Esse artigo destaca trechos do livro “A Course in Miracles – Urtext Manuscripts – Complete Seven Volume Combined Edition”, publicado por Miracles in Action Press, LLC.

Impresso pela primeira vez em 2009.

Site: www.miraclesinactionpress.com.

Urtext Volume VI: Song of Prayer

Tradução livre Projeto OREM®

Índice

1. Oração

A. Introdução:

B. A Oração Verdadeira

C. A Escada da Oração

D. Orar pelos Outros

E. Orar com os Outros

F. A Escada Termina

2. Perdão

A. Introdução

B. Perdoar a Ti Mesmo

C. Perdoar-para-Destruir

D. Perdoar-para-Salvar

3. Cura [Healing]

A. Introdução

B. A Causa da Doença

C. Cura [Healing] Falta versus Cura [Healing] Verdadeira

D. Separação versus União

E. A Santidade da Cura [Healing]

UCEM – Urtext Volume VI: A Canção da Oração [C]

Parte I

1. Oração

A. Introdução:

C 1 A 1 A oração é a maior dádiva com a qual Deus abençoou o Seu Filho na criação dele. Já era então o que deve vir a ser: a única Voz que o Criador e a criação compartilham; a canção que o Filho canta ao Pai, Que retorna os agradecimentos que ela Lhe oferece ao Filho. A harmonia é sem fim assim como também é sem fim o alegre acordo do Amor que Eles dão um ao outro para sempre. E nisso a criação é estendida. Deus agradece a Sua extensão em Seu Filho. O Seu Filho dá graças pela criação dele, na canção que ele cria em Nome de seu Pai. O Amor que Eles compartilham é o que todas as orações virão a ser através de toda a eternidade, quando o tempo tiver terminado. Pois tal ela era antes que o tempo parecesse existir.

C 1 A 2 Para você que está no tempo por pouco tempo, a oração toma a forma que mais se adapta às suas necessidades. Você só tem uma só. O que Deus criou uno tem que reconhecer a própria unicidade e regozijar-se, pois o que as ilusões pareciam separar é uno para sempre na Mente de Deus. A oração agora tem que ser o meio pelo qual o Filho de Deus deixa para trás as metas e os interesses separados e se volta em santo contentamento para a verdade da união em seu Pai e nele mesmo.

C 1 A 3 Abandone os seus sonhos, você Filho santo de Deus e erguendo-se como Deus o criou, dispense os ídolos e lembre-se Dele. A oração irá sustentá-lo agora e abençoá-lo à medida que você eleva o seu coração a Ele em uma canção ascendente que alcança mais e mais alto ainda, até que tanto o alto quanto o baixo tenham desaparecido. A fé em sua meta crescerá e o sustentará enquanto você sobe a escada brilhante até os gramados do Céu e o portão da paz. Pois isso é oração e aqui está a salvação. Esse é o caminho. Isso é uma dádiva de Deus para você.

[A versão FIP omite os próximos seis parágrafos.]

C 1 A 4 Pedir é santo e isso é santo porque é uma forma de alcançar a Deus. Ele é Aquele Que Responde porque você necessita de uma Resposta. Ninguém é capaz de pedir por outro e receber a Resposta por ele. Entretanto você é capaz e, na verdade, tem que ajudá-lo, oferecendo o seu amor e o seu apoio para que a resposta dele seja santa e a verdadeira necessidade dele seja reconhecida. Isso é oração; isso é o mesmo para você mesmo ou para um outro. Não há diferença. Se você recebesse as respostas para outro, haveria uma diferença.

C 1 A 5 Isso não significa que você não seja capaz de receber mensagens para outro, se isso é Deus Quem escolhe essa forma de alcançá-lo. Isso geralmente acontecerá de maneira inesperada, geralmente na forma de uma sensação repentina de que você tem algo a dizer para ele; uma mensagem para entregar. Você não tem estado enganado no passado sobre como tem pedido, no entanto, você agora está pronto para dar um passo à frente. Existem decisões conjuntas em que a unanimidade de resposta é uma boa indicação de autenticidade. Isso não deve ser abandonado. Entretanto, pedir é uma lição de confiança e ninguém é capaz de confiar em outro. Ele só é capaz de fortalecer a confiança de outra pessoa oferecendo-a a ela e tendo fé na capacidade dela de ouvir por ela mesmo.

C 1 A 6 Pedir é o caminho para Deus porque isso nos oferece a Vontade Dele de como Ele deseja que a ouçamos. Nós teremos uma série de lições sobre como perguntar porque você não tem entendido isso. No entanto, não pense por isso de que você tem estado enganado em suas tentativas. Você tem se saído bem e fará melhor.

C 1 A 7 Qualquer questão específica envolve um grande número de suposições que inevitavelmente limitam a resposta. Uma pergunta específica é, na verdade, uma decisão sobre o tipo de resposta que é aceitável. O propósito das palavras é limitar e, ao limitar, faz com que uma vasta área de experiência seja manejável. No entanto, isso significa manejável por VOCÊ. Para muitos aspectos da vida nesse mundo isso é necessário. Entretanto, não por perguntar. Deus não usa palavras e não responde com palavras. Ele só é capaz de ‘falar’ com o Cristo em você, Que traduz a Resposta Dele em qualquer idioma que você seja capaz de entender e aceitar. Às vezes as palavras limitarão o medo; às vezes não. É por isso que algumas pessoas ouvem palavras, outras recebem sentimentos de convicção interior e outras não veem a ser conscientes de coisa alguma. No entanto, Deus tem respondido e a Sua Resposta alcançará você quando você estiver pronto.

C 1 A 8 As respostas não dependem de você. Qualquer limite que você coloque nelas interfere na audição. A Voz de Deus é silenciosa e fala em silêncio. Isso significa que você não formula a pergunta e você não restringe a resposta.

C 1 A 9 Pedir é oração. Isso não é uma exigência. Isso não é um questionamento. Isso não é uma limitação. O único pedido real é para a resposta de Deus. Isso necessita da humildade da confiança, não da arrogância da falsa certeza. A confiança não é capaz de estar em ídolos, pois isso é apenas fé na magia. A confiança requer fé em que Deus entende, conhece e responderá. Isso significa um estado de paz. Para isso você é capaz de perguntar com segurança. Na verdade, se você não sente que você possui algo, pedir por isso é o único pedido real que você é capaz de fazer.

“Pedir é oração.”

B. A Oração Verdadeira

C 1 B 1 A oração é um caminho oferecido pelo Espírito Santo para alcançar a Deus. Ela não é apenas uma pergunta ou uma súplica. Ela não terá sucesso até que você reconheça que ela não pede por coisa alguma. De que outra forma ela poderia servir ao seu propósito? É impossível orar por ídolos e esperar alcançar a Deus. A verdadeira oração tem que evitar a armadilha de pedir para suplicar favores. Peça, em vez disso, para receber o que já foi dado; para aceitar o que já está presente.

C 1 B 2 Tem sido dito a você para pedir ao Espírito Santo pela resposta para qualquer problema específico e que você receberá uma resposta específica se tal for a sua necessidade. Também lhe tem sido dito que há apenas um problema e uma resposta. Na oração isso não é contraditório. Há decisões a serem tomadas aqui e elas têm que ser tomadas, sejam elas ilusões ou não. Não se pode pedir a você que aceite respostas que estão além do nível da necessidade que você pode reconhecer. Portanto, não é a forma da pergunta que importa, nem como ela é feita. A forma da resposta, se for dada por Deus através da Voz Dele, atenderá às suas necessidades tal como você a vê. Isto é apenas um eco da resposta da Voz Dele. O som real é sempre uma canção de agradecimento e de amor.

