…continuação da Parte II…

Edição Completa da Seção I do Capítulo 1 do livro Texto

FIP 33. Milagres te honram porque és amável. Eles dissipam ilusões a respeito de ti mesmo e percebem a luz em ti. Assim expiam os teus erros libertando-te dos teus pesadelos. Por liberar a tua mente da prisão das tuas ilusões, restauram a tua sanidade.

  • CAE 33. O receptor do milagre permitiu que sua mente fosse possuída por “pensamentos maus” (T-1.33.3:3) e, como resultado, ele é atormentado por “pesadelos consigo mesmo” (T-1.33.2:2). O trabalhador em milagres vê além de tudo isso para algo genuinamente amável nele. O milagre que ele dá é um ato de verdadeiramente honrar o receptor e isso o liberta de seus demônios internos e restaura nele a sua mente certa.
  • CRP: “Honrando a santidade e a perfeição no receptor. Por causa da percepção amorosa em seu âmago, o milagre envolve uma profunda homenagem ao receptor. Honra a santidade e perfeição que Deus criou nele. Assim, ele elogia         implicitamente o Criador dessa perfeição e, ao mesmo tempo, libera o receptor de seus ‘pesadelos consigo mesmo’ (T-1.33.2:2).”
  • URT T 1 B 28a. Os milagres honram ao homem, PORQUE o homem é amável. Eles desfazem ilusões sobre ele mesmo e percebem a luz nele. Eles, assim, expiam os seus erros, ao libertá-lo dos seus próprio pesadelos. Eles o liberam de uma prisão na qual ele próprio se aprisionou. Ao liberar a sua mente de ilusões, eles restauram a sua sanidade e o colocam aos pés de Jesus.
  • URT T 1 B 28b. (A citação Bíblica se refere à cura de um homem possuído pelo diabo, na qual aquele que sofria foi subsequentemente encontrado curado, em sua mente certa e sentado aos pés de Jesus. Nota da Helen).
  • URT T 1 B 28c. (Diga ao Bill que a mente do homem pode ser possuída por ilusões, mas o Espírito do homem é eternamente livre. Se uma mente cria sem amor, ela é capaz de criar um casco vazio. Isso PODE ser possuído pelo mal. Mas a Expiação restaura a Alma ao seu lugar apropriado. A não ser que haja o vazio, não há         nenhum perigo e o vazio é uma criação falsa. A mente que serve ao Espírito é invulnerável).
  • OE T.1.I. 33.46. Milagres honram o homem porque ele é amável. Eles dissipam as ilusões sobre ele e percebem a luz nele. Eles, assim, expiam os seus erros, liberando-o de seus próprios pesadelos. Eles o liberam de uma prisão na qual ele se aprisionou e, ao liberar a sua mente das ilusões, restauram a sua sanidade. A mente do homem pode ser possuída por ilusões, mas o seu espírito está eternamente livre. Se uma mente percebe sem amor, ela percebe uma concha vazia e não tem consciência do espírito dentro dela. Mas a Expiação restaura a Alma ao seu devido lugar. A mente que serve ao espírito é invulnerável.
  • KW: “Essa é outra expressão da mesma ideia. Milagres dispersam todas as ilusões sobre sermos separados, sendo corpos, sobre outras pessoas serem corpos e sobre sermos vitimados, tanto por nós mesmos quanto por outras pessoas. Eles nos ajudam a reconhecer que somos todos o mesmo, que estamos todos juntos no mesmo barco do mundo do ego e que vamos deixar esse barco juntos. Uma frase posterior no Texto diz ‘juntos, ou não de forma alguma’ (T-19.IV.D.12:8). Assim, ninguém deixou o Céu sozinho e ninguém volta ao Céu sozinho. “Assim expiam os teus erros liberando-te dos teus pesadelos’. Nós poderíamos ler isso como significando que os milagres corrigem nossos erros ou desfazem nossos erros por nos mostrarem que existe outro sonho além do pesadelo, que corrige nossas ilusões – e esse é nosso ‘sonho feliz’. ‘Por liberar a tua mente da prisão das tuas ilusões, restauram a tua sanidade’. Nossas mentes ficam livres das crenças ilusórias do mundo.”

FIP 34. Milagres restauram a mente à sua plenitude. Por expiar o senso de carência, estabelecem proteção perfeita. A força do espírito não deixa lugar para intrusões.

  • CAE 34. O milagre perdoa o receptor, restaurando-o à plenitude de espírito e enchendo-o de força. Ele agora se sente perfeitamente protegido, pois não há lacunas ou rachaduras em sua integridade onde a ameaça possa entrar. E tendo sido liberado, ele agora se junta ao plano de liberar todos os outros.
  • CRP: “O efeito de cura no receptor. Porque o trabalhador em milagres perdoa o receptor, vendo apenas o espírito nele, isso desperta essa mesma consciência no receptor. Isso o eleva à esfera da ordem celestial, na qual ele já é perfeito. Lá, ele fica cara a cara com a sua verdadeira santidade. Ele é liberado “de seu senso errado de isolamento, privação e carência” (T-1.43.1:1). O seu corpo está curado. O seu passado foi apagado. E ele dá um passo à frente para um novo futuro, no qual ele agora se torna um trabalhador em milagres.”
  • URT T 1 B 29a. O milagre restaura a Alma à sua integridade. Ao expiar a falta, ele estabelece proteção perfeita. A força da Alma não deixa nenhum espaço para intrusões. Aqueles que foram perdoados estão preenchidos com a Alma e a Alma deles perdoa de volta. É a tarefa dos que foram liberados a de liberar os seus irmãos.
  • URT T 1 B 29b. Os perdoados SÃO o meio da Expiação. Aqueles liberados por Cristo têm de unir-se na liberação dos seus irmãos, pois este é o plano da Expiação.
  • OE T.1.I. 34.47. Milagres restauram a [Alma] à sua plenitude. Ao expiar a falta, eles estabelecem proteção perfeita. A força da Alma não deixa espaço para intrusões. Os perdoados estão cheios da Alma e perdoam em troca. É dever do liberado liberar os seus irmãos.
  • OE T.1.I. 34.48. Os perdoados são os meios da Expiação. Os liberados por Cristo devem unir-se à liberação de seus irmãos, pois esse é o plano da Expiação. Milagres são a maneira pela qual mentes que servem ao espírito se unem a Cristo para a salvação ou liberação de todas as criações de Deus.
  • KW: “Isso deveria ser compreendido como significando que os milagres restauram a mente à consciência da sua completude, porque a completude ou abundância de Deus nunca partiu. Tudo o que o milagre faz é tirar o véu que o ego colocou lá para manter oculta de nós a abundância de quem realmente somos. Por expiarem a falta (i.e., por corrigirem a falta), milagres estabelecem proteção. O ego nos ensina que estamos em falta de algo; o que significa que estamos vulneráveis. Isso significa que temos que ser protegidos. O que o milagre faz é nos mostrar que não existe falta em nós e, portanto, não temos necessidade de qualquer proteção. A proteção do espírito, assim, é meramente a consciência da invulnerabilidade do espírito. Uma criança de Deus nunca pode ser ferida. Essa é uma das mais claras compreensões que poderíamos ter sobre o significado da crucificação. É isso o que Jesus nos ensinou: apesar do que o mundo percebia, nada estava sendo feito a ele. O seu corpo pode ter sido atacado, mas ele não poderia ser atacado. Ele se identificou com a perfeita proteção do espírito porque ele sabia Quem era e, portanto, não importava o que era feito ao seu corpo, quer seja física ou psicologicamente. Essa é a perfeita proteção do espírito. Nesse ponto, então, não pode haver intrusões no espírito. É como se existisse um círculo de luz ao nosso redor, com o qual nos identificamos e qualquer escuridão que o ego tentasse jogar sobre nós iria simplesmente ser dispersada pela luz. Você não pode introduzir escuridão em um quarto cheio de luz. A escuridão é ausência de luz, que realmente significa que a escuridão não tem propriedades próprias. Identificarmo-nos com a luz de Cristo, Que nós somos, é nossa proteção. O que é interessante é que algumas vezes, as pessoas tentam concretizar isso de alguma forma, tentando estender ou manifestar um círculo de luz ao redor delas, ou irradiarem luz ou algo assim. Tudo o que isso faz é tornar o corpo e o perigo reais. Portanto, tudo o que você precisa fazer é saber Quem você é, e esse conhecimento e essa consciência é a luz. Você não tem que fazer coisa alguma. Uma vez que você faça algo, isso se torna uma defesa. Você não faz coisa alguma; você apenas se lembra de Quem é e esse ser está além de todo fazer.”

FIP 35. Milagres são expressões de amor, mas podem não ter sempre efeitos observáveis.

