Tendo como base a ideia e a proposta do livro “365 Days Through A Course in Miracles – A Daily Devotional”, de Jeff Nance, o objetivo dessa série de artigos do Projeto OREM® – OREM3 é analisarmos todo o material disponível e relevante sobre o Livro de Exercícios de Um Curso em Milagres para cada exercício diário, de maneira a auxiliar e facilitar o entendimento sobre o sistema de pensamento do Curso.

Para cada dia de estudo, nós estaremos incluindo também uma parte relevante do livro Texto, uma parte relevante do Material Suplementar (Cadernos de Taquigrafia de Helen Schucman e Versão Urtext de UCEM), alguns artigos relevantes de Professores Avançados e as próprias lições do Livro de Exercícios para cada dia (365 dias).

Lembrando que grande parte dos materiais suplementares (cadernos de taquigrafia de Helen e versão Urtext de UCEM), que constarão nessa série de artigos, não foram considerados na edição final de Um Curso em Milagres, por terem sido considerados “muito pessoais” pela equipe responsável pela edição1, porém importantes como material complementar, como nós veremos a seguir, por se tratar da ensinamentos compartilhados pelo autor do livro (Jesus).

Veja detalhes em artigo na Categoria “Um Curso em Milagres” de número 12 – “As versões iniciais e a edição de UCEM”.

Como diz Jeff Nance, “milagres não faltam!”

Nota: Nós consideramos que o estudante se beneficiará dessa série de artigos do Projeto OREM® a partir do momento que, já tendo concluída a leitura do livro Texto, realizado os exercícios e práticas do Livro de Exercícios e concluída a leitura do Manual de Professores, estará, portanto, nesse momento, retomando uma segunda rodada de conhecimento e entendimento do sistema de pensamento de Um Curso em Milagres (UCEM).

“Esse curso é um começo, não um fim…” (T-Prefácio)

Tradução livre Projeto OREM®

Dia 44

“Como Cayce era um ouvinte um tanto errático, ele era compelido a corrigir os seus próprios erros com muita profundidade e nem sempre adequadamente. Considere a base a partir da qual ele começou, quando começou com ‘sim, nós temos o corpo’. É digno de nota que em todas essas leituras, uma grande parte era realmente dedicada ao corpo, embora ele geralmente concluísse com a cautela de que o corpo não pode ser curado por si só. Isso teria economizado um número enorme de palavras se ele sempre tivesse começado com isso.

Cayce e a devoção dele a mim não são de forma alguma subestimados pela percepção de que ele trabalhou sob grande tensão, o que SEMPRE é um sinal de que algo está errado. Uma das dificuldades inerentes aos estados de transe é que é muito difícil superar a divisão que o próprio transe induz por meio de comunicações feitas durante o estado de transe.

Toda a abordagem de Cayce o colocou em uma verdadeira dupla ligação, da qual ele não se recuperou.

Quando ele falou de um sonho em que viu a sua própria reencarnação imanente, ele foi perfeitamente correto. Ele estava suficientemente sintonizado com a comunicação real para facilitar a correção de seus erros e se libertar para se comunicar sem esforço. É perceptível ao longo de suas notas que ele frequentemente se engajava em uma falácia que nós já observamos com algum detalhe: a saber, a tendência de dotar o físico de propriedades não físicas. Cayce sofreu muito com esse erro. Ele não fez nenhum dos outros três. No entanto, você se lembrará que é esse que é particularmente vulnerável a associações mágicas. A precisão de Cayce era tão grande que, mesmo quando ele fazia isso, ele era capaz de aplicá-la de forma construtiva. Mas isso não significa que essa tenha sido uma abordagem genuinamente construtiva.

Deve-se notar também que, quando Cayce tentou ‘ver’ o corpo na perspectiva adequada, ele viu auras fisicamente discerníveis ao seu redor. Esse é um compromisso curioso, no qual os atributos não-físicos do eu são abordados COMO SE eles pudessem ser vistos com o olho físico.

O analfabetismo de Cayce nunca o impediu. Isso porque o analfabetismo não implica necessariamente em falta de amor e no caso de Cayce definitivamente não. Ele, portanto, não teve nenhuma dificuldade em superar essa aparente limitação. O que DE FATO o atrapalhava era um profundo sentimento de indignidade pessoal, que, de forma característica, às vezes era compensado no que poderia ser chamado de uma forma Cristã de grandiosidade. Cayce era essencialmente pouco caridoso consigo mesmo. Isso o tornou muito errático em seus próprios milagres e, porque ele estava genuinamente ansioso para ajudar os outros, deixou-se em uma posição altamente vulnerável.

O filho dele comenta tanto sobre a natureza bastante errática da família de Cayce, e também sobre a natureza bastante ímpar do temperamento de Cayce. Ambas as observações são verdadeiras e apontam claramente para o fato de que Cayce não aplicou a Paz de Deus a si mesmo. Uma vez que isso tenha ocorrido, particularmente em um homem cujos canais de comunicação estavam abertos, era virtualmente impossível para ele escapar das soluções externas. Cayce era um homem muito religioso, que deveria ter conseguido escapar do medo através da religião. Sendo incapaz de aplicar a sua religião de todo o coração a si mesmo, ele foi forçado a aceitar certas crenças mágicas que eram estranhas ao seu próprio Cristianismo. É por isso que ele era tão diferente quando dormia e até repudiava o que dizia nesse estado.

A falta de integração que esse estado de divisão implica é claramente mostrada em certos desvios fora do alvo em áreas como os efeitos das pedras sobre a mente e algumas curiosas tentativas simbólicas de integrar igrejas e glândulas. (Isso dificilmente é mais peculiar do que algumas de suas próprias confusões.)

A mente de Cayce foi aprisionada até certo ponto por um erro contra o qual você tem sido advertida várias vezes. Ele olhou para o passado em busca de uma EXPLICAÇÃO do presente, mas nunca conseguiu separar o passado do presente. Quando ele disse ‘a mente é o que constrói’, ele não percebeu que é apenas o que está construindo AGORA que realmente cria o futuro. O passado, por si só, não tem a capacidade de fazer isso. Sempre que nós passamos de um instante para o próximo, o anterior não existe mais. Ao considerar o corpo como o foco da cura, Cayce estava expressando o seu próprio fracasso em aceitar isso COMO REALIZADO. Ele não deixou de reconhecer o valor da Expiação para os outros, mas falhou em aceitar o seu mérito corretivo para si mesmo.

Como nós temos enfatizado com frequência, o homem NÃO PODE controlar os seus próprios erros. Tendo os criado, ele acredita neles. Por causa de seu fracasso em aceitar a sua própria liberdade perfeita do passado, Cayce não conseguia realmente perceber os outros como igualmente livres. É por isso que eu não endossei totalmente os documentos de Cayce para uso generalizado.

Eu apoio sinceramente o esforço da A.R.E. 1 para tornar as contribuições singulares de Cayce imortais, mas seria muito imprudente tê-las promulgadas como uma fé até que tenham sido expurgadas de seus erros essenciais. É por isso que houve uma série de contratempos inexplicáveis na explicação dela. É também uma das muitas razões pelas quais o material de Cayce, um passo importante na aceleração, deve ser devidamente entendido antes que possa ser validado de forma significativa.

1 [Minha observação: A A.R.E. (‘Association for Research and Enlightenment, Inc.’) é a Organização Internacional que analisa, documenta e difunde a obra de Edgar Cayce (1877-1945). Trata-se da maior coleção de informação psíquica do século XX. Fundada em 1931 em Virginia Beach, Virginia, E.U.A, a A.R.E. atrai pessoas de todas as classes sociais e tradições espirituais.]

O filho de Cayce foi sábio ao tentar lidar com a confiabilidade, que no caso de Cayce é muito alta. Existe uma maneira de validar o material e Hugh Lynn está perfeitamente ciente de que isso deve ser feito eventualmente. Ele também está ciente do fato de que ele é incapaz de fazê-lo. No estado atual do material, seria muito imprudente até mesmo tentar. Há muito que É inválido. Quando chegar o momento em que isso possa ser corrigido até o ponto de segurança real, asseguro-lhe que isso será realizado. Em homenagem a Cayce, eu lembro que nenhum esforço é desperdiçado e o esforço de Cayce foi muito grande.

