1ª visão – Está ocorrendo um novo despertar espiritual na cultura humana, um despertar ocasionado por uma massa crítica de indivíduos que vivenciam a vida como uma expansão espiritual, uma jornada na qual nós somos conduzidos para frente por misteriosas coincidências.

Como afirma o autor James Redfield, no livro “Guia de Leitura de A Profecia Celestina”: “Como é descrito nos antigos ensinamentos do Manuscrito encontrado nas ruínas Celestinas, o primeiro sinal de que nós estamos despertando para esse chamado interior é uma profunda sensação de desassossego. Essa inquietação pode ser descrita como insatisfação (mesmo depois que nós alcançamos as nossas metas), uma vaga aflição ou sensação de que está faltando algo. De vez em quando um evento casual nos surpreende e nos deixa intrigados. É como se um objetivo superior estivesse sendo revelado e por um momento nós nos sentimos ligados a um mistério que contudo nos escapa.”

Ainda afirma o autor: “À medida que um número cada vez maior de seres humanos (a massa crítica) for se tornando mais consciente desse misterioso movimento do Universo na vida individual, mais rápido nós descobriremos a natureza da existência humana. Se abrirmos a nossa mente e o nosso coração, nós faremos parte da evolução de uma nova espiritualidade.”

Em seu livro: “O Despertar de Uma Nova Consciência”, o autor Eckhart Tolle, traz-nos mais inspiração para reflexão sobre esse movimento na direção de um novo despertar espiritual, como segue: “Uma parte significativa da população do planeta logo entenderá, se é que isso já não aconteceu, que a nossa espécie está diante de uma escolha radical: evoluir ou morrer. Uma porcentagem ainda relativamente pequena da humanidade – mas que vem crescendo com muita rapidez (…minha observação: a massa crítica…) – já está vivenciando o rompimento com os antigos padrões mentais egóicos e a emergência de uma nova dimensão de consciência”. O autor em outro capítulo do livro ainda acrescenta: “A nova Terra surge à medida que um número cada vez maior de pessoas (…a massa crítica…) vai descobrindo que o seu propósito mais importante na vida é trazer a luz da consciência no nível da realidade [awareness] a esse mundo e, assim, usar as suas ações, sejam elas quais forem, como um veículo para essa consciência [awareness]”.

Drunvalo Melchizedek, autor do livro “O Antigo Segredo da Flor da Vida”, afirma: “Com certeza os tempos estão mudando. De acordo com a Dow Jones Company, Inc. na sua revista American Demographics, um estudo científico de dez anos revelou que uma cultura totalmente nova está surgindo nos Estados Unidos e no mundo ocidental nesse momento. De acordo com a nossa experiência, nós acreditamos que se trata de uma nova cultura de âmbito mundial. É uma cultura que acredita profundamente em Deus, na família, nas crianças, no espírito, na Mãe Terra e em um ambiente saudável, na feminilidade, na honestidade, na meditação, na vida em outros planetas e na unidade de todas as formas de vida em toda parte. Os integrantes dessa nova cultura acreditam, de acordo com o estudo, que sejam poucos e dispersos. A pesquisa revelou, entretanto, para a completa surpresa de todos, que ‘eles’ são um em cada quatro adultos nos Estados Unidos – um montante impressionante de 44 milhões de adultos! Algo imenso está acontecendo.” Ele ainda acrescenta: “Tudo vai ser influenciado, desde o conteúdo dos filmes e da televisão até os alimentos que nós comemos e muito mais. Até mesmo a nossa interpretação da Realidade pode acabar mudando. Você não está só e não vai demorar muito para que esse fato seja percebido por todo mundo.”

A sequência da ocorrência desse novo despertar espiritual é a seguinte:

  • Inquietação.
  • Preocupação.
  • Coincidências em nossas vidas.

As coincidências ocorrerão com regularidade, mas você tem que notá-las.

O autor James Redfield nos alerta que a 1ª visão ocorre quando nós nos tornamos conscientes das coincidências em nossas vidas.