A verdadeira oração tem que evitar a armadilha de pedir para suplicar favores. Peça, em vez disso, para receber o que já foi dado; para aceitar o que já está presente.

C 1 B 3 Nós não somos capazes, então, de pedir o eco. É a canção que é a dádiva. Junto com ela vêm os tons maiores, as harmonias, os ecos, no entanto, esses são secundários. Na oração verdadeira você ouve apenas a canção. Todo o resto é apenas acrescentado. Você tem buscado em primeiro lugar o Reino do Céu e todo o mais, de fato, tem sido dado a você.

C 1 B 4 O segredo da oração verdadeira é esquecer as coisas que você pensa que você necessita. Pedir o que é específico é quase a mesma coisa que olhar para o pecado e depois perdoá-lo. Da mesma forma, na oração você ignora as suas necessidades específicas conforme as vê e as deixa ir nas Mãos de Deus. Lá elas passam a ser as suas dádivas para Ele, pois Lhe dizem que você não quer ter outros deuses diante Dele; nenhum Amor a não ser o Dele. O que poderia ser a Sua Resposta exceto a sua lembrança Dele? Isso pode ser negociado a favor de um conselho sem importância sobre um problema que tem a duração de um instante? Deus responde apenas a favor da eternidade. No entanto, ainda assim todas as pequenas respostas estão contidas nisso.

C 1 B 5 A oração é um afastamento; um desapego; um momento tranquilo de ouvir e amar. Ela não deve ser confundida com súplica de qualquer espécie, pois é uma forma de lembrar a sua santidade. Por que deveria a santidade suplicar, tendo pleno direito a todas as coisas que o amor tem a oferecer? E é para o Amor que se vai em oração. A oração é uma oferta; um abandono de você mesmo para você ser um só com o Amor. Não há nada a pedir porque não há mais nada que se possa querer. Esse nada vem a ser o altar de Deus. Ele desaparece Nele.

C 1 B 6 Esse não é um nível de oração que todos já possam alcançar. Aqueles que não o alcançaram ainda necessitam da sua ajuda em oração porque o pedido deles ainda não se baseia na aceitação. Ajuda na oração não significa que outra pessoa faça a mediação entre você e Deus. Entretanto, ela significa que outra pessoa pode ficar ao seu lado e ajudar a elevá-lo até Ele. Aquele que reconheceu a bondade de Deus ora sem medo. E aquele que ora sem medo não pode deixar de alcançá-Lo. Ele é capaz, portanto, de alcançar também até o Seu Filho, onde quer que ele esteja e qualquer que seja a forma que ele pareça assumir.

C 1 B 7 Orar para Cristo em qualquer pessoa é a verdadeira oração porque é a dádiva de gratidão para o Pai dele. Pedir que Cristo seja apenas o que Ele é não é uma súplica, mas é uma canção de ação de graças por aquilo que você é. Aqui está o poder da oração. Ela não pede nada e recebe todas as coisas. Essa oração é capaz de ser compartilhada porque ela recebe para todas as pessoas. Orar com alguém que sabe que isso é verdadeiro é ser respondido. Talvez a forma específica de solução para um problema específico ocorra a qualquer um dos dois; não importa qual. Talvez ela alcançará a ambos, se vocês estiverem genuinamente afinados um com o outro. Isso virá porque vocês têm reconhecido que isso não importa [que Cristo está em ambos os dois]. É aí que está a sua única verdade.

C. A Escada da Oração

C 1 C 1 A oração não tem começo nem tem fim. Ela é uma parte da vida. No entanto, ela, de fato, muda em sua forma e cresce com o aprendizado até atingir o seu estado além da forma e se fundir em comunicação total com Deus. Na sua forma de pedido, ela não necessita fazer e muitas vezes não faz qualquer apelo a Deus, nem mesmo envolve qualquer crença Nele. Nesse nível [nesses níveis], a oração é apenas um querer proveniente de um senso de escassez e falta.

C 1 C 2 A oração [essas formas de oração], por [ou] pedido-em-caso-de necessidade, sempre envolve sentimentos de fraqueza e inadequação e nunca poderia ser feita por um Filho de Deus que sabe Quem ele é. Ninguém, portanto, que esteja certo da sua Identidade poderia orar dessa forma [dessas formas]. No entanto, também é verdade que ninguém que esteja incerto da sua Identidade poderia [pode] evitar orar dessa maneira. E a oração é tão contínua quanto a vida. Todas as pessoas oram sem cessar. Peça e você terá recebido, pois você teve estabelecido o que é que você quer.

C 1 C 3 Também é possível alcançar uma forma mais elevada de pedir-em-caso-de-necessidade, pois nesse mundo a oração tem que ser usada para reparação [a oração é reparadora] e por isso ela tem que implicar níveis de aprendizagem. Aqui, o pedido pode ser endereçado a Deus com fé honesta, embora ainda não com entendimento. Um senso vago e usualmente instável de identificação foi atingido, mas ele tende a ser obscurecido por um senso profundamente enraizado de pecado. É possível, nesse nível, continuarmos a pedir as coisas desse mundo de várias formas, mas [e] também é possível pedir qualidades [dádivas] como a honestidade ou a bondade e particularmente o perdão para muitas fontes de culpa que inevitavelmente são a base subjacente de qualquer oração feita por necessidade. Sem culpa não há escassez. Aqueles que não têm pecado não têm necessidades.

C 1 C 4 Nesse nível também surge [encontra-se] aquela curiosa contradição em termos conhecidos como ‘orar pelos seus inimigos’. A contradição não está nas palavras em si mesmas, mas [está] na forma de como são usualmente interpretadas. Enquanto você acreditar que tem inimigos, você terá limitado a oração às leis desse mundo e [terá também] limitado a sua capacidade de receber e de aceitar às mesmas mensagens estreitas. E, no entanto, se você tem inimigos, você tem necessidade de oração e, de fato, grande necessidade. O que essa frase realmente significa? Ore por si mesmo, para que você possa não mais buscar aprisionar o Cristo e, assim, perder o reconhecimento da sua própria Identidade. Não seja um traidor para ninguém, ou você terá sido traiçoeiro para consigo mesmo. Um inimigo é o símbolo de um Cristo aprisionado. E quem poderia ser Ele, senão o seu próprio ser?

C 1 C 5 A oração pelos inimigos vem a ser assim uma oração pela sua própria liberdade. Agora não é mais uma contradição em termos. Pelo contrário, ela é [Ela veio a ser] uma afirmação da unicidade de Cristo e um reconhecimento da Sua impecabilidade. E agora a oração passou a ser santa, pois reconhece o Filho de Deus tal como ele foi criado.

C 1 C 6 Não deixe você jamais esquecer que a oração em qualquer nível é sempre por você mesmo. Se você se unir a alguém em oração, você faz com que esse alguém seja parte de você. O inimigo é você, assim como o Cristo. Portanto, antes que possa vir a ser santa, a oração passa a ser uma escolha. Você não escolhe por nenhum outro. Você só pode escolher por si mesmo. Ore verdadeiramente pelos seus inimigos, pois nisso está a sua própria salvação. Perdoe-lhes pelos seus pecados (de você mesmo) e, de fato, você será perdoado.

Não deixe você jamais esquecer que a oração em qualquer nível é sempre por você mesmo.

C 1 C 7 A oração é uma escada que chega até o Céu.(60) No topo há uma transformação que se parece muito com a sua, pois a oração é parte de você. As coisas da terra são deixadas para trás e não mais lembradas. Não se pede nada, pois nada está faltando. A identidade em Cristo é plenamente reconhecida como definida para sempre, além de qualquer mudança e incorruptível. A luz não vacila mais e nunca se apagará.