  • CAE 35. Simplesmente por dar expressões de amor, você serve ao espírito e se une a Cristo para a liberação de todas as criações de Deus.
  • CRP: “O trabalhador em milagres como um elo em um plano maior. O seu papel pode parecer ineficaz e as suas expressões de amor podem parecer insignificantes. Mas fazendo-os, você serve ao espírito. Você se torna um elo essencial em uma corrente cujo propósito é a liberação de todas as criações de Deus.”
  • URT T 1 B 30a. Milagres são o meio pelo qual as mentes que servem ao espírito unem-se a Cristo pela salvação (ou liberação) de todas as Criações de Deus. T(18)-18
  • OE T.1.I. 35.49. Milagres são expressões de amor, mas isso não quer dizer que serão [eficazes]. Eu sou o único que pode realizar milagres indiscriminadamente porque eu sou a Expiação. Você tem um papel na Expiação, que irei ditar a você. Pergunte-me quais milagres você deve realizar. Isso o poupa da exaustão, porque você agirá sob comunicação direta.
  • KW: “Isso é muito importante. Uma das armadilhas na qual as pessoas caem, como já disse, quer estejam trabalhando com Um Curso em Milagres ou com qualquer outra forma de cura, é que elas querem resultados. Se eu não conseguir resultados, se o seu resfriado não desaparecer, se a ferida não cicatrizar, se esse tumor não sumir, então, isso significa que eu não sou um bom curador. Tudo o que aconteceu é que nós caímos na mesma armadilha de tornar o corpo real. Um dos avisos principais que o Curso consistentemente dá é: não torne o erro real. Um Curso em Milagres não acredita em pecado; mas, se acreditasse, o pecado contra o Curso seria tornar o erro real. Nós tornamos o erro real por acreditarmos que temos que fazer algo contra ou a favor do erro. Uma vez que acreditamos que existe um problema no nível do corpo que precise ser curado, então, estamos tornando o erro real. Tentar projetar um círculo de luz ao seu redor ou ao redor de outra pessoa é um exemplo de tornar o erro real, porque então, você estará dizendo que a luz tem que proteger essa pessoa ou a mim mesmo contra a escuridão. Obviamente, então, você         estará tornando a escuridão real. Você não tem que lutar contra algo se ele for irreal. Você apenas luta contra ele ou se protege contra ele quando acredita que é real. A proteção sobre a qual o Curso fala é a proteção do nosso sistema de pensamento, o que significa que nós corrigimos os pensamentos equivocados que temos. Tudo o que estou dizendo é: faça qualquer coisa que o leve a sentir melhor, mas não acredite que isso está fazendo o que você pensa que está fazendo. O Curso fala sobre a ideia de levar ilusões à verdade, ou escuridão à luz. O ego faz isso do outro jeito. Ele leva a verdade à ilusão. As pessoas serão tentadas a pegar a verdade desse Curso, que é um sistema muito puro e levá-la às ilusões que todos nós acalentamos. Existem certas coisas que não queremos liberar, então, se você gostar muito de círculos de luz, não vai querer liberá-los. Ou, se você gostar muito de pedir vagas para estacionar, não vai querer liberar isso. E não há nada aqui que diga que você tem que fazê-lo. Jesus não está lá fora com um chicote. Ele está apenas dizendo que isso não vai lhe dar o que você quer; isso é tudo. Se você quiser ser indulgente consigo mesmo ao longo do caminho, acho que isso está certo, desde que você reconheça o que está fazendo. É isso que é importante. Um Curso em Milagres não diz que não deveríamos ficar zangados. Ele diz que não deveríamos justificar a raiva. Esse é o equívoco. Todos vão ficar zangados, porque nós temos egos. A ideia é que, quando você ficar zangado e transtornado, não justifique isso. É isso o que Jesus diz no Capítulo 3, quando fala sobre Expiação sem sacrifício (T-3.1). Ele diz que é aí que as pessoas erram. Elas têm que reverter toda uma forma de pensar para poderem justificar a percepção equivocada de que Deus fez Seu próprio Filho sofrer. Em outras palavras, as pessoas criaram a teologia que justificava a projeção da sua própria culpa. Mas, quando você constrói uma teologia, psicologia, filosofia, teoria ou economia, ou seja o que for para justificar a projeção do seu próprio ego, vai ter problemas. Não há nada errado em ter círculos de luz ao seu redor se isso faz com que você se sinta melhor, mas, quando tentar torná-los parte desse sistema de pensamento, será aí que o equívoco vai entrar. Quando você fala no Nível Um, tudo realmente parece muito difícil, porque esse é o nível que é sem transigência. Ele diz que você entende, no final, que ‘o que é falso é falso, e o que é verdadeiro nunca mudou’ (LEpII.10.1:1). Tudo nesse mundo é falso e, portanto, você não deveria colocar qualquer investimento nisso. Mas ninguém que viva nesse mundo do     corpo, como todos nós vivemos, vai ser capaz de liberar totalmente todos os investimentos no mundo. Sempre haverá algumas pequenas coisas – esperemos que sejam apenas pequenas coisas -, às quais nos agarraremos. Esse é o Nível Dois, que é uma forma muito mais gentil de olhar para tudo isso. Mas, onde não pode haver transigência mesmo, é na ideia de não tornarmos o erro real, não tentarmos justificar as percepções equivocadas do ego. Não há nada errado em ter ataques egóicos; todos nós vamos tê-los. O equívoco está em tentarmos dizer, ‘Bem, é isso o que o Curso realmente está dizendo’, ou ‘É isso o que a Bíblia está realmente dizendo’, ou ‘É isso o que Deus me disse que eu deveria fazer’. É muito melhor apenas dizer, ‘Bem, eu tive um ataque egóico’, ou ‘Ter um círculo de luz ao meu redor faz o meu ego se sentir melhor’, ou pedir uma vaga para estacionar ao Espírito Santo. Está tudo bem com isso, desde que você não tente dizer que é isso o que o Curso está dizendo. Uma vez que o faça, vai cair na mesma armadilha que aconteceu há dois mil anos, de pegarem uma mensagem que era radiantemente pura e rapidamente envolvê-la com mortalhas de escuridão e culpa, para que ela terminasse sendo uma religião de ódio, em vez de uma de amor.”

FIP 36. Milagres são exemplos do pensamento certo, alinhando as tuas percepções com a verdade tal como Deus a criou.

  • CAE 36. Visto que os milagres contêm o pensamento certo, eles também promovem o pensamento certo e a visão clara do doador. Expressar amor permite que você veja com precisão os limites entre você mesmo e os outros e os limites em a sua própria mente. E ele permite que você veja além dos limites, percebendo “a verdade tal como Deus a criou” (T-1.36.2:2). Isso coloca tudo em uma verdadeira perspectiva para você, mostrando-lhe que os corpos são irrelevantes e que o espírito é tudo o que realmente importa.
  • CRP: “Ganho para o doador também. Não pense que quando você dá um milagre, você perdeu ou se sacrificou. Um milagre desafia as leis físicas no sentido de que você, o doador, também ganha. Você e o receptor experimentam um reconhecimento compartilhado de igualdade e valor mútuo. Isso encurta a sua jornada (junto com a jornada do receptor). Ele traz mais amor para você. Ele aumenta a sua reserva de força. E ele permite que você perceba claramente, vendo ‘a verdade como Deus a criou’ (T-1.36.2:2).”
  • URT T 1 B 31a. Milagres são exemplos da mentalidade certa. O contato com a realidade, em todos os níveis, torna-se forte e preciso, permitindo assim o delineamento correto de fronteira intrapessoal e interpessoal. Como resultado, o fazedor vê a verdade como Deus a criou. É isso o que se quer dizer com o ponto sobre “ajuste da perspectiva”.
  • OE T.1.I. 37.54. Milagres são exemplos de pensamento correto. O contato da realidade em todos os níveis torna-se forte e preciso, permitindo assim o delineamento correto das fronteiras intrapessoal e interpessoal. Como resultado, as percepções do fazedor estão alinhadas com a verdade conforme Deus a criou.
  • KW: “Um pouco depois, o Curso usa a palavra ‘mentalidade certa’ (T-2.V.3:1), i.e., pensar apenas com o Espírito Santo, em vez de com o ego. O milagre não expressa diretamente a verdade de Deus, mas está alinhado com ela ou a reflete. A verdade de Deus é que nós somos todos um só. Nesse mundo, nós experienciamos a unicidade por transcendermos todas as barreiras de separação do ego: pensamentos de raiva, mágoa, vitimização, etc. Embora a percepção verdadeira não seja a verdade, ela, apesar disso, não está em conflito com ela. Isso é o mesmo que a ideia que já discutimos sobre o ‘reflexo da santidade’ ou os ‘arautos da eternidade’. Esses reflexos são a meta do Curso, pois eles são o efeito inevitável quando desfazemos todas as barreiras à verdade.”

FIP 37. Um milagre e uma correção introduzida por mim num pensamento falso. Age como catalisador, quebrando a percepção errônea e reorganizando-a adequadamente. Isso te coloca sob o princípio da Expiação onde a percepção é curada. Até que isso tenha ocorrido, o conhecimento da Ordem Divina é impossível.

  • CAE 37. Um milagre é um catalisador que Jesus introduz na mente para corrigir a “percepção errônea”. Ele quebra essa percepção e, em seguida, a reorganiza de maneira adequada no lugar. Isso cura a percepção e abre a consciência no nível da realidade da ordem divina.
  • CRP: “O milagre interno. Milagres não são apenas algo que você dá aos outros. Eles também são algo que Jesus dá à sua própria mente. Eles agem como catalisadores que quebram a percepção equivocada e a curam. Eles curam a sua confusão de níveis, colocando o corpo e o espírito na perspectiva adequada para você. Para se beneficiar deles, você deve estar disposto a comparar as suas percepções equivocadas com a realidade única do amor perfeito.”
  • URT T 1 B 32. Um milagre é um fator de correção introduzido no pensamento falso por mim.
  • URT T 1 B 32b. Isso atua como um catalisador, sacudindo a percepção errônea e colocando-a no lugar certo. Esse fator de correção coloca o homem sob o princípio da Expiação, no qual a sua percepção está curada. Até que isso tenha acontecido, a percepção da Ordem Divina é impossível. A percepção profunda verdadeira se torna possível somente na ordem mais elevada de integração perceptual.
  • OE T.1.I.38.55. Um milagre é um fator de correção introduzido por mim no pensamento falso. Ele atua como um catalisador, sacudindo a percepção errônea e reorganizando-a adequadamente. Isso coloca o homem sob o princípio da Expiação, onde a sua percepção é curada. Até que isso ocorra, a revelação da ordem divina é impossível.
  • KW: “’Percepção errônea’ é perceber um problema no mundo, externo a nós. O milagre reorganiza a percepção, porque a leva de volta para onde o problema realmente está: em nossas mentes. Jesus é aquele que introduz o milagre. Nosso trabalho é meramente escolhermos querer que ele o faça, pedindo a sua ajuda para vermos a situação da forma que ele vê. Isso é percepção verdadeira. Jesus pega as percepções falsas que tornamos reais – doença, conflito, guerra, etc. – e as vira ao contrário, para que vejamos tudo da mesma forma: todos, incluindo a nós mesmos, estão pedindo ajuda. Outro termo técnico usado de forma consistente através de todo o Um Curso em Milagres é ‘conhecimento’. Como o Curso o usa, ele é sinônimo do Céu. A contraparte do conhecimento, ou o oposto ao conhecimento, é a percepção e quase sempre você vai ver esses dois termos justapostos. O conhecimento transcende a dicotomia sujeito-objeto, que é inerente à percepção. Até mesmos as ‘visões santas’ (tais como aquelas que muitos místicos reportam) são perceptuais e, portanto, não duram. O conhecimento é do espírito, de Deus, e não pode ser atingido nesse mundo. De fato, o Curso diz muito claramente que o conhecimento não é a meta desse Curso; a paz sim (T-8.I.1:1-2). Aqui, ele está falando sobre a paz que vem de dentro desse mundo, quando você olha para todas as pessoas como unidas a você. Não há culpa e nem ataque.”

FIP 38. O Espírito Santo é o mecanismo dos milagres. Ele reconhece tanto as criações de Deus quanto as tuas ilusões. Ele separa o verdadeiro do falso através da Sua capacidade de perceber de forma total e não seletiva.

