…continuação da Parte I…

Estamos disponibilizando, em continuação, o artigo do professor David Hoffmeister, sobre a sua apresentação em uma Conferência “A Course in Miracles – ACIM” [“Um Curso em Milagres”], denominado “Aceitar a Expiação para si mesmo”.

O artigo completo em inglês poderá ser acessado no site do professor David através do link https://awakening-mind.org/resources/publications/accepting-the-atonement-for-yourself/.

Expiação significa aceitá-la para si mesmo.

“Quando eu de início comecei a viajar e fazer isso por volta de 1991, eu ia a todos os lugares. Eu fui inicialmente orientado a passar um tempo com pessoas que haviam passado as suas vidas inteiras trabalhando com Um Curso em Milagres. Eu achei que elas eram muito dedicadas e gostaria de falar com elas. O Espírito Santo disse que todos que você encontrar vão lhe dar uma pepita de ouro. Onde quer que você vá, você obterá uma pepita, um reconhecimento. Você terá um milagre que lhe mostrará o caminho de volta ao Reino do Céu. Eu olho ao redor e vejo as pessoas com quem fiquei, pois eu faço isso há 16 anos [lembrando que a conferência do professor David foi em 2007], seguindo as minhas instruções e nós temos conexões tão próximas. É como se você conhecesse pessoas desde sempre, embora tenha acabado de conhecê-las. É uma qualidade interessante com estudantes e professores de Um Curso em Milagres. O que isso fez foi ajudar-me a juntar-me a todos que eu encontrava porque esperava uma dádiva, uma joia, de todos.

Não precisavam ser apenas estudantes de Um Curso em Milagres; eu convido as Testemunhas de Jeová para entrar em minha casa. A minha família costumava sair correndo e se esconder nos fundos da casa, porque diziam: ‘Oh, meu Deus, ele está abrindo a porta; eles estão na sala de estar!’ Eles estavam sentados lá e eu me unia a eles em Jesus. Eles adoram Jesus. Lá estava a nossa pepita. Nós poderíamos nos juntar a isso e nos regozijar em Jesus. Os Missionários Mórmons saem ao redor do mundo. Quando eu ia à Praça do Templo, eles vinham até a mim. Um dos missionários mórmons veio até a mim e disse: ‘Eu amo Jesus. Eu amo Jesus e entreguei a minha vida a ele e eu estou muito feliz.’ E eu disse: ‘Eu sei exatamente o que você quer dizer!’

[(*) Minha obs.: A Praça do Templo (em inglês: Temple Square) é uma praça de cerca de dez acres (40 mil m²) localizada em Salt Lake City, Utah. A praça pertence à Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias e tem sofrido sucessivas reformas para abrigar prédios adjacentes ao Templo de Salt Lake. Fonte: Wikipédia.]

Você simplesmente participa do que tem em comum. Não há tempo para separar a semântica e separar as coisas, você está lá para se juntar. Você está lá para sentir a conexão, para ver se não há lacuna. Para mim, é disso que se trata UCEM. Você treina a sua mente tão completamente para se unir que chega a um estado sobre o qual Jesus fala no suplemento A Canção da Oração e Ele o coloca em itálico, Ele diz: ‘Não vejas erros’.

Não vejas erros? Uau. Que tipo de estado de espírito é esse?

Na maioria das vezes, enquanto você está trabalhando com o Curso, primeiro você identifica o erro. Você percebe isso em você mesmo ou em outra pessoa. Você é rápido em identificá-lo. Então você diz: ‘Socorro. Ajude-me a voltar, voltar à minha mente certa.’ Na maioria das vezes, quando você trabalha com Um Curso em Milagres em um sentido prático, você vai identificá-lo primeiro. Você identificou, você entendeu. Você percebe, você acredita, é o que eu digo.

Quanto mais você purifica, permitindo que o Espírito Santo purifique o seu coração, é como a Bem-Aventurança: ‘Bem-aventurados os puros de coração, porque eles verão a Deus’. É para onde este Curso está levando. Isso está levando a um tal estado de pureza que você realmente não identifica mais o erro. Você sabe que tipo de estado de espírito é esse?

Agora existe um sonhador do sonho. Com o Mister Magoo, aqueles olhos físicos não estão funcionando muito bem, mas ele pode andar pela estrada, ele pode ir a qualquer lugar. Ele está tão feliz. Esses são os tipos de modelos que você começa a se abrir quando está trabalhando com UCEM. É meio simples, na verdade, quando o Mister Magoo se torna o seu modelo.