(60) Gênesis 28:12 ‘E ele sonhou e contempla uma escada posta na terra e o topo dela chega até o Céu; e contempla que os anjos de Deus sobem e descem por ela.’ (tradução livre)

C 1 C 8 Agora, sem necessidades de qualquer tipo e moldada para sempre na pura impecabilidade que é a dádiva de Deus para você, Seu Filho, a oração pode novamente vir a ser aquilo que ela foi predestinada ser. Pois agora ela se ergue como uma canção de agradecimento ao seu Criador, que é cantada sem palavras, ou pensamentos, ou desejos vãos, agora absolutamente sem quaisquer necessidades. Assim, ela se estende, como ela foi predestinada fazer. E por essa dádiva o próprio Deus dá graças.

C 1 C 9 Deus é a meta de toda oração, dando-lhe intemporalidade ao invés de um fim. Elas também não têm início porque a meta nunca foi mudada. A oração em suas formas iniciantes é uma ilusão, porque não há necessidade de uma escada para chegar àquilo que nunca se deixou. No entanto, a oração é uma parte do perdão enquanto o perdão, ele mesmo uma ilusão, continua sem ser atingido. A oração está ligada ao aprendizado até que a meta do aprendizado tenha sido alcançada. E então todas as coisas terão sido transformadas juntas e devolvidas sem manchas à Mente de Deus.

C 1 C 10 Estando além do aprendizado, esse estado não pode ser descrito. No entanto, os estágios necessários para que isso seja atingido necessitam ser entendidos, se é que a paz irá ser restaurada para o Filho de Deus, que vive agora com a ilusão da morte e o medo de Deus.

D. Orar pelos Outros

C 1 D 1 Nós dissemos que a oração é sempre por você mesmo e isso é verdadeiro [assim]. Por que, então, você deveria orar pelos outros seja qual for a razão? E se você devesse, como você deveria fazer isso? Orar pelos outros, se bem entendido, vem a ser um meio de retirar as suas [de você] projeções de culpa de cima do seu irmão e permitir a você reconhecer que não é ele quem está lhe ferindo. O pensamento venenoso de que ele É o seu inimigo, a sua contraparte má, o seu castigo merecido, tem que ser abandonado antes que VOCÊ possa ser salvo da culpa. Para isso o meio é a oração, com poder crescente e com metas ascendentes, até que ela chegue até mesmo a Deus.

C 1 D 2 As formas iniciais da oração, nos primeiros degraus da escada, não estarão isentas de inveja e até mesmo de malícia. Elas clamam por vingança, não por amor. Também não vêm de alguém que entende que são apelos para a morte, feitos pelo medo por aqueles que valorizam a culpa. Elas invocam um deus vingativo e é ele que parece responder-lhes. Não é possível que aquele que pede o inferno para um outro possa ele mesmo escapar do próprio pedido. Somente aqueles que estão no inferno podem pedir o inferno. Só aqueles que foram perdoados e que têm aceitado o próprio perdão, nunca poderiam fazer uma oração como essa.

Orar pelos outros, se bem entendido, vem a ser um meio de retirar as suas [de você] projeções de culpa de cima do seu irmão e permitir a você reconhecer que não é ele quem está lhe ferindo.

C 1 D 3 Nesse nível, então, a meta do aprendizado tem que ser o reconhecimento de que a oração trará uma resposta apenas na forma na qual a oração foi feita. Isso é o suficiente. A partir daqui isso será um passo fácil para os próximos níveis. A subida que se segue começa com isso:

‘O que eu tenho pedido para o meu irmão não é o que eu teria pedido para mim. Assim eu tenho feito dele o meu inimigo.’

C 1 D 4 É evidente que esse degrau não pode ser atingido por qualquer pessoa que não veja nenhum valor nem vantagem para si mesmo em liberar os outros. Isso pode ser adiado por muito tempo porque isso pode parecer ser perigoso em vez de misericordioso. Para os culpados, de fato, parece haver uma vantagem real em ter inimigos e o que se imagina que se ganha com isso tem que ser abandonado, se é que os inimigos irão ser libertados. É preciso desistir da culpa e não escondê-la. Isso também não pode ser feito sem alguma dor e um vislumbre da natureza misericordiosa desse passo pode, por algum tempo, ser seguido por uma fuga profunda para o medo. Pois as defesas do medo são amedrontadoras em si mesmas e, quando são reconhecidas, trazem o medo com elas.

C 1 D 5 E que vantagem uma ilusão de escapar trouxe a um prisioneiro? Ele só pode escapar realmente da culpa reconhecendo que a culpa se foi. E como é possível que ele reconheça isso enquanto a estiver escondendo em outra pessoa, sem ser capaz de ver que ela lhe é própria? O medo de escapar faz com que seja difícil dar boas-vindas à liberdade e a segurança parece estar em fazer de um inimigo um carcereiro. Como, então, ele pode ser liberado sem que você sinta um medo insano por si mesmo? Você fez dele a sua salvação e o seu escapar da culpa. O seu investimento nessa escapada é pesado e o seu medo de se desistir disso é grande.

C 1 D 6 Fique quieto por um instante, agora, e pense no que você tem feito. Não se esqueça de que foi você quem fez isso e, portanto, você é aquele que pode deixar que tudo desapareça. Estenda a sua mão; esse inimigo veio para abençoar você. Aceite a bênção dele e sinta como o seu coração é erguido e o seu medo liberado. Não se apegue ao medo, nem a ele. Ele é um Filho de Deus, junto com você. Ele não é um carcereiro, mas um mensageiro de Cristo. Seja isso mesmo para com ele, de modo que você possa vê-lo assim.

C 1 D 7 Não é fácil reconhecer que orações por coisas, por status [atributos], [por amor humano], por ‘dádivas’ externas de qualquer espécie, são sempre feitas para instituir carcereiros [um carcereiro] e esconder você da culpa. No entanto, essas coisas, também, são utilizadas como substitutos para Deus e, portanto, distorcem o propósito da oração. O desejo por essas coisas É a oração. Não é preciso pedir explicitamente. A meta de Deus se perde na busca de metas menores de qualquer tipo e a oração vem a ser um meio de requisitar inimigos. O poder da oração pode ser reconhecido bem claramente até mesmo nisso. Ninguém que queira um inimigo deixará de encontrá-lo. Mas, com essa mesma certeza, ele perderá a única meta verdadeira que lhe é dada. Pense no custo e entenda-o bem. Todas as outras metas são obtidas às custas de Deus.

E. Orar com os Outros

C 1 E 1 Até que o segundo nível [passo], pelo menos, comece, não é possível que a oração seja compartilhada, pois até esse ponto cada um tem que pedir coisas diferentes. Contudo, uma vez questionada a necessidade de manter o outro como inimigo e a razão [para fazê-lo] tenha sido reconhecida, mesmo que seja por apenas um instante, unir-se em oração passa a ser possível. Os inimigos não compartilham a mesma meta e é nisso que a sua inimizade é mantida. Os seus desejos separados são os seus arsenais; as suas fortalezas no ódio. A chave para que se avance mais ainda na oração está nesse pensamento simples; messa mudança da mente:

Nós vamos juntos, você e eu.