Eu seria muito ingrato da minha parte se eu permitisse que o seu trabalho produzisse uma geração de doutores feiticeiros. Eu lamento que o próprio Cayce não tenha conseguido se livrar de uma leve tendência nesse sentido.

Mas, felizmente, eu tenho uma apreciação mais completa por ele do que ele tinha.

Eu estou repetindo aqui uma injunção Bíblica de minha autoria, já mencionada em outro lugar, de que se os meus seguidores comerem qualquer coisa mortífera, isso não lhes fará mal algum. Isso é o que Cayce NÃO podia acreditar, porque ele não podia ver que, como Filho de Deus, ele ERA invulnerável.”

Urtext – Manual de Professores

3. QUEM SÃO OS SEUS ALUNOS?

“A cada um dos professores de Deus estão destinados determinados alunos e eles começarão a procurá-lo assim que ele tiver respondido ao Chamado. Foram escolhidos para ele porque a forma do currículo universal que ele vai ensinar é a melhor para eles em função do seu nível de compreensão. Os seus alunos têm estado esperando por ele, pois a sua vinda é certa. Mais uma vez, é apenas uma questão de tempo. Assim que ele tiver escolhido cumprir o seu papel, eles estão prontos para cumprir os seus. O tempo espera pela sua escolha, mas não por aqueles a quem ele vai servir. Quando ele estiver pronto para aprender, as oportunidades de ensinar lhe serão providas.

Para compreender o plano de ensino-aprendizado da salvação, é necessário apreender o conceito de tempo que o curso estabelece. A Expiação corrige ilusões, não a verdade. Portanto, corrige o que nunca foi. Além disso, o plano para essa correção foi estabelecido e completado simultaneamente, pois a Vontade de Deus está inteiramente à parte do tempo. Assim é toda a realidade, posto que é Sua. No instante em que a ideia de separação entrou na mente do Filho de Deus, naquele mesmo instante foi dada a Resposta de Deus. No tempo, isso aconteceu em uma época muito distante. Na realidade, nunca aconteceu absolutamente.”

Urtext – Livro de Exercícios para Estudantes

Lição 44

“’ Deus é a Luz na qual eu vejo.’

Hoje continuamos a ideia para o dia de ontem, acrescentando a ela uma outra dimensão. Não podes ver na escuridão e não podes fazer a luz. Podes fazer a escuridão e então pensar que vês na escuridão, mas luz reflete vida e é, portanto, um aspecto da criação. Criação e escuridão não podem coexistir, mas luz e vida têm que ir juntas, pois são apenas diferentes aspectos da criação.

Para ver, tens que reconhecer que a luz está dentro de ti e não do lado de fora. Tu não vês fora de ti mesmo e o equipamento para ver não está fora de ti. A luz que faz com que o ver seja possível é uma parte essencial deste equipamento. Ela está sempre contigo, fazendo com que a visão seja possível em todas as circunstâncias.

Hoje, vamos tentar alcançar essa luz. Com esse propósito, usaremos uma forma de exercício já sugerida anteriormente, que utilizaremos cada vez mais. É uma forma particularmente difícil para a mente indisciplinada, e representa uma das metas principais do treinamento mental. Ela requer precisamente aquilo que falta a uma mente sem treino. Mas, se tu hás de ver, esse treinamento tem que ser realizado.

Faze pelo menos três períodos de prática hoje, com três a cinco minutos de duração em cada um. Mais tempo é altamente recomendável, mas só se achares que o tempo está passando com pouca ou nenhuma sensação de tensão. A forma de prática que usaremos hoje é a mais natural e a mais fácil no mundo para a mente treinada, do mesmo modo como parece ser a mais antinatural e a mais difícil para a mente sem treino.

A tua mente não é mais totalmente sem treino. Estás pronto para aprender a forma de exercício que usaremos hoje, mas podes achar que vais encontrar forte resistência. A razão é muito simples. Enquanto praticas deste modo, deixas para trás tudo aquilo em que acreditas agora e todos os pensamentos que tens inventado. Propriamente falando, essa é a liberação do inferno. No entanto, percebida através dos olhos do ego, é perda de identidade e uma descida ao inferno.

Se puderes deixar o teu ego de lado por pouco que seja, não terás nenhuma dificuldade em reconhecer que a sua oposição e os seus medos são sem significado. Podes achar útil lembrar a ti mesmo, de vez em quando, que alcançar a luz é escapar da escuridão, seja o que for que possas acreditar ao contrário. Deus é a luz na qual vês. Estás tentando alcançá-lo.

Começa o período de prática repetindo a ideia de hoje com os olhos abertos, e fecha-os lentamente, repetindo a ideia várias vezes mais. Em seguida, tenta ir fundo na tua mente, soltando todos os tipos de interferência e intrusão, te aprofundando em quietude e passando por eles. A tua mente não pode ser detida nisso, a menos que escolhas detê-la. Ela está apenas seguindo o seu curso natural. Tenta observar os pensamentos que passam pela tua mente sem envolvimento e desliza por eles em quietude.

Embora nenhuma forma particular de abordagem seja defendida, o que é necessário é um senso da importância do que você está fazendo; o seu valor inestimável para você; e uma consciência de que você está tentando algo muito sagrado. A salvação é a sua realização mais feliz. Também é o único que tem algum significado, porque é o único que tem alguma utilidade para você.

Se surgir resistência, sob qualquer forma, faze uma pausa longa o suficiente para repetir a ideia para o dia de hoje, mantendo os olhos fechados, a menos que estejas ciente de medo. Nesse caso, é provável que aches mais tranquilizador abrir brevemente os olhos. Contudo, tenta voltar aos exercícios com os olhos fechados assim que possível.

Se estás fazendo os exercícios corretamente, deves experimentar uma sensação de relaxamento e até mesmo um sentimento de estar te aproximando, senão, de fato, entrando na luz. Tenta pensar em luz, sem forma e sem limites, ao passares pelos pensamentos desse mundo. E não te esqueças que eles não podem prender-te ao mundo, a menos que lhes dês o poder de fazer isso.

Repete a ideia frequentemente ao longo do dia com os olhos abertos ou fechados, como te parecer melhor no momento. Mas não te esqueças. Acima de tudo, estejas determinado a não esquecer hoje.”

—–

Dia 45

Milagres como Percepção Verdadeira

[FIP T-3.II.1]

“Nós temos declarado repetidas vezes que os conceitos básicos a que esse curso se refere NÃO são questões de grau. Certos conceitos fundamentais NÃO PODEM ser compreendidos em termos de opostos. É impossível conhecer luz e escuridão ou tudo e nada como possibilidades conjuntas. São todos verdadeiros OU todos falsos. É essencial que reconheças que o teu pensamento será errático até que um firme compromisso com um ou outro seja feito. Contudo, um firme compromisso com a escuridão ou o nada é impossível. Ninguém jamais viveu que não tenha experimentado alguma luz e alguma coisa. Ninguém é, portanto, capaz de negar totalmente a verdade, mesmo se pensa que pode.

É por isso que aqueles que vivem em grande parte na escuridão e no vazio nunca encontram nenhum consolo duradouro. (Isso realmente responde à pergunta de Bill sobre se as pessoas retornam voluntariamente.)

A inocência não é um atributo parcial. Não é real enquanto não é total. Os que são parcialmente inocentes estão aptos a ser bastante tolos às vezes. Enquanto a sua inocência não vem a ser um ponto de vista de aplicação universal, não vem a ser sabedoria. A percepção inocente ou verdadeira significa que você nunca percebe de forma equivocada e sempre vê verdadeiramente. Em termos mais simples, significa que você nunca vê o que não existe e sempre vê o que existe.

