Série de artigos sobre ações éticas e antiéticas no negócio, com análises de controvérsias através das lentes do Individualismo (Teoria Econômica de Friedman), do Utilitarismo, do Kantianismo e da Teoria da Virtude, com parecer final, a cada caso, de especialistas em Ética, como Heather Salazar e associados.

Blog Business Ethics Case Analyses

http://businessethicscases.blogspot.com/

Autora: Heather Salazar – Filósofa de Metaética (Ética Analítica), Mente, Linguagem e Psicologia Moral. Professora Associada de Filosofia, Western New England University.

Observação: Metaética é o ramo da ética que estuda a natureza das propriedades, afirmações, julgamentos e atitudes éticas. É um dos quatro ramos tradicionais da ética (os outros são ética descritiva, ética normativa e ética aplicada). Fonte Wikipedia

Material para o nosso conhecimento e entendimento sobre as diversas teorias de ética no negócio, que foram contempladas nos artigos anteriores.

Tradução livre Projeto OREM®

7º caso que nós destacamos para análise:

A Maior Partida de Futebol do Mundo Até Agora, O Duelo Contra o Racismo

Site: http://businessethicscases.blogspot.com/2020/12/the-world-of-soccers-biggest-match-yet.html

Artigo de 2020.

O jogo de futebol (soccer, football) como quase todos os países o conhecem, é verdadeiramente o jogo do mundo em todos os sentidos. No total, o jogo é disputado por mais de 250 milhões de pessoas em 200 países ao redor do mundo. É mais popular na Europa, América Central e do Sul e na África, o que prova que o jogo é conduzido por tantos tipos diferentes de grupos de pessoas com tantas origens étnicas diferentes.

O mundo do futebol tem dois órgãos principais, sendo o primeiro a FIFA, que significa Federation of International football Association [Federação da Associação Internacional de Futebol]. Esse é o corpo dirigente que administra o futebol mundial, pois tem controle sobre todos os órgãos diretivos menores espalhados pelo mundo. Qualquer coisa que tenha a ver com o futebol internacional de alguma forma está completamente sob o controle da FIFA cem por cento.

O segundo corpo diretivo e definitivamente o maior é a UEFA. Que significa Union of European Football [União do Futebol Europeu]. Essa é a mais importante de todos as sub-associações do mundo devido ao fato de que a Europa é onde o futebol é mais densamente popular. Por um período de tempo impensável, o racismo sempre tem sido o maior problema geral que existe no esporte (European Football).

Devido ao fato de haver tantas etnias diferentes e que participam do jogo de futebol, fatores externos em interferências incluindo raça, religião e etnia, começam a desempenhar um papel importante em como muitos desses times e os seus torcedores se veem. O racismo veio a ser extremamente prevalente no futebol em meados da década de 1980 e isso só tem aumentado a partir de então. A questão tornou-se tão grande que até parece que ninguém sabe como abordá-la.

Mais recentemente, nos últimos dois anos, isso tem sido tudo o que se tem falado devido ao fato de que os casos raciais têm aumentado tanto nos últimos 2 a 3 anos (Ramsay). Junto com isso, muitos jogadores, torcedores, dirigentes e especialistas em futebol sentem que esses enormes órgãos governamentais não estão fazendo o suficiente para proteger contra o óbvio problema de racismo que vem ocorrendo há algum tempo.

Desde que o racismo começou a ocorrer em meados da década de 1980, a UEFA em muitos dos órgãos dirigentes de todo o mundo tomou algumas medidas para enfrentar a luta contra o racismo. No entanto, muitas e a maioria das pessoas, sejam jogadores, torcedores, dirigentes ou pessoas que estão apenas ao redor do jogo, sentem que as etapas não estão nem perto do nível de intensidade que elas deveriam ter ao falar sobre o grave problema de racismo que o jogo de futebol tem. É aqui que a verdadeira controvérsia começa a surgir.

O fato de quase todos os afiliados de futebol, não importa onde estejam, sentem que esses grandes órgãos governamentais como a UEFA não fazem absolutamente nada na luta para prevenir e silenciar o racismo.

Dentro dessa controvérsia, as teorias éticas poderia analisar as ações da UEFA para ver se elas realmente estão fazendo o suficiente para se enfrentar e proteger não apenas o jogo, mas os próprios jogadores.

Pelo seu ponto de vista Individualista, eles teorizam que a única responsabilidade ética do líder ou dos gerentes é aumentar a riqueza dos proprietários sem deixar de cumprir a lei. Nesse caso, um Individualista diria que a UEFA não está fazendo nada de errado e que está tomando as medidas corretas para garantir a sua verdadeira responsabilidade. Nesse caso, a verdadeira responsabilidade é aumentar a riqueza a todo custo, cumprindo as leis e eles o fazem porque estão tomando algumas medidas para tentar acabar com o racismo como um todo ao longo do jogo. O fato de o futebol e especialmente o futebol Europeu ser de longe o esporte mais lucrativo do mundo, isso realmente ajuda esse seu ponto de vista Individualista para esse argumento, devido ao fato de que muitos desses times estão além da riqueza e estão apenas se mantendo, o que é o principal objetivo do Individualismo.

O principal argumento a partir do seu ponto de vista oposto é o fato de que, embora muitos desses principais órgãos governamentais, como a UEFA, tomem algumas medidas de precaução para impedir o racismo, isso não está nem perto do que deveria ser, porque a saúde e a segurança geral dos jogadores, que são os responsáveis ​​por realmente trazer todo o dinheiro, deveriam ser primordiais.  

Do ponto de vista Utilitário, eles exigem eticamente que as pessoas maximizem a felicidade para o maior número possível de pessoas. Desse ponto de vista, eles veriam o comportamento da UEFA como além de antiético, devido ao fato de que as suas ações causaram inúmeras questões raciais que causaram danos, segurança e sério sofrimento a muitos de seus jogadores, torcedores e o resto de seu conselho. Isso se aplica especialmente aos jogadores que passaram por mais abuso racial do que muitos poderiam imaginar.

De acordo com a visão do Kantianismo, o qual julga as ações pelas decisões individuais que as pessoas tomam e os motivos que estão por trás delas, nessa situação, o Kantianismo afirmaria que a UEFA não está e não tem agido com ética ao longo dos muitos anos dessas controvérsias raciais. Pode-se dizer que a UEFA está usando os seus jogadores, funcionários, dirigentes e torcedores como um mero meio para fazer o seu trabalho e obter o máximo lucro possível. Ao fazer isso, eles não estão protegendo todos os seus funcionários, fãs e jogadores que sofreram muitos incidentes raciais horríveis ao longo dos anos.

A última das quatro teorias é a Teoria da Virtude, que enfatiza as quatro principais virtudes que incluem coragem, honestidade, temperança e justiça [equidade]. Nesse caso, as ações da UEFA seriam consideradas antiéticas em muitos aspectos devido ao interesse próprio, ganância e desumanidade.

Mudanças gerais necessitam ser feitas no sistema para, mais uma vez, manter a segurança da faculdade mental, do torcedor e do jogador como primordial, enquanto ainda prioriza o jogo de futebol.