A 1ª visão é a consciência no nível da realidade [awareness] das misteriosas ocorrências que mudam a vida da gente, é a sensação de que há outro processo atuando.

A 1ª visão nos faz começar do início, no ponto de convergência no qual o mistério da vida nos contempla, fora das nossas expectativas e experiências lógicas. Ficar consciente da realidade das coincidências bem como da mensagem e do significado que elas encerram é o primeiro passo em direção a evoluir mais consciente e rapidamente.

Pessoas em número cada dia maior estão convencidas de que esse movimento misterioso é concreto e significa alguma coisa, que alguma outra coisa está acontecendo por baixo de suas vidas diárias. Essa consciência no nível da realidade [awareness] é a 1ª visão.

A 1ª visão é uma reconsideração do mistério inerente que cerca nossas vidas individuais nesse planeta. Nós estamos experienciando essas coincidências misteriosas e mesmo não as compreendendo ainda nós sabemos que são reais. Nós estamos sentindo de novo, como na infância, que existe um outro lado da vida que ainda temos que descobrir, alguns outros processos atuando nos bastidores.

O Manuscrito prevê que assim que nós

atingirmos tal massa crítica, toda a cultura começará a levar essas experiências coincidentes a sério.

Vamos nos perguntar, em massa, que processo misterioso está por baixo da vida humana neste planeta?

E será esta pergunta, feita ao mesmo tempo por um número suficiente de pessoas, que permitirá que as outras visões também venham à consciência no nível da realidade [awareness], pois quando um número suficiente de indivíduos perguntarem a sério o que ocorre na vida, começaremos a descobrir. As outras visões serão reveladas… uma após a outra.

A 1ª visão nos permite procurar com mais seriedade a resposta ou significado oculto. Quando nós aprendemos a manter as nossas perguntas atuais em primeiro plano na consciência no nível da percepção [consciousness], bem como a fazer as perguntas certas, nós sabemos então que a coincidência é uma resposta ao movimento arquetípico em direção ao crescimento situado nas profundezas da psique.

Quando nós refletimos de fato em como nós nos sentimos em nosso interior, em como as nossas vidas estão indo nesse momento da história, nós vemos que as ideias do Manuscrito fazem sentido, que soam autênticas.

James Redfield também nos afirma: “Eu não penso que todas as coisas aconteçam por coincidência. Ninguém está aqui por acidente. Todas as pessoas que cruzam os nossos caminhos tem uma mensagem para nós. Caso contrário elas teriam tomado outro caminho ou saído mais cedo ou mais tarde. O fato que essas pessoas estão aqui significa que elas estão em nossas vidas por alguma razão.”

O autor nos questiona que nós já tivemos um palpite ou intuição referente a algo que nós queríamos fazer? Uma direção que nós queríamos ter tomado em nossa vida e nos perguntado como ela poderia acontecer? E então, após nós parcialmente termos esquecido sobre isso e focado em outras coisas, então, de repente, nós encontramos alguém ou nós lemos alguma coisa ou nos vamos a algum lugar que nos leva até uma grande oportunidade que nós concebíamos?

Essas coincidências estão acontecendo mais e mais frequentemente e, quando elas acontecem, elas nos atingem muito mais além do que era esperado por pura escolha própria.

E será esta pergunta, feita ao mesmo tempo por um número suficiente de pessoas, que permitirá que as outras visões também venham à consciência no nível da realidade [awareness], pois quando um número suficiente de indivíduos perguntarem a sério o que ocorre na vida, começaremos a descobrir. As outras visões serão reveladas… uma após a outra.

Elas parecem destinadas, como se nossas vidas tivessem sido guiadas por alguma força inexplicável. A experiência induz um sentimento de mistério e excitação e, como resultado, nós nos sentimos mais vivos.

Nós podemos entrar em contato com a mais excitante parte da vida. Que é, vendo as coincidências misteriosas acontecerem que nos levam à frente para um destino particular e em acreditando que as nossas vidas estão indo para algum lugar que nos ajudará a fazer desse mundo um lugar melhor.

A 1ª visão ocorre quando nós nos tornamos conscientes das coincidências que são destinadas à preencher o nosso potencial e propósito.

