Estamos disponibilizando trechos do artigo “The Course’s Definition of Idols” [tradução livre “A Definição de Ídolos do Curso], de autoria do Professor Robert Perry. Artigo completo disponível em Inglês, no site https://circleofa.org/library/the-courses-definition-of-idols/, para o nosso conhecimento e entendimento.

—continuação da Parte I—

“Na linguagem comum, um ídolo é qualquer ‘deus’ que nós adoramos e ao qual buscamos a salvação. O seu propósito é fazer por nós o que nós não somos capazes de fazer por nós mesmos, porque nós acreditamos que ele [o ídolo] possui o poder e a magia que nos falta.

Um ídolo, porém, é um deus falso, aquilo que não é capaz realmente de nos salvar. Portanto, ‘ídolo’ significa qualquer coisa que nós temos esperança que responda às nossas orações, mas que na realidade não pode. A imagem clássica de um ídolo, claro, é a de um deus feito de madeira ou pedra, colocado em um altar e ao qual se ora. Essa é uma imagem comovente, pois fala tanto da nossa necessidade desesperada de ajuda como da nossa disponibilidade para investir fé em coisas que não nos podem ajudar.

O uso do termo ‘ídolo’ no Curso mantém essa mesma definição básica e vê nela um comentário profundo sobre a condição humana e o sistema do ego. Pois a religião do ego é a negação de Deus e a adoração de substitutos de Deus, falsos deuses, nos quais nós temos investido profunda fé, entretanto que somos incapazes de satisfazer.

Ídolos como ideias

Em essência, esses deuses que nós adoramos são ideias. Nós temos decidido colocar a nossa fé nessas ideias e olhar para elas para a nossa segurança e felicidade. Dar a nossa devoção às ideias é natural e inevitável, pois nós mesmos somos ideias e até Deus é uma ideia. O problema é o tipo de ideias que nós temos escolhido presentemente. Juntos, esses deuses constituem um panteão horrível. Os nomes deles são o deus da doença, o deus da depressão, o deus da fraqueza, o deus da crueldade, o deus do medo e o deus da morte. Nós temos colocado esses deuses no nosso altar interior e são esses ídolos cujas imagem nós adoramos, cujos apetites nós alimentamos e a cujos poderes nós oramos. E são esses ídolos com os quais nós temos substituído o Deus do Amor:

E o medo, com lábios cinzentos e olhos que não veem, cego e terrível ao ser contemplado, é erguido ao trono do amor, seu conquistador moribundo, seu substituto, o salvador da salvação.’ (T-23.II.16:6)

É claro que o ídolo principal, o deus central na hierarquia, é o próprio ego.

‘Um autoconceito é feito por você. Ele não tem absolutamente qualquer semelhança contigo. É um ídolo feito para tomar o lugar da sua realidade como Filho de Deus.’ (T-31.V.2:1-3).

‘Essa é a ideia louca que você entronizou sobre os seus altares e você adora.’ (T-21.II.6:7)

Esses ídolos são um desastre completo em nossas mentes, pois em vez de atenderem aos nossos pedidos, eles apenas fazem exigências. Eles não são seres que são capazes realmente de se relacionar conosco e nos responder. Eles são imagens mentais sem vida, que, como os programas de computador, somente são capazes de realizar a programação deles. Nesse caso é uma programação destrutiva colocada ali por nós.

…ídolos não compartilham. Os ídolos aceitam, mas nunca dão em retorno. Eles podem ser amados, mas não podem amar. Eles não entendem aquilo que lhes é oferecido… Eles não sorriem para ninguém e não veem aqueles que sorriem para eles.’ (T-20.VI.3:1-4,8)

O deus da doença obviamente exige a negação da saúde… Esse é o oferecimento que o seu deus exige porque, tendo-o feito a partir da sua própria insanidade, ele é uma ideia insana.’ (T-10.V.3:2,7)

Ídolos como coisas externas

O nível central dos ídolos são as ideias, os falsos deuses, mencionados acima. O fato de que esses [falsos deuses] são aqueles que nós realmente adoramos está oculto da nossa mente consciente. Esses ídolos, porém, eventualmente são ‘feitos tangíveis e é dado uma forma e assim são percebidos como reais e vistos fora da mente’. (T-29.VII.3:2).

Nossa atração doentia por esses ídolos significa que, no nível consciente, eles tomam a forma de coisas externas que nós pensamos que nos protegerão e farão com que nós sejamos completos. A certa altura, o Curso lista essas coisas como ‘poder, fama, dinheiro, prazer físico…” (MP-13.2:6).

O Curso também inclui outras listas:

‘Nesse mundo, você acredita que é sustentado por tudo, menos por Deus. A sua fé é colocada nos símbolos mais triviais e insanos: pílulas, dinheiro, roupa ‘protetora’, influência, prestígio, que gostem de você, conhecer as pessoas ‘certas’ e uma lista interminável de formas do nada às que você dota de poderes mágicos.’ (LE-50.1:2-3)

‘Seja ele um corpo ou uma coisa, um lugar, uma situação ou uma circunstância, um objeto possuído ou desejado, ou um direito exigido ou conseguido, é a mesma coisa.’ (T-29.VIII.1:9)

Em outras palavras, um ídolo é qualquer coisa fora de nós que nós esperamos que faça com que sejamos completos. É óbvio, então, que quase todas as coisas às quais nós valorizamos constituem um ídolo. Ao se falar sobre ídolos, o Curso muitas vezes recorre às imagens da religião primitiva. A implicação é que, embora nós já tenhamos superado a oração a estátuas sem vida, a mentalidade por trás da adoração de ídolos ainda está conosco. Na verdade, isso governa toda a nossa existência terrena.

Por que nós buscamos essas coisas? Porque o ego nos tem convencido de que nós somos fracos e incompletos e que o poder e a completeza estão fora de nós, no mundo. O mundo pode nos conceder essas coisas, nós pensamos, se nós somos capazes de conseguir obter o seu favor. Assim, nós propiciamos uma série de deuses externos para nos proteger dos perigos do mundo e para preencher o buraco sem fundo que nós acreditamos estar em nossa alma.

‘De algum modo, você acredita que [os ídolos] completarão o seu pequeno ser [eu, self], dando-lhe segurança em um mundo percebido como perigoso, com forças concentradas contra a sua confiança e a paz da sua mente. Eles têm o poder de suprir o que falta a você e agregar o valor que você não possui. Ninguém acredita em ídolos sem se ter escravizado à pequenez e à perda e, portanto, tem que buscar a força além de seu pequeno ser [eu, self], para levantar a cabeça e se colocar à parte de toda a miséria que o mundo reflete.’ (T-29.VIII.2:3-6)

Mas os ídolos têm um propósito duplo. O propósito consciente deles é nos manter em segurança e fazer com que sejamos felizes. No entanto, o seu propósito real e subjacente é muito diferente. Lembre-se, os ídolos exteriores são simplesmente projeções dos ídolos interiores, os deuses da doença, da fraqueza, da depressão, da crueldade, do medo e da morte. O verdadeiro propósito dos ídolos externos, então, não é nos salvar dessas coisas, mas trazê-las até nós. Por um tempo, os ídolos parecem conferir segurança e felicidade, pois é isso o que nós buscamos neles, entretanto, no final eles sempre trazem sofrimento.