[Obs. minha: Mister Magoo, é um personagem fictício de desenho animado criado no estúdio de animação da United Productions of America em 1949. Mister Magoo é um aposentado rico e de baixa estatura que entra em uma série de situações cômicas como resultado de sua extrema miopia, agravada por sua teimosa recusa em admitir o problema. No entanto, através de estranhas faixas de sorte, a situação sempre parece se resolver para ele, deixando-o não pior do que antes. Fonte: Wikipedia]

‘Em quem você acredita? Buda?’ ‘Mister Magoo’. Uau, isso é um ditado (provérbio) interessante; é um ‘Magooísmo’.

Então, você começa a se divertir com isso e a se alegrar e a se divertir e a relaxar com isso. Então você começa a tomar isso como um elogio quando alguém chega até você e diz que você está ‘meio fora de si’.

No medidor Magoo você está ficando bem alto lá! Parece um pouco com a salvação em termos de UCEM. No Curso, Jesus diz que a salvação vem com o reconhecimento (conscientização),

Eu não sei o que sou e, portanto, não sei o que estou fazendo, onde estou ou como olhar para o mundo ou para mim mesmo (T-31.V.17:7).

Entretanto, é aprendendo isso que nasce a salvação. E O Que tu és te falará de Si Mesmo (T-31.V.17.8-9).

É para lá que você está indo, caso algum de vocês esteja preocupado. Mas lembre-se, você está seguro. Você é invulnerável, então, em certo sentido, pode relaxar com isso. Você não está sendo carregado apenas para ficar à deriva e acabar dormindo na rua.

Alguns de vocês sabem que a partir de Eckhart Tolle o que pode ser parte de sua jornada, um banco de jardim aqui e ali, todos nós já tivemos isso, mas não é o seu ponto final. Você acaba ficando com o estado de ser ‘o sonhador do sonho’ [o observador, o tomador de decisões]. Você está tendo um sonho lúcido onde você está apenas ciente de que você está sonhando. A certa altura, Jesus disse que essa é a função dos professores de Deus:

A consciência(*)do sonhar é a função real dos professores de Deus (MP-12.6.6). [grifo do autor]                                                  

[(*)Minha obs: No original em inglês é utilizada a palavra awareness que foi traduzida por consciência na edição FIP do Curso; para retratar melhor o significado verdadeiro de awareness propomos traduzir para consciência no nível da realidade; a outra palavra para consciência em inglês é traduzida por consciousness, que significa a consciência no nível da percepção; a primeira está no nível metafísico e a segunda no nível mundano]

Uma percepção muito interessante de sonhar. Lembre-se, se você é o sonhador do sonho, o sonho não pode te machucar. Você está sonhando. Você não está no sonho de outra pessoa.

Alguns de nós já trabalharam em empregos em que nós sentíamos que o chefe tinha um sonho muito forte acontecendo lá, mas o Curso treina a sua mente para dar a volta por cima e ver. ‘Não, eu sou o sonhador do mundo dos sonhos. Nenhuma outra causa tem ou nunca terá.’ É uma sensação de empoderamento.

O que eu estou dizendo é que a Expiação, a Iluminação, é muito, muito prática.

Você passa por muitas fases com o Curso. Você possui um Manual de Professores onde estão professores e estudantes. Mesmo que Jesus saia logo no início e diga que não há diferença entre o professor e o estudante, é tudo a mesma coisa, você está apenas ensinando a si mesmo o tempo todo. Mesmo que você pense que está separado do estudante ou do professor, tudo está acontecendo simultaneamente. Ele tem níveis de ensino; Ele fala sobre os três níveis e os examina.

Eu parecia estar tão feliz anos atrás que eu queria que as pessoas aparecessem e dissessem: ‘Eu sou o seu estudante.’

Eu diria: ‘O que é isso?’ Chegou ao ponto em que você começa a perceber que ensinar e aprender são realmente iguais a pensar. Você está pensando com o ego ou com Cristo. E você está ensinando o tempo todo. Não existe a função de ser professor ou de ser estudante. Você começa a prestar muita atenção aos seus pensamentos e aprende a entregá-los ao Espírito Santo quando eles não são de amor, quando eles são pensamentos de ataque.

É realmente muito simples. Você começa a perceber que não quer congelar em um conceito ou em uma função. Assim que você se identifica com um papel, mesmo que seja professor de UCEM e alguém aparece e rouba o seu papel, você diz: ‘Ah!’. Se você tem uma carga, se você tem uma reação, isso significa que você está identificado com uma ilusão, com um conceito [com o sistema de pensamento do ego].

Assim como o Budismo, este é um Curso para esvaziar a sua mente de tudo o que você pensa que pensa e pensa que sabe. Ele o faz de uma forma muito sistemática. Ele prepara você para ficar quieto, ter a mente aberta, estar tranquilo.

Uma mente tranquila não é um dádiva pequena.