C 1 E 2 Agora é possível ajudar em oração e, assim sendo, busque você mesmo chegar até lá. Nesse grau começa a subida mais rápida, mas ainda existem muitas lições para serem aprendidas. O caminho está aberto e a esperança é justificada. No entanto, é provável que no início aquilo que é pedido, mesmo por aqueles que se unem em oração, não seja a meta que a oração deveria verdadeiramente buscar. Mesmo juntos, vocês podem pedir coisas e, assim, construir apenas a ilusão de uma meta que vocês compartilham. Vocês podem pedir juntos algo específico e não se darem conta de que estão pedindo efeitos sem uma causa. E isso vocês não podem ter. Pois ninguém pode receber apenas os efeitos, pedindo a uma causa da qual eles não podem vir, que os ofereça a si mesmo. Mesmo a união, então, não é suficiente, se aqueles que oram juntos não pedirem, acima de tudo, aquilo que é a Vontade de Deus. Somente dessa Causa é possível vir a resposta na qual todas as necessidades específicas são satisfeitas; todos os desejos separados unificados em um só.

C 1 E 3 Orações por coisas específicas sempre pedem para que o passado seja repetido de alguma forma. O que antes era agradável, ou parecia ser, – o que era de um outro e ele parecia amar, – tudo isso são apenas ilusões do passado. A finalidade da oração é liberar o presente das suas cadeias de ilusões do passado; deixar que ele seja um remédio escolhido livremente para cada escolha que simbolizou um equívoco. O que a oração pode oferecer a você agora excede tanto tudo o que você pediu antes, que é uma pena que você se contente com menos.

C 1 E 4 Você tem escolhido uma chance que acaba de nascer a cada vez que você ora. E acaso você a quer sufocar e a aprisionar em antigas prisões, quando a chance chega para libertar a você mesmo a partir de todas elas de uma única vez? Não restrinja o seu pedido. A oração pode trazer a paz de Deus. Que coisa presa no tempo pode lhe dar mais do que isso, no pequeno espaço que dura antes de sucumbir no pó?

A finalidade da oração é liberar o presente das suas cadeias de ilusões do passado; deixar que ele seja um remédio escolhido livremente para cada escolha que simbolizou um equívoco.

F. A Escada Termina

C 1 F 1 A oração é um caminho para a verdadeira humildade. Mas [e] aqui outra vez ela se eleva, inicialmente lentamente e cresce em força, amor e santidade. Permita que ela apenas deixe o chão onde começa e se ergue para Deus e a verdadeira humildade finalmente virá banhar de graças à mente que pensava estar sozinha e se bater contra o mundo. A humildade traz paz porque não clama que você tem que governar sozinho o universo, nem julgar todas as coisas como você quer que elas sejam. Todos os pequenos deuses ela deixa de lado com contentamento, não ressentida, mas com honestidade e reconhecimento de que eles não servem.

C 1 F 2 As ilusões e a humildade têm metas tão afastadas que não podem coexistir, nem compartilhar uma morada [na qual possam se encontrar]. Se uma vem, a outra desaparece. Os verdadeiramente humildes não têm nenhuma meta a não ser Deus, porque eles não têm necessidade de ídolos e as defesas já não servem mais a qualquer propósito. Os inimigos são inúteis agora, porque a humildade não se opõe a nada. Ela não se esconde com vergonha porque está contente com o que é, tendo o conhecimento de que a criação é a Vontade de Deus. Como já não são o próprio ser passam a Ser e isso vêem em todos os encontros nos quais se unem em contentamento com cada Filho de Deus, reconhecendo que compartilham a sua pureza. Agora a oração se ergue do mundo das coisas, dos corpos e de todos os tipos de deuses e você pode finalmente descansar em santidade. A humildade lhe tem ensinado [A humildade veio para lhe ajudar] a entender a sua glória como Filho de Deus e a reconhecer a arrogância do pecado. Um sonho encobriu de você a face de Cristo. Agora você pode olhar para a Sua impecabilidade.

C 1 F 3 A escada subiu muito alto. Você quase chegou até o Céu. Há pouco mais para se aprender antes que a jornada seja concluída. Agora você diz [pode dizer] a todos aqueles que vêm para se unir a você em oração:

‘Eu não posso ir sem você, pois você é uma parte de mim.’

E assim ele é na verdade. Agora você pode orar apenas por aquilo que verdadeiramente você compartilha com ele. Pois você entendeu que ele nunca partiu e você, que parecia sozinho, é um só com ele.

C 1 F 4 A escada termina aqui, pois o aprendizado já não é mais necessário. Agora você está diante do portão do Céu e o seu irmão está ao seu lado lá. Os gramados são profundos e tranquilos, pois é aqui o local marcado para o momento em que você deveria vir e ele esperou por você durante muito tempo. Aqui o tempo acabará para sempre. Nesse portão a própria eternidade se unirá a você. A oração veio a ser o que deveria ser, pois você reconheceu o Cristo em você.

2. Perdão

A. Introdução

C 2 A 1 O perdão oferece asas à oração, para fazer com que a sua ascensão seja fácil e o seu progresso rápido. Sem o seu forte apoio, seria em vão tentar erguer-se acima do primeiro degrau [da oração], ou sequer tentar subir de qualquer forma que fosse. O perdão é alívio da oração; irmão no plano para a sua salvação. Ambos têm que vir para erguer você e manter os seus pés seguros e o seu propósito inabalável e imutável. Contemple a maior ajuda que Deus ordenou que ficasse com você até que você chegue até Ele. O fim da ilusão virá com isso. Sem a natureza intemporal da sua irmã oração, o perdão tem um fim, pois passa a ser desnecessário quando a subida foi realizada. No entanto, agora ele tem um propósito além do qual você não pode ir, nem tem qualquer necessidade de ir. Realiza isso e você terá sido redimido. Realiza isso e você terá sido transformado. Realiza isso e você terá salvado o mundo.

B. Perdoar a Si Mesmo

C 2 B 1 Nenhuma dádiva do Céu foi mais mal interpretada do que o perdão. Ele, de fato, virou um flagelo; uma praga onde deveria abençoar, uma cruel zombaria da graça, uma paródia da paz santa de Deus. No entanto, aqueles que ainda não escolheram começar a subir os degraus da oração não podem deixar de usá-lo assim. A benignidade do perdão é obscurecida a princípio, porque a salvação não é entendida, NEM VERDADEIRAMENTE BUSCADA. O que deveria curar [heal] é usado para ferir porque o perdão não é querido. A culpa passa a ser salvação e o remédio parece ser uma terrível alternativa para a vida.

C 2 B 2 O perdão-para-destruir será, portanto, muito mais adequado ao propósito do mundo do que o seu verdadeiro objetivo e aos meios honestos pelos quais essa meta é atingida. O perdão-para-destruir não deixará de ver pecado algum, crime algum, culpa alguma que ele possa buscar, achar e ‘amar’. O erro é caro para o seu coração e os equívocos aparecem com grandiosidade, crescem e incham à sua vista. Ele colhe cuidadosamente todas as coisas ruins e ignora as amorosas como se fossem uma praga; uma coisa odiosa feita de perigo e de morte. O perdão-para destruir É morte,(115) e ela vê isso em todas as coisas [tudo] que olha e odeia. A misericórdia de Deus veio a ser uma faca torta que quer destruir o Filho santo que Ele ama.

(115) Romanos 6:23 ‘Porque o salário do pecado é morte, mas a dádiva gratuita de Deus é vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor.

C 2 B 3 Você perdoaria a si mesmo por fazer isso? Então aprenda que Deus lhe deu um meio pelo qual você pode retornar a Ele em paz. NÃO VEJA ERRO. Não o torne real. Selecione o que é amoroso e perdoe o pecado, escolhendo em seu lugar a face de Cristo. De que outra forma a oração pode retornar a Deus? Ele ama o Seu Filho. É possível você se lembrar Dele e odiar o que Ele criou? Você odiará o Pai dele se você odeia o Filho que Ele ama. Pois assim como você vê o Filho, você vê a si mesmo e assim como você vê a si mesmo, assim é Deus para você.(118)

(118) Mateus 25:40 E o Rei lhes responderá e dirá: ‘Em verdade vos digo que, todas as vezes que fizestes isso a um destes Meus pequeninos irmãos, a Mim o fizestes.’’