Quando lhe falta confiança no que uma outra pessoa vai fazer, você está atestando a tua crença segundo a qual ela não está em sua Mente Certa. Dificilmente esse é um quadro de referências baseado no milagre. Ele também tem o efeito desastroso de negar o poder do milagre. O milagre percebe tudo TAL COMO É. Se nada a não ser a verdade existe (e isso é realmente redundante na afirmação, porque o que não é verdade NÃO PODE existir), o modo de ver da Mentalidade Certa não pode ver nada a não ser a perfeição. Nós temos dito muitas vezes que SÓMENTE o que Deus cria ou o que você cria com a mesma Vontade tem qualquer existência real. Isso, então, é tudo o que o inocente pode ver. Eles não sofrem de percepção distorcida.

O caminho para corrigir distorções é retirar a fé que você deposita nelas e investi-la SOMENTE no que é verdadeiro. Você não PODE FAZER com que a inverdade seja verdadeira. Eu sugeriria que você desista voluntariamente de todas as tentativas de fazê-lo, porque elas podem ser apenas desvairadas. Se você está disposto a aceitar o que é verdadeiro em tudo o que você percebe, deixe que isso seja verdadeiro para você.

Lembre-se que nós dissemos que a verdade supera TODO o erro. Isso significa que, se você percebe verdadeiramente, você está cancelando as percepções equivocadas em si mesmo e nos outros simultaneamente. Porque você os vê como eles foram realmente criados e podem realmente criar, você lhes oferece a sua própria validação da verdade DELES. Essa é a verdadeira cura [healing] que o milagre cria ativamente.

(Resposta à pergunta de Helen: Isso é tudo? A razão pela qual isso é tão curto, apesar de sua extrema importância, é porque isso não é simbólico. Isso significa que não está aberto a mais de uma interpretação.) Isso significa que é inequívoco. Também explica a citação que você nunca obteve corretamente de forma completa antes: ‘Mas isso nós sabemos que, quando Ele aparecer (ou for percebido), nós seremos semelhantes a Ele, pois o veremos como Ele é. E todo homem que nele tem essa esperança purifica-se a si mesmo como Ele é puro’. Todo homem tem a esperança de poder ver corretamente, porque a capacidade de fazê-lo está nele. A ÚNICA esperança do homem é ver as coisas como elas são).”

Percepção versus Conhecimento

“A oração para o milagre é: ‘Senhor Jesus, ajude-me a ver Bill como ele é e assim libere a ele e a mim.’

(Na quarta-feira à noite, 24 de novembro, Helen teve um súbito lampejo de iluminação e queria muito oferecer uma oração para Bill, o que ela fez da seguinte forma: ‘Jesus, ajude-me a ver o meu irmão (Bill) como ele realmente é e assim libere a ele e a mim.’ Helen também pensou mais tarde: Toda vez que há algo desagradável que passa pela mente de alguém (com relação a sexo, posse etc.), você deve reconhecer imediatamente que não quer machucar o seu irmão. Na manhã de quinta-feira, a oração para o milagre ocorreu como indicado acima.)”

[FIP T-3.III. Percepção versus Conhecimento]

“Você teve muitos problemas depois com as palavras (que são essencialmente irrelevantes) em parte porque você estava insatisfeita consigo mesma na época, mas também porque você está confusa sobre a diferença entre percepção e cognição. Você notará que ainda nós temos falado muito pouco sobre a cognição. (Aparte: Uma das exceções está na fórmula de correção para o medo, que começa com SABER primeiro) A razão é porque você deve ter as suas percepções endireitadas antes que você possa SABER qualquer coisa.

Saber é ter certeza. Incerteza significa apenas que você NÃO sabe. Conhecimento é poder PORQUE ele é certo e certeza é força. A percepção é temporária. Ela é um atributo da crença no espaço-tempo e, portanto, está sujeita ao medo ou ao amor. A percepção equivocada produz medo e a percepção verdadeira produz amor. NEM produz certeza porque toda percepção varia. É por isso que NÃO é conhecimento. A verdadeira percepção é a BASE para o conhecimento, mas CONHECER é a afirmação da verdade.”

“A oração para o milagre é: ‘Senhor Jesus, ajude-me a ver Bill […ou nome da pessoa que você está pensando…] como ele […ela…] é e assim o […a…] libere e a mim.’”

Urtext – Manual de Professores (Quem são os seus Alunos? continuação)

” O mundo do tempo é o mundo da ilusão. O que aconteceu há muito tempo parece estar acontecendo agora. Escolhas feitas desde há muito parecem estar em aberto, ainda por serem feitas. O que foi aprendido e compreendido e há muito superado é considerado como um novo pensamento, uma ideia original, um enfoque diferente. Porque a tua vontade é livre, podes aceitar o que já aconteceu a qualquer momento que escolheres e somente então vais reconhecer que sempre esteve presente. Como o curso enfatiza, não és livre para escolher o currículo, nem mesmo a forma em que vais aprendê-lo. Mas estás livre, porém, para decidir quando queres aprendê-lo. E à medida em que o aceitas, já o aprendeste.”

Urtext – Livro de Exercícios para Estudantes

Lição 45

“’ Deus é a Mente com a qual eu penso.’

A ideia de hoje contém a chave do que são os teus pensamentos reais. Eles não são nada do que pensas que pensas, do mesmo modo que nada do que pensas que vês está relacionado com a visão de forma alguma. Não há nenhuma relação entre o que é real e o que pensas ser real. Nada do que pensas ser os teus pensamentos reais em nenhum aspecto se assemelha aos teus pensamentos reais. Nada do que pensas que vês tem qualquer semelhança com o que a visão te mostrará.

Tu pensas com a Mente de Deus. Portanto, compartilhas os teus pensamentos com Ele, assim como Ele compartilha os Seus contigo. São os mesmos pensamentos, pois são pensados pela mesma Mente. Compartilhar é fazer com que seja igual, ou fazer com que seja um. E os pensamentos que pensas com a Mente de Deus não deixam a tua mente, porque pensamentos não deixam a sua fonte. Portanto, os teus pensamentos estão na Mente de Deus, assim como tu estás. Eles também estão na tua mente, onde Ele está. Como és parte da Sua Mente, assim também os teus pensamentos são parte da Sua Mente.

Então, onde estão os teus pensamentos reais? Hoje tentaremos alcançá-los. Teremos que olhar para a tua mente procurando-os, porque é lá que eles estão. Ainda têm que estar lá, porque não podem ter deixado a sua fonte. O que é pensado pela Mente de Deus é eterno, sendo parte da criação.

Hoje, os nossos três períodos de prática de cinco minutos terão a mesma forma geral que usamos na aplicação da ideia de ontem. Vamos tentar deixar o irreal e buscar o real. Vamos negar o mundo em favor da verdade. Não deixaremos que os pensamentos do mundo nos detenham. Não deixaremos que as crenças do mundo nos digam que aquilo que Deus quer que façamos é impossível. Ao invés disso, tentaremos reconhecer que só aquilo que Deus quer que façamos é possível.

Também tentaremos compreender que só aquilo que Deus quer que façamos é o que queremos fazer. E também tentaremos lembrar-nos de que não podemos falhar em fazer aquilo que Ele quer que façamos. Há todas as razões para que nos sintamos confiantes de que hoje teremos sucesso. É a Vontade de Deus.

Começa os exercícios de hoje repetindo a ideia para ti mesmo, fechando os olhos ao fazê-lo. Em seguida, passa um período de tempo relativamente curto pensando em alguns poucos pensamentos relevantes que te são próprios, mantendo a ideia em mente. Depois de ter acrescentado uns quatro ou cinco pensamentos que te são próprios à ideia, repete-a outra vez e dize gentilmente a ti mesmo:

‘Meus pensamentos reais estão na minha mente. Eu gostaria de achá-los.’

Em seguida, tenta ir além de todos os pensamentos irreais que encobrem a verdade na tua mente e alcançar o eterno.

Sob todos os pensamentos sem sentido e as ideias loucas com as quais entulhaste a tua mente, estão os pensamentos que no princípio pensaste com Deus. Eles estão lá na tua mente agora, completamente imutáveis. Eles sempre estarão na tua mente, exatamente como sempre estiveram. Tudo o que pensaste desde então mudará, mas o fundamento sobre o qual isso se baseia permanecerá totalmente imutável.