A meditação, por exemplo, começa com a prática. Você tem que estar vigilante por Deus e o Seu Reino. Você precisa treinar a sua mente para pular dos trens, como se diz no budismo, ou afundar sob as folhas e deixar que elas fluam sobre você.

Mas chega um ponto em que a sua vida se torna uma meditação viva. Você pode estar cantando Zip-a-Dee-Doo-Dah como nós fizemos hoje e você está em meditação [durante o Workshop]. Você pode estar caminhando, pode estar comendo e os seus olhos podem ser abertos ou fechados. Você começa a perceber que a meditação não tem nada a ver com postura ou respiração. Essas coisas podem ser muito úteis no início, como ter lugares tranquilos para ir e focar na respiração. Eu não estou descartando isso.

O que estou dizendo é que para onde você está sendo levado em termos de Expiação é independente do corpo e do tempo.

[Minha obs: A música “Zip-a-Dee-Doo-Dah” do filme “Song of the South” (“A Canção do Sul”, no Brasil ) é um filme Estadunidense, do gênero comédia, produzido por Walt Disney e essa música ganhou o Oscar de Melhor Canção Original em 1948. Fonte: Wikipedia]

Pode parecer haver ruído ou nenhum ruído. Pode haver alguém berrando e gritando ou uma sala cheia de pessoas caladas. Você começa a perceber que não pode ser interrompido. Se todas as coisas funcionassem juntas para o bem, o que seria uma interrupção? Uma interrupção não existiria. Eu estou falando de um estado de espírito sem distrações.

Uma das coisas que achei importante ao aceitar a Expiação é perceber que o Espírito Santo usa tudo na forma para alcançar o estado de Expiação.

Outro nome para o ego é reciprocidade. Quando nós olhamos para relacionamentos especiais, isso é realmente como um núcleo de codependência. Um núcleo de relacionamentos especiais é quando você está em um relacionamento interativo onde você faz uma barganha para dar a eles, mas é melhor eles retribuírem a você, ou então!

Há muitos peixes neste lago e eu posso encontrar outro peixe se você não retribuir. Eu vou levar o lixo para fora esta semana, mas na próxima semana, você retribui. Reciprocidade é o que o ego é.

Se você estuda a vida dos místicos e santos como Madre Teresa ou São Francisco, lê em suas orações que eles estão sempre falando em dar, estender, irradiar e não buscar nada em troca. Eles estão apenas na alegria de dar. Na oração de São Francisco, ‘Eu quero amar em vez de ser amado’. Você não está procurando por aquele ‘ser amado’; você está simplesmente estendendo o amor. Por quê? Porque dar e receber é o mesmo. Se você está estendendo amor, adivinhe quem se sente inteiro e completo. Você, de fato. O mesmo com a Madre Teresa, pois ela fazia as coisas mais simples para todas as pessoas que encontrasse, porque ela estava vendo Cristo em todas as pessoas que ela encontrava. É muito simples, é apenas uma extensão de amor.

Tornou-se muito claro para mim no início de minha jornada que Jesus estava falando comigo e dizendo a mesma coisa que disse aos apóstolos há 2.000 anos. ‘De graça você recebeu, agora dê de graça.’ Seja muito generoso com milagres. Faça brilhar a luz. Reserve um tempo para todos que vierem à sua consciência. Trate a todos com amor, cuidado e compaixão. Porque quando você conhece alguém, você está realmente se encontrando. Quando você pensa em alguém, você está realmente pensando em si mesmo. A maneira como você trata a todos é a maneira como você trata a si mesmo e você precisa estar nesse modo de não olhar para receber as coisas de volta.

Quando comecei, primeiro eu disse: ‘Jesus, isso parece bom. Não sei sobre este planeta em particular, acho que é meio prático pedir coisas e ter algumas expectativas.’ E Ele disse: ‘De graça recebestes, agora de graça dás’. Jesus me disse muito especificamente: ‘Você nunca cobrará dinheiro por nada. Você nunca cobrará um centavo por nada. Nada que você escreva, nada que você diga, nenhum aconselhamento, nenhuma conversa e nenhuma reunião. De graça você recebeu, agora dê de graça.’

Quanto mais eu me envolvia nisso, mais percebia que estava liberando a minha mente de expectativas porque o amor não exige nada. Se você está vivendo em um estado de confiança em que acredita que o Espírito Santo atenderá às suas necessidades, sejam quais forem, você está confiando no Amor Divino para atender a todas as suas necessidades percebidas. Você não está culpando os seus irmãos e as suas irmãs.

Pense em como as guerras são travadas por disputas territoriais. Ou pense em como as crianças brigam por um pedaço maior de torta ou os vizinhos brigam por uma cerca. Acontece que quando nós entramos em um estado de ego, de personalidades, então parece que as defesas estão lá. Parece que você tem que lutar e se proteger, mas este não é o nosso Ser.