Isso faz todo o sentido, porque a busca por ídolos se baseia na crença de que nós somos incompletos. Diz da maneira mais clara possível que a completeza está fora de nós e a falta está dentro. Assim, a busca por ídolos é a tentativa

‘…de trazer para você a sua própria morte. Pois você acredita que pode sofrer devido à falta e falta é morte… Não busque fora de si mesmo. A busca implica em você não ser íntegro por dentro….’ (T-29.VII.4:1-2,5-6)

Ao invés de resolverem a nossa crença na carência, os ídolos a reforçam. E assim, os ídolos têm que falhar em satisfazer as necessidades que nós buscamos neles. No final, eles têm que se voltar contra nós, porque eles são simplesmente projeções de pensamentos autodestrutivos. No entanto, mesmo que isso aconteça repetidamente, enquanto nós acreditarmos na carência, nós continuaremos a buscar ídolos. Quando um ídolo cai, nós simplesmente o substituiremos por outro, seguido por outro e assim por diante.

‘A ilusão remanescente o impelirá a buscar milhares de ídolos e outros milhares além desses. E cada um falhará, todos, exceto um; pois ele morrerá sem entender que o ídolo que ele busca é apenas a sua própria morte.’ (T-29.VII.3:1-2)

Como é irônica toda essa situação, que o infinito Filho de Deus queira buscar pequenos adornos terrenos e depois pensar que ele é o escravo deles. O Curso frequentemente comenta sobre essa ironia.

‘O escravo de ídolos é um escravo voluntário. Pois ele tem que estar disposto a se inclinar em adoração diante do que não tem vida e a buscar poder no que não tem poder. O que aconteceu ao santo Filho de Deus para que esse pudesse ser o seu desejo, para que ele se deixasse cair e descer ainda mais baixo do que as pedras no chão e ficasse buscando ídolos para que eles o levantem?’ (T-29.IX.1:1-3)

Como os ídolos podem ser abandonados? Dado os antecedentes deles, essa é a pergunta que o mundo inteiro deveria fazer todos os dias. Para desistir deles, nós temos que perceber que os ídolos, na verdade, não fazem coisa alguma. Eles não têm autoridade sobre nós e nenhum poder para mudar quem nós realmente somos em absoluto.

‘Hoje contemplamos sem emoção esse deus cruel. E observamos que, embora os seus lábios estejam manchados de sangue e embora pareça lançar chamas de fogo, ele é apenas feito de pedra. Ele não pode fazer nada. Nós não necessitamos desafiar o seu poder. Ele não tem nenhum. E aqueles que vêem nele a sua segurança não têm nenhum guardião, nem força para invocar em momentos de perigo e nenhum guerreiro poderoso para lutar por eles.’ (LE-170.7:1-6)

Os ídolos simplesmente não funcionam. Eles não nos fazem felizes; não porque nós tenhamos escolhido os ídolos errados ou nós não tenhamos obtido os ídolos que nós buscamos, mas porque todos os ídolos são insatisfatórios.

‘Elas [todas as ilusões a respeito de si mesmo…] parecem dançar por algum tempo de acordo com as regras que você estabeleceu para elas, mas então caem e não conseguem se reerguer. Elas são apenas brinquedos, minha criança, portanto não se lamente por elas. A dança delas nunca lhe trouxe alegria. Tampouco eram coisas para assustar você, nem para dar segurança a você caso obedecessem às suas regras. Elas não devem ser estimadas nem atacadas, mas apenas contempladas como brinquedos de criança, sem qualquer significado próprio.’ (T-30.IV.4:4-9)

Vendo que ‘os ídolos não são nada, não estão em parte alguma e não têm propósito’ (T-30.V.5:3), por que nós os buscaríamos? O que um Filho de Deus poderia querer dos falsos deuses quando o verdadeiro Deus lhe oferece tudo o que existe?

‘Na sua própria mente, embora negada pelo ego, está a declaração da sua libertação: Deus lhe deu todas as coisas’ (T-4.III.9:1-2).

‘Deus lhe deu tudo o que existe… Nenhum ídolo pode fazer com que você seja mais do que Deus. Mas você nunca ficará satisfeito em ser menos.’ (T-29.VIII.9:7,10-11)

—–

Estamos compartilhando trechos de artigo do site Pathways of Light, que resume , na forma de questões e respostas, o Capítulo 10, “Os Ídolos da Doença”, para o nosso conhecimento e o nosso entendimento.

Site: https://www.pathwaysoflight.org/acim_text/answers/chapter10_section_iii

Capítulo 10: Os Ídolos da Doença – Seção III: O Deus da Doença

“Por que o ódio e a destruição nunca podem ser reais?

Na seção anterior nos disseram que ‘todo ataque é um ataque a si mesmo’. (5:1) Parecia indicar que realmente nós, de fato, atacamos. Agora nós somos lembrados de que nós não atacamos Deus e nós não podemos mudar a nossa realidade. No entanto, nós podemos fazer (inventar) uma imagem falsa de nós mesmos que parece ter a habilidade de atacar. Se nós pensarmos que a imagem que nós inventamos é real, nós acreditaremos que nós somos realmente capazes de atacar. Nós pensamos que nós somos capazes de sermos odiosos e destrutivos. No entanto, a imagem que nós temos feito não é real, por isso o ódio e a destruição não podem ser reais.

Segundo Jesus, o que é a salvação?

O fato de nós não sermos capazes de mudar a nossa realidade é a base da nossa salvação. Nós necessitamos apenas sermos salvos da imagem equivocada que nós temos feito. A salvação é simplesmente abandonar (deixar ir) uma imagem falsa e aceitar o que nunca mudou. Os ídolos são simplesmente crenças. A crença numa imagem pode nos fazer experienciar a imagem como real, embora ela não mude em nada a realidade. No momento em que nós retirarmos a nossa crença na imagem por reconhecer que ela é falsa, ela deixará de nos parecer real. A realidade surgirá em nossas mentes porque nós removemos a imagem falsa que nós fizemos para esconder a realidade.

Por que Jesus necessita falar conosco no nível em que nós acreditamos que nós estamos?

Um dos desafios que Jesus tem ao nos ensinar a reconhecer a verdade é que ele necessita falar conosco no nível em que nós acreditamos que estamos e nos levar além disso, para uma consciência no nível da realidade [awareness] que nós temos bloqueado a partir de nossas mentes. Frequentemente o Curso falará como se realmente nós, de fato, atacamos e nos separamos, enquanto ele nos lembra que isso nunca poderia ocorrer na verdade. É útil enquanto nós lemos, lembrar que nós não somos o ego. Nós não somos um corpo. Nós não estamos separados. Quando ele [o Curso] fala conosco como se fôssemos indivíduos separados, ele está simplesmente falando com a parte da nossa mente que acredita na falsa imagem de nós estarmos separados. Isso não significa que a separação pudesse algum dia ser real ou que pudesse ter ocorrido.