C 2 B 4 Assim como uma oração é sempre por você mesmo, assim como o perdão é sempre dado a você. É impossível perdoar a um outro, pois são apenas os pecados de você mesmo que você vê nele. Você quer vê-los lá e não em você mesmo. É por isso que o perdão de um outro é uma ilusão. No entanto, é o único sonho feliz em todo o mundo; o único que não conduz à morte. Somente em outra pessoa você pode perdoar a si mesmo, pois você a tornou culpada pelos pecados de você mesmo e nela você tem que achar a sua inocência agora. Quem a não ser os pecadores necessitam ser perdoados? E nunca pense que você pode ver o pecado em qualquer um, exceto em você mesmo.

C 2 B 5 Esse é o grande engano do mundo e você é o grande enganador de si mesmo. Sempre parece que o outro é quem é mau e você é aquele que é ferido pelo pecado dele. Como seria possível a liberdade se isso fosse assim? Você seria o escravo de todos, pois o que ele faz implica o seu destino, os seus sentimentos, o seu desespero ou esperança, a sua miséria ou alegria. Você não tem liberdade a menos que ele a dê a você. E sendo mal, ele pode apenas dar o que é. Você não pode ver os pecados dele sem ver os seus próprios. Mas você pode libertá-lo e a si mesmo também.

C 2 B 6 O perdão, verdadeiramente concedido, é o caminho no qual se encontra a sua única esperança de liberdade. Os outros cometerão erros e você também, enquanto essa ilusão de um mundo parecer ser o seu lar. No entanto, o próprio Deus deu a todos os Seus Filhos um remédio para todas as ilusões que eles pensam ver. A visão de Cristo não usa os seus olhos, mas você pode olhar através dos Seus e aprender a ver como Ele. Os equívocos são sombras diminutas que passam rapidamente e por um instante apenas pareciam esconder a face de Cristo, que ainda permanece imutável atrás de todos eles. A Sua constância permanece em silêncio tranquilo e em perfeita paz. Ele não sabe das sombras. São os Seus olhos que olham através do erro para o Cristo em você.

C 2 B 7 Peça, então, a Sua ajuda e pergunte a Ele como aprender a perdoar assim como a Sua visão permite que seja o perdão. Você tem necessidade do que Ele dá e a sua salvação depende de aprender isso com Ele. A oração não pode ser liberada para o Céu enquanto o perdão-para-destruir permanecer com você. A misericórdia de Deus quer remover esse pensamento desmoralizante e envenenado da sua mente santa. Cristo perdoou você e na Sua visão o mundo veio a ser tão santo quanto Ele mesmo. Quem não vê nenhum mal no mundo vê como Ele, pois o que Ele perdoou não cometeu nenhum pecado ​​e a culpa não pode mais existir. O plano de salvação se completa e a sanidade veio afinal.

C 2 B 8 O perdão é o chamado para a sanidade, pois quem senão o insano prefere olhar para o pecado quando, em lugar disso, poderia ver a face de Cristo? Essa é a escolha que você faz; a mais simples e, ainda assim, a única que você pode fazer. Deus chama você para salvar o Seu Filho da morte, oferecendo-lhe o amor de Cristo. Essa é a sua necessidade e Deus oferece essa dádiva a você. Assim como Ele quer dar, assim você também tem que dar. E assim a oração retorna ao que é, sem forma e vai além de todos os limites à intemporalidade, sem nada do passado que a impeça de se reunir com a canção infindável que toda a criação canta para o seu Deus.

C 2 B 9 Mas para atingir esse objetivo você primeiro deve aprender, antes de chegar onde o aprendizado não pode chegar. O perdão é a chave, mas quem pode usar uma chave quando perdeu a porta para a qual a chave foi feita e onde ela cabe? Por isso fazemos distinções, para que a oração possa ser libertada das trevas para a luz. O papel do perdão deve ser revertido e limpo de usos malignos e objetivos odiosos. O perdão-para-destruir deve ser revelado em toda a sua traição e depois abandonado para todo o sempre. Não pode haver nenhum vestígio disso, se o plano que Deus estabeleceu para o retorno for finalmente alcançado e o aprendizado for completo.

C 2 B 10 Esse é o mundo dos opostos. E você tem que escolher entre eles a todos os instantes enquanto esse mundo retiver a realidade para você. No entanto, você tem que aprender alternativas para a escolha, ou você não será capaz de atingir a sua liberdade. Deixe então que fique claro para você exatamente o que o perdão significa para você e aprenda o que deve ser para libertá-lo. O nível da sua oração depende disso, pois aqui ela aguarda a sua liberdade para ascender acima do mundo do caos e entrar na paz.

—–continua Parte II—–

Imagem diogo-nunes-uv7GX8t7bJ4-unsplash.jpg – 10 de setembro de 2023

Bibliografia da OREM3:

Livro “Um Curso em Milagres” – Livro Texto, Livro de Exercícios e Manual de Professores. Fundação para a Paz Interior. 2ª Edição –  copyright© 1994 da edição em língua portuguesa.

Artigo “Helen and Bill’s Joining: A Window Onto the Heart of A Course in Miracles” (tradução livre: A União de Helen e Bill: Uma Janela no Coração de Um Curso em Milagres”) – Robert Perry, site: https://circleofa.org/

E-book “What is A Course in Miracles” (tradução livre: O que é Um Curso em Milagres) – Robert Perry.

E-book “Autobiography – Helen Cohn Schucman, Ph.D.” – Foundation for Inner Peace (tradução livre: Autobiografia – Helen Cohn Schucman, Ph.D., Fundação para a Paz Interior).

Livro “Uma Introdução Básica a Um Curso em Milagres”,  Dr. Kenneth Wapnick, Ph.D.

Livro “O Desaparecimento do Universo”, Gary R. Renard.

Livro “Absence from Felicity: The Story of Helen Schucman and Her Scribing of A Course in Miracles” (tradução livre: “Ausência de Felicidade: A História de Helen Schucman e Sua Escriba de Um Curso em Milagres”) – Dr. Kenneth Wapnick, Ph.D.

Artigo “A Short History of the Editing and Publishing of A Course in Miracles” (tradução livre: Uma Breve História da Edição e Publicação de Um Curso em Milagres” – Joe R. Jesseph, Ph.D. http://www.miraclestudies.net/history.html

E-book “Study Guide for A Course in Miracles”, Foundation for Inner Peace (tradução livre: Guia de Estudo para Um Curso em Milagres, Fundação para a Paz Interior).

Artigo “The Course’s Use of Language” (tradução livre: “O Uso da Linguagem do Curso”), extraído do livro “The Message of A Course in Miracles” (tradução livre: “A Mensagem de Um Curso em Milagres”) – Dr. Kenneth Wapnick, Ph.D.

Artigo Who Am I? (tradução livre: Quem Sou Eu?) – Beverly Hutchinson McNeff – Site: https://www.miraclecenter.org/wp/who-am-i/

Artigo “Jesus: The Manifestation of the Holy Spirit – Excerpts from the Workshop held at the Foundation for A Course in Miracles – Temecula CA” (tradução livre: Jesus: A Manifestação do Espírito Santo – Trechos da Oficina realizada na Fundação para Um Curso em Milagres – Temecula CA) – Dr. Kenneth Wapnick, Ph.D.

