Trechos do artigo “Reflexões: Sobre ‘Ídolos’ em ‘Um Curso em Milagres’” de 24 de outubro de 2018, disponível no site: https://schoolforacourseinmiracles.org/topic-of-idols-in-the course/#:~:text=Definitions%20of%20%E2%80%9CIdol%E2%80%9D%20from%20Ken,one%20true%20Self%20or%20God.

Ídolos e Idolatria

“As palavras ‘ídolo’ e ‘idolatria’ aparecem 164 vezes no Curso.

Definições de ‘Ídolo‘ a partir do ‘Glossário de Termos do Curso do Dr. Ken Wapnick’:

1. Uma falsa crença de que é possível ser alguma coisa ou alguém além de Deus ou mais que Deus.

2. Símbolo da substituição do ego para o nosso único verdadeiro Eu [Ser, Self] ou Deus.

3. Uma crença na separação projetada em relacionamentos especiais com coisas, pessoas ou ideias.

4. O Anticristo

O primeiro ídolo que nós inventámos em nossas mentes (e, de certa forma, adoramos) foi a nossa crença de que nós poderíamos ser um Filho de Deus separado, autónomo e distinto do nosso Pai no Céu. Essa crença tola é projetada no tempo e no espaço, sendo todos os nossos ídolos mundanos um reflexo daquele erro equivocado original.

Esses ‘ídolos’ incluem todos os nossos relacionamentos especiais de amor e ódio, com coisas e pessoas de quem nós gostamos e coisas e pessoas de quem nós não gostamos. Todos esses ‘ídolos’ são simplesmente espelhos daquela separação que nós acreditamos dentro de nós mesmos, em nossa mente. Esse é o propósito dos ídolos no mundo… manter-nos envolvidos em todo o drama mundano e não reconhecer a fonte deles.

A saída, de levar a sério essa alucinação aparentemente gigantesca, é ver além desses ídolos mundanos e estar disposto a ter uma experiência além deles (com a ajuda de Jesus ou do Espírito Santo), para a verdadeira inocência dos outros e de nós mesmos como Filho Único de Deus, ainda intacto. O Curso chama essa disponibilidade de perdão.

—–

Para o nosso conhecimento e o nosso entendimento, extraímos do livro Introdução Básica a Um Curso em Milagres” de Kenneth Wapnick, a seguinte importante passagem:

“Não é necessário uma identificação pessoal com Jesus como uma pessoa histórica, alguém que foi crucificado e ‘ressurgiu dos mortos’. Nem sequer é necessário que nós nos identifiquemos com ele como o autor do Curso ou como o nosso professor. Contudo, é necessário perdoá-lo. Se nós não o fizermos, nós estamos guardando algo contra ele, que nós estamos realmente guardando contra nós mesmos. Ele não pede que nós o tomemos como o nosso professor pessoal. Ele pede apenas que nós olhemos para ele de um modo diferente e nós não o responsabilizemos pelo que outras pessoas fizeram dele. Em um certo ponto no Curso, o Espírito Santo diz: ‘Alguns ídolos amargos foram feitos dele que apenas queria ser um irmão para o mundo’. Assim como Freud disse: ‘Eu não sou um Freudiano,’ Jesus poderia dizer: ‘Eu não sou um Cristão’. Nietzsche disse que o último Cristão morreu na cruz, o que infelizmente é provável que seja verdade.”

—–

Algumas passagens do Curso onde aparecem as palavras “ídolo” e “idolatria” e o verbo “idolatrar”

Para o nosso conhecimento e o nosso entendimento desse importante símbolo no sistema de pensamento de Um Curso em Milagres, temos as seguintes passagens:

“Assim como podes ouvir duas vozes, podes ver de dois modos. Um dos modos te mostra uma imagem, ou um ídolo que podes adorar em função do medo, mas nunca vais amar. A outra só te mostra a verdade, que vais amar, porque vais compreende-la. A compreensão é apreciação, porque podes te identificar com o que compreendes e por fazê-lo parte de ti mesmo, tu o aceitaste com amor. E assim que o próprio Deus te criou, em compreensão, em apreciação e em amor. O ego é totalmente incapaz de compreender isso porque não compreende o que faz, não o aprecia e não o ama. Ele incorpora para tirar. Literalmente acredita que cada vez que priva alguém de alguma coisa, ele aumenta. 9Eu tenho falado muitas vezes do aumento do Reino pelas tuas criações, que só podem ser criadas como tu foste. A glória total e a alegria perfeita que é o Reino estão em ti para serem dadas. Tu não queres dá-lo?” (T-7.V.9:1-11)

“Tu não atacaste a Deus e realmente O amas. És capaz de mudar a tua realidade? Ninguém pode ter vontade de destruir a si mesmo. Quando pensas que estás atacando a ti mesmo, aí está um sinal seguro de que odeias o que pensas que és. E isso, e somente isso, pode ser atacado por ti. O que pensas que és pode ser muito odioso e o que essa estranha imagem te faz fazer pode ser muito destrutivo. No entanto, a destruição não é mais real do que a imagem, embora aqueles que fazem ídolos os idolatrem. Os ídolos não são nada, mas os idólatras são os Filhos de Deus que estão doentes. Deus os quer liberados das suas doenças e de volta à Sua Mente. Ele não limitará o teu poder de ajudá-los, porque o deu a ti. Não tenhas medo disso, porque é a tua salvação.” (T-10.Os Ídolos da Doença.III.1:1-11)

“Acreditar que um Filho de Deus está doente é idolatrar o mesmo ídolo que ele idolatra. Deus criou o amor, não a idolatria. Todas as formas de idolatria são caricaturas da criação, ensinadas por mentes doentes por demais divididas para conhecer que a criação compartilha o poder e nunca o usurpa. A doença é idolatria, porque é a crença em que o poder pode ser tirado de ti. No entanto, isso é impossível, porque tu és parte de Deus, Que é todo o poder. Um deus doente não pode deixar de ser um ídolo, feito à imagem do que o seu autor pensa que ele é. E é exatamente isso o que o ego percebe em um Filho de Deus: um deus doente, autocriado, autossuficiente, muito perverso e muito vulnerável. É esse o ídolo que queres idolatrar? É essa a imagem que queres salvar com a tua vigilância? Estás realmente com medo de perder isso? (T-10.III.4:1-10)

“Olha com calma a conclusão lógica do sistema de pensamento do ego e julga se os seus oferecimentos realmente são o que tu queres, pois isso é o que ele te oferece. Para obter isso, estás disposto a atacar a Divindade dos teus irmãos, e assim perder a tua de vista. E estás disposto a mantê-la oculta para proteger um ídolo que pensas que vai te salvar dos perigos que ela representa, mas que não existem.” (T-10.III.5:13)

“Não existem idólatras no Reino, mas sim grande apreciação por tudo o que Deus criou, devido ao calmo conhecimento de que cada um é parte Dele. O Filho de Deus não conhece nenhum ídolo, mas conhece seu Pai. A saúde nesse mundo é a contraparte do valor no Céu. Não é com o meu mérito que eu contribuo para ti, mas com o meu amor, pois tu não dás valor a ti mesmo. Quando tu não te dás valor ficas doente, mas a minha valorização de ti pode curar-te, porque o valor do Filho de Deus é um só. Quando eu disse ‘A minha paz vos dou’, era isso mesmo o que eu quis dizer. A paz vem de Deus através de mim para ti. É tua, muito embora possas não pedir por ela.” (T-10.III.6:1-8)

“Quando tiveres experimentado a proteção de Deus, fazer ídolos virá a ser inconcebível. Não existem imagens estranhas na Mente de Deus e o que não está na Sua Mente não pode estar na tua, porque a tua mente e a Sua são uma só e essa pertence a Ele. É tua porque pertence a Ele, uma vez que para Deus, possuir é compartilhar. E se é assim para Ele, é assim para ti. As Suas definições são as Suas leis, pois através delas Ele estabeleceu o universo tal como é. Nenhum deus falso que tentes interpor entre tu e a tua realidade afeta em nada a verdade. A paz é tua porque Deus te criou. E Ele não criou nenhuma outra coisa. (T-10.IV.6:1-8)

“Não vejas no relacionamento especial nada além de uma tentativa sem significado de erguer outros deuses diante Dele e, adorando-os, obscurecer a insignificância que lhes é própria e a Sua grandeza. Em nome da tua completeza, não queres isso. Pois cada ídolo que ergues para colocar diante Dele, se coloca diante de ti, no lugar do que tu és.” (T-16.V.13:1-3)