É realmente uma questão de confiança para mim. Quando eu comecei a fazer isso, eu não sabia o quão prático isso era para mim. Eu não sabia como isso iria funcionar. Mas Jesus disse: ‘Confie em mim. Vá em frente e faça isso.’ Isso tem continuado nos últimos 16 anos. Tenho observado como o Espírito Santo orquestrou isso para que tudo fosse cuidado. Ele diz que não será feito por nossos próprios esforços. Como o Curso diz:

Ele irá diante de ti endireitando as tuas veredas e não deixando em teu caminho nenhuma pedra em que possas tropeçar, nenhum obstáculo para impedir o teu passo (T-20.IV.8:5).

É quase como um conto de fadas, como algo que você pode ler em um livro de contos de fadas. É para onde isso está levando; está levando você a essa confiança no Espírito. Você está sendo levado a tal estado de dependência de Deus que pode relaxar. Você pode relaxar em sua função, em sua vocação, em seu propósito.

As pessoas dizem, isso não é ir muito longe? Sim, isso é ir muito longe, isso é bastante inflexível. Eu diria que, se uma mente curada é aliviada da crença de que deve planejar, então você pode seguir o seu caminho regozijando-se e confiando que tudo está indo para o seu próprio bem e que é quando você pode realmente relaxar. Você não tem essas expectativas de que as pessoas devem agir de forma diferente. Ou você não acredita que eles deveriam lhe dar isso ou aquilo. O deveria começa a se dissolver. Você está em um estado de doação. É muito prático. Quando dediquei totalmente a minha mente a isso, eu fui recompensado com a certeza de que todas as coisas estão trabalhando juntas para o bem. É um estado de não julgamento.

Essas reuniões que eu faço não são discussões ou palestras, eu realmente não faço isso. Alguém estava me dizendo que havia algumas pessoas na plateia que queriam fazer perguntas que não puderam ser ouvidas, então eu estou com o microfone e estou abrindo a palavra para que todos possam fazer perguntas.

Sessão de Perguntas e Respostas

Questionador: Eu quero perguntar sobre a questão da confiança. Qual tem sido a sua experiência com confiança quando se trata de pessoas com doenças terminais, com pessoas que estão morrendo. Quais são os seus pensamentos?

David: Para quem não ouviu, quando você trabalha com confiança, o que acontece quando você confronta alguém com uma doença terminal? Como a sua confiança enfrenta uma doença terminal neste mundo?

Tive essa experiência na década de 1990. Eu estava visitando um dos meus estudantes, em Michigan. Ele estava hospedado com a sua namorada e ela pertencia a uma comunidade. Um dos membros da comunidade foi diagnosticado com uma doença terminal e estava realmente em seu leito de morte. Literalmente, ele estava no sofá da casa de sua irmã e estava morrendo. Ele estava chegando aos estágios finais da doença terminal.

Você já viu o comercial de cereais, “Let’s get Mikey to do it?” [“Vamos pedir ao Mikey para fazer isso?“] O meu estudante disse, isso é ótimo, vamos fazer com que David vá até a casa do homem moribundo e veja o que acontece! Talvez nós vejamos algo do tipo Lázaro, vamos ver o que acontece quando você traz David com uma doença terminal!

A maneira como eu me preparei para isso foi em espírito de oração. Foi uma cena muito sombria na percepção do mundo e o luto começou. O homem estava deitado no sofá e a sua irmã estava lá. Eu simplesmente entrei e me sentei lá e comecei a orar. Nesse estado de oração, eu estou sempre disposto a ser usado pelo Espírito Santo. Mas não sei o que vai acontecer, nunca faço ideia. O Espírito Santo é o como.

Parte do cenário era que a sua irmã era católica. Depois de orar por vários minutos, todas aquelas palavras começaram a fluir através de mim. Eu comecei a falar, a compartilhar e algumas ideias de Um Curso em Milagres começaram a surgir. A irmã estava ficando nervosa. A certa altura, ela disse: ‘Sinto-me muito desconfortável com tudo o que está acontecendo aqui. Você e os seus amigos vão ter que ir embora’. O homem que estava no sofá, que estava morrendo, com todas as suas forças levantou o braço e disse: ‘NÃO. Deixe-o continuar.’

Acontece que esse homem que estava morrendo no sofá era um estudante de Um Curso em Milagres. Eu não sabia disso; eu apenas fui convidado para estar lá. Ele disse: ‘Eu quero ouvir o que ele tem a dizer’. ‘Eu estudei este Curso e havia coisas que tive dificuldade em aceitar. Eu sinto que este é o Espírito Santo falando comigo agora.’ Toda a situação mudou.