Livro “Quantum Questions” (tradução livre: “Questões Quânticas”) – Ken Wilburn

Livro “Um Retorno ao Amor” – Marianne Williamson.

Glossário do site Foundation for A Course in Miracles (tradução livre: Fundação para Um Curso em Milagres), do Dr. Kenneth Wapnick, https://facim.org/glossary/

Livro Um Curso em Milagres – Esclarecimento de Termos.

Artigo “The Metaphysics of Separation and Forgiveness” (tradução livre: “A Metafísica da Separação e do Perdão”) – Dr. Kenneth Wapnick, Ph.D.

Livro “Os Ensinamentos Místicos de Jesus” – Compilado por David Hoffmeister – 2016 Living Miracles Publications.

Livro “Suplementos de Um Curso em Milagres UCEM – A Canção da Oração” – Helen Schucman – Fundação para a Paz Interior.

Livro “Suplementos de Um Curso em Milagres UCEM – Psicoterapia: Propósito, Processo e Prática.

Workshop “O que significa ser um professor de Deus”, proferido pelo Dr. Kenneth Wapnick, Ph.D..

Artigo escrito pelo escritor Paul West, autor do livro “I Am Love” (tradução livre: “Eu Sou Amor”), blog https://www.voiceforgod.net/.

Artigo “The Beginning Of The World” (tradução livre: “O Começo do Mundo”) – Dr Kenneth Wapnick.

Artigo “Duality as Metaphor in A Course in Miracles” (tradução livre: “Dualidade como Metáfora em Um Curso em Milagres”) – Um providencial e didático artigo, considerado pelo próprio autor como sendo um dos artigos (workshop) mais importantes por ele escrito e agora compartilhado pelo Dr. Kenneth Wapnick, Ph.D.

Artigo “Healing the Dream of Sickness” (tradução livre: “Curando o Sonho da Doença”  – Dr. Kenneth Wapnick, Ph.D.

Livro “The Message of A Course in Miracles – A translation of the Text in plain language” (tradução livre: “A mensagem de Um Curso em Milagres – Uma tradução do Texto em linguagem simples”) – Elizabeth A. Cronkhite.

E-book “Jesus: A New Covenant ACIM” – Chapter 20 – Clearing Beliefs and Desires – Cay Villars – Joininginlight.net© (tradução livre: “Jesus: Uma Nova Aliança UCEM” – Capítulo 20 – Clarificando Crenças e Desejos).

Artigo “Strangers in a Strange World – The Search for Meaning and Hope” (tradução livre: “Estranhos em um mundo estranho – A busca por significado e esperança”), escrito pelo Dr. Kenneth Wapnick e por sua esposa Sra. Gloria Wapnick.

Artigo “To Be in the World and Not of It” (tradução livre: “Estar no Mundo e São Ser Dele”), escrito pelo Dr. Kenneth Wapnick e por sua esposa Sra. Gloria Wapnick.

Site https://circleofa.org/.

Livro “A Course in Miracles – Urtext Manuscripts – Complete Seven Volume Combined Edition. Published by Miracles in Action Press – 2009 1ª Edição.

Tradução livre do capítulo Urtext “The Relationship of Miracles and Revelation” (N 75 4:102).

Artigo “How To Work Miracles” (tradução livre “Como Fazer Milagres”), de Greg Mackie https://circleofa.org/library/how-to-work-miracles/.

Artigo “A New Vision of the Miracle” (tradução livre: “Uma Nova Visão do Milagre”), de Robert Perry https://circleofa.org/library/a-new-vision-of-the-miracle/.

Artigo “What Is a Miracle?” (tradução livre: “O que é um milagre?”), de Robert Perry https://circleofa.org/library/what-is-a-miracle/.

Artigo “How Does ACIM Define Miracle?” (tradução livre: “Como o UCEM define milagre?”), de Bart Bacon https://www.miracles-course.org/index.php?option=com_content&view=article&id=232:how-does-acim-define-miracle&catid=37&Itemid=57.

Livro “Os cinquenta princípios dos milagres de Um Curso em Milagres”, de Kenneth Wapnick, Ph.D..

Artigo “The Fifty Miracle Principles: The Foundation That Jesus Laid For His Course” (tradução livre: “Os cinquenta princípios dos milagres: a base que Jesus estabeleceu para o seu Curso”), de Robert Perry https://circleofa.org/library/the-fifty-miracle-principles-the-foundation-that-jesus-laid-for-his-course/.

Artigo “Ishmael Gilbert, Miracle Worker” (tradução livre: “Ishmael Gilbert, Trabalhador em Milagre”), de Greg Mackie https://circleofa.org/library/ishmael-gilbert-miracle-worker/.

Blog “A versão Urtext da obra Um Curso em Milagres (UCEM)” https://www.umcursoemmilagresurtext.com.br/.

Blog “Course in Miracles Society – CIMS – Original Edition” https://www.jcim.net/about-course-in-miracles-society/.

Site Google tradutor https://translate.google.com.br/?hl=pt-BR.

Site WordReference.com | Dicionários on-line de idiomas https://www.wordreference.com/enpt/entitled.

Artigo “The earlier versions and the editing of A Course in Miracles” (tradução livre: “As versões iniciais e a edição de Um Curso em Milagres), autor Robert Perry https://circleofa.org/library/the-earlier-versions-and-the-editing-of-a-course-in-miracles/.

Livro “A Course in Miracles: Completed and Annotated Edition” (“Edição Completa e Anotada”) – Circle of Atonement.

Livro “Q&A – Detailed Answers to Student-Generated Questions on the Theory and Practice of A Course in Miracles” – Supervised and Edited by Kenneth Wapnick, Ph.D. – Foundation for A Course in Miracles – Publisher (tradução livre: “P&R – Respostas Detalhadas a Questões Geradas por Alunos sobre a Teoria e Prática de Um Curso em Milagres” – Supervisionado e Editado por Kenneth Wapnick, Ph.D. – Fundação para Um Curso em Milagres – Editora)

Artigo “The Importance of Relationships” (tradução livre: “A Importância dos Relacionamentos”), no site https://circleofa.org/library/the-importance-of-relationships/, autor Robert Perry.

Artigo: “The ark of peace is entered two by two” (tradução livre: “Na arca da paz só entram dois a dois”) – Robert Perry Site: https://circleofa.org/library/the-ark-of-peace-is-entered-two-by-two/

Artigo “Living a Course in Miracles As Wrong Minds, Right Minds, and Advanced Teachers – Part 2 of 3 – How Right Minds Live in the World: The Blessing of Forgiveness”, por Dr. Kenneth Wapnick, Ph.D.

Artigo “Living a Course in Miracles As Wrong Minds, Right Minds, and Advanced Teachers – Part 1 of 3 – How Wrong Minds Live in the World: The Ego’s Curse of Specialness”, por Dr. Kenneth Wapnick.

Transcrição do vídeo do Dr. Kenneth Wapnick no YouTube, intitulado: “Judgment” (tradução livre: “Julgamento”).  O artigo completo em inglês no site https://facim.org/transcript-of-kenneth-wapnick-youtube-video-entitled-judgment/.

Trechos do Workshop “The Meaning of Judgment” (tradução livre “O Significado de Julgamento”), realizado na Fundação para Um Curso em Milagres em Roscoe NY, ministrado pelo Dr. Kenneth Wapnick. O artigo completo em inglês no site: https://facim.org/online-learning-aids/excerpt-series/the-meaning-of-judgment/.