É a esse fundamento que os exercícios para o dia de hoje são dirigidos. Aqui, a tua mente está unida à Mente de Deus aqui, os teus pensamentos e os Seus são um só. Para esse tipo de prática apenas uma coisa é necessária: aproxima-te Dele como te aproximarias de um altar dedicado a Deus Pai e a Deus Filho no Céu. Pois tal é o lugar que estás tentando alcançar. Tu provavelmente ainda não és capaz de reconhecer quão alto estas tentando ir. No entanto, mesmo com a pouca compreensão que já ganhaste, deverias ser capaz de lembrar a ti mesmo que isso não é nenhum jogo vão, mas um exercício em santidade e uma tentativa de alcançar o Reino dos Céus.

Nos períodos de prática mais curtos para o dia de hoje, tenta lembrar-te do quanto é importante para ti compreender a santidade da mente que pensa com Deus. Dedica um ou dois minutos, enquanto repetes a ideia ao longo do dia, para apreciares a santidade da tua mente. Afasta-te, por menos tempo que seja, de todos os pensamentos que são indignos Daquele de Quem tu és o anfitrião. E agradece-Lhe pelos pensamentos que Ele está pensando contigo.”

—–

Dia 46

“Todas as suas dificuldades, em última análise, decorrem do fato de que você não reconhece, ou CONHECE, a si mesmo, uns aos outros ou a Deus. ‘Reconhecer’ significa ‘conhecer novamente’. Isso significa que você sabia antes.

(Observe que não significa VIU antes.) Você pode ver de muitas maneiras, porque a percepção envolve diferentes interpretações e isso significa que ela não é completa. O milagre é uma forma de PERCEBER, não uma forma de CONHECER. É a resposta certa para uma pergunta, mas você não faz perguntas quando você sabe.

Questionar ilusões é o primeiro passo para desfazê-las. O milagre, ou a resposta certa, as corrige. Como as percepções MUDAM, a dependência delas do tempo é óbvia. Elas estão sujeitas a estados transitórios e isso implica variabilidade por definição. Como você percebe em um determinado momento determina o que você FAZ e a ação TEM QUE ocorrer no tempo. O conhecimento é atemporal porque a certeza não é questionável. Você SABE [que sabe] quando parou de fazer perguntas.

A ‘mente questionadora’ percebe a si mesma no tempo e, portanto, procura respostas FUTURAS.

Questionar ilusões é o primeiro passo para desfazê-las. O milagre, ou a resposta certa, as corrige.

A mente que não questiona está fechada apenas porque ela acredita que o futuro e o presente serão o mesmo. Isso estabelece um estado inalterado, ou estase. Isso geralmente é uma tentativa de neutralizar um medo subjacente de que o futuro será PIOR do que o presente e esse medo inibe a tendência de questionar em absoluto.

As visões são a percepção natural do Olho Espiritual, mas ainda elas são correções. A pergunta de Bill sobre o ‘Olho Espiritual’ era muito legítima. O ‘Olho Espiritual’ é simbólico e, portanto, NÃO é um dispositivo para conhecer. Ele É, no entanto, um meio de percepção certa, que o traz para o domínio apropriado do milagre, mas NÃO da revelação. (APROPRIADAMENTE falando, uma ‘visão de Deus’ é um milagre ao invés de uma revelação.) O fato de que a percepção esteja envolvida remove a experiência do domínio do conhecimento. É por isso que essas visões não duram.

A Bíblia instrui você a ‘CONHECER a si mesmo’, ou ESTAR CERTO. A certeza é sempre de Deus.

Quando você ama alguém, você o PERCEBE como ele é e isso possibilita que você o CONHEÇA. Mas isso não é até que você o RECONHEÇA que você o CONHECE. Só então você será CAPAZ de parar de fazer perguntas sobre ele.

Enquanto você faz perguntas sobre Deus, você está claramente insinuando que você NÃO O conhece.

A certeza não requer ação. Quando você diz que está AGINDO com base no conhecimento seguro, você está realmente confundindo percepção e cognição. O conhecimento traz força MENTAL para o PENSAMENTO criativo, mas não para o fazer certo.

Percepção, milagres e fazer estão intimamente relacionados. O conhecimento é resultado da revelação e induz apenas o pensamento (pensar). A percepção envolve o corpo mesmo em sua forma mais espiritualizada.

O conhecimento vem do altar interior e é atemporal porque ele é certo. Perceber a verdade não é o mesmo que CONHECER. É por isso que Bill está tendo tantos problemas no que ele chama de ‘integrar’ as notas. A sua percepção provisória é muito incerta para o conhecimento, porque o conhecimento é CERTO. A sua percepção é tão variável que você oscila do conhecimento repentino, mas real, para a completa desorganização cognitiva. É por isso que Bill é mais propenso à irritação, enquanto você é mais vulnerável à raiva. Ele está consistentemente ABAIXO de seu potencial, enquanto você o alcança às vezes e depois oscila muito longe da marca.

Na verdade, essas diferenças não importam. Mas eu pensei que você ficaria feliz em saber que você está muito melhor com problemas perceptivos DIFERENTES do que estaria se sofresse de problemas semelhantes. Isso permite que cada um de vocês RECONHEÇA (e essa é a palavra certa aqui) que as percepções equivocadas do outro são desnecessárias. É porque você não CONHECE o que fazer sobre isso que Bill reage ao seu com irritação e você responde ao dele com fúria.

Repito novamente que se você ATACAR o erro, você vai se machucar. Vocês não se reconhecem quando atacam. O ataque é SEMPRE feito em um estranho. Você está FAZENDO dele um estranho ao percebê-lo equivocadamente, de modo que você NÃO PODE conhecê-lo. Isso é PORQUE você o transformou em um estranho que você tem medo dele. PERCEBA-O corretamente, para que a sua Alma possa CONHECÊ-LO.

A percepção certa é necessária antes que Deus possa se comunicar DIRETAMENTE aos seus próprios altares, que ele estabeleceu em Seus Filhos. Lá ele pode comunicar com certeza a Sua certeza e o Seu conhecimento trará a paz SEM dúvida.

Deus não é um estranho para os Seus próprios Filhos e os Seus Filhos não são estranhos um para o outro.

O conhecimento precedeu tanto a percepção quanto o tempo e também os substituirá (ou os corrigirá). Esse é o verdadeiro significado da descrição Bíblica de Deus como ‘Alfa e Ômega, o Princípio e o Fim’. Também explica a citação ‘Antes que Abraão ERA, EU SOU’.

A percepção pode e tem que ser estabilizada, mas o conhecimento É estável. ‘Temei a Deus e guardai os Seus Mandamentos’ é um verdadeiro erro dos escribas. Isso deveria ser lido: ‘CONHEÇA a Deus e aceite a Sua certeza’.

(Esse erro é o motivo pelo qual os mandamentos são todos negativos, em contraste com a declaração de Cristo sobre ‘Amarás.’ etc.) Não há estranhos em Sua Criação. Para criar como Ele criou, você pode criar apenas o que você CONHECE e aceita como seu.

Deus conhece os Seus Filhos com perfeita certeza. Ele os Criou Por conhecê-los. Ele os reconhece perfeitamente. Quando eles não se reconhecem, eles não O reconhecem.

Irmãos podem perceber de modo equivocado um ao outro, mas raramente afirmam que CONHECEM um ao outro. Isso só é possível se eles sustentarem que NÃO são realmente irmãos. A Bíblia é MUITO específica nesse ponto.”

Urtext – Manual de Professores (Quem são os seus Alunos? Continuação)

“Então, o tempo realmente volta a um instante tão remoto que está além de toda a memória, mesmo depois da possibilidade da lembrança. Apesar disso, por que é um instante revivido muitas e muitas vezes, parece ser agora. Assim é que professor e aluno parecem reunir-se no presente, achando um ao outro como se não tivessem se encontrado antes. O aluno vem ao lugar certo na hora

certa. Isso é inevitável, porque ele fez a escolha certa naquele instante antigo que agora revive. O mesmo se dá com o professor, que fez também uma escolha inevitável num passado remoto. A Vontade de Deus em tudo apenas parece levar tempo na realização do processo. O que poderia atrasar o poder da eternidade?”