Por exemplo, na primeira frase do parágrafo dois, Jesus se refere às ‘crianças doentes de Deus’. (2:1) Essa é uma referência às partes da Filiação que acreditam que elas estão separadas. No entanto, na frase sete, ele diz que ninguém está doente porque, na realidade, ninguém está separado. Nós curamos [heal] a mente de toda a Filiação quando nós aceitamos que as mentes não estão separadas.

‘Lembre-se que não importa aonde na Filiação Ele é aceito. Ele é sempre aceito por todos e quando sua mente O recebe, a lembrança Dele desperta através de toda a Filiação.’ (2:2-3)

O Consolador (Espírito Santo) está em cada mente, unindo todos as crianças de Deus na consciência no nível da realidade [awareness] da unidade eterna do Amor.

Por que é impossível para nós atacarmos ou sofrermos?

No terceiro parágrafo nós somos lembrados de que nós somos apenas Amor e que o Amor não ataca e não pode sofrer. Porque nós somos Amor, nós somos invulneráveis. Como Amor, nós não mudamos porque o Amor é eterno. É importante em nosso processo de despertar, deixar ser assimilado de que nós somos apenas Amor. Perceber qualquer outra coisa é simplesmente perceber uma imagem falsa do que nós somos. Se nós percebemos alguém como algo diferente do Amor de Deus, nós perderemos de vista a nossa verdadeira identidade como parte de Deus. À medida que nós mantemos em nossas mentes a consciência no nível da realidade [awareness] de que todas as pessoas que nós vemos são parte de Deus e são uma extensão do Seu Amor e nada mais, nós fortalecemos essa consciência no nível da realidade [awareness] em nós mesmos e, assim, curamos [heal] os nossos irmãos e a nós mesmos.

É verdade que nós somos parte de Deus e compartilhamos todo o Seu poder?

Novamente no parágrafo quatro, Jesus nos lembra da verdade de que nós somos parte de Deus e compartilhamos todo o Seu poder. Todo o propósito do Curso é nos ajudar a aumentar a nossa disponibilidade de aceitarmos a nós mesmos como Deus nos criou. Parte para conseguir isso é nos ajudar a ver o ego (ou a crença na individualidade) pelo que ele é. Ele é a negação de tudo o que nós somos.

O ego oferece ‘dádivas’ atraentes de independência, autossuficiência e especialismo, enquanto esconde o custo que a aceitação dessas ‘dádivas’ acarreta. Ser independente e diferente do Amor de Deus significa estar separado do Seu poder. É por isso que, junto com o pensamento de que nós somos autossuficientes, vem a percepção de vulnerabilidade e fraqueza. Por causa desse sentimento de fraqueza, o ego sente uma necessidade de atacar como uma defesa.

O que é o mundo segundo Jesus?

O mundo é a representação externa do sistema de pensamento do ego. Nós vemos essa perversidade manifestada na natureza à medida que os animais protegem cruelmente os territórios deles e matam para ‘sobreviver’. Porque nós temos nos identificado com o ego, nós sentimos da mesma maneira. Nós disfarçamos a perversidade com sorrisos enquanto nós julgamos mentalmente os nossos irmãos. Nós vamos à guerra, dizendo que ela é para o bem do nosso país. Embora a culpa que surge com a escolha da independência do ego permanece nas nossas mentes divididas, escondida sob camadas de medo e presunção.

Como se aprofunda a nossa apreciação de Deus?

À medida em que nós estamos dispostos a lembrar que todos são parte de Deus, a nossa apreciação de Deus e da Sua Criação é aprofundada. A nossa apreciação da verdade é elevada e as imagens falsas do ego perdem o apelo delas e desaparecem. À medida que a nossa disponibilidade de lembrar o Amor se expande, nós fazemos a nossa parte no despertar da Filiação, porque a Filiação é uma só. Essa lembrança é o que a saúde é, porque é o abandono do deus da doença [ídolo]. O calmo conhecimento de que cada um faz parte Dele traz consigo a dádiva da paz de Deus.

Jesus nos encoraja quando diz:

‘Você poderia aceitar paz agora para todas as pessoas e oferecer-lhes liberdade perfeita de todas as ilusões porque você ouviu a Sua Voz’. (8:2)

Contudo, para ouvir a Sua Voz, nós temos que deixar ir o nosso desejo por independência e especialismo. É por isso que nós necessitamos perdoar as ilusões que nós pensamos ter feito. As nossas ilusões serão desfeitas para nós no instante em que nós expressamos, por meio do perdão, a nossa disponibilidade de aceitar apenas o eterno.

Aceitar o que nós temos feito como a ilusão de que é assim, libera-nos do medo e da culpa, porque o que não é nada não pode ser amedrontador e não pode causar danos. À medida que nós aceitamos a ajuda do Espírito Santo para ver as ilusões como elas realmente são, nós somos levados à consciência no nível da realidade [awareness] de como ser verdadeiramente úteis. É somente estando dispostos a lembrar a unicidade do Amor que nós encontramos paz e estendemos a paz. O deus da doença [ídolo] que nós pensávamos ser tão atraente agora é abandonado com facilidade. O deus da doença [ídolo] é reconhecido como nada e em lugar nenhum. Nós somos deixados sozinhos com grande apreciação por tudo o que Deus criou.

© 2004-2010, Pathways of Light. https://www.pathwaysoflight.org
Você pode compartilhar livremente cópias desse documento com os seus amigos, desde que esse aviso de direitos autorais e o endereço do site estejam incluídos.

—–

Estamos compartilhando trechos de artigo do site Pathways of Light, que resume, na forma de questões e respostas, o Capítulo 29, Secção VII. “Não busques fora de ti mesmo“, para o nosso conhecimento e o nosso entendimento.

Site: https://www.pathwaysoflight.org/acim_text/answers/chapter29-section_vii

Capítulo 29: O Despertar – Seção VII. Não procure fora de si mesmo

Onde se encontra a paz eterna?

No primeiro parágrafo, Jesus nos diz que a paz só pode ser achada no Céu. Porque a nossa verdadeira Identidade é o Céu, nós só seremos capazes de achar a paz e a felicidade eternas se nós estivermos dispostos a deixar a nós mesmos cientes da nossa verdadeira Identidade na unicidade de Deus.

‘O Céu não pode ser achado onde ele não está e não pode existir paz a não ser lá (no Céu).’ (1:3)

Isso significa que a paz nunca será achada enquanto nós escolhermos a experiência ilusória de estarmos separados da unicidade de Deus. Esse desejo de estar separado da unicidade é a causa de todo medo, que é o oposto da paz.

De onde vem toda a nossa dor?

Jesus nos diz:

‘Pois toda a sua dor vem simplesmente de uma busca fútil pelo que você quer, insistindo quanto ao lugar aonde tem que ser achado’ (1:7, itálico adicionado)

Quando nós buscamos fora de nosso único Ser (a unicidade de Deus) para achar a felicidade, nós estamos buscando ídolos vazios. Nós estamos buscando o substituto do ego para a paz de Deus. Quando nós nos unimos à ideia de que um mundo de corpos separados é real, nós estamos pedindo para experienciar o especialismo que Deus não pode dar. O que a unicidade de Deus não pode dar (especialismo e diferenças) são apenas delusões do que nunca poderia existir. Isso significa que nós estamos pedindo a experiência de ser o oposto da nossa verdadeira identidade como parte da unicidade de Deus. Nessa seção nós estamos vendo que quando nós pedimos a experiência de estarmos separados da unicidade de Deus, nós estamos pedindo dor e sofrimento. Nós estamos pedindo a morte porque nós estamos pedindo para sermos separados da Fonte da Vida.