“Mas ídolos não compartilham. Os ídolos aceitam, mas nunca dão em retomo. Eles podem ser amados, mas não podem amar. Não compreendem aquilo que lhes é oferecido e qualquer relacionamento no qual entrem perdeu o seu significado. O amor por eles tornou o amor sem significado. Vivem em segredo, odeiam a luz do sol e ficam felizes na escuridão do corpo, onde podem esconder-se e manter escondidos os seus segredos junto com eles. E não têm relacionamentos, pois ninguém mais, é bem-vindo ali. Não sorriem para ninguém e não vêem aqueles que sorriem para eles.” (T-20.VI.3:1-8)

“O amor não tem templos escuros onde mistérios são mantidos na obscuridade e escondidos do sol. Ele não busca poder, mas relacionamentos. O corpo é a arma escolhida pelo ego para buscar poder através dos relacionamentos. E seus relacionamentos são necessariamente não-santos, pois o que são, ele nem sequer vê. Ele só os quer pelas ofertas através das quais prosperam os seus ídolos. O resto ele simplesmente joga fora, pois tudo o que poderiam lhe oferecer é visto como sem valor. Sem lar, o ego busca tantos corpos quantos puder colecionar para neles colocar os seus ídolos e assim estabelecê-los como templos para si mesmo.” (T-20.VI.4:1-7)

“Não podes fazer do corpo o templo do Espírito Santo e ele nunca será a sede do amor. Ele é o lar do idólatra e da condenação do amor. Pois aqui o amor se faz amedrontador e a esperança é abandonada. Mesmo os ídolos que são adorados aqui estão envoltos em mistério e mantidos à parte daqueles que os adoram. Esse é o templo dedicado à negação dos relacionamentos e da reciprocidade. Aqui é o ‘mistério’ da separação percebido no temor e mantido na reverência. O que Deus não quer que seja, aqui é mantido ‘a salvo’ de Deus. Mas o que não reconheces é que aquilo de que tens medo no teu irmão e não queres ver, é o que faz com que Deus pareça amedrontador para ti e continue sendo um desconhecido.” (T-20.VI.6:1-8)

“Os idólatras sempre terão medo do amor, pois nada os ameaça tão severamente quanto a aproximação do amor. Deixa que o amor se aproxime deles e não vejas o corpo, como o amor certamente fará, e recuarão no medo sentindo o fundamento aparentemente firme de seu templo começar a tremer e ruir. Irmão, tu tremes com eles. No entanto, o que temes não é senão o arauto da liberação. Esse lugar de escuridão não é a tua casa. O teu templo não está ameaçado. Lá não és mais um idólatra. O propósito do Espírito Santo está seguro no teu relacionamento e não no teu corpo. Tu escapaste do corpo. Onde estás, o corpo não pode entrar, pois o Espírito Santo lá estabeleceu o Seu templo. (T-20.VI.7:1010)

“Os ídolos têm que desaparecer e não deixar nenhum vestígio de sua passagem. O instante não-santo do seu poder aparente é frágil como um floco de neve, mas não tem a sua beleza. É esse o substituto que tu queres para a bênção eterna do instante santo e sua beneficência sem limites? É a malevolência do relacionamento não-santo, aparentemente tão poderosa, tão amargamente mal interpretada e tão investida de falsa atração, o que preferes no lugar do instante santo que te oferece paz e compreensão? Então, deixa de lado o corpo é o transcende em quietude, erguendo-te para dar as boas-vindas ao que realmente queres. E do teu templo santo, não olhes para trás para aquilo de que despertaste. Pois nenhuma ilusão pode atrair a mente que as transcendeu e as deixou muito atrás.” (T-10.VI.9:1-7)

“O corpo é o ídolo do ego; a crença no pecado que se fez carne e então se projetou para fora. Isso produz o que parece ser uma parede de carne em torno da mente, mantendo-a prisioneira em um ponto diminuto de espaço e tempo, devedora para com a morte, e tudo que lhe é dado é apenas um instante no qual suspirar, se lamentar e morrer em honra ao seu patrão. E esse instante não-santo parece ser a vida: um instante de desespero, uma diminuta ilha de areia seca, sem água e estabelecida de forma incerta no esquecimento. Aqui o Filho de Deus para por um breve momento para oferecer a sua devoção aos ídolos da morte e, então, seguir adiante. E aqui ele está mais morto do que vivo. Entretanto, é também aqui que ele faz novamente a sua escolha entre a idolatria e o amor. Aqui lhe é dado escolher entre passar esse instante pagando tributos ao corpo ou permitir que lhe seja dada a liberdade em relação a isso. Aqui, ele pode aceitar o instante santo que lhe é oferecido para substituir o não-santo que escolheu anteriormente. E aqui ele pode aprender que relacionamentos são a sua salvação e não a sua perdição.” (T-20.VI.11:1-9)

“O Espírito Santo pode te dar fé na santidade e visão para vê-la com bastante facilidade. Mas não deixaste aberto e desocupado o altar onde é o lugar das dádivas. Onde elas deveriam estar, colocaste os teus ídolos a alguma outra coisa. Tu dás realidade a essa outra ‘vontade’, que parece te dizer o que tem que acontecer. E portanto o que te mostraria outra coisa não pode deixar de parecer irreal. Tudo o que te é pedido-é abrir espaço para a verdade. Não te é pedido que faças ou executes o que está além da tua compreensão. Tudo o que te é pedido é que a deixes entrar; apenas que pares de interferir com o que acontecerá por si mesmo; simplesmente que reconheças de novo a presença do que pensaste que tinhas descartado.” (T-21.II.7:1-8)

“Qualquer que seja a forma de especialismo que alimentes, fizeste o pecado. Ele fica inviolado, fortemente defendido com todo o teu cômico poder contra a Vontade de Deus. E assim ele fica contra ti, o teu inimigo, não o inimigo de Deus. Desse modo ele parece dividir-te afastando-te de Deus e fazer com que estejas separado Dele, como defensor do pecado. Queres proteger o que Deus não criou. E, no entanto, esse ídolo que parece te dar poder levou-o embora. Pois deste a ele o direito que o teu irmão recebeu ao nascer, deixando-o sozinho e sem perdão, e a ti mesmo no pecado ao seu lado, ambos na miséria, diante do ídolo que não pode salvá-los.” (T-24.III.2:1-7)

“Não busques fora de ti mesmo. Pois o teu intento falhará e tu chorarás a cada vez que um ídolo cair por terra. O Céu não pode ser achado onde ele não está e não pode existir paz a não ser no Céu. Cada ídolo que cultuas quando Deus chama, nunca te responderá em Seu lugar. Não existe nenhuma outra resposta que possas substituir pela de Deus e na qual possas achar a felicidade que a Sua resposta traz. Não busques fora de ti. Pois toda a tua dor simplesmente vem de uma busca fútil pelo que queres, insistindo quanto ao lugar aonde tem que ser achado. E se não estiver ali? Preferes estar certo ou ser feliz? Fica contente por ter sido dito a ti aonde habita a felicidade e não busques mais em outra parte. Tu falharás. Mas te é dado conhecer a verdade e não buscá-la fora de ti mesmo.” (T-29.VII.1:1-12)

“A ilusão remanescente o impelirá a buscar milhares de ídolos e outros milhares além desses. E cada um falhará, todos, exceto um: pois ele morrerá sem compreender que o ídolo que ele busca é apenas a sua própria morte. A forma da morte aparenta estar fora dele. Entretanto, de fato, ele busca matar o Filho de Deus no interior de si mesmo e provar que é vitorioso sobre ele. Esse é o propósito que cada ídolo tem, pois esse é o papel que lhe é atribuído e esse é o papel que não pode ser cumprido.” (T-29.VII.3:1-5)

“Ídolos têm que cair porque não têm vida e o que é sem vida é um sinal de morte. Tu vieste para morrer e que mais poderias esperar senão perceber os sinais da morte que buscas? Nenhuma tristeza e nenhum sofrimento proclamam outra mensagem que não seja o encontro de um ídolo que representa uma paródia da vida, que por não ter vida é realmente a morte concebida como algo real ao qual se atribui forma viva. Contudo, cada um desses ídolos tem que falhar, desmoronar e se deteriorar porque uma forma de morte não pode ser vida e o que é sacrificado não pode ser íntegro.” (T-29.VII.5:1-4)