O Histórico da Empresa

A UEFA ou a Union of European Football [União do Futebol Europeu] foi criada em 15 de junho de 1954. Essa é uma das seis confederações Continentais de órgão dirigente do futebol mundial e, por estrangeiros, a maior e mais premiada das seis. Essa associação é responsável por todo o futebol Europeu, incluindo competições nacionais e de clubes, como a UEFA Champions League UEFA Nations League, que agradam a cada e a todos os anos. O atual presidente é Aleksander Ceferin, que foi ex-presidente da Associação de Futebol da Eslovênia e foi eleito o sétimo presidente da UEFA em sua história em 2016.

No mundo de hoje, a UEFA é de longe uma das associações mais conhecidas em todo o mundo do esporte e tem competições como o caminho para a liga dos campeões ou algumas das competições de jogos de maior bilheteria da história do esporte mundial. A sede da UEFA fica em Basel, na Suíça e desempenha um papel importante na associação como um todo e todos os anos é onde as eleições acontecem. Alguns dos maiores e mais bem-conhecidos países estão incluídos e a união da UEFA incluem potências europeias como Inglaterra, Espanha, Portugal, França, Bélgica, Holanda e Rússia (Chaplin).

Essas são algumas das nações de futebol mais bem-sucedidas do mundo e é isso que torna a UEFA tão maior do que qualquer outra associação de futebol em todo o mundo, devido ao fato de abrigar a maioria de todos os melhores times do mundo, como dos 21 Mundiais disputados, 12 foram disputados apenas por times Europeus. No geral, o impacto e o papel que a UEFA desempenha no futebol do dia a dia em todo o mundo é enorme, especialmente na Europa, onde eles detêm a maior parte de seu controle. A associação toma todas as decisões gerais que têm a ver com qualquer tipo de futebol profissionalmente jogado com qualquer nação Europeia. Eles decidem as regras, regulamentos e leis do jogo e têm o maior impacto de todos no jogo de futebol (McCauley).

Controvérsia do Caso

A UEFA como associação tem sido responsável pela imensa onda de sucesso na popularidade que o futebol conquistou em todo o Continente Europeu. Desde a sua lenta ascensão quando foram formados pela primeira vez na década de 1950, até os dias de hoje, onde são sinônimos de algumas das competições mais populares e conhecidas em todo o futebol mundial. Devido ao fato de a UEFA ser considerada o órgão administrativo diretivo do futebol Europeu, eles são responsáveis ​​não apenas pela integridade do jogo e pela forma como ele é exibido, mas também pela integridade das equipes, funcionários e dos próprios jogadores.

Através da longa e comemorada história do futebol Europeu, tem havido uma doença que tem atormentado o jogo mais do que qualquer outra e isso é o racismo. Desde meados até o final dos anos 1980, o racismo tem sido um problema contínuo que tem causado inquietação dentro do esporte como nenhum outro. Centenas e centenas de problemas surgiram com reivindicações de todos os tipos diferentes de pessoas em todo o esporte. Membros de equipe, fãs e, acima de tudo, jogadores foram abusados ​​racialmente ao longo dos anos e parece que nenhuma medida real foi tomada para realmente conter a terrível doença que é o racismo (Denne).

Através dos incontáveis ​​anos da história do futebol, centenas de incidentes racistas foram relatados, seja de torcedores, funcionários ou dos próprios jogadores. À medida que os muitos incidentes se acumulam ao longo dos anos, muitas pessoas começaram a questionar a UEFA sobre as suas ações e a forma como responderam a isso. Depois que muitos desses incidentes horríveis continuaram ocorrendo repetidamente, torcedores, entusiastas e os próprios jogadores começaram a se posicionar contra a UEFA. Eles sentem e acreditam que a UEFA, como órgão regulador do futebol, não está tomando as medidas que deveriam tomar para proteger os seus jogadores corretamente.

Ao longo dos anos, a UEFA tem feito alguns regulamentos e leis devido ao problema do racismo e, com esses ajustes, não vieram nenhuma mudança, pois as pessoas sentem que não estavam nem perto de serem severos como eles [os ajustes] deveriam ter sido. Muitos jogadores expressaram a sua opinião sobre o fato de que a UEFA não tem feito nada pela luta contra o racismo desde o final dos anos 1990.

Eles estão se referindo ao fato de que em 1999 todos os países Europeus estavam ‘esquiando’ juntos como um só na luta contra o racismo onde a Network FARE [Football Against Racism in Europe] foi criada. FARE significa Futebol Contra o Racismo na Europa e essa organização foi criada devido ao fato de que no final dos anos 1990 o racismo estava se espalhando por toda a Europa e semanalmente havia uma infinidade de casos generalizados envolvendo racismo. Algo precisava ser feito e, pela primeira vez em muito tempo, a UEFA finalmente assumiu a responsabilidade e criou essa organização que estabeleceu um conjunto de regras que não permitiria mais que esses casos de racismo fossem varridos para debaixo do tapete. A FARE ainda existe hoje e é uma organização de resistência para aqueles que desafiam o racismo e a discriminação em toda a Europa no futebol. Eles trabalham em conjunto com associações nacionais, clubes e sindicatos de jogadores para combater o racismo e quaisquer formas de discriminação relacionadas em toda a Europa (Wachter).

Essa é considerada a última ação severa que a UEFA tomou contra o racismo e a discriminação em basicamente 20 anos. Desde então, a luta só ficou mais difícil, já que o racismo atingiu o seu pico mais recentemente.

Na temporada 2019-2020 mais recente, houve mais de 150 incidentes relacionados ao futebol que foram relatados à polícia como racistas, ‘um aumento de mais de 50% em relação ao ano anterior, em mais do que o dobro dos números de três temporadas atrás” (Guardian).

O racismo está realmente começando a correr solto novamente em toda a Europa, com a maior inclinação vindo da temporada 2017-2018 para a temporada 2018-2019, quando os números subiram de 98 para 152 casos relatados. Com o racismo aumentando tão rapidamente, muitos dos jogadores começaram a expressar as suas opiniões sobre o fato de que a UEFA não tinha feito o suficiente para proteger os seus jogadores e impedir que essas ações horríveis ocorressem. Apenas no ano passado, alguns dos piores incidentes relacionados ao abuso de racismo ocorreram em muito tempo.

Alguns dos exemplos disso foi um jogador Brasileiro chamado Malcom contratado com o Zenit St Petersburg, a sua primeira equipe profissional da primeira divisão, o que foi uma grande conquista. Essa equipe está localizada na Rússia e teve vários problemas raciais no passado. Nessa situação, Malcom estava no banco para a sua primeira partida e, no início do jogo, os torcedores exibiam um enorme banner informando que jogadores negros nunca eram bem-vindos ao clube. Tudo isso se relaciona e faz referência a um manifesto que foi escrito e criado por torcedores radicais do clube que desencorajam o clube de ter qualquer jogador negro (Davies). O racismo está realmente correndo nas veias dos torcedores desses times e os jogadores estão sofrendo tremendamente.

Além disso, talvez duas das piores situações de abuso racial vistas na temporada passada ocorreram em setembro, quando o jogador da Inter de Milão Romelu Lukaku marcou um gol e depois foi insultado e abusado racialmente pelos torcedores Italianos adversários, fazendo uma dança de macaco e coçando as suas axilas em sua direção enquanto ele celebrava o gol.

