…continuação Parte I…

4. A religião e a espiritualidade: convergências e diferenças

Repetimos que não é nossa [professor Anselmo] intenção fazer a apologia desta ou daquela religião. Mas o tema exige que se façam as devidas distinções e conexões com o universo empresarial, foco deste trabalho. Apesar do estreito vínculo entre os dois construtos, eles não são absolutamente sinônimos (McCormick, 1994). Dentre os muitos equívocos existe o de se confundir espiritualidade com religião ou piedade (Pierce, 2001). Na verdade, praticantes de religião e espiritualidade empregam termos comuns como: suporte, ética, moral, crenças, missão, valores, contemplação espiritual, envolvimento com a comunidade, o que torna a distinção entre ambas as práticas difícil de se estabelecer (Cash e Gray, 2000).

De acordo com Bruce (2000), a espiritualidade é normalmente encontrada dentro da tradição religiosa, embora não seja religião, isto é, não é associada àquela (Cavanagh, 1999), chegando mesmo a estar muito além das âncoras naquela contidas (Burack, 1999). Destituídas do dogmatismo e mesmo do fanatismo que amiúde cercam as religiões, assim pensamos nós, o tópico da espiritualidade torna-se mais isento para ser analisado pelas mentes humanas que não se sentem à vontade com determinados cultos.

Entretanto, somos forçados a reconhecer que as dificuldades não param por aí. Afinal, é complicado enxergar – e separar – valores não determinados pela religião daqueles determinados religiosamente. Em contrapartida, há também autores que apresentam uma visão extremamente cáustica acerca da religião e da espiritualidade no LT associando-a com elementos pessoais, irracionais e emocionais que foram banidos destes ambientes (por exemplo, Graber e Johnson, 2001). No entanto, as evidências vão numa outra direção onde os ganhos são mais claramente perceptíveis.

Demonstrando larga visão, Lama (2000) confessa que chegou à conclusão de que não importa se uma pessoa é adepta de uma crença religiosa ou não. Segundo ele, o que de fato importa é que uma pessoa seja boa. Ele lembra que a influência da religião nas vidas das pessoas é normalmente marginal, especialmente no considerado mundo desenvolvido. Na sua opinião, se considerarmos as religiões sob uma perspectiva mais ampla, notaremos que elas – ou seja, o Budismo, Cristianismo, Hinduísmo, Islamismo, Judaísmo, Siquismo, Zoroastrismo, entre outras – objetivam ajudar o homem a alcançar a felicidade duradoura. Como todas são capazes de tal feito, sustenta o autor, demonstrando, a propósito, grande sabedoria, é desejável e útil que haja uma grande variedade de religiões promovendo os mesmos valores básicos.

Portanto, a religião, sob esse prisma, tem um papel – quando não deturpado – de divulgadora de valores e condutas morais elevadas. Na verdade, essa foi sempre a sua missão, ou em outras palavras, o de inspirar o homem para o bem. Infelizmente, ao longo do tempo, algumas seitas distorceram os seus propósitos iniciais. Assim, o mal está, efetivamente, na prática cega e intransigente das religiões (ou de líderes religiosos) que toldam a visão e sobretudo o raciocínio dos seus profitentes. Porém, quando confinada à sua missão básica de pregar a fé e o progresso do espírito, a religião está, sem dúvida, contribuindo para a evolução da humanidade.

Lama (2000) considera também que a religião está relacionada com a crença do direito à salvação pregada por qualquer tradição de fé, alicerçada na aceitação de alguma forma de realidade metafísica ou sobrenatural, podendo até incluir uma ideia de paraíso ou nirvana. Associados a isso estão ensinamentos ou dogmas religiosos, rituais, orações e assim por diante. Já a espiritualidade está relacionada com aquelas qualidades do espírito humano, tais como amor, bondade, compaixão, paciência, tolerância, capacidade de perdoar, alegria, responsabilidade, integridade, noção de harmonia – que geram felicidade tanto para a própria pessoa quanto para os outros.

O ‘amálgama espiritual’ ainda expressa claramente a preocupação com o bem-estar do próximo (solidariedade e respeito ao semelhante). Assim sendo, não é imprescindível estar ligado a uma religião, seita ou sistema metafísico para desenvolver tais qualidades. Já Hawley (1995, p.17-18) vê a espiritualidade como objetivo e religião como caminho e o mesmo autor apresenta as diferenças entre religião e espiritualidade, conforme constam no quadro 2.