(Fim de Quem são os seus Alunos?)

Urtext – Livro de Exercícios para Estudantes

Lição 46

“’Deus é o Amor no qual eu perdoo.’

Deus não perdoa porque Ele nunca condenou. E tem que haver condenação antes que o perdão seja necessário. O perdão é a grande necessidade desse mundo, mas isso é assim porque esse é um mundo de ilusões. Aqueles que perdoam estão portanto liberando a si mesmo das ilusões, enquanto aqueles que negam o perdão estão se ligando a elas. Assim como só condenas a ti mesmo, também só perdoas a ti mesmo.

Contudo, embora Deus não perdoe, o Seu Amor é, não obstante, a base do perdão. O medo condena e o amor perdoa. Assim, o perdão desfaz o que o medo tem produzido, retornando a mente à consciência de Deus. Por essa razão, o perdão pode verdadeiramente ser chamado de salvação. É o meio pelo qual as ilusões desaparecem.

Os exercícios de hoje requerem, pelo menos, três períodos de prática de cinco minutos completos, e o maior número de períodos mais curtos. Começa os períodos mais longos repetindo a idéia de hoje para ti mesmo como de costume. Fecha os olhos ao fazê-lo e passa um ou dois minutos examinando a tua mente à procura daqueles que não perdoaste. Não importa o quanto não os tenhas perdoado. Ou os perdoaste inteiramente ou não os perdoaste em absoluto.

Se estás fazendo bem os exercícios, não deves ter nenhuma dificuldade em achar um número de pessoas que não tenhas perdoado. Uma regra segura é que qualquer pessoa de quem não gostes é um sujeito adequado. Menciona cada um pelo nome e dize:

‘Deus é o Amor no qual eu te perdoo, (nome).’

O propósito da primeira fase dos períodos de prática de hoje é o de colocar-te em posição de perdoar a ti mesmo. Depois de teres aplicado a ideia a todos aqueles que tenham vindo à tua mente, dize a ti mesmo:

‘Deus é o Amor no qual eu perdoo a mim mesmo.’

Em seguida, dedica o resto do período de prática acrescentando ideias correlatas tais como:

‘Deus é o Amor com o qual eu amo a mim mesmo. Deus é o Amor no qual sou abençoado.’

A forma de aplicação pode variar consideravelmente, mas a ideia central não deve ser perdida de vista.

Poderias dizer:

‘Eu não posso ser culpado, pois sou um Filho de Deus. Eu já fui perdoado.’

‘Nenhum medo é possível em uma mente amada por Deus.’

‘Não há necessidade de atacar porque o amor me perdoou.’

Porém, o período de prática deve terminar com a repetição da ideia de hoje em sua forma original.

Os períodos de prática mais curtos podem consistir seja na repetição da ideia para o dia de hoje em sua forma original ou em forma correlata, como preferires. Certifica-te, porém, de fazer mais aplicações específicas se forem necessárias. Elas serão necessárias a qualquer momento durante o dia, quando vieres a estar ciente de qualquer tipo de reação negativa a qualquer um, esteja ele presente ou não. Nesse evento, dize-lhe silenciosamente:

‘Deus é o Amor no qual eu te perdoo.’”

Dr. Kenneth Wapnick esclarece:

Dr. Wapnick em determinado workshop esclarece que o sistema de pensamento do ego é baseado na ideia “matar ou ser morto” (MP-17.7:11), que é o mesmo que dizer que é “um ou o outro“.

“Todo o sistema de pensamento do ego repousa na crença de que nós somos diferentes – é assim que o sistema de pensamento do ego começa. Deus é diferente do Filho. Lembrem-se onde nós começamos – Deus e Cristo estão totalmente unidos.

Não há como Deus possa Se perceber em relação a Cristo ou Cristo possa Se perceber em relação a Deus. Não há diferença. Dentro do sonho, quando nós falamos do Céu, nós falamos de uma diferença – Deus é o Criador, Cristo é o criado. Mas no Céu, não há mente separada que vê dessa forma – Deus e Cristo não são diferentes. O sistema de pensamento do ego começa com diferenças.

Quando o sonho pareceu começar e a ideia diminuta e louca surgiu na mente do Filho, de repente Deus e o Filho eram diferentes. Então o Filho disse: ‘Nós somos diferentes – Deus tem algo que eu não tenho. Portanto, eu o pegarei.’ O que Deus tinha, é claro, era o poder de criar o Filho – não era o contrário.

Então o Filho roubou de Deus o poder de criar e agora ele o tem. O Filho ainda é diferente de Deus, mas agora está por cima – como no jogo da gangorra. Com a terceira divisão, onde o ser pecaminoso e culpado se divide em dois, há novas diferenças. Eu não sou mais pecador – Deus é pecador, porque Ele vai me atacar.

O sistema de pensamento do ego é baseado na crença em diferenças. Em contraste, o sistema de pensamento do Espírito Santo, que é o reflexo do Céu, baseia-se na crença de que nós somos todos iguais. Claro, nós somos diferentes no nível do corpo e da forma, mas essas diferenças não fazem diferença.

O sistema de pensamento do ego afirma – e o mundo reflete esse pensamento – que se Deus tem algo, eu de fato não o tenho. Mas se eu tenho algo, Ele de fato não o tem. É um ou o outro. Ou eu sou o pecador miserável ou Deus é.

Claro que é muito mais fácil para mim escapar da armadilha projetando o pecado em Deus. E uma vez que nós fazemos isso, que é a terceira divisão, tudo é projetado no mundo – eu vejo todos os outros como tendo algo que eu não tenho. E por que eles têm e eu não? Porque eles o tiraram de mim e isso justifica roubá-los de volta. Esse é realmente o cerne dos relacionamentos especiais.

Sempre que nós julgamos as figuras no sonho e dessa forma nós tornamos o nosso sonho real, nós cairemos direto na armadilha do ego – nós acreditamos que precisamos expiar o nosso pecado, ou que outros precisam expiar os deles, ou que eles merecem a nossa condenação.

Tu não podes dissipar a culpa fazendo com que ela seja real e depois expiando-a. Esse é o plano do ego, que ele oferece ao invés de dissipá-la. O ego crê na expiação através do ataque, estando totalmente comprometido com a noção insana de que o ataque é salvação. (UCEM–LT–Capítulo 13.I.10:1-3-pág. 253)

Como o Curso ainda diz:

… No ensinamento do ego, portanto, não há como escapar da culpa. Pois o ataque faz com que a culpa seja real e se ela é real, não há nenhum caminho para superá-la. (UCEM–LT–Capítulo 13.I.11:2-3-pág. 253)

O mundo não precisa do perdão de Deus; as pessoas precisam perdoar a si mesmas, perdoando as imagens que vêem.

Deus não perdoa porque Ele nunca condenou. E tem que haver condenação antes que o perdão seja necessário. O perdão é a grande necessidade desse mundo, mas isso é assim porque esse é um mundo de ilusões. Aqueles que perdoam estão portanto liberando a si mesmos das ilusões, enquanto aqueles que negam o perdão estão se ligando a elas. Assim como só condenas a ti mesmo, também só perdoas a ti mesmo. (UCEM-LE-46.1:1-5-pág.79)

Contudo, embora Deus não perdoe, o Seu Amor é, não obstante, a base do perdão. (UCEM-LE-46.2:1-pág.79)

Embora nós não precisemos do perdão de Deus, porque Ele nunca nos condenou, nós realmente temos acesso à Sua Voz, o Espírito Santo, que trata da culpa dessa maneira:

O Espírito Santo a dissipa [a culpa] simplesmente através do calmo reconhecimento de que ela nunca existiu. (UCEM–LT-Capítulo 13.I.11:4-pág. 253)”

O mundo não precisa do perdão de Deus; as pessoas precisam perdoar a si mesmas, perdoando as imagens que vêem.”

—–

Imagem Foto-Centro-de-Santos-Iluminado-Margarida-Fernandes-Brito.jpg – 25 de outubro de 2022

Bibliografia da OREM3:

Livro “Um Curso em Milagres” – Livro Texto, Livro de Exercícios e Manual de Professores. Fundação para a Paz Interior. 2ª Edição –  copyright© 1994 da edição em língua portuguesa.