Eu digo esse exemplo porque nós precisamos ter fé em confiar no Espírito Santo e não para antecipar as situações em que nós seremos chamados a falar. Essa foi uma situação em que o Espírito Santo queria ser perceptível e parecia mudar toda a compleição [disposição de ânimo] de tudo.

Eu tive outra situação com um homem que estava em seu sofá e aparentemente foi diagnosticado com câncer em estágios avançados. Nós tivemos um encontro tão poderoso e Santo que os seus olhos estavam brilhando quando parti, porque nos unimos tão profundamente em um propósito que ele percebeu que tinha uma escolha. Ele não estava perdendo o seu tempo e esperando para morrer, ele estava interessado em orar e ler materiais metafísicos em seu sofá.

Você começa a perceber que tudo é resultado de uma decisão. Quando nós usamos a frase ‘doença terminal’, isso significa uma doença que está destinada a levar à morte. Você chega a um estado de tal confiança que é ensinado por Jesus que não existe morte. Na verdade, essa é uma lição do Livro de Exercícios:

Não há morte. O Filho de Deus é livre (LE.pI.163.Título).

O que você faz é trazer essa atitude, você traz a alegria. Quando você transcendeu a morte em sua própria mente, transcendeu o pesar.

Outro exemplo é que me pediram para falar no funeral da minha avó. Minha avó Lillian viveu cerca de 99 anos. Mas toda a minha vida nós tivemos essas conversas profundas sobre Deus. Ela dizia: ‘Eu simplesmente não acredito que Deus enviaria ninguém para o inferno. Eu simplesmente não acredito nisso.’

Eu dizia: ‘Eu também’. Ela era uma mulher tão amorosa que em todos os anos em que a conheci, eu nunca fiz nada de errado. Eu nunca fiz nada de errado aos olhos dela. Ela foi um símbolo de amor incondicional para mim.

Pediram-me para falar no funeral dela. Eu cheguei lá e estava orando sobre isso. Ela estava em minha mente e o que ouvi foi: ‘Quero falar no meu próprio funeral’. Eu pensei, ok, isso vai ser interessante. Já ouvi falar de ventriloquismo, mas para aparecer no seu funeral … Eu me levantei e eles já tinham um pastor que havia feito a maior parte do serviço e Lillian simplesmente veio fluindo através de mim. As pessoas foram tocadas e começaram a chorar porque ela havia tocado tantas vidas. O que quer que tenha sido dito, as pessoas a reconheceram. Elas começaram a chorar e todo o lugar estava chorando.

Eu falei por cinco minutos. Foi uma celebração. Não havia um pingo de pesar nisso. Ela realmente não acreditava na morte! Ela estava deixando todo mundo saber disso. ‘Agora que vocês estão todos aqui, agora que não podem mais me ver, eu tenho boas notícias para vocês. Não há morte.’ Depois, o ministro veio até mim e disse: ‘Eu gostaria de ter um bloco de notas para anotar o que foi dito.’ No cemitério havia todas essas flores que todos mandaram e eu estava dizendo: ‘Peguem essas flores. Levem com vocês e comemorem este dia. Este é um dia de alegria e celebração. Lembrem-se de Lillian por quem ela realmente é. Ela vive em vosso coração para sempre.’

Isto é o que eu quero dizer com não acreditar na doença terminal ou na própria morte. No mundo, um funeral pode ser algo muito sombrio. O luto neste mundo parece quase natural, um período de luto. Mas quando você atinge um estado de perdão, de ‘tenha bom ânimo, eu venci o mundo’, você pode ser verdadeiramente útil.

Outro exemplo de perdoar doenças terminais foi quando eu treinei para ser voluntário em um hospício. Eu treinei como voluntário junto com um ministro que havia sido diagnosticado com leucemia. Nós fomos ao Wendy’s [rede americana de lanchonetes] para tomar um gelado. Ele estava me dizendo que havia sido diagnosticado com leucemia e que ela havia se espalhado pelo sistema sanguíneo e que ele tinha pouco tempo de vida e isso e aquilo. Eu orei e olhei nos olhos dele e disse: ‘Há alguém em sua vida, um ente querido, um ente querido com quem você não está se relacionando?’ Ele ficou chocado. Ele disse: ‘Oh meu Deus, como você sabia sobre minha irmã?’ Eu perguntei se ele estava conversando com a sua irmã e ele disse que não se falavam há anos. Eles tiveram uma grande desavença.