QUADRO 2 – DIFERENÇA ENTRE RELIGIÃO E ESPIRITUALIDADE

ReligiãoEspiritualidade
Produto de um determinado tempo local.O objetivo, mais do que o caminho.
Destinada a um grupo.Destinada ao indivíduo; uma jornada pessoal, particular.
Concentra-se mais no caminho para o objetivo; códigos de conduta.Contém elementos comuns a todas as religiões (amor, crença, regras básicas e assim por diante).
Um sistema de pensamento.Uma aventura em direção à nossa origem individual.
Um conjunto de crenças, rituais e cerimônias destinado a ajudar no progresso ao longo do caminho.Um estado, além dos sentidos (além até mesmo do pensamento).
Instituições e organizações.Investigação em direção ao EU verdadeiro.
Uma comunidade para compartilhar os fardos e as alegrias da vida.A transição da incerteza para a clareza.
Um modo de vida. 

Seja como for, a espiritualidade abarca elementos extremamente poderosos. Pode-se afirmar, com base no que ressuma da literatura consultada, que ela remove o que há de ‘pior’, ao mesmo tempo deixando (ou ativando) o que há de ‘melhor’ em cada um de nós. No LT ela se exterioriza nas pessoas de várias formas, mas sempre atrelada a alguma sensação ou sentimento positivo e de bem-estar.

Por exemplo, Pierce (2001, p.86-87) lembra que parte da EAT é assegurar que os empresários e executivos vejam os benefícios de um ambiente de trabalho feliz. O mesmo autor ensina que EAT diz respeito à evangelização, não por meio de proselitismo ou de uma forma fundamentalista, mas de um tipo estribado [apoiado] mais em ações do que em palavras. A disciplina da EAT pode ser praticada, em sua opinião, sem a necessidade de se forçar as nossas crenças religiosas em ninguém. E conclui que o propósito dessa disciplina deve ser o de converter as pessoas não ao nosso modo particular de pensar, mas a uma vida melhor no trabalho, o que mostra, em nossa visão, a importância do assunto.

5. Espiritualidade nas Empresas

Considerando que a maioria das pessoas suporta uma fé religiosa ou noção de espiritualidade, é natural supor que elas carreguem suas convicções para os LTs. Pode-se dizer que as suas atitudes e comportamentos tendem a refletir o grau de afinidade e congruência com os quais desposam tais crenças e princípios. O mesmo ocorre com o comportamento das organizações, pois convém recordar que as empresas são formadas por pessoas que para lá levam toda a carga de valores e ideais que as sustentam. Portanto, a prática empresarial tende a espelhar exatamente aquilo que os seus componentes acreditam e defendem, inclusive os aspectos morais (Anderson, 1997).

Quando a gestão de uma organização é movida por princípios elevados, torna-se, nas palavras quase poéticas de Neal (1999), um negócio consciente, indo além da responsabilidade corporativa, incorporando valores básicos e ideias calcadas no espírito para melhorar o ambiente em que ela atua e inspirando os seus esforços e iniciativas em assumir mais responsabilidade pelo abastecimento da alma humana.

Com propriedade, Oliveira (2001) argumenta que as empresas jamais poderão tratar o assunto espiritualidade de forma tão abrangente e direta como as religiões o fazem. Ele lembra que cada instituição tem a sua função específica. No entanto, ele ressalva que as empresas detêm um enorme poder para mudar – para melhor, obviamente – o mundo e as pessoas. Para Oliveira, talvez não exista outra instituição – exceção da família – com tal poder, nem mesmo a religião. De fato, são muitas as evidências a corroborar tal assertiva.

Segundo Oliveira (2001, p.67), o trabalho das empresas deve ser de complementaridade, tendo-se em vista que:

  • As religiões mostram-nos o caminho.
  • As empresas nos dão a oportunidade de trilhar o caminho.
  • As religiões ensinam o respeito e o amor ao próximo.
  • As empresas nos dão a oportunidade de amar e respeitar o próximo.
  • As religiões nos ensinam a orar e as empresas nos dão as oportunidades de arar.

Hawley (1995) interpreta o que está acontecendo como a chamada do objetivo, do significado e do caráter da vida e nos negócios; é a chamada do espírito que não se destina somente aos indivíduos. Briskin (1997) oferece outra reflexão intrigante, isto é, as organizações refletem a luz da sociedade mais ampla. Para esse autor, o que acontece na sociedade – perda de valores essenciais, utilização de bodes expiatórios e pânico por soluções -, reverbera nas empresas. Admitamos que a relação causal é consistente. Mas Briskin (1997) sensatamente adverte sobre o desafio de se criar cenários que representem o ser humano como um todo, o que implica, inicialmente, em enfrentar a dinâmica da sombra.

No plano mais prático, Matos (2001, p.15) considera que a abordagem espiritual no contexto das empresas é caracterizada por:

  • Verdades comuns. A filosofia da empresa.
  • Propósitos institucionais. A missão da empresa.
  • Orientação à ação. As políticas organizacionais.
  • Valorização humana. A essência da liderança e do negócio.