A outra ocorreu em outubro durante as eliminatórias de 2020, quando a Inglaterra jogou contra a Bulgária. O jogo teve de ser interrompido duas vezes apenas na primeira parte, nova regra aplicada pela UEFA que permitia ao árbitro paralizar o jogo em qualquer uma dessas situações. As pessoas achavam que essa lei era um grande passo, mas ainda não o suficiente na luta contra o racismo. Durante a situação, a Inglaterra havia marcado contra a Bulgária e foi o Afro-Americano Rahim Sterling quem fez o gol. Torcedores Búlgaros no estádio começam a fazer saudações Nazistas e barulhos de macaco para o jogador e isso resultou na interrupção do jogo (Blum).

Ações desprezíveis como essas levaram ao problema que nós temos hoje e ao futebol em todo o mundo. O racismo é e sempre será uma questão constante até que medidas reais e contundentes sejam tomadas para proibir o racismo no caminho. Todos esses exemplos com ações de racismo não foram menosprezados por quase todos os entusiastas e jogadores de futebol ao redor do mundo, especialmente na Europa, que é o principal caso que nós estamos analisando. A UEFA tem sido solicitada repetidamente a realmente intensificar as suas ações a favor da luta contra o racismo e todas as vezes os torcedores e jogadores sentem que eles falharam novamente. É dever da UEFA manter não apenas a integridade do jogo, mas também manter a segurança dos jogadores e torcedores considerados como o mais importante.

Por quase 40 anos, o mundo do futebol tem se sentido decepcionado na luta contra o racismo. Muitas das respostas a essas alegações é que eles de fato fazem o que podem no mais alto nível para evitar qualquer ação racista de qualquer tipo. No passado, onde a UEFA intensificou, segundo eles, foi com todo o seu anúncio de dizer não ao racismo. Essa é a principal reivindicação da UEFA na luta contra o racismo, já que isso de fato colocou toneladas de memorabilia e placas nos estádios quando os seus jogos acontecem. Desde que isso tenha acontecido, alguns sentem que, embora seja um bom esforço em uma campanha forte, muitas vezes é usado contra o propósito, pois em algumas ocasiões os fãs desrespeitaram completamente o anúncio e o banner como um todo .

Muitos entusiastas do futebol em todo o mundo estão começando a acreditar e sentir como se a UEFA quase considerasse isso uma piada. Uma das principais razões pelas quais as pessoas estão começando a se sentir assim é devido a algumas das ações recentes que a UEFA tem tomado (Blum).

Na liga Italiana de futebol, a Série A, onde boa parte dessas questões raciais ocorre ano a ano, uma propaganda antirracismo foi lançada para a nova temporada. Nesse anúncio, três chimpanzés ou macacos foram exibidos e em seus rostos havia pinturas de cores diferentes de times diferentes ao longo das ligas. Dizia-se que as imagens ‘difundiam os valores de integração, multiculturalismo e fraternidade’ (Gourdian).

FARE, o grupo antidiscriminação que desempenha um grande papel no jogo de futebol twittou, ‘Mais uma vez o futebol Italiano deixa o mundo sem palavras. E um país em que as autoridades falharam em lidar com o racismo semana após semana, a Série A lançou uma campanha que parece uma piada de mau gosto.’ Logo após o lançamento do anúncio, jogadores e torcedores de futebol de todo o mundo expressaram a sua opinião sobre o quão horrível ele realmente parecia.

No geral, a UEFA tem empregado apenas pequenos passos na luta contra o racismo, incluindo coisas como interromper a partida ou colocar anúncios anti-racistas em muitos outros jogos, mas o problema do racismo tornou-se muito sério no esporte e medidas muito mais rígidas necessitam ser tomadas para garantir a segurança dos torcedores e jogadores (McVeigh).

Stakeholders (Partes interessadas)

As partes interessadas inseridas na UEFA, a Union of European Football Association, inclui todas as 55 nações que estão em cooperação com a associação. Se o país está em cooperação com a UEFA, então o próprio país também faz parte das partes interessadas, juntamente com todas as ligas do país que competem em qualquer competição da UEFA.

Um exemplo disso pode ser a English Premier League e a Inglaterra, uma vez que todas as equipes da Inglaterra participam de muitas de suas competições em toda a Europa, todas as suas equipes em suas cinco principais ligas têm participação da própria UEFA. Um exemplo de time da Premier League seria o Liverpool, que acabou de vencer a Liga dos Campeões da UEFA na última temporada [2019].

Junto com isso, uma vez que todas as equipes têm uma parcela das partes interessadas, assim como os próprios jogadores. Isso permite que todos, de baixo para cima, tenham uma pequena opinião no processo de tomada de decisão do futebol Europeu, embora com as ações que a UEFA toma pareça que a opinião de mais ninguém além das pessoas no topo importa. A relação entre a UEFA e todas as suas ligas, clubes e jogadores é feita por memorandos de entendimento acordados com a Liga Europeia de Futebol Profissional, Associação Europeia de Clubes e FIFPRO Division Europe (UEFA).

Individualismo

Do ponto de vista Individualista, diz-se que a única responsabilidade ética do líder ou gerente é aumentar a riqueza dos proprietários sem deixar de cumprir a lei.

Pelas informações que nós temos obtido com base no seu ponto de vista Individualista, o Individualista diria que as ações da UEFA não foram antiéticas pelo fato de cumprirem as leis e ainda aumentarem o mundo do jogo de futebol como um todo pois é o esporte mais próspero do mundo.

Existem duas maneiras de ver o Individualismo. A primeira é a visão de Milton Friedman, que afirma que o único objetivo dos negócios é lucrar dentro das restrições da lei. Isso significa que uma empresa deve fazer tudo e qualquer coisa que puder para obter lucro, independentemente do impacto sobre os outros, desde que esteja dentro das diretrizes da lei. A segunda maneira de ver o Individualismo vem de um homem chamado Tibor Machan, que criou a sua própria ideia de Individualismo chamada Individualismo Clássico. Afirma, ‘de acordo com Machan, o único objetivo direto do negócio é lucrar e a obrigação primária do empresário é maximizar o lucro ( Salazar).

Com essas duas visões diferentes de Individualismo em mente, os Individualistas em geral diriam que a UEFA como um todo seguiu esses valores porque o seu objetivo principal número um era lucrar com o jogo de futebol e eles continuam a fazer isso todos os anos, não importa as questões ou problemas que envolvem o jogo. A parte difícil desse argumento vem do lado da lei e se a UEFA estava realmente protegendo os seus jogadores sob as leis e valores que eles têm declarado.

A UEFA tem tomado algumas medidas ao longo dos anos para deter o racismo tanto quanto possível, mas esse chamado esforço máximo que eles fazem é sentido por muitos torcedores e jogadores como se fosse muito menor do que isso deveria ser. Como mostram as estatísticas, das temporadas de 2014 a 2015 até a temporada de 2018 a 2019, a receita geral da UEFA continuou aumentando constantemente. A última receita relatada que a UEFA divulgou foi durante a temporada 2018-2019, onde marcou uma receita massiva de € 2,8 bilhões.

Enquanto nós continuamos analisando o ponto Individualista de se ver essa controvérsia, a parte mais difícil será sempre se a UEFA realmente faz o suficiente para proteger os seus jogadores. Ao longo dos anos, muitos esforços da UEFA na luta contra o racismo foram vistos por jogadores e torcedores. A verdadeira questão é se esses esforços são suficientes quando o racismo é de longe o maior problema no mundo do futebol. Como centenas e centenas de incidentes raciais continuam a ser relatados a cada ano, os fãs e jogadores sentem como se você estivesse aqui porque os seus esforços não estão nem perto do nível que eles deveriam estar devido à verdadeira preocupação do problema.