A transformação está começando com a 1ª visão e essa visão sempre emerge, inconscientemente de primeiro, como um profundo senso de inquietação, como já mencionado.  

James Redfield nos afirma que a maioria das aflições recentes da sociedade podem ser identificadas por essa inquietação e busca. Mas o problema é temporário e alcançará um fim porque nós estamos finalmente nos tornando conscientes do que nós estamos realmente procurando e do que essa outra mais preenchida experiência realmente é. Nós estamos todos procurando por mais realização em nossas vidas e durante essa busca, nós não toleraremos nada que pareça nos derrubar.

Nós começamos a vislumbrar um tipo de experiência alternativa … os momentos em nossas vidas que nos sentimos de algum modo diferentes, mais intensos e inspirados. Nós nem sempre sabemos o que essas experiências são ou como fazê-las durar e quando ela termina nós nos sentimos como que deixados com o sentimento de insatisfeitos e inquietos com uma vida que volta a parecer ordinária.

“Coincidências significativas” são pequenos milagres guiando-nos na direção de uma boa vida e nos mostrando que há outro lado da vida que nós temos ainda que descobrir – algum outro processo operando nos bastidores. Elas estão sempre procurando primeiro nos despertar e então nos permitir ser guiados por uma conexão espiritual.

Reconhecer a importância das coincidências prepara os fundamentos para as visões restantes, que nos informam que o universo responde à nossa consciência no nível da realidade [awareness] e expectativas – criando as oportunidades fortuitas que nos fazem seguir adiante.

Jesus teria dito: “Portanto, vos asseguro: Pedi e vos será concedido; buscai e achareis; batei e a porta será aberta para vós.” Lucas 11:9 Bíblia King James Atualizada.

Ao nos conscientizarmos das coincidências nós estamos nos sintonizando com o mistério do princípio fundamental da ordem do universo.

Como disse Jung, “a sincronicidade sugere que existe uma interligação ou unidade de eventos causalmente não relacionados, postulando assim um aspecto unitário da existência.”

No pensamento de Jung, no momento de eventos coincidentes, parece ocorrer uma mudança no equilíbrio da energia psíquica presente nas áreas inconscientes e conscientes. Como quando nos balançamos numa gangorra, a coincidência diminui por um instante a atenção da energia psíquica consciente, trazendo para cima o material inconsciente das profundezas primordiais.

É claro que a beleza da sincronicidade repousa no fato de ela ser uma dádiva do fluxo universal de energia. Não precisamos de uma explicação racional a fim de sermos influenciados por ela. Não obstante, tão logo nós sentimos a ligação, talvez nós queiramos interagir um pouco mais com ela para ver o que ela está tentando promover.

“Coincidências significativas” são pequenos milagres guiando-nos na direção de uma boa vida e nos mostrando que há outro lado da vida que nós temos ainda que descobrir – algum outro processo operando nos bastidores. Elas estão sempre procurando primeiro nos despertar e então nos permitir ser guiados por uma conexão espiritual.

Alan Vaughan, autor do livro “Incredible Coincidence” (tradução livre: “Coincidência Incrível”), uma encantadora coleção de coincidências da vida real, comenta: “Os eventos sincronísticos da vida cotidiana não são diferentes em sua forma das ocorrências sensacionais e dramáticas que estimulam a nossa imaginação e nos fazem dizer: ‘Que incrível coincidência!’. A principal diferença repousa na sutileza, na maneira pela qual os acontecimentos secundários da vida são moldados e configurados. Com frequência os rejeitamos como mero acaso, mas se refletirmos por um momento compreenderemos que o papel do acaso na nossa vida se estende inclusive aos eventos triviais, pessoais e insignificantes … as coincidências do dia-a-dia demostram a engenhosidade da nossa mente inconsciente na criação da nossa vida. O mínimo que nós podemos fazer é admirá-la. O máximo que nós podemos fazer é oferecer todo o nosso apoio a essa expressão criativa”.

A 1ª visão ocorre quando nós nos tornamos conscientes das coincidências em nossas vidas e compreendemos os seus significados.