Por que Jesus nos pergunta: ‘Você prefere estar certo ou ser feliz?’

Nesse mundo nós temos pensado que a nossa felicidade está em sermos especiais. Nós temos tentado alcançar esse especialismo por sonhar com um mundo de singularidade, diferenças e individualidade. Nós fazemos isso inventando um mundo de corpos separados, com os quais nós nos identificamos como o nosso eu [ser, self] separado. Nesse mundo nós competimos por atenção especial e temos pensado que ‘ganhar’ esse especialismo nos fará felizes e nos dará o que nós queremos.

Nós estamos agora aprendendo que buscar o especialismo só nos trará infelicidade, dor e tristeza.

‘Fique contente por ter sido dito a você aonde habita a felicidade e não busque mais em outra parte. Você falhará. Mas é dado a você conhecer a verdade e não buscá-la fora de você mesmo.’ (1:10-12)

 Por que Jesus diz que nós estamos buscando matar o Filho de Deus dentro de nós?

Quando nós queremos um mundo de tempo e diferenças, de singularidade e especialismo, nós estamos buscando destruir a consciência no nível da realidade [awareness] da nossa verdadeira Identidade eterna como Filho de Deus (extensão do Amor). Nós nunca seremos capazes realmente de abandonar a nossa verdadeira Identidade, no entanto, nós somos capazes de negar a consciência no nível da realidade [awareness] da presença do Amor, substituindo-O por imagens de corpos separados [ídolos].

Isso é o mesmo que tentar sacrificar a verdade da unicidade para experienciar obter um pouco apenas para nós mesmos.

‘Fazer sacrifícios é desistir e, portanto, ficar sem, tendo sofrido a perda. E com essa desistência [a nossa Vida verdadeira] abre-se mão da vida. Não busque fora de si mesmo (não busque fora de Deus). A busca implica em não ser íntegro por dentro e você tem medo de olhar para a sua própria devastação, preferindo buscar o que é fora de si mesmo.’ (4:3-6)

Por que todas as imagens no mundo da separação são simplesmente ídolos?

No parágrafo 6 nós somos informados:

‘Todos os ídolos desse mundo foram feitos para manter a verdade dentro de você afastada do seu conhecimento e para manter a aliança com o sonho, segundo o qual você tem que achar o que está fora de você mesmo para ser completo e feliz. É em vão que se cultua ídolos esperando achar a paz. Deus habita dentro de você e a sua completeza está Nele. Nenhum ídolo toma o Seu lugar. Não olhe para ídolos. Não busque fora de si mesmo.’ (6:1-6)

Como nós podemos reverter o nosso plano de buscar por ídolos fora de nós?

À medida que nós usamos o tempo para despertar para a verdade da nossa unicidade com Deus, ao invés de buscarmos o especialismo, os ídolos da individualidade e do especialismo que antes nós buscávamos, vieram a ser sem sentido. Nós temos tido medo de perder a nossa identidade única e separada e agora nós damos boas-vindas à verdade de que apenas a nossa unicidade no Amor universal é real. Jesus nos diz:

‘Permita que Ele lembre você do Seu Amor por você e não busque afogar a Voz de Deus em cantos de profundo desespero para ídolos de si mesmo. Não busque fora do seu Pai a sua esperança. Pois a esperança da felicidade não é desespero.’ (10:5-7)

© 2004-2010, Caminhos da Luz. https://www.pathwaysoflight.org
Você pode compartilhar livremente cópias desse documento com os seus amigos, desde que esse aviso de direitos autorais e o endereço do site estejam incluídos.

—–

Estamos compartilhando trechos de artigo do site Pathways of Light, que resume, na forma de questões e respostas, o Capítulo 30, Seção III. “Além de Todos os Ídolos”, para o nosso conhecimento e o nosso entendimento.

Site:https://www.pathwaysoflight.org/acim_text/answers/chapter30-section-iii

Capítulo 30: O Novo Começo – Seção III. Além de todos os ídolos

O que é um ídolo?

Um ídolo é uma forma específica no mundo de diferenças do ego que nós acreditamos que nos trará felicidade. Quando nós pedimos coisas específicas, nós estamos tentando substituir a unicidade de Deus por coisas especiais e únicas que são diferentes da totalidade do Ser universal de Deus como Amor. Quando nós pedimos por ídolos, nós pedimos pela experiência do medo porque nós pedimos para sermos separados da nossa completeza. E assim buscamos a completeza fora de nós mesmos, onde ela não pode ser achada.

Jesus nos diz:

‘É como se você dissesse: ‘Não necessito de tudo’. Quero essa pequena coisa e ela será tudo para mim.’ E isso não tem que deixar de falhar em satisfazer porque é a sua vontade que tudo seja seu. Decida-se por ídolos e você está pedindo a perda. Decida-se pela verdade e todas as coisas são suas.’ (1:6-10)

Quando nós pedimos por ídolos, o que realmente nós buscamos?

Quando nós buscamos coisas e pessoas especiais em um mundo de diferenças, nós buscamos por completeza. Quando nós pensamos que nós nos separamos do que é íntegro, nós sentimos uma sensação subjacente de falta e incompleteza. Nós sentimos que está faltando alguma coisa. Nós sentimos um buraco e nós tentamos preenchê-lo com formas específicas (corpos especiais e formas especiais) que nós pensamos que nos trarão a sensação de completeza que tanto nós desejamos.

Qual é a definição de pecado para o Curso?

No terceiro parágrafo, Jesus nos diz:

‘Pois pecado é a ideia segundo a qual você está sozinho e separado do que é íntegro. E assim seria necessário que a busca da integridade fosse feita além das fronteiras dos limites imposto a si mesmo.’ (3:7-8 itálico adicionado)

Com essa definição nós vemos que quando nós nos identificamos com o fato de nós estarmos separados e sozinhos, ou pensamos que alguém nesse mundo de separação está separado e sozinho, nós estamos acreditando nos falsos ídolos do ego. Essa crença no pecado (estar separado e sozinho) é o que o inferno é. Essa crença no pecado traz consigo emoções de culpa, indignidade, tristeza, solidão e incompleteza. Essa falsa sensação de nós sermos incompletos nos leva a buscar ídolos (formas separadas) ‘fora’ de nós mesmos para felicidade e completeza.

A completeza é a Vontade de Deus?

Agora nós estamos vendo que nós temos estado buscando pela completeza em todos os lugares errados. Nós estamos aprendendo que quando nós aceitamos as dádivas de todas as coisas de Deus, ao invés de formas únicas de corpos especiais ou formas especiais, nós nos sentiremos completos.