Cavanagh (1999) nota que a ética nos negócios e espiritualidade podem suportar um ao outro porque existem muitas semelhanças entre suas metas e aspirações. Sob a perspectiva religiosa, Friedman (2001), a propósito, ao examinar o impacto do Judaísmo nos negócios, também destaca a questão ética. Nesse ponto da investigação emerge, portanto, o fato de que a conduta ética constitui um dos pilares da espiritualidade. Por conseguinte, sugere-se que quanto mais sintonizadas estiverem as pessoas e organizações com esse valor basilar mais avanços se obterão no progresso moral humano.

Neck e Milliman (1994), por outro lado, vislumbram a possibilidade – plausível e desejável, ao nosso ver – de que, no futuro, a missão das empresas será mais voltada aos propósitos mais elevados de contribuição ao padrão geral de vida e qualidade da sociedade. Sob tal pressuposto, o termo lucro será menos um fim e mais um meio da atividade empresarial. Em termos de competição, Pierce (2001) argumenta que existem inúmeros casos de empresas que são bem-sucedidas sem a necessidade de esculhambar os seus concorrentes.

Já para Oliveira (2001), espiritualidade na empresa deve ser vista como ação da religiosidade, ou seja, o funcionário pôr em prática – em favor do próximo – o que sua religião prega. Assim, a empresa que cultiva a ideia de Deus em seu ambiente,

‘(1) transcende o sentido de identidade do funcionário, isto é, respeita e valoriza-o independentemente de sexo, profissão, cor, raça, crença e ideologia;

(2) crê que cada ser humano é portador de uma essência superior, ou de uma centelha divina;

(3) respeita a condição evolutiva de cada funcionário; e

(4) procura resolver, sem paternalismo, as dificuldades sociais e culturais do funcionário’ (p.140).

Como a maior parte das correntes religiosas ensina a prática do amor, da caridade, do respeito ao próximo e do bem sem limites – virtudes, aliás que consignam respeito e admiração aos seus portadores independentes de suas crenças particulares -, a rigor deveríamos, de fato, nos mirar em tais recomendações – inclusive as organizações humanas nas dimensões apropriadas. Afinal, as pessoas, em sã consciência, gostam de ser bem tratadas, respeitadas e atendidas. Assim sendo, poderíamos, por exemplo, ser mais exigentes conosco e com nossas organizações quando nos coubesse implementar mudanças. Uma empresa espiritualizada tende – com base no exposto – a ser mais receptiva à criação de condições para realização e felicidade dos seus funcionários.

Empresas com esse perfil permitem que os seus colaboradores contemplem outros aspectos da vida, além de facilitar-lhes (Levering, 1997) os compromissos com a família, os amigos e os hobbies pessoais. Elas compreendem que a qualidade de vida é coisa séria e buscam proporcionar aos seus funcionários, de todas as maneiras possíveis, meios para que dela desfrutem.

Matos (1998), a seu turno, observa que sem um projeto de empresa voltada á felicidade, cria-se espaço para empresas violentas (profundamente materializadas), cujas manifestações, desde tempos remotos, ganharam destaque após a Revolução Industrial e na pós-modernidade.

Essas organizações são caracterizadas pelo obsoletismo planejado de produtos e tecnologias e pela ambição desmedida e o lucro voraz que reduzem a qualidade de vida. Sua ênfase está em vencer, vencer e vencer, custe o que custar.

Freitas (2002) assevera que o individualismo e a racionalidade instrumental exacerbadas só podem produzir um mundo de egoístas e cínicos, o que não interessa a ninguém. Aliás, tais características constituem a antítese dos postulados discutidos até aqui. Afortunadamente, a espiritualidade está em pauta nas organizações (O’Donell, 1997) e a felicidade no LT é, inegavelmente, uma das suas mais cristalinas manifestações.

No mesmo diapasão, Matos (2001, p.35) reconhece que ‘A felicidade é um bem essencial de empresa, pois é fator de produtividade e garantia de renovação contínua. A pessoa feliz está aberta às transformações e à espiritualidade.’ Matos (2001) acrescenta ainda que, como princípio organizacional, a felicidade funciona como o meio social que proporciona bem-estar de espírito (sensação de paz), assim como estar bem, que quer dizer voltar-se ao outro (nosso companheiro de jornada, nosso cliente, etc.), contribuindo para a melhora das condições de trabalho.

E como resultado se tem a maior motivação do homem: realizar, realizando-se.

Todavia, tais estados só são alcançados quando ocorre a valorização do ser humano. Pode parecer até um pouco piegas nos tempos atuais falar de valorização humana. Mas, por mais paradoxal que possa parecer, esse é o caminho mais lógico a ser percorrido.