O racismo está presente no esporte há quase 40 anos e parece que a UEFA sempre toma as medidas mínimas necessárias para mostrar que ainda cumpre o que diz. As pessoas e os jogadores querem mais da UEFA, mais leis, mais punições e regras mais rígidas.

De um ponto de vista geral, o fato de a UEFA ainda fazer algum esforço para combater o racismo dentro do esporte mostra que eles ainda estão tomando medidas para proteger os seus jogadores agora, mesmo que não seja suficiente para as medidas necessárias que estão ocorrendo, eles ainda estão cumprindo o que eles disseram sobre proteger os jogadores. Um exemplo de mudança que a UEFA fez mais recentemente é que os jogos agora podem ser completamente interrompidos devido a qualquer abuso ou interferência racial no jogo (UEFA).

No geral, sob a visão Individualista, os jogadores e torcedores estão sendo protegidos, enquanto ao mesmo tempo a UEFA ainda está maximizando os seus lucros enquanto cumpre todas as leis necessárias.

Kantianismo

O Kantianismo é uma teoria ética que foi criada por Immanuel Kant e tem quatro princípios básicos. Esses quatro princípios básicos: agir racionalmente, ajudar os outros a tomar decisões racionais, respeitar outras pessoas e ser movido pela Boa Vontade e tentar fazer a coisa certa. O Kantianismo se concentra principalmente na racionalidade e na Boa Vontade e em fazer o que é correto para o bem da humanidade. Ele afirma que é completamente errado manipular e explorar as pessoas para o seu próprio benefício e afirma que todas as coisas devem ser feitas sob a Boa Vontade das pessoas. Dentro dessa teoria existe um imperativo categórico, que é basicamente um teste que indica se uma ação é inadmissível ou permissível. Dentro do imperativo categórico, está a fórmula da humanidade que afirma veementemente que você nunca deve usar as pessoas como meio para conseguir o que deseja, pelo fato de as estar explorando para o melhor bem de você mesmo (Salazar).

Com base nas informações coletadas sobre o Kantianismo e o processo de pensamento por trás de uma teoria, os Kantianos afirmariam que a UEFA não está e não tem estado agindo eticamente com os torcedores e jogadores do futebol. O Kantianismo verdadeiramente procura tratar avaliando e estimando as ações dos indivíduos e as suas decisões com base em seus motivos gerais e como eles tratam as pessoas.

Nessa controvérsia e situação, a UEFA está usando todos os seus funcionários, dirigentes, torcedores e jogadores em seu próprio benefício, a fim de maximizar o lucro do jogo sem o devido cuidado e proteção que os torcedores e jogadores realmente merecem. Ao fazê-lo, aceita o fato de não parecer ou sentir que o mais importante para a UEFA é a segurança dos seus torcedores, funcionários e jogadores devido ao fato de terem lidado com questões raciais em todo o esporte durante quase 40 anos e durante todo esse tempo, a UEFA e muitos dos principais conselhos administrativos do futebol deram apenas pequenos passos mínimos para prevenir o racismo.

Os torcedores, funcionários e jogadores são a verdadeira razão para o futebol trazer toda a receita que ele faz todos os dias. Sem os jogadores não haveria jogo, não haveria estádio e a torcida não existiria porque o time não existiria. Portanto, o que mais importa para a UEFA são os jogadores que fazem o jogo acontecer todos os dias e os torcedores que aparecem e dão a eles o enorme lucro que eles obtêm todos os anos. Nessa situação, a UEFA está usando os torcedores e os jogadores como meio para obter o máximo lucro possível. Para que a UEFA resolva isso, medidas maciças necessitam ser tomadas para mostrar aos jogadores e torcedores que a mudança está chegando, com novas leis, regulamentos e regras sendo aplicadas ao esporte.

Utilitarismo

O Utilitarismo é basicamente explicado como em maximizar a felicidade para você e para os outros. O objetivo é maximizar a felicidade para todos os envolvidos, minimizando a infelicidade para todos. É muito simples a ponto de que a felicidade é a chave de tudo. De acordo com DesJardins, ‘O Utilitarismo nos diz que nós podemos determinar o significado ético de qualquer ação olhando para as consequências do ato’ (DesJardins). Isso basicamente diz que qualquer ação pode ser vista como boa ou ruim, observando as consequências que surgem da própria ação. Nessa situação, há duas ações.

A primeira ação é a incidência de abuso racial que continua a ocorrer todos os anos no futebol. A segunda ação, ou a chamada ação, é realizada pela UEFA. Essas são as pequenas mudanças nas regras, regulamentos e leis que eles fizeram ao longo dos anos. Com certeza parece que o que eles fizeram não foi suficiente para parar a doença que é o racismo.

A partir do ponto de vista Utilitário, essas ações e comportamentos são extremamente antiéticos de várias maneiras, devido à imensa quantidade de danos e dores que foram causados ​​aos jogadores devido a todas as questões raciais dentro do esporte. Tantos jogadores e atletas ao longo dos anos têm sido abusados racialmente e isso continua acontecendo hoje com alguns dos jogadores mais famosos do mundo como Neymar, Romalu Lukaku, Raheem Sterling, Trent Alexander Arnold e muitos mais que têm sido racialmente abusados apenas esse ano.

Junto com os jogadores, há também uma infinidade de casos que envolvem funcionários e principalmente brigas de torcedores decorrentes do racismo.

No geral, a UEFA não está fazendo o suficiente para criar um ambiente seguro e igualitário para todos durante a época do futebol.

Teoria da Virtude

A Teoria da Virtude concentra-se na racionalidade das pessoas nas escolhas que fazem em suas vidas. Existem quatro partes principais em sua verdadeira teoria que incluem temperança, honestidade, justiça e coragem. As virtudes ajudarão a decidir o comportamento racional de alguém. Segundo Aristóteles, as características das pessoas são diferenciadas com base na racionalidade da pessoa. Alguém que é ético dentro da Teoria da Virtude ‘age de modo a incorporar uma variedade de virtudes ou bons traços de caráter e de modo a evitar traços de caráter viciosos ou maus’ (Salazar 23). De acordo com os estudos de Aristóteles, é fundamental conhecer o propósito e o potencial de alguém para avaliar se ele pode alcançar o seu propósito ou potencial mais elevado.

De acordo com a Teoria das Virtudes, essas quatro virtudes principais [coragem, honestidade, justiça, temperança] são o que importa e se olharmos para a UEFA como um todo, eles não têm coragem nenhuma, pois ainda não se prepararam para a luta contra o racismo, mesmo depois de quase 40 anos de sendo esse um problema sério constante. É uma falta de coragem flagrante pelo fato de não quererem avançar e criar mudanças para um ambiente melhor pela razão de já estarem contentes com os imensos resultados que têm obtido do jogo ano após ano base. Eles também estão sendo completamente desonestos ao afirmar que são contra o racismo todos os anos com pequenos anúncios, mas não fazem um esforço real pela causa. Por último, mas não menos importante, está a ideia de justiça, que é a pior das quatro nesse caso com a UEFA. Esses jogadores, torcedores e funcionários merecem justiça pelo que passaram e, no entanto, a punição da UEFA por essas horríveis ações raciais não chega nem perto do que deveria ser. 