“Todos os ídolos desse mundo foram feitos para manter a verdade dentro de ti afastada do teu conhecimento, e para manter a aliança com o sonho, segundo o qual tens que achar o que está fora de ti mesmo para seres completo e feliz. É em vão que se cultua ídolos esperando achar a paz. Deus habita dentro de ti e a tua completeza está Nele. Nenhum ídolo toma o Seu lugar. Não olhes para ídolos. Não busques fora de ti mesmo.” (T-29.VII.6:1-6)

“Vamos esquecer o propósito que foi dado ao mundo pelo passado. Pois de outra forma, o futuro será como o passado, não mais do que uma série de sonhos deprimentes nos quais todos os ídolos falham a ti, um por um, e tu vês a morte e o desapontamento em toda a parte.” (T-29.VII.7:1-2)

“Para mudar tudo isso e abrir uma estrada de esperança e de liberação dentro daquilo que aparentava ser um círculo sem fim de desespero, tu apenas necessitas decidir que não sabes qual é o propósito do mundo. Tu lhe dás metas que ele não tem e dessa forma decides para que ele serve. Tentas ver nele um lugar de ídolos achados fora de ti mesmo, com o poder de fazer com que o que está dentro seja completo, dividindo o que tu és entre os dois. Tu escolhes os teus sonhos, pois são o que desejas, percebidos como se tivessem sido dados a ti. Os teus ídolos fazem o que queres que façam e têm o poder que tu lhes atribuis. E tu os persegues em vão no sonho, porque queres o seu poder para ti.” (T-29.VII.8:1-6)

“Entretanto, onde estão os sonhos senão em uma mente adormecida? E é possível que um sonho tenha sucesso em fazer com que o retrato que ele projeta fora de si mesmo seja real? Economiza tempo, meu irmão, aprende para que o tempo serve. E apressa o fim dos ídolos em um mundo que se fez triste e doente por ver ídolos. A tua mente santa é um altar a Deus, e aonde Ele está nenhum ídolo pode habitar. O medo de Deus não é senão o medo da perda dos ídolos. Não é o medo da perda da tua realidade. Mas tu fizeste da tua realidade um ídolo, o qual tens que proteger contra a luz da verdade. E todo o mundo vem a ser o meio pelo qual esse ídolo pode ser salvo. Desse modo, a salvação parece ameaçar a vida e oferecer a morte.” (T-29.VII.9:1-10)

“Não é assim. A salvação busca provar que a morte não existe e que só a vida existe. O sacrifício da morte não é nenhuma perda. Um ídolo não pode tomar o lugar de Deus. Permite que Ele te lembre do Seu Amor por ti e não busques afogar a Voz de Deus em cantos de profundo desespero para ídolos de ti mesmo. Não busques fora do teu Pai a tua esperança. Pois a esperança da felicidade não é desespero.” (T-29.VII.10:1-7)

“O que é um ídolo? Tu pensas que sabes? Pois ídolos não são reconhecidos como tais e nunca são vistos pelo que realmente são. Esse é o único poder que têm. O seu propósito é obscuro, e são temidos e adorados, porque tu não sabes para que servem e nem porque foram feitos. Um ídolo é uma imagem do teu irmão que valorizas mais do que o que ele é. Ídolos são feitos para que o teu irmão possa ser substituído, seja qual for a forma que tomem. E é isso que não é nunca percebido e reconhecido. Seja ele um corpo ou uma coisa, um lugar, uma situação ou uma circunstância, um objeto possuído ou desejado, ou um direito exigido ou conseguido, é a mesma coisa.” (T-29.VIII.1:1-9)

“Não deixes que a forma dos ídolos te engane. Eles são apenas substitutos para a tua realidade. De algum modo, tu acreditas que completarão o teu pequeno ser, dando-te segurança em um mundo percebido como perigoso, com forças concentradas contra a tua confiança e a paz da tua mente. Eles têm o poder de suprir o que te falta e acrescentar o valor que tu não tens. Ninguém acredita em ídolos sem se ter escravizado à pequenez e à perda. E assim, precisa buscar a força além de seu pequeno ser para levantar a cabeça e se colocar à parte de toda a miséria que o mundo reflete. Essa é a penalidade por não olhares para dentro em busca da certeza e da calma serena que te libera do mundo, e permite que tu te coloques à parte, em quietude e em paz. (T-29.VIII.2:1-7)

“Um ídolo é uma falsa impressão, ou uma falsa crença; alguma forma de anticristo, que constitui uma brecha entre o Cristo e o que tu vês. Um ídolo é um desejo, que se faz tangível e ao qual é dado uma forma, e assim ele é percebido como real e visto fora da mente. Entretanto, ele ainda é um pensamento e não pode deixar a mente que é a sua fonte. Também a sua forma não está à parte da ideia que ele representa. Todas as formas do anticristo se opõem a Cristo. E caem diante da Sua face como um véu escuro que parece se fechar separando-te Dele e deixando-te sozinho na escuridão. Contudo, a luz está lá. Uma nuvem não apaga o sol. E nem um véu é capaz de banir aquilo que ele parece separar, assim como não é capaz de escurecer nem por um milímetro a luz em si mesma. (T-29.VIII.3:1-9)

“Esse mundo de ídolos é um véu por cima da face de Cristo, porque o seu propósito é separar o teu irmão de ti. Um propósito escuro e amedrontador, contudo não passa de um pensamento sem o poder de mudar uma folha de grama de uma coisa viva em um sinal de morte. A sua forma não está em parte alguma, pois a sua fonte habita dentro da tua mente, onde Deus não habita. Aonde é esse lugar no qual aquilo que está em toda parte foi excluído e é mantido à parte? Que mão poderia se levantar para bloquear o caminho de Deus? De quem é a voz que poderia exigir que Ele não entrasse? Aquilo que Se crê ‘mais do que tudo’ não é algo capaz de te fazer tremer e te encolher por medo. O inimigo de Cristo não está em lugar nenhum. Ele jamais pode tomar uma forma na qual seja real.” (T-29.VIII.4:1-9)

“O que é um ídolo? Nada! É preciso que se acredite nele antes que ele pareça vir à vida e a ele tem que ser dado o poder através do qual possa ser temido. A sua vida e poder são dádivas daquele que acredita nele, e é isso o que o milagre devolve àquele que tem vida e poder dignos da dádiva do Céu e da paz eterna. O milagre não restaura a verdade, pois o véu que está entre eles não apagou a luz. Ele meramente levanta o véu e permite que a verdade brilhe a descoberto, sendo o que é. Ela não necessita de crença alguma para ser ela mesma, pois foi criada e assim é.” (T-29.VIII.5:1-7)

“Um ídolo é estabelecido pela crença e quando ela é retirada, o ídolo ‘morre’. Isso é o anticristo: a estranha ideia de que há um poder além da onipotência, um lugar além do infinito, um tempo que transcende o eterno. Aqui o mundo dos ídolos foi estabelecido pela ideia de que foi dada uma forma a esse poder, a esse lugar e a esse tempo e eles moldam o mundo onde o impossível aconteceu. Aqui, o que não morre vem para morrer, o que tudo abrange vem a sofrer perda, o que é sem tempo vem para se fazer escravo do tempo. Aqui o imutável muda; a paz de Deus, para sempre dada a todas as coisas vivas, dá lugar ao caos. E o Filho de Deus, tão perfeito, sem pecado e amoroso como seu Pai, vem para odiar por um breve momento, para sofrer dor e finalmente morrer.” (T-29.VIII.6:1-6)

“Onde está um ídolo? Em parte alguma! É possível haver uma brecha no que é infinito, um lugar onde o tempo é capaz de interromper a eternidade? Um lugar de escuridão estabelecido onde tudo é luz, uma alcova sombria separada do que não tem fim, não tem lugar para ser. Um ídolo está além do lugar onde Deus estabeleceu todas as coisas para sempre, sem deixar espaço para nada exceto a Sua Vontade. Um ídolo tem que ser nada e tem que estar em lugar nenhum, pois Deus é tudo e está em toda parte.” (T-29.VIII.7:1-6)

“Que propósito tem um ídolo, então? Para que ele serve? Essa é a única questão que tem muitas respostas, cada uma delas dependendo da pessoa a quem a questão é colocada. O mundo acredita em ídolos. Ninguém vem a ele a menos que os adore, e ainda tente buscar um ídolo que possa lhe oferecer uma dádiva que a realidade não contenha. Cada idólatra ancora a sua esperança na crença em que suas divindades especiais lhe darão mais do que os outros homens possuem. Tem que ser mais. Não importa realmente mais de ‘que’, se é mais beleza, mais inteligência, mais riqueza, ou até mesmo mais aflição e mais dor. Mas um ídolo é para se ter mais de alguma coisa. E quando um falha, outro toma o seu lugar, com a esperança de achar mais de alguma outra coisa. Não te enganes com as formas que essa ‘alguma coisa’ toma. Um ídolo é um meio de se conseguir mais. E é isso que vai contra a Vontade de Deus.” (T-29.VIII.8:1-13)