Artigo “Helen and Bill’s Joining: A Window Onto the Heart of A Course in Miracles” (tradução livre: A União de Helen e Bill: Uma Janela no Coração de Um Curso em Milagres”) – Robert Perry, site: https://circleofa.org/

E-book “What is A Course in Miracles” (tradução livre: O que é Um Curso em Milagres) – Robert Perry.

E-book “Autobiography – Helen Cohn Schucman, Ph.D.” – Foundation for Inner Peace (tradução livre: Autobiografia – Helen Cohn Schucman, Ph.D., Fundação para a Paz Interior).

Livro “Uma Introdução Básica a Um Curso em Milagres”,  Dr. Kenneth Wapnick, Ph.D.

Livro “O Desaparecimento do Universo”, Gary R. Renard.

Livro “Absence from Felicity: The Story of Helen Schucman and Her Scribing of A Course in Miracles” (tradução livre: “Ausência de Felicidade: A História de Helen Schucman e Sua Escriba de Um Curso em Milagres”) – Dr. Kenneth Wapnick, Ph.D.

Artigo “A Short History of the Editing and Publishing of A Course in Miracles” (tradução livre: Uma Breve História da Edição e Publicação de Um Curso em Milagres” – Joe R. Jesseph, Ph.D. http://www.miraclestudies.net/history.html

E-book “Study Guide for A Course in Miracles”, Foundation for Inner Peace (tradução livre: Guia de Estudo para Um Curso em Milagres, Fundação para a Paz Interior).

Artigo “The Course’s Use of Language” (tradução livre: “O Uso da Linguagem do Curso”), extraído do livro “The Message of A Course in Miracles” (tradução livre: “A Mensagem de Um Curso em Milagres”) – Dr. Kenneth Wapnick, Ph.D.

Artigo Who Am I? (tradução livre: Quem Sou Eu?) – Beverly Hutchinson McNeff – Site: https://www.miraclecenter.org/wp/who-am-i/

Artigo “Jesus: The Manifestation of the Holy Spirit – Excerpts from the Workshop held at the Foundation for A Course in Miracles – Temecula CA” (tradução livre: Jesus: A Manifestação do Espírito Santo – Trechos da Oficina realizada na Fundação para Um Curso em Milagres – Temecula CA) – Dr. Kenneth Wapnick, Ph.D.

Livro “Quantum Questions” (tradução livre: “Questões Quânticas”) – Ken Wilburn

Livro “Um Retorno ao Amor” – Marianne Williamson.

Glossário do site Foundation for A Course in Miracles (tradução livre: Fundação para Um Curso em Milagres), do Dr. Kenneth Wapnick, https://facim.org/glossary/

Livro Um Curso em Milagres – Esclarecimento de Termos.

Artigo “The Metaphysics of Separation and Forgiveness” (tradução livre: “A Metafísica da Separação e do Perdão”) – Dr. Kenneth Wapnick, Ph.D.

Livro “Os Ensinamentos Místicos de Jesus” – Compilado por David Hoffmeister – 2016 Living Miracles Publications.

Livro “Suplementos de Um Curso em Milagres UCEM – A Canção da Oração” – Helen Schucman – Fundação para a Paz Interior.

Livro “Suplementos de Um Curso em Milagres UCEM – Psicoterapia: Propósito, Processo e Prática.

Workshop “O que significa ser um professor de Deus”, proferido pelo Dr. Kenneth Wapnick, Ph.D..

Artigo escrito pelo escritor Paul West, autor do livro “I Am Love” (tradução livre: “Eu Sou Amor”), blog https://www.voiceforgod.net/.

Artigo “The Beginning Of The World” (tradução livre: “O Começo do Mundo”) – Dr Kenneth Wapnick.

Artigo “Duality as Metaphor in A Course in Miracles” (tradução livre: “Dualidade como Metáfora em Um Curso em Milagres”) – Um providencial e didático artigo, considerado pelo próprio autor como sendo um dos artigos (workshop) mais importantes por ele escrito e agora compartilhado pelo Dr. Kenneth Wapnick, Ph.D.

Artigo “Healing the Dream of Sickness” (tradução livre: “Curando o Sonho da Doença”  – Dr. Kenneth Wapnick, Ph.D.

Livro “The Message of A Course in Miracles – A translation of the Text in plain language” (tradução livre: “A mensagem de Um Curso em Milagres – Uma tradução do Texto em linguagem simples”) – Elizabeth A. Cronkhite.

E-book “Jesus: A New Covenant ACIM” – Chapter 20 – Clearing Beliefs and Desires – Cay Villars – Joininginlight.net© (tradução livre: “Jesus: Uma Nova Aliança UCEM” – Capítulo 20 – Clarificando Crenças e Desejos).

Artigo “Strangers in a Strange World – The Search for Meaning and Hope” (tradução livre: “Estranhos em um mundo estranho – A busca por significado e esperança”), escrito pelo Dr. Kenneth Wapnick e por sua esposa Sra. Gloria Wapnick.

Artigo “To Be in the World and Not of It” (tradução livre: “Estar no Mundo e São Ser Dele”), escrito pelo Dr. Kenneth Wapnick e por sua esposa Sra. Gloria Wapnick.

Site https://circleofa.org/.

Livro “A Course in Miracles – Urtext Manuscripts – Complete Seven Volume Combined Edition. Published by Miracles in Action Press – 2009 1ª Edição.

Tradução livre do capítulo Urtext “The Relationship of Miracles and Revelation” (N 75 4:102).

Artigo “How To Work Miracles” (tradução livre “Como Fazer Milagres”), de Greg Mackie https://circleofa.org/library/how-to-work-miracles/.

Artigo “A New Vision of the Miracle” (tradução livre: “Uma Nova Visão do Milagre”), de Robert Perry https://circleofa.org/library/a-new-vision-of-the-miracle/.

Artigo “What Is a Miracle?” (tradução livre: “O que é um milagre?”), de Robert Perry https://circleofa.org/library/what-is-a-miracle/.

Artigo “How Does ACIM Define Miracle?” (tradução livre: “Como o UCEM define milagre?”), de Bart Bacon https://www.miracles-course.org/index.php?option=com_content&view=article&id=232:how-does-acim-define-miracle&catid=37&Itemid=57.

Livro “Os cinquenta princípios dos milagres de Um Curso em Milagres”, de Kenneth Wapnick, Ph.D..

Artigo “The Fifty Miracle Principles: The Foundation That Jesus Laid For His Course” (tradução livre: “Os cinquenta princípios dos milagres: a base que Jesus estabeleceu para o seu Curso”), de Robert Perry https://circleofa.org/library/the-fifty-miracle-principles-the-foundation-that-jesus-laid-for-his-course/.

Artigo “Ishmael Gilbert, Miracle Worker” (tradução livre: “Ishmael Gilbert, Trabalhador em Milagre”), de Greg Mackie https://circleofa.org/library/ishmael-gilbert-miracle-worker/.

Blog “A versão Urtext da obra Um Curso em Milagres (UCEM)” https://www.umcursoemmilagresurtext.com.br/.

Blog “Course in Miracles Society – CIMS – Original Edition” https://www.jcim.net/about-course-in-miracles-society/.

Site Google tradutor https://translate.google.com.br/?hl=pt-BR.

Site WordReference.com | Dicionários on-line de idiomas https://www.wordreference.com/enpt/entitled.

Artigo “The earlier versions and the editing of A Course in Miracles” (tradução livre: “As versões iniciais e a edição de Um Curso em Milagres), autor Robert Perry https://circleofa.org/library/the-earlier-versions-and-the-editing-of-a-course-in-miracles/.

Livro “A Course in Miracles: Completed and Annotated Edition” (“Edição Completa e Anotada”) – Circle of Atonement.