Plano de Ação

Nos dias de hoje, a UEFA enfrenta o problema diário que tem tomado conta do jogo de futebol. Isso é o racismo e tem se espalhado pelo jogo de futebol por quase 40 anos. À medida que a multiplicidade de casos racistas continua a aumentar com o jogo, a UEFA não tem feito o suficiente para enfrentar a luta contra o racismo. Ao longo dos anos, a UEFA tem tomado algumas medidas para mostrar que é contra o racismo, mas a falta de esforço e verdadeiro sentimento de cuidado simplesmente não existem. Torcedores e jogadores sentem que a UEFA está inflexível e não tem feito nenhuma mudança real para impedir a doença que é o racismo.

Quando a UEFA continua a fazer coisas muito pequenas, como anúncios e faixas que mostram a sua luta contra o racismo, parece que para os torcedores dos jogadores eles estão diminuindo a importância real de quão ruim é o racismo em todo o esporte. Medidas muito mais severas e cruciais necessitam ser tomadas para finalmente impedir que o racismo domine completamente o jogo.

De acordo com a UEFA, a sua ‘missão central é promover, proteger e desenvolver o futebol Europeu a todos os níveis, promover os princípios da unidade em solidariedade e lidar com todas as questões relacionadas com o futebol Europeu’. Essa é a declaração de missão da UEFA sobre o seu verdadeiro pensamento sobre o futebol. Uma parte crucial da declaração que se destaca é o que foi dito sobre a promoção dos princípios da unidade em solidariedade e, nas centenas de casos de abuso racial que foram vistos ao longo dos anos, com certeza não parece que a UEFA está protegendo em cumprir o estrito conjunto de valores fundamentais.

Com a declaração de missão original e os valores fundamentais da UEFA em mente, algo necessita mudar. Pessoalmente, eu sinto que a declaração de missão e os valores centrais são extremamente bem escritos e exibem a visão e a posição corretas do esporte. De acordo com a declaração de missão, eles estão tentando proteger todos os seus jogadores e fãs enquanto os unem, apesar de suas diferenças pelo amor ao jogo. Infelizmente, as ações da UEFA ao longo dos anos vieram mostrar que isso não é tão importante para eles quanto deveria ser. Acredito que a UEFA precisa de um novo começo em toda a situação. Eu pessoalmente recomendaria que a UEFA mudasse a sua declaração de missão para mostrar que a mudança está chegando. Acredito que a declaração original deles é realmente muito bem redigida e mostra o valor do esporte e no que eles acreditam muito fortemente, mas com a falta de esforço anterior demonstrada pela UEFA, uma mudança na redação para mostrar que as mudanças estão sendo feitas, eu acredito que seria uma decisão inteligente por parte da UEFA.

Pessoalmente, uma reformulação para algo na linha de ‘A UEFA acredita firmemente nos seus valores fundamentais e na sua missão global de promover, proteger e desenvolver todo o futebol Europeu igualmente a todos os níveis do jogo. Isto inclui classificações iguais e justas para todos os clubes, ligas, jogadores e adeptos que fazem parte da família UEFA. Nós promovemos os princípios da unidade em solidariedade onde nenhum outro é tido em qualquer outro respeito ou posição superior e nós promovemos os verdadeiros valores de uma liga de futebol Europeia segura, igualitária e justa.’ Essas pequenas mudanças na declaração de missão com ajustes, incluindo palavras como igual e justo, permitem que as pessoas vejam que a UEFA está tomando uma nova direção, onde colocará o máximo esforço e cuidado para oferecer um jogo seguro, igualitário e não discriminatório para todos os que jogam.

De acordo com a UEFA, existem onze valores-chave que a UEFA considera mais importantes para o futebol Europeu. Esses valores incluíam futebol em primeiro lugar, estrutura piramidal e subsidiariedade, unidade e liderança, boa governança em autonomia, futebol de base em solidariedade, proteção da juventude na educação, integridade e fundamentos esportivos, fair play financeiro e regulamentação da competição, seleções e clubes nacionais, respeito, e modelo esportivo Europeu e especificação do esporte.

Todos os 11 desses valores-chave têm descrições que explicam o principal processo de pensamento da UEFA através desses valores. Com relação a esse caso, alguns dos valores mais importantes listados incluem aquele sobre unidade e liderança e respeito, que são dois dos valores mais importantes da lista. Apesar de todos esses casos de racismo e abuso racial que têm sido relatados que a UEFA tem feito passar os seus próprios torcedores e jogadores, não mostra nenhum reconhecimento por eles seguirem esses valores importantes que eles listaram.

A UEFA necessita recomeçar completamente, listando novamente os seus valores, deixando claro e evidente que resolver o problema do racismo é a sua principal preocupação. No meu plano de ação, punições e medidas mais severas serão tomadas para que o racismo seja totalmente erradicado do esporte. O racismo dentro do futebol é uma ação extremamente ampla, pois ocorre nas mais diversas instâncias e lugares. A punição será severa pelo fato de que o racismo não pode ser tolerado de nenhuma forma no esporte do futebol.

Para os jogadores e funcionários, se algum comentário racista for feito online por meio de blogs ou mídias sociais, suspensões e multas severas, dependendo da gravidade e da quantidade de ocorrências anteriores que você tiver. Por exemplo, com esses jogadores ganhando milhões de dólares, uma primeira ofensa levaria a uma multa de $ 500.000 e à suspensão dos próximos três jogos dos quais você participar.

Para punição no jogo, haverá novos regulamentos e leis do estádio publicados em todos os estádios da Europa que afirmam que toda e qualquer atividade racista de qualquer tipo resultará em uma multiplicidade de punições. Isso incluirá o jogo sendo completamente encerrado no local pelos árbitros, os torcedores protagonistas e o time serão multados, penalizados e suspensos dependendo da gravidade da ocorrência do caso. Punir tanto a torcida quanto o time obriga o próprio time a reprimir a sua própria cerca pelo fato de o time estar perdendo receita e tendo derrotas em jogos que nunca deveriam ter ocorrido devido às suas horríveis ações de racismo.

Mesmo que a UEFA comece a reprimir com mais força os torcedores e times devido à quantidade de incidentes raciais que estão ocorrendo, os lucros ainda serão maximizados e permanecerão os mesmos, devido ao fato de o futebol ser o esporte mais popular do mundo, de que qualquer quantidade de seguidores que a maioria dessas equipes Europeias tem é tão alta, devido a seus fãs, que os jogos sempre serão atendidos e lotados, independentemente das regras e regulamentos. Esses fãs têm um amor extremo pelo jogo e nada impedirá isso, mesmo que os regulamentos e regras se tornem muito mais rígidos com o tempo.

No geral, uma mudança crítica necessita ser feita para garantir a integridade e a segurança de todos os envolvidos no jogo.

Referências

Baxter, Kevin. “Soccer Newsletter: Racism Remains an Issue for the Sport.” Los Angeles Times, Los Angeles Times, 10 Dec. 2019, www.latimes.com/sports/story/2019-12-10/soccer-newsletter

Blum, Sam. “Why Racism Is on the Rise in Soccer Again.” GQ, Jan. 2020, www.gq.com/story/soccer-racism-on-the-rise

Chaplin, Mark. “The Values of UEFA for European Football’s Future: Inside UEFA.” UEFA.com, 16 Feb. 2017, www.uefa.com/insideuefa/about-uefa/news/01d7-0f85b44dbb55-e73ac91a5ffb-1000–the-values-of-uefa-for-european-football-s-future/

Davies, Guy. “Racism in Soccer an ‘Epidemic’ That Mirrors Disturbing Trends in Europe: Advocates.” ABC News, ABC News Network, Feb. 2020, https://abcnews.go.com/Sports/racism-soccer-epidemic-mirrors-disturbing-trends-europe-advocates/story?id=67850877.