“Deus não tem muitos filhos, apenas um. Quem pode ter mais e a quem pode ser dado menos? No Céu o Filho de Deus apenas riria, se ídolos pudessem interferir com a sua paz. É por ele que o Espírito Santo fala e te diz que ídolos não têm propósito algum aqui. Pois mais do que o Céu, tu nunca podes ter. Se o Céu está dentro de ti, por que irias buscar ídolos que fariam do Céu menos do que ele é, para dar-te mais do que Deus deu ao teu irmão e a ti, que és um com Ele? Deus te deu tudo o que existe. E para estar certo de que não o perderias, Ele deu também o mesmo a cada coisa viva. E assim cada coisa viva é uma parte de ti, assim como Dele. Nenhum ídolo pode fazer com que sejas mais do que Deus. Mas nunca ficarás satisfeito em ser menos.” (T-29.VIII.9:1-11)

“O escravo de ídolos é um escravo voluntário. Pois ele tem que estar disposto a se inclinar em adoração diante do que não tem vida e a buscar poder no que não tem poder. O que aconteceu ao santo Filho de Deus para que esse pudesse ser o seu desejo, para que ele se deixasse cair e descer ainda mais baixo do que as pedras do chão e ficasse procurando ídolos para que eles o levantem? Ouve, então, a tua história no sonho que fizeste e pergunta a ti mesmo se não é verdade que acreditas que isso não é um sonho.” (T-29.IX.1:1-4)

“Um sonho de julgamento entrou na mente que Deus criou tão perfeita quanto Ele próprio. E nesse sonho, o Céu virou inferno, e fez-se de Deus um inimigo para com Seu Filho. Como pode o Filho de Deus despertar do sonho? É um sonho de julgamento. Assim é preciso que ele não julgue e despertará. Pois o sonho parecerá durar enquanto ele faz parte do sonho. Não julgues, pois aquele que julga terá necessidade de ídolos que arcarão com o julgamento impedindo que o mesmo caia sobre ele. E assim também não poderá conhecer o Ser que ele condenou. Não julgues, porque fazes de ti mesmo uma parte dos sonhos maus, onde ídolos são a tua ‘verdadeira’ identidade e a tua salvação do julgamento é colocada sobre ti no terror e na culpa. (T-29.IX.2:1-9)

“Todas as figuras no sonho são ídolos, feitos para salvar-te do sonho. Contudo, eles foram feitos para salvar-te exatamente daquilo de que fazem parte. Assim é que o ídolo mantém o sonho vivo e terrível, pois quem poderia desejar um, a não ser que estivesse no terror e no desespero? E isso o ídolo representa, e assim a idolatria dos ídolos é a idolatria do desespero e do terror, e do sonho do qual eles vêm. O julgamento é uma injustiça para com o Filho de Deus, e é justiça o fato de que aquele que o julga não escapará da penalidade que infligiu a si próprio dentro do sonho que fez. Deus sabe da justiça, não da penalidade. Mas no sonho do julgamento tu atacas e és condenado; e desejas ser o escravo de ídolos, que se interpõem entre o teu julgamento e a penalidade que ele traz.” (T-29.IX.3:1-7)

“Não pode haver salvação no sonho enquanto o estás sonhando. Pois os ídolos têm que fazer parte dele, para salvar-te daquilo que tu acreditas que realizaste e fizeste para fazer de ti mesmo um pecador, apagando a luz dentro de ti. Pequena criança, a luz está aqui. Tu estás apenas sonhando e os ídolos são brinquedos com os quais sonhas que estás brincando. Quem tem necessidade de brinquedos a não ser as crianças? Elas fingem que governam o mundo e dão aos seus brinquedos o poder de se locomoverem, de falarem e de pensarem, de serem e de falarem por elas. Entretanto, tudo aquilo que os seus brinquedos aparentemente fazem está nas mentes das crianças que com eles brincam. Mas elas anseiam por esquecer que elas próprias inventaram o sonho no qual os seus brinquedos são reais, e não reconhecem que os desejos que eles têm são os seus próprios.” (T-29.IX.4:1-8)

“O mundo real ainda é apenas um sonho. Mas as figuras mudaram. Elas não são vistas como ídolos que traem. É um sonho no qual ninguém é usado para substituir alguma outra coisa, nem interposto entre os pensamentos que a mente concebe e aquilo que ela vê. Ninguém é usado como algo que não é, pois as coisas infantis foram todas postas de lado. E o que uma vez foi um sonho de julgamento, agora mudou e veio a ser um sonho no qual tudo é alegria, porque esse é o propósito que ele tem. Só sonhos que perdoam podem entrar aqui, pois o tempo está quase no fim. E as formas que entram no sonho são agora percebidas como irmãos, não em julgamento, mas em amor.” (T-29.IX.7:1-8)

“Sempre que sentires medo, sob qualquer forma – e tu estás amedrontado se não sentes um profundo contentamento, uma certeza de seres ajudado, uma calma segurança de que o Céu vai contigo – estejas certo de que fizeste um ídolo e acreditas que ele vai trair-te. Pois, por trás da tua esperança de que ele vá salvar-te, estão a culpa e a dor da auto traição e da incerteza, tão profundas e amargas que o sonho não é capaz de ocultar completamente todo o teu sentimento de perdição. A tua auto traição tem que resultar em medo, pois o medo é julgamento, levando com certeza à busca frenética de ídolos e da morte.” (T-29.IX.9:1-3)

“Sonhos que perdoam lembram a ti de que vives em segurança e que não atacaste a ti mesmo. Assim dissipam-se os teus terrores infantis e os sonhos vêm a ser um sinal de que fizeste um novo começo, não uma outra tentativa de adorar ídolos e manter o ataque. Sonhos que perdoam são benignos para com todas as pessoas que figuram no sonho. E assim trazem ao sonhador liberação plena dos sonhos de medo. Ele não tem medo do próprio julgamento, pois não julgou ninguém e nem buscou se liberar, através do julgamento, daquilo que o julgamento necessariamente impõe. E durante todo o tempo ele está se lembrando do que esqueceu, enquanto o julgamento parecia ser o caminho para salvá-lo da penalidade de julgar.” (T-29.IX.10:1-6)

“Nós dissemos que podes dar início a um dia feliz com a determinação de não tomares decisões por tua própria conta. Isso parece ser uma decisão real em si mesma. E, no entanto, não és capaz de tomar decisões por ti mesmo. A única questão realmente é: com que ajuda escolhes tomá-las. Isso é tudo na realidade. A primeira regra, então, não é a coerção, mas uma simples declaração de um simples fato. Não tomarás decisões por conta própria seja o que for que venhas a decidir. Pois elas são tomadas com ídolos ou com Deus. E pedes ajuda ao anticristo ou ao Cristo, e aquele que escolheres unir-se-á a ti e te dirá o que fazer.” (T-30.I.14:1-9)

“Ídolos são bastante específicos. Mas a tua vontade é universal, sendo sem limites. E assim ela não tem forma, nem fica contente quando tem a sua expressão em termos de forma. Ídolos são limites. São a crença em que existem certas formas que te trarão felicidade e em que, através da limitação, tudo é atingido. É como se dissesses: ‘Não tenho necessidade de tudo. Quero essa pequena coisa e ela será tudo para mim.’ E isso não pode deixar de falhar em satisfazer porque é tua vontade que tudo seja teu. Decide-te por ídolos e estás pedindo a perda. Decide-te pela verdade e todas as coisas são tuas.” (T-30.III.Além de todos os ídolos.1:1-10)

“O que buscas não é forma. Que forma pode ser um substituto para o Amor de Deus o Pai? Que forma pode tomar o lugar de todo o amor na Divindade de Deus Filho? Que ídolo pode fazer dois do que é um só? E é possível que o que é sem limites seja limitado? Tu não queres um ídolo. Não é tua vontade ter um ídolo. Ele não te concederá a dádiva que buscas. Quando te decides pela forma daquilo que queres, perdes a compreensão do seu propósito. Assim vês a tua vontade dentro do ídolo; reduzindo-a a uma forma específica. Entretanto, essa nunca poderia ser a tua vontade, porque o que compartilha de toda a criação não pode ficar contente com pequenas ideias e pequenas coisas.” (T-30.III.2:1-11)