6. Os supostos benefícios associados à espiritualidade

Ao longo deste trabalho alguns benefícios associados à EAT já foram abordados, mas nesta seção pretendemos esmiuçá-los. Acreditamos que os ganhos atinentes à sua adoção não sejam facilmente mensuráveis, tendo-se em vista que não se trata de uma ferramenta de gestão propriamente dita. Num contexto em que tem prevalecido a lógica dos retornos financeiros de curto prazo, a demissão de funcionários sempre que um modesto sinal de anormalidade surja no horizonte e a busca incessante de estruturas hierárquicas horizontalizadas, quando não apenas minimalistas, tentar produzir transformações sem o apelo material soa como quase utópico.

Consequentemente, avaliar a perspectiva espiritual mediante tais critérios nos parece inadequado. Mas tão importante quanto a coluna de lucros é o conjunto de princípios que poderiam – assim nos parece – nortear a gestão de um negócio quando se abarcam os postulados da espiritualidade. Como a lógica exclusivamente materialista – cujos sinais são sobejamente conhecidos – tem trazido muita infelicidade ao LT, a contrapartida espiritual poderia teoricamente levar – assim especulamos – a um desejável equilíbrio.

Por isto, o quadro 3 apresenta uma síntese dos potenciais resultados da EAT extraídos da literatura revisada.

QUADRO 3 POTENCIAIS CONTRIBUIÇÕES DA EAT

PARARESULTADO ESPERADO
PESSOAS* Valores
* Virtudes
* Atitudes
EMPRESAS* Valores
* Responsabilidade social
* Visão
* Valorização humana
* Qualidade

No que concerne às pessoas (empregados), a compreensão – e, sobretudo, assimilação – sobre o significado da espiritualidade – inspirado ou não em crenças religiosas e baseado no senso comum – pode levar a uma mudança de valores. A partir daí, aspectos conscienciais passam a atuar com muito mais vigor. Por conseguinte, passa-se a cultivar determinadas virtudes que antes estavam um tanto quanto esquecidas, tais como: misericórdia, compaixão, bondade, honestidade, caráter, entre tantas outras. O respeito aos semelhantes torna-se obrigação. Readquire importância a necessidade de paz interior e outras dimensões da vida como família, lazer, saúde e solidariedade.

O lado mais visível dessa transformação é a mudança de atitudes. As pessoas tendem a ser mais brandas, justas e serenas na condução de suas vidas diárias. Em decorrência disso, elas sentem a necessidade de fazer aos outros aquilo que gostariam que a elas lhes fosse feito. Lesar, enganar, manipular e explorar os semelhantes se tornam atitudes absolutamente intoleráveis. Descobre-se, enfim, que a vida é muito mais que um cargo e um bom salário. Além disso, adquire-se mais força e equilíbrio psíquico para se enfrentar as vicissitudes da existência (afinal, quem não as têm?).

No outro extremo estão as empresas que, segundo Mitroff e Denton (1999b), quando vistas como mais espiritualizadas, obtêm mais de seus participantes e vice-versa. Ou seja, é uma troca em que todos tendem a sair ganhando. Ou, como sugere Butts (1999), direciona ao desenvolvimento humano completo. Para Rosenbluth e Peters (1998) as empresas têm todo o direito de esperar o melhor de seus empregados desde que elas criem um ambiente à altura de tais expectativas.

Entretanto, Milliman et. Al. (1999) asseveram que se a questão da espiritualidade pode er um impacto positivo em empregados e organizações, ela é relevante porque muitos CEOs não irão aceitar a sua prática, ao menos que ela favoreça a linha de lucro. A essa altura, entendemos que as mudanças que a ideia de espiritualidade enseja podem contribuir também para os resultados. A propósito, Mitroff e Denton (1999a) avaliam que se as organizações desejam ser lucrativas no longo prazo, precisam aprender a como ser espiritualizadas.

Diante disso tudo, uma empresa só pode ser classificada de espiritualizada a partir do momento em que ela, tal qual as pessoas que a compõem, passa a ser movida por valores. E o lado mais saliente dessa virtude é a prática incessante da ética nas relações e decisões e no comportamento moral irreprochável dos seus dirigentes.

Sejam as organizações movidas por atitudes benignas e cooperativas – isto é, calcadas na espiritualidade -, ou focadas na manutenção do valor de suas reputações, o tema da ética passou a ser uma preocupação crescente (Zylbersztajn, 2002).