Comentários do professor de Deus Allen Watson, que transcrevemos, em tradução livre, do site Circle of Atonement (https://circleofa.org/workbook-companion/what-is-sin/).

Artigo “There is no sin” (tradução livre: “Não há pecado”), Robert Perry, site https://circleofa.org/library/there-is-no-sin/.

Artigo do Professor Greg Mackie, denominado “If God is Love Why do We Suffer?” (tradução livre: “Se Deus é Amor porque nós sofremos?”) https://circleofa.org/library/if-god-is-love-why-do-we-suffer/.

Artigo “The Ten Commandments and A Course in Miracles” (tradução livre: Os Dez Mandamentos e Um Curso em Milagres”), Greg Mackie, site https://circleofa.org/library/the-ten-commandments-and-a-course-in-miracles/.

Artigo escrito pelo Dr. Kenneth Wapnick, Ph.D. e pelo Padre Jesuíta W. Norris Clarke, da Companhia de Jesus, Ph.D., sobre o livro “Um Curso em Milagres e o Cristianismo: Um Diálogo”, disponível no site http://www.miraclestudies.net/Dialogue_Pref.html.

Livro “Um Curso em Milagres e o Cristianismo: Um Diálogo”, escrito pelo Dr. Kenneth Wapnick, Ph.D. e pelo Padre Jesuíta W. Norris Clarke, da Companhia de Jesus, Ph.D..

Artigo do Consultor, Escritor e Professor Rogier Fentener Van Vlissingen, de Nova Iorque, intitulado “A Course in Miracles and Christianity: A Dialogue” (“Um Curso em Milagres e o Cristianismo: Um Diálogo”), disponível no Blog Closing the Circle e acesso no link: https://acimnthomas.blogspot.com/2011/04/course-in-miracles-and-christianity.html.

Artigo sobre o livro “A Course in Miracles and Christianity: A Dialogue” (tradução livre “Um Curso em Milagres e o Cristianismo: Um Diálogo”), escrito por Dr. Kenneth Wapnick, Ph.D. e o Padre Jesuíta W. Norris Clarke, da Companhia de Jesus, Ph.D. Site http://www.miraclestudies.net/Dialogue_Pref.html.

Artigo do professor Robert Perry intitulado “Do we have a chalice list?” (tradução livre: “Temos uma lista de cálice?”), acesso através do link: https://circleofa.org/2009/07/13/do-we-have-a-chalice-list/.

Artigo “The religion of the ego” (tradução livre: “A religião do ego”), Robert Perry, link https://circleofa.org/library/the-religion-of-the-ego/.

Artigo “A New Realities Interview with William N. Thetford, Ph.D.”, conduzida por James Bolen em abril de 1984. Tradução livre Projeto OREM®. Artigo em inglês https://acim.org/archives/a-new-realities-interview-with-william-n-thetford/.

Artigo “Why is sin merely a mistake?” [tradução livre “Por que o pecado é apenas um erro?”], Robert Perry, link https://circleofa.org/library/why-is-sin-merely-a-mistake/.

Artigo “What a difference a few words make” (tradução livre: “Que diferença algumas palavras fazem”), Greg Mackie, disponível no link https://circleofa.org/library/what-a-difference-a-few-words-make/.

Artigo “Near-Death Experiences and A Course in Miracles” [Experiências de Quase-Morte e Um Curso em Milagres], coescrito por Robert Perry, B.A. (Cranborne, United Kingdom) e Greg Mackie, B.A. (Xalapa, Mexico), link https://circleofa.org/library/near-death-experiences-course-miracles/.

Artigo “Near-Death Experiences and A Course in Miracles Revisited” [Experiências de Quase-Morte e Um Curso em Milagres Revisitado], escrito por Greg Mackie, link Revisitado], e pode ser acessado no link https://circleofa.org/library/near-death-experiences-and-a-course-in-miracles-revisited/.

Artigo “Watch With Me, Angels” [Vigiem comigo, anjos], Robert Perry, link https://circleofa.org/library/watch-with-me-angels/.

Artigo transcrito de Workshop apresentado pelo Dr. Kenneth Wapnick, denominado “Watching With Angels [Vigiar com anjos], link: https://facim.org/watching-with-angels-part-1/.

Artigo “How Does Projection Really Work? [Como a Projeção realmente funciona?], Robert Perry, que pode ser acessado através do link https://circleofa.org/library/how-does-projection-really-work/.

Artigo “The Practical Implications of Projection: Summary of a Class Presentation” [tradução livre: “As Implicações Práticas da Projeção: Resumo de uma Apresentação de Aula”] poderá ser acessado através do link  https://circleofa.org/library/practical-implications-projection/.

Artigo “Reverse Projection: “As you see him you will see yourself” [tradução livre: “Projeção Reversa: ‘Assim como tu o vires, verás a ti mesmo’”], Robert Perry, link https://circleofa.org/library/reverse-projection-see-him-see-yourself/.

Artigo denominado “Are we living in a virtual reality” [“Nós estamos vivendo em uma realidade virtual?], Greg Mackie, link https://circleofa.org/library/are-we-living-in-a-virtual-reality/.

Artigo disponibilizado pelo site Pathways of Light, denominado “From Virtual do True Reality” [Da Realidade Virtual à Verdadeira], link https://www.pathwaysoflight.org/daily_inspiration/print_pol-blog/from-virtual-to-true-reality.

Série de artigos denominada “Rewriting the Rules of Virtual Reality” [Reescrevendo as Regras da Realidade Virtual] – partes 1 a 4, Dr. Joe Dispenza, link https://drjoedispenza.com/blogs/dr-joe-s-blog/rewriting-the-rules-of-virtual-reality-part-i.

Artigo “Commentary on What is Salvation” [“Comentário sobre O Que é Salvação”], Allen Watson, link https://circleofa.org/workbook-companion/what-is-salvation/.

Site oficial do Professor Allen Watson http://www.allen-watson.com/;

Artigo “Special Theme: What Is Salvation? [“Tema Especial: O Que É A Salvação?”], Thomas R. Wakechild, que pode ser acessado através do link http://acourseinmiraclesfordummies.com/blog/wp-content/uploads/2014/07/PDF-What-is-Salvation-with-Notes-Upload-7-15-14-ACIM-Workbook-for-Dummies.pdf.

Artigo “The Core Unit of Salvation” [A Unidade Central da Salvação], Robert Perry, link https://circleofa.org/library/the-core-unit-of-salvation/.

Artigo “ACIM Study Guide and Commentary – Chapter 5, Healing and Wholeness – Section III – The Guide to Salvation” [Guia de Estudo e Comentários ACIM – Capítulo 5 – Cura e Integridade – Seção III – O Guia para a Salvação], Allen Watson, acesso através do link http://www.allenwatson.com/uploads/5/0/8/0/50802205/c05s03.pdf.

Artigo “Commentaries on A Course in Miracles – ACIM Text, Section 1.I – Principles of Miracles” (“Comentários sobre Um Curso em Milagres – UCEM Texto, Seção 1.I – Princípios dos Milagres”), Allen Watson, site http://www.allen-watson.com/uploads/5/0/8/0/50802205/c01s01a.pdf

Artigo “A Course in Miracles: The Guide to Salvation” [Um Curso em Milagres: O Guia para a Salvação”], Sean Reagan, acesso através do link https://seanreagan.com/a-course-in-miracles-the-guide-to-salvation/.

Artigo “The Urgency of Doing Our Part in Salvation” [“A Urgência de Fazer Nossa Parte na Salvação”], Greg Mackie, acesso através do link https://circleofa.org/library/urgency-of-doing-our-part-in-salvation/.