“Por trás da busca de qualquer ídolo está o anseio pela completeza. A integridade não tem forma porque é ilimitada. Buscar uma pessoa especial ou uma coisa especial para somar-se a ti e te completar só pode significar que acreditas que alguma forma está faltando. E achando-a, atingirás a completeza em uma forma que gostas. Esse é o propósito de um ídolo: que não olhes além dele para a origem da crença segundo a qual tu és incompleto. Só se tivesses pecado, é que isso poderia ser assim. Pois o pecado é a idéia segundo a qual estás sozinho e separado do que é íntegro. E assim seria necessário que a busca da integridade fosse feita além das fronteiras dos limites impostos a ti mesmo.” (T-30.III.3:1-8)

“Nunca é o ídolo que queres. Mas o que pensas que ele te oferece, isso de fato queres e tens o direito de pedir. Nem seria possível que isso te fosse negado. A tua vontade de ser completo não é senão a Vontade de Deus e te é dada por ser Dele. Deus não conhece forma alguma. Ele não pode responder-te em termos que não têm significado. E a tua vontade não poderia satisfazer-se com formas vazias, feitas apenas para preencher uma brecha que não existe. Não é isso que queres. A criação não dá a ninguém separadamente, nem a nenhuma coisa separada o poder de completar o Filho de Deus. Que ídolo pode ser chamado para dar ao Filho de Deus o que ele já tem?” (T-30.III.4:1-10)

“A completeza é a função do Filho de Deus. Ele não tem absolutamente nenhuma necessidade de buscá-la. Além de todos os ídolos está a sua vontade santa de ser apenas o que ele é. Pois mais do que o todo não tem significado. Se existisse alguma mudança nele, se pudesse ser reduzido a qualquer forma e limitado àquilo que não está nele, ele não seria como Deus o criou. De que ídolo pode ele necessitar para ser ele mesmo? É capaz de descartar uma parte de si mesmo? O que não é íntegro não pode tornar íntegro. Mas o que é realmente pedido não pode ser negado. A tua vontade é concedida. Não em uma forma que não vá contentar-te, mas no Pensamento íntegro, completamente belo que Deus mantém de ti.” (T-30.III.5:1-11)

“Quem conhece o Pai conhece essa luz, pois Ele é o firmamento eterno que a mantém a salvo, para sempre elevada e ancorada em segurança. Sua pureza perfeita não depende de ser vista na terra ou não. O firmamento a abraça e suavemente a mantém em seu lugar perfeito, que está tão distante da terra quanto a terra do Céu. Não é a distância nem é o tempo que mantém essa estrela invisível na terra. Mas aqueles que buscam ídolos não podem ter o conhecimento de que a estrela esteja lá.” (T-30.III.9:1-5)

“Além de todos os ídolos está o Pensamento que Deus mantém de ti. Completamente intocado pelo tumulto e pelo terror do mundo, os sonhos de nascimento e de morte que são aqui sonhados, as miríades de formas que o medo pode tomar; inteiramente imperturbado, o Pensamento que Deus mantém de ti permanece exatamente como sempre foi. Cercado por uma quietude tão completa que nenhum som de batalha se aproxima nem sequer de forma remota, ele descansa na certeza e na paz perfeita. Aqui está a sua única realidade mantida em segurança, completamente inconsciente de todo o mundo que cultua ídolos e que não conhece a Deus. Na perfeita confiança da sua imutabilidade e do seu descanso na sua casa eterna, o Pensamento que Deus mantém de ti nunca deixou a Mente de seu Criador, a Quem ele conhece do mesmo modo que o seu Criador tem o conhecimento de que ele está lá.” (T-30.III.10:1-5)

“Onde poderia estar o Pensamento que Deus mantém de ti se não onde tu estás? É a tua realidade algo que está à parte de ti, situado em um mundo sobre o qual a tua realidade nada conhece? Fora de ti não há firmamento eterno, não há estrela imutável e nenhuma realidade. A mente do Filho do Céu está no Céu, pois lá a Mente do Pai e do Filho uniram-Se na criação que não pode ter fim. Tu não tens duas realidades, mas uma só. Tampouco é possível que estejas ciente de mais de uma. Um ídolo ou o Pensamento que Deus mantém de ti é a tua realidade. Não te esqueças, portanto, que os ídolos têm que guardar escondido aquilo que tu és, não da Mente de Deus, mas da tua própria. A estrela ainda brilha, o firmamento nunca mudou. Mas tu, o Filho santo do próprio Deus, estás inconsciente da tua realidade.” (T-30.III.11:1-10)

“…Todos os ídolos são ideias falsas que fizeste para preencher a brecha que pensaste ter surgido entre ti mesmo e o que é verdadeiro. E os atacas em nome das coisas que pensas que representam. O que está além dos ídolos não pode ser atacado.” (T-30.IV.1:8-10)

“As aparências enganam porquê são aparências e não realidade. Não insistas nelas de forma alguma. Elas apenas obscurecem a realidade e trazem medo porque escondem a verdade. Não ataques aquilo que tu fizeste para te deixares ser enganado, pois desse modo provas que foste enganado. O ataque tem o poder de fazer com que as ilusões sejam reais. No entanto, o que ele faz não é nada. Quem poderia se amedrontar em virtude de um poder que não pode ter quaisquer efeitos reais? O que poderia ser além de uma ilusão, fazendo com que as coisas pareçam ser como ele próprio? Olha calmamente para os seus brinquedos e compreende que são ídolos que apenas dançam de acordo com desejos vãos. Não lhes dês o teu culto pois não existem. Entretanto, isso é igualmente esquecido no ataque. O Filho de Deus não necessita de defesa contra os seus sonhos. Os seus ídolos não o ameaçam em nada. O seu único equívoco é pensar que são reais. O que o poder de ilusões poderia fazer?” (T-30.IV.5:1-15)

“O mundo real é o estado mental no qual se vê o perdão como o único propósito do mundo. O medo não é a meta do mundo, pois escapar da culpa vem a ser o seu objetivo. O valor do perdão é percebido e toma o lugar dos ídolos, que não mais são buscados, pois as suas ‘dádivas’ já não são valorizadas. Nenhuma regra é estabelecida em vão e nenhuma exigência é feita de pessoa ou coisa alguma para que sejam distorcidas e se adequem ao sonho do medo. Em vez disso, há um desejo de compreender todas as coisas criadas como elas realmente são. E se reconhece que todas as coisas têm que ser em primeiro lugar perdoadas e então compreendidas.” (T-30.V.1:1-6)

“O mundo real ainda está aquém disso, pois esse é o propósito do próprio Deus; só Seu e, no entanto, completamente compartilhado e perfeitamente realizado. O mundo real é um estado no qual a mente aprendeu como é fácil abandonar ídolos quando eles ainda são percebidos, mas não são mais queridos. Com que disposição a mente os deixa partir quando compreendeu que os ídolos não são nada, não estão em parte alguma e não têm propósito. Pois somente então a culpa e o pecado podem ser vistos sem nenhum propósito e sem significado.” (T-30.V.5:1-4)

“Quando irmãos se unem em propósito no mundo do medo, eles já se encontram à beira do mundo real. Talvez ainda olhem para trás e pensem que vêem um ídolo que querem. No entanto, o seu caminho já foi seguramente traçado para longe dos ídolos, na direção da realidade. Pois quando uniram as suas mãos, foi a mão de Cristo que tomaram e olharão para Aquele Cujas mãos eles seguram. A face de Cristo é contemplada antes do Pai ser lembrado. Pois Ele tem que continuar sem ser lembrado enquanto o Seu Filho não tiver alcançado o que está além do perdão, o Amor de Deus. Entretanto, o Amor de Cristo é aceito antes. E então virá o conhecimento de que Eles são um só.” (T-30.V.7:1-7)

“Não olhes para trás a não ser com honestidade. E quando um ídolo te tentar, pensa nisso:

Nunca houve um momento em que um ídolo te trouxesse coisa alguma exceto a ‘dádiva’ da culpa. Nenhum deles foi comprado a não ser ao custo da dor, e nem jamais foi pago apenas por ti.”

Portanto, sê misericordioso para com o teu irmão. E não escolhas um ídolo irrefletidamente; lembra-te de que ele pagará o custo assim como tu. Pois ele se atrasará quando olhares para trás e não perceberás de Quem é a mão amorosa que seguras. Assim sendo, olha para a frente; em confiança caminha com o coração feliz que bate em esperança e não ecoa no medo. (T-30.V.10:1-8)

—continua Parte II—

—–

Imagem danie-franco-tnxRFtXI9dI-unsplash.jpg – 11 de novembro de 2023

Bibliografia da OREM3:

Livro “Um Curso em Milagres” – Livro Texto, Livro de Exercícios e Manual de Professores. Fundação para a Paz Interior. 2ª Edição –  copyright© 1994 da edição em língua portuguesa.