Hoje, a dimensão responsabilidade social é uma questão empresarial estratégica e, como tal, deve ser tratada, indiscutivelmente, como um investimento que melhora a performance de longo prazo das empresas (Varadarajan e Menon, 1988, p.59), apesar de muitas empresas encararem-na – juntamente com sustentabilidade – como coisa somente ao alcance dos ricos (Handy, 2002).

Na opinião de Herman e Gioia (1998), clientes, acionistas e outros stakeholders estão procurando por mais do que apenas lucro, o que não deixa de ser auspicioso, pois organizações que não praticarem a responsabilidade social tendem a receber o desprezo de toda a sociedade. A visão, por sua vez, para ser integradora deve necessariamente ser compartilhada entre os seus membros. Não há mais dúvida em relação a isso.

Conforme Senge (1998, p.235), ‘Uma visão compartilhada, especialmente uma visão intrínseca, eleva as aspirações das pessoas. O trabalho torna-se parte da busca de um propósito superior incorporado aos produtos e serviços das organizações…’ E o mesmo autor acrescenta que ‘As visões são excitantes. Criam a centelha, o entusiasmo que eleva a organização do mundano (…).’ Se a visão for suficientemente convincente, os empregados terão orgulho em se envolver e dela fazer parte.

Nesse sentido, Neck e Milliman (1994) esclarecem que o desenvolvimento de uma visão espiritual pode amarrar os empregados á empresa e elevar a performance, segundo Thompson (2000), baseado em estudos efetuados pela Harvard Business School e Vanderbilt University Business School, em 400 a 500% em termos de ganhos líquidos, retorno sobre o investimento e o valor para os acionistas.

No bojo da EAT, está a valorização humana; é uma condição sine qua non. Não como um artifício retórico, mas através de ações concretas. Do contrário, se tem a desconfiança, o ceticismo e, por fim, a desarmonia no LT. Mais grave ainda: a perda de talentos e capital humano, cuja substituição pode até ser, dependendo das circunstâncias, impossível. A valorização para Oliveira (2001, p.69) significa enxergar cada funcionário na sua condição plena, isto é, biológica, mental, emocional, espiritual, filosófica e social.

E a razão dessa tendência, segundo ele, não é filantrópica, mas é que as empresas estão se tornando mais inteligentes. Finalmente, elas descobriram que nesse mundo sistêmico e interligado elas só sobreviverão se obtiverem do seu pessoal um trabalho de verdadeira equipe em que predomine a visão holística. E equipes, lembra o autor, são formadas de pessoas. Segue daí a inevitabilidade de as empresas valorizarem e respeitarem, crescentemente, os seus funcionários. Quem procede de modo contrário, provavelmente enfrentará sérios problemas no futuro.

Por fim, um outro elemento crítico e indispensável é a qualidade. Com qualidade queremos dizer a preocupação com o provimento de produtos e serviços que embutam uma perspectiva societal. Ou seja, soluções que apresentam qualidade de vida e que, por isso mesmo, contemplem a sociedade (bem-estar do homem), os consumidores (satisfação de desejos) e das empresas (lucro) conforme recomendam Kotler e Armstrong (2003).

Podem ser considerados exemplos de tais condutas: (1) Johnson & Johnson no caso da adulteração das cápsulas de Tylenol que, não obstante a geração de uma perda imediata de 240 milhões de dólares, fortaleceu a confiança e a lealdade do consumidor para com a empresa e a marca continua a ser a mais consumida dos Estados Unidos (Kotler e Armstrong, 2003); (2) a crescente onda de produtos orgânicos (Loturco, 2002); (3) o lançamento de um produto mais saudável da Elma Chips (O Salgadinho…, 2002).Acreditamos que a sociedade tenderá, cada vez mais, a execrar produtos e serviços não saudáveis.  

Sugerimos que as empresas que desrespeitam o meio ambiente, funcionários e consumidores e que prejudicam a saúde humana não ‘rezam’ pelos ditames da espiritualidade. Embora existam muitos outros benefícios associados à espiritualidade, dadas as limitações de espaço, nesta seção nos detivemos aos essenciais.

7. Desafios, implicações e recomendações para futuros estudos

A essa altura da investigação revelou-se que os benefícios e os desafios da ELT são igualmente significativos. Migrar de um padrão assentado no materialismo exacerbado e no lucro inconsequente para a proposta espiritualizante envolve a superação de gigantescos obstáculos. Entretanto, se as dificuldades são consideráveis, as recompensas, aparentemente, também o são. Não é uma tarefa fácil, mas é perfeitamente viável. Para Mitroff e Denton (1999a), as organizações só enfrentarão os desafios desse milênio se lidarem com as preocupações ligadas à EAT. Em nossa visão, tais preocupações estão fortemente apoiadas na concepção de progresso humano.