  • CAE 38. “O olho espiritual é o mecanismo dos milagres” – o  instrumento que os produz. Isso ocorre porque o conteúdo dos milagres é a visão verdadeira, que é exatamente o que o olho espiritual faz. O olho espiritual é uma faculdade em você que vê a verdade independentemente das aparências. 
  • CRP: “A mentalidade certa que leva a dar milagres. Você tem o direito de apresentar milagres, mas primeiro você deve permitir que os seus pensamentos sejam purificados. Você deve aceitar o amor do seu Criador, para que possa dá-lo aos outros. Você deve se tornar consciente do Cristo interior e abrir o olho espiritual em você, que vê a verdade nos outros e vê que os seus erros são irreais.”
  • URT T 1 B 32c. O olho Espiritual é o mecanismo dos milagres, porque o que o olho Espiritual percebe É verdade. O olho Espiritual percebe as Criações de Deus E as criações do homem. Dentre as criações do homem, ele também é capaz de separar o verdadeiro do falso, através da sua habilidade de perceber totalmente ao invés de separadamente. Ele assim se torna o  instrumento apropriado para se testar a realidade, que sempre envolve a necessária distinção entre o verdadeiro e o falso.
  • OE T.1.I.39.56. O olho espiritual é o mecanismo de milagres porque o que Ele percebe é verdadeiro. Ele percebe tanto as criações de Deus quanto as do homem. Entre as criações do homem, Ele também pode separar o verdadeiro do falso por Sua capacidade de perceber totalmente, em vez de seletivamente. Assim Ele se torna o instrumento adequado para o teste de realidade, que sempre envolve a distinção necessária entre o falso e o verdadeiro.
  • KW: “Isso significa que o Espírito Santo é um “batedor ambidestro”, como o Curso diz depois, Ele é ‘a única parte da Trindade que tem uma função simbólica’ (T-5.1.4:1). Isso significa que Ele pode funcionar em um mundo de símbolos. Não existem símbolos no Céu, apenas nesse mundo. O Espírito não é uma ilusão porque Deus O criou. No entanto o Curso diz que, quando a separação for totalmente curada e o Espírito Santo não for mais necessário, Ele ainda existirá porque Deus O criou. E então, o Curso diz que Ele retornará ao Céu e abençoará nossas criações (T-5.I.5:7). Ele é apenas uma extensão de Deus. A Sua função é uma ilusão, pois é a de corrigir uma ilusão, assim como é a forma na qual o conteúdo do Seu Amor é experienciado por nós. Ele não é um de nós. Nós somos parte da Segunda Pessoa da Trindade – Cristo – e o Espírito Santo é a Terceira Pessoa da Trindade. Em outro nível, é claro, a Trindade é Uma Só. Um Curso em Milagres realmente fala dos Níveis da Trindade. Isso é mais do que uma boa distinção teológica. É importante corrigirmos a ideia de que a Voz do Espírito Santo é a nossa própria. Isso é similar à crença em que somos Deus, que o Curso afirma muito claramente que não somos. Acreditar que a Voz de Deus é a nossa própria, sem falar em que nós somos o Próprio Deus, é apenas outra expressão da crença básica que nos trouxe todos esses problemas para início de conversa. O que acontece quando o sonho estiver terminado é uma dessas coisas que ninguém poderia entender de forma alguma. Eu só posso lhe dizer o que Um Curso em Milagres fala sobre isso. Mas a ideia é a de que o Espírito Santo tem um pé na realidade, no Céu e tem outro pé no sonho (presumindo que Ele tenha dois pés). Ele está dentro do sonho, mas, no entanto, Ele não é parte do sonho. Ele está dentro de nossas mentes separadas e trabalha dentro delas; no entanto, Ele também está em contato com a Mente de Cristo. Ele é como um intermediário. Deus, é claro, nem mesmo sabe nada sobre o sonho, ou o mundo da ilusão. Uma analogia seria a de um pai observando uma criança adormecida à noite e vendo a criança se remexendo, obviamente, tendo um pesadelo. O pai não sabe o que a criança está sonhando, pois isso está fora da sua mente, mas o pai realmente sabe que a criança está sofrendo e obviamente iria gostar de aliviar essa dor. Essa é a situação na qual Deus está. Portanto, Ele estende a Si Mesmo para o sonho, para a mente do Seu Filho adormecido. O ‘Espírito Santo’ é o nome que Um Curso em Milagres dá à essa extensão da Voz por Deus. E, dentro desse sonho, ele nos diz, ‘Meu irmão, escolhe outra vez. Você pode olhar para o seu sonho de forma diferente’. Assim, ele faz uma triagem entre o que realmente não atende às nossas necessidades; i.e., relacionamentos especiais. Ele nos ajuda a unificarmos nossa percepção, para vermos todas as coisas como lições que Deus gostaria que aprendêssemos. É isso o que quer dizer ‘Ele separa o verdadeiro do falso’, e ‘perceber de forma total e não seletiva’. Esse era o ponto que eu estava afirmando mais cedo, que Ele iria ver todos os aspectos de uma situação. Nós iríamos ver uma situação apenas em termos das nossas necessidades específicas. Ele reconhece todas as situações como oportunidades para curar todas as pessoas envolvidas.”

FIP 39. O milagre dissolve o erro porque o Espírito Santo o identifica como falso ou irreal. Isso é o mesmo que dizer que por perceber a luz, a escuridão automaticamente desaparece.

  • CAE 39. O olho espiritual gera milagres porque ela vê corretamente que o erro do receptor é falso ou irreal. Isso dissipa este erro da mesma forma que a luz dissipa as trevas.
  • CRP: “A mentalidade certa que leva a dar milagres. Você tem o direito de apresentar milagres, mas primeiro você deve permitir que os seus pensamentos sejam purificados. Você deve aceitar o amor do seu Criador, para que possa dá-lo aos outros. Você deve se tornar consciente do Cristo interior e abrir o olho espiritual em você, que vê a verdade nos outros e vê que os seus erros são irreais.”
  • URT T 1 B 33a. O milagre dissolve o erro porque o olho Espiritual identifica o erro como sendo falso ou irreal. Isso é o mesmo que dizer que ao ver a luz, a escuridão automaticamente desaparece. T(23)-23
  • URT T 1 B 33b. A escuridão é falta de luz. Ela não possui propriedades únicas em si mesma. É um exemplo da falácia da escassez, a partir da qual somente o erro pode proceder.
  • URT T 1 33c. (A verdade é sempre abundante… Aqueles que percebem e reconhecem o fato de que têm tudo não têm qualquer necessidade de um comportamento dirigido de qualquer tipo. A Helen tem outro material pessoal relacionado a isso em relação à gravidez).
  • OE T.1.I.40.57. O milagre dissolve o erro porque o olho espiritual identifica o erro como falso ou irreal. Isso é o mesmo que dizer que, ao perceber a luz, a escuridão desaparece automaticamente.
  • OE T.1.I.40.58. As trevas são falta de luz, assim como o pecado é falta de amor. Não possuem propriedades próprias. É um exemplo da falácia da “escassez”, da qual só pode proceder o erro. A verdade é sempre abundante. Aqueles que percebem e reconhecem que têm tudo, não precisam de comportamento dirigido de qualquer tipo.
  • KW: “É a mesma coisa dizer que Ele dissolve o erro, corrige o erro, desfaz o erro, ou expia pelos erros. Ele entende que todos os erros são falsos ou irreais. Não existem gradações em erros. Um vezes zero é o mesmo que cem ou mil vezes zero. ‘Isso é o mesmo que dizer que por perceber a luz, a escuridão automaticamente desaparece’. Uma vez que você percebe e reconhece a verdade de quem você é, os erros ou a escuridão do ego vão desaparecer, porque tudo o que os mantém no lugar são seus pensamentos sobre eles. Lembre-se, não há nada lá fora que seja real. São apenas nossos pensamentos que tornam as coisas do mundo reais em nossas mentes. E, uma vez que os tornamos reais, o ego se torna real. E então, não podemos ignorar o ego. Como o Curso ensina, você não pode perdoar um pecado depois de tê-lo tornado real (i.e., T-30.VI.1-3). Não podemos dizer que o mundo é ilusório e nada além de uma sala de aula, na qual aprendemos isso, enquanto acreditarmos que a escuridão é real e precisa de cura e de luz. A luz não é necessária lá fora, porque não existe nada lá fora. Ela é necessária dentro de nossas mentes que acreditam na escuridão e a escuridão, é claro, não é nada além da nossa própria culpa. Esse princípio também reflete a ideia de que a luz e a escuridão são estados mutuamente excludentes. Quando você acende a luz em uma sala escura, a escuridão desaparece. Desligue a luz e a escuridão retorna. É assim que o ‘pecado’ pode ser compreendido também. Chame algo de pecado e ele se tornou real e não pode mais ser visto como um pedido de ajuda. Pecados exigem punição; o pedido de ajuda ou amor pede ajuda e amor.”

FIP 40. O milagre reconhece todas as pessoas como teu irmão e meu também. É um caminho para se perceber a marca universal de Deus.

  • CAE 41. No centro do milagre está a percepção de que o receptor traz a marca universal de Deus e, portanto, é seu irmão há muito perdido na família de Deus, como todos.
  • CRP: “O conteúdo perceptivo do milagre. No centro do milagre está uma percepção amorosa de quem o recebe. Essa percepção ignora completamente o corpo do receptor, vendo apenas a sua integridade e seu valor inestimável, junto com o seu próprio. Ele vê a marca universal de Deus nele, reconhecendo-o como o seu irmão há muito perdido. Essa percepção é o que o cura.
  • URT T 1 B 35a. O milagre reconhece todos os homens como os seus irmãos e Meus. É uma maneira de perceber a Marca Universal de Deus neles.
  • URT T 1 B 35b. (Diga ao Bill que esse é o verdadeiro “tumor” da Fraternidade. Isso é apenas um sinal de preocupação especial com ele, porque ele continua se preocupando com isso).
  • URT T 1 B 35c. Você poderia acrescentar que a ideia falsa dele sobre a sua própria exclusão do Amor Universal é falaciosa nos seus [da Helen] termos e arrogante nos termos dele. O real especialismo DELE NÃO brota da exclusão, mas da inclusão. TODOS os Meus Irmãos são especiais. Ele deveria parar de interpretar isso como sendo “todos, exceto o Bill”. Isso é ridículo! T(24)-24
  • URT T 1 B 35d. Diga a ele que a falta de amor implícita que a versão dele contém está MUITO longe da verdade e está fora do nível da mentalidade certa inteiramente. Ele PRECISA curar a sua percepção a esse respeito. Ele tem de trabalhar um milagre em prol de si mesmo aqui. (Veja o ponto sobre os milagres como corretores da percepção antes que ele possa efetuar milagres como energizadores criativos, que eles são).
  •  URT T 1 B 35e. (Diga ao Bill que 50.000.000 franceses PODEM estar errados, porque a noção é demasiadamente fragmentada. O que NÃO PODE estar errado é a Filiação Universal, da qual ele é parte).
  • URT T 1 B 35f. Deus SERIA zombado se QUALQUER UMA de Suas criações carecessem de santidade. A Criação É íntegra. A marca da Integridade é a Santidade, não buracos. A FILIAÇÃO NÃO TEM QUAISQUER BURACOS EM LUGAR ALGUM.
  • OE T.1.I.41.41.59. O milagre reconhece todos os homens como seus irmãos e meus. É uma forma de perceber a marca universal de Deus neles. O especialismo dos Filhos de Deus não provém da exclusão, mas da inclusão. Todos os meus irmãos são especiais. Se eles acreditam que estão privados de alguma coisa, a sua percepção fica distorcida. Quando isso ocorre, toda a família de Deus, ou a Filiação, fica prejudicada em seus relacionamentos. No final das contas, cada membro da família de Deus deve retornar. O milagre o chama a retornar porque o abençoa e honra, embora ele possa estar ausente no espírito.
  • OE T.1.I.41.41.60. “Deus não se deixa escarnecer” não é um aviso, mas uma garantia neste ponto. Deus seria escarnecido se alguma de Suas criações carecessem de santidade. A criação é inteira e a marca da integridade é a santidade.
  • KW: “O erro que o milagre corrige é o erro de acreditar que nós somos separados. Quer sejamos separados pelos nossos corpos ou pelas coisas terríveis que acreditamos que as pessoas façam, tudo o que o milagre faz é refletir o fato de que nós somos um só e é isso que Jesus está sempre nos lembrando – que todos nós somos um só com ele. A ‘marca universal de Deus’ seria nosso compartilhar na luz de Cristo.”

FIP 41. A integridade é o conteúdo perceptivo dos milagres. Assim, corrigem ou expiam a percepção defeituosa da falta.