Artigo “Helen and Bill’s Joining: A Window Onto the Heart of A Course in Miracles” (tradução livre: A União de Helen e Bill: Uma Janela no Coração de Um Curso em Milagres”) – Robert Perry, site: https://circleofa.org/

E-book “What is A Course in Miracles” (tradução livre: O que é Um Curso em Milagres) – Robert Perry.

E-book “Autobiography – Helen Cohn Schucman, Ph.D.” – Foundation for Inner Peace (tradução livre: Autobiografia – Helen Cohn Schucman, Ph.D., Fundação para a Paz Interior).

Livro “Uma Introdução Básica a Um Curso em Milagres”,  Dr. Kenneth Wapnick, Ph.D.

Livro “O Desaparecimento do Universo”, Gary R. Renard.

Livro “Absence from Felicity: The Story of Helen Schucman and Her Scribing of A Course in Miracles” (tradução livre: “Ausência de Felicidade: A História de Helen Schucman e Sua Escriba de Um Curso em Milagres”) – Dr. Kenneth Wapnick, Ph.D.

Artigo “A Short History of the Editing and Publishing of A Course in Miracles” (tradução livre: Uma Breve História da Edição e Publicação de Um Curso em Milagres” – Joe R. Jesseph, Ph.D. http://www.miraclestudies.net/history.html

E-book “Study Guide for A Course in Miracles”, Foundation for Inner Peace (tradução livre: Guia de Estudo para Um Curso em Milagres, Fundação para a Paz Interior).

Artigo “The Course’s Use of Language” (tradução livre: “O Uso da Linguagem do Curso”), extraído do livro “The Message of A Course in Miracles” (tradução livre: “A Mensagem de Um Curso em Milagres”) – Dr. Kenneth Wapnick, Ph.D.

Artigo Who Am I? (tradução livre: Quem Sou Eu?) – Beverly Hutchinson McNeff – Site: https://www.miraclecenter.org/wp/who-am-i/

Artigo “Jesus: The Manifestation of the Holy Spirit – Excerpts from the Workshop held at the Foundation for A Course in Miracles – Temecula CA” (tradução livre: Jesus: A Manifestação do Espírito Santo – Trechos da Oficina realizada na Fundação para Um Curso em Milagres – Temecula CA) – Dr. Kenneth Wapnick, Ph.D.

Livro “Quantum Questions” (tradução livre: “Questões Quânticas”) – Ken Wilburn

Livro “Um Retorno ao Amor” – Marianne Williamson.

Glossário do site Foundation for A Course in Miracles (tradução livre: Fundação para Um Curso em Milagres), do Dr. Kenneth Wapnick, https://facim.org/glossary/

Livro Um Curso em Milagres – Esclarecimento de Termos.

Artigo “The Metaphysics of Separation and Forgiveness” (tradução livre: “A Metafísica da Separação e do Perdão”) – Dr. Kenneth Wapnick, Ph.D.

Livro “Os Ensinamentos Místicos de Jesus” – Compilado por David Hoffmeister – 2016 Living Miracles Publications.

Livro “Suplementos de Um Curso em Milagres UCEM – A Canção da Oração” – Helen Schucman – Fundação para a Paz Interior.

Livro “Suplementos de Um Curso em Milagres UCEM – Psicoterapia: Propósito, Processo e Prática.

Workshop “O que significa ser um professor de Deus”, proferido pelo Dr. Kenneth Wapnick, Ph.D..

Artigo escrito pelo escritor Paul West, autor do livro “I Am Love” (tradução livre: “Eu Sou Amor”), blog https://www.voiceforgod.net/.

Artigo “The Beginning Of The World” (tradução livre: “O Começo do Mundo”) – Dr Kenneth Wapnick.

Artigo “Duality as Metaphor in A Course in Miracles” (tradução livre: “Dualidade como Metáfora em Um Curso em Milagres”) – Um providencial e didático artigo, considerado pelo próprio autor como sendo um dos artigos (workshop) mais importantes por ele escrito e agora compartilhado pelo Dr. Kenneth Wapnick, Ph.D.

Artigo “Healing the Dream of Sickness” (tradução livre: “Curando o Sonho da Doença”  – Dr. Kenneth Wapnick, Ph.D.

Livro “The Message of A Course in Miracles – A translation of the Text in plain language” (tradução livre: “A mensagem de Um Curso em Milagres – Uma tradução do Texto em linguagem simples”) – Elizabeth A. Cronkhite.

E-book “Jesus: A New Covenant ACIM” – Chapter 20 – Clearing Beliefs and Desires – Cay Villars – Joininginlight.net© (tradução livre: “Jesus: Uma Nova Aliança UCEM” – Capítulo 20 – Clarificando Crenças e Desejos).

Artigo “Strangers in a Strange World – The Search for Meaning and Hope” (tradução livre: “Estranhos em um mundo estranho – A busca por significado e esperança”), escrito pelo Dr. Kenneth Wapnick e por sua esposa Sra. Gloria Wapnick.

Artigo “To Be in the World and Not of It” (tradução livre: “Estar no Mundo e São Ser Dele”), escrito pelo Dr. Kenneth Wapnick e por sua esposa Sra. Gloria Wapnick.

Site https://circleofa.org/.

Livro “A Course in Miracles – Urtext Manuscripts – Complete Seven Volume Combined Edition. Published by Miracles in Action Press – 2009 1ª Edição.

Tradução livre do capítulo Urtext “The Relationship of Miracles and Revelation” (N 75 4:102).

Artigo “How To Work Miracles” (tradução livre “Como Fazer Milagres”), de Greg Mackie https://circleofa.org/library/how-to-work-miracles/.

Artigo “A New Vision of the Miracle” (tradução livre: “Uma Nova Visão do Milagre”), de Robert Perry https://circleofa.org/library/a-new-vision-of-the-miracle/.

Artigo “What Is a Miracle?” (tradução livre: “O que é um milagre?”), de Robert Perry https://circleofa.org/library/what-is-a-miracle/.

Artigo “How Does ACIM Define Miracle?” (tradução livre: “Como o UCEM define milagre?”), de Bart Bacon https://www.miracles-course.org/index.php?option=com_content&view=article&id=232:how-does-acim-define-miracle&catid=37&Itemid=57.

Livro “Os cinquenta princípios dos milagres de Um Curso em Milagres”, de Kenneth Wapnick, Ph.D..

Artigo “The Fifty Miracle Principles: The Foundation That Jesus Laid For His Course” (tradução livre: “Os cinquenta princípios dos milagres: a base que Jesus estabeleceu para o seu Curso”), de Robert Perry https://circleofa.org/library/the-fifty-miracle-principles-the-foundation-that-jesus-laid-for-his-course/.

Artigo “Ishmael Gilbert, Miracle Worker” (tradução livre: “Ishmael Gilbert, Trabalhador em Milagre”), de Greg Mackie https://circleofa.org/library/ishmael-gilbert-miracle-worker/.

Blog “A versão Urtext da obra Um Curso em Milagres (UCEM)” https://www.umcursoemmilagresurtext.com.br/.

Blog “Course in Miracles Society – CIMS – Original Edition” https://www.jcim.net/about-course-in-miracles-society/.

Site Google tradutor https://translate.google.com.br/?hl=pt-BR.

Site WordReference.com | Dicionários on-line de idiomas https://www.wordreference.com/enpt/entitled.

Artigo “The earlier versions and the editing of A Course in Miracles” (tradução livre: “As versões iniciais e a edição de Um Curso em Milagres), autor Robert Perry https://circleofa.org/library/the-earlier-versions-and-the-editing-of-a-course-in-miracles/.

Livro “A Course in Miracles: Completed and Annotated Edition” (“Edição Completa e Anotada”) – Circle of Atonement.

Livro “Q&A – Detailed Answers to Student-Generated Questions on the Theory and Practice of A Course in Miracles” – Supervised and Edited by Kenneth Wapnick, Ph.D. – Foundation for A Course in Miracles – Publisher (tradução livre: “P&R – Respostas Detalhadas a Questões Geradas por Alunos sobre a Teoria e Prática de Um Curso em Milagres” – Supervisionado e Editado por Kenneth Wapnick, Ph.D. – Fundação para Um Curso em Milagres – Editora)

Artigo “The Importance of Relationships” (tradução livre: “A Importância dos Relacionamentos”), no site https://circleofa.org/library/the-importance-of-relationships/, autor Robert Perry.