Artigo “Shadow Figures” [figuras de sombra], Robert Perry, acesso através do link https://circleofa.org/library/shadow-figures/.

Artigo-estudo intitulado “Shadows of the Past” [Sombras do Passado], Allen A. Watson, acesso através do  link http://www.allen-watson.com/allens-text-commentaries.html.

Recomendamos o site The Pathways of Light Community, para reforços no processo de estudo: https://www.pathwaysoflight.org.

Artigo sobre o Capítulo 17: O Perdão e o Relacionamento Santo – Seção III: Sombras do passado; pode ser acessado através do link: https://www.pathwaysoflight.org/acim_text/print_acim_page/chapter17_section_iii.

Transcrição de palestra do professor David Hoffmeister, estudante, pesquisador e eminente divulgador de UCEM, durante a Conferência “A Course in Miracles – ACIM” [“Um Curso em Milagres”], no mês de fevereiro de 2007, acesso através do link https://awakening-mind.org/resources/publications/accepting-the-atonement-for-yourself/. As diversas palestras do professor David podem ser acessadas, em inglês, no site https://acim-conference.net/past-acim-conferences/.

Trechos do workshop realizado na Fundação para Um Curso em Milagres (Foundation for A Course in Miracles), em Roscoe, Nova Iorque, denominado “Regras para decisões”, Dr. Kenneth Wapnick, Ph.D., no link https://facim.org/online-learning-aids/excerpt-series/rules-for-decision/.

Artigo “Levels of Mind: Looking at the ‘Layers’ of Mind that form Perception” (“Níveis da Mente: Olhando para as ‘Camadas’ da Mente que formam a Percepção”), Site https://miracleshome.org/publications/levelsofmind.htm.

Artigo “To Desire Wholly is to Be” (“Desejar Totalmente é Ser”), do professor David Hoffmeister. Site: https://miracleshome.org/supplements/todesirewholly_171.htm.

Artigo “The Glory of Who We Really Are” [“A glória de quem nós realmente somos”], do professor Greg Mackie. Site: https://circleofa.org/library/the-glory-of-who-we-really-are/?inf_contact_key=2c1c99e05ff3c25330a7916d84d19420680f8914173f9191b1c0223e68310bb1.

Artigo “The difference between horizontal and vertical perception”, Paul West (16/09/2019). Site https://www.voiceforgod.net/blogs/acim-blog/the-difference-between-horizontal-and-vertical-perception.

Artigo “The Holy Relationship: The Source of Your Salvation [“O Relacionamento Santo: A Fonte de Sua Salvação”], Greg Mackie. Site Circle of Atonement, https://circleofa.org/library/holy-relationship-source-of salvation/?inf_contact_key=791ef4a4c578a34f45d28b436fec486d680f8914173f9191b1c0223e68310bb1.

Artigo “On Becoming the Touches of Sweet Harmony – The Holy Relationship as Metaphor – Part 1 and Part 2” [“Sobre se Tornar os Realces da Amena Harmonia – O Relacionamento Santo como Metáfora – Parte 1 e Parte 2”], 1º de junho de 2018, Volume 22 Nº 2 – Junho 2011, Dr. Kenneth Wapnick, Ph.D. Site https://facim.org/becoming-touches-sweet-harmony-holy-relationship-metaphor/.

Livro “Your Immortal Reality: How to Break the Cycle of Birth and Death” (tradução livre: “A Sua Realidade Imortal: Como Quebrar o Ciclo de Nascimento e Morte), de autoria de Gary R. Renard.

Fonte de consulta para a tradução dos Dez Mandamentos em português: https://biblia.com.br/perguntas-biblicas/quais-sao-os-10-mandamentos-e-onde-os-encontramos-na-biblia-cl/.

Artigo “Summary of the Thought System of “A Course in Miracles” [Resumo do Sistema de Pensamento de “Um Curso em Milagres”]. Links https://facim.org/summary-of-the-thought-system-of-a-course-in-miracles-part-1/; https://facim.org/summary-of-the-thought-system-of-a-course-in-miracles-part-2/.

Artigo “Miracles boomeritis” [Boomerite dos Milagres], Robert Perry, https://circleofa.org/library/miracles-boomeritis/.

Livro “Boomerite: Um romance que tornará você livre” [na versão em português; “Boomeritis: A Novel That Will Set You Free”, na versão original em inglês].

Artigo “A brief summary of “The obstacles to peace” [“Um breve resumo de “Os obstáculos à paz”], Robert Perry, site Circle of Atonement, link https://circleofa.org/library/brief-summary-obstacles-to-peace/.

Artigo “A Course in Miracles and ‘The Secret’” [“Um Curso em Milagres e ‘O Segredo’”], Greg Mackie. Site https://circleofa.org/library/a-course-in-miracles-and-the-secret/.

Artigo “How can the Course help us cope with a financial crisis” [“Como o Curso pode nos ajudar a lidar com uma crise financeira?”], Greg Mackie. Site https://circleofa.org/library/course-help-cope-with-financial-crisis/.

Artigo “True Empathy” [“A Verdadeira Empatia”], autor Robert Perry. Site https://circleofa.org/library/true-empathy/.

Artigo: “I NEED BE ANXIOUS OVER NOTHING”, autor Greg Mackie. Site: https://circleofa.org/library/carefree-life/;

Artigo “16-POINT SUMMARY OF THE TEACHING OF A COURSE IN MIRACLES”, autor Robert Perry. Site: https://circleofa.org/library/creation-by-god/

Livro “365 Days Through A Course in Miracles – A Daily Devotional”, de Jeff Nance.

Artigo ‘The Introduction to the Workbook’, de Allen Watson. Site: https://circleofa.org/workbook-companion/the-introduction-to-the-workbook/

Vídeo do Dr. Kenneth Wapnick, abordando a afirmação do livro Texto: “Faça com que esse ano seja diferente, fazendo com que tudo seja o mesmo” ((UCEM-Urtext-T-15.XI.10:11), disponível no YouTube através do link:  https://www.youtube.com/watch?v=KFNCHw_Hb5Q.

Artigo do Professor Robert Perry, denominado “THIS YEAR MAKE DIFFERENT: HOW THE COURSE WOULD HAVE US APPROACH THE NEW YEAR” [Tradução livre “Faça com que esse ano seja diferente: Como o Curso nos quer fazer abordar o Ano Novo”], disponível em inglês através do link: https://circleofa.org/library/a-different-approach-to-the-new-year/.

Um milagre é uma correção. Ele não cria e realmente não muda nada. Apenas olha para a devastação e lembra à mente que o que ela vê é falso. Desfaz o erro, mas não tenta ir além da percepção, nem superar a função do perdão. Assim, permanece nos limites do tempo. LE.II.13

Nada real pode ser ameaçado.
Nada irreal existe.
Nisso está a paz de Deus.
T.In.2:2-4
Autor

Graduação: Engenheiro Operacional Químico. Graduação: Engenheiro de Segurança do Trabalho. Pós-Graduação: Marketing PUC/RS. Pós-Graduação: Administração de Materiais, Negociações e Compras FGV/SP. Consultor de Empresas: Projeto OREM® - Organizações Baseadas na Espiritualidade (OBEs). Estudante e Pesquisador Independente sobre Espiritualidade Não-Dualista; Psicofilosofia Huna e Ho’oponopono; A Profecia Celestina; Um Curso em Milagres (UCEM); Espiritualidade no Ambiente de Trabalho (EAT); A Organização Baseada na Espiritualidade (OBE). Certificação: “The Self I-Dentity Through Ho’oponopono® - SITH® - Business Ho’oponopono” - 2022.

0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
0
Would love your thoughts, please comment.x