  • CAE 42. “O conteúdo perceptivo” de qualquer milagre que você dá é uma visão da integridade de quem o recebe. O receptor pode se ver como uma pessoa profundamente carente, mas a sua percepção de sua abundância interior cura a sua “percepção defeituosa da falta”.
  • CRP: “O conteúdo perceptivo do milagre. No centro do milagre está uma percepção amorosa de quem o recebe. Essa percepção ignora completamente o corpo do receptor, vendo apenas a sua integridade e o seu valor inestimável, junto com o seu próprio. Ele vê a marca universal de Deus nele, reconhecendo-o como seu irmão há muito perdido. Essa percepção é o que o cura.”
  • URT T 1 B 36a. A Integridade é o conteúdo perceptual do milagre. Ela corrige, assim, (ou expia) a percepção equivocada de falta.
  • URT T 1 B 36b. Agora nós nos voltamos à distinção fundamental entre milagres e projeção. O estímulo TEM DE preceder a resposta e tem de também (determinar, influenciar) o tipo de resposta que é evocada. Os relacionamentos de S e R são EXTREMAMENTE íntimos. (A terminologia do behaviorismo é porque essa parte trata do comportamento).
  • URT T 1 B 36c. O comportamento É resposta, então a pergunta “resposta a quê?” se torna crucial.
  • URT T 1 B 36d. Estímulos de todos os tipos são identificados através da percepção. Você percebe o estímulo e se comporta de acordo. Disso se segue, então, que: Conforme você percebe, Assim você irá se comportar T(25)-25.
  • URT T 1 B 36e. (Helen Schucman levanta a questão que a linguagem Bíblica dificilmente é terminologia behaviorista. REPOSTA: Não, mas ambas não precisam estar FORA de acordo, tampouco).
  • URT T 1 B 36f. Considere a Regra de Ouro novamente. A você é pedido que se comporte em relação aos outros como você gostaria que eles se comportassem em relação a você. Isso significa que a percepção de ambos tem de estar acurada, já que a Regra de Ouro é a Ordem para o comportamento apropriado. Você não é capaz de se comportar apropriadamente a não ser que você perceba acuradamente, porque o comportamento apropriado DEPENDE da falta de confusão de níveis. A presença da confusão de níveis SEMPRE resulta num teste da realidade variável e, portanto, variabilidade/oscilação na adequação do comportamento.
  • URT T 1 B 36g. Todas as formas de degradação da autoimagem são distorções perceptuais FUNDAMENTAIS. Elas inevitavelmente ou produzem autodesprezo, ou projeção e frequentemente ambos.
  • URT T 1 B 36h. Já que você e o seu vizinho são membros iguais da mesma família, conforme você perceber a ambos, do mesmo modo você irá se comportar com relação a ambos. A maneira de perceber para o comportamento de acordo com a Regra de Ouro é olhar a partir da percepção da sua própria santidade e perceber a santidade dos outros. T(26)-26
  • URT T 1 B 36i. Você e o Bill precisam de um esclarecimento considerável quanto ao papel do canal. Olhe cuidadosamente para a Sra. Albert. Ela está realizando milagres todos os dias, porque ela sabe quem ela é. Eu enfatizo novamente que a sua tendência de se esquecer de nomes não é hostilidade, mas um medo de envolvimento ou RECONHECIMENTO. Você havia interpretado mal os encontros humanos como oportunidades para a mágica ao invés de para milagres e assim você tentou PROTEGER O NOME. Essa é uma maneira muito antiga e primitiva de se tentar proteger uma pessoa.
  • URT T 1 B 36j. NOTA: A prática judia muito antiga de mudar o nome de uma pessoa que está muito doente, de modo que, quando a lista for entregue para o Anjo da Morte, a pessoa com aquele nome não será encontrada.
  • URT T 1 B 36k. Esse é um bom exemplo da regressão curiosamente literal que pode ocorrer em pessoas muito inteligentes quando elas ficam com medo. Tanto você como Bill fazem isso. Na verdade, é um mecanismo relacionado intimamente com a fobia, no sentido que ambos reduzem o medo a um simples aspecto de um problema muito maior para lhes capacitar a evitá-lo.
  • URT T 1 B 36l. Um mecanismo similar atua quando você se enfurece com uma expressão comparativamente menor de alguém em relação a quem você tem sentimentos ambivalentes. Um bom exemplo disso é a sua resposta ao Jonathan, que DE FATO deixa as coisas jogadas de modo muito estranho. Na verdade, ele faz isso porque ele pensa que ele pode proteger a sua própria estabilidade/equilíbrio através de pequenas áreas de desorganização. Eu lembro que você mesma fez isso durante anos e deveria compreender isso muito bem. Isso deveria ser encarado com grande caridade, ao invés de com grande fúria. T(27)-27
  • URT T 1 B 36m. A fúria vem da sua consciência de que você não ama o Jonathan como deveria e você reduz a sua falta de amor centrando o seu ódio sobre um comportamento trivial, numa tentativa de protegê-lo (o Jonathan) do seu ódio. Você também o chama de Jonathan pela mesma razão (veja referência prévia).
  • URT T 1 B 36n. Observe que um nome é um símbolo humano que “representa” uma pessoa. Superstições em relação a nomes são muito comuns justamente por esse motivo. É também por isso que as pessoas às vezes respondem com raiva quando seus nomes são escritos ou pronunciados incorretamente.
  • URT T 1 B 36o. Na verdade, a superstição Judaica sobre mudar os nomes foi uma distorção de uma revelação sobre como alterar ou evitar a morte. O que o conteúdo adequado da revelação tratava era que aqueles que “mudam a sua mente” (não nomes) quanto à destruição (ou ódio) não precisam morrer [destaque meu]. A morte é uma afirmação humana de uma crença no destino. É por isso que a Bíblia diz: “Não há morte” e é por isso que eu demonstrei que a morte não existe. Lembre-se que eu vim para CUMPRIR a lei ao a REINTERPRETAR. A lei em si mesma, se adequadamente compreendida, oferece somente proteção para o homem. Aqueles que ainda não “mudaram suas mentes” introduziram o conceito do “fogo do inferno” na lei.
  • URT T 1 B 36p. Lembre-se, eu disse anteriormente que porque “a natureza abomina o vácuo”, disso de fato NÃO decorre que o vácuo seja preenchido com o fogo do inferno. O vazio engendrado pelo medo deveria ser substituído pelo amor, porque o amor e a sua ausência estão na mesma dimensão e a correção não pode ser empreendida exceto DENTRO de uma dimensão. De outra maneira, houve uma confusão de níveis. T(28)-28
  • URT T 1 B 36q. Voltando para a Sra. Albert (não Andrews), ela corrigiu o seu erro (da Helen) sobre o nome dela, sem embaraço ou hostilidade, porque ela NÃO cometeu o seu próprio erro quanto a nomes.
  • URT T 1 B 36r. Ela não está com medo, porque ela sabe que é protegida. Ela fez a correção SOMENTE porque você não foi precisa e toda a questão do embaraço/vergonha não ocorreu a ela.
  • URT T 1 B 36s. Ela também estava bastante desembaraçada quando ela lhe disse que tudo precisa ser feito para preservar a vida, porque você nunca poderá dizer quando Deus poderá vir e dizer: “Levante-se, Dave” e então ele o fará.
  • URT T 1 B 36t. Ela não perguntou primeiro o que VOCÊ acreditava e depois meramente acrescentou “e isso é verdade, também”. A resposta CORRETA para o item SCT é: QUANDO ELES ME DISSERAM O QUE FAZER, eu “referi a questão para a única autoridade REAL”.
  • URT T 1 B 36u. (Nota da Helen: Se você perguntar a alguém o que essa pessoa acredita antes de você lhe dizer o que você acredita, então você estará sugerindo que você irá dizer aquilo que ele aprova. Essa não é “a real autoridade”).
  • URT T 1 B 36v. Você fez muitas anotações sobre “Aqueles que sentem vergonha de Mim diante dos homens, deles eu terei vergonha diante de Deus”. Isso foi cuidadosamente esclarecido, embora a citação não esteja totalmente correta, mas isso não importa.
  • URT T 1 B 36w. O que é importante é que em outro lugar da Bíblia também diz: “Aqueles que representam (ou imploram a/por) Mim para os homens serão representados (ou irá se implorar por eles) POR Mim diante de Deus.” (Nota: Essa citação tampouco são as palavras exatas da Bíblia, mas É o que quer dizer). Observe que alguém que representa também “testemunha por”. A citação então significa que você representa ou “testemunha por” a autoridade na qual você acredita. T(29)-29
  • URT T 1 B 36x. O seu testemunho DEMONSTRA a sua crença e assim a fortalece.
  • URT T 1 B 36y. Eu lhe asseguro que EU irei “dar testemunho” de qualquer um que me permitir e em qualquer extensão que ele próprio permitir.
  • URT T 1 B 36z. Aqueles que dão testemunho de mim estão expressando, através dos seus milagres, que eles abandonaram a privação em prol da abundância que aprenderam que PERTENCE a eles.
  • OE T.1.I.42.61. Integridade é o conteúdo perceptivo dos milagres. Assim, corrige ou expia a percepção defeituosa da falta em qualquer lugar.
  • OE T.1.I.42.62. Aqui começamos a fazer a distinção fundamental entre milagres e projeção. O estímulo deve preceder a resposta e também determinará o tipo de resposta que é evocada. O comportamento é resposta, de modo que a pergunta “resposta a quê?” torna-se crucial. Uma vez que os estímulos são identificados por meio da percepção, primeiro você percebe o estímulo e depois se comporta de acordo. Segue-se, então, que:
  • OE T.1.I.42.63. Como vocês percebem, Então vocês devem se comportar.
  • OE T.1.I.42.64. A Regra de Ouro pede que você se comporte com os outros como você gostaria que se comportassem com você. Isso significa que a percepção de ambos deve ser acurada. A Regra de Ouro é a regra para o comportamento adequado. Você não pode se comportar adequadamente a menos que perceba com precisão, porque o comportamento apropriado depende da falta de confusão de nível. A presença de confusão de nível sempre resulta em teste de realidade variável e, portanto, em variabilidade na adequação comportamental. Uma vez que você e seu vizinho são membros iguais da mesma família, como você percebe ambos, você se comportará em relação a ambos. A maneira de perceber o comportamento da Regra de Ouro é olhar a partir da percepção de sua própria santidade e perceber a santidade dos outros.
  • OE T.1.I.42.65. O vazio gerado pelo medo deve ser substituído pelo amor porque o amor e a sua ausência estão na mesma dimensão e a correção não pode ser realizada exceto dentro de uma dimensão. Caso contrário, houve uma confusão de níveis. A morte é uma afirmação humana de uma crença em “[ódio]”, ou confusão de nível. É por isso que a Bíblia diz: “Não há morte” e porque eu demonstrei que a morte não existe. Vim cumprir a lei reinterpretando-a. A própria lei, se bem entendida, oferece apenas proteção ao homem. São aqueles que ainda não “mudaram de ideia” que inseriram o conceito de “fogo do inferno” nele.
  • OE T.1.I.42.66. Garanto-vos que darei testemunho de quem me permitir e na medida em que o permitir. O seu testemunho demonstra a sua crença e, portanto, a fortalece. Aqueles que testemunham por mim estão expressando por meio de seus milagres que abandonaram a crença na privação em favor da abundância que aprenderam que lhes pertence.
  • KW: ”Mais uma vez, estamos dizendo a mesma coisa. O princípio básico do ego é o princípio da escassez, de que existe algo faltando porque nós excluímos Deus. É daí que vem a culpa: o pensamento de que existe algo faltando, que torna o ego, e, portanto, o corpo, real. Nós vemos outras pessoas e a nós mesmos como em falta; o milagre reflete para nós a integridade que é nossa verdadeira Identidade. ‘Integridade’ pode ser equacionada a abundância, a negação do princípio de escassez do ego. ‘Abundância’ não significa qualquer coisa material, uma associação frequentemente feita no que é chamado de Consciência de Prosperidade. Na Consciência da Prosperidade, pensa-se tipicamente que a abundância do espírito pode ser traduzida em forma material: se eu pensar em abundância, então, vou receber abundância. Não há dúvida de que nossos pensamentos realmente influenciam o que está fora de nós. Foi assim que todo o universo físico foi feito, para início de conversa. Mas isso não o transforma em um princípio espiritual. Da perspectiva do Curso, esse é o equívoco aqui. Nossas mentes realmente afetam o mundo, mas isso é meramente uma declaração do poder da mente. É um fenômeno psíquico, não espiritual. O que o torna espiritual, como já vimos, é entregarmos o poder ao Espírito Santo. Sem a Sua ajuda e orientação, iríamos meramente continuar escolhendo de acordo com as necessidades do nosso ego, enraizando-nos ainda mais nesse mundo de ilusão. Assim, o milagre não nos dá coisas materiais. O milagre simplesmente desfaz as defesas que estavam baseadas em nossa crença na falta e que reforçam esse princípio de escassez. Esse processo, então, devolve nossa mente ao seu estado original e contínuo de unidade com Deus, tendo tudo o que Deus nos deu na criação: alegria, unidade, liberdade, felicidade, etc. Mais uma vez, por favor, não leia a palavra ‘em-uma’ ou ‘em-uma-mente’. Em-uma-mente [em inglês ‘at-one-ment’, que vem da palavra ‘atonement’, que significa ‘expiação’] é o estado da nossa vida no Céu, onde somos todos um só com Deus e uns com os outros. Expiação [atonement], no entanto, não tem nada a ver com o Céu. Ela tem a ver com o estado aqui, então, se você quiser usar ‘expiação’, seria no sentido de que a expiação nos restaura a consciência de que somos um só com Deus.”