Eu disse a ele que o seu problema não era leucemia. É interessante conversar com alguém que foi diagnosticado com leucemia e ser honestamente capaz de dizer a ele: ‘O seu problema não é a leucemia; há uma queixa que você guarda em mente contra a sua irmã. É aí que você tem que fazer o trabalho. Não se preocupe com o que o médico disser, quanto tempo você terá de viver.’ Eu dei a ele uma tarefa. Eu disse a ele que queria que ele fosse para casa e ligasse para a sua irmã.

Eu o vi duas semanas depois, quando nós estávamos treinando para o hospício. Era interessante que nós estávamos treinando para trabalhar com pessoas com doenças terminais e ele tinha sido diagnosticado com uma. Ele veio até a mim duas semanas depois e disse: ‘Você não vai acreditar no que aconteceu. Eu fui para casa e liguei para a minha irmã. Nós deixamos a intriga para trás. Nós rimos, choramos e depois fiz mais exames e eles não encontraram vestígios de leucemia. Os médicos ficaram surpresos.’ Eu disse que isso é o que os médicos fazem. Eles são como curadores não curados. Eles tentam fazer o melhor que podem, mas não percebem que a cura está na mente e não no corpo. Ele estava tão feliz.

Finalmente eu consegui ir para a enfermaria do hospício. Eu estava com médicos e enfermeiras e eles estavam se sentindo pesados. Eu falei com eles e eles disseram que se sentiam como se estivessem na linha de frente de uma zona de guerra. Nem tanto com os pacientes, porque eles estavam lá para lhes dar analgésicos e administrar amor e compaixão. Mas quando as famílias chegavam e todos desabavam em grande dor, eles se sentem como se estivessem no Vietnã na linha de frente. Era apenas pesado. Quanto mais eu estava lá, eles perguntavam: ‘O que há com você? Você valsa como se fosse Fred Astaire dançando no hospício! [analogia ao filme ‘Cantando na Chuva’, com Fred Astaire] Existe algo que você sabe? Você poderia nos contar o seu segredo? Por que você está tão feliz?’

Eu disse: ‘A vida é real. A vida é eterna. Ela está além do corpo.’

Eles disseram, seja o que for, nós sentimos isso. Alguns dos pacientes entraram em coma ou não estavam respondendo. Eles estão ali em estado de coma e eu entro na sala e eles se animam. Eles diriam: ‘Oi’, eu diria: ‘Ei, oi.’ Então, eles diziam: ‘Posso fazer algumas perguntas? Eu quero falar sobre a minha irmã ou isso e aquilo e eles iriam de comatosos a animados comigo e faziam essas perguntas. Basicamente, o que eu sempre dizia a eles é que eles eram amados, eram inocentes, não fizeram nada de errado, você fez um ótimo trabalho, vá para a luz, você é a luz.

No dia seguinte, eu entrei e ouvi, aquele paciente, fulano, saiu. Então, em vez de tentar salvar vidas, você começa a perceber que não está tentando salvar o corpo, apenas querendo compartilhar a inocência. Você está dando a mesma dádiva para si mesmo. Você é perfeitamente inocente. Você não fez nada de errado. Isso é o que é a cura. O corpo é apenas um veículo temporário que você usa. É como um lápis. Você pode usar isso. Mas a sua vida é a Ressurreição em sua mente. Quando se trata de algo como doença terminal, há uma grande linha no Curso que ajuda a me salvar sempre que eu sou pego. Jesus diz:

…a mente que pensou que o corpo pudesse estar doente é que estava doente… (T-28.II.11:7).

O que Jesus de fato fez foi simplesmente ressuscitar a Sua mente. Todos estão familiarizados com a história de Jesus. Trinta anos de ministério público, uma cena de crucificação e ressurreição. Mas o que eles nunca nos disseram, os pregadores e os ministros, foi que a ressurreição ocorreu antes da crucificação. Antes da crucificação? Espere um minuto, David, você entendeu a história errada! Antes? Sim, lembra quando Jesus estava no rio Jordão com João? Jesus saiu e disse a João para batizá-lo e João disse: ‘Não, você deveria me batizar, você é Um Só.’ Jesus lhe disse, ‘Não, batize-me.’

[Minha observação, só para relembrar o que a Bíblia diz: ‘Mateus 3:16–17 – Novo Testamento: 16 E sendo Jesus batizado, saiu logo da água, e eis que se lhe abriram os céus e viu o Espírito de Deus descendo como pomba e vindo sobre ele. 17 E eis que uma voz dos céus dizia: Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo.”]