Denne, Luke. “English Soccer’s Push to Fight Racism Is Reminder of How Long It Has Plagued the Game.” NBCNews.com, NBCUniversal News Group, 17 June 2020, www.nbcnews.com/news/world/english-soccer-s-push-fight-racism-reminder-how-long-it-n1231205

Doyle, Terrence. “Soccer Commentary Is Full Of Coded Racism.” FiveThirtyEight, FiveThirtyEight, 30 June 2020, https://fivethirtyeight.com/features/soccer-commentary-is-full-of-coded-racism/.

Engle, Jeremy. “Lesson of the Day: ‘When the Monkey Chants Are for You: A Soccer Star’s View of Racist Abuse’.” The New York Times, The New York Times, 16 Jan. 2020, 

Football, European. “Aleksander Ceferin: Uefa President Says Football Needs to Do More to Tackle Racism.” BBC Sport, BBC, www.bbc.com/sport/football/50662468

Guardian. “Sharp Rise in Football Racism as Incidents Go up by More than 50% in One Year.” The Guardian, Guardian News and Media, 30 Jan. 2020, www.theguardian.com/football/2020/jan/30/football-related-racist-incidents-sharp-rise-police-kick-it-out

Homeyer, Brad. “UEFA Isn’t Doing Enough To Protect Players Of Color From Racism.” The18, https://the18.com/en/soccer-news/uefa-racism-not-doing-enough.

Lane, Barnaby. “15 Racist Incidents from across the World of Soccer That Made 2019 One of the Sport’s Most Shameful Years Ever.” Business Insider, Business Insider, 30 Dec. 2019, www.businessinsider.com/the-shameful-list-of-soccer-racist-incidents-in-2019-2019-1.

McCauley, Kim. “Why UEFA Is Useless at Dealing with Racism in Soccer.” SBNation.com, SBNation.com, 14 Oct. 2019, www.sbnation.com/soccer/2019/10/14/20914442/uefa-racism-abuse-protocol-england-vs-bulgaria-euro-2020

McVeigh, Niall. “Serie A Anti-Racism Artwork Featuring Monkeys Condemned as a ‘Sick Joke’.” The Guardian, Guardian News and Media, 16 Dec. 2019, www.theguardian.com/football/2019/dec/16/serie-a-receives-condemnation-anti-racism-artwork-monkeys

Smith, Rory. “’Intelligent’ or ‘Strong’: Study Finds Bias in Soccer Broadcasts.” The New York Times, The New York Times, 30 June 2020, www.nytimes.com/2020/06/30/sports/soccer/soccer-racism-broadcasting.html

UEFA.com. “Stakeholders: Inside UEFA.” UEFA.com, 13 Feb. 2017, www.uefa.com/insideuefa/stakeholders/

Wachter, Kurt. “Racism in Football – Football against Racism: The FARE Experience.” United Nations, United Nations, www.un.org/en/chronicle/article/racism-football-football-against-racism-fare-experience

Postado por Bem Silveria.

—–

8º caso que nós destacamos para análise:

Miami Herald Executando Inserção Racista por Quase um Ano

Site: http://businessethicscases.blogspot.com/2020/11/miami-herald-running-racist-insert-for.html

Artigo de 2020.

Resumo

Recentemente, esse ano, em setembro, o Miami Herald foi criticado por publicar uma inserção em seu jornal que era antiética. Nele, uma coluna que as pessoas pagam semanalmente afirmou que os Judeus Americanos apoiam ‘ladrões e incendiários’ e em outras colunas eles compararam os manifestantes do Black Lives Matter [Vidas Negras Importam] aos Nazistas (Brown).

Esses comentários incomodaram os leitores e assinantes do Miami Herald por causa das palavras odiosas e humilhantes usadas. The LIBRE (título da coluna onde foram publicadas as inserções racistas) era de propriedade de Demetrio Perez Jr., que vem sendo alvo de inúmeras investigações pelo jornal. Inclui alegações de que ele embolsou US$ 1 milhão em pagamentos de aluguel de escolas públicas. Isso causou problemas internos com a administração, pois a editora-chefe Nancy San Martin renunciou e o publisher e editora executiva do Miami Herald, Mindy Marques, não será mais a editora dos dois jornais. Embora essas tenham sido as pessoas responsáveis ​​pelos comentários odiosos publicados, Marques continua como editor executivo do Miami Herald.

Usando as teorias da ética do Individualismo, do Utilitarismo, do Kantianismo e da Teoria da Virtude, as ações do [jornal] Miami Herald podem ser analisadas posteriormente para ver o que levou ao problema e as consequências causadas por ele. A primeira das quatro teorias utilizadas é o Individualismo, que exige lucro acima de outros objetivos, desde que as ações estejam dentro da lei. Em segundo lugar, o objetivo do Utilitarismo é maximizar a felicidade para todas as partes interessadas. O terceiro é o Kantianismo, que traz a humanidade e o pensamento ético para os negócios e o quarto é a Teoria da Virtude envolvendo honestidade e justiça. Usando essas teorias, os editores e publicadores do Miami Herald poderiam ter evitado o problema. Em vez disso, isso causou danos e estresse desnecessários a eles mesmos, aos leitores do jornal e aos acionistas.

Controvérsia do Caso de Ética

Antes do incidente principal ocorrido em 27 de agosto, um tweet de Armando Salguero dizendo que ele estava descontente com o grupo Black Lives Matter porque eles afirmam, no programa: ‘Black Lives Matter quer desmantelar a definição bíblica de família! Eles promovem a confusão de gênero!” (Padgett). Eles nunca falaram ou deram sinais de que isso está acontecendo, a maioria das pessoas desse grupo só quer que uma boa mudança aconteça na sociedade, enquanto outros se aproveitam do protesto que é transmitido e generalizado para todas as pessoas que protestam ou tentam fazer uma mudança.

Isso é motivo de preocupação porque esse homem está dizendo coisas odiosas, não apenas isso, mas também tem uma enorme base de fãs que também acredita nas coisas que ele diz. Parte disso se deve a um problema no Brasil, mais especificamente na Colômbia, onde eles não veem o racismo como um problema ou um grande problema em comparação com outros. Especialistas Colombianos, a maioria dos quais se consideram brancos, não pensam que o racismo seja um grande problema. Em essência, ele está afirmando que vidas negras não importam em comparação com problemas maiores que ocorrem na Venezuela ou em Cuba.

O incidente ocorreu mais tarde em 11 de setembro no El Nuevo Herald de sexta-feira, uma coluna de um suplemento semanal pago. Eles disseram coisas odiosas sobre o povo Judeu Americano e o movimento BLM. Uma citação direta do encarte retrata uma das várias coisas odiosas ditas: ‘Que tipo de pessoas são esses Judeus? Eles estão sempre falando sobre o Holocausto, mas já se esqueceram da Kristallnacht [Noite dos Cristais], quando bandidos Nazistas invadiram as lojas de Judeus por toda a Alemanha? escreveu o autor Roberto Luque Escalona.’ (Brown). Os editores do jornal não tinham ideia de que a odiosa coluna estava no ar o ano todo. Isso os levou a prometer uma investigação completa sobre o próprio fracasso do jornal no ano recente ou em anos possíveis.