Jesus nos diz:

‘Deus não conhece forma alguma. Ele não pode responder a você em termos que não têm significado. E a sua vontade não poderia ser satisfeita com formas vazias, feitas apenas para preencher uma brecha que não existe. Não é isso o que você quer. A criação não dá a nenhuma pessoa separadamente, nem a nenhuma coisa separada o poder de completar o Filho de Deus. Que ídolo pode ser chamado para dar ao Filho de Deus o que ele já tem?’ (4:5-10)

Aqui nós vemos que Deus já tem nos dado a completeza.

Qual é a nossa verdadeira função?

A nossa verdadeira função é aceitar o que já nos foi dado em nossa Criação. Aqui nos é dito:

‘A completeza é a função do Filho de Deus. Ele não tem absolutamente nenhuma necessidade de buscá-la. Além de todos os ídolos está a sua santa vontade de ser apenas o que ele é. Pois mais do que o todo não tem significado. Se existisse alguma mudança nele, se ele pudesse ser reduzido a qualquer forma e limitado àquilo que não está nele, ele não seria como Deus o criou’. (5:1-5)

Aqui nós vemos que a nossa verdadeira função é sermos como nós fomos criados, íntegros, perfeitos e completos. Nós somos um só com o nosso Pai e nós não somos capazes de existir sem Ele. A nossa completeza está em nossa aceitação de tudo o que Deus nos tem dado. Aqui nós temos e nós somos tudo o que é. Aqui nós não estamos tentando ser alguma coisa diferente do que nós somos em nossa Criação.

A nossa função é aceitar o fato de que ainda nós somos como Deus nos criou. Nós não temos mudado coisa alguma. O amor é. Deus é. Não há mais nada. Ao aceitarmos o que é eternamente verdadeiro, nós nos sentimos completos. Nós conhecemos e experienciamos contentamento e paz completos, pois nós estamos dispostos a ser o Amor universal e sem limites que nós já somos.

O que esperam os Pensamentos de Deus?

Jesus nos diz:

‘Os pensamentos de Deus estão muito além de qualquer mudança e brilham para sempre. Eles não esperam por nascer. Eles esperam boas-vindas e serem lembrados.’ (8:1-3 itálico adicionado)

Aqui nós vemos que nós estaremos cientes dos Pensamentos de Deus (a nossa verdadeira Identidade como um só com Deus), pois nós estamos dispostos a lembrar o que é sempre verdadeiro. Nós ainda somos Amor na Mente do Amor e isso nunca mudará. Nós podemos sonhar com falsos ídolos, de estarmos separados e sozinhos, fracos e vulneráveis, no entanto, nós nunca seremos capazes de fazer dessas falsas ideias a nossa realidade.

Nós ainda estamos em segurança na Mente de Deus. Nós não temos mudado coisa alguma. Ao darmos as boas-vindas à verdade, nós lembraremos onde nós sempre temos estado, em segurança na Mente de nosso Pai, em segurança no Céu – a nossa completeza – para sempre.

© 2004-2010, Pathways of Light. https://www.pathwaysoflight.org
Você pode compartilhar livremente cópias desse documento com os seus amigos, desde que esse aviso de direitos autorais e o endereço do site estejam incluídos.

—–

Imagem pexels-carlos-machado-11999132.jpg – 11 de novembro de 2023

Bibliografia da OREM3:

Livro “Um Curso em Milagres” – Livro Texto, Livro de Exercícios e Manual de Professores. Fundação para a Paz Interior. 2ª Edição –  copyright© 1994 da edição em língua portuguesa.

Artigo “Helen and Bill’s Joining: A Window Onto the Heart of A Course in Miracles” (tradução livre: A União de Helen e Bill: Uma Janela no Coração de Um Curso em Milagres”) – Robert Perry, site: https://circleofa.org/

E-book “What is A Course in Miracles” (tradução livre: O que é Um Curso em Milagres) – Robert Perry.

E-book “Autobiography – Helen Cohn Schucman, Ph.D.” – Foundation for Inner Peace (tradução livre: Autobiografia – Helen Cohn Schucman, Ph.D., Fundação para a Paz Interior).

Livro “Uma Introdução Básica a Um Curso em Milagres”,  Dr. Kenneth Wapnick, Ph.D.

Livro “O Desaparecimento do Universo”, Gary R. Renard.

Livro “Absence from Felicity: The Story of Helen Schucman and Her Scribing of A Course in Miracles” (tradução livre: “Ausência de Felicidade: A História de Helen Schucman e Sua Escriba de Um Curso em Milagres”) – Dr. Kenneth Wapnick, Ph.D.

Artigo “A Short History of the Editing and Publishing of A Course in Miracles” (tradução livre: Uma Breve História da Edição e Publicação de Um Curso em Milagres” – Joe R. Jesseph, Ph.D. http://www.miraclestudies.net/history.html

E-book “Study Guide for A Course in Miracles”, Foundation for Inner Peace (tradução livre: Guia de Estudo para Um Curso em Milagres, Fundação para a Paz Interior).

Artigo “The Course’s Use of Language” (tradução livre: “O Uso da Linguagem do Curso”), extraído do livro “The Message of A Course in Miracles” (tradução livre: “A Mensagem de Um Curso em Milagres”) – Dr. Kenneth Wapnick, Ph.D.

Artigo Who Am I? (tradução livre: Quem Sou Eu?) – Beverly Hutchinson McNeff – Site: https://www.miraclecenter.org/wp/who-am-i/

Artigo “Jesus: The Manifestation of the Holy Spirit – Excerpts from the Workshop held at the Foundation for A Course in Miracles – Temecula CA” (tradução livre: Jesus: A Manifestação do Espírito Santo – Trechos da Oficina realizada na Fundação para Um Curso em Milagres – Temecula CA) – Dr. Kenneth Wapnick, Ph.D.

Livro “Quantum Questions” (tradução livre: “Questões Quânticas”) – Ken Wilburn

Livro “Um Retorno ao Amor” – Marianne Williamson.

Glossário do site Foundation for A Course in Miracles (tradução livre: Fundação para Um Curso em Milagres), do Dr. Kenneth Wapnick, https://facim.org/glossary/

Livro Um Curso em Milagres – Esclarecimento de Termos.

Artigo “The Metaphysics of Separation and Forgiveness” (tradução livre: “A Metafísica da Separação e do Perdão”) – Dr. Kenneth Wapnick, Ph.D.

Livro “Os Ensinamentos Místicos de Jesus” – Compilado por David Hoffmeister – 2016 Living Miracles Publications.

Livro “Suplementos de Um Curso em Milagres UCEM – A Canção da Oração” – Helen Schucman – Fundação para a Paz Interior.

Livro “Suplementos de Um Curso em Milagres UCEM – Psicoterapia: Propósito, Processo e Prática.

Workshop “O que significa ser um professor de Deus”, proferido pelo Dr. Kenneth Wapnick, Ph.D..

Artigo escrito pelo escritor Paul West, autor do livro “I Am Love” (tradução livre: “Eu Sou Amor”), blog https://www.voiceforgod.net/.

Artigo “The Beginning Of The World” (tradução livre: “O Começo do Mundo”) – Dr Kenneth Wapnick.

Artigo “Duality as Metaphor in A Course in Miracles” (tradução livre: “Dualidade como Metáfora em Um Curso em Milagres”) – Um providencial e didático artigo, considerado pelo próprio autor como sendo um dos artigos (workshop) mais importantes por ele escrito e agora compartilhado pelo Dr. Kenneth Wapnick, Ph.D.