Tal sincronicidade é fácil de ver em retrospecto, como nós olhamos para trás para desvios fatais de nosso passado: a experiência de família que nos moldou, a pessoa que influenciou os nossos interesses e escolhas educacionais, a encruzilhada na rodovia que nos levou para onde nós estamos hoje.

Mais duro é manter essa consciência no nível da realidade [awareness] amplamente operativa no presente. Quem nós encontraremos hoje? Que informação pode chegar que moldará a direção de nossa vida?

Sincronicidade normalmente opera em uma sequência. Primeiro você identifica um pensamento intuitivo ou palpite que sugere uma linha de ação que moverá a sua vida para frente. Segundo, quando você segue a intuição e toma essa linha de ação, você encontra a si mesmo em um lugar onde a sincronicidade ocorre. Por vez, dando a você apenas a informação e clareza que você necessita no momento.

James Redfield ainda acrescenta: “Permanecer em um estado de expectativa alerta referente às principais questões de nossa vida, ou da ajuda que nós precisamos, aumenta a frequência das respostas sincronísticas. O segredo está em recordar, que a primeira coisa a fazer de manhã é observar esses mágicos momentos sincronísticos.”

O Universo é desenhado para ajudá-lo, mas você tem que prestar atenção. Decida qual questão está mais presente para você a cada manhã, você se encontrará guiado para respostas profundas e para resolver os seus desafios.

A 1ª visão ocorre quando nós nos associamos à essa massa crítica de pessoas que estão experienciando as suas vidas como um desdobramento espiritual.

Como reforço para o amplo entendimento sobre o conceito de massa crítica, destacado na 1ª visão do Manuscrito, nós buscamos inspiração em outro importante conceito denominado “Fenômeno do Centésimo Macaco”.  O conceito desse fenômeno foi apresentado no livro “Lifetide” em 1980, pelo autor Lyall Watson, botânico sul-africano, zoólogo, biólogo, antropólogo, etologista e autor de vários outros livros.

Em outro livro intitulado “The Hundredth Monkey”, o autor Ken Keyes Jr, detalha esse fenômeno (ou ficção?) conforme segue: “Existe um fenômeno sobre o qual gostaria de contar a você. O fenômeno do centésimo macaco, sobre o qual eu aprendi em conversas com Marilyn Ferguson e Carl Rogers. Esse fenômeno mostra que quando muitos estão cientes de alguma coisa, todos nós nos tornamos cientes dessa alguma coisa. Nele pode residir a nossa única esperança do futuro de nossa espécie. Aqui está a estória do Centésimo Macaco:

O macaco-Japonês, Macaca fuscata [um macaco da família dos cercopitecídeos, endêmico do sul do Japão], vinha sendo observado há mais de trinta anos em estado natural. Em 1952, os cientistas jogaram batatas-doces cruas nas praias da ilha de Koshima para os macacos. Eles apreciaram o sabor das batatas-doces, mas acharam desagradável o da areia. Uma fêmea de um ano e meio, chamada Imo, descobriu que lavar as batatas num rio próximo resolvia o problema. E ensinou o truque à sua mãe. Os seus companheiros também aprenderam a novidade e a ensinaram às respectivas mães. Aos olhos dos cientistas, essa inovação cultural foi gradualmente assimilada por vários macacos. Entre 1952 e 1958 todos os macacos jovens aprenderam a lavar a areia das batatas-doces para torná-las mais gostosas. Só os adultos que imitaram os filhos aprenderam este avanço social. Outros adultos continuaram comendo batata-doce com areia. Foi então que aconteceu uma coisa surpreendente. No outono de 1958, na ilha de Koshima, alguns macacos – não se sabe ao certo quantos – lavavam as suas batatas-doces. Vamos supor que, um dia, ao nascer do sol, noventa e nove macacos da ilha de Koshima já tivessem aprendido a lavar as batatas-doces. Vamos continuar supondo que, ainda nessa manhã, um centésimo macaco tivesse feito uso dessa prática. Então aconteceu! Nessa tarde, quase todo o bando já lavava as batatas-doces antes de comer. O acréscimo de energia desse centésimo macaco rompeu, de alguma forma, uma barreira ideológica!