Quase uma semana depois da publicação do último parágrafo do artigo específico, o Miami Herald pede desculpas por sua inserção racista. Ao mesmo tempo, a sua investigação interna sobre como essas inserções foram publicadas continua. Um editor diário da Flórida, Marques Gonzalez, disse que o Miami Herald não iria mais publicar ou distribuir conteúdo da coluna LIBRE. Além disso, a coluna específica que foi sinalizada e que chamou toda a atenção foi escrita por um exilado Cubano chamado Roberto Luque Escalona. Ele chegou aos EUA em 1992.

À medida que a investigação continuava, o correspondente da mídia da NPR, David Folkenflik, chegou à conclusão de que a razão pela qual a coluna foi abandonada, permitindo que isso fosse publicado por meses, foi por culpa do próprio Miami Herald. Porque ninguém em posição de gerenciamento ou editorial leu qualquer material antes de ser impresso. Nesse cenário, diz David, ‘não houve responsabilidade pelo que eles estavam incorporando.’ (Folkenflik). Além disso, ele explica como a coluna não foi rotulada como um anúncio e foi ‘inserida’ nos jornais. Até duas reclamações sobre o jornal foram encontradas, mas nunca foram repassadas aos chefes do jornal.

O rescaldo de toda a inserção racista levou a 3 grandes eventos dentro da empresa. Primeiro, eles estavam à beira da falência, no entanto foram comprados por uma empresa de investimentos. Em segundo lugar, eles não permitiram que os seus executivos fossem entrevistados por seus repórteres. Isso ocorre porque o público e os repórteres sentiram que havia falta de transparência sobre todo o incidente, portanto, falta de clareza total sobre o incidente. Por fim, os líderes do arauto se desculparam muito e tentaram conversar com os líderes Negros e Judeus para fazer as pazes.

Stakeholders (Partes interessadas)

Se o Miami Herald quer um futuro de sucesso, eles necessitam reconstruir o relacionamento principalmente com o público. A maioria dos leitores da seção controversa são predominantemente membros da comunidade Latina. A relação entre o The Miami Herald e o público é essencial na medida em que eles são os seus apoiadores/clientes. Os comentários racistas afastaram os espectadores futuros e atuais do Miami Herald devido às suas ações. Os principais envolvidos foram Roberto Luque Escalona, ​​Mindy Marques e Nancy San Martin. Todos foram demitidos ou dispensados ​​de cargos de publicação devido ao envolvimento no incidente. Isso era para garantir a sua segurança como uma empresa de notícias e manter alguma credibilidade.

Individualismo

A ideia principal da teoria do Individualismo é que se deve tentar maximizar o lucro, mas dentro da lei. No Individualismo, as ações do Miami Herald são éticas, porque não infringiram a lei. Olhando para isso através do Individualismo, uma vez que nenhuma lei foi quebrada no incidente, fazem com que as ações deles sejam éticas. No entanto, as ações desses editores que comandaram essa coluna durante todo o ano definitivamente prejudicaram os lucros do Miami Herald. A coluna teria continuado se não fosse pelo alvoroço público que causou no Twitter. As suas ações nunca foram para maximizar o lucro, mas para publicar conteúdo antissemítico e racista. Foi prejudicial para o editor e para a sua reputação, pois o conteúdo não filtrado poderia ser postado por anos sem o aviso dos colegas de trabalho. Embora houvesse comportamento antiético e uma investigação em andamento dentro da empresa, porque o proprietário da LIBRE embolsou um milhão de dólares de aluguel de escolas públicas, o que está de fato infringindo a lei. Isso tornaria o proprietário individual antiético sob o Individualismo porque ele tentou maximizar o lucro embolsando o dinheiro do aluguel, entretanto ele quebrou a lei no processo.

Utilitarismo

Para ser ético sob o Utilitarismo, o objetivo das ações de uma empresa é maximizar a felicidade para todos. Nesse caso, o Miami Herald não é ético sob o Utilitarismo, em razão dos comentários odiosos, postagens, tweets e colunas, incluindo ‘Que tipo de pessoas são esses Judeus? Eles estão sempre falando sobre o Holocausto, mas já se esqueceram da Kristallnacht, quando bandidos Nazistas invadiram as lojas de Judeus por toda a Alemanha?’ escreveu o autor Roberto Luque Escalona. Os investidores do Miami Herald não ficaram felizes quando o seu investimento foi criticado por ser racista, especialmente na cultura de hoje e na acessibilidade de informações que se espalham facilmente para todos.

Quase, se não o mais importante, a felicidade dos consumidores ou leitores do jornal era de não contentamento lendo e vendo tópicos racistas por anos. Isso poderia ter potencialmente influenciado as crianças a pensar em ideais racistas que são prejudiciais não apenas para as partes interessadas, mas também para a sociedade.

Outra questão preocupante é como as colunas foram enviadas e postadas por anos sem serem notadas. Isso gera preocupação, pois os editores devem filtrar ou verificar o conteúdo antes de enviá-lo ao público.

Em seu pedido de desculpas, observou-se que ‘o fato de ninguém na liderança, começando por nós, ter lido anteriormente esse encarte publicitário, até que esse problema fosse trazido à tona por um leitor, é angustiante,’ disse Marqués González, acrescentando que o jornal não tinha um processo em vigor para revisar o conteúdo desse e de outros suplementos semelhantes’ (Licon).

Em outras palavras, essas pessoas não estavam fazendo o seu trabalho assumindo um grande risco que prejudicou o Miami Herald. Devido aos funcionários não verificarem totalmente o seu conteúdo, isso causou muita infelicidade e causou um grande e doloroso problema que poderia ter sido evitado se a ética correta fosse mantida em seus negócios.

Kantianismo

Para ser ético sob o Kantianismo, a empresa deve tratar os outros tanto como meio quanto como fim, em vez de mero meio. O Kantianismo é baseado na Fórmula da Humanidade. Um exemplo de tratamento antiético seria tratar as pessoas como se elas não importassem e usá-las apenas para atingir um objetivo. Além disso, é importante não manipular ou enganar os outros na busca de um objetivo. Por fim, a parte mais importante é que os outros têm permissão para tomar as suas próprias decisões sem qualquer influência. O Miami Herald também falha sob o Kantianismo porque em seus comentários e postagens eles tratam as pessoas como se não importassem. Ao humilhar e odiar grupos ativistas e religiosos, eles são tratados como menos que humanos. Isso vai diretamente contra o Kantianismo, como dito anteriormente na Fórmula da Humanidade, as pessoas devem ser tratadas como um meio e um fim.

Teoria da Virtude

A última teoria, a Teoria da Virtude consiste em quatro virtudes principais: coragem, honestidade, autocontrole e justiça. Para ser ético e melhorar a sua imagem e relacionamento comercial, uma empresa tem que seguir cada uma dessas virtudes-chave como diretrizes. Se uma empresa seguir essas diretrizes, a empresa terá sucesso financeiro. No entanto, o Miami Herald fez o oposto.

Explicando ainda mais as quatro virtudes principais, a coragem requer trabalho árduo porque se trata de estabelecer metas difíceis e segui-las. A segunda, honestidade é dizer a verdade mesmo que não seja fácil. O terceiro, autocontrole, é fazer a coisa certa e estar no controle de suas ações. Por fim, a justiça é fazer o que é justo para todos.