Livro “Q&A – Detailed Answers to Student-Generated Questions on the Theory and Practice of A Course in Miracles” – Supervised and Edited by Kenneth Wapnick, Ph.D. – Foundation for A Course in Miracles – Publisher (tradução livre: “P&R – Respostas Detalhadas a Questões Geradas por Alunos sobre a Teoria e Prática de Um Curso em Milagres” – Supervisionado e Editado por Kenneth Wapnick, Ph.D. – Fundação para Um Curso em Milagres – Editora)

Artigo “The Importance of Relationships” (tradução livre: “A Importância dos Relacionamentos”), no site https://circleofa.org/library/the-importance-of-relationships/, autor Robert Perry.

Artigo: “The ark of peace is entered two by two” (tradução livre: “Na arca da paz só entram dois a dois”) – Robert Perry Site: https://circleofa.org/library/the-ark-of-peace-is-entered-two-by-two/

Artigo “Living a Course in Miracles As Wrong Minds, Right Minds, and Advanced Teachers – Part 2 of 3 – How Right Minds Live in the World: The Blessing of Forgiveness”, por Dr. Kenneth Wapnick, Ph.D.

Artigo “Living a Course in Miracles As Wrong Minds, Right Minds, and Advanced Teachers – Part 1 of 3 – How Wrong Minds Live in the World: The Ego’s Curse of Specialness”, por Dr. Kenneth Wapnick.

Transcrição do vídeo do Dr. Kenneth Wapnick no YouTube, intitulado: “Judgment” (tradução livre: “Julgamento”).  O artigo completo em inglês no site https://facim.org/transcript-of-kenneth-wapnick-youtube-video-entitled-judgment/.

Trechos do Workshop “The Meaning of Judgment” (tradução livre “O Significado de Julgamento”), realizado na Fundação para Um Curso em Milagres em Roscoe NY, ministrado pelo Dr. Kenneth Wapnick. O artigo completo em inglês no site: https://facim.org/online-learning-aids/excerpt-series/the-meaning-of-judgment/.

Comentários do professor de Deus Allen Watson, que transcrevemos, em tradução livre, do site Circle of Atonement (https://circleofa.org/workbook-companion/what-is-sin/).

Artigo “There is no sin” (tradução livre: “Não há pecado”), Robert Perry, site https://circleofa.org/library/there-is-no-sin/.

Artigo do Professor Greg Mackie, denominado “If God is Love Why do We Suffer?” (tradução livre: “Se Deus é Amor porque nós sofremos?”) https://circleofa.org/library/if-god-is-love-why-do-we-suffer/.

Artigo “The Ten Commandments and A Course in Miracles” (tradução livre: Os Dez Mandamentos e Um Curso em Milagres”), Greg Mackie, site https://circleofa.org/library/the-ten-commandments-and-a-course-in-miracles/.

Artigo escrito pelo Dr. Kenneth Wapnick, Ph.D. e pelo Padre Jesuíta W. Norris Clarke, da Companhia de Jesus, Ph.D., sobre o livro “Um Curso em Milagres e o Cristianismo: Um Diálogo”, disponível no site http://www.miraclestudies.net/Dialogue_Pref.html.

Livro “Um Curso em Milagres e o Cristianismo: Um Diálogo”, escrito pelo Dr. Kenneth Wapnick, Ph.D. e pelo Padre Jesuíta W. Norris Clarke, da Companhia de Jesus, Ph.D..

Artigo do Consultor, Escritor e Professor Rogier Fentener Van Vlissingen, de Nova Iorque, intitulado “A Course in Miracles and Christianity: A Dialogue” (“Um Curso em Milagres e o Cristianismo: Um Diálogo”), disponível no Blog Closing the Circle e acesso no link: https://acimnthomas.blogspot.com/2011/04/course-in-miracles-and-christianity.html.

Artigo sobre o livro “A Course in Miracles and Christianity: A Dialogue” (tradução livre “Um Curso em Milagres e o Cristianismo: Um Diálogo”), escrito por Dr. Kenneth Wapnick, Ph.D. e o Padre Jesuíta W. Norris Clarke, da Companhia de Jesus, Ph.D. Site http://www.miraclestudies.net/Dialogue_Pref.html.

Artigo do professor Robert Perry intitulado “Do we have a chalice list?” (tradução livre: “Temos uma lista de cálice?”), acesso através do link: https://circleofa.org/2009/07/13/do-we-have-a-chalice-list/.

Artigo “The religion of the ego” (tradução livre: “A religião do ego”), Robert Perry, link https://circleofa.org/library/the-religion-of-the-ego/.

Artigo “A New Realities Interview with William N. Thetford, Ph.D.”, conduzida por James Bolen em abril de 1984. Tradução livre Projeto OREM®. Artigo em inglês https://acim.org/archives/a-new-realities-interview-with-william-n-thetford/.

Artigo “Why is sin merely a mistake?” [tradução livre “Por que o pecado é apenas um erro?”], Robert Perry, link https://circleofa.org/library/why-is-sin-merely-a-mistake/.

Artigo “What a difference a few words make” (tradução livre: “Que diferença algumas palavras fazem”), Greg Mackie, disponível no link https://circleofa.org/library/what-a-difference-a-few-words-make/.

Artigo “Near-Death Experiences and A Course in Miracles” [Experiências de Quase-Morte e Um Curso em Milagres], coescrito por Robert Perry, B.A. (Cranborne, United Kingdom) e Greg Mackie, B.A. (Xalapa, Mexico), link https://circleofa.org/library/near-death-experiences-course-miracles/.

Artigo “Near-Death Experiences and A Course in Miracles Revisited” [Experiências de Quase-Morte e Um Curso em Milagres Revisitado], escrito por Greg Mackie, link Revisitado], e pode ser acessado no link https://circleofa.org/library/near-death-experiences-and-a-course-in-miracles-revisited/.

Artigo “Watch With Me, Angels” [Vigiem comigo, anjos], Robert Perry, link https://circleofa.org/library/watch-with-me-angels/.

Artigo transcrito de Workshop apresentado pelo Dr. Kenneth Wapnick, denominado “Watching With Angels [Vigiar com anjos], link: https://facim.org/watching-with-angels-part-1/.

Artigo “How Does Projection Really Work? [Como a Projeção realmente funciona?], Robert Perry, que pode ser acessado através do link https://circleofa.org/library/how-does-projection-really-work/.

Artigo “The Practical Implications of Projection: Summary of a Class Presentation” [tradução livre: “As Implicações Práticas da Projeção: Resumo de uma Apresentação de Aula”] poderá ser acessado através do link  https://circleofa.org/library/practical-implications-projection/.

Artigo “Reverse Projection: “As you see him you will see yourself” [tradução livre: “Projeção Reversa: ‘Assim como tu o vires, verás a ti mesmo’”], Robert Perry, link https://circleofa.org/library/reverse-projection-see-him-see-yourself/.

Artigo denominado “Are we living in a virtual reality” [“Nós estamos vivendo em uma realidade virtual?], Greg Mackie, link https://circleofa.org/library/are-we-living-in-a-virtual-reality/.

Artigo disponibilizado pelo site Pathways of Light, denominado “From Virtual do True Reality” [Da Realidade Virtual à Verdadeira], link https://www.pathwaysoflight.org/daily_inspiration/print_pol-blog/from-virtual-to-true-reality.

Série de artigos denominada “Rewriting the Rules of Virtual Reality” [Reescrevendo as Regras da Realidade Virtual] – partes 1 a 4, Dr. Joe Dispenza, link https://drjoedispenza.com/blogs/dr-joe-s-blog/rewriting-the-rules-of-virtual-reality-part-i.

Artigo “Commentary on What is Salvation” [“Comentário sobre O Que é Salvação”], Allen Watson, link https://circleofa.org/workbook-companion/what-is-salvation/.

Site oficial do Professor Allen Watson http://www.allen-watson.com/;

Artigo “Special Theme: What Is Salvation? [“Tema Especial: O Que É A Salvação?”], Thomas R. Wakechild, que pode ser acessado através do link http://acourseinmiraclesfordummies.com/blog/wp-content/uploads/2014/07/PDF-What-is-Salvation-with-Notes-Upload-7-15-14-ACIM-Workbook-for-Dummies.pdf.

Artigo “The Core Unit of Salvation” [A Unidade Central da Salvação], Robert Perry, link https://circleofa.org/library/the-core-unit-of-salvation/.