Artigo: “The ark of peace is entered two by two” (tradução livre: “Na arca da paz só entram dois a dois”) – Robert Perry Site: https://circleofa.org/library/the-ark-of-peace-is-entered-two-by-two/

Artigo “Living a Course in Miracles As Wrong Minds, Right Minds, and Advanced Teachers – Part 2 of 3 – How Right Minds Live in the World: The Blessing of Forgiveness”, por Dr. Kenneth Wapnick, Ph.D.

Artigo “Living a Course in Miracles As Wrong Minds, Right Minds, and Advanced Teachers – Part 1 of 3 – How Wrong Minds Live in the World: The Ego’s Curse of Specialness”, por Dr. Kenneth Wapnick.

Transcrição do vídeo do Dr. Kenneth Wapnick no YouTube, intitulado: “Judgment” (tradução livre: “Julgamento”).  O artigo completo em inglês no site https://facim.org/transcript-of-kenneth-wapnick-youtube-video-entitled-judgment/.

Trechos do Workshop “The Meaning of Judgment” (tradução livre “O Significado de Julgamento”), realizado na Fundação para Um Curso em Milagres em Roscoe NY, ministrado pelo Dr. Kenneth Wapnick. O artigo completo em inglês no site: https://facim.org/online-learning-aids/excerpt-series/the-meaning-of-judgment/.

Comentários do professor de Deus Allen Watson, que transcrevemos, em tradução livre, do site Circle of Atonement (https://circleofa.org/workbook-companion/what-is-sin/).

Artigo “There is no sin” (tradução livre: “Não há pecado”), Robert Perry, site https://circleofa.org/library/there-is-no-sin/.

Artigo do Professor Greg Mackie, denominado “If God is Love Why do We Suffer?” (tradução livre: “Se Deus é Amor porque nós sofremos?”) https://circleofa.org/library/if-god-is-love-why-do-we-suffer/.

Artigo “The Ten Commandments and A Course in Miracles” (tradução livre: Os Dez Mandamentos e Um Curso em Milagres”), Greg Mackie, site https://circleofa.org/library/the-ten-commandments-and-a-course-in-miracles/.

Artigo escrito pelo Dr. Kenneth Wapnick, Ph.D. e pelo Padre Jesuíta W. Norris Clarke, da Companhia de Jesus, Ph.D., sobre o livro “Um Curso em Milagres e o Cristianismo: Um Diálogo”, disponível no site http://www.miraclestudies.net/Dialogue_Pref.html.

Livro “Um Curso em Milagres e o Cristianismo: Um Diálogo”, escrito pelo Dr. Kenneth Wapnick, Ph.D. e pelo Padre Jesuíta W. Norris Clarke, da Companhia de Jesus, Ph.D..

Artigo do Consultor, Escritor e Professor Rogier Fentener Van Vlissingen, de Nova Iorque, intitulado “A Course in Miracles and Christianity: A Dialogue” (“Um Curso em Milagres e o Cristianismo: Um Diálogo”), disponível no Blog Closing the Circle e acesso no link: https://acimnthomas.blogspot.com/2011/04/course-in-miracles-and-christianity.html.

Artigo sobre o livro “A Course in Miracles and Christianity: A Dialogue” (tradução livre “Um Curso em Milagres e o Cristianismo: Um Diálogo”), escrito por Dr. Kenneth Wapnick, Ph.D. e o Padre Jesuíta W. Norris Clarke, da Companhia de Jesus, Ph.D. Site http://www.miraclestudies.net/Dialogue_Pref.html.

Artigo do professor Robert Perry intitulado “Do we have a chalice list?” (tradução livre: “Temos uma lista de cálice?”), acesso através do link: https://circleofa.org/2009/07/13/do-we-have-a-chalice-list/.

Artigo “The religion of the ego” (tradução livre: “A religião do ego”), Robert Perry, link https://circleofa.org/library/the-religion-of-the-ego/.

Artigo “A New Realities Interview with William N. Thetford, Ph.D.”, conduzida por James Bolen em abril de 1984. Tradução livre Projeto OREM®. Artigo em inglês https://acim.org/archives/a-new-realities-interview-with-william-n-thetford/.

Artigo “Why is sin merely a mistake?” [tradução livre “Por que o pecado é apenas um erro?”], Robert Perry, link https://circleofa.org/library/why-is-sin-merely-a-mistake/.

Artigo “What a difference a few words make” (tradução livre: “Que diferença algumas palavras fazem”), Greg Mackie, disponível no link https://circleofa.org/library/what-a-difference-a-few-words-make/.

Artigo “Near-Death Experiences and A Course in Miracles” [Experiências de Quase-Morte e Um Curso em Milagres], coescrito por Robert Perry, B.A. (Cranborne, United Kingdom) e Greg Mackie, B.A. (Xalapa, Mexico), link https://circleofa.org/library/near-death-experiences-course-miracles/.

Artigo “Near-Death Experiences and A Course in Miracles Revisited” [Experiências de Quase-Morte e Um Curso em Milagres Revisitado], escrito por Greg Mackie, link Revisitado], e pode ser acessado no link https://circleofa.org/library/near-death-experiences-and-a-course-in-miracles-revisited/.

Artigo “Watch With Me, Angels” [Vigiem comigo, anjos], Robert Perry, link https://circleofa.org/library/watch-with-me-angels/.

Artigo transcrito de Workshop apresentado pelo Dr. Kenneth Wapnick, denominado “Watching With Angels [Vigiar com anjos], link: https://facim.org/watching-with-angels-part-1/.

Artigo “How Does Projection Really Work? [Como a Projeção realmente funciona?], Robert Perry, que pode ser acessado através do link https://circleofa.org/library/how-does-projection-really-work/.

Artigo “The Practical Implications of Projection: Summary of a Class Presentation” [tradução livre: “As Implicações Práticas da Projeção: Resumo de uma Apresentação de Aula”] poderá ser acessado através do link  https://circleofa.org/library/practical-implications-projection/.

Artigo “Reverse Projection: “As you see him you will see yourself” [tradução livre: “Projeção Reversa: ‘Assim como tu o vires, verás a ti mesmo’”], Robert Perry, link https://circleofa.org/library/reverse-projection-see-him-see-yourself/.

Artigo denominado “Are we living in a virtual reality” [“Nós estamos vivendo em uma realidade virtual?], Greg Mackie, link https://circleofa.org/library/are-we-living-in-a-virtual-reality/.

Artigo disponibilizado pelo site Pathways of Light, denominado “From Virtual do True Reality” [Da Realidade Virtual à Verdadeira], link https://www.pathwaysoflight.org/daily_inspiration/print_pol-blog/from-virtual-to-true-reality.

Série de artigos denominada “Rewriting the Rules of Virtual Reality” [Reescrevendo as Regras da Realidade Virtual] – partes 1 a 4, Dr. Joe Dispenza, link https://drjoedispenza.com/blogs/dr-joe-s-blog/rewriting-the-rules-of-virtual-reality-part-i.

Artigo “Commentary on What is Salvation” [“Comentário sobre O Que é Salvação”], Allen Watson, link https://circleofa.org/workbook-companion/what-is-salvation/.

Site oficial do Professor Allen Watson http://www.allen-watson.com/;

Artigo “Special Theme: What Is Salvation? [“Tema Especial: O Que É A Salvação?”], Thomas R. Wakechild, que pode ser acessado através do link http://acourseinmiraclesfordummies.com/blog/wp-content/uploads/2014/07/PDF-What-is-Salvation-with-Notes-Upload-7-15-14-ACIM-Workbook-for-Dummies.pdf.

Artigo “The Core Unit of Salvation” [A Unidade Central da Salvação], Robert Perry, link https://circleofa.org/library/the-core-unit-of-salvation/.

Artigo “ACIM Study Guide and Commentary – Chapter 5, Healing and Wholeness – Section III – The Guide to Salvation” [Guia de Estudo e Comentários ACIM – Capítulo 5 – Cura e Integridade – Seção III – O Guia para a Salvação], Allen Watson, acesso através do link http://www.allenwatson.com/uploads/5/0/8/0/50802205/c05s03.pdf.

Artigo “Commentaries on A Course in Miracles – ACIM Text, Section 1.I – Principles of Miracles” (“Comentários sobre Um Curso em Milagres – UCEM Texto, Seção 1.I – Princípios dos Milagres”), Allen Watson, site http://www.allen-watson.com/uploads/5/0/8/0/50802205/c01s01a.pdf

Artigo “A Course in Miracles: The Guide to Salvation” [Um Curso em Milagres: O Guia para a Salvação”], Sean Reagan, acesso através do link https://seanreagan.com/a-course-in-miracles-the-guide-to-salvation/.