Artigo “Healing the Dream of Sickness” (tradução livre: “Curando o Sonho da Doença”  – Dr. Kenneth Wapnick, Ph.D.

Livro “The Message of A Course in Miracles – A translation of the Text in plain language” (tradução livre: “A mensagem de Um Curso em Milagres – Uma tradução do Texto em linguagem simples”) – Elizabeth A. Cronkhite.

E-book “Jesus: A New Covenant ACIM” – Chapter 20 – Clearing Beliefs and Desires – Cay Villars – Joininginlight.net© (tradução livre: “Jesus: Uma Nova Aliança UCEM” – Capítulo 20 – Clarificando Crenças e Desejos).

Artigo “Strangers in a Strange World – The Search for Meaning and Hope” (tradução livre: “Estranhos em um mundo estranho – A busca por significado e esperança”), escrito pelo Dr. Kenneth Wapnick e por sua esposa Sra. Gloria Wapnick.

Artigo “To Be in the World and Not of It” (tradução livre: “Estar no Mundo e São Ser Dele”), escrito pelo Dr. Kenneth Wapnick e por sua esposa Sra. Gloria Wapnick.

Site https://circleofa.org/.

Livro “A Course in Miracles – Urtext Manuscripts – Complete Seven Volume Combined Edition. Published by Miracles in Action Press – 2009 1ª Edição.

Tradução livre do capítulo Urtext “The Relationship of Miracles and Revelation” (N 75 4:102).

Artigo “How To Work Miracles” (tradução livre “Como Fazer Milagres”), de Greg Mackie https://circleofa.org/library/how-to-work-miracles/.

Artigo “A New Vision of the Miracle” (tradução livre: “Uma Nova Visão do Milagre”), de Robert Perry https://circleofa.org/library/a-new-vision-of-the-miracle/.

Artigo “What Is a Miracle?” (tradução livre: “O que é um milagre?”), de Robert Perry https://circleofa.org/library/what-is-a-miracle/.

Artigo “How Does ACIM Define Miracle?” (tradução livre: “Como o UCEM define milagre?”), de Bart Bacon https://www.miracles-course.org/index.php?option=com_content&view=article&id=232:how-does-acim-define-miracle&catid=37&Itemid=57.

Livro “Os cinquenta princípios dos milagres de Um Curso em Milagres”, de Kenneth Wapnick, Ph.D..

Artigo “The Fifty Miracle Principles: The Foundation That Jesus Laid For His Course” (tradução livre: “Os cinquenta princípios dos milagres: a base que Jesus estabeleceu para o seu Curso”), de Robert Perry https://circleofa.org/library/the-fifty-miracle-principles-the-foundation-that-jesus-laid-for-his-course/.

Artigo “Ishmael Gilbert, Miracle Worker” (tradução livre: “Ishmael Gilbert, Trabalhador em Milagre”), de Greg Mackie https://circleofa.org/library/ishmael-gilbert-miracle-worker/.

Blog “A versão Urtext da obra Um Curso em Milagres (UCEM)” https://www.umcursoemmilagresurtext.com.br/.

Blog “Course in Miracles Society – CIMS – Original Edition” https://www.jcim.net/about-course-in-miracles-society/.

Site Google tradutor https://translate.google.com.br/?hl=pt-BR.

Site WordReference.com | Dicionários on-line de idiomas https://www.wordreference.com/enpt/entitled.

Artigo “The earlier versions and the editing of A Course in Miracles” (tradução livre: “As versões iniciais e a edição de Um Curso em Milagres), autor Robert Perry https://circleofa.org/library/the-earlier-versions-and-the-editing-of-a-course-in-miracles/.

Livro “A Course in Miracles: Completed and Annotated Edition” (“Edição Completa e Anotada”) – Circle of Atonement.

Livro “Q&A – Detailed Answers to Student-Generated Questions on the Theory and Practice of A Course in Miracles” – Supervised and Edited by Kenneth Wapnick, Ph.D. – Foundation for A Course in Miracles – Publisher (tradução livre: “P&R – Respostas Detalhadas a Questões Geradas por Alunos sobre a Teoria e Prática de Um Curso em Milagres” – Supervisionado e Editado por Kenneth Wapnick, Ph.D. – Fundação para Um Curso em Milagres – Editora)

Artigo “The Importance of Relationships” (tradução livre: “A Importância dos Relacionamentos”), no site https://circleofa.org/library/the-importance-of-relationships/, autor Robert Perry.

Artigo: “The ark of peace is entered two by two” (tradução livre: “Na arca da paz só entram dois a dois”) – Robert Perry Site: https://circleofa.org/library/the-ark-of-peace-is-entered-two-by-two/

Artigo “Living a Course in Miracles As Wrong Minds, Right Minds, and Advanced Teachers – Part 2 of 3 – How Right Minds Live in the World: The Blessing of Forgiveness”, por Dr. Kenneth Wapnick, Ph.D.

Artigo “Living a Course in Miracles As Wrong Minds, Right Minds, and Advanced Teachers – Part 1 of 3 – How Wrong Minds Live in the World: The Ego’s Curse of Specialness”, por Dr. Kenneth Wapnick.

Transcrição do vídeo do Dr. Kenneth Wapnick no YouTube, intitulado: “Judgment” (tradução livre: “Julgamento”).  O artigo completo em inglês no site https://facim.org/transcript-of-kenneth-wapnick-youtube-video-entitled-judgment/.

Trechos do Workshop “The Meaning of Judgment” (tradução livre “O Significado de Julgamento”), realizado na Fundação para Um Curso em Milagres em Roscoe NY, ministrado pelo Dr. Kenneth Wapnick. O artigo completo em inglês no site: https://facim.org/online-learning-aids/excerpt-series/the-meaning-of-judgment/.

Comentários do professor de Deus Allen Watson, que transcrevemos, em tradução livre, do site Circle of Atonement (https://circleofa.org/workbook-companion/what-is-sin/).

Artigo “There is no sin” (tradução livre: “Não há pecado”), Robert Perry, site https://circleofa.org/library/there-is-no-sin/.

Artigo do Professor Greg Mackie, denominado “If God is Love Why do We Suffer?” (tradução livre: “Se Deus é Amor porque nós sofremos?”) https://circleofa.org/library/if-god-is-love-why-do-we-suffer/.

Artigo “The Ten Commandments and A Course in Miracles” (tradução livre: Os Dez Mandamentos e Um Curso em Milagres”), Greg Mackie, site https://circleofa.org/library/the-ten-commandments-and-a-course-in-miracles/.

Artigo escrito pelo Dr. Kenneth Wapnick, Ph.D. e pelo Padre Jesuíta W. Norris Clarke, da Companhia de Jesus, Ph.D., sobre o livro “Um Curso em Milagres e o Cristianismo: Um Diálogo”, disponível no site http://www.miraclestudies.net/Dialogue_Pref.html.

Livro “Um Curso em Milagres e o Cristianismo: Um Diálogo”, escrito pelo Dr. Kenneth Wapnick, Ph.D. e pelo Padre Jesuíta W. Norris Clarke, da Companhia de Jesus, Ph.D..