Mas vejam só: Os cientistas observaram uma coisa deveras surpreendente: o hábito de lavar as batatas-doces havia atravessado o mar. Bandos de macacos de outras ilhas, além dos grupos do continente, em Takasakiyama, também começaram a lavar as suas batatas-doces. Assim, quando um certo número crítico atinge a consciência no nível da realidade [awareness], essa nova consciência [awareness] pode ser comunicada de uma mente a outra. O número exato pode variar, mas o Fenômeno do Centésimo Macaco significa que, quando só um número limitado de pessoas conhece um caminho novo, ele permanece como patrimônio da consciência no nível da percepção [consciousness] dessas pessoas. Mas há um ponto em que, se mais uma pessoa se sintoniza com a nova percepção, o campo se alarga de modo que essa percepção é captada por quase todos! A sua consciência no nível da realidade [awareness] é necessária para salvar o mundo de uma guerra nuclear. Você pode ser o centésimo macaco!

O escritor da Nova Era Deepak Chopra popularizou esse fenômeno, ainda que ligeiramente transformado, conforme segue: “Muito tempo atrás, em um povoado longínquo no Japão, havia um macaco chamado Emo. Os macacos nessa época costumavam comer as maçãs sujas caídas nos pisos dos jardins cheios de pó. Um dia, por erro, Emo lavou a maçã no reservatório antes de comê-la. A partir daí lavava cada maçã que ia comer. A mensagem passou de Emo a um segundo macaco e logo a um terceiro e assim sucessivamente. Muitos macacos vizinhos de outros povoados também começaram a lavar as maçãs antes de comer. E no dia em que o centésimo macaco lavou uma maçã e a comeu, observou-se um estranho fenômeno em todo o país: todos os macacos começaram a lavar as maçãs antes de comê-las. Portanto, nessa zona, a massa crítica foi de 100. Uma vez que se alcançou a massa crítica, a informação se propagou, como um fio de pólvora, por todos e cada um dos macacos e todos começaram a lavar as maçãs antes de comê-las.”

Essa história (fictícia) exemplifica uma teoria criada pelo fisiologista inglês Rupert Sheldrake, denominada teoria dos campos morfogenéticos. Segundo o cientista, os campos morfogenéticos são estruturas invisíveis que se estendem no espaço-tempo e moldam a forma e o comportamento de todos os sistemas do mundo material. Todo átomo, molécula, célula ou organismo que existe gera um campo organizador invisível e ainda não detectável por qualquer instrumento, que afeta todas as unidades desse tipo. Assim, sempre que um membro de uma espécie aprende um comportamento e esse comportamento é repetido vezes suficiente, o tal campo é modificado e a modificação afeta a espécie por inteiro, mesmo que não haja formas convencionais de contato entre os seus membros. Isso explica porque, no exemplo, todos os macacos do arquipélago de repente começaram a lavar as suas raízes, sem que houvesse comunicação entre as ilhas. “A ressonância mórfica tende a reforçar qualquer padrão repetitivo, seja ele bom ou mal“, afirmou Sheldrake. “Por isso, cada um de nós é mais responsável do que imagina. Pois as nossas ações podem influenciar os outros e serem repetidas“.

O Universo é desenhado para ajudá-lo, mas você tem que prestar atenção. Decida qual questão está mais presente para você a cada manhã, você se encontrará guiado para respostas profundas e para resolver os seus desafios.