FIP 42. Uma das maiores contribuições dos milagres é a sua força para liberar-te do teu falso senso de isolamento, privação e falta.

  • CAE 43. Os milagres afirmam que a verdadeira condição do receptor é um estado de Filiação, o que implica que ele é completo e íntegro, um membro indispensável da família de Deus. Essa afirmação carrega tanto poder que o libera “do teu falso senso de isolamento, privação e falta”.
  • CRP: “O efeito de cura no receptor. Porque o trabalhador em milagres perdoa o receptor, vendo apenas o espírito nele, isso desperta essa mesma consciência no receptor. Isso o eleva à esfera da ordem celestial, na qual ele já é perfeito. Lá, ele fica cara a cara com a sua verdadeira santidade. Ele é liberado “de seu senso errado de isolamento, privação e carência” (T-1.43.1:1). O seu corpo está curado. O seu passado foi apagado. E ele dá um passo à frente para um novo futuro, no qual ele agora se torna um trabalhador em milagres.”
  • URT T 1 B 37a. Uma GRANDE contribuição dos milagres é a força que têm de liberar o homem do seu sentido mal colocado de isolamento, privação e falta. Eles são afirmações da Filiação, que é um estado de completude e abundância.
  • URT T 1 B 37b. A ênfase muito apropriada do Bill sobre “mudar a sua mente” precisa de esclarecimento.
  • URT T 1 B 37c. O que quer que seja verdadeiro & real é eterno & NÃO PODE mudar ou ser mudado. A Alma é, assim, inalterável, porque ela JÁ é perfeita, mas a mente pode eleger o nível que escolhe servir. O único limite que é colocado sobre a sua escolha é que ela NÃO PODE servir a dois mestres.
  • URT T 1 B 37d. Enquanto a cédula é ela própria secreta e o direito ao voto é totalmente protegido, o voto SEMPRE implica tanto numa eleição COMO numa rejeição. Se dois candidatos são votados para a mesma posição, a máquina cancela a cédula de votação automaticamente.
  • URT T 1 B 37e. Isso é necessário, porque um voto dividido não representa         QUALQUER REAL aliança.
  • URT T 1 B 37f. Livre-arbítrio é o atributo da mente, NÃO da Alma. A Alma sempre permanece imutável, porque ela nunca deixa a vista de Deus.
  • URT T 1 B 37g. A Criação da Alma já está plenamente realizada. A mente, se ela vota assim, se torna um meio através do qual a Alma pode criar de acordo com a sua própria criação. Se ela não elege livremente fazer isso, ela retém essa habilidade criativa, mas se coloca sob um controle tirânico, ao invés de autoritativo. Como resultado, o que ela cria é aprisionamento, porque tais são os ditames dos tiranos.
  • URT T 1 B 37h. “Mudar a sua mente” significa colocá-la à disposição da Verdadeira autoridade. O milagre então é um sinal que a mente elegeu ser guiada por Cristo a serviço Dele. A abundância de Cristo é o resultado natural de se escolher segui-Lo.
  • URT T 1 B 37i. P.S.: A razão pela qual você tem estado atrasada recentemente (para o trabalho) porque você estava anotando o ditado é meramente porque você não se lembrou de me perguntar quando parar. Isso é um exemplo do trabalho em milagres “indiscriminado” ou “fora de controle” sobre o qual nós já falamos. É bem intencionado, mas não é aconselhável.
  • URT T 1 B 37j. Eu solicitei aquela chamada do Jack (taxista – não podia pegar a Helen etc.) para lhe mostrar que isso não é necessário. Também, o outro homem precisava mais do dinheiro hoje.
  • URT T 1 B 37k. OBSERVE que você foi capaz de realizar o seu papel de escriba sem quaisquer interrupções e também chegou dentro do horário.
  • URT T 1 B 37l. OBSERVE também que você fechou o livro & o colocou de lado SEM me consultar. PERGUNTE “Isso é tudo?”. RESPOSTA: Não. Acrescente o seguinte: Essas notas estão servindo, dentre outras coisas, para substituir o “manuscrito na parede” que uma vez você viu ao lado do seu próprio altar, que lia “você foi pesada na balança e ficou a dever”.
  • URT T 1 B 37m. Escribas PRECISAM aprender o controle-Crístico, para substituir os seu hábitos passados, que DE FATO produziram escassez ao invés de abundância. A partir de erros desse tipo, o sentimento de privação É inevitável, mas muito facilmente corrigido.
  • URT T 1 B 37n. O que vem a seguir está relacionado a uma pergunta sobre sexo. Diga ao Bill que “único rio a mais” está relacionado a sexo. Você poderia até mesmo explicar isso a ele como uma “onda gigante”, um termo que ele irá compreender. VOCÊ não irá.
  • URT T 1 B 37o. Vocês dois estão envolvidos em distorções inconscientes (acima do nível dos milagres), que estão produzindo uma cobertura densa sobre os impulsos-para-milagres, o que dificulta que eles atinjam a consciência. Sexo e milagres ambos são MANEIRAS DE SE RELACIONAR. A natureza de qualquer relacionamento interpessoal é limitada ou definida pelo que você quer que o relacionamento FAÇA, MOTIVO pelo qual você o quer em primeiro lugar. Relacionar-se é uma maneira de alcançar um resultado.
  • URT T 1 B 37p. Impulsos sexuais indiscriminados se assemelham a impulsos para milagres indiscriminados, já que ambos resultam em percepções distorcidas da imagem corporal. O primeiro é uma expressão de uma tentativa indiscriminada de alcançar a comunhão por meio do corpo. Isso envolve não somente a auto identificação imprópria, mas também o desrespeito pela individualidade dos outros. O autocontrole NÃO é a única resposta para esse problema, embora eu não esteja de qualquer modo desencorajando o seu uso. Deve ser entendido, contudo, que o mecanismo subjacente deve ser desenraizado (uma palavra que vocês dois deveriam a essa altura entender suficientemente bem para não vê-la como assustadora). T(32)-32
  • URT T 1 B 37q. TODAS as raízes superficiais têm de ser extraídas, porque elas não são profundas o suficiente para sustentá-los [Jesus se dirige a Bill e Helen]. A ilusão segundo a qual raízes superficiais possam ser feitas profundas de tal modo que permaneçam [segurem] é um dos corolários sobre o qual a inversão da Regra de Ouro, já referida duas vezes anteriormente, se embasa. Conforme essas falsas premissas são desenraizadas (ou abandonadas), o equilíbrio é experimentado como instável. Mas o fato é que NADA é menos estável do que uma orientação que está de ponta cabeça. Nada que se segure desta maneira (de ponta cabeça) pode conduzir em direção a maior estabilidade.
  • URT T 1 B 37r. Todo o perigo das defesas reside na sua propensão a manter as percepções equivocadas rigidamente no lugar. É por isso que a rigidez é considerada COMO estabilidade por aqueles que estão “fora do eixo”.
  • URT T 1 B 37s. Nota: A única solução final – (não, Helen, isso não tem nada a ver com o uso do termo feito pelos Nazistas). Você mais uma vez ficou assustada. Um dos mais horríveis exemplos de uma forma de pensar invertida ou de ponta cabeça (e a história está cheia de exemplos horríveis disso) é o fato de que os Nazistas escreviam o seu erro abominável com letras maiúsculas. Eu derramei muitas lágrimas por causa disso, mas realmente não foi a única vez que eu disse: “Pai, perdoai-os porque eles não sabem o que fazem.”
  • URT T 1 B 37t. Todas as ações que brotam do pensamento invertido são literalmente as expressões comportamentais daqueles que não sabem o que fazem. Realmente, Jeane Dixon estava correta na sua ênfase em “Pés no chão & as pontas dos dedos no Céu,” embora ela tenha sido um pouco literal demais para a sua forma de entendimento. Muitas pessoas sabiam exatamente o que ela quis dizer, então a sua afirmação (de Jeane Dixon) foi o milagre certo para elas. T(33)-33
  • URT T 1 B 37u. Para você e Bill, seria melhor considerar o conceito em termos de confiabilidade e validade. Uma orientação rígida pode ser extremamente confiável, mesmo que ela ESTEJA de ponta cabeça. De fato, tanto mais consistentemente de ponta cabeça esteja, o mais confiável será, porque consistência sempre se sustentou melhor matematicamente que comparações de “testes/retestes” [o mesmo teste ao longo do tempo], as quais SEMPRE estiveram em bases frágeis. Você pode checar isso com as anotações do Jack se você quiser, mas eu lhe garanto que é verdade. Confiabilidade dividida ao meio é estatisticamente uma abordagem MUITO mais forte. A razão para isso é que a correlação, que é a técnica aplicada a comparações “testes/retestes”, mensura somente a EXTENSÃO DA associação e não considera de modo algum a Direção.
  • URT T 1 B 37v. Mas duas metades da mesma coisa DEVEM ir na mesma direção, se é que há de haver precisão na mensuração. Essa simples afirmação é realmente o princípio sobre o qual a confiabilidade dividida em dois, um meio para estimar consistência INTERNA, repousa.
  • URT T 1 B 37w. Observe, no entanto, que ambas as abordagens deixam de fora uma importante dimensão. O critério da consistência interna desconsidera o tempo, porque o foco está nas mensurações feitas uma só vez. Comparações teste-reteste são BASEADAS em intervalos de tempo, mas desconsideram a direção.
  • URT T 1 B 37x. É possível, é claro, usar ambas, estabelecendo consistência interna E estabilidade ao longo do tempo. Você irá lembrar que o Jack uma vez contou à sua turma de alunos que os estatísticos mais sofisticados estão se concentrando cada vez mais na confiabilidade, no lugar da validade. A lógica disso, como ele disse, era que um instrumento confiável REALMENTE mede algo. Ele também disse, contudo, que a validade ainda é o objetivo final, ao qual a confiabilidade somente pode servir. T(34)-34
  • URT T 1 B 37y. Eu admito (Estou usando a linguagem de Jack nesta seção, porque sempre teve um significado especial para você. Assim como o Jack). A sua confusão sobre sexo e estatísticas é um exemplo interessante de toda essa questão. Lembre-se daquela noite que você passou no perfume de rosas fazendo uma complexa análise fatorial de covariância. É uma história engraçada para os outros, porque eles veem um diferente tipo de confusão de níveis que aquele que você mesma estava fazendo. Você poderá se lembrar de que VOCÊ queria aquele design e o Jack se opôs a ele. Um dos reais motivos que fez daquela noite tão animada é porque ela representou uma “batalha de intelectos”, (ambos muito bons, aliás), cada um comunicando de forma excepcionalmente clara, embora em lados opostos. Os aspectos sexuais naturalmente foram estimulados em vocês dois, devido à confusão entre sexo e agressão.
  • URT T 1 B 37z. (É especialmente interessante que após a batalha ter terminado num tom de transigência com a sua concordância com o Jack, ele escreveu na margem das suas notas “a virtude é triunfante.” (Nota de Helen Schucman (HS): referente à submissão-dominância, papéis feminino-masculinos, entraram nisso). Enquanto isso (observação/nota) foi engraçado para vocês dois à época, você pode considerar o seu lado mais verdadeiro. A virtude reside no completo respeito que cada um de vocês ofereceu ao intelecto do outro. Sua atração sexual mútua também foi compartilhada. O erro estava na palavra “triunfante”. Isso apresentava a conotação de “batalha”, porque nenhum de vocês estava respeitando TODO o outro. Há muito mais em uma pessoa que o intelecto & genitais. A omissão foi a Alma). T(35)-35
  • URT T 1 B 37aa. Eu admito (após uma longa interrupção) que se uma mente (Alma) está num relacionamento válido com Deus, ela NÃO PODE estar de ponta cabeça. Jack & os outros muito eminentes metodologistas abandonaram a validade em favor da confiabilidade porque eles perderam de vista o objetivo final e estão se concentrando nos meios.
  • URT T 1 B 37ab. Lembre-se da história do artista que se mantinha devoto a inventar jeitos melhores & melhores de apontar lápis. Ele nunca criou nada, mas ele tinha o lápis mais bem apontado da cidade. (A linguagem aqui é intencional). O sexo é frequentemente utilizado em nome de erros muito similares. Hostilidade, triunfo, vingança, auto depreciação e todo tipo de expressões da falta de amor são frequentemente vistas MUITO claramente nas fantasias que as acompanham. Mas é um erro PROFUNDO imaginar que, porque essas fantasias são tão frequentes (ou ocorrem de modo tão confiável), que isso implique em validade. Lembre-se que enquanto a validade implica em confiabilidade a relação NÃO é inversamente correta. Você pode ser totalmente confiável e COMPLETAMENTE errado.
  • URT T 1 B 37ac. Enquanto um teste confiável DE FATO mede algo, que utilidade tem o teste a não ser que você descubra o que é o “algo”? E se a validade é mais importante que a confiabilidade e está necessariamente implicada pela mesma, por que não se concentrar na VALIDADE e deixar a confiabilidade acontecer naturalmente.
  • URT T 1 B 37ad. O intelecto pode ser um “deslocamento para cima”, mas o sexo pode ser um “deslocamento para fora”. Como pode uma pessoa “se aproximar” de outras por meio das partes dela que são realmente invisíveis? A palavra “invisível” significa que “não pode ser visto ou percebido.” T(36)-36 O que não pode ser percebido dificilmente é o meio apropriado para melhorar a percepção.
  • URT T 1 B 37ae. A confusão entre impulso para milagres e impulso sexual é um grande responsável pela distorção da percepção, porque INDUZ ao invés de corrigir a confusão de níveis fundamental que embasa todos aqueles que buscam a felicidade com os instrumentos do mundo. Um deserto é um deserto é um deserto [sic]. Você pode fazer o que você quiser nele, mas você NÃO PODE mudá-lo em relação ao que ele É. Ele ainda carece de água, razão pela qual ele É um deserto. (Traga à tona aquele sonho sobre um “Pássaro azulão”. Enquanto HS estava procurando por este sonho, ela se deparou com outro. A mensagem era para trazer ambos, como um excelente exemplo de como extremamente boa HS havia se tornado ao longo do ínterim de 25 anos em apontando lápis. Note que o conteúdo essencial não mudou; somente está melhor escrito.” A coisa a se fazer em um deserto é DEIXÁ-LO.
  • OE T.1.I.43.67. Uma grande contribuição dos milagres é a sua força em libertar o homem de sua sensação equivocada de isolamento, privação e carência.
  • OE T.1.I.43.68. Milagres são afirmações da Filiação, que é um estado de completude e abundância. Tudo o que é verdadeiro e real é eterno e não pode mudar ou ser mudado. A Alma é, portanto, inalterável porque já é perfeita, mas a mente pode escolher o nível que escolher para servir. O único limite imposto à sua escolha é que não pode servir a dois senhores.
  • OE T.1.I.43.69. A mente, se ela decidir fazer isso, torna-se um meio pelo qual a Alma cria ao longo da linha de sua própria criação. Se ela de fato não decidir fazê-lo livremente, ela retém seu potencial criativo, mas se coloca sob um controle tirânico, ao invés de genuinamente controle autoritativo. Como resultado, ela aprisiona, porque essas são as ordens dos tiranos. Mudar de opinião significa colocá-la à disposição da verdadeira Autoridade.
  • OE T.1.I.43.70. O milagre é, portanto, um sinal de que a mente escolheu ser guiada por Cristo em Seu serviço. A abundância de Cristo é o resultado natural da escolha de segui-Lo. Todas as raízes superficiais devem ser arrancadas porque não são profundas o suficiente para sustentá-lo. A ilusão de que raízes superficiais podem ser aprofundadas e assim mantidas é uma das distorções em que repousa a reversão da Regra de Ouro. À medida que esses fundamentos falsos são abandonados, o         equilíbrio é temporariamente experimentado como instável. No entanto, o fato é que nada é menos estável do que uma orientação de cabeça para baixo. Nem pode qualquer coisa que o mantenha dessa forma conduzir a uma maior estabilidade.
  • KW: “Nós sentimos que somos isolados de nosso verdadeiro Ser ou de Deus e nos sentimos isolados uns dos outros. Uma vez que nos sentimos separados, então, vamos projetar a culpa por isso em outras pessoas e acreditar que elas estão nos privando. É daí que vem a privação. Privação é a declaração que diz que você está me privando de algo que eu quero, preciso ou sou. Essa projeção é uma negação do fato de que eu primeiro tirei isso de mim mesmo. Escassez ou falta têm que levar à privação, uma vez que a culpa (outra palavra para a crença na falta) tem sempre que ser projetada; uma lei fundamental da mente. É a projeção da responsabilidade por termos escolhido acreditar que algo nos falta – eu não fiz isso a mim mesmo; você fez. Como o Curso diz, ‘O segredo da salvação é apenas esse: tu estás fazendo isso a ti mesmo’ (T-27.VIII.10:1).”