Nesse caso, eles falharam em agir com coragem. Eles postaram comentários odiosos e racistas por meses em uma parte obscura da coluna chamada LIBRE. Eles falharam em ser honestos porque eram claramente desonestos uns com os outros como um negócio, pois essas postagens eram feitas sem prevenção ou preocupação. Além disso, o Miami Herald não demonstrou autocontrole, pois poderia ter resolvido ou interrompido esse problema antes. Por fim, eles falharam na virtude fundamental da justiça porque foi injusto da parte deles fazer esses comentários e comparar pessoas e grupos aos Nazistas.

Avaliação Justificada da Ética

As ações do Miami Herald foram antiéticas em geral. Olhando para o problema através de cada teoria e analisando o resultado, o problema poderia ter sido interrompido ou atenuado se as colunas fossem interrompidas anteriormente. No entanto, os maiores problemas éticos eram os comentários racistas e o dono do local onde os comentários racistas estavam sendo publicados cobiçava o dinheiro do aluguel. Com essas duas questões, cria uma série de problemas éticos dentro da empresa. Se eles não fossem verificados, poderia ter saído do controle, talvez até fazendo com que o Miami Herald perdesse ainda mais assinaturas e visualizações do que o incidente incorrido.

Plano de Ação da Empresa

O problema do Miami Herald poderia ter sido facilmente evitado se eles tivessem mais cuidado e precaução antes de imprimir. Devido ao tamanho de algumas corporações, elas não entendem a sua influência sobre a população, portanto, eles devem ter mais cuidado em seu trabalho antes de enviá-lo para as massas.

Para resolver esse problema, o Herald tem que fazer algumas mudanças na equipe, caso contrário, o incidente nunca teria acontecido.

Em seguida, seria inteligente para os líderes e editores fazerem o trabalho deles e inspecionar diligentemente o conteúdo antes de imprimi-lo.

Como também para permanecer lucrativo em um período difícil como um acionista, é renovar (reestruturar-se) com a comunidade de Miami, que foi ferida e inflexível, para que eles sejam capazes de recuperar o status deles e a reputação.

A declaração de missão do Miami Herald encontrada em sua seção sobre é: ‘A fonte mais confiável e dinâmica de notícias, informações e soluções de marketing inovadoras em nossa comunidade.’ O que ela deveria ser é: ‘A nossa missão é relatar e divulgar as notícias em nossa comunidade.’ Eu acredito nisso porque a sua nova missão deve ser mais focada em melhorar. Com isso, a comunidade verá o seu progresso em recuperar a sua reputação e credibilidade. A antiga declaração de missão deve ser menos sobre o mercado dinâmico e inovador porque as notícias são notícias e sob o novo plano de ação haverá edições rígidas e supervisão.

Definir alguns valores fundamentais garantirá a produtividade ética e o monitoramento da ética no futuro para evitar que esse problema ocorra novamente. Esses valores devem ser discutidos e mantidos pelos funcionários e também ensinados a eles. O primeiro valor seria o atendimento ao cliente. Embora eles estejam vendendo notícias ao público, é bom ouvir o feedback de seu público, porque se o Miami Herald tivesse ouvido antes, o incidente nunca teria ocorrido. O segundo valor é a engenhosidade, porque em uma empresa de notícias eles precisam se destacar da concorrência e, como a sua reputação foi prejudicada, criar algo novo e chamativo seria o melhor para o Miami Herald. Por fim, o terceiro valor é a reputação. Como eles perderam, isso deve ser o valor número um que eles querem de volta. Isso garantiria que a comunidade recebesse as notícias mais confiáveis ​​e livres de ódio.

Como o Miami Herald acabou de sair da falência, deveria haver um forte sistema de punição e recompensa. Isso garantirá os melhores e mais seguros resultados para os funcionários. A contratação deve ser mais pessoal e se estender para conhecer totalmente a pessoa antes de contratar. Além disso, tem consequências drásticas porque é um mercado de trabalho competitivo. Para continuar a crescer, eles necessitarão recompensar aqueles que mostram crescimento e querem melhorar a empresa. Além disso, uma vez que eles foram comprados por uma empresa de investimento, o seu plano de marketing e negócios deve seguir o plano de ação para garantir que os lucros sejam alcançados e que a empresa se comporte de forma ética.

Conclusão

Concluindo, o Miami Herald pensou que eles estavam cometendo um pequeno erro, mas isso custou muito a eles. Eles tiveram sorte de se recuperar e ter uma segunda chance de reconstruir. Cabe à comunidade de Miami decidir se eles ainda querem continuar apoiando as suas notícias locais ou seguir em frente. Como as ações no incidente foram obras de alguns indivíduos e não de toda uma empresa ou líderes, acredito que com o plano de ação correto não apenas eles se recuperem, mas eles cresçam.

Não obstante utilizar a análise do incidente a partir das teorias éticas, o incidente foi antiético.

Obra citada

Brown, L. (2020, September 16). Miami Herald slammed for running ‘racist and anti-Semitic’ insert in paper. Retrieved November 23, 2020, from https://nypost.com/2020/09/16/miami-herald-under-fire-for-running-racist-insert-in-paper/.

Ceballos, J. (2020, October 29). Miami Herald Undergoes Leadership Shakeup After LIBRE Scandal. Retrieved November 23, 2020, from https://www.miaminewtimes.com/news/after-libre-scandal-miami-herald-publisher-steps-down-and-el-nuevo-editor-resigns-11698337.

Folkenflik, D. (2020, September 20). ‘Miami Herald’ Investigating How Racist Insert Was Distributed In Paper For Months. Retrieved November 23, 2020, from https://www.npr.org/2020/09/20/914980615/miami-herald-investigating-how-racist-insert-was-distributed-in-paper-for-months.

Licon, A. G. (2020, September 17). Miami Herald apologizes for ‘racist’ insert column. Retrieved November 23, 2020, from https://abcnews.go.com/Business/wireStory/miami-herald-apologizes-racist-insert-column-73077966.

Padgett, T. (2020, September 06). Herald Columnist’s Racist Tweets Reflect South Florida Latinos’ Summer Of Denial. Retrieved November 23, 2020, from https://www.wlrn.org/commentary/2020-09-03/herald-columnists-racist-tweets-reflect-south-florida-latinos-summer-of-denial.

Postado por Josh Nelson.

Imagem mario-klassen-70YxSTWa2Zw-unsplash.jpg – 15 de agosto de 2023

—–

A Espiritualidade nas Empresas trata-se de uma Filosofia cujos Princípios podem ajudar tanto as Pessoas quanto as Organizações.

Autor

Graduação: Engenheiro Operacional Químico. Graduação: Engenheiro de Segurança do Trabalho. Pós-Graduação: Marketing PUC/RS. Pós-Graduação: Administração de Materiais, Negociações e Compras FGV/SP. Consultor de Empresas: Projeto OREM® - Organizações Baseadas na Espiritualidade (OBEs). Estudante e Pesquisador Independente sobre Espiritualidade Não-Dualista; Psicofilosofia Huna e Ho’oponopono; A Profecia Celestina; Um Curso em Milagres (UCEM); Espiritualidade no Ambiente de Trabalho (EAT); A Organização Baseada na Espiritualidade (OBE). Certificação: “The Self I-Dentity Through Ho’oponopono® - SITH® - Business Ho’oponopono” - 2022.

0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
0
Would love your thoughts, please comment.x