No livro “Poder Sem Limites”, que explora os conceitos e práticas da Programação Neurolinguística (PNL), o autor Anthony Robbins acrescenta mais luz ao conceito de consciência coletiva, em reforço ao conceito da síndrome do 100º macaco e massa crítica da 1ª Visão: “Há numerosos casos onde indivíduos, sem maneira de entrarem em contato com outros, agem de notável acordo. Um físico tem uma ideia e, simultaneamente, três físicos em outros lugares têm a mesma ideia. Como acontece isso? Ninguém sabe com certeza, mas muitos cientistas proeminentes e pesquisadores do cérebro, tais como o físico David Bohn e o biólogo Rupert Sheldrake, acreditam que há uma consciência [awareness] coletiva para a qual todos nós podemos ser atraídose que quando nos alinhamos através de crença, através de foco, através de ótima fisiologia, encontramos um caminho para mergulhar nessa consciência [no nível da realidade; awareness] coletiva. Os nossos corpos, os nossos cérebros e os nossos estados são como um diapasão em harmonia com esse nível mais alto da existência. Assim, quanto mais afinado estiver, melhor alinhado estará e mais poderá entrar nesse rico conhecimento e sensação. Assim, como as informações filtram o nosso inconsciente para nós, podem também filtrar de fora de nós, completamente, para dentro, se nós estivermos num estado de recursos suficientes para recebê-las”.

Extraído da Wikipédia um conceito de massa crítica, para a nossa reflexão: “A massa crítica de um material fissionável é a quantidade necessária para manter uma reação nuclear em cadeia autossustentada. Uma configuração na qual uma reação em cadeia é alcançada no limite é denominada de crítica, e diz-se, nesse caso, ter-se obtido criticidade.” Se a massa de urânio for pequena, a maioria dos nêutrons escapará sem atingir outros núcleos, não ocorrendo reação em cadeia. Assim, nós dizemos que a massa do urânio é subcrítica. Já se a amostra de urânio for suficientemente grande para que a fissão em cadeia citada acima ocorra, então tem-se a massa crítica, isto é a quantidade mínima de material fissionável.

James Redfield ainda nos acrescenta: “Eu acredito que uma transformação no mundo está acontecendo agora porque o número de indivíduos vivendo em atenção plena de tais coincidências está crescendo dramaticamente. Nós começamos a ter mais escolhas significativas que estão mais alinhadas com o que nós desejamos criar. Nada é deixado ao acaso, nada é deixado a surpresas. Ainda, para cada um de nós, isso é uma jornada de descoberta. Cada aprendizado acrescenta para a nossa compreensão de uma mais autêntica e projetada realidade deliberadamente e como nós temos que, em consequência, viver as nossas vidas em alinhamento com o Divino.”  

Usando a 1ª visão e ampliando o seu benefício:

  • Tenha consciência no nível da realidade [awareness] de que a sua vida tem um objetivo e que os eventos acontecem com um motivo.
  • Inicie o processo de descobrir o significado por trás de cada evento da vida.
  • Reconheça a energia agitada como um indício da necessidade de mudar e de uma conscientização mais profunda [awareness].
  • Escute o seu corpo.
  • Compreenda que aquilo em que você se concentrar irá se expandir.
  • Preste atenção quando você sentir um sinal de que você tem que falar com alguém que poderá ajudá-lo a lidar com as suas perguntas atuais.
  • Aonde foi a sua atenção? O que você observou hoje?
  • Confie em seu processo.
  • Viva a sua vida permitindo-se ser guiado e não perseguindo um conjunto de metas que você impingiu a si mesmo.
  • Saiba que você está efetivando o destino de sua vida.

Resumo da 1ª visão:

  • A 1ª visão é a visão do despertar.
  • Nós contemplamos a nossa vida e nós percebemos que existem mais coisas acontecendo do que nós imaginávamos.
  • Além das nossas rotinas e desafios do dia-a-dia, nós podemos detectar a influência do elemento divino: “coincidências significativas” que parecem estar nos enviando mensagens e nos conduzindo a uma direção particular.
  • No início nós apenas vislumbramos essas coincidências enquanto nós passamos rapidamente por elas, praticamente sem notá-las.
  • Finalmente, porém, nós começamos a diminuir a velocidade e examinar mais de perto esses eventos.
  • Receptivos e alertas nós somos mais capazes de detectar o evento sincronístico seguinte.
  • As coincidências parecem fluir e refluir, algumas vezes avançando rapidamente numa rápida sucessão, outras nos deixando quietos.
  • Contudo, nós sabemos que nós descobrimos o processo da alma que guia a nossa vida para frente.
  • As visões remanescentes mostram como aumentar a frequência dessa misteriosa sincronicidade e descobrir o destino final em direção ao qual nós estamos sendo levados.

