;

Richard Wilhelm – livro “I Ching”;

Roberto Assagioli, Psicossíntese. Site http://psicossintese.org.br/index.php/o-que-e-psicossintese/

Sanaya Roman – livro “Spiritual Growth: Being Your Higher Self (versão em português: “Crescimento Espiritual: o Despertar do Seu Eu Superior”);

Sílvia Lisboa e Bruno Garattoni – artigo da Revista Superintessante, publicado em 21.05.13, sobre o lado oculto da mente e a neurociência moderna.

Site da Associação de Estudos Huna https://www.huna.org.br/ – artigos diversos.

Site www.globalmentoringgroup.com – artigos sobre PNL;

Site Wikipedia https://pt.wikipedia.org/wiki/Ho%CA%BBoponopono, a enciclopédia livre;

Thomas Troward – livro “The Creative Process in the Individual” (tradução livre: “O Processo Criativo no Indivíduo”);

Thomas Troward – livro “Bible Mystery and Bible Meaning” (tradução livre: “Mistério da Bíblia e Significado da Bíblia”);

Tor Norretranders – livro “A Ilusão de Quem Usa: Reduzindo o tamanho da Consciência” (versão em inglês “The User Illusion: Cutting Consciousness Down to Size”);

Wallace D. Wattles – livro “A Ciência para Ficar Rico”;

W. D. Westervelt – Boston, G.H. Ellis Press [1915] – artigo: “Hawaiian Legends of Old Honolulu” Site: https://www.sacred-texts.com/pac/hloh/hloh00.htm.

William Walker Atkinson – livro: “Thought Vibration – The Law of Attraction in the Thought World” (tradução livre: “Vibração do Pensamento – A Lei da Atração no Mundo do Pensamento”) – Edição Eletrônica publicada em 2015;

Zanon Melo – livro “Huna – A Cura Polinésia – Manual do Kahuna”;     

Muda…

A chuva de bênçãos derrama-se sobre mim, nesse exato momento.
A Prece atinge o seu foco e levanta voo.

Eu sinto muito.
Por favor, perdoa-me.
Eu te amo.
Eu sou grato(a).

Autor

Graduação: Engenheiro Operacional Químico. Graduação: Engenheiro de Segurança do Trabalho. Pós-Graduação: Marketing PUC/RS. Pós-Graduação: Administração de Materiais, Negociações e Compras FGV/SP. Consultor de Empresas: Projeto OREM® - Organizações Baseadas na Espiritualidade (OBEs). Estudante e Pesquisador Independente sobre Espiritualidade Não-Dualista; Psicofilosofia Huna e Ho’oponopono; A Profecia Celestina; Um Curso em Milagres (UCEM); Espiritualidade no Ambiente de Trabalho (EAT); A Organização Baseada na Espiritualidade (OBE). Certificação: “The Self I-Dentity Through Ho’oponopono® - SITH® - Business Ho’oponopono” - 2022.

0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
0
Would love your thoughts, please comment.x