João batizou Jesus e uma pomba voou e pousou na cabeça de Jesus. E uma voz falou e disse: ‘Este é meu Filho amado em quem me comprazo.’ Você já percebeu o que aconteceu depois daquela cena? Jesus começou a falar com as pessoas em um tom muito diferente. ‘Antes que Abraão existisse, Eu Sou’. Isso soa como um ser humano para você? ‘Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vem ao Pai, a não ser por mim.’ Isso soa como um ser humano? A mente de Jesus foi ressuscitada antes de seu ministério público. E aquela pequena encenação no final de sua ‘vida’ terrena era uma pequena encenação. Era como, ‘Bem, nós temos que deixar um exemplo. Que tipo de esquete (paródia, sátira) podemos fazer? Judas, aqui, nós queremos que você desempenhe este papel. Aqui, nós vamos conseguir um pouco de prata para você. Mas faça o que fizer, vamos fazer rapidamente, vamos acabar com isso. Vamos fazer uma pequena encenação rápida.’

Jesus estava dizendo aos apóstolos exatamente o que aconteceria antes de acontecer.

‘Quando o templo for demolido, será reconstruído em três dias.’ Hmmm, ressurreição. Jesus sabia exatamente o que o roteiro era. Não houve traição. Era apenas um monte de personagens encenando uma encenação para demonstrar inocência, impecabilidade.

Outra Pergunta

Questionador: Eu tenho estudado o Curso por alguns anos. Isso me levou de um lugar de perda a um lugar muito feliz, saudável e rico. Mas surgiu algo que é perturbador. Talvez você possa me ajudar. Eu continuo perguntando: ‘O que vem a seguir? O que você gostaria que eu fizesse a seguir?’

Agora Jesus parece dizer, romance e prazer sexual, é hora de deixar isso passar. Simplesmente não parece certo porque eu realmente gosto de garotas.

Este não é um Curso que quer tirar o pouco do que nós temos, certo?

David: Sim, isso me lembra de quando eu estava na América do Sul. Eu estava em um grupo na maioria de mulheres e havia um homem lá e ele caiu no círculo em que nós estávamos todos sentados de joelhos na frente de todas as mulheres e disse: ‘E quanto ao sexo?’ Ele estava de joelhos. Essa é uma boa pergunta. O que vou dizer é isso. O ego é a crença na falta da mente. É como um prisma e quando a luz entra em um prisma e se fragmenta em todas essas cores, da mesma forma quando o impulso milagroso chega, irradiando em sua mente, ele passa pelo filtro do ego. Uma vez que o ego é a crença na falta, o impulso surge na superfície da consciência, quando a mente ainda está acreditando no ego, como o que Jesus chama de ‘… um impulso milagroso distorcido’.

Em outras palavras, é realmente um chamado para o lar de Deus. É quando você tem um desejo, quando sente atração por uma mulher, quando sente luxúria, ou chame do que quiser, é realmente Deus chamando. Pense nisso como Deus discando o seu número e dizendo: ‘Venha para casa. É hora de voltar para casa, hora de pegar a estrada para o Céu.’ Quando essa luz, quando essa luz brilhante, esse impulso milagroso, vem através do ego, que é a crença na falta, surge na superfície da consciência como um desejo. É por isso que todos os apetites envolvem obtenção. Não importa se você está com fome, com sede, com tesão, com calor, com frio, com inquietação: isso vem de muitas maneiras diferentes.

Na verdade, quando Jesus ditou o Curso, o primeiro texto das notas taquigráficas, o Urtext, diz ‘impulsos sexuais são impulsos milagrosos distorcidos‘. Então Jesus decidiu fazer com que Helen voltasse e mudasse de ‘sexual’ para ‘físico’ porque Ele estava simplesmente sendo mais genérico. Como eu estava dizendo, quando você está com fome, quando está com sede, ou sempre que deseja algo neste mundo, é porque você acredita no ego, que é a falta. Você está simplesmente seguindo o que parece ser uma necessidade ou um desejo.

O Espírito Santo é uma presença tão gentil, Ele diz: ‘Eu sei que você acredita na falta. Tudo bem.’ Nós temos um Curso aqui com um Livro de Exercícios e um programa de treinamento mental para trabalhar nisso. Nada será tirado de você (no sentido) de que você precisa para experimentar milagres. [Você só precisa aprender a ouvir e seguir.] Você precisa chamar fulano, abraçar fulano de tal, confortar a pessoa, enxugar as suas lágrimas, ser um instrumento translúcido para o amor de Deus. Quanto mais você faz isso, mais você se enche de seus impulsos milagrosos. Você vai ser um trabalhador em milagres.

Nós tivemos exemplos ao longo da história. Alguns de vocês conhecem São Francisco. São Francisco e seu bando de homens alegres fizeram o voto de celibato. Você deve ter visto o belo filme, “Brother Sun, Sister Moon” [“Irmão Sol, Irmã Lua“, no Brasil], onde Giacondo está tendo esses pensamentos lascivos por uma mulher e São Francisco o ouve dizer ‘Não posso fazer isso, eu vou estragar tudo.’ São Francisco diz essencialmente que todos procuram abrir-se e amar a Deus ao máximo. E se o celibato parece uma distração para amar a Deus, então seja fecundo e multiplique-se. ‘Mas com uma esposa’ … Francisco diz ao sair.