Artigo “ACIM Study Guide and Commentary – Chapter 5, Healing and Wholeness – Section III – The Guide to Salvation” [Guia de Estudo e Comentários ACIM – Capítulo 5 – Cura e Integridade – Seção III – O Guia para a Salvação], Allen Watson, acesso através do link http://www.allenwatson.com/uploads/5/0/8/0/50802205/c05s03.pdf.

Artigo “Commentaries on A Course in Miracles – ACIM Text, Section 1.I – Principles of Miracles” (“Comentários sobre Um Curso em Milagres – UCEM Texto, Seção 1.I – Princípios dos Milagres”), Allen Watson, site http://www.allen-watson.com/uploads/5/0/8/0/50802205/c01s01a.pdf

Artigo “A Course in Miracles: The Guide to Salvation” [Um Curso em Milagres: O Guia para a Salvação”], Sean Reagan, acesso através do link https://seanreagan.com/a-course-in-miracles-the-guide-to-salvation/.

Artigo “The Urgency of Doing Our Part in Salvation” [“A Urgência de Fazer Nossa Parte na Salvação”], Greg Mackie, acesso através do link https://circleofa.org/library/urgency-of-doing-our-part-in-salvation/.

Artigo “Shadow Figures” [figuras de sombra], Robert Perry, acesso através do link https://circleofa.org/library/shadow-figures/.

Artigo-estudo intitulado “Shadows of the Past” [Sombras do Passado], Allen A. Watson, acesso através do  link http://www.allen-watson.com/allens-text-commentaries.html.

Recomendamos o site The Pathways of Light Community, para reforços no processo de estudo: https://www.pathwaysoflight.org.

Artigo sobre o Capítulo 17: O Perdão e o Relacionamento Santo – Seção III: Sombras do passado; pode ser acessado através do link: https://www.pathwaysoflight.org/acim_text/print_acim_page/chapter17_section_iii.

Transcrição de palestra do professor David Hoffmeister, estudante, pesquisador e eminente divulgador de UCEM, durante a Conferência “A Course in Miracles – ACIM” [“Um Curso em Milagres”], no mês de fevereiro de 2007, acesso através do link https://awakening-mind.org/resources/publications/accepting-the-atonement-for-yourself/. As diversas palestras do professor David podem ser acessadas, em inglês, no site https://acim-conference.net/past-acim-conferences/.

Trechos do workshop realizado na Fundação para Um Curso em Milagres (Foundation for A Course in Miracles), em Roscoe, Nova Iorque, denominado “Regras para decisões”, Dr. Kenneth Wapnick, Ph.D., no link https://facim.org/online-learning-aids/excerpt-series/rules-for-decision/.

Artigo “Levels of Mind: Looking at the ‘Layers’ of Mind that form Perception” (“Níveis da Mente: Olhando para as ‘Camadas’ da Mente que formam a Percepção”), Site https://miracleshome.org/publications/levelsofmind.htm.

Artigo “To Desire Wholly is to Be” (“Desejar Totalmente é Ser”), do professor David Hoffmeister. Site: https://miracleshome.org/supplements/todesirewholly_171.htm.

Artigo “The Glory of Who We Really Are” [“A glória de quem nós realmente somos”], do professor Greg Mackie. Site: https://circleofa.org/library/the-glory-of-who-we-really-are/?inf_contact_key=2c1c99e05ff3c25330a7916d84d19420680f8914173f9191b1c0223e68310bb1.

Artigo “The difference between horizontal and vertical perception”, Paul West (16/09/2019). Site https://www.voiceforgod.net/blogs/acim-blog/the-difference-between-horizontal-and-vertical-perception.

Artigo “The Holy Relationship: The Source of Your Salvation [“O Relacionamento Santo: A Fonte de Sua Salvação”], Greg Mackie. Site Circle of Atonement, https://circleofa.org/library/holy-relationship-source-of salvation/?inf_contact_key=791ef4a4c578a34f45d28b436fec486d680f8914173f9191b1c0223e68310bb1.

Artigo “On Becoming the Touches of Sweet Harmony – The Holy Relationship as Metaphor – Part 1 and Part 2” [“Sobre se Tornar os Realces da Amena Harmonia – O Relacionamento Santo como Metáfora – Parte 1 e Parte 2”], 1º de junho de 2018, Volume 22 Nº 2 – Junho 2011, Dr. Kenneth Wapnick, Ph.D. Site https://facim.org/becoming-touches-sweet-harmony-holy-relationship-metaphor/.

Livro “Your Immortal Reality: How to Break the Cycle of Birth and Death” (tradução livre: “A Sua Realidade Imortal: Como Quebrar o Ciclo de Nascimento e Morte), de autoria de Gary R. Renard.

Fonte de consulta para a tradução dos Dez Mandamentos em português: https://biblia.com.br/perguntas-biblicas/quais-sao-os-10-mandamentos-e-onde-os-encontramos-na-biblia-cl/.

Artigo “Summary of the Thought System of “A Course in Miracles” [Resumo do Sistema de Pensamento de “Um Curso em Milagres”]. Links https://facim.org/summary-of-the-thought-system-of-a-course-in-miracles-part-1/; https://facim.org/summary-of-the-thought-system-of-a-course-in-miracles-part-2/.

Artigo “Miracles boomeritis” [Boomerite dos Milagres], Robert Perry, https://circleofa.org/library/miracles-boomeritis/.

Livro “Boomerite: Um romance que tornará você livre” [na versão em português; “Boomeritis: A Novel That Will Set You Free”, na versão original em inglês].

Artigo “A brief summary of “The obstacles to peace” [“Um breve resumo de “Os obstáculos à paz”], Robert Perry, site Circle of Atonement, link https://circleofa.org/library/brief-summary-obstacles-to-peace/.

Artigo “A Course in Miracles and ‘The Secret’” [“Um Curso em Milagres e ‘O Segredo’”], Greg Mackie. Site https://circleofa.org/library/a-course-in-miracles-and-the-secret/.

Artigo “How can the Course help us cope with a financial crisis” [“Como o Curso pode nos ajudar a lidar com uma crise financeira?”], Greg Mackie. Site https://circleofa.org/library/course-help-cope-with-financial-crisis/.

Artigo “True Empathy” [“A Verdadeira Empatia”], autor Robert Perry. Site https://circleofa.org/library/true-empathy/.

Artigo: “I NEED BE ANXIOUS OVER NOTHING”, autor Greg Mackie. Site: https://circleofa.org/library/carefree-life/;

Artigo “16-POINT SUMMARY OF THE TEACHING OF A COURSE IN MIRACLES”, autor Robert Perry. Site: https://circleofa.org/library/creation-by-god/

Livro “365 Days Through A Course in Miracles – A Daily Devotional”, de Jeff Nance.

Artigo ‘The Introduction to the Workbook’, de Allen Watson. Site: https://circleofa.org/workbook-companion/the-introduction-to-the-workbook/

Um milagre é uma correção. Ele não cria e realmente não muda nada. Apenas olha para a devastação e lembra à mente que o que ela vê é falso. Desfaz o erro, mas não tenta ir além da percepção, nem superar a função do perdão. Assim, permanece nos limites do tempo. LE.II.13

Nada real pode ser ameaçado.
Nada irreal existe.
Nisso está a paz de Deus.
T.In.2:2-4

Autor

Graduação: Engenheiro Operacional Químico. Graduação: Engenheiro de Segurança do Trabalho. Pós-Graduação: Marketing PUC/RS. Pós-Graduação: Administração de Materiais, Negociações e Compras FGV/SP. Consultor de Empresas: Projeto OREM® - Organizações Baseadas na Espiritualidade (OBEs). Estudante e Pesquisador Independente sobre Espiritualidade Não-Dualista; Psicofilosofia Huna e Ho’oponopono; A Profecia Celestina; Um Curso em Milagres (UCEM); Espiritualidade no Ambiente de Trabalho (EAT); A Organização Baseada na Espiritualidade (OBE). Certificação: “The Self I-Dentity Through Ho’oponopono® - SITH® - Business Ho’oponopono” - 2022.

0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
0
Would love your thoughts, please comment.x