Artigo “The Urgency of Doing Our Part in Salvation” [“A Urgência de Fazer Nossa Parte na Salvação”], Greg Mackie, acesso através do link https://circleofa.org/library/urgency-of-doing-our-part-in-salvation/.

Artigo “Shadow Figures” [figuras de sombra], Robert Perry, acesso através do link https://circleofa.org/library/shadow-figures/.

Artigo-estudo intitulado “Shadows of the Past” [Sombras do Passado], Allen A. Watson, acesso através do  link http://www.allen-watson.com/allens-text-commentaries.html.

Recomendamos o site The Pathways of Light Community, para reforços no processo de estudo: https://www.pathwaysoflight.org.

Artigo sobre o Capítulo 17: O Perdão e o Relacionamento Santo – Seção III: Sombras do passado; pode ser acessado através do link: https://www.pathwaysoflight.org/acim_text/print_acim_page/chapter17_section_iii.

Transcrição de palestra do professor David Hoffmeister, estudante, pesquisador e eminente divulgador de UCEM, durante a Conferência “A Course in Miracles – ACIM” [“Um Curso em Milagres”], no mês de fevereiro de 2007, acesso através do link https://awakening-mind.org/resources/publications/accepting-the-atonement-for-yourself/. As diversas palestras do professor David podem ser acessadas, em inglês, no site https://acim-conference.net/past-acim-conferences/.

Trechos do workshop realizado na Fundação para Um Curso em Milagres (Foundation for A Course in Miracles), em Roscoe, Nova Iorque, denominado “Regras para decisões”, Dr. Kenneth Wapnick, Ph.D., no link https://facim.org/online-learning-aids/excerpt-series/rules-for-decision/.

Artigo “Levels of Mind: Looking at the ‘Layers’ of Mind that form Perception” (“Níveis da Mente: Olhando para as ‘Camadas’ da Mente que formam a Percepção”), Site https://miracleshome.org/publications/levelsofmind.htm.

Artigo “To Desire Wholly is to Be” (“Desejar Totalmente é Ser”), do professor David Hoffmeister. Site: https://miracleshome.org/supplements/todesirewholly_171.htm.

Artigo “The Glory of Who We Really Are” [“A glória de quem nós realmente somos”], do professor Greg Mackie. Site: https://circleofa.org/library/the-glory-of-who-we-really-are/?inf_contact_key=2c1c99e05ff3c25330a7916d84d19420680f8914173f9191b1c0223e68310bb1.

Artigo “The difference between horizontal and vertical perception”, Paul West (16/09/2019). Site https://www.voiceforgod.net/blogs/acim-blog/the-difference-between-horizontal-and-vertical-perception.

Artigo “The Holy Relationship: The Source of Your Salvation [“O Relacionamento Santo: A Fonte de Sua Salvação”], Greg Mackie. Site Circle of Atonement, https://circleofa.org/library/holy-relationship-source-of salvation/?inf_contact_key=791ef4a4c578a34f45d28b436fec486d680f8914173f9191b1c0223e68310bb1.

Artigo “On Becoming the Touches of Sweet Harmony – The Holy Relationship as Metaphor – Part 1 and Part 2” [“Sobre se Tornar os Realces da Amena Harmonia – O Relacionamento Santo como Metáfora – Parte 1 e Parte 2”], 1º de junho de 2018, Volume 22 Nº 2 – Junho 2011, Dr. Kenneth Wapnick, Ph.D. Site https://facim.org/becoming-touches-sweet-harmony-holy-relationship-metaphor/.

Livro “Your Immortal Reality: How to Break the Cycle of Birth and Death” (tradução livre: “A Sua Realidade Imortal: Como Quebrar o Ciclo de Nascimento e Morte), de autoria de Gary R. Renard.

Fonte de consulta para a tradução dos Dez Mandamentos em português: https://biblia.com.br/perguntas-biblicas/quais-sao-os-10-mandamentos-e-onde-os-encontramos-na-biblia-cl/.

Artigo “Summary of the Thought System of “A Course in Miracles” [Resumo do Sistema de Pensamento de “Um Curso em Milagres”]. Links https://facim.org/summary-of-the-thought-system-of-a-course-in-miracles-part-1/; https://facim.org/summary-of-the-thought-system-of-a-course-in-miracles-part-2/.

Artigo “Miracles boomeritis” [Boomerite dos Milagres], Robert Perry, https://circleofa.org/library/miracles-boomeritis/.

Livro “Boomerite: Um romance que tornará você livre” [na versão em português; “Boomeritis: A Novel That Will Set You Free”, na versão original em inglês].

Artigo “A brief summary of “The obstacles to peace” [“Um breve resumo de “Os obstáculos à paz”], Robert Perry, site Circle of Atonement, link https://circleofa.org/library/brief-summary-obstacles-to-peace/.

Artigo “A Course in Miracles and ‘The Secret’” [“Um Curso em Milagres e ‘O Segredo’”], Greg Mackie. Site https://circleofa.org/library/a-course-in-miracles-and-the-secret/.

Artigo “How can the Course help us cope with a financial crisis” [“Como o Curso pode nos ajudar a lidar com uma crise financeira?”], Greg Mackie. Site https://circleofa.org/library/course-help-cope-with-financial-crisis/.

Artigo “True Empathy” [“A Verdadeira Empatia”], autor Robert Perry. Site https://circleofa.org/library/true-empathy/.

Artigo: “I NEED BE ANXIOUS OVER NOTHING”, autor Greg Mackie. Site: https://circleofa.org/library/carefree-life/;

Artigo “16-POINT SUMMARY OF THE TEACHING OF A COURSE IN MIRACLES”, autor Robert Perry. Site: https://circleofa.org/library/creation-by-god/

Livro “365 Days Through A Course in Miracles – A Daily Devotional”, de Jeff Nance.

Artigo ‘The Introduction to the Workbook’, de Allen Watson. Site: https://circleofa.org/workbook-companion/the-introduction-to-the-workbook/

Vídeo do Dr. Kenneth Wapnick, abordando a afirmação do livro Texto: “Faça com que esse ano seja diferente, fazendo com que tudo seja o mesmo” ((UCEM-Urtext-T-15.XI.10:11), disponível no YouTube através do link:  https://www.youtube.com/watch?v=KFNCHw_Hb5Q.

Artigo do Professor Robert Perry, denominado “THIS YEAR MAKE DIFFERENT: HOW THE COURSE WOULD HAVE US APPROACH THE NEW YEAR” [Tradução livre “Faça com que esse ano seja diferente: Como o Curso nos quer fazer abordar o Ano Novo”], disponível em inglês através do link: https://circleofa.org/library/a-different-approach-to-the-new-year/.

Livro “The Journey Home” de autoria do Dr. Kenneth Wapnick sobre a seção “The Closing of the Gap” [versão FIP do Curso: “Fechar a brecha”].

Artigo “The Course’s Definition of Idols” [tradução livre “A Definição de Ídolos do Curso], de autoria do Professor Robert Perry. Site: https://circleofa.org/library/the-courses-definition-of-idols/.

Um milagre é uma correção. Ele não cria e realmente não muda nada. Apenas olha para a devastação e lembra à mente que o que ela vê é falso. Desfaz o erro, mas não tenta ir além da percepção, nem superar a função do perdão. Assim, permanece nos limites do tempo. LE.II.13

Nada real pode ser ameaçado.
Nada irreal existe.
Nisso está a paz de Deus.
T.In.2:2-4
Autor

Graduação: Engenheiro Operacional Químico. Graduação: Engenheiro de Segurança do Trabalho. Pós-Graduação: Marketing PUC/RS. Pós-Graduação: Administração de Materiais, Negociações e Compras FGV/SP. Consultor de Empresas: Projeto OREM® - Organizações Baseadas na Espiritualidade (OBEs). Estudante e Pesquisador Independente sobre Espiritualidade Não-Dualista; Psicofilosofia Huna e Ho’oponopono; A Profecia Celestina; Um Curso em Milagres (UCEM); Espiritualidade no Ambiente de Trabalho (EAT); A Organização Baseada na Espiritualidade (OBE). Certificação: “The Self I-Dentity Through Ho’oponopono® - SITH® - Business Ho’oponopono” - 2022.

0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
0
Would love your thoughts, please comment.x