Artigo do Consultor, Escritor e Professor Rogier Fentener Van Vlissingen, de Nova Iorque, intitulado “A Course in Miracles and Christianity: A Dialogue” (“Um Curso em Milagres e o Cristianismo: Um Diálogo”), disponível no Blog Closing the Circle e acesso no link: https://acimnthomas.blogspot.com/2011/04/course-in-miracles-and-christianity.html.

Artigo sobre o livro “A Course in Miracles and Christianity: A Dialogue” (tradução livre “Um Curso em Milagres e o Cristianismo: Um Diálogo”), escrito por Dr. Kenneth Wapnick, Ph.D. e o Padre Jesuíta W. Norris Clarke, da Companhia de Jesus, Ph.D. Site http://www.miraclestudies.net/Dialogue_Pref.html.

Artigo do professor Robert Perry intitulado “Do we have a chalice list?” (tradução livre: “Temos uma lista de cálice?”), acesso através do link: https://circleofa.org/2009/07/13/do-we-have-a-chalice-list/.

Artigo “The religion of the ego” (tradução livre: “A religião do ego”), Robert Perry, link https://circleofa.org/library/the-religion-of-the-ego/.

Artigo “A New Realities Interview with William N. Thetford, Ph.D.”, conduzida por James Bolen em abril de 1984. Tradução livre Projeto OREM®. Artigo em inglês https://acim.org/archives/a-new-realities-interview-with-william-n-thetford/.

Artigo “Why is sin merely a mistake?” [tradução livre “Por que o pecado é apenas um erro?”], Robert Perry, link https://circleofa.org/library/why-is-sin-merely-a-mistake/.

Artigo “What a difference a few words make” (tradução livre: “Que diferença algumas palavras fazem”), Greg Mackie, disponível no link https://circleofa.org/library/what-a-difference-a-few-words-make/.

Artigo “Near-Death Experiences and A Course in Miracles” [Experiências de Quase-Morte e Um Curso em Milagres], coescrito por Robert Perry, B.A. (Cranborne, United Kingdom) e Greg Mackie, B.A. (Xalapa, Mexico), link https://circleofa.org/library/near-death-experiences-course-miracles/.

Artigo “Near-Death Experiences and A Course in Miracles Revisited” [Experiências de Quase-Morte e Um Curso em Milagres Revisitado], escrito por Greg Mackie, link Revisitado], e pode ser acessado no link https://circleofa.org/library/near-death-experiences-and-a-course-in-miracles-revisited/.

Artigo “Watch With Me, Angels” [Vigiem comigo, anjos], Robert Perry, link https://circleofa.org/library/watch-with-me-angels/.

Artigo transcrito de Workshop apresentado pelo Dr. Kenneth Wapnick, denominado “Watching With Angels [Vigiar com anjos], link: https://facim.org/watching-with-angels-part-1/.

Artigo “How Does Projection Really Work? [Como a Projeção realmente funciona?], Robert Perry, que pode ser acessado através do link https://circleofa.org/library/how-does-projection-really-work/.

Artigo “The Practical Implications of Projection: Summary of a Class Presentation” [tradução livre: “As Implicações Práticas da Projeção: Resumo de uma Apresentação de Aula”] poderá ser acessado através do link  https://circleofa.org/library/practical-implications-projection/.

Artigo “Reverse Projection: “As you see him you will see yourself” [tradução livre: “Projeção Reversa: ‘Assim como tu o vires, verás a ti mesmo’”], Robert Perry, link https://circleofa.org/library/reverse-projection-see-him-see-yourself/.

Artigo denominado “Are we living in a virtual reality” [“Nós estamos vivendo em uma realidade virtual?], Greg Mackie, link https://circleofa.org/library/are-we-living-in-a-virtual-reality/.

Artigo disponibilizado pelo site Pathways of Light, denominado “From Virtual do True Reality” [Da Realidade Virtual à Verdadeira], link https://www.pathwaysoflight.org/daily_inspiration/print_pol-blog/from-virtual-to-true-reality.

Série de artigos denominada “Rewriting the Rules of Virtual Reality” [Reescrevendo as Regras da Realidade Virtual] – partes 1 a 4, Dr. Joe Dispenza, link https://drjoedispenza.com/blogs/dr-joe-s-blog/rewriting-the-rules-of-virtual-reality-part-i.

Artigo “Commentary on What is Salvation” [“Comentário sobre O Que é Salvação”], Allen Watson, link https://circleofa.org/workbook-companion/what-is-salvation/.

Site oficial do Professor Allen Watson http://www.allen-watson.com/;

Artigo “Special Theme: What Is Salvation? [“Tema Especial: O Que É A Salvação?”], Thomas R. Wakechild, que pode ser acessado através do link http://acourseinmiraclesfordummies.com/blog/wp-content/uploads/2014/07/PDF-What-is-Salvation-with-Notes-Upload-7-15-14-ACIM-Workbook-for-Dummies.pdf.

Artigo “The Core Unit of Salvation” [A Unidade Central da Salvação], Robert Perry, link https://circleofa.org/library/the-core-unit-of-salvation/.

Artigo “ACIM Study Guide and Commentary – Chapter 5, Healing and Wholeness – Section III – The Guide to Salvation” [Guia de Estudo e Comentários ACIM – Capítulo 5 – Cura e Integridade – Seção III – O Guia para a Salvação], Allen Watson, acesso através do link http://www.allenwatson.com/uploads/5/0/8/0/50802205/c05s03.pdf.

Artigo “Commentaries on A Course in Miracles – ACIM Text, Section 1.I – Principles of Miracles” (“Comentários sobre Um Curso em Milagres – UCEM Texto, Seção 1.I – Princípios dos Milagres”), Allen Watson, site http://www.allen-watson.com/uploads/5/0/8/0/50802205/c01s01a.pdf

Artigo “A Course in Miracles: The Guide to Salvation” [Um Curso em Milagres: O Guia para a Salvação”], Sean Reagan, acesso através do link https://seanreagan.com/a-course-in-miracles-the-guide-to-salvation/.

Artigo “The Urgency of Doing Our Part in Salvation” [“A Urgência de Fazer Nossa Parte na Salvação”], Greg Mackie, acesso através do link https://circleofa.org/library/urgency-of-doing-our-part-in-salvation/.

Artigo “Shadow Figures” [figuras de sombra], Robert Perry, acesso através do link https://circleofa.org/library/shadow-figures/.

Artigo-estudo intitulado “Shadows of the Past” [Sombras do Passado], Allen A. Watson, acesso através do  link http://www.allen-watson.com/allens-text-commentaries.html.

Recomendamos o site The Pathways of Light Community, para reforços no processo de estudo: https://www.pathwaysoflight.org.

Artigo sobre o Capítulo 17: O Perdão e o Relacionamento Santo – Seção III: Sombras do passado; pode ser acessado através do link: https://www.pathwaysoflight.org/acim_text/print_acim_page/chapter17_section_iii.