Neal (1999), por sua vez, especula que as empresas deverão ser administradas de maneira diferente neste século. E um dos sinais de mudança, segundo o autor, é o fato de que as organizações estão começando a levar mais seriamente as suas declarações de valores e de missões. A coerência que os administradores terão de demonstrar em relação ao cumprimento dessas diretrizes exigirá um esforço hercúleo.

Um outro aspecto desafiador será o de reconhecer que, para as empresas se manterem competitivas, deverão ser altamente sensíveis às necessidades e expectativas de seus empregados (Herman e Gioia, 1998). Desconfiamos que organizações que tratarem os seus funcionários sem a devida consideração e respeito terão sérias dificuldades em atrair e manter os melhores talentos humanos. Sobre isso, Herman e Gioia argumentam que os trabalhadores não estão mais dispostos a fazer parte de um ambiente autoritário e desumano. Mas, se as condições não permitirem a eles imediatamente se afastar dos LTs com tais características, provavelmente na primeira oportunidade o farão.

Obviamente, às lideranças caberá um papel fundamental na construção da EAT. Nesse sentido, bons líderes podem levar as organizações (incluindo as pessoas) ao ‘céu’, enquanto os maus podem levá-las ao ‘inferno’. Com a mesma preocupação, Thompson (2000) adverte que se os executivos seniores compreenderem quão vital um AT espiritualizado é para as metas corporativas, eles certamente darão mais apoio ao seu desenvolvimento.

Apropriadamente, Konz e Ryan (1999) ressaltam que a espiritualidade dos líderes é a chave para a ELT. Segundo Frost (2003), eles podem criar uma cultura organizacional impregnada de reações compassivas, investindo nos processos de preparação das pessoas para responder às situações mais penosas de maneira generosa, afetiva e respeitosa.

Portanto, quanto mais espiritualizados os líderes forem, bem maiores as perspectivas de ambientes harmonizados e equilibrados. E aí reside um desafio crucial, ou seja, o de se conhecer os benefícios da espiritualidade. Como não é matéria ainda ensinada nas escolas de administração brasileiras, caberá aos interessados empenho em dominar um assunto que não é absolutamente esotérico, hermético ou dogmático, pelo menos no que diz respeito às suas implicações morais.

À guisa de sugestão, futuros estudos deveriam apurar, entre outras coisas, como as pessoas lidam com a ELT, isto é, associações, práticas, rotinas e hábitos religiosos-espirituais adotados para lidar com as crescentes pressões existentes, bem como os mecanismos usados no trato (1) com chefias autocráticas e (2) com o fato de trabalhar para empresas aéticas, exploradoras e insensíveis ao bem-estar dos seus funcionários e ao meio ambiente.

Quanto às lideranças seria muito elucidativo auscultar quais são as estratégias utilizadas por esses profissionais para lidar com a fé particular dos liderados e se a questão espiritual e/ou religiosa serve de inspiração nas tomadas de decisões.

E para empresas, a investigação de índices de absenteísmo, turnover, burnout, satisfação no trabalho e clima, por exemplo, poderia dar uma ideia do grau vigente de ELT.

8. Conclusões

Diferentemente dos padrões que até então dominaram as pessoas e organizações, a concepção espiritual vem romper com crenças e valores exclusivamente materiais, daí o seu caráter aparentemente ‘revolucionário’. Trata-se de uma mudança radical de paradigmas.

Por outro lado, espiritualidade não é um assunto tão novo assim, dada a sua estreita ligação com as religiões. O seu apelo é completamente voltado ao interior, à consciência, aos valores, enfim, que norteiam pessoas e, por extensão, instituições.

Hoje e cada vez mais tornam-se inaceitáveis determinados comportamentos e atitudes que venham a prejudicar pessoas, o meio ambiente e o bem-estar geral.

E a perspectiva espiritual vem nos lembrar que devemos viver uma existência digna e justa, de tratarmos as pessoas como gostaríamos de ser tratados, de não explorarmos, de não roubarmos, de não enganarmos e nem desrespeitarmos nossos semelhantes porque, conscientemente, não gostamos de ser explorados, de sermos roubados, de sermos enganados ou de sermos desrespeitados. Tais escolhas indicam, obviamente, o quanto se é espiritualizado, sejam pessoas ou organizações.

Desonestidade, mesquinhez, avareza, indiferença em relação à dor do próximo, impiedade, falta de compaixão e ética são características – encontradas em profusão em nosso planeta ainda – de atraso moral. Como contraponto, a questão espiritual vem, pelo que pudemos apurar, ajudar a despertar nas criaturas humanas o que elas têm de melhor, às vezes dormitando em algum lugar da consciência, esperando para desabrochar.