FIP 43. Milagres surgem de um estado milagroso da mente, ou um estado de prontidão para o milagre.

  • CAE 44. “Milagres surgem de um estado milagroso da mente.” Esse estado é tão milagroso que pode fazer milagres por conta própria, na ausência de qualquer expressão comportamental. Pode ser enviado a qualquer pessoa, não importa a distância, “mesmo sem que o próprio trabalhador de milagres saiba disso.” FIP T-1.3.8:2
  • CRP: “Os maiores efeitos dos milagres. Os milagres têm efeitos muito além da interação imediata do doador e do receptor. Eles tornam possível a cooperação e, com ela, a realização coletiva. Cada um libera várias pessoas, estabelecendo ‘uma cadeia interligada de perdão’ (T-1.24.1:1). Eles curam as pessoas à distância, tanto quando o milagre parecia desperdiçado no receptor, como quando o milagre parecia nunca ter sido expresso. Eles promovem o colapso do tempo e, assim, aproximam o dia em que todas as mentes se unirão em Cristo e o tempo acabará.”
  • URT T 1 B 38. Milagres surgem de um estado mental miraculoso. Por ser Um, esse estado de espírito vai para QUALQUER UM, mesmo sem o consciência do próprio trabalhador em milagre. A natureza impessoal dos milagres é porque a Expiação em si é uma, unindo todas as criações com seu Criador.
  • OE T.1.I.44.71. Milagres surgem de um estado de espírito miraculoso. Por ser um, esse estado de espírito atinge qualquer pessoa, mesmo sem a consciência do próprio trabalhador em milagre. A natureza impessoal dos milagres é porque a Expiação em si é uma, unindo todas as criações com seu Criador.
  • KW: “Mais para frente [no Curso], isso é chamado de ‘mentalidade certa’ (i.e., T-2.V.3:1). Em outras palavras, nós primeiro mudamos a nossa mente do ego, a mente errada, para a forma de pensar do Espírito Santo, que é a mente certa. É isso o que o milagre é. Nós desistimos do investimento na forma de olhar do ego – ataque, separação, etc. – e escolhemos em vez disso a do Espírito Santo – perdão e união, vendo todas as coisas como oportunidades de aprendermos que nós estamos perdoados.”

FIP 44. O milagre e uma expressão da consciência interior de Cristo e da aceitação da Sua Expiação.

  • CAE 45. O milagre é a expressão externa de uma consciência no nível da realidade interior profundamente espiritual – uma “consciência de Cristo e aceitação de Sua Expiação”. Isso nos coloca em um estado de graça, através do qual nos tornamos corteses sem esforço para acolher o estranho e considerá-lo nosso irmão querido.
  • CAP: “A mentalidade certa que leva a dar milagres. Você tem o direito de apresentar milagres, mas primeiro você deve permitir que os seus pensamentos sejam purificados. Você deve aceitar o amor do seu Criador, para que possa dá-lo aos outros. Você deve se tornar consciente do Cristo interior e abrir o olho espiritual em você, que vê a verdade nos outros e vê que os seus erros são irreais.
  • URT T 1 B 39a. O milagre é uma expressão de uma consciência interior no nível da realidade de Cristo e aceitação de sua Expiação. A mente está então em um estado de Graça e naturalmente se torna graciosa, tanto para o Anfitrião interno como o estranho fora. Ao trazer o estranho, ele se torna seu irmão. 75 T (37)-37
  • OE T.1.I.45.72. O milagre é a expressão de uma consciência interior no nível da realidade de Cristo e da aceitação de Sua Expiação. A mente está então em estado de graça e naturalmente torna-se graciosa tanto para o anfitrião interno quanto para o estranho externo. Ao trazer o estranho, ele se torna seu irmão.
  • KW: “Podemos dizer que o milagre une você com alguém de quem você se separou. Isso reflete de volta para nós a ideia de que nós somos todos um só em Cristo e corrige o erro de acreditar que somos separados. Aceitar a Expiação de Cristo é aceitarmos esse princípio de sermos um só com Ele. Aqui, novamente, vemos a ideia de que o milagre é a expressão de Cristo, não a consciência em si mesma. Isso é similar ao que já falamos – que o milagre é um reflexo da verdade, não a verdade em si. Ele ainda existe e tem significado apenas dentro do mundo da ilusão.”

FIP 45. Um milagre nunca se perde. Pode tocar muitas pessoas que nem mesmo encontraste e produzir mudanças nunca sonhadas em situações das quais nem mesmo estás ciente.