Transcrição de palestra do professor David Hoffmeister, estudante, pesquisador e eminente divulgador de UCEM, durante a Conferência “A Course in Miracles – ACIM” [“Um Curso em Milagres”], no mês de fevereiro de 2007, acesso através do link https://awakening-mind.org/resources/publications/accepting-the-atonement-for-yourself/. As diversas palestras do professor David podem ser acessadas, em inglês, no site https://acim-conference.net/past-acim-conferences/.

Trechos do workshop realizado na Fundação para Um Curso em Milagres (Foundation for A Course in Miracles), em Roscoe, Nova Iorque, denominado “Regras para decisões”, Dr. Kenneth Wapnick, Ph.D., no link https://facim.org/online-learning-aids/excerpt-series/rules-for-decision/.

Artigo “Levels of Mind: Looking at the ‘Layers’ of Mind that form Perception” (“Níveis da Mente: Olhando para as ‘Camadas’ da Mente que formam a Percepção”), Site https://miracleshome.org/publications/levelsofmind.htm.

Artigo “To Desire Wholly is to Be” (“Desejar Totalmente é Ser”), do professor David Hoffmeister. Site: https://miracleshome.org/supplements/todesirewholly_171.htm.

Artigo “The Glory of Who We Really Are” [“A glória de quem nós realmente somos”], do professor Greg Mackie. Site: https://circleofa.org/library/the-glory-of-who-we-really-are/?inf_contact_key=2c1c99e05ff3c25330a7916d84d19420680f8914173f9191b1c0223e68310bb1.

Artigo “The difference between horizontal and vertical perception”, Paul West (16/09/2019). Site https://www.voiceforgod.net/blogs/acim-blog/the-difference-between-horizontal-and-vertical-perception.

Artigo “The Holy Relationship: The Source of Your Salvation [“O Relacionamento Santo: A Fonte de Sua Salvação”], Greg Mackie. Site Circle of Atonement, https://circleofa.org/library/holy-relationship-source-of salvation/?inf_contact_key=791ef4a4c578a34f45d28b436fec486d680f8914173f9191b1c0223e68310bb1.

Artigo “On Becoming the Touches of Sweet Harmony – The Holy Relationship as Metaphor – Part 1 and Part 2” [“Sobre se Tornar os Realces da Amena Harmonia – O Relacionamento Santo como Metáfora – Parte 1 e Parte 2”], 1º de junho de 2018, Volume 22 Nº 2 – Junho 2011, Dr. Kenneth Wapnick, Ph.D. Site https://facim.org/becoming-touches-sweet-harmony-holy-relationship-metaphor/.

Livro “Your Immortal Reality: How to Break the Cycle of Birth and Death” (tradução livre: “A Sua Realidade Imortal: Como Quebrar o Ciclo de Nascimento e Morte), de autoria de Gary R. Renard.

Fonte de consulta para a tradução dos Dez Mandamentos em português: https://biblia.com.br/perguntas-biblicas/quais-sao-os-10-mandamentos-e-onde-os-encontramos-na-biblia-cl/.

Artigo “Summary of the Thought System of “A Course in Miracles” [Resumo do Sistema de Pensamento de “Um Curso em Milagres”]. Links https://facim.org/summary-of-the-thought-system-of-a-course-in-miracles-part-1/; https://facim.org/summary-of-the-thought-system-of-a-course-in-miracles-part-2/.

Artigo “Miracles boomeritis” [Boomerite dos Milagres], Robert Perry, https://circleofa.org/library/miracles-boomeritis/.

Livro “Boomerite: Um romance que tornará você livre” [na versão em português; “Boomeritis: A Novel That Will Set You Free”, na versão original em inglês].

Artigo “A brief summary of “The obstacles to peace” [“Um breve resumo de “Os obstáculos à paz”], Robert Perry, site Circle of Atonement, link https://circleofa.org/library/brief-summary-obstacles-to-peace/.

Artigo “A Course in Miracles and ‘The Secret’” [“Um Curso em Milagres e ‘O Segredo’”], Greg Mackie. Site https://circleofa.org/library/a-course-in-miracles-and-the-secret/.

Artigo “How can the Course help us cope with a financial crisis” [“Como o Curso pode nos ajudar a lidar com uma crise financeira?”], Greg Mackie. Site https://circleofa.org/library/course-help-cope-with-financial-crisis/.

Artigo “True Empathy” [“A Verdadeira Empatia”], autor Robert Perry. Site https://circleofa.org/library/true-empathy/.

Artigo: “I NEED BE ANXIOUS OVER NOTHING”, autor Greg Mackie. Site: https://circleofa.org/library/carefree-life/;

Artigo “16-POINT SUMMARY OF THE TEACHING OF A COURSE IN MIRACLES”, autor Robert Perry. Site: https://circleofa.org/library/creation-by-god/

Livro “365 Days Through A Course in Miracles – A Daily Devotional”, de Jeff Nance.

Artigo ‘The Introduction to the Workbook’, de Allen Watson. Site: https://circleofa.org/workbook-companion/the-introduction-to-the-workbook/

Vídeo do Dr. Kenneth Wapnick, abordando a afirmação do livro Texto: “Faça com que esse ano seja diferente, fazendo com que tudo seja o mesmo” ((UCEM-Urtext-T-15.XI.10:11), disponível no YouTube através do link:  https://www.youtube.com/watch?v=KFNCHw_Hb5Q.

Artigo do Professor Robert Perry, denominado “THIS YEAR MAKE DIFFERENT: HOW THE COURSE WOULD HAVE US APPROACH THE NEW YEAR” [Tradução livre “Faça com que esse ano seja diferente: Como o Curso nos quer fazer abordar o Ano Novo”], disponível em inglês através do link: https://circleofa.org/library/a-different-approach-to-the-new-year/.

Livro “The Journey Home” de autoria do Dr. Kenneth Wapnick sobre a seção “The Closing of the Gap” [versão FIP do Curso: “Fechar a brecha”].

Artigo “The Course’s Definition of Idols” [tradução livre “A Definição de Ídolos do Curso], de autoria do Professor Robert Perry. Site: https://circleofa.org/library/the-courses-definition-of-idols/.

Um milagre é uma correção. Ele não cria e realmente não muda nada. Apenas olha para a devastação e lembra à mente que o que ela vê é falso. Desfaz o erro, mas não tenta ir além da percepção, nem superar a função do perdão. Assim, permanece nos limites do tempo. LE.II.13

Nada real pode ser ameaçado.
Nada irreal existe.
Nisso está a paz de Deus.
T.In.2:2-4

Autor

Graduação: Engenheiro Operacional Químico. Graduação: Engenheiro de Segurança do Trabalho. Pós-Graduação: Marketing PUC/RS. Pós-Graduação: Administração de Materiais, Negociações e Compras FGV/SP. Consultor de Empresas: Projeto OREM® - Organizações Baseadas na Espiritualidade (OBEs). Estudante e Pesquisador Independente sobre Espiritualidade Não-Dualista; Psicofilosofia Huna e Ho’oponopono; A Profecia Celestina; Um Curso em Milagres (UCEM); Espiritualidade no Ambiente de Trabalho (EAT); A Organização Baseada na Espiritualidade (OBE). Certificação: “The Self I-Dentity Through Ho’oponopono® - SITH® - Business Ho’oponopono” - 2022.

0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
0
Would love your thoughts, please comment.x