Em outras palavras, você precisa confiar no Espírito Santo para tudo. O Espírito Santo não vai lhe dar um caminho que pareça privação e sacrifício, porque você vai parar de ouvir o Espírito Santo se começar a sentir isso. Seria como, ‘Eu não quero me sentir como São João da Cruz. O que vou fazer, Noite Escura da Alma? [Poema e Tratado de São João da Cruz] O que eu tenho que passar? ‘ Você deve receber um currículo cuidadosamente desenvolvido, passo a passo, para aumentar a sua confiança no trabalhar em milagres. O que Jesus diz no Curso é que,  

…todo o prazer real vem de se fazer a Vontade de Deus (T-1.VII.1:4).

[Minha obs.: O poema de São João da Cruz narra a jornada da alma desde a sua morada carnal até a união com Deus. A jornada é referida como “Noite Escura”, pois a escuridão representa as dificuldades da alma em desapegar-se do mundo e atingir a luz da união com o Criador. Há vários níveis nesta escuridão atados em sucessivos estágios. A ideia principal do poema pode ser vista como sendo a dolorosa experiência que as pessoas têm de suportar ao buscar crescimento espiritual e a união com Deus. Fonte: Wikipedia.]

À medida que nós nos abrimos para o que é isso, a nossa confiança aumenta. Nós crescemos em espírito. As pessoas podem olhar para a minha vida e dizer que ele confiou no Espírito Santo. Sem emprego, sem namorada, sem dinheiro em sua conta bancária para chamar de seu, sem casa, sem carro para chamar de seu, como se sente? Eu posso dizer honestamente que, quando você está em um estado de alegria, não há sentimento de sacrifício em nada. E o que a alegria vai custar a você? Não vai custar nada de valor real. Mas você tem que deixar o Espírito Santo te convencer. Eu tive que deixar o Espírito Santo me convencer.

Não existem regras definidas. Não é como a igreja. Não há ‘o que fazer’ e ‘o que não fazer’. Não há diretrizes, não há o que é pecado e o que não é pecado. Você será guiado pelo Espírito Santo para a situação em que a sua mente está. Essa orientação é apenas para você. Não existe uma resposta padrão que seja como uma coisa moralista rígida em que você tem que fazer isso ou aquilo.

Uma vez eu trabalhei com um casal que estava tendo problemas sexuais. A esposa estava estudando Um Curso em Milagres e sua libido estava caindo. O marido era judeu e estava dizendo a ela que eles deveriam fazer sexo e que ele queria pelo menos três vezes por semana e queria na segunda à noite e quinta à tarde e sábado à noite e ela estava dizendo, ‘de jeito nenhum’.

Basicamente, eu trabalhei com eles dizendo: ‘Que tal se nós pudéssemos trabalhar em um objetivo comum de ser espontâneo. Veja, que tal se vocês pudessem se unir e tentar sintonizar um com o outro para que possam receber avisos espontâneos e tentar praticar isso, em vez de dizer que um deve mudar ou o outro deve mudar.’

Parece que o nosso tempo para esta sessão está chegando ao fim. Muito obrigado por terem vindo. Deus o abençoe.

Imagem pexels-artem-beliaikin-2606518-2.jpg

…continua parte III…

Um milagre é uma correção. Ele não cria e realmente não muda nada. Apenas olha para a devastação e lembra à mente que o que ela vê é falso. Desfaz o erro, mas não tenta ir além da percepção, nem superar a função do perdão. Assim, permanece nos limites do tempo. LE.II.13

Nada real pode ser ameaçado.
Nada irreal existe.
Nisso está a paz de Deus.
T.In.2:2-4

Autor

Graduação: Engenheiro Operacional Químico. Graduação: Engenheiro de Segurança do Trabalho. Pós-Graduação: Marketing PUC/RS. Pós-Graduação: Administração de Materiais, Negociações e Compras FGV/SP. Consultor de Empresas: Projeto OREM® - Organizações Baseadas na Espiritualidade (OBEs). Estudante e Pesquisador Independente sobre Espiritualidade Não-Dualista; Psicofilosofia Huna e Ho’oponopono; A Profecia Celestina; Um Curso em Milagres (UCEM); Espiritualidade no Ambiente de Trabalho (EAT); A Organização Baseada na Espiritualidade (OBE). Certificação: “The Self I-Dentity Through Ho’oponopono® - SITH® - Business Ho’oponopono” - 2022.

0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
0
Would love your thoughts, please comment.x