No dia a dia aderir à espiritualidade significa fazer sempre o melhor ao nosso alcance, de praticarmos a bondade sem limites, de levarmos para o LT – ou qualquer outro lugar – boas vibrações e sentimentos, a bondade, a harmonia e nossas capacidades e talentos visando ao bem-estar e ao progresso coletivo.

Para as empresas, por outro lado, introjetar os conceitos espirituais envolve dar oportunidades às lideranças que, por meio de ações e palavras, também se sintonizem com tais ideais. Potencialmente, tal atitude pode implicar no sacrifício imediato de lucros maiores, mas certamente se ganhará em respeito, admiração e na performance de longo prazo.

A EAT também envolve maior respeito à diversidade, às opções de cada um e ao direito que o trabalhador tem de ser informado sobre a estratégia, performance e metas da empresa. Em outras palavras, incentiva-se a participação e realização de todo o potencial humano.

Do lado estratégico, conforme averiguamos nas páginas anteriores, a EAT empurra as organizações para o cultivo de valores éticos-morais e práticas de responsabilidade social.

Diante do exposto, a nossa investigação aponta para o fato de estarmos vivendo o início de uma transformação silenciosa marcada pelo paradigma de espiritualidade (queiram adotar esse nome ou não). Ademais, o modelo tradicional de progresso que prevaleceu até hoje não conseguiu e não está conseguindo compatibilizar adequadamente as demandas e expectativas de todos os segmentos.

A nossa investigação revelou também que a concepção espiritual tem muito a oferecer de positivo às organizações e às pessoas – muito além do fad-management. Afinal, já há um considerável número de evidências empíricas que, por sua vez, sinalizam que a EAT cria uma nova cultura organizacional na qual os empregados se sentem mais felizes e desempenham melhor (Garcia-Zamor, 2003).

Ou seja, trata-se, ao que tudo indica, de um enorme salto qualitativo ou de uma quebra de paradigma numa direção nunca antes cogitada.