  • CAE 46. ​​Não pense que um milagre que você faz que parece não ter efeito está perdido. Muito pelo contrário, “ele toca muitas pessoas que nem mesmo encontraste e produz mudanças nunca sonhadas em situações das quais nem mesmo estás ciente”.
  • CRP: “Os maiores efeitos dos milagres. Os milagres têm efeitos muito além da interação imediata do doador e do receptor. Eles tornam possível a cooperação e, com ela, a realização coletiva. Cada um libera várias pessoas, estabelecendo ‘uma cadeia interligada de perdão’ (T-1.24.1:1). Eles curam as pessoas à distância, tanto quando o milagre parecia desperdiçado no receptor, como quando o milagre parecia nunca ter sido expresso. Eles promovem o colapso do tempo e, assim, aproximam o dia em que todas as mentes se unirão em Cristo e o tempo acabará.”
  • URT T 1 B 39b. Os milagres que você disse NÃO realizar não perderam o seu valor. Eles ainda são expressões de seu próprio estado de Graça, mas o aspecto AÇÃO do milagre deve ser controlado por Cristo, por causa de Sua Consciência voltada para a realidade completa de Todo o Plano. A natureza impessoal da mentalidade voltada para o milagre garante a SUA própria Graça, mas somente Cristo está em posição de saber onde a graça pode ser CONCEDIDA.
  • URT T 1 B 40a. Um milagre nunca se perde. Ele toca muitas pessoas que você pode nem mesmo conhecer e às vezes produz mudanças inimagináveis ​​em forças das quais você nem mesmo está ciente. Isso não é sua preocupação. Isto também sempre abençoará VOCÊ. Isso também não é sua preocupação. Mas isso É a preocupação do Histórico. O Histórico é completamente despreocupado com confiabilidade, sendo perfeitamente válido pela forma como foi configurado acima. Ele SEMPRE mede o que deveria medir.
  • OE T.1.I.46.73. Um milagre nunca se perde. Toca muitas pessoas que você nem conhece e, às vezes, produz mudanças inimagináveis ​​em forças das quais você nem tem consciência. Isso não é sua preocupação. O milagre sempre o abençoará.
  • OE T.1.I.46.74. Os milagres que você não é solicitado a realizar não perderam o valor. Eles ainda são expressões de seu próprio estado de graça, mas o aspecto da ação do milagre deve ser controlado por Cristo por causa de Sua completa consciência no nível da realidade de todo o plano. A natureza impessoal da mentalidade voltada para o milagre garante a sua graça, mas somente Cristo está em posição de saber onde a graça pode ser concedida.
  • KW: “Isso é similar ao princípio 35. Pense no modelo do holograma, onde todos nós somos unidos e todas as dimensões do tempo e espaço estão em uma parte. Não existe maneira de jamais podermos julgar o poder do que significa liberarmos nossas mágoas ou liberarmos nossas crenças na separação. ‘Quando eu sou curado, eu não sou curado sozinho’ (LE-pI.137), como já vimos. Isso pode ter efeitos, não apenas nas pessoas fisicamente aqui, mas em pessoas que já morreram. O tempo não é linear e nós somos unidos em uma única mente como no holograma, não importando a dimensão particular de tempo e espaço nas quais acreditamos que nós ou os outros estamos.”

FIP 46. O Espírito Santo é o mais elevado veículo de comunicação. Milagres não envolvem esse tipo de comunicação, porque são instrumentos temporários de comunicação. Quando retornas a tua forma original de comunicação com Deus, por revelação direta, a necessidade de milagres acaba.

CAE. Descrição não localizada do milagre correspondente.

  • URT T 1 B 40ac. O Espírito Santo é o meio de comunicação mais elevado. Milagres não envolvem esse tipo de comunicação, porque eles são instrumentos comunicativos TEMPORÁRIOS. Quando o homem puder voltar para a sua forma original de comunicação com Deus por REVELAÇÃO direta, a necessidade de milagres acabou. O Espírito Santo medeia a ordem de comunicação do mais alto para o mais baixo, mantendo o canal direto de Deus ao homem aberto para revelação. Revelação NÃO é recíproca. É sempre DE Deus AO homem. Isso ocorre porque Deus e o homem NÃO são iguais. O milagre é recíproco porque SEMPRE envolve igualdade.
  • OE T.1.I.49.81. O Espírito Santo é o meio de comunicação mais elevado. Os milagres não envolvem esse tipo de comunicação porque são dispositivos de comunicação temporários. Quando o homem retorna à sua forma original de comunicação com Deus, a necessidade de milagres acabou. O Espírito Santo medeia a comunicação superior para a inferior, mantendo o canal direto de Deus para o homem aberto para revelação. A revelação não é recíproca. É sempre de Deus para o homem. O milagre é recíproco porque envolve igualdade.
  • KW: “Isso reflete a ideia de que o Espírito Santo transmite informações de Deus para nós. Ele é aquela ponte ou Mediador entre o Céu e o inferno, ou a realidade e o sonho. Essa, novamente, é uma distinção entre milagre e revelação. “Quando retornas à tua forma original de comunicação com Deus, por revelação direta, a necessidade de milagres acaba’. Quando todos tivermos terminado nossa lição de casa, completado nosso caminho e perdoado a todos que existirem para serem perdoados, então, não precisaremos mais do Espírito Santo como um elo para Deus, porque não existirá mais qualquer mente dividida que tenha que ser unida de volta a Deus. Então, seremos restaurados à consciência da perfeita unicidade com Ele. A meta dos milagres não é Deus, mas a mudança da percepção que limpa o caminho até Deus. Essa é a função do Espírito Santo dentro do mundo separado [destaque meu].

FIP 47. O milagre é um instrumento de aprendizado que faz com que a necessidade de tempo diminua. Ele estabelece um intervalo temporal fora do padrão, que não está sujeito às leis usuais do tempo. Nesse sentido ele é intemporal.

  • CAE 47. Um milagre “diminui a necessidade de tempo”. Ele estabelece um momento em que o doador e o receptor compartilham o reconhecimento de sua igualdade, santidade e valor mútuos. Assim, “estabelece um intervalo do qual tanto o doador quanto o receptor emergem muito mais longe no tempo do que seriam de outra forma” (T-1.47.2:3).
  • CRP: “Ganho para o doador também. Não pense que quando você dá um milagre, você perdeu ou se sacrificou. Um milagre desafia as leis físicas no sentido de que você, o doador, também ganha. Você e o receptor experimentam um reconhecimento compartilhado de igualdade e valor mútuo. Isso encurta a sua jornada (junto com a jornada do receptor). Ele traz mais amor para você. Ele aumenta a sua reserva de força. E ele permite que você perceba claramente, vendo “a verdade como Deus a criou” (T-1.36.2:2).”
  • URT T 1 B 40ad. No plano longitudinal (ou horizontal), a verdadeira igualdade de todos os homens na Filiação parece envolver um tempo quase infinito. Mas sabemos que o tempo é apenas um artefato apresentado como um auxílio de aprendizado.
  • URT T 1 B 41a. O milagre é um instrumento de aprendizagem que diminui a necessidade de tempo. A mudança repentina da percepção horizontal para a vertical que o milagre acarreta introduz um intervalo a partir do qual o doador e o receptor ambos emergem muito mais longe no tempo do que caso contrário teria sido.
  • URT T 1 B 41b. Um milagre tem, portanto, a propriedade única de abolir o tempo ao tornar o espaço de tempo que ocupa desnecessário. Não há relação entre o tempo que um milagre LEVA e o tempo que ele COBRE. Ele substitui PELO aprendizado que poderia ter levado milhares de anos. Ele faz isso pelo reconhecimento subjacente da igualdade perfeita e santidade entre o fazedor e o receptor sobre o qual o milagre repousa. T (44)-44 Ele é instável, mas perfeitamente consistente, ou seja, ele de fato não ocorre previsivelmente ao longo do tempo e ele raramente ocorre em formas comparáveis. Mas dentro DE SI MESMO é perfeitamente consistente. Uma vez que NÂO CONTÉM NADA ALÉM de um reconhecimento de igualdade e valor, todas as partes SÃO iguais. Isso estabelece o pré-requisito para a validade.
  • URT T 1 B 41c. Dissemos antes que o milagre anula o tempo. Faz isso por um processo de COLAPSO. Assim, abole certos INTERVALOS dentro dele. Ele faz isso, no entanto, DENTRO de uma sequência temporal mais abrangente.
  • URT T 1 B 41d. A validade do milagre, então, é PREDITIVA, não lógica, dentro do esquema temporal. Ele estabelece um intervalo de tempo fora do padrão, que NÃO está sob as leis usuais do tempo. Só neste sentido é atemporal. Ao reduzir o tempo, literalmente economiza tempo, do mesmo jeito que o “horário de verão” faz. Ele reorganiza a distribuição de luz.
  • OE T.1.I.50.82. O milagre é um instrumento de aprendizado que diminui a necessidade de tempo. No plano longitudinal ou horizontal, o reconhecimento da verdadeira igualdade de todos os membros da Filiação parece envolver um tempo quase infinito. No entanto, a mudança repentina da percepção horizontal para a vertical que o milagre acarreta introduz um intervalo a partir do qual o doador e o receptor emergem muito mais longe no tempo do que de outra forma estariam.
  • OE T.1.I.50.83. O milagre, portanto, tem a propriedade única de encurtar o         tempo, tornando desnecessário o espaço de tempo que ocupa. Não há relação entre o tempo que um milagre leva e o tempo que ele cobre. Substitui o aprendizado que poderia levar milhares de anos. Ele faz isso pelo reconhecimento subjacente da perfeita igualdade e santidade entre o doador e o receptor sobre o qual o milagre repousa.
  • OE T.1.I.50.84. Dissemos antes que o milagre anula o tempo. Ele faz isso por um processo de colapso e, assim, abolindo certos intervalos dentro dele. Ele faz isso, entretanto, dentro da sequência temporal mais ampla. Ele estabelece um intervalo de tempo fora do padrão, que não está sob as leis usuais do tempo. Só nesse sentido é atemporal. Ao reduzir o tempo, ele literalmente economiza tempo. Assim como o horário de verão, ele reorganiza a distribuição da luz.
  • KW: “Deixem-me voltar ao que falei mais cedo e, então, vamos aplicá-lo a esse princípio. A necessidade que todos compartilhamos é de usarmos o tempo para nos ajudar a entender que não existe tempo e para nos tirar desse tapete (veja o gráfico acima). Vamos dizer que temos um problema massivo do ego com certas pessoas específicas sobre certas questões específicas, que iria nos fazer levar um tempo tremendamente longo para sairmos desse tapete. O milagre nos levanta acima do mundo do tempo. Através da nossa escolha de perdoarmos essa imensa porção de culpa, ele nos carrega e então nos põe de volta no tempo. Ele estabelece um ‘intervalo temporal fora do padrão’. Digamos, por exemplo, que esse intervalo, dentro das leis do mundo, teria sido de mil anos. Elevando-nos acima do mundo do tempo, carregando-nos e depois nos devolvendo para baixo de novo, nós economizamos esses mil anos e, então, todo o intervalo do tempo agora foi abolido. Mais uma vez, essa é a ideia de economizar tempo. Deixem-me repetir o que já falei. Um relacionamento muito difícil – um que traga uma quantidade tremenda de raiva, mágoa, ressentimento, culpa, ansiedade, etc. – então, se torna um meio muito poderoso, se assim o permitirmos, de trabalharmos uma imensa porção de culpa. Pois é essa culpa profundamente reprimida que foi trazida à superfície através do relacionamento. O primeiro parágrafo na página 6 no Texto, fala sobre esse processo claramente discutido. É um resumo muito bem condensado de tudo o que estivemos falando. Helen uma vez estava reclamando com Jesus: ‘Como minha vida pode ser tão difícil?’. Para qualquer outra pessoa, a sua vida não teria parecido difícil. Externamente, ela não tinha tido uma vida muito difícil, mas, internamente, era muito doloroso para ela. Ela estava reclamando com ele sobre isso e, como uma resposta, ele deu a ela a imagem de uma montanha. A compreensão de Helen sobre a imagem e a explicação de Jesus foi: ‘Você está andando através da montanha. Teria sido muito mais fácil, em termos de requerer menos esforço, se você subisse a montanha e então descesse pelo outro lado, mas iria demorar muito, muito mais. Atravessar a montanha, que é muito mais difícil, vai economizar muito tempo para você. Atravessar a montanha é atravessar situações muito difíceis e dolorosas, que, no curso usual dos eventos, iriam custar a você muitas e muitas vidas, que seriam subir e descer pelo outro lado da montanha’. Um Curso em Milagres objetiva economizar tempo por levar mais e mais pessoas a curarem as suas mentes mais rapidamente, para que o plano da Expiação possa ser acelerado e muitas pessoas encontrem a paz mais rapidamente. É por isso que para muitas pessoas, quando começam a trabalhar com o Curso, as coisas parecem piorar. Não é porque Deus as esteja punindo. É porque o Espírito Santo levou o seu pedido a sério. Elas estão dizendo ao Espírito Santo, ‘Eu quero aprender mais rapidamente’. É por isso que se diz que Goethe falou, ‘Tome cuidado com o que você pede, porque você pode conseguir’. É assim que o milagre funciona. Nesse sentido, ele é intemporal, porque desfaz o tempo. Ele ainda acontece dentro da dimensão do tempo, mas o abole ou o colapsa. O ponto crucial é entender o que o milagre faz e isso não pode ser enfatizado o suficiente – de fato, se vocês partirem hoje com mais nada além dessa ideia, terão saído com uma grande coisa – o milagre é o meio que o Espírito Santo usa para nos ensinar que nós não somos vítimas do mundo [destaque meu]. Os nossos problemas não são o que os outros ou o mundo fazem a nós, mas, em vez disso, o que nós acreditamos termos feito a nós mesmos. Deixem-me repetir uma linha que cito com frequência: ‘Tenha cuidado com a tentação de perceberes a ti mesmo como sendo injustamente tratado’ (T-26.X.4:1). Eu posso ser tratado injustamente apenas por mim mesmo, e por esse fato, eu já fui perdoado. Essa é a essência do currículo do Um Curso em Milagres.”