No livro “Guia de Leitura de A Profecia Celestina”, James Redfield nos inspira quando afirma que “uma das suposições mais estimulantes do novo paradigma é que embora cada pessoa pareça separada e independente, todos nós estamos ligados a padrões de inteligência que governam todo o cosmo. O nosso corpo é parte de um corpo universal, a nossa mente, um aspecto da mente universal. Essa ideia é a base da 1ª visão, que nos ensina que nós podemos começar a evoluir conscientemente observando os eventos coincidentes destinados ao nosso crescimento. Nós não estamos sozinhos. As respostas às nossas perguntas nos chegam através de uma inteligência maior do que a nossa mente consciente; basta nós confiarmos nesse processo.”

James Redfield ainda nos esclarece sobre o próximo passo em nossa consciência no nível da realidade [awareness]: “Lembrem-se, nós temos que reter os insights que nos move na direção dessa mais elevada experiência em primeiro lugar. E frequentemente revisitá-los para nós ficarmos confiantes que essa consciência no nível da realidade [awareness] funciona. Esse é o único caminho que a humanidade pode lentamente remover a escuridão, na qual nós estamos ainda sofrendo. Todas as doze Visões emergem de muitos dos ensinamentos das principais religiões monoteístas. Elas apontam o caminho de volta, das leis das religiões organizadas, para um puro, descomplicado relacionamento intensamente com a pessoal origem de toda vida. Imediatamente nós queremos saber mais sobre o processo e mais sobre onde essas misteriosas coincidências estão nos levando.”

Ainda perguntamos: Elas são reais? Nossa percepção das sincronicidades é realmente importante? Tais questões imediatamente nos leva para a 2ª visão.

Palavras chave da OREM2: manuscrito, despertar espiritual, massa crítica, coincidências, sincronicidades, visões, centésimo macaco, campos morfogenéticos, ressonância mórfica.

Bibliografia (recomendamos enfaticamente a leitura desse material):

  • Livro “A Profecia Celestina” – James Redfield;
  • Livro “Guia de Leitura de A Profecia Celestina” – James Redfield;
  • Artigo: “The Celestine Prophecy: First Insight Experience Study” – James Redfield;
  • Livro: “O Despertar de Uma Nova Consciência” – Eckhart Tolle;
  • Livro “O Antigo Segredo da Flor da Vida” – Drunvalo Melchizedek;
  • Wikipedia – “Efecto del centésimo mono”;
  • Livro “Lifetide” – Lyall Watson;
  • Livro “The Hundredth Monkey” – Ken Keyes Jr;
  • Livro “Incredible Coincidence” – Alan Vaughan;
  • Livro “Poder Sem Limites” – Anthony Robbins;

Imagem kamakshi-subramani-ytaVGX77PIw-unsplash.jpg

Próximo artigo – 2ª VISÃO: O AGORA MAIS LONGO

… segundo o Manuscrito, quando um número suficiente de indivíduos perguntar a sério o que ocorre na vida, nós começaremos a descobrir.

Autor

Graduação: Engenheiro Operacional Químico. Graduação: Engenheiro de Segurança do Trabalho. Pós-Graduação: Marketing PUC/RS. Pós-Graduação: Administração de Materiais, Negociações e Compras FGV/SP. Consultor de Empresas: Projeto OREM® - Organizações Baseadas na Espiritualidade (OBEs). Estudante e Pesquisador Independente sobre Espiritualidade Não-Dualista; Psicofilosofia Huna e Ho’oponopono; A Profecia Celestina; Um Curso em Milagres (UCEM); Espiritualidade no Ambiente de Trabalho (EAT); A Organização Baseada na Espiritualidade (OBE). Certificação: “The Self I-Dentity Through Ho’oponopono® - SITH® - Business Ho’oponopono” - 2022.

0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
0
Would love your thoughts, please comment.x