Bibliografia

  • Anderson, Carl. Values-based management. Academy of Management Executive.
  • Barret, Richard. Organizational Transformation Liberating the Corporate Soul. Business Spirit Journal Online. Disponível em http://www.bizspirit.com/bsj/.
  • Bell, Emma; Taylor Scott. The Elevation of Work Pastoral Power and The New Age of Work Ethic Organization.
  • Briskin, Alan. A Riqueza Espiritual no Ambiente de Trabalho: Quando o Sucesso dos Negócios Depende do seu Bem-Estar.
  • Bruce, Willa M. Public Administrator Attitudes about Spirituality: An Exploratory Study. American Review of Public Administration.
  • Burack, Elmer H. Spirituality in the Workplace. Journal of Organizational Change Management.
  • Burroughs, James E; Rindfleisch, Aric. Materialism and Well-being: A Conflicting Values Perspective. Journal of Consumer Research.
  • Butts, Dan. Spirituality at Work: an overview. Journal of Organizational Change Management.
  • Cash, Karen C.; Gray, George R. A Framework for Accommodating Religion and Spirituality in the Workplace. Academy of Management Executive.
  • Cavanagh, Gerald F. Spirituality for Managers Context and Critique. Journal of Organizational Change Management.
  • Cohen, Andy. The Guiding Light. Sales & Marketing Management.
  • Conlin, Michelle. Religion in the Workplace. The Growing Presence of Spirituality in Corporate America. Businessweek.
  • Freitas, Maria E. de. Cultura Organizacional: Identidade, Sedução e Carisma? 3ª Edição.
  • Friedman, Hershey H. The Impact of Jewish Values on Marketing and Business Practices. Journal of Macromarketing. https://www.macromarketing.org/journal/
  • Frost, Peter J. Emoções Tóxicas no Trabalho. Futura, 2003.
  • Garcia-Zamor, J.C. Workplace Spirituality and Organizational Performance. Public Administration Review.
  • Graber, David R.; Johnson, James A. Spirituality in Healthcare Organizations. Journal of Healthcare Management.
  • Gunther, Marc. God and Business. Fortune, July 9, 2001. www.fortune.com.
  • Handy, Charles. Para que Serve uma Empresa? Harvard Business Review. HBR América Latina. https://hbr.org/2002/12/whats-a-business-for
  • Hawley, Jack. O Redespertar Espiritual no Trabalho: O Poder do Gerenciamento Dinâmico. Editora Record.
  • Herman, Roger E.; Gioia, Joyce L. Making Work Meaningful: Secrets of the Future-Focused Corporation. The Futurist.
  • Konz, Gregory N. P.; Ryan, Francis X. Maintaining an Organizational Change Management.
  • Kotler, Philip; Armstrong, Gary. Principios de Marketing. 9ª Edição. Prentice Hall.
  • Laabs, Jennifer J. Balancing Spirituality and Work. Personnel Journal.
  • Lama Dalai. Uma Ética para o Novo Milênio. 7ª Edição. Sextante.
  • Leigh, Pamela. The New Spirit at Work.
  • Levering, Robert. Um Excelente Lugar para se Trabalhar: o que torna alguns empregadores tão bons (e outros tão ruins). Qualitymark.
  • Loturco, Roseli. A Religião da Pureza. Veja. Editora Abril.
  • Matos, Francisco G. de. Empresa Feliz. 5ª Edição. Makron Books.
  • ____. Empresa com Alma. Makron Books.
  • McCormick, Donald W. Spirituality and Management. Journal of Managerial Psychology.
  • Milliman, John; Ferguson, Jeffery; Trickett, David; Condemi, Bruce. Spirit and Community at Southwest Airlines: an investigation of a spiritual values-based model. Journal of Organizational Change Management.
  • Mitroff, Ian I.; Denton, Elizabeth A. A Spiritual Audit of Corporate America: a hard look at spirituality, religion, and values in the workplace. Jossey-Bass Inc.
  • ____; _____. A Study of Spirituality in the Workplace. MIT Sloan Management Review. Summer 1999b.
  • Moggi, Jair; Burkhard, Daniel. Como Integrar Liderança e Espiritualidade: a visão espiritual das pessoas e das organizações. Elsevier, 2004.
  • Neal, Craig. A Conscious Change in the Workplace. The Journal for Quality & Participation.
  • Neck, Cristopher P.; Millman, John F. Thought Self-Leadership: finding fulfillment in organizational life. Journal of Managerial Psychology.
  • O Salgadinho do Bem da Elma Chips. Exame. Editora Abril.
  • O’Donell, Ken. Endoquality: As Dimensões Emocionais e Espirituais do Ser Humano nas Organizações. Casa da Qualidade.
  • Oliveira, Alkindar de. Espiritualidade na Empresa. Butterfly Editora.
  • Pierce, Gregory F. A. Spirituality at Work: 10 ways to balance your life on the job. Loyola Press.
  • Reaching In, reaching out: MBA students explore spirituality, listening and managing conflict. Notre Dame Business Online.
  • Rosenbluth, Hal F.; Peters, Diane M. Good Company: Caring as Fiercely as You Compete. Massachusetts. Perseu Books.
  • Senge, Peter. A Quinta Disciplina. 3ª Edição. Editora Best Seller.
  • Thompson, William D. Can You Train People To Be Spiritual? Training & Development. Association for Talent Development (ATD).
  • Turner, Janice. Spirituality In the Workplace. CA Magazine.
  • Varadarajan, P.V.; Menon, Anil. Cause-related Marketing: a coalignment of marketing strategy and corporate philanthropy. Journal of Marketing.
  • Zohar, Danah; Marshall, Ian. QS: Inteligência Espiritual. Record. 2000.
  • Zylbersztajn, Décio. Organização Ética: um ensaio sobre comportamento e estrutura das organizações. Revista de Administração Contemporânea. Curitiba. ANPAD.

Notas

  • Ver o Novo Testamento. S. Mateus, capítulo XXII, versículos 15-22 e S. Marcos, capítulo XII, versículos 13-17
  • Ver o Novo Testamento. S. Mateus, capítulo VII, versículo 12
  • Ver o Novo Testamento. S. Lucas, capítulo VI, versículo 31

Autor do artigo: Anselmo Ferreira Vasconcelos. Consultor de Marketing, Vendas e Transformação Organizacional. Bacharel em Comunicação Social ESPM-SP. Mestre em Administração Empresas PUC-SP

Imagem pexels-fauxels-3184436.jpg


A Espiritualidade nas Empresas trata-se de uma Filosofia cujos Princípios podem ajudar tanto as Pessoas como as Organizações.

Autor

Graduação: Engenheiro Operacional Químico. Graduação: Engenheiro de Segurança do Trabalho. Pós-Graduação: Marketing PUC/RS. Pós-Graduação: Administração de Materiais, Negociações e Compras FGV/SP. Consultor de Empresas: Projeto OREM® - Organizações Baseadas na Espiritualidade (OBEs). Estudante e Pesquisador Independente sobre Espiritualidade Não-Dualista; Psicofilosofia Huna e Ho’oponopono; A Profecia Celestina; Um Curso em Milagres (UCEM); Espiritualidade no Ambiente de Trabalho (EAT); A Organização Baseada na Espiritualidade (OBE). Certificação: “The Self I-Dentity Through Ho’oponopono® - SITH® - Business Ho’oponopono” - 2022.

0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
0
Would love your thoughts, please comment.x