O milagre minimiza a necessidade de tempo. No plano longitudinal ou horizontal, o reconhecimento da igualdade dos membros da Filiação parece envolver um tempo quase sem fim. Contudo, o milagre acarreta uma passagem repentina da percepção horizontal para a vertical. Isto introduz um intervalo do qual ambos, tanto o doador como quem recebe, emergem mais adiante no tempo do que teriam estado de outra forma. O milagre tem então a propriedade única de abolir o tempo, na medida em que torna desnecessário o intervalo de tempo que atravessa. Não há relação entre o tempo que leva um milagre e o tempo que ele cobre. O milagre substitui um aprendizado que poderia ter levado milhares de anos. Faz isso através do reconhecimento subjacente da perfeita igualdade entre quem dá e quem recebe na qual o milagre se baseia. O milagre encurta o tempo, colapsando-o, assim eliminando certos intervalos dentro dele. Faz isso, porém, dentro de uma sequência temporal mais ampla. T-1.II.6:1-9

…continua na Parte IV…

Bibliografia da OREM3:

1) Livro “Um Curso em Milagres” – Livro Texto, Livro de Exercícios e Manual de Professores. Fundação para a Paz Interior. 2ª Edição –  copyright© 1994 da edição em língua portuguesa.

2) Artigo “Helen and Bill’s Joining: A Window Onto the Heart of A Course in Miracles” (tradução livre: A União de Helen e Bill: Uma Janela no Coração de Um Curso em Milagres”) – Robert Perry, site: https://circleofa.org/

3) E-book “What is A Course in Miracles” (tradução livre: O que é Um Curso em Milagres) – Robert Perry.

4) E-book “Autobiography – Helen Cohn Schucman, Ph.D.” – Foundation for Inner Peace (tradução livre: Autobiografia – Helen Cohn Schucman, Ph.D., Fundação para a Paz Interior).

5) Livro “Uma Introdução Básica a Um Curso em Milagres”,  Dr. Kenneth Wapnick, Ph.D.

6) Livro “O Desaparecimento do Universo”, Gary R. Renard.

7) Livro “Absence from Felicity: The Story of Helen Schucman and Her Scribing of A Course in Miracles” (tradução livre: “Ausência de Felicidade: A História de Helen Schucman e Sua Escriba de Um Curso em Milagres”) – Dr. Kenneth Wapnick, Ph.D.

8) Artigo “A Short History of the Editing and Publishing of A Course in Miracles” (tradução livre: Uma Breve História da Edição e Publicação de Um Curso em Milagres” – Joe R. Jesseph, Ph.D. http://www.miraclestudies.net/history.html

9) E-book “Study Guide for A Course in Miracles”, Foundation for Inner Peace (tradução livre: Guia de Estudo para Um Curso em Milagres, Fundação para a Paz Interior).

10) Artigo “The Course’s Use of Language” (tradução livre: “O Uso da Linguagem do Curso”), extraído do livro “The Message of A Course in Miracles” (tradução livre: “A Mensagem de Um Curso em Milagres”) – Dr. Kenneth Wapnick, Ph.D.

11) Artigo Who Am I? (tradução livre: Quem Sou Eu?) – Beverly Hutchinson McNeff – Site: https://www.miraclecenter.org/wp/who-am-i/

12) Artigo “Jesus: The Manifestation of the Holy Spirit – Excerpts from the Workshop held at the Foundation for A Course in Miracles – Temecula CA” (tradução livre: Jesus: A Manifestação do Espírito Santo – Trechos da Oficina realizada na Fundação para Um Curso em Milagres – Temecula CA) – Dr. Kenneth Wapnick, Ph.D.

13) Livro “Quantum Questions” (tradução livre: “Questões Quânticas”) – Ken Wilburn

14) Livro “Um Retorno ao Amor” – Marianne Williamson.

15) Glossário do site Foundation for A Course in Miracles (tradução livre: Fundação para Um Curso em Milagres), do Dr. Kenneth Wapnick, https://facim.org/glossary/

16) Livro Um Curso em Milagres – Esclarecimento de Termos.

17) Artigo “The Metaphysics of Separation and Forgiveness” (tradução livre: “A Metafísica da Separação e do Perdão”) – Dr. Kenneth Wapnick, Ph.D.

18) Livro “Os Ensinamentos Místicos de Jesus” – Compilado por David Hoffmeister – 2016 Living Miracles Publications.

19) Livro “Suplementos de Um Curso em Milagres UCEM – A Canção da Oração” – Helen Schucman – Fundação para a Paz Interior.

20) Livro “Suplementos de Um Curso em Milagres UCEM – Psicoterapia: Propósito, Processo e Prática.

21) Workshop “O que significa ser um professor de Deus”, proferido pelo Dr. Kenneth Wapnick, Ph.D..

22) Artigo escrito pelo escritor Paul West, autor do livro “I Am Love” (tradução livre: “Eu Sou Amor”), blog https://www.voiceforgod.net/.

23) Artigo “The Beginning Of The World” (tradução livre: “O Começo do Mundo”) – Dr Kenneth Wapnick.

24) Artigo “Duality as Metaphor in A Course in Miracles” (tradução livre: “Dualidade como Metáfora em Um Curso em Milagres”) – Um providencial e didático artigo, considerado pelo próprio autor como sendo um dos artigos (workshop) mais importantes por ele escrito e agora compartilhado pelo Dr. Kenneth Wapnick, Ph.D.

25) Artigo “Healing the Dream of Sickness” (tradução livre: “Curando o Sonho da Doença”  – Dr. Kenneth Wapnick, Ph.D.

26) Livro “The Message of A Course in Miracles – A translation of the Text in plain language” (tradução livre: “A mensagem de Um Curso em Milagres – Uma tradução do Texto em linguagem simples”) – Elizabeth A. Cronkhite.

27) E-book “Jesus: A New Covenant ACIM” – Chapter 20 – Clearing Beliefs and Desires – Cay Villars – Joininginlight.net© (tradução livre: “Jesus: Uma Nova Aliança UCEM” – Capítulo 20 – Clarificando Crenças e Desejos).

28) Artigo “Strangers in a Strange World – The Search for Meaning and Hope” (tradução livre: “Estranhos em um mundo estranho – A busca por significado e esperança”), escrito pelo Dr. Kenneth Wapnick e por sua esposa Sra. Gloria Wapnick.

29) Artigo “To Be in the World and Not of It” (tradução livre: “Estar no Mundo e São Ser Dele”), escrito pelo Dr. Kenneth Wapnick e por sua esposa Sra. Gloria Wapnick.

30) Site https://circleofa.org/.

31) Livro “A Course in Miracles – Urtext Manuscripts – Complete Seven Volume Combined Edition. Published by Miracles in Action Press – 2009 1ª Edição.

32) Tradução livre do capítulo Urtext “The Relationship of Miracles and Revelation” (N 75 4:102).

33) Artigo “How To Work Miracles” (tradução livre “Como Fazer Milagres”), de Greg Mackie https://circleofa.org/library/how-to-work-miracles/.

34) Artigo “A New Vision of the Miracle” (tradução livre: “Uma Nova Visão do Milagre”), de Robert Perry https://circleofa.org/library/a-new-vision-of-the-miracle/.

35) Artigo “What Is a Miracle?” (tradução livre: “O que é um milagre?”), de Robert Perry https://circleofa.org/library/what-is-a-miracle/.

36) Artigo “How Does ACIM Define Miracle?” (tradução livre: “Como o UCEM define milagre?”), de Bart Bacon https://www.miracles-course.org/index.php?option=com_content&view=article&id=232:how-does-acim-define-miracle&catid=37&Itemid=57.

37) Livro “Os cinquenta princípios dos milagres de Um Curso em Milagres”, de Kenneth Wapnick, Ph.D..

38) Artigo “The Fifty Miracle Principles: The Foundation That Jesus Laid For His Course” (tradução livre: “Os cinquenta princípios dos milagres: a base que Jesus estabeleceu para o seu Curso”), de Robert Perry https://circleofa.org/library/the-fifty-miracle-principles-the-foundation-that-jesus-laid-for-his-course/.

39) Artigo “Ishmael Gilbert, Miracle Worker” (tradução livre: “Ishmael Gilbert, Trabalhador em Milagre”), de Greg Mackie https://circleofa.org/library/ishmael-gilbert-miracle-worker/.

40) Blog “A versão Urtext da obra Um Curso em Milagres (UCEM)” https://www.umcursoemmilagresurtext.com.br/.

41) Blog “Course in Miracles Society – CIMS – Original Edition” https://www.jcim.net/about-course-in-miracles-society/.

42) Site Google tradutor https://translate.google.com.br/?hl=pt-BR.

43) Site WordReference.com | Dicionários on-line de idiomas https://www.wordreference.com/enpt/entitled.

44) Livro “A Course in Miracles: Completed and Annotated Edition” (“Edição Completa e Anotada”) – Circle of Atonement.

Imagem bart-van-meele-ns4bIZ6XeGY-unsplash.jpg

Um milagre é uma correção. Ele não cria e realmente não muda nada. Apenas olha para a devastação e lembra à mente que o que ela vê é falso. Desfaz o erro, mas não tenta ir além da percepção, nem superar a função do perdão. Assim, permanece nos limites do tempo. LE.II.13

Nada real pode ser ameaçado.
Nada irreal existe.
Nisso está a paz de Deus.
T.In.2:2-4

Autor

Graduação: Engenheiro Operacional Químico. Graduação: Engenheiro de Segurança do Trabalho. Pós-Graduação: Marketing PUC/RS. Pós-Graduação: Administração de Materiais, Negociações e Compras FGV/SP. Consultor de Empresas: Projeto OREM® - Organizações Baseadas na Espiritualidade (OBEs). Estudante e Pesquisador Independente sobre Espiritualidade Não-Dualista; Psicofilosofia Huna e Ho’oponopono; A Profecia Celestina; Um Curso em Milagres (UCEM); Espiritualidade no Ambiente de Trabalho (EAT); A Organização Baseada na Espiritualidade (OBE). Certificação: “The Self I-Dentity Through Ho’oponopono® - SITH® - Business Ho’oponopono” - 2022.

0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
0
Would love your thoughts, please comment.x